História Para sempre, um só amor... - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol, D.O, Lay, Lu Han, Sehun, Xiumin
Tags Luhan, Lumin, Xiuhan, Xiumin
Visualizações 279
Palavras 1.167
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


*_* Mais um capítulo, espero que gostem...<3

Capítulo 23 - Surpresa para Min...


Fanfic / Fanfiction Para sempre, um só amor... - Capítulo 23 - Surpresa para Min...


-  O-O que disse?  -  O meu Lu agora tinha uma expressão boba em seu rosto, como se estivesse em choque, e de alguma forma o seu olhar brilhante com o início das lagrimas ameaçando cair me fazia sorrir em meio a emoção.

-  Eu disse que você será pai outra vez, Lu. Vamos dar um irmão ou irmã para a Mina.

-  Ma-Mas... Já está ai dentro?  -  Ele ainda estava em choque olhando para mim e para a minha barriga, o que me fazia sorrir ainda mais.  -  Já fizemos? Tem uma vida ai dentro?

-  Sim. Já fizemos Lu, você já o colocou dentro de mim na noite em que matamos nossas saudades.

-  E-E o que eu faço agora?  -  O vi levantar-se e começar a andar de um lado para o outro do quarto.  -  Eu vou ser pai outra vez?

-  Primeiro fique calmo e venha até aqui.  -  O chamei de volta o fazendo se ajoelhar ao meu lado na cama enquanto nossas lagrimas caíam.  -  Como eu não tive nenhum namorado e não tinha intenção de ter enquanto você estava em coma, eu também não tinha motivos para tomar remedios, como eu não sabia que voltaria ou que iríamos nos amar naquela noite eu não tive como me preparar, e nós também esquecemos que existe algo chamado preservativo, então... Agora estamos grávidos outra vez.

-  Quem iria lembrar de preservativos quando estávamos cheios de saudades?  -  Finalmente ele sorriu me deixando de certa forma aliviado.

-  Verdade.

-  Min...  -  Suas mãos começaram acariciar o meu rosto me fazendo encarar seus olhos brilhantes.  -  Você vai me dar outro filho... Você me faz tão feliz... Eu te amo tanto.

-  Agora você pode acompanhar o nosso bebê como não pôde acompanhar a Mina.

-  Eu vou fazer vocês três muito felizes.

-  Nós sabemos, Lu.

  Ele me encarou mais alguns minutos sorridente e selou nossos labios de forma carinhosa, mas também um pouco provocativo.

-  Acha que o nosso bebê ficará incomodado se os pais dele brincar um pouquinho?

-  Acho que não, ele é muito pequeno ainda pra se incomodar.

-  Ótimo, porque eu senti muita saudades, Min.

-  Eu também, Lu.  -  O puxei para a cama e tomei seus lábios com desejo.

  Nossas roupas foram jogadas para o lado e mais uma vez estávamos matando as saudades, do nosso amor, do nosso prazer... E tudo estava como no começo, tudo continua como na primeira vez, com a mesma paixão, a mesma vontade, o mesmo desejo, com a mesma intensidade. Como em nossa primeira vez, continua de uma forma carinhosa e cuidadosa, mas também como na segunda, onde nos soltamos e tivemos um sexo animal e mais quente impossível. Nossos corpos sempre pegaram fogo, mas o carinho sempre esteve presente, assim como ardiamos no desejo e prazer com movimentos frenéticos quebrando a casa, mas no meio de tantas camas que quebramos tinha espaço para um amor delicado. Por mais que Lu puxasse meus fios de cabelo enquanto me penetrava com certa força e minhas unhas arranhassem suas costas deixando marcas no outro dia, sempre achávamos carinhoso demais, exatamente como agora, como continua sendo. Não importa o quando somos selvagens na cama, no final sempre queremos mais, sempre queremos apimentar mais, porque todo o fogo que temos nunca é o bastante, pois temos corpos insaciáveis um para o outro, e o amor assim apenas nos faz desejar mais e mais estar com nossos corpos colados, como no começo o nosso amor continua quente e insaciável, tanto na cama como fora dela.

* * *

  Abri meus olhos aos poucos tentando me acostumar com a luz e notei um sorridente Lu me encarando.

-  Fiz um café da manhã bastante saudável para o meu amor e o nosso bebê.  -  Me sentei o vendo se aproximar colocando uma bandeija sobre a cama.

-  Lu... Amo você.

-  Eu lhe amo muito mais, Min.  -  Senti ele se aproximar e passei meus braços em volta do seu pescoço.  -  Você vai me dar outro filho e me faz o homem mais feliz do mundo.

-  Se eu lhe faço um homem feliz, o que acha de tomar um banho comigo?  -  Sorri o provocando e fui puxado para o banheiro com certa pressa.

* * *

-  Precisamos nos arrumar logo, quero pegar a Mina e fazer um passeio

-  E eu?  -  Perguntei manhoso.  -  Não vou nesse passeio?

-  Claro que vai, Meu amor.

-  Melhor assim.  -  Cruzei os braços fazendo um bico e fui agarrado começando a rir.

-  Agora vamos embora, temos um dia longo.

  Eu estranhei um pouco a pressa, o Lu sempre era o primeiro a me puxar e pedir por mais, mas agora estava me apressando para irmos buscar a Mina, e principalmente estava muito arrumado para apenas um passeio, o que estava me deixando envergonhado por ter tomado um banho e vestido a mesma roupa do encontro de ontem.

  Deixei meus pensamentos de lado e o segui saindo do apartamento, entramos no carro e enquanto não chegávamos notei que Luhan sorria muito.

-  Está muito animado.

-  Eu vou ser pai pela segunda vez, isso não é motivo para ficar animado?

-  Claro que é, mas você está muito animado.

-  Eu vou poder ver o nosso bebê crescendo ai dentro,Min, como quer que eu me sinta?

-  Eu sei, Lu.  -  Algo ainda parecia estar estranho para mim, eu entendo que ele esteja feliz por saber que teremos mais um filho e que agora ele pode acompanhar, e eu também estou, mas ele não parava de sorrir durante o caminho e isso de certa forma estava me deixando ansioso.

  Continuamos o resto do caminho em silêncio e assim que chegamos descemos do carro e entramos no condomínio, e enquanto subíamos o elevador notei que as mãos de Luhan estavam tremulas, ele não sorria mais e parecia um tanto nervoso.

-  Min, se importa de esperar um pouco?

-  Esperar o que?  -  Perguntei o vendo sair do elevador primeiro e me pedindo para esperar em frente a porta.

-  Só um minuto.  -  Luhan abriu um pouco a porta e eu notei que estava escuro lá dentro.

-  Eu não posso entrar em meu próprio apartamento?

-  Apenas um minuto, Min.

  Luhan entrou e eu fique do lado de fora ainda achando sua reação estranha, já estava ficando agoniado com aquilo.

-  Luhan, eu quero entrar...  -  Não ouvi resposta alguma e não suportei mais, abri a porta e entrei estranhando todo aquele escuro e um silêncio.  -  Lu, isso não tem graça.

  De repente a luz foi acesa e meu coração acelerou, olhei para o meio da sala e minhas lagrimas começaram a cair, lá estava ele... Luhan estava ajoelhado dentro de um coração formado por petalas vermelhas, e em suas mãos um pequena caixa.

-  Kim Minseok, casa comigo?

CONTINUA...


Notas Finais


*_* Então? Gostaram? Espero que sim, qual será a resposta do Minseok? Beijinhos e até breve...<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...