História Para sempre em meu coração. - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Aventura, Larry, Lgbt, Mistério, Romance, Yaoi
Visualizações 247
Palavras 1.921
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Estou me superando no nome dos capítulos kkk ou estou ficando super cafona, um dos dois com certeza! Bom o "vislumbre de felicidade" logicamente é sobre Louis descobrir uma possível irmã e claro que um "toque de perigo" vem do que Stanley está preparando para Louis e tenho até medo dessa parte, minha imaginação correu solta minha gente, tô bege. Enfim...Boa leitura.

Capítulo 15 - Vislumbre de felicidade com um toque de perigo.


Fanfic / Fanfiction Para sempre em meu coração. - Capítulo 15 - Vislumbre de felicidade com um toque de perigo.

Zayne e Liam sorriam para as duas mulheres que se encontravam na porta de seu apartamento.

-Hey, bem vindas, entrem. Disse Liam pegando as duas malas de rodinhas e colocando para dentro, ao mesmo tempo que dava espaço para as moças passarem.

Candice abraçou os dois e sorriu dando pulinhos de alegria, depois puxou Lottie pela mão, a garota estava com as bochechas coradas e totalmente envergonhada, torcendo as mãos que permaneciam escondidas dentro de uma blusa que era pelo menos dois numeros maiores que ela, mas que fazia com que ela ficava menor ainda e mais fofa.

-Nossa, você até parece o Boo desse jeito, ele faz igualzinho essa carinha de vergonha. Disse Zayn, e isso fez as duas se entreolharem e darem um sorriso nervoso.

-Ok, as apresentações estão boas, mas...Precisamos conversar antes que Louis chegue. Explicou Candice se sentando no sofá e puxando Lottie para junto dela de modo protetor.

As explicações foram longas, nem Liam e nem Zayn interromperam as duas, apenas ouviram, depois disso Zayn resolveu que precisava de um chá e se levantou para ir preparar.

-Então existe a possibilidade de você ser a irmã gêmea de Louis?

-Ou isso ou existe uma coincidência muito grande do destino que nos colocou juntos no mesmo dia, no mesmo orfanato com bilhetinhos iguais onde só tinha nosso nome nele, sobre esses bilhetes eu fiquei sabendo que tem dois, mas só vi mesmo um.

Liam pensou um instante.

-Certo, sendo prático um exame de DNA pode provar isso, mas sendo menos prático e mais sentimental porque obviamente é assim que a mente de Louis processa as coisas...Você tem mais alguma coisa relevante sobre isso?

Lottie suspirou.

-Se Louis for ao orfanato comigo podemos conseguir os documentos sobre ele, assim podemos ver o bilhete e talvez ter alguma confirmação a mais, quem sabe alguma pista que eu não descobri sobre os nossos pais, ou um deles talvez.

-Mas acha que esse bilhete ainda existe, quer dizer porque guardariam uma coisa dessas?

Lottie abriu sua mala e retirou de lá uma pasta, dentro dela um saquinho de plástico onde havia um bilhete amarelado e velho com o nome Lottie escrito a mão numa caligrafia bonita e em caneta azul.

Liam pegou e revirou o papel revestido e protegido no plástico como um tesouro.

-Que letra bonita...Certamente de uma mulher, jovem eu diria e culta, pois a caligrafia é firme, precisa, até um pouco rebuscada, eu diria que uma mulher rica.

Lottie e Candy ficaram boquiabertas, mas Zayn que trazia o chá e o entregou a elas, se sentou e explicou.

-Liam ama essas coisas de detetives e coisas do tipo, o que o levou a um hobby interessante...A grafologia, ou uma técnica que permite que se descubra coisas pela caligrafia de uma pessoa, e eu sei que funciona, quando a gente se conheceu ele me impressionou muito com isso, mesmo que eu tenha achado ele meio maluquinho naquele momento, mas era um maluquinho lindo...

Liam revirou os olhos, normalmente ele gostava de se divertir com isso, mas na verdade era muito bom, chegou mesmo a fazer um curso interessante no bimestre passado na universidade com especialistas forenses e em como eles usam a caligrafia em suas investigações criminais, muito embora não seja uma ciência propriamente dita, ajuda muito em alguns casos.

-Olha, eu percebo padrões nas letras, mas seria melhor se eu tivesse outra amostra desta mesma escrita, isso me ajudaria, quem sabe se tiver outro bilhete com o nome de Louis eu possa dizer mais, vou explicar como cheguei a essa conclusão, mas posso estar errado é claro.

-Uau! Sou toda ouvidos. Disse Lottie animada com a informação.

Liam novamente segurou o bilhete e o analisou detidamente.

- A letra é firme e está marcada no papel, indicando uma pessoa intensa, os traços firmes indicam que essa pessoa tem controle na escrita, ou seja, escreve regularmente, e as letras se inclinam para a direita levemente o que nos diz que a pessoa tem bastante confiança e mesmo assim as letras são suaves, o que me indica que possivelmente é uma mulher e dada a forma precisa como se unem as letras pode ser uma mulher jovem, embora bem estudada, pois se observa as letras formando como que guirlandas sinal de que é uma pessoa mais culta, estudiosa, o que leva a ideia de que seja de uma posição social mais elevada. Disse Liam devolvendo o papel as mãos meio trêmulas de Lottie.

-Bem, descobrimos um pouco mais, porém eu acho que temos que contar isso a Louis, ele tem o direito de saber. Explicou Zayn e Liam concordou.

-Eu sei...Só que eu ainda estou tentando entender o que aconteceu com ele, eu vi o vídeo gente, e posso garantir que eu queria quebrar os dentes do cara que estava em cima dele arrancado as roupas dele e machucando meu amigo.

Lottie colocou a mão no ombro da namorada e se aproximou sussurrando que ela tivesse calma.

Zayn sorriu, ele teve a mesma reação, e Liam uma reação um pouquinho pior.

-Eu cheguei lá pouco depois, fui eu que soltou Louis, mas...Tudo isso aconteceu por culpa de Stanley, mas eu vou deixar o próprio Louis contar a vocês, mas tem uma coisa que precisam saber.

As duas olharam os dois a sua frente.

-Por mais que isso pareça absurdo, Harry é um cara do bem, Louis também é e eles acabaram se entendendo...Então nada de bater no Harry porque eles estão meio que ficando e eu acho que isso seria complicado, entendem?

-Ohhh!! As duas fizeram ao mesmo tempo.

-E eu tô shipando, então...Calma, certo? Disse Zayn.

Resolvidos esse assuntos eles ouviram batidas na porta.

-E eles chegaram. Afirmou Liam indo abrir.

Louis entrou primeiro e correu abraçar Candice que apertou ele nos braços de olhos marejados.

-Boo Bear...Oh meu pequeno, eu sei que foi horrível, mas...Você está bem?

-Candy...Disse Louis de olhos marejados e isso fez a mulher olhar Harry com um pouquinho de raiva, talvez mais que isso.

Mas Louis percebeu e a puxou até o empresário.

-Candy, esse é Harry, e ele não me machucou como você pensa, foi um engano e eu já o perdoei...Por isso não bate nele.

Harry entendeu o recado e tentou sorrir mesmo correndo o risco de levar um soco, mas ela tossiu e pegou a mão dele, apertou com firmeza e o encarou um pouco, mas só isso.

-Prazer Harry...Ela disse.

Louis então avistou a moça tímida e isso o deixou tímido também, ele se aproximou meio que atraído por ela, era algo estranho, levemente familiar, como uma sensação distorcida e surreal.

Ninguém os apresentou, já que a presença de Harry havia criado alguma pressão no ambiente, mas Louis se aproximou.

-Hey, sou Louis...Amigo de Candy e você deve ser a namorada dela né?

Lottie engasgou e sorriu sem graça, estendendo a mão a ele, tremendo um pouco, havia tanta energia no ar que todos se viraram para ver isso.

-Muito prazer Louis...Ahh eu sei que devia ir com calma e tudo o mais, porém...Acho que somos irmãos, e ainda por cima gêmeos. Ela falou tudo de uma vez atropelando as palavras.

-Aí...Merda. Disse Liam passando as mãos no cabelo.

Zayn parou e ficou petrificado, esperando.

Candice sorriu, sabia bem que quando Lottie ficava nervosa ela falava demais e já previa isso, por isso apenas sorriu.

-Puxa vida! Exclamou Harry achando isso até interessante, porque mesmo assim só dando uma olhada ele podia dizer que os dois eram mesmo parecidos.

-Irmãos? De onde tirou isso? E por favor vai com calma que eu estou até tonto. Falou Louis realmente tonto.

Harry se aproximou e ajudou Louis a sentar, Zayn foi buscar mais chá, de preferência de camolima e então elas contaram tudo de novo, com calma, falando até mesmo do bilhete, do detetive que foi contrado e de como isso uniu as duas, passando mesmo pela grafologia de Liam.

….....................................................................................................................................

Enquanto tudo isso acontecia, longe dali, numa outra parte da cidade Stanley fazia alguns contatos, ele nunca foi um cara de desistir de nada nessa vida e mesmo somente com vinte e cinco anos era assustador como ele conhecia bem o submundo e as pessoas erradas, aqueles que a maioria das outras pessoas evita a todo custo se for possível. Neste momento ele falava com um traficante importante, mas que não vendia drogas comuns, nada de cocaína ou heroína, ele vendia drogas sintéticas bem mais perigosas, coisas contrabandeadas das forças armadas, da CIA, da antiga União Soviética ou de países que produziam tal coisa, drogas que fariam um homem treinado contar tudo que sabia em poucos minutos sem nem perceber isso, venenos que matavam sem deixar rastros, coisas que podiam serem usadas como armas biológicas ou drogas que fariam uma pessoa ter uma grave perda de memória, esquecendo até mesmo quem era ou que fazia, enfim ele era o dono de uma empresa particular que não existia de fato no sistema, mas que vendia os piores pesadelos do ser humano a quem pagasse muito bem.

-Sabe que isso não foi testado não é rapaz? Isso veio direto da CIA, num lote muito especial que recebi, vendi algumas ampolas para um cara, parece que ele conseguiu o que queria, mas com certeza ele não queria nada de bom, por tanto eu não sei qual o resultado. Os laboratórios da CIA estavam tentando fazer uma soro capaz de fazer um ex combatente esquecer o que viveu na guerra, dando uma segunda chance a homens e mulheres que tem alguma sindrome devido as guerras, como a do Golfo que marcou muito, mas parece que eles não tiveram muito tempo e o governo arquivou o projeto alegando alguns efeito colaterais nas cobaias de laboratório, como a perda total da memória deles.

-Pois é, mas é exatamente isso que eu quero, uma segunda chance...Se isso apagar a memória de uma pessoa mesmo eu me interesso.

O cara riu de modo sinistro.

-Pelo que sei parece que pode apagar tudo, tornando a pessoa bem submissa se é isso que deseja.

Stanley também riu, era exatamente isso que ele queria.

-Meu tio mandou esse cartão, pode ligar neste numero que não é rastreável, ele transfere o dinheiro agora, sabe que ele é bem conhecido não é?

O homem que era bem alto sorriu, mostrando dentes perfeitamente alinhados, muito brancos, num rosto meio cadavérico e um tanto macilento, talvez devido a alguma doença ou mesmo a alguma das drogas estranhas que talvez usasse, mas isso foi só um vislumbre na mente de Stanley, ele não se importaria se estivesse na frente do próprio Diabo comprando a tal droga, desde de que funcionasse.

-Eu conheço bem seu tio meu rapaz e se você tiver metade da maldade dele eu tenho pena da pessoa em quem vai usar isso, mas posso lhe dizer uma coisa, seu tio gosta muito de você, e vindo dele isso é impressionante, por isso não questiono, só forneço o que precisa.

O homem deu três ampolas cheias numa caixinha de metal, por dentro revestida de espuma e veludo preto, mostrou e fechou a caixinha, entregando a ele e pegando o cartão todo satisfeito.

-Obrigado. Disse Stanley mostrando que mesmo entre pessoas deste nível de maldade havia certo respeito.

O homem acenou com a cabeça, acendeu um cigarro e sumiu com sua fumaça pelo beco escuro onde haviam se encontrado, sumiu cantarolando uma música infantil o que deu a Stanley alguma sensação de calafrio pelo corpo todo, afinal talvez ele realmente tivesse encontrado o próprio Diabo ali.

 

 


Notas Finais


O tio de Stanley será uma pessoa muito do mal, perceberam? Sobre a grafologia realmente existe e eu me divirto muito fazendo isso com amigos e conhecidos, impressionante como dá certo, tem bastante material na internet, achei que ficaria legal colocar isso na história. Beijos de Akirasam.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...