História Para Kim Namjoon, o meu desastre favorito - Capítulo 40


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Carta, Longfic, Sugamon
Visualizações 55
Palavras 1.471
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, amores <3 Saudades? Eu sim rsrs Demorou o capítulo, demorou o capítulo, mas eu fiquei satisfeita com o resultado e espero que gostem também :) Nesse capítulo vamos ver um pouco mais da história de Ana e Jin ^^
Me desculpem qualquer erro e boa leitura~

Capítulo 40 - Extra 2


Fanfic / Fanfiction Para Kim Namjoon, o meu desastre favorito - Capítulo 40 - Extra 2

Quando a música deu lugar à um ritmo animado, não demorou para que o centro da tenda ficasse lotado. Anastácia estava sentada em um canto, e já não sustentava o sorriso calmo que tranquilizara Yoongi mais cedo. Os olhos verdes vagavam pela praia e os pensamentos inquietos vagavam para seu mais novo vício. Desde a noite em que ficou tão bêbada que mal sabia como chegou em sua cama, as coisas com Seokjin seguiram por um caminho confuso. Na manhã seguinte àquela noite, ela acordou nos braços do amigo e chorou, porque ele era tão parecido com seu ex noivo, que por um momento, a ruiva teve esperanças de que sua vida antes de Londres havia voltado para si, e quando ela se pegou sorrindo ao pensar no amigo, não demorou para que seu coração passasse à acelerar perto dele. Um sorriso triste se formou em seus lábios e ela se sentiu tentada a mergulhar outra vez em sua melancolia, Anastácia não achava possível que alguém pudesse ser tão azarado quanto ela mesma, porque não importava o quanto se esforçasse, eles sempre iam embora no final.

- Oi...

Anastácia se virou devagar, não queria realmente ter que encará-lo, não agora. Na verdade, não pretendia fazer aquilo nunca. As coisas com Jin haviam ultrapassado a linha tênue da amizade quando ao se despedirem no aeroporto um mês atrás a ruiva o beijara.

- Oi, Jin - ela respondeu, aceitando a taça de vinho que ele oferecia.

O garoto lhe sorriu gentil, segurando-lhe a mão para impedir que a amiga virasse a bebida de uma vez.

- Você não atendeu minhas ligações, fiquei preocupado - disse, e um longo tempo se passou, mas Ana não respondeu.

- Quer dar uma caminhada?

E antes que ele pudesse impedir, a garota virou a taça em uma única golada, respirando fundo antes de o seguir. O caminho se seguiu em silêncio enquanto a música ficava cada vez mais distante e de repente Seokjin parou.

- Sabe que não pode me evitar para sempre - ele disse, observando o sol cair no horizonte.

Anastácia suspirou e sentou-se na areia, retirando os sapatos.

- Eu sei - ela disse, sorrindo sem humor no final - Você é parecido com ele, mas é completamente oposto ao mesmo tempo.

Jin mordeu os lábios. Acabou descobrindo com o tempo que a ruiva não foi para Londres seguir um sonho. Era sim uma escultora muito talentosa, mas depois de perder a mãe, o noivo se transformou no centro de sua vida e então foi embora. Um convite para Londres há muito esquecido em uma gaveta se mostrou uma boa chance de recomeço, no fim das contas, e Anastácia aceitou. A coisa era que ela não pretendia voltar para casa, mas quando ligaram do hospital para seu celular na noite em que Yoongi levou um tiro, ela não pensou duas vezes. Ana era uma pessoa incrível aos olhos de Jin, e ela estava especialmente bonita naquele fim de tarde, naquele vestido rosa, com os cabelos soltos ao vento. O garoto sentiu que podia passar o resto do dia olhando para ela, mas tinha esperado tempo de mais para perguntar aquilo.

- Ana, eu entendo seus motivos para o que aconteceu... - ele disse, sentando-se ao seu lado - Mas eu preciso saber... Foi só porque eu me pareço com ele? 

A ruiva corou. Talvez pelo álcool, talvez porque por mais que esperasse uma pergunta assim, não queria responder. Dizer aquilo em voz alta era admitir algo que ela não estava pronta para saber, então preferiu acreditar que já bebera um pouco de mais. 

- Ana... - Jin chamou outra vez, mas quando ela não olhou para si, ele suspirou, puxando seu rosto até que encontrasse seus olhos - Podemos adiar isso por mais um mês inteiro ou você pode parar de ser covarde e enfrentar seus medos uma vez na vida. Eu não sou ele, Anastácia. 

A garota se soltou das mãos dele, e dessa vez, sustentou o olhar em seus olhos. 

- Mas que droga, Jin! Eu sei que você não é ele, eu sei! - disse, um pouco mais alto do que gostaria. 

Quando era pequena, seu pai sempre lhe dizia que quando os corações estão muito distantes, as pessoas gritam. E a ideia de estar distante de Seokjin lhe causava um pequeno nó no peito, não poderia ser de outra forma, ele a fazia ir de um extremo ao outro, e mesmo assim, no fim do dia não havia nada que desejasse mais do que suas pequenas discussões com doses de cerveja e risadas no quintal de casa. A verdade era que sentia sua falta.

Algum tempo se passou depois disso, o suficiente para que cada um se trancasse em sua própria bolha e o céu escurecesse por completo. A maré já batia em seus pés, e apesar de desconfortável, o silêncio ainda permanecia. Naquela altura, Anastácia já teria ido embora, não gostava daquele tipo de situação, era como tirar a casca de uma ferida aos poucos. Não era tão doloroso quanto puxar de uma vez, mas prolongava o sofrimento. De todos os motivos que tentava encontrar para não ter ido embora, o único em que realmente acreditava era que não queria ir, afinal, quando é que teria a oportunidade de se sentar ao seu lado outra vez? E a garota pretendia ficar ali, apenas observando-o até que um dos dois desistisse, mas Seokjin não tinha o mesmo pensamento, e não demorou para que Ana sentisse o peso da cabeça de Jin se ajeitar em seu colo e os fios castanhos fazendo cócegas em sua mão. Ela teve vontade de tocá-lo, e o álcool lhe deu coragem para fazê-lo. Quase não se lembrava da sensação, Jin tinha cabelos macios e sempre fechava os olhos quando ela lhe fazia carinho.

- Hum... Isso é realmente bom - disse baixinho.

E em dado momento, Anastácia sorriu, achava bonito o contraste do ruivo intenso de seus fios com o castanho claro de Jin, era como flores na terra. 

- Ana... - ele chamou outra vez, e ela suspirou, sairia correndo se tivesse que responder a outra pergunta. 

- Não me faça mais perguntas, Jin - ela disse.

Mas quando o garoto abriu os olhos, sentiu que faria qualquer coisa que ele pedisse, em nenhum outro olhar ela achou aquela incógnita, tingida de ternura e marrom, quase como chocolate. Suas bochechas estavam coradas, mas ele carregava determinação naquele olhar, como se tivesse esperado muito tempo pelo que quer que acontecesse ali. E por um breve momento, ela realmente cogitou sair correndo, mesmo que ele não fizesse outra pergunta.

- Eu gosto de você - ele disse, por fim. 

A ruiva sentiu o coração acelerar, mas quando pensou por um momento, percebeu que podia ter entendido errado, e ela só havia interpretado o que queria ouvir. Sentiu vontade de bater no garoto, odiava aquela velha mania que ele tinha de dizer frases de muitos sentidos. 

- É claro que gosta, não seríamos amigos se não gostasse - ela respondeu, rindo nervosa. 

Seokjin fechou os olhos outra vez e respirou fundo. Amigos... Aquela palavra o incomodava, e ele desejou ter bebido o suficiente para não estar sóbrio. Agarrado ao último fio de coragem que possuía, o garoto se levantou subitamente do colo de Anastácia, parando a poucos centímetros de seu rosto. O coração batia forte contra a caixa torácica e ele sentiu o rosto queimar, já não sustentava o olhar nos olhos da ruiva, ele baixava aos poucos, e sua mão já passeava pelos contornos delicados de Ana. 

A ruiva parou de respirar em algum momento entre a surpresa pela mudança súbita de atmosfera e a revoada de borboletas em seu ventre. Jin estava perto como nunca esteve. E ela não conseguia decidir se queria sair correndo ou se queria ficar ali, sentindo a respiração quente do garoto lhe fazer cócegas. 

- Não, Ana... - ele disse baixo, com a voz rouca, e ela fechou os olhos - Não é desse jeito que eu gosto de você... 

No último fio de voz que lhe restou, ela poderia dizer que sentia o mesmo, mas queria ouvir aquelas palavras deixando sua boca.

- E como é que gosta de mim, então? 

A mão de Jin foi parar em sua nuca, e ele sorriu. 

- Assim... - sussurrou, tocando-lhe os lábios de forma gentil. 

O coração de Anastácia pulou algumas batidas, um pouco antes de seus lábios corresponderem Seokjin. Ele a beijava tão lentamente que chegava a ser torturante, tão diferente do beijo que lhe dera no aeroporto. Anastácia era intensa, tão fogo quanto Jin era água, mas naquele momento, não importava. Eles não precisavam de palavras, e ela não precisava dominá-lo como sempre fazia, porque mesmo sem saber, Ana tinha seu coração desde a primeira vez que seus olhos se encontraram, depois de meses conversando pela tela de um celular.


Notas Finais


E é isso, cupcakes, agora acabou mesmo u.u Me digam o que acharam, sim?
E pra quem gosta de exo, estou escrevendo uma ChanBaek, a postagem tá atrasada, me desculpem rsrs Mas o capítulo está pronto e eu postarei amanhã, então se quiserem dar uma olhadinha ^-^
link: https://www.spiritfanfiction.com/historia/boyfriend-13611712
~Kissus de chocolate


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...