1. Spirit Fanfics >
  2. Para Todos os Garotos que já Amei >
  3. 7: Bagunças (em todos os sentidos)

História Para Todos os Garotos que já Amei - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


QUEM ÉVIVO SEMPRE APARECE NÃO É MEIXMO??<br />Oi amores, e ai, como vocês estão? Bem? Com vontade de cometer um crime de cometer um crime contra mim? Talvez. Eu entendo kkk Mas eu finalmente voltei, e com um capítulo fresquinho, lindinho e cheirosinho pra vocês. Esse cap é extremamente especial pra mim, tanto pelo fato de eu ter conseguido finalmente superar o meu bloqueio de 8 fucking meses, quanto por ele ser um cap TOTALMENTE autoral. Sim!! Vocês não tem ideia do quanto eu estou feliz por ter voltado, o quanto eu estou ansiosa pra saber o que vocês vão achar. Eu escrevi ele com muito, muito carinho e fiquei muito feliz com o resultado. Ele esta lotado de momentos dos TaeKook, muito fluffy e coisinhas para aquecer o coração. eu realmente espero que gostem, pois foi tudo feito com muito cuidado e amor. <br /><br />Boa leitura. <3

Capítulo 12 - 7: Bagunças (em todos os sentidos)



 Já fazia mais de uma semana desde o dia que  Hoseok recebera uma carta de amor de Taehyung; mais de uma semana desde que o vira beijando Jeon Jeonggukk; e mais de uma semana que não se falavam. 

Tudo parecia confuso para ele nesse momento...quer dizer, Taehyung é seu melhor amigo não é? Bom... pelo menos era, ele não sabia mais o que estava acontecendo. Às vezes tinha vontade de confrontá-lo, perguntar o que houve, por que ele se afastou, se... se o que dissera na carta era verdade, mas toda vez que tomava coragem, Jeongguk estava por perto. 

E, por algum motivo, Hoseok não gostava do Jeon.

Não sabia identificar ao certo, mas tinha grande desconfiança em relação ao mais novo. Não saberia dizer se por conta de suas atitudes por vezes duvidosas, ou apenas sua personalidade, ao seu ver, soberba e prepotente. Apenas tinha certeza de que Jeon Jeongguk não lhe descia e que não faria o menor esforço para mudar isso. 

Talvez por isso houvesse tanta resistência de sua parte em relação ao novo relacionamento de seu melhor amigo. O que o castanho poderia ver de tão incrível num cara como Jeongguk? Esse pensamento mantinha-o inconformado. Além disso, ele não conseguia entender de onde surgira tal aproximação. Se perguntava se ele era tão desatento à vida de Taehyung que sequer notara tal mudança ou se realmente aquilo havia acontecido tão repentinamente quanto imaginava. Mas qualquer que fosse a resposta correta, aquilo o assustava.  Ele tinha medo de perder Taehyung, assim como sua amizade.

Entretanto, o Jung temia que esse pensamento um tanto obscuro pudesse se tornar uma relalidade mais rápido do que ele esperava. Apenas uma semana foi necessária para que os dois amigos simplesmente agissem como totais desconhecidos. Isso preocupava profundamente o moreno... o que poderia acontecer com a amizade deles se passasse um mês? Um ano? Hoseok enlouquecia só de pensar. 

Mas o que mais o machucava, era que o mais novo não parecia nem um pouco afetado ou chateado por isso, muito pelo contrário. Era como se Hoseok nunca tivesse existido em sua vida, como se simplesmente tivesse sumido.  Ele vivia sorrindo, sempre acompanhado do Jeon. Observar tal reação fazia o Jung encher-se de um sentimento estranho, talvez... raiva? Não sabia. 

Mesmo que distraído e com a mente flutuante, suas divagações foram interrompidos por uma gargalhada bastante conhecida por si ecoando pelo refeitório. Tornando o olhar à direção do riso, deparou-se com a imagem do casal que tomava seus pensamentos. O Jeon acabara de girar Taehyung pela cintura, trazendo-o para perto de si e causando risos no outro. Eles tinham olhares cúmplices e sorridentes nos rostos quando Jeongguk entregou um bilhete ao castanho, agindo como se estivessem apenas os dois ali. 

Taehyung parecia feliz. 

Feliz sem ele. 


Hoseok não conseguia olhar mais. Pegando sua bandeja intocada nas mãos e com um olhar apático, ele deixou o refeitório.



                               ***


- Jeongguk! - Taehyung exclamou quando sentiu sua bochecha ser suja de farinha mais uma vez, ouvindo as risadas altas dos outros dois presentes na cozinha.

- me desculpe, eu não resisti! - o moreno respondeu sorridente enquanto gargalhava. - você fica fofo assim.

- ele tem razão oppa, assim você parece uma criança. - Haneul comentou enquanto ria com a visão do irmão. 

- eu não aguento vocês dois juntos, pelo amor de deus. Eu sou o mais velho nesta cozinha, por que ninguém me respeita? Isso é um absurdo! - o castanho demonstrou toda a sua indignação enquanto fingia estar bravo, provocando ainda mais gargalhadas nos mais novos.

Taehyung avaliava cuidadosamente a receita de cookies, lendo com atenção enquanto misturava os ingredientes. 

- Hannie, você pod...Ei!! - o mais velho, quando virou-se na direção da irmã para pedir-lhe que pegasse o açúcar, foi surpreendido ao receber um belo punhado de farinha na cara, deixando o rosto bronzeado completamente branco.

Os dois mais novos riram imensamente enquanto batiam as palmas das mãos juntas num high five. Taehyung suspirou de maneira controlada numa tentativa de se acalmar, enquanto limpava  pelo menos os olhos. 

- muito bem... - ele disse calmamente antes que as orbes castanhas se abrissem num olhar cerrado, tão ameaçador que Jeongguk quase sentiu medo. - ...se é guerra que as crianças querem, então é guerra que elas terão!

Dito isso, não bastou um segundo para que Haneul agarrasse fortemente o saco de farinha e saísse correndo, fugindo do irmão que estava falsamente furioso, procurando sua vingança.  Jeongguk rapidamente armou-se também assim que a pequena Hannie exigiu um cavalheiro, prostrando-se na frente da menor para protegê-la. Uma colher de pau e uma tampa de panela servindo como sua espada e escudo.

Sentindo-se subitamente injustiçado por estar sozinho contra a dupla, a maligna ideia rapidamente brotou na mente de Taehyung e um pequeno sorriso travesso apareceu em seus lábios avermelhados. Com olhos ágeis e movimentos mais ágeis ainda, o mais velho dentre os três apossou-se de uma das cartelas de ovos posicionadas em cima da mesa.  O arremesso foi certeiro, (embora nem um pouco pensado) bem na direção do moreno. 

Foi quando este bendito ovo atingiu o centro do peitoral rígido do mais novo que Taehyung finalmente tomou alguma consciência de sua ação. A casca fina quebrou-se facilmente e espalhou todo seu conteúdo interior na camiseta do uniforme do time de basquete que o Jeon vestia. Taehyung sentiu seu sangue gelar. 

Jeongguk parou de se mover por cerca de cinco segundos, o rosto baixo encarando a roupa agora melecada com os resquícios do ovo, totalmente sem expressão. Estes foram os cinco segundos mais longos de toda a vida do castanho. Porém, quando o garoto atingido levantou a cabeça numa velocidade lentamente duvidosa e com um olhar quase mortal no rosto, Taehyung teve certeza de uma coisa:

Ele estaria morto em minutos.

Tão rápido quanto tudo aconteceu, omoreno  ergueu os olhos ameaçadores para a garota ao seu lado e o castanho conseguiu identificar uma conversa mental entre os dois. O olhar claramente dizia "vamos acabar com ele", em um consentimento mudo entre o par. Foi então que finalmente Jeongguk disse algo: 

- Kim Taehyung, você é um homem morto

A seriedade no tom e no olhar do mais novo fazia verdadeiramente parecer uma ameaça. O Kim então, conseguindo respirar novamente, sorriu em escárnio e endireitou a postura e, assumindo um olhar cerrado de superioridade, respondeu:

- pode vir, Jeon Jeongguk.

E foi exatamente desta maneira que iniciou-se o verdadeiro cenário da guerra. Rapidamente a cozinha cobriu-se com uma enorme bagunça de ovos, farinha, confeitos e tudo mais que as crianças encontrassem pelo caminho. Talheres e utensílios de cozinha voavam por todos os lados e ao mesmo tempo serviam de defesa de suas fortalezas imaginárias, uma de cada lado do balcão que ficava bem no centro do cômodo.  Até mesmo água eles usaram para atacar os fortes uns dos outros.

Em poucos segundos, o ambiente outrora calmo tornou-se completamente caótico e as gargalhadas e gritos despreocupados e felizes possivelmente poderiam ser ouvidos a até uma milha de distância. Os três encontravam-se tão inertes na própria brincadeira que ao menos se deram conta do estado semelhante a um campo minado em que se encontrava o local, estavam ocupados demais se divertindo para pensar nisso. Naquele momento, a felicidade e descontração daqueles três era palpável, tornando difícil a qualquer um que os visse daquela maneira identificar como toda a bagunça havia começado e como iria terminar. 

Em um certo momento de toda a comoção,  Jeongguk, cansado de ter o Kim correndo atrás de si com um dos últimos pacotes de farinha restantes de farinha, virou-se abruptamente e paraou no meu do caminho, na intenção de se esquivar do garoto mais velho e pegá-lo desprevenido .  Ele só não contava que seu plano não seria bem sucedido. Bom, pelo menos não 100%, já que a parte do "desprevenido" funcinou totalmente: Taehyung escorregou em uma das muitas poças d'água presentes no chão e tentou se equilibrar usando o moreno como apoio. Infelizmente, este segundo plano também não foi muito inteligente, levando os dois ao chão. 

O dois corpos caíram com um baque surdo, o corpo maior do Jeon pressionando contra o do Kim, que bateu diretamente com as costas no chão.  Jeongguk sentiu uma ligeira corrente de pânico percorrendo suas veias quando o pensamento de que poderia ter machucado o castanho surgiu em sua mente, embora este tenha se dissipado com muita facilidade quando as risadas quase infantis do outro invadiram seus ouvidos.

- Ggukie-ah! - Taehyung gritou em meio ao riso, a respiração ainda descompassada pela correria anterior. 

 Jeongguk teve um pequeno sobressalto com a menção do apelido já comum para si, mas nunca usado pelo mais velho antes. Um pequeno sorriso floriu em seus lábios; ele gostou de como soava na voz grave e aveludada do outro.

- me desculpe. - o mais novo respondeu ainda gargalhando suavemente. - você se machucou? - perguntou por garantia, mesmo já tendo uma ideia da resposta.

- estou bem, não se preocupe. 

- ah... que bom.

No fundo, Jeongguk já sabia que aquele seria o exato momento em que ele deveria sair de cima do Kim e possivelmente ajudá-lo a levantar. Porém, por algum motivo, era como se sua mente não estivesse se comunicando com com seu corpo: Ele simplesmente não conseguia se mexer, tampouco parar de sorrir. Neste ponto, nada parecia interessá-lo mais do que os olhos amendoados e brilhantes do garoto abaixo de si.

E por mais incrível que possa parecer, Taehyung sentia-se exatamente da mesma maneira. 

- minha nossa, se beijem logo. - Haneul falou após cerca de 15 segundos de espera, apenas observando os dois se encararem profundamente como dois patetas (na visão dela).

Embora ela tenha tentado chamar a atenção do par, eles pareceram ter ignorado completamente a provocação da menina, como se ela nem ao menos estivesse ali, ou como se nem a escutassem... e não escutaram. Eles estavam vidrados, como se nada mais importasse naquele momento. O tempo e os sons pareciam ter parado; apenas os dois existiam, em seu próprio mundo. 

Taehyung fitava intensamente os olhos negros e brilhantes do outro, só por isso notando o leve desvio que eles tiveram para seus próprios lábios. Ele sentia uma ligeira ansiedade crescendo em seu peito; sua mente parecia nublada, incapaz de trabalhar em algo para se livra daquela situação. Mas... ele queria mesmo livrar-se dela? O que estava acontecendo com ele? Com eles? Ele não sabia explicar. Tudo que sentiu foi a aceleração das batidas já rápidas de seu coração no momento em que viu Jeongguk aproximando-se lentamente, os olhos fechando-se devagar. Taehyung nem percebeu que prendera a respiração. 

Haneul arregalou os olhos em espectativa, não achou que os dois seguiriam seu "conselho". Agora eles estavam a apenas alguns centímetros de distância e ela ofegou quando viu seu irmão também fechar os olhos; um dos polegares do Jeon timidamente sobre a bochecha dele. Era uma questão de segundos para...

- pelos deuses, o que vocês fizeram na minha cozinha?! 

E pronto, acabou a magia. Haneul suspirou, frustrada. 

Taehyung arregalou os olhos subtamente; surpresa e susto pintando sua face que rapidamente tornou-se quente e com uma tonalidade avermelhada. Ele rapidamente empurrou Jeongguk de cima de si, este que caiu sentado, ainda confuso com toda a situação, e levantou num pulo, tentando nervosa e inutilmente limpar a farinha e toda a sujeira da roupa. Obviamente, falhando no processo. 

- Kim Taehyung, me explique agora mesmo o que raios aconteceu aqui! Haneul, a senhorita também, andem, já! Me digam! - Kim Seungyeon encarou seus filhos furiosamente, ao mesmo tempo em que avaliava todo o dano no ambiente, totalmente incrédulo. - E quem é este garoto?! - perguntou ainda mais confuso quando notou a presença do garoto sentado no chão. 

- appa, nós...

- muito prazer, senhor Kim. - Jeongguk prontamente cortou o castanho, levantando-se rapidamente e fazendo uma reverência na direção do Kim mais velho. - Meu nome é Jeongguk, Jeon Jeongguk. Eu sou... o namorado do Tae. 

Taehyung sentiu que poderia desmaiar. 

Seungyeon arregalou ainda mais os olhos, estes que voltaram-se interrogativamente a seu filho, encarando-o de maneira surpresa, mas, surpreendentemente, até feliz. Embora tal felicidade tenha sido passageira. A confusão logo retornando às suas feições. 

- namorado? Mas desde quando? Taehyung, o que está acontecendo aqui? Eu exijo alguma explicação! - O Kim mais velho quase gritou, ja sentido-se irritado pelo silêncio dos filhos.

- N-nos estávamos fazendo cookies, eu e hannie, quando o Jeongguk chegou me chamando pra assistir o treino de basquete dele, mas...

- TaeTae-oppa queimou tudo, já que ele é péssimo na cozinha, então o Ggukie-oppa ficou aqui e se ofereceu pra ajudar. 

- Haneul, sua mentirosa! - o castanho a olhou indignado. -  Foi você quem queimou! Quem já se viu assar cookies a 900 graus?! E eu não sou péssimo na cozinha! 

- que seja, isso é apenas um detalhe sem importância, não acha? 

- mas é claro que n-

- chega vocês dois! Desembuchem e expliquem direito o que aconteceu! 

- senhor, se me permite... - o moreno tentou falar ao notar que os irmãos apenas entrariam em outra discussão desnecessária. Seungyeon fitou-o com os olhos cerrados. - nós... talvez, acidentalmente... podemos ter começado uma pequena...brincadeira. Eu comecei, na verdade, quando sujei o Tae com farinha. Muito infantil, eu asseguro! Mas estou muito arrependido e limparei tudo, eu posso te garantir, senhor. Por favor, não os puna, a culpa foi mais minha do que deles! 

Taehyung piscou surpreso com a declaração do moreno, não esperava nunca que o garoto, metido como era, assumiria a culpa por toda a confusão. Por outro lado, uma parte de sua mente insistia em achar que a atitude do mais novo partira do ponto que ele queria apenas impressionar seu pai, passando-se como um "bom garoto" e namorado.  Nao sabia dizer ao certo. 

- muito bem. - o Kim mais velho finalmente disse algo, depois de passar alguns segundos encarando os três indivíduos parados timidamente no meio da cozinha. -  Não há nem como dizer que vocês estão mentindo, uma vez que o estado da minha bela cozinha mostra claramente o contrário. - suspirou. - Mas não se preocupe, jovem Jeon, você terá mais quatro mãos para te ajudar a limpar toda essa bagunça. - encarou seus filhos com um olhar firme, garantindo que eles não escapariam sem nenhum castigo. - Podem começar agora mesmo, quero este lugar brilhando!

Os três rapidamente assentiram e se curvaram levemente. Seungyeon já estava deixando o cômodo quando virou-se novamente para eles, fitando agora os dois mais velhos. 

- ah, ia quase me esquecendo. - pigarreou, agora com um olhar divertido. - teremos uma conversa mais tarde, senhor Jeon. 

Com isso, ele deixou para trás a cozinha, além de um Jeon desconcertado e um Taehyung desesperadamente corado. 

E ele sentiu, pela segunda vez no dia, que poderia, facilmente, morrer de vergonha.


                           ***


Jeongguk avaliou seu reflexo no espelho, passando os dedos entre os fios negros e molhados, numa tentantiva de torná-los mais apresentáveis. 

Depois de quase duas horas trabalhando na limpeza da cozinha, Taehyung, Haneul e ele finalmente tinham conseguido deixá-la limpa como estivera anteriormente, talvez até mais. Se tentassem, agora seria possível enxergar o reflexo no chão, de tão brilhanteque este se encontrava. 

Embora tenham transformado a atividade em outra brincadeira e se divertido muito, havia sido uma tarefa cansativa e, ao fim dela, tudo que o moreno queria era ir pra casa, tomar um banho e dormir. Talvez tivesse que inventar uma desculpa à sua mãe do por quê não fora ao treino de basquete, mas pensaria nisso depois. Mas, diferente do que ele esperava, esses não eram os planos do senhor Kim.

Jeongguk ficou surpreso quando o homem mais velho insistiu que ele tomasse um banho em sua casa, e ainda ficasse para o jantar. Apesar de ter tentado, não conseguiu recusar, estava cansado e inegavelmente com fome, não faria mal ficar ali mais um pouco, depois, é claro, de ter se certificado de que não incomodaria o dono da casa ou sua família. Além de que ele sempre dava tudo para ver seu "namorado" envergonhado ou teatralmente decepcionado, era sempre hilário. Por fim, educadamente aceitou.

Foi dessa forma que se encontrava na situação em que estava no momento: dentro do banheiro do quarto do garoto mais velho, com os cabelos molhados e dpois de um banho relaxante e parecido. 

Jeongguk se avaliou mais uma vez, observando a imagem no espelho. As roupas que Taehyung o emprestara normalmente ficariam confortavelmente mais largas e soltas no castanho, mas se ajustaram perfeitamente no corpo maior e definido do moreno. Apenas as calças de moletom sentiam-se um pouco apertadas nas coxas do Jeon, mas nada que tornasse-as desconfortáveis. 

Jeongguk sorriu um pouco com o pensamento de como Taehyung, mesmo sendo mais velho, parecia sempre bem menor do que ele, embora fossem praticamente da mesma altura, o castanho sendo poucos centímetros menor. Taehyung era alto, mas tinha um corpo magro e esguio, sem muitos músculos. Jeon poderia dizer que ele ainda parecia ter a mesma estrutura corporal de quando tinha seus 13 ou 14 anos. Jeongguk riu com o pensamento, fazendo uma nota mental para lembrar a si mesmo de tentar convencer o mais velho a experimentar algum esporte, talvez até levá-lo a treinar algum dia consigo no time, mesmo que ele soubesse que o mais velho recusaria com todo o seu ser. 

No quarto, do outro lado da porta do banheiro em que o moreno se encontrava, Taehyung estava sentado ereto e tenso na cama. Os fios castanhos e ainda úmidos caiam sobre os olhos sem foco, enquanto os dedos brincavam  inconscientemente com a ponta da toalha que usara para se secar mais cedo. Os pensamentos movendo-se a mil por hora. 

Relembrava o momento que tivera com Jeongguk na cozinha. 

O beijo que por pouco não trocaram. 

O que havia sido aquilo? Sentia-se estranho ao pensar no momento, e mais estranho ainda quando lembrava de como havia  se sentindo. Sabia, mesmo que não quisesse de forma alguma admitir, que, se seu pai não tivesse chegado exatamente naquele momento, aquele beijo teria acontecido. E pior, sabia que ele não o teria parado, e muito menos evitado. 

Ele quisera realmente beijar o moreno.

Embora esta conclusão não o agradasse tanto, ela já o tinha atingido no momento em que seu pai os interropera horas atrás. Mas o que o castanho não conseguia tirar da cabeça era o fato de que não presenciara nenhuma hesitação ou mesmo alguma intenção de repelí-lo vindas do Jeon. Chegou a cogitar que Jeongguk estivesse apenas atuando mais uma vez, talvez por conta da presença de sua irmã na cozinha. Porém, conhecia o mais novo o suficientemente bem para saber que ele o provocaria na primeira oportunidade que tivesse. 

"Diz que não é apaixonado por mim, mas parecia muito interessado na minha boca naquele momento da cozinha." 

É com certeza algo que ele diria, Taehyung pensou. 

Mas Jeongguk não disse. 

Na verdade, ele nem ao menos tocou no assunto. Perceber isso só tornava tudo ainda mais estranho, deixando o castanho confuso e desconfortável ao pensar em qualquer uma das paranóias que sua cabecinha estava criando. 

Poderia Jeongguk querer beijá-lo também? 

 Seu devaneio o abandonou quando ouviu a porta do banheiro abrir atrás de si, um Jeon de cabelos molhados surgindo em seu campo de visão. Taehyung piscou os olhos rapidamente e o examinou de cima a baixo com um olhar crítico, observando suas roupas no garoto mais novo. Por fim, franziu as sobrancelhas. 

- é tão injusto que as minhas roupas fiquem melhores em você do que em mim. - ele disse encarando o outro com uma expressão incrédula.  

- talvez seja por que eu sou mais bonito do que você. - Jeongguk deu de ombros e franziu o cenho como se aquilo fosse óbvio. 

- você é muito convencido, Jeon. - o castanho respondeu, fazendo questão de revirar os olhos de maneira quase teatral. O moreno riu levemente com sua reação.

- Admita, você sabe que eu sou gostoso. - o mais novo parou diante de si, esperando para ser avaliado mais de perto. Um sorrisinho convencido desenhando o canto dos lábios rosados. 

Taehyung retesou minimamente com a aproximação repentina, mas não deixou transparecer. Passou os olhos lentamente pelo corpo do mais novo, percebendo os detalhes. Seu olhar, no entanto, fixou-se no torso do moreno. Observou a maneira como a camisa  azul marinho de mangas longas ajustava-se perfeitamente, contornando todos os traços bem marcados do outro. Taehyung achou difícil desviar os olhos, principalmente da sombra torneada do abdome, perfeitamente visivel embaixo do tecido fino. 

Inferno. Jeongguk era mesmo gostoso. E lindo. O fato de ter os cabelos ainda molhados e desarrumados propositalmente só contribuía para sua conclusão.

Mas ele nunca diria isso em voz alta. 

- Eu admito que você é um idiota. - respondeu, finalmente conseguindo parar de encarar o outro. Ele sentiu seu rosto aquecer quando o Jeon soltou uma risadinha, nem um pouco convencido. - Diria também que as roupas parecem apertadas. Não está desconfortável? Posso achar algo mais folgado se quiser. - tentou desconversar, levantando-se e abrindo o guarda roupa, fingindo procurar por algo. - embora eu ache que nada meu vá ficar folgado nesse porco musculoso. 

A última parte foi apenas um murmúrio baixinho, mas Jeongguk ouviu perfeitamente. Embora fosse convencido, ouvir tal comentário do mais velho fez muito bem ao seu ego e ele adoraria fazê-lo repetir em voz alta. Mas sabia perfeitamente que Taehyung nunca admitiria. Por fim, apenas sorriu satisfeito e trocou o peso de uma perna para a outra, cruzando os braços em seguida. 

- estou bem, obrigada. - respondeu. - além disso, duvido muito que você tenha algo muito mais folgado do que isso. Você sumiria em algo maior do que essa camisa. 

Taehyung fechou as portas do guarda-roupa e virou-se prontamente para o outro, uma feição entediada e séria adornando o rosto.

- Você é hilário, Jeongguk. - respondeu ainda com a cara fechada. O moreno não conseguiu segurar o riso. - Ridículo! - falou novamente, parecendo ainda mais bravo. O rosto vermelho. 

- Não precisa ficar bravinho, Kim. É apenas brincadeira. - Jeon falou novamente depois de ter se recuperado do pequeno ataque de risos. 

- Não estou. - o castanho o encarou com um olhar cerrado. - E para sua informação, eu tenho sim algo mais folgado que isso, que poderia te deixar muito mais confortável. Mas agora, se eu pudesse, te colocaria num calça legging, já que gosta tanto de roupas apertadas. - falou de maneira irônica e o mais novo riu novamente. 

Taehyung pretendia dizer ainda mais alguns desaforos ao garoto parado diante de si, este que tinha o rosto avermelhado por conta do riso, mas foi interrompido quando a porta de seu quarto abriu bruscamente, revelando uma Kim Haneul de pijamas e cabelos penteados em duas tranças. 

- appa mandou avisar que o jantar está pronto. Ele não quis desligar o fogão para a comida não esfriar, então desçam logo antes que ele queime tudo! 

O recado foi dado muito rapidamente, a garota logo sumindo pelo corredor, descendo as escadas em seguida. Jeongguk achou graça na falta de fé da menina nas abilidades culinárias do próprio pai. 

Com isso, desceram para jantar, mas não antes de Taehyung lançar-lhe um olhar levemente assassino. O mais novo não pode evitar de sorrir novamente.



                             ***



Taehyung tamborilava os dedos nos joelhos e mexia as pernas inquietamente; nervoso. 

Depois do jantar ameno e com muitas conversas amistosas, o castanho nem ao menos lembrava-se do que seu pai dissera mais cedo, pouco antes de deixar a cozinha caótica nas mãos dos três mais novos: 

“... teremos uma conversa mais tarde, senhor Jeon.” 

Agora, horas depois, ele se encontrava ali, esperando tensamente no sofá da sala, enquanto  seu pai e seu namorado tinham “aquela conversa”. Taehyung sentia-se totalmente estúpido, seu pai estava agindo como se ele fosse uma daquelas adolescentes das novelas de época clichês e ele odiava essa sensação. Além disso, as inseguranças o preenchiam pouco a pouco. O que estariam conversando? O que seu pai diria ao Jeon? Jeongguk contaria que era tudo uma farsa? Esse último pensamento era o que mais o preocupava. 

Embora tivessem concordado manter a situação em segredo, ainda não tinha total confiança estabelecida no moreno. Ele conhecia a personalidade do mais novo e sabia que, se ele achasse interessante quebrar o acordo, por pura conveniência ou pirraça, o faria. Era o que ele achava, pelo menos. Taehyung mordeu os lábios inquietamente ao pensar na possibilidade. Sua cabeça circulava em milhões de pensamentos, mas todos eles se esvaíram quando Jeongguk finalmente apareceu novamente na sala. Um sorriso casto adornava a expressão tranquila em seu rosto. 

- Jeogguk-ah! -  o castanho quase gritou, levantando do sofá num pulo. - e aí, o que ele te disse? Sobre o que conversaram? Por que demoraram tanto? - o garoto mais velho falou tudo de uma vez, bombardeando o outro de perguntas. 

- Meu deus, Taehyung, respira, calma! - Jeon falou, rindo do desespero do outro. - senta aqui, vou te contar. 

O mais velho assentiu respirando fundo, tentando acalmar um pouco os nervos. Por fim, sentou-se ao lado do Jeon, encarando-o ansiosamente, com os olhos brilhando em espectativa e curiosidade. 

- olha, relaxa, não falamos nada demais. Seu pai só queria me... - fez uma pausa, procurando as palavras certas. - ... advertir - riu. - como ele próprio disse. Perguntou como nos conhecemos e há quanto tempo. Detalhes sobre o namoro e coisas do tipo. Ele disse também que não queria que eu fizesse nenhuma  “gracinha” com o filho dele. Pelo menos não quando ele pudesse ver ou ouvir. - Dito isso, Jeongguk riu abertamente. O rosto do kim assumindo uma tonalidade corada. 

- meu deus, que vergonha... - Taehyung choramingou, completamente constrangido, e escondeu o rosto entre as mãos. Essa atitude só  conseguiu fazer com que o mais novo risse mais. 

- Hey, não fique assim! - Jeon falou ainda sorridente, se aproximando mais do Kim e movendo cuidadosamente suas mãos que escondiam o o rosto vermelho. - está tudo bem. Eu também fiquei um pouco constrangido, embora quisesse muito rir na hora. - seus dentes grandinhos pareceram ainda mais brilhantes com o sorriso largo que se abriu quando ele comseguiu encarar os olhos castanhos do outro novamente. - Mas sabe, eu sou um ótimo ator, então certamente ele não percebeu nenhuma dessas reações. - gabou-se. Taehyung arregalou os olhos. 

- Você... não disse a verdade a ele, então? - perguntou. A voz quase num sussurro. 

- Claro que não. Foi o que combinamos, não foi? - Jeongguk respondeu no mesmo tom, mas seu cenho franzindo-se em confusão. O castanho não respondeu, apenas suspirou audivelmente, aliviado. Nem ao menos notou que prendera a respiração. 

-  E o que reapondeu a ele? Sobre como nos conhecemos e tudo mais? 

- A verdade. Que estudamos na mesma escola  e éramos amigos quando crianças. Ele até se lembrou de mim depois disso, me chamando de “ o pequeno Jeon Jeongguk” e dizendo algo do tipo “minha nossa, como você cresceu! Nunca o reconheceria!” - Taehyung riu quando o mais novo imitou a voz de seu pai. 

- O que mais? Vocês demoraram muito tempo para terem dito apenas isso. 

- Bem... o resto não posso dizer. -  o moreno lançou ao outro um olhar com um toque leve de superioridade, quase brincalhão. 

- Como assim não pode? Eu exijo que me conte! - reclamou indignado. O mais novo riu. 

- Não posso e não farei. Seu pai quem pediu. - com isso, o olhar de Taehyung pareceu tornar-se ainda mais arregalado e mortal. 

- Ah, é mesmo? E por quais motivos, posso saber? - cruzou os braços à espera de uma resposta descente, duvidando muito que viesse a receber uma.

- Não sei. Ele falou que era uma conversa só “entre os homens”.  - nesse momento, Jeongguk achou que o castanho pudesse explodir. 

- E desde quando eu sou mulher?! - arqueou as sobrancelhas exageradamente, quase gritando. Jeongguk não pode evitar a gargalhada que lhe escapou. 

- E não é, mas, segundo o senhor kim, eu sou o “macho alfa”, já que fui eu quem te pediu em namoro. - respondeu com um ar pomposo. A expressão do mais velho era engraçada neste ponto da conversa, uma mistura de nojo e desesntendimento. 

- E quando foi que decidimos que você quem me pediu em namoro?  

- Não decidimos, querido namorado, mas eu precisava falar alguma coisa. Então, portanto, eu decidi. - respondeu de maneira provocativa e o mais velho bufou. 

- Você é ridículo, Jeongguk. - se reviradas de olhos matassem, Jeon teria morrido quatro vezes naquele momento, tão profunda fora a que o Kim lhe direcionou. 

- É, você já me disse isso hoje. - deu de ombros. - Mas não se preocupe, amor, eu sei que você me ama. - fez um biquinho na direção do mais velho, fingindo exageradamente se preparar para beijá-lo. 

- Você será proibido de falar comigo por uma semana se arrumar algum outro apelido brega, e, principalmente, se repetir esse! - Taehyung fez uma careta, empurrando o rosto do outro em seguida, mas não conseguindo evitar as risadas logo depois, assim como Jeongguk.

- Tudo bem, tudo bem. - levantou as mãos em sinal de rendição, recebendo um soquinho no ombro do castanho, que ainda ria baixinho. - Sabe, falando em apelidos... - seu tom agora era mais baixo, quase como envergonhado, Taehyung notou. - ...gostei do jeito que me chamou na cozinha hoje. - seu sorriso agora era apenas sincero, sem o pequeno teor de superioridade ou presunção sempre presente. Tomar consciência disso fez o coração do castanho acelerar uma ou duas batidas. - Geralmente só minha família costuma me chamar de Ggukie. Mas eu gosto. - nesse momento, Taehyung poderia  jurar que vira, mesmo que quase imperceptível, um tom rosado aparecer nas bochechas do mais novo. 

Oh meu deus, eu vi Jeon Jeongguk corar. Isso é histórico! 

Pensou. 

- Enfim... você pode... me chamar assim sempre, se quiser. - concluiu. Os olhos negros quase sumindo quando sorriu de maneira desconcertada, mas feliz. O castanho estava surpreso, mas devolveu o gesto. 

- É claro. Você também pode me chamar de Tae.  Pelo menos assim não precisamos usar apelidos constrangedores. - riu baixinho, fazendo o mais novo sorrir ainda mais. Ali, Jeongguk notou, pela primeira vez, o formato peculiar do sorriso do garoto mais velho. Parecia... quadrado? Essa poderia ser uma boa palavra para definir. De qualquer forma, era brilhantemente adorável. 

- Muito bem. - ele concordou e, com um suspiro, passou a encarar o castanho, os dois sentados confortavelmente no sofá macio. 

Depois de alguns segundos de um estranho silêncio, Jeongguk suspirou mais uma vez, passando a checar seu relógio de pulso e vendo que já eram quase sete horas da noite. Com os olhos levemente arregalados ele repreendeu-se mentalmente por ter passado tanto tempo na casa do outro, visto que chegara ali pouco antes das três. Sentiu-se extremamente envergonhado e inconveniente e levantou-se num salto, passando os dedos pelas roupas para desamaçá-las. Taehyung franziu o cenho. 

- Aconteceu alguma coisa? - indagou confuso enquanto o mais novo procurava apressadamente a pequena sacola que levara consigo mais cedo. 

- Não, nada. É só que estou aqui há muito tempo. - respondeu, deixando o castanho não menos comfuso. 

- E isso é um problema? - perguntou.

- Não é? Já são quase sete... cheguei aqui às três... não estou incomodando? 

Taehyung achou fofa a maneira como o mais novo se preocupava nesse tipo de situação. Apesar do jeito meio metido e cheio de si, Jeon Jeongguk era na verdade muito educado e atencioso na forma de se portar, o castanho percebera. Taehyung sorriu compassivamente. 

- Você me incomoda o tempo todo, Jeongguk-ah, chato do jeito que é. - o castanho brincou, fazendo o outro sorrir envergonhado. - Mas não no sentido em que está pensando. Está tudo bem você ficar aqui, não precisa ir embora agora, se não quiser. - tranquilizou. - Eu... estava pensando em assistirmos algum filme,  se você decidir ficar para me incomodar mais, é claro. - revirou os olhos de brincadeira, provocando uma gargalhada no outro. 

Nesse momento, Haneul, que descia as escadas, já de pijamas e segurando uma coberta e travesseiros, ouviu o convite feito por seu irmão. Rapidamente animou-se. 

- Ggukkie-oppa vai passar a noite de filmes com a gente?! - questionou em euforia, correndo para alcançá-los na sala. 

- Noite de filmes? - o moreno indagou.

- Sim! - respondeu animada. - TaeTae e eu fazemos uma toda sexta e sábado. - concluiu sorridente, encarando o irmão, que assentiu, puxando-a para seu colo. - Você deveria ficar oppa, poderia escolher o filme, o que acha? Vai ser divertido, eu prometo! 

Jeongguk maneou o olhar incerto em direção ao mais velho, como uma pergunta silenciosa. Quando Taehyung apenas assentiu com a cabeça, Jeon sorriu minimamente para a garota. 

- Já que é assim, eu fico. 

    


                              ***


Já havia se passado algumas horas desde  que os três encontravam-se aconchegados na sala, com as luzes apagadas e ocupando os dois sofás do cômodo.

A escolha dos filmes da noite foi muito simples: Jeongguk recorreu a seu contrato com Taehyung, e decidiu por assistirem primeiro Gatinhas e Gatões, seguido por Clube da Luta

Depois de ter corrido para fazer pipoca, Haneul insistiu que os dois mais velhos ocupassem o sofá maior, alegando que “os pombinhos devem ficar juntos” e que ela não queria ficar tão próxima da melação do casal, portanto se acomodaria sozinha na poltrona menor.

O castanho obviamente ficou morto de vergonha com o comentário da mais nova, mas Jeongguk apenas gargalhou, impressionado com a falta de filtro de Haneul. Tão diferente de Taehyung, que era tímido mas muito consciente e cauteloso. 

Trouxeram mais cobertores e travesseiros, arrumando-os confortavelmente. Entretanto, diferente do que Haneul supôs, os garotos sentaram cada um em uma ponta do sofá. Porém, ao decorrer do tempo, essas posições foram lentamente se alterando, de forma que, perto do fim do primeiro filme, Taehyung tinha as pernas encolhidas e a cabeça deitada no ombro de Jeongguk, este que circundava um dos braços por seus ombros. 

Mais algum tempo depois, Taehyung decidira que o ombro do moreno era muito duro e, portanto, não era suficientemente confortável. Puxou um dos muitos travesseiros e colocou-o sobre o colo do mais novo, deitando a cabeça ali. Jeongguk por sua vez, inconscientemente levou os dedos ao cabelo do outro, acariciando os fios castanhos e macios. 

Clube da Luta estava próximo de seu clímax quando o garoto mais novo falou: 

- Oh, está é a melhor parte, Tae! Preste atenção. - falou entusiasmado, porém um pouco confuso quando não recebeu resposta. - Tae...? - inclinou minimamente o corpo, tentando enxergar o rosto do mais velho. 

- Ele está dormindo, oppa. - respondeu Haneul sem nem ao menos olhá-lo, focada demais na cena intrigante que pasaava na televisão para isso. 

- Oh... - fui tudo que conseguiu responder no momento, sem dar muita importância ao fato. - ... faz muito tempo? 

- Bom... sim. Pouco depois que colocamos Clube da Luta. - respondeu e Jeongguk revirou os olhos, sorrindo descrente em seguida. No fim, apenas ele assistiu ao filme favorito do outro. Continuaram daquele jeito até  o  momento em que os créditos começaram a rolar na tela, encerrando a noite. 

- Uow, eu amei esse filme, oppa. Seu gosto cinematográfico é muito melhor do que o do Tae! - ela comentou e Jeongguk riu. 

A menina desligou a televisão e o mais novo finalmente se lembrou da presença do garoto dormindo em seu colo quando este se mexeu  levemente. Haneul caminhou silenciosamente em direção ao irmão e fez menção de tentar acordá-lo, mas o moreno a impediu. 

- Não se preocupe, eu posso levar ele. - a garota assentiu e sorriu levemente.

- Tudo bem, vou dormir agora, então, boa noite. - deu um pequeno abraço no mais velho e agarrou seu travesseiro, caminhando em direção à escada. Antes de começar a subir, entretanto, parou e olhou-o novamente. - vocês são um casal fofo, oppa. - sorriu e com isso, rumou para seu quarto. 

Jeongguk olhou-a docemente, logo direcionando sua atenção às feições e respiração calmas de Taehyung. Suspirando, ele passou um dos bracos por baixo dos joelhos do castanho, e o outro segurou firmemente suas costas, levantando-se e erguendo-o consigo. 

Seguiu cautelosamente até o quarto do mais velho, respirando aliviado ao encontrar a porta aberta. Ao entrar, deitou cuidadosamente o garoto adormecido na cama, parando mais uma vez para observá-lo: o rosto relaxado de Taehyung tornava-o uma imagem totalmente serena aos olhos do mais novo. O peito subia e descia ritmicamente com as respirações calmas e compassadas; os cabelos castanhos e levemente compridos estavam espalhados pelo travesseiro e os cílios compridos roçavam levemente nas bochechas douradas, a baixa luz do abajur contribuindo para ressaltar o tom da pele bronzeada. 

Ele era quase como um anjo adormecido.

O moreno então desviou os olhos para os lábios rosados. 

Não conseguira parar de pensar um segundo sequer no episódio da cozinha. A visão de um Taehyung ofegante, com olhos brilhantes e sorriso alegre, deitado embaixo de si, não o abandonava de maneira alguma. 

Ele queria tanto tê-lo beijado...

Jeongguk repreendeu-se mentalmente e balançou a cabeça repetidas vezes, tentando apagar esses pensamentos e  forçar-se a lembrar de Jimin, o real motivo de estar na casa do Kim àquela hora. 

Jimin. 

Jimin era mesmo o motivo? 

No fundo, sabia que não tinha certeza, mas achou melhor empurrar suas divagações para o fundo de sua mente, preferiu acreditar que era. Era sim. Tudo que ele estava fazendo era por Jimin. 

Por que ele amava o loiro e o queria de volta. 

E foi com este pensamento e convicção que Jeongguk deixou o quarto do garoto àquela noite, fechando a porta silenciosamente e descendo as escadas. 

Ele não poderia se deixar levar. Não iria.

No caminho para a saída, encontrou o senhor Kim, que o levou até a porta. Antes de sair, Jeongguk teve uma visão clara da cozinha e apenas um pensamento lhe veio em mente: 

No fim das contas, Haneul não teria cookie algum para vender e cumprir sua tarefa de escoteira. 

Jeon se despediu do senhor Kim e foi embora. Um sorriso brincava nos lábios enquanto ele pensava nos pobres biscoitos que nunca foram assados. 

E em algumas coisas a mais também. 















Notas Finais


E chegamos ai fim!☺️ Voces não sabem o quanto eu estou feliz por ter terminado esse capítulo! Ele significa muito pra mim, como eu já disse lá em cima. Espero profundamente que tenham gostado dele tanto quanto eu gostei <3 <br />Por favor, comentem o que acharam, eu quero muito muito ver o que vocês estão pensando também, nem que seja apenas um “continua”, ja me faria muito feliz.<br />Mais uma vez, muito obrigada a todos que apreciam minhas histórias rSerei sempre grata a todos vocês. <br />Até o próximo, obrigada por lerem anjos❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...