História Para estender o nosso amor às estrelas - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Pokémon
Personagens James, Jessie, Meowth
Tags Amor, Equipe Rocket, Hentai, James, Jessie, Pokémon, Rocketshipping, Romance, Sexo
Visualizações 132
Palavras 10.540
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Capítulo Único


A Equipe Rocket estava na Região de Unova há alguns meses. Depois de algumas missões bem sucedidas e outras nem tanto, iniciaram as preparações para o plano do Metrô de Nimbasa. Resolveram que Meowth iria distrair os pirralhos por alguns dias, para que eles não descobrissem sobre a missão e a arruinassem, como de costume. Enquanto isso, Jessie e James preparariam tudo.

"Você acha que o Meowth vai se sair bem na missão, Jessie?" "Mas é claro, James! É muito fácil enganar aqueles pirralhos tontos. Agora vamos nos concentrar na nossa parte da missão." "Sim, senhora!" Depois de algumas horas, Jessie suspirou: "Ahhh, que cansaço!" "Já chega por hoje, já fizemos mais que o suficiente e estamos bem adiantados. O Dr. Zager nos disponibilizou uma Base Secreta, vamos ficar lá durante esses dias." Respondeu James.

Como não queriam chamar atenção de inimigos, o par seguiu para a Base andando, e não no Balão. Já era noite e a iluminação da floresta em que a Base se encontrava era fraca. "Grrrrr... Não enxergo nada!" Jessie resmungou. "Já estamos chegando..." James respondeu. Andando mais um pouco, Jessie pisou em uma armadilha feita por algum caçador de Pokémon selvagem. Ela ficou pendurada em um buraco muito fundo. James imediatamente a segurou e puxou para fora do buraco, ela caiu em cima dele. Os dois ficaram cara-a-cara, ofegantes, assustados, envergonhados pela posição em que se encontravam. "Ah... Obrigada, James..." Jessie deu um sorriso sem jeito. "Tudo bem, somos uma equipe." James deu seu sorriso charmoso em retribuição. Seus rostos se aproximaram, os dois estavam corados. Até que Jessie se afastou e levantou. James logo em seguida levantou-se também. "Você se machucou?" "Não, está tudo bem!" Ela estava sem graça com a situação. "Por quê? Por que eu estou me sentindo assim perto dele?" Ela reclamava sozinha e quieta. "Então... quem ousa copiar nossas clássicas armadilhas anti-pirralhos?" James disse, para quebrar o gelo. "Algum maldito caçador de Pokémon, se acharmos ele, vamos roubar todos os Pokémon que ele tiver e entregá-los pro Chefe!" Jessie disse, com determinação.

O par chegou à Base, que era bem escondida e relativamente pequena, mas tinha todos os cômodos necessários, como sala, cozinha, banheiro e um quarto. Jessie foi direto para o banho de espuma relaxante, enquanto isso, James foi preparar algo para os dois comerem.

Na banheira, ela pensou um pouco sobre a situação de estar sozinha com James. Isso já havia acontecido várias vezes antes, mas nunca por muito tempo e sem outras pessoas ou Pokémon por perto, como ela sabia que seria a partir de hoje. Sempre houve uma tensão sexual entre os dois, mas ultimamente ela estava sentindo uma atração muito mais forte por ele, já que James ficou mais maduro, sério e competente, além de estar ainda mais atraente do que antes. Ambos estavam nos seus vinte e poucos anos de idade, viviam juntos há anos e possuíam uma intimidade anormal do que "apenas amigos". Trocavam de roupa juntos, dormiam juntos e até mesmo tomavam banhos em fontes termais juntos... E mesmo depois de tudo isso, ainda eram virgens. Ela tinha certeza de que ele ia beijá-la naquele momento da floresta e ela acabou fugindo e se arrependendo muito, afinal, ela queria beijá-lo também. Refletindo sobre tudo isso, Jessie decidiu: "Talvez... esteja na hora..." 

Na cozinha, James pensava em Jessie. Ela estava cada vez mais bonita, determinada e o tratava um pouco melhor. Ele sempre teve uma enorme queda secreta por ela, mas nunca quis admitir nem para si mesmo, muito menos para ela.  Eles já haviam se beijado algumas vezes no passado, mas nunca comentaram nada sobre isso, talvez porque fosse embaraçoso. Sempre preferiram fingir que nada aconteceu. "Até quando? Será que ela não sente nada por mim?" Ele suspirou, com tristeza.

Jessie saiu do banheiro vestindo um pijama que mostrava bem as suas curvas. Ela estava linda, seus cabelos estavam soltos e ela usava um perfume muito bom. Ela foi pra cozinha e James a esperava para que começassem a jantar. Quando Jessie apareceu, James olhou para ela e ficou mudo por um momento, paralisado com a beleza dela. Ele pigarreou e comentou qualquer coisa sobre a missão, só para quebrar o silêncio.

Depois do jantar, James foi para o banho, enquanto Jessie escrevia o relatório da missão do dia no laptop, sentada na cama. James saiu do banheiro sem camisa, usava somente uma bermuda. Jessie olhou discretamente para o físico dele. Ele estava com os músculos mais definidos, devido ao seu trabalho pesado pela Equipe Rocket na Região de Unova. Ele se deitou na cama, isso era natural para eles, pois sempre dormiam juntos. Mas, dessa vez, estavam completamente sozinhos e um pouco tensos com a situação. Ela desligou o laptop, virou para o lado oposto de James e disse em voz baixa: "Boa noite." "Boa noite, Jessie." Um silêncio constrangedor tomou conta do quarto, nenhum dos dois havia dormido ainda, mesmo estando cansados.

Mil pensamentos passavam pelas suas cabeças. Essa situação fez James lembrar de uma vez em que ficaram sozinhos por algumas horas em uma floresta, enquanto Meowth tinha ido procurar lenha, pressionado pela dupla. Os dois estavam com muito frio e se abraçaram para aumentar a temperatura de seus corpos e a grande proximidade os levou a um repentino e longo beijo. Lembrando dessa situação, sem perceber, James suspirou, chamando a atenção de Jessie, que também estava acordada. "Não consegue dormir?" Ela perguntou. "Não... desculpe, eu te acordei?" Ela se virou para a direção de James, para que pudesse responder olhando para ele: "Não, eu também não consigo dormir..." "Alguma coisa te incomodando?" "Não, eu só... estava pensando, você sabe, sobre a missão." "Claro, a missão... é, eu também."

Estavam olhando um para o outro o tempo todo, eles queriam se beijar. A tensão entre os dois aumentou cada vez mais, até que James, sem pensar muito, resolveu arriscar. Ele se aproximou dela e a beijou. Ela ficou paralisada com a ação repentina, mas logo devolveu o beijo, que foi se aprofundando, cada vez mais.

Ele a puxou para mais perto, suas pernas se entrelaçaram, as mãos de James acariciavam e levemente apertavam as coxas de Jessie, enquanto ela passava as mãos nas costas dele. Jessie sentiu que estava pronta e decidiu avançar mais um pouco, deitou em cima dele, beijando-o no pescoço e trilhando o beijo até o peito dele, mas logo depois voltou para a boca. Jessie podia sentir a excitação de James embaixo dela, e queria provocá-lo ainda mais... ela tirou a bermuda e a roupa de baixo dele. O rosto de James ficou vermelho. Ele respirou fundo e perguntou: "Je... Jessie, você tem certeza?" "Não fale, James." Ela respondeu, voltando a beijá-lo com ainda mais desejo. Ele tirou todo o pijama dela, de modo que os dois estavam completamente nus agora. Ele não podia acreditar que finalmente aquele corpo perfeito finalmente poderia ser tocado desse jeito por ele agora. Ele começou beijando um dos seios dela, trilhando os beijos para o outro, chupando levemente. Mesmo com certa timidez e inexperiência, eles percorreram e descobriram os corpos um do outro, juntos.

Os dois estavam nervosos e tremiam muito, mas, queriam algo mais... Eles se beijaram novamente, dessa vez, James estava em cima de Jessie... ela falou baixinho durante o beijo "Seja um cavalheiro." Ele sorriu maliciosamente, a beijou e respondeu: "É claro..." James entrou nela devagar e com cuidado. Jessie fechou os olhos com força, mas deixou escapar uma lágrima junto com um forte gemido quando sua virgindade foi tirada. James, percebendo a dor de Jessie, parou imediatamente e se inclinou para beijá-la e sussurrar no ouvido dela "Me desculpe..." Ela pediu para que ele continuasse. Ele prosseguiu com movimentos lentos e cuidadosos, mas intensos. Rapidamente, a dor se transformou em prazer. Quando a paixão e o desejo aumentaram ainda mais, ele acelerou o ritmo enquanto beijava o pescoço dela. Jessie envolveu as pernas na cintura de James, enquanto o abraçava e arranhava as costas dele.

Algum tempo depois, ela o surpreendeu: "Agora é minha vez!" "Hã?!" Ela trocou de posição com ele, dessa vez, Jessie estava no topo e no comando. Ela o colocou dentro dela e se inclinou para beijá-lo, enquanto os dois faziam movimentos fora de sincronia, mas logo encontraram o ritmo certo. Jessie se afastou, apoiou as mãos no peito de James e continuou, dessa vez um pouco mais rápido... o que o deixou louco. Ela se inclinou novamente para beijá-lo, dessa vez com mais força, por conta do prazer que sentia. Ele segurou os quadris dela com força, guiando os movimentos, cada vez mais rápidos e mais fortes. Em meio a suspiros, gritos e gemidos, Jessie gemeu alto o nome de James quando ela chegou ao orgasmo, logo em seguida, ele também.

Ela caiu em cima dele, os dois estavam ofegantes, trêmulos, suados e exaustos, mas completamente satisfeitos, realizados e... completos! Finalmente completos. Ela o beijou, deslizou para o lado dele e olhou para o teto, sem ainda acreditar no que finalmente havia acontecido, ela tentava dizer algo enquanto ainda recuperava o fôlego: "Uau... Nós realmente fizemos o que eu acho que fizemos?" "Eu... acho que sim." Disseram os dois, sem ainda acreditar. "Então... você... gostou?" Jessie perguntou, um pouco envergonhada. "Ah, foi definitivamente incrível! E você?" "Sim, só cometemos um erro..." James arregalou os olhos, e com uma expressão assustada, perguntou: "O que?" Ela sorriu maliciosamente para ele e disse: "Nós deveríamos ter feito isso há muito tempo atrás." Ele, aliviado e com um tom de satisfação, levantou uma sobrancelha e respondeu: "Não se preocupe, podemos recuperar todo esse tempo desperdiçado." Ele a abraçou e logo depois, os dois adormeceram.

No dia seguinte, foram dar continuidade à missão. Já de noite, assim que terminaram mais uma etapa do plano, enquanto voltavam para a Base, avistaram um restaurante famoso na Cidade de Nimbasa, os dois estavam com muita fome e decidiram se dar ao luxo de jantar em um bom restaurante. "É tão fino!" Os olhos de Jessie brilharam. Eles entraram no restaurante disfarçados como um casal comum, com roupas chiques, pediram o jantar e uma garrafa de vinho. Eles jantaram, beberam toda a garrafa de vinho e pediram mais outra, e depois outra... no final, já estavam completamente bêbados. Quando a conta chegou, mal podiam acreditar no valor extremamente caro, mas já haviam bebido tanto, que não se importaram em gastar metade de seus salários em um jantar. Saíram do restaurante dando gargalhadas e enquanto todos os olhavam, eles continuavam a rir. 

Chegando na Base, tiveram uma certa dificuldade para digitar a senha que abria a porta, devido ao alto teor de álcool em seus corpos. Quando finalmente conseguiram entrar, começaram a rir sem parar da situação e só se calaram quando repentinamente se beijaram. Se abraçaram, foram caminhando e ao mesmo tempo se beijando em direção ao quarto, sem olhar para os lados e derrubando tudo que estava em volta deles. Finalmente, abriram a porta do quarto, se jogaram na cama, arrancaram suas roupas e tiveram mais uma longa noite de prazer.

Depois de alguns dias, os dois estavam mais íntimos do que nunca. Estava chegando o dia de Meowth retornar para a Equipe e finalmente botarem o plano em prática. Os dois decidiram que iriam contar para o amigo sobre sua nova relação, a fim de conseguir alguns momentos a sós, contando com a compreensão do gato. Mais dias se passaram e o trio finalmente se reuniu. Botaram o plano em prática, mas falharam, mais uma vez, graças aos pirralhos. 

"Merda, merda, merda! Malditos pirralhos! Mais uma vez, todo o nosso trabalho foi em vão!" Jessie gritava, muito irritada, entrando na Base junto de James e Meowth, chutando tudo que ela via pela frente. "Eu preciso dormir... James, vem logo!" "Já vou, Jessie... só um minuto." Meowth estranhou o diálogo e James explicou a toda a situação para ele, que não parecia nada surpreso. "Ah, então é isso... Demorou muito pra acontecer. Vocês são bem lerdos, hein, Jimmy?! Só não façam muito barulho, eu me impressiono com facilidade." Debochou o Pokémon, que sempre percebeu a atração entre os dois. James corou, deu um soco em Meowth, se levantou do sofá da sala e foi para o quarto.

Jessie o esperava, ainda irritada com o fracasso do plano, James foi acalmá-la. Ele a abraçou e disse: "Um dia vamos pegar aquele maldito Pikachu, vamos ser ricos e vamos ter tudo do bom e do melhor!" "Eu espero que você esteja certo, James... porque eu já estou cansada de fracassar em tudo." "Não fale assim, Jess. Nós somos bons em tantas coisas... Vamos pegar o Pikachu amanhã e entregá-lo para o Chefe!" Ele disse, sorrindo. "Que seja..." Ela resmungou, enquanto se aconchegava nos braços dele, adormecendo rapidamente.

Alguns meses se passaram. Depois da destruição da Equipe Plasma, o Trio Rocket encerrou as operações na Região de Unova. Voltaram para Kanto, visitaram o QG da Equipe Rocket e entregaram Frillish, Woobat, Yamask e Amoonguss para Giovanni. Jessie pegou Wobbuffet de volta e foram para a Cidade de Pallet, precisavam descobrir qual seria o próximo passo do pirralho. Chegando lá, descobriram que a próxima jornada seria na Região de Kalos. Como bons perseguidores, o Trio partiu para a nova região. Chegando em Kalos, montaram uma pequena Base Secreta perto da cidade de Lumiose. James capturou um Inkay e alguns dias depois, Jessie capturou um Pumpkaboo.


* * *

Em uma certa noite, James protestou: "Mas por que você sempre tem que ficar em cima?" Jessie rebateu: "Ah, não seja um pirralho mimado!" James franziu a testa e disse com um tom sedutor: "Eu vou te mostrar o pirralho mimado!" Ele a pegou gentilmente, mas com confiança, a virou de costas para ele e entrou nela, e continuaram até os dois ficarem totalmente satisfeitos.

A relação dos dois estava mais forte, mais intensa. Mas Jessie não queria pensar se estavam apaixonados um pelo outro, ela preferia acreditar que apenas eram melhores amigos que faziam sexo com certa frequência, para aliviar o stress de nunca conseguirem botar as mãos no Pikachu. "Eu não devo me apaixonar por James... Eu sonho em me casar algum dia, mas ele nunca iria querer se casar comigo. E mesmo se ele quisesse, não poderia, porque ele já tem uma noiva." Ela suspirou com tristeza, enquanto olhava para ele, dormindo tranquilamente ao lado dela, na cama.

Jessie não fazia ideia de que os sentimentos de James por ela cresciam cada vez mais, porém ele não ousava demonstrar isso para ela, por medo e incerteza. James foi criado em um ambiente conservador e tradicional, cercado de regras. Sexo antes do casamento estava fora de cogitação e mesmo assim, ele quebrou as regras. Não que ele se importasse com isso, afinal ele nunca aceitou as regras que a alta sociedade o obrigavam a seguir, por isso ele preferiu fugir de casa quando ainda era uma criança. Por muito tempo, James tentou esconder de si mesmo seus sentimentos por Jessie, até que depois dessa mudança brusca da relação entre eles, não sobrou nenhuma dúvida para ele. Ele a amava e sempre a amou, desde quando se conheceram. Ele faria tudo por ela, tudo para vê-la feliz, mas ainda não tinha coragem de confessar para ela, mesmo tendo certeza de que Jessie era a mulher de sua vida.

Em uma certa noite, James resolveu sair da Base e ir para a floresta sozinho, para pensar um pouco. Ele se sentou à beira de um lago, enquanto olhava para a lua e para as estrelas. Ele tirou do bolso uma caixinha com um lindo anel dentro. "Vovó, o que eu faço?" Ele se perguntava, melancólico. 

Quando James esteve em sua Cabana de Verão e teve que deixar Chimecho, sua avó o chamou em um canto para conversar em particular. "James, essa menina que está com você é muito bonita e parece que você gosta muito dela, não é?" James corou intensamente "Não é nada disso! Eu, eu não..." "Acalme-se, você só não quer que ela saiba a verdade ainda, certo? Olha, o seu avô me deu este anel quando me pediu em casamento, eu quero que dê a ela quando você achar que o momento certo chegou, está bem?" Os olhos de James se encheram de lágrimas. "Obrigado, vovó! Eu vou!" Desde então, James guardou a caixinha com o anel esse tempo todo, mas nunca criou coragem para pedir a mão de Jessie.


* * *

Jessie e James estavam sozinhos no quarto, aproveitando um dos poucos momentos de tranquilidade que eles tinham. Trocavam alguns carinhos, se beijavam e se abraçavam amorosamente. Jessie sentiu algo estranho... como se tivesse borboletas no estômago, seu coração se aqueceu, ela sentiu uma sensação incrível. O que ela mais temia estava acontecendo. Ela tentou ao máximo separar os sentimentos da forte amizade deles, do sexo e do amor, mas agora era tarde demais. Durante todo esse tempo, ela sempre o amou, mas nunca percebeu antes.

Eles se beijaram apaixonadamente e nada precisou ser dito. Suas roupas foram removidas peça por peça, se deitaram na cama e fizeram amor. Não era mais somente sexo. Foi a melhor noite que tiveram juntos, até o momento. Os dois se abraçaram, estavam felizes, muito felizes. Jessie adormeceu nos braços de James. "Eu não posso perder essa mulher, eu não suportaria. Mesmo que ela não sinta o mesmo por mim, ela precisa ao menos saber dos meus sentimentos, eu devo declarar o meu amor por ela..." Pensou James, enquanto observava sua amada, dormindo tranquilamente.

Na manhã seguinte, Jessie abriu os olhos e percebeu que James a abraçava carinhosamente, enquanto dormia. Ela se virou de frente para ele, o que o fez despertar também. Ele abriu os olhos e sorriu para ela "Bom dia, minha Rainha." "Oh, parece que alguém acordou extra-romântico hoje, hein?!" Ela sorriu e o beijou delicadamente "Bom dia." Eles se abraçaram, não queriam levantar da cama, apenas queriam ficar deitados ali, aproveitando o momento.

"Uh... Jessie?" "Sim, James?" Ele tomou coragem  e olhando nos olhos dela, disse: "Eu preciso te contar uma coisa, mas não sei ao certo como..." James ficava cada vez mais vermelho. Jessie ficou com um frio na barriga quando percebeu a seriedade da conversa. "Bom, o que quer que seja, diga logo!" "Eu devia ter te contado isso há muito tempo, eu quero que você saiba que... *ele engoliu em seco* eu... sou apaixonado por você, na verdade, eu sempre fui, desde que nos conhecemos na Pokémon Tech... Eu te amo muito, Jessie." O coração de Jessie disparou. Depois de tantas decepções, finalmente, ela estava amando e sendo amada! Ela ficou muda e corada, mas não podia deixar de ficar emocionada. Ela nunca havia ouvido essas palavras de ninguém, antes.

James se sentiu um pouco idiota por dizer isso para ela tão repentinamente. Ela não respondia nada, ele simplesmente queria se jogar de um precipício nesse momento. "James... eu...  te amo, tanto!" James se surpreendeu com a declaração "Você o que?" "Eu demorei tanto pra perceber que o meu verdadeiro amor estava bem ao meu lado, depois de todos esses anos. É você, James! Sempre foi!" "Ah Jessie, eu te amo tanto!" James respondeu, enquanto lágrimas de felicidade caíam pelo seu rosto, enquanto pensava: "Será que eu estou sonhando?" "Ei, mas não se acostume, porque eu não vou te falar essas coisas o tempo todo! Você sabe que esse não é o meu estilo." Ela brincou. "Combinado!" Ele concordou sorrindo e os dois se abraçaram e se beijaram com muito amor. O desejo de ter um ao outro aumentou... Dessa vez, fizeram amor com muitas declarações, carinhos e promessas de nunca mais se separarem.

Depois de alguns dias, a relação de amor de Jessie e James estava cada vez mais forte. Os dois sabiam bem como separar o lado profissional do lado amoroso, claro. Eram extremamente focados enquanto estavam em suas missões da Equipe Rocket. Demonstrar afeto em público ou perto de Meowth não era o estilo deles, inclusive preferiam fingir que eram apenas amigos na frente dos pirralhos e de outras pessoas. Eles gostavam de demonstrar o amor que sentiam um pelo outro quando estavam a sós.

Depois de serem atingidos mais uma vez pelo Choque do Trovão do Pikachu, a Equipe Rocket decolou de novo. O Trio caiu em uma floresta e todos se levantaram, menos Jessie. "Jessie, acorda, hey! Jessie!" James e Meowth tentavam acordá-la, sem sucesso. "Hey Jimmy, eu acho melhor nós levarmos ela pra um hospital, ela não parece bem!" Jessie sempre era a primeira a se levantar. Eles sempre caíam de formas violentas, se machucavam, mas nunca com tanta seriedade. James a levantou e a carregou nas costas, enquanto Meowth procurava o hospital mais próximo em um dispositivo eletrônico com o mapa de Kalos. Finalmente encontraram e levaram Jessie para a Emergência. 

Depois de algumas horas, uma enfermeira veio em direção a James e Meowth. "Como ela está? Ela vai ficar bem?" James perguntou, muito preocupado. "Olá, você é o marido dela?" a enfermeira perguntou. "Marido? B-bem eu, eu, eu..." James ficou vermelho como um tomate. "Sim, ele é." Meowth respondeu por ele. "Uau, um Pokémon falante!" "Sim, sim, eu sou... mas como ela está?" "Oh, perdão. Sim, ela está bem agora, estava inconsciente, mas agora só está dormindo. Ela e o bebê tiveram muita sorte de escaparem ilesos da queda e..." "ESPERA, O QUE FOI QUE VOCÊ DISSE?" James gritou, chocado.  Meowth estava paralisado. "Ela está grávida... esperem, vocês ainda não sabiam? Oh não, me perdoem!" "Ela não nos contou nada!" Os dois responderam. "Bem, talvez nem mesmo ela saiba, ainda. Afinal, ela está grávida há cerca de três semanas. Mas ela precisa ficar mais um dia em observação, amanhã você poderá levá-la para casa. Ela já está no quarto, vocês podem vê-la agora. Ah, e parabéns pelo bebê!" A mulher sorriu gentilmente e saiu.

Em choque, James procurou uma cadeira para sentar, tentava assimilar o fato de que iria ser pai, ele estava em pânico. Ficou ainda mais tenso ao pensar que teria que contar para Jessie. "Meu Deus, ela vai me matar!" Eles entraram no quarto e ela ainda dormia. James se sentou ao lado da cama dela e acariciou seu rosto delicadamente. Depois de algum tempo, Jessie acordou. "O que aconteceu comigo?" "Oi Jessie, finalmente você acordou!" James sorriu, a abraçou e lhe deu uma rosa vermelha. "Você desmaiou depois que decolamos, Jess." Disse Meowth. "Eu estou meio tonta e enjoada, o que os médicos disseram?" James e Meowth gelaram e se olharam. James precisava contar para ela imediatamente, mas não sabia como começar. "É que... você..." "O que? É muito grave?" Jessie ficou assustada.

Ele engoliu em seco, pegou as mãos dela, tomou coragem e disse: "Jessie, você... você está grávida!" Jessie deu um salto para fora da cama. "Não, não pode ser! Como isso aconteceu?" "Ah Jessie, eu acho que você sabe como aconteceu, né?" "Não, seu idiota! Você sabe o que eu quis dizer..." "Parece que nós nos descuidamos um pouco..." "Eu não acredito, o que vamos fazer?" Jessie começou a chorar desesperadamente. James a abraçou. "Vai ficar tudo bem, Jessie! Você não está feliz também?" "É claro que sim, eu sempre quis ser mãe! Mas eu estou com medo, James! Como vamos sustentar um filho nesse momento? Não quero meu filho passando fome como nós passamos!" Ela chorou mais ainda. "Nós vamos dar um jeito, nós sempre conseguimos! Nós vamos ser pais e isso é maravilhoso! Eu te amo!" Ele a beijou com muito amor, o que a tranquilizou um pouco. "Você não está com medo, James?" "É claro que eu estou com medo! Mas isso é normal, não é?" Ela sorriu, feliz com a reação de James, mas ainda muito chocada e preocupada com a situação. Ela passou a mão sobre a barriga e disse: "Eu vou... ser mãe?" lágrimas brotaram em seus lindos olhos azuis. James, agora um pouco mais calmo, se abaixou e acariciou a barriga de Jessie.

Meowth assistiu a cena toda e pulou nos ombros dos seus dois amigos, os abraçou e disse: "Parabéns! Saibam que podem contar com o meu apoio sempre que precisarem. Mas... o que será da Equipe Rocket, agora?" "Boa pergunta!" Os dois respoderam. "Jessie, acho que temos que sair da Equipe Rocket e..." "O QUÊ? E todos os nossos esforços e tempo serão desperdiçados? Estamos atrás desse maldito Pikachu há anos! E além disso, como vamos arrumar dinheiro pra sustentar nosso filho, sem um emprego? "James deu um leve sorriso "Não posso deixar que você continue levando os Choques do Trovão do Pikachu do pirralho, muito menos que continue decolando enquanto está grávida, Jess! Você pode perder o bebê se isso acontecer de novo! Além do mais, nós trabalhamos praticamente 24h por dia, como teríamos tempo pra cuidar do nosso filho? Vamos sair da Equipe Rocket, é o melhor para nós...  Mas, fique tranquila, eu sei o que fazer." James já tinha algo em mente.

"Pensando bem, eu já pensei em sair da Equipe Rocket por motivos fúteis, agora eu tenho um motivo real para fazer isso..." Jessie pensou calada, se lembrando das outras duas vezes que quase deixou a Equipe Rocket. "E então, Jess? O que você acha?" James aguardava uma resposta. "Você tem razão, eu acho..." Meowth ficou chocado, mas entendeu os amigos. "Meowth, queremos que você continue com a gente, acima de tudo, nós somos amigos, somos uma família!" James disse. "Bem, a Equipe Rocket não teria graça sem vocês, mesmo. E vamos cair na real... o Chefe nunca se importou com a nossa grande lealdade a ele e nunca vai trocar aquele Persian por mim... Mesmo assim, vai ser muito difícil desistir depois de tantos anos..." Respondeu Meowth, um pouco triste. "Ah vamos, você precisa nos ajudar a cuidar do nosso pirralhinho!" Jessie disse. "É isso aí! Eu vou ser um bom tio, já que o pai e a mãe são dois desmiolados, hahahaha." Wobbuffet saiu de sua Pokébola, como sempre gritando "Woooooobbuffet!" E os quatro se abraçaram e choraram, emocionados.

Na manhã seguinte, James acordou cedo e saiu do Hospital, enquanto Jessie e Meowth ainda dormiam. Ele comprou algumas roupas e passagens para a Região de Kanto, com suas últimas economias e com o dinheiro da venda de sua coleção de tampinhas de garrafa super raras. De volta ao Hospital, James acordou Jessie com um belo café da manhã que ele havia comprado. "Bom dia! Eu trouxe o seu café da manhã preferido!" Jessie acordou com um sorriso no rosto, o que era muito raro. "Obrigada, James!" Ele, estranhando a doçura de Jessie, pensou: "Será que a gravidez a deixou tão emotiva assim?" Eles tomaram o café, tomaram banho e colocaram as roupas novas. Uma médica entrou no quarto, examinou Jessie e a liberou para sair do Hospital.

Meowth foi buscar o Balão, enquanto Jessie e James o aguardavam em uma floresta com uma linda paisagem. "Bem, acho que agora é a hora..." James ajoelhou na frente de Jessie, lhe mostrando o anel que sua avó havia dado. "Jessica, você quer se casar comigo?" Ela ficou imóvel "Mas... e quanto a sua noiva?" "Eu não sei, estou esperando ela aceitar o meu pedido enquanto estou ajoelhado aos pés dela!" Ele disse, sorrindo. Os olhos de Jessie brilharam. "É tudo que eu mais quero! Claro que sim! Sim, sim!" Ela disse, enquanto o enchia de beijos. James sentiu um calafrio por um instante, mas uma sensação indescritível surgiu dentro dele. Ele colocou o anel no dedo dela "Que anel maravilhoso! Eu amo você, James!" "Eu te amo demais, Jess." Os dois estavam muito felizes! Meowth assistia tudo do Balão, enquanto chorava de emoção. "Finalmente esses dois palhaços se entenderam."

"Eu comprei passagens para Kanto, vamos nos casar o mais rápido possível e vamos para a minha casa!" James falou com um tom de determinação, mesmo sentindo arrepios só de pensar em voltar para casa. "Sua casa? Você quer dizer aquela com seus pais e aquela sua noiva louca? Sem chances, James! Você ficou maluco? Espera aí, se ela ainda é sua noiva, como você pode se casar comigo?" Jessie gritou, surpresa. "Calma, Jessie! Nós já estaremos casados! Eles não poderão fazer nada! E tudo que os meus pais mais querem já está a caminho: um neto! Eles irão ficar deslumbrados! E quanto a Jessebelle, eu já sei o que fazer. Tudo que eu quero é que sua gravidez seja tranquila, com acompanhamento dos melhores médicos e que você não passe fome e nenhuma outra privação, só por isso que vamos ficar na Mansão por algum tempo. E depois nós arrumamos empregos e nos sustentamos sozinhos, eu só quero que você e nosso filho estejam seguros e saudáveis!" "Tudo bem, mas eu não gosto disso..." Jessie concordou, mesmo estando insegura. O Trio embarcou no avião para Kanto naquela noite. 

Chegaram à Cidade de Viridian pela manhã. Foram direto para o QG da Equipe Rocket, para pedir demissão. Giovanni não estava, o que os deixou mais aliviados, afinal, estavam com medo de que o Chefe os humilhasse e os obrigasse a entregar Gourgeist e Inkay, pois haviam prometido que os dariam para ele. Os três conseguiram as respectivas demissões com facilidade. Tudo ia bem, até que James lembrou de algo importante. "Esperem, vocês não estão esquecendo de algo?" "O que?" Jessie e Meowth perguntaram. "Nossos Pokémon! Mime Jr, Carnivine, Seviper e Yanmega!" "É mesmo! Temos que pegá-los de volta!" E assim, eles pegaram todos os seus Pokémon de volta.

Quando iam saindo do QG, ouviram duas vozes familiares, dizendo em conjunto: "Ora, ora, ora, o trio de perdedores!" Jessie gritou: "CASSIDY!" James e Meowth completaram: "E o Biff!" "MEU NOME É BUTCH!" Butch gritou, com raiva. "O que estão fazendo aqui, fracassados? E sem seus uniformes? Estão caindo fora da Equipe Rocket?" Perguntou Cassidy. "Não é da sua conta!" Jessie gritou. Butch disse: "Que seja! Saiam da nossa frente, estamos em uma missão super secreta com o Professor Samba!" O celular de Butch tocou, ele atendeu, ouvindo um grito "É NAMBA!" Enquanto isso, Jessie sussurrou para James e Meowth: "Não contem nada para eles, eles não podem saber! Vamos sumir daqui." Eles concordaram. "Cassidy, Botch, tomara que vocês fracassem em sua missão. Esperamos nunca mais vê-los! Adeus, idiotas!" Gritou o trio, enquanto saíam rapidamente do QG da Equipe Rocket. Butch gritou: "É BUTCH!" Cassidy apenas ignorou.

Os três pararam em uma velha cabana que costumavam ficar enquanto viajavam pela Região de Kanto, atrás dos pirralhos. "Jessie, vamos nos casar amanhã?" "Mas já? Nós não vamos convidar mais ninguém?" "Hummm, que tal convidarmos o Christopher? Eu tenho certeza que ele adoraria vir ao casamento dos seus amados Mentores, não é?" "Isso! Vamos ligar pra ele! Mas você acha que ele viria de Sinnoh pra Kanto só para o nosso casamento?" "Eu não tenho dúvidas!" Respondeu James.

"O quê? Vocês vão se casar? Mas e claro que eu vou! Isso é como um sonho se realizando, eu não acredito que meus queridos Mentores vão se casar, vocês são meus ídolos! Amanhã eu estarei aí, com presentes!" Disse Christopher ao telefone, com toda a animação possível. O casal ficou muito feliz com a reação de Christopher.

"Jessie, você quer escolher seu vestido de noiva? Meowth, você pode ir com ela?" Disse James, com um sorriso no rosto, bem animado. "Tudo bem, vamos lá Jess!" Respondeu Meowth. Enquanto isso, James saiu para comprar as alianças de casamento. Jessie experimentou vários vestidos e escolheu um longo, com uma fenda e justo a seu corpo, que ainda era esbelto, afinal a gravidez estava no início. Ela também comprou os sapatos, acessórios, o véu e um lindo buquê de rosas vermelhas. Então, Jessie e Meowth voltaram para a cabana. James já havia voltado com as alianças e um terno. Ela estava cansada, deitou na cama e James deitou ao seu lado. Ela deitou a cabeça no braço dele, enquanto ele acariciava a barriga dela. "Meu filho, mal posso esperar pra te conhecer!" James disse baixinho, enquanto Jessie sorria. Logo depois, os dois adormeceram.

Na manhã seguinte, eles acordaram e Jessie foi a um salão fazer as unhas, cabelo e maquiagem. O dinheiro estava acabando, mas depois de anos gastando com máquinas para pegar o Pikachu, deixar sua noiva ainda mais linda para o casamento era o mínimo que James queria fazer. Ele se arrumou na cabana e Jessie se arrumou no salão de beleza, ela estava maravilhosa e mal podia acreditar que o grande dia havia chegado! Ela se encaminhou para a pequena igreja que ficava na beira de uma praia. Ela entrou acompanhada de Meowth e James já a esperava no altar. Christopher assistia a tudo, chorando de emoção e felicidade. Todos os seus Pokémon também assistiam a cerimônia. No final, Jessie e James trocaram as alianças e se beijaram. Meowth ficou emocionado por estar com seus melhores amigos nesse momento tão especial. Todos saíram da igreja e foram para a praia, assistir ao pôr-do-sol. Christopher os parabenizou e lhes deu de presente passagens e hospedagens em um Resort nas Ilhas Laranja, para a Lua de Mel. O casal agradeceu muito o presente. 

"Eu também tenho algo para vocês... uma reserva neste hotel, pra sua Noite de Núpcias, sei que não é grande coisa, mas eu não tinha tanto dinheiro guardado, vocês sabem..." Disse Meowth. O casal se emocionou com a ação do amigo Pokémon "Obrigado, Meowth, você é o melhor amigo que poderíamos ter!" "Sim, obrigada, bola de pêlos!" Jessie completou, com um sorriso. Os três se abraçaram e se despediram. Meowth decidiu ir para Sinnoh por alguns dias, trabalhar na Loja de Macarrão de Christopher, para deixá-los a sós durante a Noite de Núpcias e a Lua de Mel. Jessie e James tiveram sua primeira noite de amor oficialmente como marido e mulher, o hotel era excelente e a melhor suíte foi reservada para eles, foi tudo maravilhoso. 

No outro dia, eles acordaram cedo, arrumaram suas malas e pegaram o primeiro Dirigível para as Ilhas Laranja. Chegaram ao maravilhoso Resort, ficaram deslumbrados e muito felizes. O lugar era paradisíaco. Aproveitaram muito, se divertiram e se amaram. Finalmente tiraram suas merecidas férias, depois de anos perseguindo o Pikachu incessantemente. Depois de uma semana, eles voltaram para o continente de Kanto e esperaram Meowth chegar para que partissem para a casa de James. Assim que ele chegou, o trio partiu em direção à Mansão.

Os três estavam nervosos, mas James sentia que tudo iria dar certo. Quando chegaram à Mansão, foram recebidos pelo mordomo e por Growlie, que pulou em cima de James, o lambeu muito e chorou de felicidade. "Grow ow ow ow!" "Ele está dizendo que está muito feliz em te ver e que sentia sua falta, Jimmy!" Traduziu Meowth.  "Oi Growlie! Como você está? Eu também senti muito a sua falta! Mas agora chega, faz cócegas! Hahaha!" Disse James, muito feliz em ver seu fiel amigo Pokémon. De repente, os pais de James surgiram, correndo em direção ao filho, felizes em vê-lo, mas lhe cobrando explicações e o casamento com Jessebelle.

James sentiu um frio na espinha só de escutar "o nome" da boca de seus pais, mas ele foi firme e foi logo contando o que acontecia: "Pai, Mãe, eu já me casei!" "O QUÊ? Como você pôde fazer isso com Jessebelle?" Os dois perguntaram, irados. "Eu não a amo! Eu amo a Jessica e me casei com ela!" Respondeu James, firmemente.
Os dois olharam para Jessie, que estava tensa. James completou: "...E ela está grávida!" Os dois mudaram completamente o olhar, ficaram eufóricos, agarraram e carregaram Jessie para dentro da Mansão em meio a risadas e falações. James e Meowth ficaram do lado de fora, perplexos "Foi mais fácil do que eu pensei!" Disse James, aliviado. "É, eles encararam isso muito bem." Completou Meowth. Os dois entraram na Mansão, seguidos por Growlie e o Mordomo.

A mãe de James deu para Jessie um lindo vestido roxo para ela vestir nessa noite tão especial, junto com algumas jóias. Uma das governantas estava arrumando os cabelos de Jessie, enquanto outra fazia as unhas e outra a maquiagem. Jessie estava imóvel e sem palavras, mal podia acreditar que estava sendo tão bem tratada pelos pais loucos de James. "Vamos dar um grande baile esta noite, em comemoração ao casamento de vocês e ao nosso lindo neto que está por vir!" Disse a Sra. Morgan. "James, você terá que falar com Jessebelle!" Disse o Sr. Morgan. James congelou, mas pensou que era hora de botar seu plano em prática.

Várias famílias ricas da Região de Kanto foram convidadas para a grande festa, inclusive Jessebelle, que chegou furiosa, pois já sabia da notícia. James a avistou e se escondeu imediatamente. Enquanto ela procurava James para gritar com ele, um lindo homem vestido como um príncipe chegou e a chamou para dançar, ela aceitou. Ele a elogiou muito, o que a fez corar. Finalmente, os dois pareceram se entender muito bem, pareciam ter se apaixonado à primeira vista! Jessebelle esqueceu completamente de James e só dava atenção para seu novo príncipe. "Deu certo!" James olhava de longe, aliviado. Ele sabia que em meio a tantas famílias ricas e nobres, haveria algum homem que fosse do gosto de Jessebelle e louco o suficiente para se apaixonar por ela.

James foi ao encontro de Jessie, que estava sentada no altar do salão de festas, junto aos pais dele. Ele a chamou para dançar e ela aceitou. Dançaram a noite inteira, comeram, se divertiram e mal podiam acreditar que tudo tinha dado certo! Finalmente tudo estava perfeito.

Com o fim da festa, todos estavam muito cansados. Meowth foi para o quarto dele e Jessie e James se dirigiram para a suíte deles. Era imensa! A cama e a televisão eram gigantescas, o banheiro luxuoso, com hidromassagem e o armário cheio de roupas maravilhosas para Jessie. Parecia um sonho!

Os dois se olharam, sorriram e comemoraram. James estava mesmo feliz, finalmente seus pais o tratavam como um adulto, ele estava casado com a mulher que amava e ansioso para a chegada do seu filho. "Você está proporcionando o melhor momento da minha vida, eu não poderia estar mais feliz!" Jessie disse com lágrimas nos olhos, emocionando James. "Nossas vidas finalmente vão ser como sempre sonhamos!" Ele a beijou e acariciou a barriga dela. Ele mal podia esperar para que começasse a crescer para sentir o seu filho se mexer dentro do ventre de Jessie. 

Dois meses se passaram, tudo estava indo muito bem, dando certo. Os Pokémon de Jessie e James viviam livres no imenso quintal da Mansão, brincando, se divertindo e vivendo felizes com os outros Pokémon da Mansão, todos se davam muito bem. Todos os dias Jessie e James iam vê-los e cuidar deles. Todas as manhãs, Carnivine  agarrava a cabeça de James, Mime Jr imitava os movimentos de Wobbuffet, Yanmega voava para cima da cabeça de Jessie e Seviper se enrolava cuidadosamente em volta dela, para cumprimentá-la. Inkay e Gourgeist gostavam de brincar com Growlie.

Quando estavam a caminho do quintal para alimentar seus Pokémon pela manhã, Jessie sentiu uma tontura e desmaiou. James a segurou antes que ela caísse no chão. Todos ficaram preocupados e a levaram para o Hospital. Ela estava fazendo exames frequentes e tudo parecia estar bem. A médica a examinou com a máquina de ultrassom e disse: "Não tem com o que se preocupar, Jessica! Sua saúde está perfeita! E a dos bebês também!" Os dois gelaram. "Você disse BEBÊS?" Os dois perguntaram ao mesmo tempo, pasmos. "Sim, são gêmeos! Parabéns!" Respondeu a médica, sorrindo. Os dois se olharam, perplexos. "James... prepare-se para encrenca!" "Encrenca... em... dobro?!" A médica sorriu com a reação do casal e os avisou: "Voltem aqui dentro de 2 meses para descobrirmos o sexo dos bebês." 

Os dois saíram do consultório ainda surpresos, encontraram Meowth e os pais de James aguardando na recepção do Hospital. "E então, está tudo bem?" Perguntou Meowth, preocupado. Os dois se olharam e responderam juntos "São... gêmeos!" Os olhos do Sr. e Sra. Morgan se transformaram em corações enquanto gritavam "GÊMEOS?!" eles estavam muito felizes com a notícia. "Jess, dois de uma vez só! Isso é incrível! Agora eu estou feliz em dobro!" "Dois... dois! Eu não posso acreditar!" Jessie parecia gostar da ideia, mesmo estando assustada com a notícia.

De volta à Mansão, Jessie só queria tomar um banho de espuma bem relaxante. "Você vem comigo, James?" Jessie falou sedutoramente. "É claro, Jessie!" Ele respondeu, animado ao perceber aonde isso iria terminar. Os dois se aconchegaram na Hidromassagem e começaram a conversar. "Mal posso esperar pra ver esses rostinhos, será que eles vão ser lindos como a mamãe ou como o papai?" Jessie falou enquanto passava a mão na barriga, sorrindo. "Com certeza, vão ser lindos como você! Só espero que tenham o temperamento do papai." Ele falou, sorrindo. "Nossos pirralhinhos vão ser lindos, fofos e amáveis." Os dois sonhavam em conhecer logo seus filhos.

Jessie virou-se para James, o beijou e disse: "Eu te amo." "Eu te amo demais, Jess." Jessie sentou no colo de James, de frente pra ele. "James, eu quero você agora." Os hormônios de Jessie a deixavam com mais desejo a cada dia e James adorava isso. Eles faziam amor frequentemente.

Alguns dias se passaram, todos estavam preparando o quarto dos bebês, escolhendo os móveis, os berços, roupas, fraldas, brinquedos e tudo mais. "Será que é preciso tudo isso? Não devemos ficar muito tempo por aqui..." James questionou. "Como assim? Nós não vamos morar mais aqui? Por quê? Aonde você pretende morar?" Jessie retrucou, surpresa. "Bom, eu disse que nós ficaríamos aqui só até os bebês nascerem e depois arranjaríamos um lugar para morar por conta própria." Sim, James, mas como você pretende fazer isso? Não acho que seus pais irão concordar com isso, ainda mais se você tirar seus amados netos de perto deles! E eu não quero que meus filhos tenham uma infância miserável como a minha foi!"

James ficou sem reação, ao se lembrar das histórias que Jessie contava sobre sua terrível infância. "Mas Jessie, não quero que meus filhos tenham uma infância infeliz como foi a minha, cheia de regras. Quero que meus filhos sejam crianças felizes, livres. "Então eu acho melhor você dar um jeito nisso, porque eu não vou permitir que meus filhos passem fome, você me entendeu?" "Tudo bem, Jessie... me desculpe..." Ele abaixou a cabeça, visivelmente triste. Jessie olhou pra ele e se arrependeu do jeito que o tratou. "James... eu não queria ser grossa com você, mas... eu perco a cabeça só de pensar nos nossos filhos sofrendo, sem comida, sem diversão, sem infância..." Ela começou a chorar. James a abraçou e beijou sua testa "Tudo bem, Jess, eu te entendo perfeitamente. Nós já passamos fome juntos, lembra? Eu sei como é. Óbvio que também não quero isso para os nossos filhos. Na minha infância eu tinha tudo, mas não era feliz também. Eles vão ter tudo que nós não tivemos! Eu prometo."

Naquela noite, Jessie e James planejavam o futuro com seus filhos. "Jessie... eu estive pensando e... o que você acha de irmos morar na minha Cabana de Verão? Meus avós podem nos ajudar a cuidar dos nossos pirralhinhos! Não fica longe daqui e meus pais poderiam vê-los sempre que quisessem!" "Até que não é uma má ideia, James!"

Dois meses se passaram. James, Meowth, Sr. e Sra. Morgan foram levar Jessie para fazer um exame de rotina e também mais um ultrassom para descobrir o sexo dos bebês. Ela estava grávida de 5 meses e a barriga já estava bem grande. "Olhem só pra isso, um menino e uma menina!" Todos gritaram, muito felizes. "Estão muito saudáveis! Querem escutar os corações batendo?" "É claro!" Todos responderam, empolgados. Quando escutaram os batimentos cardíacos de seus filhos, Jessie e James não conseguiram controlar as emoções, se abraçaram e choraram. Meowth e os pais de James assistiam a cena, muito felizes e emocionados.

Quando chegaram em casa, Jessie se sentou no sofá e James foi buscar um suco para ela beber. Jessie sentiu uma forte dor, mas não era uma dor qualquer... Os bebês estavam chutando! "Ai! Ai! James, James! Olha! Eles estão chutando! Ai, ai, ai! Vem sentir!" James veio correndo, botou a mão na barriga de Jessie e sentiu seus filhos se mexendo. "Isso é maravilhoso!" Os olhos de James brilhavam. "Talvez pra você! Ai, ai, ai! Isso dói!"

Depois de algum tempo chutando, os bebês pararam, dando um descanso para Jessie. "Se eles estão assim aqui dentro, imagine só quando saírem... É melhor eu me preparar para encrenca em dobro." Jessie suspirou.

Em uma certa noite, Jessie acordou de madrugada e chamou James. "James, James, acorda..." "Huh, o que foi Jessie?" "Eu, eu quero uma melancia." Disse ela, fazendo biquinho. "Mas Jessie, são 3 da manhã, e acho que não temos nenhuma melancia..." Jessie, começou a chorar, e a gravidez a deixou mais dramática do que o normal. "Certo, certo! Eu vou sair pra comprar uma melancia pra você, tudo bem?" "Obrigada, James." Ele deu um beijo na testa dela e se levantou, bateu na porta de Meowth e o chamou para ir junto, o Pokémon ficou irritado ao ser acordado, mas acompanhou James.

No carro, os dois conversavam. "Sempre atendemos aos caprichos da Jessie, mas agora que ela está grávida, está cada vez mais dramática." Resmungou Meowth. "Ah, você conhece a nossa Rainha do Drama..." James respondeu com um sorriso no rosto. Eles não acharam melancias em nenhum lugar, todas as lojas pela cidade estavam fechadas. "Acho melhor nós colhermos em alguma casa." Meowth sugeriu. "Quer dizer roubar?" "Ah Jimmy, isso não é nenhuma novidade para nós, não é?"

Eles acharam uma plantação, que por sorte tinha melancias. Eles entraram com cuidado e pegaram a maior melancia que acharam. Quando iam saindo da plantação, ouviram um ruído "Grow ow ow ow!" Era um Growlithe que tomava conta da plantação e estava correndo na direção de James e Meowth. "Aaaaaaaah!" Os dois gritaram e correram para fora da plantação, o Growlithe quase os alcançou, mas conseguiram escapar por pouco e entraram no carro. "Se a Jessie não comer essa melancia inteira, eu, eu, eu vou... AAAAH!" Gritou Meowth, com raiva. James riu. Quando eles chegaram, James levou a melancia para Jessie. "Você conseguiu! Mas por que demorou tanto?" James fez uma careta. "Longa história... quer que eu corte pra você?" "Não... só quero olhar para ela." "O QUÊ?!" "Só queria olhar para algo mais redondo do que eu, eu estou enorme, James!" Jessie começou a chorar de novo. James caiu pra trás.

Mais alguns meses se passaram, já estava chegando o dia dos bebês nascerem. Jessie estava com os nervos à flor da pele. Tinha crises de choro, de raiva, de riso, de drama e de fome. James a ajudava, satisfazia todos os seus desejos e aguentava seus surtos, como sempre. Dessa vez, ele estava animado, mas também muito tenso com a aproximação do grande dia. "Jessie..." "O que foi, James?" "Eu, eu estou preocupado... E se eu não for um bom pai? Passei a vida inteira só fracassando em tudo." Ele estava apavorado, uma crise de pânico surgiu, do nada. "Ah, cale a boca! Só agora você pensou nisso? É claro que você vai ser o melhor pai de todos, basta olhar para o passado e ver o amor com que você tratava seus Pokémon, agora imagine com seus filhos?! Você vai se sair bem. E não pense que eu vou cuidar deles sozinha!" Respondeu Jessie, acariciando sua própria barriga. "Eu sei, eu sei. Eu tenho certeza de que você será uma mãe maravilhosa. Eu juro pra você que eu farei de tudo pra ser o melhor pai do mundo! Vocês são tudo pra mim." "Certo, certo, mas sem muitos mimos, não quero filhos mimados." "Isso eu já não posso prometer!" James respondeu, mostrando a língua, num tom de brincadeira.

Finalmente o grande dia chegou. Jessie sentiu fortes contrações e James a levou para o carro às pressas para que fossem ao Hospital. "Anda logo James, ah, ai, aaaaah! Isso dói muito!" Jessie gritava de dor enquanto apertava a mão de James com toda a sua força. Ele tentava esquecer o fato de que não sentia mais sua própria mão e continuou firme e forte para apoiar sua esposa. Assim que chegaram, disseram que Jessie deveria ser encaminhada imediatamente para a sala de parto e que James não poderia entrar com ela. Ele sentiu um frio na barriga, enjôo e tontura. "Ei, a grávida aqui sou eu, James! Me deixe ir, as crianças e eu vamos ficar bem!" Jessie reclamou, mas logo se derreteu com a expressão desesperada de James. "Jessie, eu te amo, eu te amo muito! Você vai ficar bem mesmo?" Ele começou a chorar e deu um beijo na testa dela. "Sim, eu vou... eu acho." Ela começou a chorar também. Meowth e os pais de James também choravam intensamente. "Agora me deixe ir, eles querem sair logo, estão me chutando muito." Ela disse com um sorriso sereno no rosto, tentando passar confiança para James. "Tudo bem, eu vou ficar aqui, esperando por vocês. Eu te amo!" "Eu também." Uma enfermeira finalmente levou Jessie para a sala de parto. James e os outros ficaram na sala de espera.

Depois de alguns minutos de tensão, James exclamou: "Oh não! Flores! Balões! Chocolates! Eu não comprei nada disso pra Jessie e pros bebês, esperem aqui!" Ele foi correndo para fora do Hospital, para comprar alguns presentes de boas-vindas para seus filhos e para Jessie. Ele conseguiu depressa, um lindo buquê de rosas vermelhas e azuis, balões cor-de-rosa e azuis, ursinhos de pelúcia e muitas caixas de bombons. Ele estava carregando tudo sozinho e mal conseguia ver o seu caminho, mas estava com pressa para voltar ao Hospital.

Chegando lá, ele perguntou para Meowth como iam as coisas. "Nada ainda..." o felino respondeu, preocupado. James começou a ficar impaciente depois de algum tempo, até que uma médica surgiu. "Parabéns!" Ela sorriu docemente, seus filhos e sua esposa estão te esperando. O coração de James bateu forte e lágrimas surgiram nos seus olhos. Meowth pulou em seus ombros. "Parabéns ao mais novo papai!" Sorrindo alegremente. "O que estamos esperando? Vamos conhecer os meus filhos!" Todos se dirigiram para o quarto em que Jessie estava com os gêmeos.

Quando James entrou, cheio de flores, chocolates, ursinhos e balões, não pôde deixar de conter a emoção ao ver seus dois bebês nos braços de Jessie, um de cada lado. Ele colocou os presentes em uma mesa e soltou os balões, que flutuaram pelo quarto. Jessie e James se olharam, ele correu em direção a ela e seus filhos, sem acreditar e chorando, não podia deixar de dizer: "Eles... são... lindos!" Jessie estava emocionada. "Sim, muito mais do que eu sonhei!" "Eu estou orgulhoso de você, Jess." Ele a beijou com muito amor. "Eu posso segurar?" Ele perguntou. "Pode, mas um de cada vez, você é muito desastrado!" Ela sorriu. Ele pegou a menina primeiro. Ela tinha cabelos vermelhos como os da mãe e olhos verdes como os do pai. "Você é linda como uma Princesa! Igual a sua mãe." A pequena sorriu para ele, que ficou completamente encantado com a filha. "Ela sorriu, ela sorriu pra mim!" Ele estava deslumbrado com a doçura da menina.

Os pais de James também queriam segurar seus netos, ele assim fez, passando-a para os braços dos avós, que se apaixonaram pela neta imediatamente. Então, James segurou o menino, também de cabelos vermelhos e olhos verdes, idênticos aos da irmã. "Que garoto mais lindo! É a cara do papai!" o pequeno se sentiu protegido e confortável com a voz de seu pai, se aconchegou nos braços de James e dormiu serenamente. "Você já vinha ouvindo a minha voz todas as noites quando eu conversava com você e a sua irmã, dentro da barriga da sua mãe, não é?" E deu um leve beijo na testa do bebê. Depois, Meowth se emocionou ao segurar seus sobrinhos. "Nunca pensei que vocês dois fossem fazer algo certo alguma vez em suas vidas, eles são lindos!" o Gato Pokémon não conseguiu esconder a emoção e chorou.

James entregou o buquê para Jessie e sentou ao lado dela na cama do Hospital, enquanto seus bebês dormiam tranquilamente em seus pequenos berços. "Bom trabalho, Jessie. Eles são maravilhosos, mais do que eu esperava." James disse, acariciando o rosto de Jessie. "Sim, eles são. Os mais lindos que eu já vi." Ela disse com uma pequena lágrima saindo de um dos olhos. "Descansa, nós vamos cuidar deles enquanto você dorme, não se preocupe." E assim ela fez.

Algumas horas depois... "Eu escolho os nomes!" "Não! Eu escolho!" "De jeito nenhum! Quem vai escolher sou eu!" "Não é justo!!! Eu tenho tanto direito de escolher quanto você!!" Jessie e James infantilmente debatiam sobre quem escolheria os nomes dos seus filhos. "Não acredito que esses dois palhaços estão discutindo por causa disso, parecem duas crianças mimadas..." Meowth suspirou e tentou amenizar a discussão, mas não obteve muito sucesso. Depois de muito bate-boca, finalmente Jessie e James entraram em um acordo: James escolheria o nome da menina e Jessie escolheria o nome do menino.

Depois de algum tempo pensando, James falou com firmeza: "Ela vai se chamar Jullie!" Ele sorriu e olhou para o rostinho da filha, que sorriu e pareceu reagir bem ao nome escolhido. "JULLIE? Eu... Eu... AMEI! Esse nome é perfeito pra ela, James!" Jessie ficou animada com a escolha do nome da filha. James suspirou aliviado com a aprovação da esposa. "Minha pequena Jullie! Você gostou? Gostou do seu nome, filha? Hahahaha!" Ele levantou a menina, que sorria muito para ele, gostando da brincadeira. Enquanto isso, Jessie analisava o rostinho de seu filho e tentava pensar em um nome que combinasse com ele. "JOHN!" Ela exclamou. "O que você disse?" Perguntou James, que estava distraído, brincando com a filha. "Ele vai se chamar John! Você gosta, filho? Gosta do nome que a mamãe escolheu pra você?" Jessie perguntou, brincando com o filho, que reagiu com gargalhadas e parecendo gostar. "John, huh?! É um excelente nome, Jessie!" James aprovou o nome escolhido. O casal estava orgulhoso de seus lindos filhos, agora, oficialmente, Jullie e John. "Bem-vindos ao mundo, filhos! Nós amamos vocês!" Os dois disseram juntos, com enormes sorrisos estampados em seus rostos.

Depois de ficarem sabendo os nomes de seus netos, Sr. e Sra. Morgan sossegaram e finalmente voltaram para a Mansão, deixando Jessie, James, Meowth e os bebês a sós no Hospital.

Eles tiveram algum tempo para conhecer e apreciar os gêmeos de seus próprios jeitos, com suas próprias brincadeiras, carinhos, cuidados e, claro, trapalhadas. Em alguns momentos simplesmente os seguravam, olhavam e choravam, ainda sem acreditar que finalmente fizeram algo perfeitamente certo. Os bebês ficavam muito calmos, tranquilos e seguros nos braços de seus pais, o que transmitia uma enorme paz para Jessie e James, que mesmo exaustos e sem dormir por quase três dias seguidos no hospital, se derretiam a cada sorriso que seus filhos davam para eles, o que valia a pena, e muito.

Meowth dava muito suporte aos amigos, e já estava aprendendo a cuidar muito bem de seus sobrinhos, que adoravam puxar seus bigodes de gato. Os três aprenderam juntos como trocar fraldas sujas, dar banhos, passar noites em claro tentando acalmar os bebês, botá-los para dormir, acalmar os choros, entre outras coisas. Por mais que o começo tenha sido exaustivo, delicado, emotivo e complicado, o trio conseguiu cumprir essa primeira etapa com muito sucesso e perfeição.

A médica de Jessie e dos gêmeos entrou no quarto, para examiná-los e finalmente dar alta para eles. "Está tudo certo! Vocês três estão muito saudáveis e já podem ir para casa!" A médica sorriu docemente. "FINALMENTE!" Os três se abraçaram e gritaram juntos, acordando os gêmeos, que tinham acabado de pegar no sono, depois de muito esforço dos três para fazê-los dormir. "Oh, nããão!!!" Os três começaram a chorar junto com os bebês.

Ao chegar na Mansão, Jessie e James tiveram uma surpresa: os avós de James os aguardavam, ansiosos para rever seu querido neto e, claro, conhecer seus lindos bisnetos. "Pequeno James! Que saudades!" os dois idosos exclamaram, emocionados ao reencontrar seu amado neto. "Vovó! Vovô!" James correu com lágrimas nos olhos em direção aos avós, para abraçá-los. Jessie e Meowth vieram logo atrás com o carrinho dos bebês.

James apresentou Jessie e Meowth para seus avós, agora oficialmente como sua família: "Vocês devem se lembrar da Jessie, não é?" "Como poderíamos nos esquecer de uma moça tão linda?" O casal respondeu. "AHAHAHA, realmente, minha beleza é muito marcante!" Jessie falou, sem qualquer modéstia, mas num tom de brincadeira. E completou: "É um prazer revê-los!" agora, os cumprimentou com mais elegância. "E aqui está o Meowth, nosso melhor amigo." "Olá, Meowth!" "E aí!" Respondeu o gato, bem simpático. "E esses, são os seus bisnetos, Jullie e John!" Jessie e James pegaram os bebês do carrinho e deram para que os dois idosos os segurassem. "Mas que anjinhos mais lindos! São a sua cara quando era um bebezinho, Pequeno James!" Disse sua avó Os dois se apaixonaram pelos seus lindos bisnetos, o que foi recíproco, já que os bebês amaram os colos de seus bisavós.

Depois de alguns minutos, James ouviu um ruído familiar. "Chime, Chime!" "Chimecho!!!" James não podia acreditar, seus avós trouxeram Chimecho para se reencontrar com ele. James o abraçou com força e saudade, chorando muito por finalmente rever seu velho amigo. Depois da emoção passar, Jessie e James reuniram todos os seus Pokémon para que conhecessem os dois bebês.

No final do dia, depois de muitas emoções e diversões, os avós de James tiveram que se despedir, mas antes, James pediu para conversar em particular com os dois. "Vovó, vovô... eu não sei como pedir isso, mas... é que... será que nós podemos morar com vocês? Não quero que meus filhos cresçam num ambiente rigoroso como eu cresci. Tudo de bom que eu aprendi foi com vocês... eu quero que meus filhos tenham a mesma oportunidade e o mesmo carinho que eu tive de vocês." "Mas é claro, Pequeno James! Isso seria um sonho para nós!" Seu avô respondeu com muita felicidade. "Nós apenas temos companhia dos Pokémon que cuidamos... será maravilhoso ter a companhia de todos vocês, principalmente desses dois anjinhos lindos!" Acrescentou sua avó. James respirou aliviado. "Obrigado! Muito obrigado, meus avós! Eu amo muito vocês!" "Nós também te amamos, Pequeno James!" O casal de idosos se despediu partiu antes, para organizar os quartos para os novos moradores da Mansão de Verão dos Morgan.

James teve uma conversa franca e dura com seus pais sobre o assunto e, com muito custo, conseguiu convencê-los de que ele e sua família iriam morar com seus avós de um jeito ou de outro. E, sob a circunstância de irem visitá-los quando quiserem, o acordo foi fechado.

James entrou no quarto, exausto. Jessie e os dois bebês já estavam dormindo na cama. Ele se deitou junto e acariciou os três bem levemente. "Hoje foi um dia cheio, não foi?" Ele sussurrou, dando um sorriso sincero. Logo depois, ele também pegou no sono.

O dia da mudança chegou. Jessie, James, Jullie, John e Meowth partiram para a Cabana de Verão da Família Morgan. Chegando lá, foram recebidos carinhosamente pelos seus avós. Os gêmeos adoravam passar o tempo com seus doces e gentis bisavós. Jessie e James aprendiam muito com o casal de idosos a cuidar de seus filhos.

Cinco anos se passaram, os gêmeos estavam crescidos, educados, mas levados, naturalmente como crianças nessa idade. Jessie e James batalhavam para manter o controle dos filhos. O Sr. e Sra. Morgan os visitavam com frequência e adoravam mimar seus netos, o que às vezes levava Jessie e James à loucura.

Felizmente, graças à fortuna da família de James, nunca faltou nada para os gêmeos. Os Pokémon dos dois adoravam brincar com as crianças, principalmente Wobbuffet, que também os adorava. Meowth de vez em quando viajava para Sinnoh, para trabalhar na "Loja de Macarrão da Jessie e do James", cujo dono era Christopher, o grande amigo e admirador do Trio. Dois anos mais tarde, os gêmeos já estavam com 7 anos. Jessie e James sentiam falta de ter um trabalho, agora que os filhos já estavam mais crescidos, era a hora perfeita.

Meowth chegou com brilhos nos olhos. "Eu tenho uma grande oportunidade pra nós!" Disse o gato, sorrindo e bem empolgado. "O que?" disse o casal, em uníssono. O Christopher nos ofereceu uma Loja de Macarrão, só pra nós... EM ALOLA!  "QUÊÊÊ?" Os dois gritaram. "É isso aí! Teremos nossa própria loja, vou poder me apresentar e cortar o macarrão com as minhas garras, enquanto vocês preparam os pratos, aposto que será um sucesso! Afinal, o empreendimento de Christopher leva o nome de vocês dois, ele achou por bem que desse uma loja pra gente poder administrar, em um lugar incrível, que ainda não tem esse tipo de serviço!" Disse Meowth, sonhando com essa oportunidade. "Ohhhh! Que incrível! Eu ouvi falar que Alola é um paraíso! Vamos, Jessie?!" James estava empolgado com a idéia. "MAS É CLARO! O QUE ESTAMOS ESPERANDO?" Ela respondeu.

Foram conversar com os avós de James, pois queriam que eles fossem junto. Os idosos, infelizmente, não iriam poder, pois tinham que cuidar dos Pokémon doentes que eles resgatavam nas florestas e também da Mansão. Todos ficaram tristes, mas se entenderam. A despedida foi bem dolorosa. Mas James exigiu que seus avós os visitassem em Alola, sempre que quisessem, o que foi facilmente aceito.

Os gêmeos estavam muito animados, pois descobriram que iriam se mudar para uma região nova e para uma escola nova, bem diferente da que eles estão acostumados: uma Escola Pokémon. Lá, além de aprenderem o que normalmente se aprendem em escolas comuns, eles também iriam aprender tudo sobre Pokémon.
Enfim, Jessie, James, Jullie, John e Meowth se mudaram para Alola, os pais de James, exagerados como sempre, já haviam comprado uma Mansão para eles de frente para a praia.

Em alguns meses eles montaram a loja, que foi um sucesso absoluto, com Meowth sendo a atração principal, muitos clientes e principalmente turistas eram atraídos para a loja. As crianças amaram a Escola Pokémon. O Professor Kukui e o Diretor Carvalho eram excelentes e muito prestativos com os alunos da Escola.

Jessie capturou um Mimikyu, James capturou uma Mareanie. Um Bewear selvagem começou a segui-los por toda parte, o urso Pokémon se apaixonou por eles, depois que eles ofereceram um prato de macarrão, pois ele parecia estar com fome. A partir daquele dia, o Bewear nunca mais os deixou, cuidava deles, adorava dar frutas de presente e também, adorava seus filhos, o que era recíproco.

Jessie e James, em uma certa noite, depois da intimidade, olhavam um para o outro, apaixonados, orgulhosos da vida que conseguiram alcançar. Eles estavam muito felizes. Eles agora tinham uma vida ainda mais maravilhosa, com filhos e Pokémon maravilhosos ao redor, um Negócio próprio e uma casa linda em um lugar paradisíaco. Sim, finalmente, eles estenderam o seu poder e amor até às estrelas.



FIM!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...