História Para Sempre Sua - Season 2 - Capítulo 4


Escrita por: e PriMSalvatore

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Bonnie Bennett, Klaus Mikaelson
Tags Bonnie Bennett, Drama, Ecchi, Familia Mikaelson, Hentai, Hot, Klaus Mikaelson, Para Sempre Sua, Romance, The Originals, The Vampire Diaries, Tvd
Visualizações 22
Palavras 1.549
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá meus amores, capítulo novo no ar o/ <3 :3

Mil desculpas pela demora de postagem, vamos tentar não demorar tanto <3 :3

Contamos sempre com vocês por aqui, amamos os comentários de todos vocês :3 <3

Capítulo 4 - Capítulo 4- Destiny.


POV Misto. (Klaus e Bonnie)

O fim de semana passou tranquilo e até animado já que o monstrinho que o Stefan deixou com a gente era bem divertido. Bonnie concordou de ficar na minha casa, até porque o Stefan estava viajando e foram dias maravilhosos, ainda mais que na segunda seguinte fui no ortopedista e enfim tirei o gesso e agora precisava usar só uma tala que era bem mais confortável. Aos poucos fui tentando voltar ao ritmo normal, fazendo uns exercícios leves (por causa da concussão o Oliver preferia não exagerar), porém principalmente voltar o trabalho. O primeiro dia foi bem estranho, ainda mais por tantos sorrisos e cumprimentos, mas levei de boa já que estava de volta. Bonnie sendo a secretária perfeita que era me ajudou a me sintonizar com tudo e nos dias seguintes era o presidente de sempre. A única coisa que ainda me incomodava eram os pesadelos e como Stefan estava para voltar já me preocupava de o que faria sem a Bonnie lá, era ela que me trazia de volta a realidade, a mim mesmo. Estávamos voltando de um almoço e quando chegamos a minha doce paz foi abalada. Jeremy estava plantando lá.

- Oi Bonnie.- Ele disse.

- Jeremy? O que está fazendo aqui?- Perguntei.

- Eu fui na sua casa, mas avisaram que não estava indo lá.- Ele disse.

- Eu vou rever os papéis.- Disse a ela e fui para o meu escritório.

- Ah sim, tudo bem. Precisa de alguma coisa?- Perguntei.

- Saber de você, nunca mais nos vimos.- Ele disse.

Sorri.- Verdade. Como está?

- Trabalhando muito e com algumas aulas parece que tudo fica mais puxado.- Disse.

- Com certeza.- Disse.

- E você como está indo?- Ele se escorou na mesa.

- Estou bem.- Disse.

- Já voltou tudo ao normal com ele?- Ele perguntou.

- Ele já está bem melhor.- Disse.

Ele suspirou.- Eu fiquei preocupado de como tudo isso atingiu a você.

Suspirei.- Bem, eu estou bem agora.

- Não parece bem, parece cansada.- Ele a observava.

- Bem, parece que fiquei feia então.- Ri.- Só me dizem isso. Eu me sinto bem, então só pode ser isso.

- Se estiver precisando de algo, eu arrumo para você.- Ele sorriu.

- Eu estou bem, obrigada.- Disse.

- Quando quiser podemos dar uma volta para distrair.- Ele disse.

- Claro. Assim que der vai ser ótimo.- Disse.

- Vai para casa no Ação de Graças?- Ele perguntou.

- Não sei ainda.- Disse.

- Eu não vou poder ir.- Ele disse.

- Porque?- Perguntei.

- Não vou ter folga no trabalho.- Ele disse.

- Ah sim, que pena.- Disse.

- Pena que aqui não é feriado também.- Ele disse.

- Verdade. É um dos meus feriados preferidos.- Disse.

- Quem sabe não comemos pelo menos um frango assado para disfarçar.- Ele sorriu.

Ri.- Verdade. Seria uma boa.

- Já almoçou? Podíamos ir aqui perto.- Disse.

- Acabei de chegar. Estou em horário de trabalho.- Disse.

- Ah que pena, talvez quem sabe um outro dia ou um jantar.- Ele disse.

- Claro, pode ser.- Disse.

- Na sexta pode ser? Ai ficamos tranquilos de não ter que correr por causa do trabalho.- Ele disse.

- Pode ser.- Disse.

- Estamos combinados então. Deixa eu ir para não ficar te atrapalhando.- Ele disse.

- Tudo bem. Tenha um bom dia, Jer.- Disse.

- Você também e vê se descansa um pouco Minnie.- Ele brincou.

Ri.- Pode deixar.

- Tchau Bon, até mais.- Ele disse.

Estava vendo aquela ceninha ridícula pelo computador e a minha maior vontade era jogar aquele moleque pela janela. Sim, isso seria bem agradável e me daria muita paz. Sorri. Queria saber o que ele havia dito a Bonnie para ela concordar e ficar rindo depois. Vai se foder Jeremy, se tem uma coisa que não vou permitir depois de tudo que passei para voltar é deixar você se meter. Ele saiu e mexi nos meus arquivos até achar o arquivo dele. Sim, eu tinha mandado investiga-lo, mas estava tendo tanta coisa que nem tive tempo de olhar com cuidado. Jeremy Gilbert; família normal, um estudante mediano, mas que foi bem na universidade e conseguiu um estágio numa das maiores construtoras aqui em Londres e que segundo o relatório seguia muito bem na empresa. Mas que porra é essa, não tinha nada que eu poderia usar ali. Nem uma passagem na prisão, nem uma briga de bar... Nada! Que inferno.

Jeremy saiu e entrei na sala de Klaus.- Precisa de alguma coisa?

- O que ele queria aqui?- Fechei o arquivo antes dela ver.

- Ver como eu estava e me convidar para jantar na sexta para colocarmos a conversa em dia.- Disse.

Respirei fundo.- Jantar?

- Sim.- Disse.

- E você vai?- Perguntei.

- Hmm... acho que sim.- Disse.

Fiz minha melhor cara de tranquilidade.- Tudo bem.

Me aproximei mais dele.- Amor, você não quer marcar uma psiquiatra para vermos o que fazer com os seus pesadelos?

Por que ela trocou de assunto tão drástico?- Psiquiatra?

- Sim.- Disse.

- Você também acha que estou ficando louco?- Perguntei.

- Louco? Claro que não!- Me sentei no colo dele e o beijei.- Eu estou preocupada com você. Quero te ajudar e se você quiser eu vou te acompanhar em todas as sessões.

- Eu queria acreditar que era capaz de resolver isso.- Desviei o olhar dela.- Mas as vezes não consigo controlar, as coisas que já pensei, como quando ataco você.

- Como assim?- Perguntei.

- Nem sempre tenho certeza que é a realidade e depois a maioria das vezes você já está dormindo e eu fico apavorado conferindo se não te machuquei de algum jeito. Eu não sei nem se...- Suspirei.

- O que?- Perguntei.

- Nada.- Eu não podia jogar tanta coisa em cima dela assim. Ela já tem feito demais por mim.

- Amor, eu quero ser a sua mulher um dia e quero que você seja o pai dos meus filhos... eu preciso que você confie em mim.- Disse.

- Eu confio, mas do que em qualquer um.- Disse.

- Então fala.- Disse.

Como eu dizia aquilo? Que os que morreram ficavam na minha mente dizendo que eu não merecia estar vivo? Que o quanto meu egocentrismo de fazer tudo em todo lugar acabou ocasionando a morte de duas pessoas? Eu tô muito mal.- Hã... eu nem sei o porque fui escolhido pra continuar vivo. Edward tinha filhos ainda jovens e eu vi ele falando com eles antes de entrar no avião. Charlotte cuidava do pai doente e do irmão mais novo, e eu tentei salva-la. Usamos tudo o que tinha ao nosso alcance e ela só pedia para não morrer que tinha que cuidar deles...

- Amor, eu não sou um exemplo de pessoa religiosa, apesar de acreditar muito em Deus e eu sei que nada é por acaso. Você é um homem bom e com certeza tem muita coisa boa ainda para oferecer ao mundo e tenho certeza que esse susto foi para te deixar ainda mais forte. E quanto do porque certas pessoas morrem...- Suspirei.- Bem, só podemos pensar que foi o certo e o melhor para elas. Pior seria se elas ficassem sofrendo. Você não tem que se sentir mal ou culpado. Você não tem culpa de nada.

- Eu sei que devo pensar assim.- Disse.

- Então pense.- Beijei o rosto dele.- Mas eu sei que é complicado e por isso acho que deveria procurar ajuda.

Afastei o cabelo dela, tocando o seu rosto com as duas mãos.- Desculpa estar tão perturbado por tantos dias. Eu que deveria estar cuidando de você, afinal, você também passou uma barra.

Sorri.- Até parece meu amor. Viu como você é um homem bom?- Lhe dei um selinho.- Eu te amo.

- Eu também te amo. E eu vou pensar nas consultas, mas não comenta com ninguém. Já ficou todo mundo muito agitado.- Até hoje minha mãe me liga toda manhã e toda noite, e meu pai sempre manda uma mensagem.

- Tudo bem.- Disse.

Beijei ela.- Nós temos muito trabalho.- Ela estava com um vestido que mesmo sendo "sério" a deixou sexy.- Mas não estou nem um pouco afim de continuar.

Sorri.- Deixa de ser tarado, estamos em ambiente de trabalho senhor Mikaelson.

- Isso só deixa ainda mais gostoso.- Disse.

Ri.- Klaus, você é o presidente e precisa trabalhar.

- Tem gente muito bem paga aqui para trabalhar por mim.- Sorri um pouco.- Mas tem razão, por hoje tenho que acabar.- Beijei ela.- Vamos continuar em casa.- Ela riu e voltou para a mesa dela e eu continuei, e quando tivesse um tempo talvez fosse o certo procurar um psicólogo antes que eu fique doido de vez e sem querer acabe machucando a Bonnie. Não, não posso deixar a esse ponto.


Notas Finais


Então, gostaram? Espero que sim! <3 :3 Esses dois são fofos demais, né? Quem aqui ama eles? o/ <3 :3

Ah, possivelmente por agora as fotos do Instagram relacionadas aos capítulos voltam a ser postadas, então fiquem de olho por lá... aqui para vocês seguirem todos; @bonbonbennett93 / @nkmikaelson_uk / @personagensfanfics2019 / @personagensfics2019 / @jessicapriscilafanfics

Bem, nos falamos nos comentários e até o próximo! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...