História Para te fazer sorrir! - Capítulo 21


Escrita por: ~

Visualizações 375
Palavras 3.564
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


MÃE O FORNINHO CAIU!

Capítulo 21 - O vídeo


Fanfic / Fanfiction Para te fazer sorrir! - Capítulo 21 - O vídeo

Capítulo 21

------------------------------------------- Naruto Uzumaki ---------------------------------------------

Fecho a porta da sala de Kurenai sem acreditar no que ela me contou.

Minha cabeça gira, meu corpo inteiro treme, dos meus olhos escorrem lágrimas pesadas e cheias de culpa.

“Você tem que entender que a culpa não é sua!”

Nem sequer essas palavras da minha psiquiatra fizeram com que a culpa que pesa em meu peito diminuísse.

A tontura se apodera de mim e me escoro na porta para não cair.

Talvez eu seja o pior monstro existente na vida de Sasuke... Talvez a melhor coisa que eu possa fazer seja me entregar à polícia imediatamente ao invés de esperar a doutora Kurenai para me ajudar com isso.

Pessoas para cuidar do Sasuke nesse momento é o que mais tem, ele não ficará sozinho.

Karin, Juugo, Suigetsu, Sakura, Hinata e meu avô estão aí para apoiá-lo no que ele precisar.

Caminho até as cadeiras da sala de espera do consultório e me sento, sinto o gosto de bile subir pela minha garganta... Como eu pude fazer isso?

“Não faça nada, primeiro acalme-se. Vá para sua casa e descanse. Não faça nada que possa se arrepender depois.” Kurenai disse. A única coisa que penso sobre isso é que já fiz o suficiente para me sentir culpado pelo resto da minha vida.

- Pense em coisas boas... – murmuro para mim mesmo apoiando meus cotovelos em minhas coxas e escondendo meu rosto nas mãos. – Pense em coisas boas... A culpa... – engulo em seco antes de pronunciar isso em voz alta para tentar me convencer de algo que eu mesmo não acredito ser verdade. - ... Não é sua...

Obrigo-me a pensar em Sasuke e quando ele finalmente aceitou morar comigo.

Parece que fora anos atrás, mas faz somente três semanas.

Como a vida de alguém pode mudar tanto em três semanas?

Lembranças on

- Mora comigo... – sussurrei no ouvido de Sasuke sentindo seu corpo pequeno estremecer em contato com o meu. – Por favor. Deixe-me cuidar de você. – apertei-o mais contra mim e Sasuke deixou seu corpo relaxar. Beijei novamente sua têmpora enquanto ele soluçava.

Ele havia acabado de ser expulso da própria casa pelo tio sem ao menos saber o porquê. Eu não poderia deixa-lo sozinho naquele momento... Na verdade, não gostaria de deixa-lo sozinho momento algum.

Virei-o de frente para mim e segurei seu rosto em minhas mãos, beijei suas pálpebras e a ponta do nariz pequeno e arrebitado dele.

- Deixe-me cuidar de você Sasuke. – ele abriu os olhos e seus orbes tão negros quanto a noite, com o brilho das lágrimas lembrando pequenas estrelas na escuridão, me encarou. – Por favor...

E ele me abraçou como se eu fosse a única esperança em sua vida. Escondeu seu rosto em minha camisa enquanto apertava minha cintura com os braços finos.

Sasuke se afastou novamente e me olhou.

- P- porque se importa tanto comigo? – perguntou.

Dei o sorriso mais sereno e verdadeiro do mundo para ele.

- Porque eu te amo.

Lembranças off

O momento que Sasuke respondeu que moraria comigo me fez a pessoa mais feliz do mundo.

Claro que prometi a ele não obriga-lo a nada que ele não quisesse e que ele teria um quarto somente para ele já que minha casa é bastante grande.

Onde essa felicidade foi parar?

Foi destruída e despedaçada pela notícia que acabo de receber da minha psiquiatra.

Quando Sasuke souber...

O olhar que ele lançou para aquele homem que fomos visitar não será nada perto do que ele lançará para mim quando descobrir o quão desprezível eu sou.

Pelo menos aquele homem não fez de propósito...

- Não... Não foi sua culpa... – murmuro novamente tentando me convencer. Afinal tinha sido Kurama... Mas Kurama sou eu! – Pense em coisas boas... Por favor...

Com a mão trêmula, pego meu celular no bolso da calça e disco o número de Sakura-chan... Ela é minha melhor amiga e a única pessoa que posso contar neste momento. Meu avô agora deve estar passeando com Sasuke em algum parque de diversões. O mais velho cisma que quer ser como um pai/avô para o moreno.

Sakura-chan atende o celular.

- Oi... Sakura-chan... Sou eu... Preciso de você. – imploro com a voz esganiçada.

- O que houve Naruto? Estou com o Gaara agora. – ela responde e por um instante me sinto a pessoa mais solitária do mundo até ela continuar. – Onde você está? Vou pegar meu carro e te busco.

Sorrio em meio às lágrimas.

- Estou no consultório... Por favor... Vem sem o Gaara.

- Tudo bem cabeçudo. Já estou indo.

Encerro a chamada e enquanto aguardo, continuo meu mantra interno e torno a pensar em coisas boas.

Lembranças on

Já havia se passado uma semana que Sasuke estava em minha casa e seu quarto no mesmo corredor que o meu.

Era tão bom ver o quão a vontade ele se sentia com a presença do meu avô Jiraya e com a minha, claro, a medida do possível na situação dele.

Todo dia nós três tomamos café juntos e o velho tarado conta suas piadas...

Naquele dia o velho se superou e acabou arrancando uma baita gargalhada de Sasuke fazendo o moreno se engasgar com o suco que estava tomando.

Era tão raro vê-lo sorrir, mas o velho conseguia fazer isso com frequência.

Quando eu contava as minhas piadas, Sasuke me olhava com uma expressão de “Tsc dobe, você é péssimo nisso”. Uma vez ele até chegou a comentar que eu era tão ruim contando piada que se fosse seguir a carreira de piadista eu com certeza morreria de fome.

Eu e o vovô levamos Sasuke para um zoológico e ele ficou impressionado com o tamanho do pescoço da girafa. O engraçadinho até falou que o animal mastigava igual a mim.

Eu definitivamente não mastigo de lado e nem com a boca aberta.

Comparei-o com um hipopótamo e acabei recebendo um cascudo dele (não sei como ele alcançou minha cabeça) e disse que não era gordo. Então acabei por compará-lo a um pato por causa de seu cabelo o que acabou fazendo que ele virasse a cara para mim durante o resto do dia todo, dando atenção somente para Jiraya.

Ao chegarmos em casa o tempo estava virando, mas ainda demorou para a tempestade cair.

Depois de comermos e nos aprontarmos, vovô se acomodou no sofá (ele adora dormir naquele sofá) e eu e Sasuke fomos para nossos quartos.

Após o dia que o beijei, não tive mais coragem de tocá-lo com medo de assustá-lo, mas manter o controle com ele tão próximo a mim é, talvez, a coisa mais difícil pela qual já passei na vida (depois da morte de meus pais).

Quando finalmente me acomodei em minha cama e fechei os olhos para dormir, a tempestade começou a cair com toda a força do lado de fora e trovões barulhentos cortava o silêncio da noite e os raios iluminavam a noite como vários flashes de câmera sendo disparados uns atrás dos outros.

De repente a porta do meu quarto se abriu e um Sasuke trêmulo e aos prantos entrou por ela.

- D-dobe... Por favor, me deixa dormir com você... – a voz dele era de súplica.

Mais um trovão assustador se fez ouvir e Sasuke se assustou e gritou tampando o rosto com as mãos.

- Por favor... – disse choroso. Ele tinha mesmo pavor de tempestades.

Cheguei um pouco para o lado e disse que sim, que ele poderia dormir comigo.

Sasuke disparou em direção à cama, deitou e se encolheu em baixo das cobertas todo trêmulo.

- Gatinho medroso. – disse com um sorriso cortando meus lábios e o ouvi resmungar.

- Uzuratonkachi...

Eu o aninhei em meus braços e ele após um tempo dormiu como um bebê...

Foi depois daquela maravilhosa noite que Sasuke dormiu pela primeira vez em meus braços que meus pesadelos da culpa que eu nem sabia que deveria sentir me atormentaram ainda mais a partir da noite seguinte...

 Lembranças off

- Naruto... – ouço a voz de Sakura-chan me arrancando de meu torpor. – Está tudo bem?

Encontro os olhos esmeraldinos de minha melhor amiga e nego com a cabeça me levantando e a abraçando.

- Me leva daqui, por favor!

------------------------------------------ Sasuke Uchiha -------------------------------------------------

- Onde será que Naruto se meteu? – Jiraya murmura após procurar Naruto por toda a casa.

Tiro meus sapatos, dobro as calças até o joelho e me sento na beirada da piscina. Coloco meus pés dentro da água, tão preocupado quanto o senhor Jiraya, pego meu celular em meu bolso e ligo para o Naruto.

A chamada cai diretamente na caixa postal.

Guardo o celular e suspiro profundamente. Um mau pressentimento se apodera de mim, então ligo para o celular de Sakura e ela me atende.

- Alô. – a voz dela se faz ouvir do outro lado da linha.

O senhor Jiraya se senta na beirada da piscina e coloca os pés dentro d’agua assim como eu aguardando que eu fale com Sakura.

- O-oi Sakura... – digo vacilante. Nunca havia ligado para ela antes. Tenho o contato dela porque Naruto me obrigou a anotar para qualquer eventualidade. – Deixa eu te perguntar... Naruto... Naruto está com você?

Sakura fica um tempo em silêncio do outro lado da linha e sua demora em responder somente confirma que algo está errado. Meu coração aperta dentro do peito...

Eu simplesmente não quero perder mais ninguém e não consigo evitar sentir medo...

- Sakura? – insisto. – Por favor, me diz que nada aconteceu com ele... – minha voz sai quase como um murmúrio.

- N-Não... Ele... Ele está aqui comigo...

Solto o ar que sequer notei que estava prendendo.

- Posso falar com ele? – pergunto recebendo mais um longo momento de silêncio em troca.

- Desculpe Sasuke-kun... Amanhã vocês se falam na aula. Tenho que desligar...

Em seguida só ouço os “Tu, tu, tu”...

Ela desligou.

- O que ela disse? – pergunta o senhor Jiraya.

Mecho os pés dentro da água.

- Ele não quis falar comigo... – respondo evitando ao máximo demonstrar o quanto Naruto não querer falar comigo me dói. – Será que fiz algo errado? – pergunto. – Será que ele como o meu tio não me quer mais por perto?

Sinto a mão de Jiraya pousar sobre o topo de minha cabeça e o olho surpreso, um imenso sorriso cortando seus lábios.

- Claro que não garoto. Naruto tem dessas às vezes. Talvez ele precise ficar um tempo sozinho. Você nunca se sentiu assim? – pergunta.

Abaixo a cabeça voltando a olhar a água cristalina e a lua refletida nela.

- Eu sempre estive sozinho... – murmuro.

- Mas agora não está mais. – ele acaricia meus cabelos. Seu toque tão carinhoso quanto do meu irmão.

Meu peito se aperta em saudades. Definitivamente não quero perder mais ninguém.

- Deixa eu te contar uma coisa. – começa o senhor e eu volto a olhá-lo. Agora ele encara o céu cheio de estrelas com o sorriso ainda ali em seu rosto. – Sabe desde quando Naruto mora sozinho? – pergunta e eu nem me atrevo a responder. Eu mal sei da história de vida do Naruto, o que faz com que eu me pergunte de onde vem toda a confiança que consigo depositar nele... – Desde os nove anos de idade...-  surpreendo-me com a notícia. – Muito novo, não é?

Meneio a cabeça em positiva como resposta.

- Ele tomou essa decisão após a morte de seus pais. – ele continua – Posso parecer um homem mal em deixar uma criança morar sozinha, mas não o deixei completamente. Eu sempre fiquei de olho nele e às vezes entrava escondido na casa e ele me pegava dormindo no sofá no dia seguinte. – Jiraya alargou ainda mais o sorriso em seu rosto. – Ele sempre foi uma criança forte Sasuke. Quer saber o que ele me disse para conseguir me convencer a deixa-lo morar sozinho?- balanço a cabeça positivamente. – Para proteger uma certa pessoa...

- Que pessoa senhor Jiraya? – pergunto verdadeiramente curioso.

- Você.

Não consigo acreditar no que ele me fala. Não me lembro de ter conhecido Naruto na minha infância, mas antes que eu possa dizer alguma coisa, ele continua.

- Desde quando ele te viu quis te proteger e ficava frustrado por causa disso. Ele sempre tinha pesadelos com você sendo violentado e isso acabou afetando Naruto profundamente.

Arregalo meus olhos...

- N-não estou compreendendo senhor Jiraya...

- Tsc, já te disse para me chamar de vovô! O que que custa? – diz ele me olhando e franzindo o cenho com cara de pidão. Sorrio nervosamente.

- V-Vovô... Pode me explicar melhor? – digo educadamente, mas meu coração pula freneticamente dentro do peito... Eu estou conseguindo ter o amor de uma família de verdade?

Depois penso nisso... O que preciso saber é, como...

O vovô Jiraya continua:

- Ele vivia pedindo para os pais dele para aprender karatê para que ele pudesse bater em um certo alguém... Ele nunca contou para mim ou para os pais dele o que tinha visto, tanto que fiquei sabendo faz pouco tempo quando ele finalmente me contou sobre você. – ele respira fundo – Ele viu o seu professor machucando você na escola Sasuke...

Meus olhos se arregalam e sinto meu corpo estremecer... Naruto viu tudo? Uma criança inocente presenciou aquilo tudo com os próprios olhos?

- A culpa o corroeu por todos esses anos e eu sequer sabia o porquê... Sabe Sasuke, ele te ama muito, nunca duvide disso.

Jiraya beija minha testa e se levanta me deixando com milhões de perguntas na ponta da língua.

Levanto-me também e o sigo.

- Então esse foi o trauma que o fez ficar assim? É minha culpa que Naruto tenha dupla personalidade? – pergunto encarando as costas de Jiraya e ele para, sem virar para me olhar. – Eu sou o causador das desgraças na vida dele? – cerro os punhos.

- Foram as circunstâncias... O homem que fez isso com você garoto é o culpado de tudo o que acontece na vida de vocês dois. – antes que eu possa abrir a boca para dizer algo ele continua – A morte dos pais de Naruto que acabaram por deixa-lo assim... Sabe garoto... Acho que o destino gosta de brincar com vocês dois. Esse destino cruel arranjou uma forma de unir vocês. Através do sofrimento eu sei, mas uniu e vocês agora estão ligados e tenho certeza que a recuperação de vocês dois depende um do outro. – ele vira um pouco a cabeça para me olhar. – É como se desde outras vidas vocês fossem predestinados um ao outro. – ele alarga o sorriso e depois se vira caminhando para a casa dele, me deixando para trás com meus pensamentos.

“Ele é um sábio tarado” a voz de Naruto ressoa em minha cabeça.

*

Passei a noite inteira em claro pensando nas palavras do senhor Jiraya e pensando em Naruto...

Tudo que ele faz é por mim, mesmo que inconscientemente e tudo que faço é recusar seu carinho por conta de um medo completamente banal quando se trata de Naruto. Ele jamais me machucaria e isso está mais que comprovado com as palavras de Jiraya.

Levanto-me e tomo um banho demorado pedindo desculpas mentalmente para Naruto e Jiraya por abusar da hospitalidade deles, me troco, vou para a cozinha e engulo o pão e o café saindo rapidamente. Pego minha mochila e corro para o carro, abro a garagem, entro no carro e dou partida indo para a escola.

Meu coração acelera de ansiedade em ver Naruto e meus lábios se curvam em um sorriso.

Estou decidido. Vou pedir para Naruto namorar comigo.

*

Desço do carro com o coração ainda mais acelerado.

Eu não acho que estou preparado para ter algo do tipo relacionamento sexual, mas tenho certeza que Naruto não me obrigará a nada. Confio tanto nele que me sinto até vulnerável.

Quero ficar com Naruto, somente com ele, disso tenho certeza.

Corro pelos corredores para ir até a sala, ignorando as recordações de quando fui arrastado por aqueles caras...

Encontro Karin na porta da sala.

- Oi Sas! – ela me dá um beijo no rosto e não a impeço lembrando mentalmente das palavras de Kurenai para que eu deixe as pessoas que gosto manterem contato comigo. – Olha ele, todo cheiroso e ainda com esse sorrisinho bobo no rosto. O que está rolando?

Abaixo a cabeça sentindo meu rosto esquentar.

- Naruto já chegou? – pergunto.

- Sim. – responde a ruiva. – Mas ele está meio estranho.

Aperto a barra da minha camisa nervosamente e olho Karin nos olhos franzindo o cenho.

- Por quê? – pergunto.

- Não faço ideia.

Respiro fundo.

- Acho que ele vai melhorar quando eu disser o que vim dizer... – digo sentindo minhas bochechas corarem ainda mais.

- E o que você veio dizer Sasukete? – detesto quando ela me chama assim, mas só bufo em resposta e entro na sala com Karin ao meu lado me cutucando e perguntando.

Avisto Sakura e Naruto de pé, estáticos, com os olhos arregalados olhando para o celular de Naruto. Olho ao redor e vejo várias pessoas da sala fazendo o mesmo. Alguns desviam o olhar para mim notando que acabei de entrar e começam a cochichar... Alguns até parecem me olhar com cara de... Pena.

Torno a olhar para Naruto e me aproximo devagar, não entendendo nada do que está acontecendo.

Naruto levanta os orbes azuis e me encara. Noto seus dedos trêmulos e Sakura olhando para o celular de Naruto com as mãos sobre a boca e de seus olhos verdes caindo lágrimas pesadas.

O olhar de Naruto para mim é...

Frio...

Um arrepio percorre todo o meu corpo e ignoro meu corpo querendo fraquejar.

Aproximo-me hesitantemente deles e pergunto:

- O- o que houve? – Naruto vira o rosto para mim e ergue o celular.

- Naruto... Não faz isso... – a voz de Sakura sai esganiçada e desesperada. – Por favor...

Eu pego o celular da mão de Naruto e noto que eles estavam vendo um vídeo.

Minhas mãos ainda mais trêmulas. Aperto em cima da opção de repetir...

E então...

Coloco a mão sobre a boca com ânsia de vômito...

Sou eu...

Sou eu no vídeo sendo violentado pelos dois caras aqui na escola enquanto um ria e o outro gravava...

Meu rosto repleto do fluído nojento deles...

Eu desesperado me debatendo enquanto um desfere várias mordidas pelo meu corpo e o outro me estocando violentamente.

Solto o celular de Naruto e tudo parece girar em câmera lenta...

Minhas lágrimas caindo...

O aparelho indo de encontro ao chão...

Meus olhos encontrando os de Naruto...

Ele passando por mim sem ao menos parar para me abraçar...

 

Deixo meu corpo cair...

Assim como o meu mundo...

Outra vez meu mundo desmoronando diante aos meus olhos.

Não escuto ninguém. É como se eu estivesse surdo. Sakura corre até mim e me apoia... Juugo me puxa para si colocando suas mãos sobre meu rosto... A boca dele mexe... Ele está dizendo algo, mas não consigo ouvir.

A única coisa que escuto são as batidas fortes do meu coração ressoando em meus ouvidos...

Então volto a escutar. O alvoroço machucando meus tímpanos, pessoas me perguntando se estou bem, dizendo para eu ignorar o vídeo, me perguntando se doeu, uns riam dizendo que eu fico extremamente sexy na posição que estava no vídeo, Juugo avançando em alguma pessoa...

Sinto uma mão apanhar meu braço fortemente me tirando rapidamente da sala de aula e me arrastando para fora dali.

Eu não me debato...

Simplesmente me deixo ser arrastado...

Sasuke-kun...

Ouço me chamar...

Sasuke-kun...

Ouço

- Sasuke-kun! – Sakura me joga contra a parede e enxuga minhas lágrimas com seus dedos. – Olha para mim, por favor. – encaro o rosto dela por vários instantes... Eu simplesmente não sei como reagir. O rosto de Sakura vai entrando em foco até eu puxar o ar com força recuperando meus cinco sentidos...

- Ele tem nojo de mim... – sussurro desesperado. – Ele está com nojo de mim... – repito essa frase várias vezes e empurro Sakura. – Ele é como todos os outros! – grito furioso em meio às lágrimas. – Naruto é um filho da puta desgraçado como todos os outros! – simplesmente não consigo segurar as palavras que saem sem pedir permissão... Digo tudo sem pensar... – E eu o amo! O amo com toda a droga da minha força Sakura! E ele tem nojo de mim! – as lágrimas pingam, pingam, pingam, pingam...

Simplesmente perco o fôlego e Sakura me abraça. Ela me aninha em seus braços e chora junto comigo.

- Isso não é verdade! Ele te ama Sasuke... Você não sabe o quanto!

Dou uns murros sem força nas costas de Sakura tentando afastá-la, mas ela não me solta.

- Mentirosa... vocês todos são mentirosos... mentirosos.

Sakura me afasta e segura meu rosto em suas mãos.

- Sasuke, ele te ama. Acredite em mim, por favor! Eu falei pra ele não te afastar assim! Eu disse para ele não usar esse vídeo como desculpa para te afastar dele! Eu implorei, mas ele não me ouviu. – ela sequer toma folego e nem me deixa rebater, ela só grita as palavras para que eu ouça. – Não sei quem foi o desgraçado que postou esse vídeo, mas Naruto não tem nojo de você! Ele quer te afastar!

Empurro Sakura novamente gritando de volta para ela.

- Porque? Porque ele quer me afastar? Pra mim isso não é amor! Ele está me abandonando como todos fizeram! Como MADARA fez!!

- PORQUE KURAMA MATOU A SHIZUNE! – ela grita na minha cara...

E eu caio de joelhos no chão.


Notas Finais


BIIIIIP
RETA FINAL.

espero que tenham gostado do capítulo...
Eu mesmo não sei o que comentar sobre...

Bjos no Kokoro e um poke na testa


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...