1. Spirit Fanfics >
  2. Para sempre, meu amor ( SPANICPAZ) >
  3. Chapter six - O reencontro!

História Para sempre, meu amor ( SPANICPAZ) - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Eu demorei de novo, mas aqui estou eu com mais um capítulo.
Não desistam de mim, hehe!
Vamos ler!

Capítulo 6 - Chapter six - O reencontro!


Fanfic / Fanfiction Para sempre, meu amor ( SPANICPAZ) - Capítulo 6 - Chapter six - O reencontro!

Ao chegar em casa, Emperatriz apenas se jogou no sofá descarregando todo aquele dia intenso.

- Oi, você chegou. Arthurzinho pegou no sono agora pouco. – Disse Elisa ao ver a amiga. – O que você tem? Parece exausta.

- Estou, hoje o dia foi intenso, mas algumas coisas que aconteceram hoje foram muito boas. – Diz Emperatriz sentando ao lado de Elisa.

- O que aconteceu?

- Eu fui promovida, serei a co-diretora do Dr. Justo. – Disse ela contente.

- Sério? Assim mesmo? Co-diretora? – Pergunta Elisa surpresa.

- Sim! – Respondeu com alegria. – Mas, houve um momento constrangedor.

- E o que foi? – Pergunta Elisa com o olhar curioso.

- Sr. Justo demitiu uma de suas melhores advogadas, ela se opôs quando ele deu a notícia de que eu seria sua co-diretora. Ele a demitiu porque ela falou muitas mentiras, dizendo que eu era amante dele e que por isso ele me deu o cargo. – Respondeu Emperatriz pesarosa.

- Não fica assim amiga, essa era invejosa, tinha mesmo que ser demitida. Mas, eu estou muito feliz, você subirá de cargo e será bastante reconhecida. – Elisa falou entusiasmada.

- Sim amiga, também estou tão feliz, finalmente minha vida vai mudar. Na verdade, mudou desde que comecei a trabalhar lá, mas agora ganharei mais e poderei chegar a um nível mais alto. – Diz ela altiva.

- Agora poderá comprar a casa que você tanto sonha.

- Sim, finalmente. E então poderei buscar minha mãe, ela nem imagina que eu cresci tanto, que estou tão bem. Ela achava que eu não conseguiria com um filho, mas vai ver que estava errada. Eu não sinto nenhuma mágoa disso, eu só fiquei mais forte. E agora poderei comprar minha casa e dar o conforto para minha mãe e meu filho.

- Adoraria ver a cara de Alejandro quando visse você agora.

- Ah, tem isso também. E quem sabe ele me verá mais cedo do que você imagina. – Diz ela com seu olhar ao longe.

- Por que diz isso?

- Sr. Justo me passou um caso. – Ela levanta a pasta que trazia em mãos. – Esse, e neste caso, o escritório onde trabalha Alejandro está envolvido.

- Está dizendo que vocês irão se enfrentar? – Pergunta Elisa admirada.

- Talvez, acontece que eu terei uma reunião amanhã com um representante desse escritório, mas não é o Alejandro e sim o amigo dele, Frederico. E, talvez quando Alejandro souber pelo seu amigo que a advogada e co-diretora envolvida neste caso sou eu... – Ela dar um sorriso de canto. – Tenho quase certeza de que ele virá até mim.

- Nossa, eu daria tudo para ver a cara dele.

- Eu vou descrever para você amiga. – Brinca Emperatriz.

- Vou querer saber mesmo.

Elas riem. Emperatriz se despediu de Elisa e foi para seu quarto, deu uma olhada em seu filho que dormia feito um anjinho. Ela foi para o banho e deixou que aquela água tirasse todo o estresse do dia e logo após vestiu algo confortável. Pegou um chocolate quente e pegou seus papéis do caso. E como se a noite fosse pequena, ela se apressou em estudar aquele caso, queria está com argumentos o suficiente para o dia seguinte e assim se superar em mais um desafio.

*Escritório Miranda*

- Olhe isso! – Disse Frederico apressado ao entrar na sala de Alejandro.

- O que é? – Pergunta ele ao ver que o amigo pusera uma pasta sobre sua mesa e o esperava impaciente para que ele o visse.

- Leia e veja essas fotos. É sobre o dossiê que me pediu.

Alejandro apressadamente abriu aquele documento, e minuciosamente lia o que estava escrito ali. Sua boca abriu e fechou ao ver umas fotos com Emperatriz andando com um garotinho.

- Eu contratei um detetive para fazer essa investigação, achei que seria mais preciso do que eu. – Frederico se pronunciou. – Bom, hoje cedo pela manhã, esse detetive começou a investigar sobre Emperatriz e, nesse meio período ele conseguiu toda essa informação. E o mais interessante de tudo, é que ela tem um filho. – Finalizou.

Alejandro passa as mãos no cabelo sedoso, um pouco nervoso. Ela tinha um filho e seu coração acelerava ao pensar que poderia ser dele.

- Quantos anos o garoto tem?

- Bom, no dossiê não especifica, mas pela foto parece ter uns cinco ou seis. – Responde Frederico.

- Você entende isso Fred? Se esse garoto realmente tem cinco anos... – Ele respira fundo em um misto de nervosismo e alegria. – Significa que ele é meu filho!

- Será?

- Sim, a outra explicação seria de que Emperatriz me traiu enquanto estava comigo, e disso eu tenho certeza que ela não seria capaz. – Ele pára e pensa um pouco, seus olhos tinham um brilho de alegria. – Eu tenho um filho, Fred!

- Bom, parece que sim, mas não temos certeza. O detetive vai continuar investigando, isso foi só o começo porque o pedi pressa, mas eu tenho certeza que ele pode descobrir mais, e...

- Eu vejo aqui que ela o deixa na escola, onde será? – Interrompe ele.

- Eu não sei. Cara, não me diga que quer ir até o colégio do garoto?

- Sim, preciso. Liga pra esse detetive e pergunte onde é, ele deve saber já que tirou a foto por lá.

Frederico viu o quanto o amigo estava animado com a idéia do garoto ser o seu filho, e se apressou em falar com o detetive.

Minutos depois, o tal detetive havia passado o endereço. Alejandro não via a hora de poder ver o menino.

- Espera, onde vai? – Diz Frederico o segurando pelo braço quando Alejandro se dirigia para a porta.

- Vou até a escola. – Diz animado.

- Olha, são nove e meia da manhã, o menino ainda está em aula. Você não acha que vai ficar estranho ficar o esperando do lado de fora? As pessoas podem pensar mal, e se você for dizer que é o pai, não vai ter como provar, porque o menino não te conhece, ainda. – Informa Frederico.

- Você tem razão, eu fiquei tão animado que me esqueci desses detalhes. – Concorda Alejandro, voltando para sua poltrona. – Vou esperar mais algum tempo, quem sabe em um outro dia eu poderei vê-lo mesmo de longe.

- Melhor.

- Com licença Dr. Alejandro, mas você tem uma ligação do escritório Del Real, passo a chamada? – Se apresenta uma secretária na sala.

- Está bem, irei atender, Obrigado!

Alejandro apertou alguns botões e atendeu a chamada.

- Alô?

- Olá Dr. Miranda, como de praxe no escritório Del Real, estou ligando para lhe informar que a reunião com a Dr. Emperatriz Jurado começa em vinte minutos. Por favor, peça que o advogado representante não se atrase. – Informa a recepcionista do outro lado da linha.

- Está bem, ele... Espera, você disse Emperatriz Jurado?

Ele não poderia acreditar, aquele nome era tão peculiar e único, e só havia uma pessoa que ele conhecia com aquele nome. Sua amada, Emperatriz Jurado.

- Sim, por acaso o senhor não estava informado de que ela o atenderia?

- Eu... eu não sabia... – Gagueja ele.

- Mil perdões Dr. É que, o Senhor Justo decidiu de que ela estaria a frente deste caso. Algum problema?

Alejandro ficou um tempo surpreso, não poderia ser sua mesma Emperatriz.

- Dr? – Pergunta a moça do outro lado ao não obter sua resposta.

- Oi, desculpa. Não, não há problema, eu já estou indo, Obrigado por avisar. Tenha um bom dia.

Ele desligou o telefone e encostou surpreso na poltrona, ainda tentava absorver aquela informação.

- O que houve? Parece assustado. – Observa o amigo.

- Fred, a reunião não será com o Senhor Del Real e sim com uma advogada. – Disse, sua entonação ainda era de surpresa.

- E por que mencionou Emperatriz Jurado?

- É ela, ela é a advogada. – Responde incrédulo.

- O quê? Não estamos falando da mesma pessoa não é?

- Eu não sei dizer, mas esse nome não pode ser de outra pessoa.

Alejandro rapidamente pega alguns papéis e coloca dentro de uma pasta, em seguida se dirige para a porta.

- Para onde vai? – Indaga Frederico ao ver Alejandro se preparando para sair.

- Eu vou nessa reunião, preciso confirmar se realmente é ela.

- Espera, faz sentido. Ontem, ela saía do escritório e estava muito bem vestida, parecia realmente uma advogada. Só pode ser ela. – Fala Frederico como se descobrisse um grande mistério.

- Se é ela ou não, agora mesmo irei descobrir.

Alejandro se apressou em sair dali e ir diretamente ao escritório de advocacia Del Real. Ele tinha que entender tudo isso.

Alguns minutos mais tarde, Alejandro havia chegado ao escritório, se apresentou na recepção e logo foi direcionado à sala de reunião. E ali ficou a espera da mulher que poderia ser sua Emperatriz.

Já fazia uns vinte minutos de atraso do representante do escritório Miranda, e isso deixava Emperatriz ansiosa e ao mesmo tempo irritada.

- Por favor Coco pergunte na recepção se o Dr. Frederico Braga já se apresentou a este escritório. A reunião seria as 10:00 e já se passaram vinte minutos. – Dizia ela impaciente olhando o relógio.

- Está bem, vou me informar.

Coco saiu da presença de Emperatriz e foi em busca da informação que ela havia solicitado. Alguns segundos depois, Coco retornou.

- Senhorita, o advogado representante já se encontra na sala de reunião, está a sua espera.

Emperatriz bufou, achou aquilo uma falta de profissionalismo. Ela estava irritada, mas o que realmente acontecia é que ela estava ansiosa, pois sabia que Frederico a faria várias perguntas e ainda diria a Alejandro, pensar nisso a deixava nervosa.

Ela agradeceu a Coco e se direcionou para a sala de reuniões. Ao chegar, ela viu a silhueta de um homem de costas que admirava a paisagem pela grande janela de vidro.

- Você se atrasou alguns minutos, espero que possamos levantar questões nesse tempo que nos resta. – Disse ela sentando em uma das poltronas, sem olhá-lo.

Alejandro virou-se e não poderia acreditar no que os seus olhos viam. Ele estava admirado e bastante surpreso ao vê-la ali, tão bonita, tão bem vestida e numa posição que ele não achou que seria possível para ela por não ter condições em pagar seus estudos.

- Emperatriz?! É você?! – Exclamou surpreso.

Emperatriz o olhou rápido, ela também estava surpresa porque não imaginava que ele é quem viria para essa reunião. Ela observou o quanto ele estava surpreso ao vê-la ali, então decidiu dissimular e fingir seriedade.

- Por favor Doutor...

- Finalmente estou podendo te ver e estar tão perto de você. Você não sabe o quanto eu sofri por...

Ela se levanta da poltrona ao ver que ele falava com emoção e buscou ser o mais séria possível.

- Por favor Dr. Alejandro, sente-se e vamos falar de negócios. – Disse ela rígida.

- Me disseram ao telefone que você era a advogada que estava a frente deste caso, mas eu não acreditei.

- Bom, agora ver que é verdade. Mas, só concordei com essa reunião por que o Sr. Justo me pediu, então por favor, sente-se e vamos agir logo com isso. – Ordenou.

O tom sério e impessoal dela irritou Alejandro, mas ele não estava interessado em falar de negócios.

- Eu não estou interessado nesse caso, eu só quero falar com você, eu tinha que ver você e te explicar tantas coisas, eu...

- Dr, o passado está morto, não temos o que falar disso, tudo acabou quando você decidiu se casar com outra. E por favor vamos ao assunto que nos reuniu aqui. – Disse séria.

- Eu preciso te explicar.

- Para quê? Já não importa mais.

- Claro que importa, eu...

- Não importa. Eu já esqueci de tudo aquilo. – Mentiu. – Você escolheu outro caminho e eu tratei de cuidar da minha vida.

Ele a olha minuciosamente.

- Pelo visto, cuidou muito bem. E vejo que não precisou de mim. – Disse irônico.

- Exatamente.

- Como? Como conseguiu chegar até aqui? Como conseguiu pagar uma faculdade e...

- Percebo que subestimou minha capacidade, pois agora ver que não precisei de você e nem preciso. Estou muito bem e graças ao meu esforço e dedicação. E se não deseja falar do caso, peço encarecidamente que se retire.  – Ela disse com voz firme e se levantou.

Alejandro tentou ganhar tempo, não poderia sair dali sem antes falar sobre o passado com ela e ainda queria saber sobre o garoto.

- Está bem, sente-se. Se você quer falar sobre o caso, vamos ao caso então.

Emperatriz voltou a se sentar e o olhou diretamente nos olhos com toda segurança.

- O Doutor gostaria de propor um acordo?

- Eu penso que é cedo para isso. Não acho que seja vantajoso no momento.

Ele disse vagamente apenas a admirando. Logo, Emperatriz discorreu divinamente bem sobre o assunto, o que deixou Alejandro abismado com tanta sabedoria.

- Acredito que deveriam sim propor um acordo, não é cedo, pelo contrário é exatamente o momento. E sim, seria bastante vantajoso para seu cliente. Poderiam conseguir um desconto maior com isso e você sabe que esses casos podem demorar bastante. No entanto, essa demora poderia resultar em risco de vocês perderem, além de aumentar o montante da dívida. Sei que sabe disso. – Concluiu ela.

Alejandro a olhou um pouco irritado com sua segurança.

- Você fala como se estivesse segura da vitória. Não é bem assim que entendo. Até onde sei, essa demora poderá prejudicar mais o seu cliente do que o meu.

- Em uma causa como esta, ninguém está seguro da vitória. E um acordo negociado com inteligência desde o início, poderia ser interessante para ambas as partes. Pense nisso Dr. Alejandro e se quiser converse com o Sr. Justo. – Disse ela tranquilamente.

Ela estava muito mais calma e bastante feliz por ver a cara de surpresa de Alejandro. Ele, pensou que ela poderia ter razão em relação ao caso, mas não queria dar o braço a torcer.

- Bom, de momento, não temos mais nada que conversar. – Disse ela se levantando. – Pense no assunto. Tenha um ótimo dia.

- Eu não vou embora agora! – Ele se apressou em dizer, levantando-se também.

- Bom, se quiser ficar aí, pode ficar. Mas, eu preciso retornar às minhas atividades.

Ela disse e já se dirigia para a porta, mas ele a deteve.

- Espera, eu preciso que me diga o que quero saber sobre você.

- Olha Doutor, minha vida particular não interessa a ninguém, muito menos a você.

- Sei que tem um filho. – Soltou ele.

Emperatriz sentiu seu corpo congelar. Como ele sabia disso?Não queria que ele soubesse do menino.

- E isso o que importa?

- Qual a idade dele?

- Não é da sua conta, Doutor.

- Pára de me chamar assim! – Se irritou. – Por favor, me diga a idade dele. – Alejandro pediu quase implorando.

Ela não queria falar sobre o garoto, mas resolveu esclarecer tudo assim não daria motivos para que ele continuasse a investigando, se era isso o que ele estivesse fazendo.

- Vou esclarecer. Meu filho tem 5 anos. Mas, é somente meu, está registrado apenas no meu nome, não consta o nome do pai.

- Ele é meu filho também! Como pôde fazer isso? E por que nunca me contou? – Disse ele em um misto de tristeza e raiva.

- Foi você quem por conta própria nos abandonou. Portanto, você não tem nenhum direito sobre ele.

- Eu não sabia da existência dele, se soubesse eu jamais teria me casado, jamais teria...

- Ele não pergunta sobre o pai. – Ela o interrompe bruscamente. – E se um dia chegar a perguntar, direi a ele que o mesmo, morreu. E esse assunto está encerrado, não há mais nada para ser conversado aqui.

Ela tentou sair, mas ele rapidamente a segurou e bateu a porta que ela abria. A encostou na parede, sentindo a respiração dela acelerada.

- O que pensa que está fazendo? Me solta! – Esperneia ela brava.

- Soltarei assim que me dizer olhando nos meus olhos que não me ama mais e que não sente mais nada por mim. – Disse ele bem próximo da boca dela.

- Tudo entre nós acabou, quando você decidiu se casar com outra.

- Não foi o que perguntei. – Ele tentou beijá-la.

Emperatriz desviava das investidas de Alejandro que tentava a todo custo, beijá-la. Por pouco seu corpo a traía, mas ao lembrar do passado e da decepção que ele a fez passar, reuniu todas as suas forças e o empurrou para longe, em seguida abrindo a porta e chamando a Coco.

- Coco, acompanhe o Doutor Alejandro, já terminamos por hoje. – Ela disse com o fôlego um pouco carregado.

- Está bem, por aqui Dr. – Disse gentilmente Coco.

Alejandro olhou para Emperatriz e depois para Coco. Estava triste, bravo e com o coração oprimido, não queria que Emperatriz o percebesse assim. Então, se retirou.

Na porta do elevador, Coco o observava.

- O Senhor está bem? Quer uma água?

- Não, Obrigado! – Ele disse e entrou no elevador assim que chegou.

Coco foi ter com Emperatriz.

- Aconteceu alguma coisa? O senhor parecia pálido e triste. – Disse Coco.

Emperatriz sentiu satisfação, finalmente ele começava a pagar o que ele tinha feito a ela.

- Não aconteceu nada. – Ela olhou para Coco que parecia não acreditar nas palavras dela. – Está bem, senta aí. Irei te contar.

E então, Emperatriz contou toda sua relação com Alejandro para ela, sentiu que poderia confiar em Coco e queria que ela fosse sua amiga naquele escritório, sua confidente. Coco se sentiu feliz pela confiança em que Emperatriz a havia depositado ao contar sua história.

- Me desculpe, em contar tudo isso pra você, mas é que precisava desabafar com alguém.

- Oh, não peça desculpas. Eu sou muito grata por confiar em mim. – Ela estendeu sua mão para que Emperatriz pegasse. – Eu serei a amiga que precisa neste local.

Emperatriz apertou a mão que ela estendia e agradeceu. Ambas estavam se dando muito bem.

Naquela noite Alejandro havia chegado em casa ainda triste. Não poderia aceitar que Emperatriz o negasse o direito de ver o filho, ela nem sequer o deu chances de explicar. Viu o quanto ela estava magoada e entendia isso, corrigiria o seu erro a pedindo perdão de joelhos se ela o pedisse, mas não aceitaria a ideia de separá-lo da criança.

- Que bom que chegou. Hoje sim iremos conversar. Eu não aguento mais essa casa e seu pai me enchendo o dia todo. Olha, eu estive vendo algumas casas na zona sul, são muito lindas e...

Esther falava sem parar, mas Alejandro não a ouvia.

- Está me ouvindo?

- Agora não Esther, eu peço que me deixe em paz, só hoje. – Ele disse sério e abatido.

Ele saiu do quarto a ponto de evitá-la não queria vê-la e muito menos ouvi-la, só queria está sozinho e pensar no que fazer.

Alejandro se trancou em seu escritório que havia ao lado de seu quarto e como se nada mais importasse, pensou em Emperatriz, do quanto ela estava linda e maravilhosa. Não conseguia entender como ela havia se dado tão bem, sendo pobre e com um filho. Pensava nisso e seus pensamentos o levava a loucura por imaginar que um outro homem a sustentou, e a fim de não pensar nessas coisas, meneou  fortemente a cabeça no intuito de afastar aqueles pensamentos. Buscou pensar no garoto, queria se aproximar dele, mas sabia que Emperatriz não cederia. E, mesmo contra a vontade dela, ele se aproximaria do menino, era seu filho e tinha direito. E ele não abriria mão dele.


Notas Finais


Gente, perdoem a formatação, mas escrevo pelo celular e aí fica ruim. Mas, me digam aí o que acharam? Eu esperei um beijo, e vocês?! Rs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...