História Paradise - Imagine Byun Baekhyun (Hot) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Personagens Originais
Tags Bissexualidade, Imagine Baekhyun, Você
Visualizações 813
Palavras 1.740
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Ficção Adolescente, Hentai, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Quis fazer um bônus e aqui está, espero que gostem e se não gostarem, eu apago e finjo que nada aconteceu kkkkk.

Desculpem qualquer erro.

Capítulo 2 - Bônus


Fanfic / Fanfiction Paradise - Imagine Byun Baekhyun (Hot) - Capítulo 2 - Bônus

Olhava com tédio para o professor que não parava de contar mais uma de suas histórias que todo mundo aqui adorava ouvir ao invés de quererem estudar de verdade. E minha mãe falava que era a melhor faculdade de psicologia, tá’ certo mãe! Um colega ao meu lado babava em cima dos materiais e eu não perdi a oportunidade, peguei meu celular e tirei uma foto. Quando pensei em bater na nuca dele para acordar, meu celular vibrou indicando uma mensagem.


Era de Baekhyun, uma foto mais especificamente, pela barra de status pude ver só a frase que acompanhava.


Baby: estou com saudades noona!


Olhei ao meu redor e percebi que seria inútil tentar esconder já que eu estava na última banca da fila da parede, a pessoa ao meu lado dormia igual pedra. Vai ser de boa abrir a foto. Pensei, mas pensei muito errado. Ao abrir quase caí da cadeira com o que vi, misericórdia, Byun queria me matar com certeza.


Aqui vai a descrição da foto: Baekhyun estava sentado na cama com uma perna dobrada e a outra um pouco esticada, muito afastadas uma da outra, com o tronco desnudo. Até aí normal, no entanto, nas pernas possuía meias ⅞ rosa e uma saia de mesma cor, porém mostrando seu membro ereto e as mãos entre as pernas se apoiando no colchão.


Baek estava com umas vontades desde dois meses atrás, ele queria usar saias, eu nunca fui contra a vestimenta dos outros então fiz questão de ajudá-lo a escolher, para a atendente não estranhar. Foi tão fofo ver suas expressões animadas enquanto escolhia.


Porém, foram semanas para eu me acostumar com aquilo, Baekhyun dizia que era um fetiche, eu tentei entender seu lado, afinal, todos temos fetiches. Algumas fotos depois e eu já estava amando aquele lado do Baek, sem contar que isso deu liberdade para eu comprar alguns… “brinquedinhos” para nossa felicidade.


Do nada os alunos começaram a levantar rápido e eu ainda encarava a foto, guardei o celular rapidamente arrumando o material e saindo ao lado de Jongin que tentava limpar a baba seca no rosto.


— Por que não me acordou? Perdi a aula quase toda.


— Não perdeu nada moreno, fica tranquilo, ele só conversou e conversou. – zombei enquanto já entrava no estacionamento destravando meu carro.


— Preciso de carona, meu carro está com minha irmã.


— Ok, entra aí.


No caminho até sua casa conversamos sobre como seria o trabalho final para nós formarmos, ele também me convidou para sua apresentação de dança no sábado, não recusei, apesar de sermos apenas colegas de classe, fazíamos tudo como se fôssemos melhores amigos, entretanto, nem nos falávamos por mensagem. O tudo era na sala de aula ou em trabalhos.


Outra mensagem chegou. Baekhyun está inspirado hoje.


Quando abri tive que encostar o carro a poucos metros da casa de Jongin para não bater. Dessa vez ele estava na frente do espelho só de moletom cobrindo seu tronco, era enorme e ia até metade das coxas, mas na foto ele segurava até a altura da barriga mostrando seu pênis.


Baekhyun só pode estar testando os meus limites.


— Se eu fosse homem estaria de pau duro agora, merda Byun.


Voltei a dirigir até o prédio em que nós dois morávamos agora, Baekhyun havia mudado o curso da faculdade, aproveitou que ainda estava no início e desistiu da faculdade de medicina que seus pais tanto queriam que fizesse, investiu na de música e como consequência foi expulso de casa, saiu do dormitório e ficou no meu já que minha colega sumiu de uma hora para outra. Comecei a trabalhar e com o que eu tinha de economia aluguei um apartamento suficientemente bom para nós dois, com proteção acústica já que nos últimos meses meu namorado estava utilizando nossos brinquedos demais e isso ocasionava em gemidos finos surgindo em qualquer hora do dia e noite.


Quando abri a porta do apartamento fui surpreendida por gritos e xingamentos.


— Caralho atira nele, Sul, 150! – revirei os olhos e tranquei a porta antes que os vizinhos ouvissem com ela aberta. – Isso porra.


— Você me manda aquelas fotos e quando chego aqui esperando ser bem recebida recebo xingamentos? – ele levantou a cabeça e abriu seu sorriso quadrado que me derretia em todos os sentidos.


— Desculpe Noona. – voltou sua atenção para o notebook, ele estava sentado no chão com o moletom da foto e de cueca, quase em cima da mesa de centro para tentar jogar PUBG, o jogo que ele estava viciado desde que lançou, mas nem o jogo foi capaz de abaixar seu fogo.


— São quase onze da noite, sai desse notebook. – abri a geladeira bebendo um pouco de água da minha garrafinha que estava quase vazia, enchi ela colocando no congelador dessa vez. Quando me virei Baek vinha saltitante em minha direção.


— Boa noite gatinha! – beijou meus lábios e se afastou sorrindo.


— Boa noite gatinho! O que fez os dia todo? – seu rosto corou na hora. — Eu vou ter que esconder os plugs e os dildos de você é isso mesmo? Usa mais do que eu!


— Você que quis namorar alguém bissexual… – sussurrou abaixando a cabeça.


— Quando nos conhecemos eu tava beijando uma garota, não foi uma escolha amor, foi o destino. – gargalhamos enquanto ele me abraçava apertado. — Só porque eu queria brincar, mas já que você brincou sozinho, eu vou comer e ir dormir, aproveitar que amanhã é sábado e hibernar.


Soltei-me de seu abraço começando a tirar a roupa enquanto andava até o quarto ouvindo seus passos atrás de mim.


— Noona não, por favor, eu quero você. – me agarrou por trás e mordeu minha orelha com certa força.


— Aí, calma Baek, que fogo hein!


— Por sua causa _______!


— Eu vou tomar banho, quando eu terminar você toma enquanto eu como ok? Não faça nada no banho! – disse em um tom de ordem e ele assentiu sorrindo feliz.





Já estava no quarto depois de lanchar quase nada, Baekhyun demorava demais no banho.


— Meu amor, você morreu afogado com a água corrente foi?


De repente a porta abriu revelando meu namorado completamente nu, ele virou de lado mostrando um plug de rabinho, balançou o quadril fazendo a cauda mexer também. Colocou o dedo indicador na boca meio que roendo a unha, estava nervoso.


— Gostou? – sua voz saiu um pouco trêmula, eu sorri largo me ajoelhando na cama e chamando ele com o dedo.


— Vem cá gatinho. – deu passos calmos até parar na beirada da cama me olhando.


Subi minhas mãos por seu peito com calma, alisando a fileira de corvos do meio do peito que ia até a clavícula direita, tatuagem que havia feito recentemente. Puxei seu corpo, ele ajoelhou na cama ficando colado a mim, acariciei seu pescoço com a mão direita e à esquerda desceu até seu pau apertado levemente sentindo ele arfar.


— Deita de bruços pra mim.


Assim que ele deitou me coloquei em cima de suas coxas, inclinei sobre suas costas passando a beijar todos os cantos. Desci o beijo até sua bunda, apertei um pouco com as duas mãos e dei um tapa que fez o som ecoar forte por todo o quarto.


Baek gemeu baixinho empinando um pouquinho. Inclinei sobre seu corpo e coloquei meu dedo perto de seu rosto, ele entendeu chupou meu indicador. Voltei a ficar ajoelhada e passei o dedo por sua entrada ainda com o plug, enrolei a cauda peluda na mão esquerda puxando um pouco.


Seu gemido manhoso foi ouvido, enfiei o dedo junto com o plug novamente sentindo suas paredes apertarem enquanto rebolava.


— Às vezes parece que estou te tratando como uma mulher…


— Mas sou um homem bissexual que tem fetiche por saias. – terminou a frase gemendo quando puxei o plug e movimentando o dedo ao mesmo tempo. — Um homem submisso a você…


Ri quando gemeu novamente, enquanto fazia os movimentos, abaixei e comecei a morder suas nádegas, eram macias, uma delícia de apertar e morder. Eu já estava bem molhada e queria Baek, não ficaria mais enrolando.


Tirei meu dedo e puxei o plug, suas mãos estavam apertando o travesseiro e sua boca estava aberta suspirando. Era uma bela visão com certeza.


O fiz sentar encostado na cabeceira da cama enquanto tirava a camisa velha que dormia, sentei em seu colo e Byun levou as mãos até meu rosto fazendo carinho. Passou o polegar no meu lábio inferior o beijando em seguida. Chupou-o com força e enfiou sua língua na minha boca.


Estávamos nos beijando como se não fizéssemos isso há anos. Suas mãos apertaram meus seios, seus lábios desceram até o bico durinho do direito e começou a chupar com força.


— Baek… – gemi levando minhas mãos até seus cabelos agora loiros e os puxado com força.


Suas mãos seguraram em minhas coxas as puxando para cima e encaixando-me em seu pênis. Gemi alto demais e Byun riu mudando para o outro seio.


Passei a me mover em seu colo com força, estava tão sedenta por ele que não me importaria de acabar com aquilo rápido, eu só queria liberar todo o tesão que sentia quando ele me mandava aquelas fotos. Suas unhas cravaram em minhas coxas com força, enfiei meu rosto em seu pescoço apertando e arranhando suas costas como podia.


O loiro gemeu alto mordendo meu ombro com extrema força, seu líquido escorreu, ele levou uma das mãos até meu clitores e começou a fazer movimentos circulares enquanto eu ainda rebolava. Quando cheguei ao meu limite nos abraçamos enterrando a cabeça no pescoço um do outro.


— Meu Deus, isso foi muito bom. – falei deixando um selar em seu pescoço.


— E quando não é ________? – rimos juntos, nos acomodamos na cama de frente um para o outro, sua perna direita por cima de minha coxa que passava pelo meio de suas pernas e por baixo de sua bunda.


Estávamos coladinhos como ficávamos todas as vezes que transavamos.


— Bebê? – ele chamou baixo.


— Diga!


— Você não sente vontade de namorar um homem de verdade?


— O que seria um homem de verdade para você? – levantei a sobrancelha.


— Que não veste saias e meias rosas, que domina na cama e…


— Byun, homem de verdade respeita as mulheres de todas as formas e ele não precisa vestir calça jeans, uma bota de couro pesada e amarrar a garota na cama, você me respeita e é amável com todo mundo, você é um homem de verdade e não é porque eu enfio um pênis de borracha em você que isso te faz menos homem. – ele riu e beijou meus lábios me abraçando apertado.


— Espero não te perder nunca ________!


— Você não vai meu amor.


Notas Finais


Se você chegou aqui, parabéns, ganhou uma balinha kkkkk

Muito obrigada por lerem❤️😙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...