História PAPARAZZI. - Capítulo 12


Escrita por: e Namsual

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtanboys, Bts, Jhope, Jikook, Jimin, Jin, Jungkook, Namjoon, Seokjin, Suga, Yoongi
Visualizações 184
Palavras 1.797
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela, Suspense, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 12 - Gossip and flagrant - Jm.


Eu tinha desfilado para mais um evento importante da Coréia do Sul, e por insistência do Jungkook, ele acabou comparecendo ao desfile. O evento seria transmitido para muitos países, e eu realmente estava muito nervoso com isso.

Depois do evento, Jungkook me esperou no camarim, ele estava conversando com o Min Parker, e como sempre, o outro estava babando nele.

Jungkook me deu uma carona até em casa, e disse que não poderia ficar hoje, pois ele ia para um jantar de negócios com seu pai, e eu não insisti que ficasse justamente para ninguém desconfiar de nada, mas não durou por muito tempo.

— Jung Hoseok! – grito ao entrar em casa.

— Na sala de estar! – ele grita de volta, então vou até ele.

— Você viu o meu desfile? O que achou? Eu tava bonitão, não é? – Hoseok dá uma risadinha irônica.

— Você estava maravilhoso, divino como sempre, Jiminie... – ele se aproxima. – mas vem cá olhar o que estão falando sobre você na televisão. – ele me empurra de leve pelos ombros, fazendo-me sentar em seguida no sofá, em frente a televisão.

— Parece que o filho do Presidente gosta muito de assistir esses desfiles de moda, viu? Porque ele foi flagrado na platéia, dentro do Evento, assistindo o desfile inteirinho e não saiu até o final, de acordo com algumas pessoas presentes no local. – disse uma loira, que olhava diretamente para a câmera.

— Será que ele estava lá para ver alguém em especial desfilar? Ou será que foi por curiosidade ou algo do tipo? – pergunta uma morena, que ao falar, olha para a câmera também.

— Eu acho... – diz um homem. – que ele foi ver alguém em especial.

— Já eu... Acho que Jeon Jungkook gosta de queimar rosca. – as pessoas de dentro do programa começam a rir, eu freneticamente começo a balançar minha cabeça positivamente.

— Vocês não podem dizer isso! Não podem, pode ficar feio pro Jungkook se o pai dele ver isso! – grito enquanto olhava para a tv.

— Hãn... Jimin? É só uma televisão... Viu? – pergunta Hoseok, em seguida ele desliga a tv.

— E-eu preciso ligar pro Jungkook. – corro até o meu celular, que se encontrava na bolsa, mas Hoseok pega o celular da minha mão. – o que está fazendo?!

— Se Jungkook estivesse sabendo dessa história, ele já teria ligado pra você. – guarda o celular em seu bolso. – pare de correr atrás desse garoto, não estou te reconhecendo, Jimin.

— Eu... – respiro fundo. – só quero ligar para o Jungkook. – meu telefone começa a tocar. – meu celular, viu?! Está tocando, me dá. – me aproximo dele. Ele pega meu celular e olha quem me ligava.

— Está com sorte hoje. – ele ri, me entregando em seguida o meu celular.

— Alô? – digo ao me afastar do Hoseok, vou caminhando em direção ao meu quarto.

— Oi, Jimin... – responde ele.

— Você me ligou para saber do que viu, não é? – pergunto nervoso.

— Como assim? – pergunta confuso.

— Onde você está? – entro no meu quarto e fecho a porta em seguida.

— No banheiro do restaurante, não estou suportando aqueles colegas do meu pai. – suspira. – liguei também porque deu saudade. – dou risada.

— Acabamos de nos ver.

— E daí?

— Não querendo acabar com a sua alegria, mas já acabando... Acesse o seu nome no Search depois, era sobre isso que eu estava querendo falar.

— Você anda me procurando no Search? – ele ri. – é muita saudade mesmo.

— Cala a boca, Jungkook. Só faça o que eu te falei, tchau. – desligo o telefone.

(...)

Ao chegar na empresa, uma movimentação diferente. Na verdade a empresa sempre era tão parada quando eu não estava presente, mas hoje foi diferente.

Fui então até a sala onde eu costumava fazer minha maquiagem, mas percebi também que a sala não estava vazia.

— Ai Kim Sung Chang, como você pode ser tão lindo? – pergunta uma das centenas de garotas que estavam dentro da sala.

— Por favor, me chame só de Spax. – ouço uma voz masculina, no meio daquela multidão.

— Você parece um anjo. – diz uma outra, fazendo o mesmo rir.

— Posso tocar no seu cabelo?

— Claro. – diz ele, enquanto a mesma pessoa que perguntou, se aproxima do mesmo e encosta no seu cabelo.

Vou entrando mais na sala, mas ninguém pareceu perceber minha presença, e aquilo já estava de fato me irritando até demais.

— Seu cabelo é tão macio... – disse a mesma ainda.

— Obrigado. – ele responde sem graça.

— Com licença. – digo tentando me aproximar dos espelhos, mas não deixavam eu passar. – eu disse com licença, por favor! – aumento meu tom de voz, fazendo agora todos me olharem, até mesmo o tal de Spax.

As garotas que estavam em volta do Spax, começaram a se afastar, revelando o mesmo por trás delas, ao olha-lo, não sei porque eu me achei tão parecido com ele, ele tinha os olhos tão... Sorridentes.

— P-park J-jimin? – ele pareceu ficar nervoso. – você por aqui? – pergunta surpreso.

— O próprio e original. – digo ao ignorar totalmente os olhares sobre mim e indo à um dos espelhos da sala, me sentando em uma cadeira em seguida.

— Meninas... – ele olha para todas. – foi muito bom falar com vocês. – começaram a fazer som de "ah" por ficarem tristes.

Todas que estavam dentro da sala, saíram então, deixando-me sozinho com o Spax.

— Você não tem noção do quanto eu fico feliz em te conhecer, Park Jimin. – solto uma risada fraca. –

— Muito obrigado. – digo ao me virar pra ele e pego o kit de maquiagem que estava alí, e começo a passar um lápis de olho em torno do mesmo.

— Eu sou novato aqui, então... Nossa, eu tô nervoso. – diz ele com a voz tremula na última frase. – eu nem acredito que falando com você, sei lá, eu... – respiro fundo.

— Fico feliz que você goste de mim, – sorrio levemente. – até porque não são todas pessoas que gostam de mim aqui dentro.

— Quem não gosta do Park Jimin? – pergunta confuso.

— Acredite, muita gente. – termino de contornar o meu olho.

— Eu posso... Pegar emprestado? – pergunta se referindo ao lápis preto.

— Pode... – entrego pra ele. – só não faz igual. – me aproximo da porta e saio então da sala.

— Precisamos conversar, Park Jimin. – disse Min Parker ao me ver sair da sala.

— Mas já? O que eu fiz? – pergunto ao bufar.

— Sem perguntas, só me acompanhe. – disse ao andar em direção a sua sala.

Entramos então na sua sala, e me sento na cadeira em frente a mesa do mesmo.

— Park Jimin, se você não sabe, irá saber agora, temos um novo modelo na empresa, e eu gostaria que você o conhecesse. – começo a rir.

— Quem? O Spax? Já conheci ele, ele por um acaso estava na sala do meu camarim, onde eu faço as minhas maquiagens e entre outras coisas.

— Não acredito que você já não gostou dele. – disse balançando a cabeça negativamente.

— Ele estava na minha sala, então eu não gostei mesmo.

— Dá uma chance pra ele, ele parece seu irmão "gêmeo". – arregalo os olhos incrédulo. – pelo menos os olhos são bem parecidos.

— Não fale besteiras, eu não sou parecido com ele. – digo brabo.

— Você é o Park Jimin, está mesmo preocupado com isso? – me levanto.

— Eu só quero esse Spax longe do meu caminho, longe do que é meu, e é só isso.

— Já lhe disse, dê uma chance para ele.

— Só irei ser legal com ele se estiver fora do meu caminho. – me aproximo da porta de saída e abro a mesma, não esperando Min Parker responder.

— Então você é amigo do Park Jimin? – pergunta Spax para alguém, sua voz estava longe, mas dava pra ouvir direitinho o que ele falava.

— Sou sim. – era o Jungkook. – hoje eu vim buscá-lo para resolver alguns assuntos.

— Eu o acho tão agradável, – ele ri. – mas parece que ele não foi muito com a minha cara.

— Jimin é complicado assim mesmo. – disse Jungkook. – ele gostou de você sim, só não está nos melhores dias, e eu vim aqui justamente para resolver isso.

Me aproximo então perto de onde Spax e Jungkook estão, e ando distraidamente como se não tivesse escutado nada. Até que os dois ao me ver, mudam de assunto.

— Mas que bom que você entrou para a empresa, – ele cumprimenta Spax com a mão. – você vai adorar aqui.

— Obrigado, Jeon Jungkook. – ele cumprimenta. – eu com certeza irei adorar trabalhar aqui.

Jungkook se aproxima de mim e me cumprimenta com um beijo no rosto, fazendo Spax olha-lo e lançar um sorriso como se tivesse dizendo que sacou tudo.

— Tchau Spax. – diz Jungkook, ao me abraçar pela cintura.

— Tchau Jungkook, tchau Jimin. – acena pra mim, eu aceno também, mas não digo nada.

Fomos para os fundos da empresa, e entramos no carro do Jungkook. Eu estava com ciúmes dele, mas não queria deixar isso visível, mas a minha cara de bunda não estava ajudando.

— Jimin? – fico olhando para a frente, tentando não olhar para ele.

— Não quero falar com você. – cruzo os braços, ainda olhando para frente.

— Você está estranho...

— Ah. – solto um riso de deboche. – agora que você percebeu? Merece um prêmio por isso.

— É de quem eu tô pensando? – ele pergunta meio hesitante.

— Vai lá perguntar pro seu amiguinho novo. – ele ri.

— Jimin... Eu sou apenas seu. – olho pra ele.

— Ainda continuo brabo com você.

— Pára com isso e vem logo matar a saudade. – Jungkook me puxa pela nuca, fazendo nossos lábios se chocarem um ao outro. Eu no começo não hesitei em tentar pará-lo, mas confesso que ao decorrer do tempo eu me cedi ao beijo dele. Apesar de eu ter visto o Jungkook de manhã, eu senti falta de ficar com ele, e mesmo estando bravo com ele, ele consegue fazer de tudo para que eu não fique de mau.

Ficamos por longos minutos trocando carinhos dentro do carro, até que eu senti um flash em nossa direção, o que fez eu desesperadamente parar o nosso beijo.

— Jungkook, você viu isso? – digo ao olhar para todos os lados.

— Vi o que, meu amor? – pergunta ele confuso.

— Um flash... Sei lá, eu senti uma luz nos meus olhos. – digo ainda olhando para a direção que eu vi o flash.

— Deve ser a chuva, o tempo está nublado. – diz ele.

— Não... – saio do carro. – tem alguma coisa estranha aqui. – Jungkook também sai do carro.

Foi então que ao olhar por trás de um arbusto, vejo uma câmera escondida apontada para nós, e logo atrás um homem.

— Ei! – aponto para o paparazzo, que ao ver que foi descoberto, começa a correr longe de nós, fazendo eu e o Jungkook correr atrás do mesmo também.

Ele corria mil vezes mais rápido que nós, fazendo com que eu e o Jungkook não conseguíssemos alcança-lo, fizemos de tudo para para-lo mas pareceu não adiantar, ele entrou em uma rua que Jungkook disse que era perigosa para pessoas do nosso nível entrar lá.

— Merda... – diz Jungkook ao pressionar suas mãos até a cabeça.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...