1. Spirit Fanfics >
  2. Paradoxo Temporal 2: O Projeto K1 >
  3. O passageiro clandestino

História Paradoxo Temporal 2: O Projeto K1 - Capítulo 3


Escrita por:


Capítulo 3 - O passageiro clandestino


Hijikata continuou meio desnorteado quando se levantou e viu o ambiente ao seu redor. De um instante ao outro, o Distrito Kabuki ia de um local peculiar em seus dias normais para um cenário de fim de batalha. E, para completar, não conseguia entender por que via o Yorozuya duplicado.

― Mas que diabos aconteceu por aqui? – murmurou enquanto acendia um cigarro para tentar acalmar seus nervos.

― Eu nunca vi o Distrito Kabuki desse jeito! – Shinpachi exclamou. – E olha que já tivemos umas batalhas bem sérias por aqui!

― Ei – Gintoki chamou sua contraparte mais velha. – Foi por aqui que você estava quando foi à nossa época?

O mais velho respondeu que sim, enquanto localizava sua bokutou cravada em um cadáver Amanto. Arrancou a espada de madeira de onde estava e sacudiu o sangue que dela começava a escorrer. Como se lembrasse algo, acelerou o passo e seguiu até a Yorozuya. Subiu as escadas e encontrou a porta aberta e a sala toda revirada, além de algumas manchas de sangue. Ouviu um choro e encontrou Sadaharu, que parecia assustado com alguma coisa, apesar de estar ileso.

Olhou ao seu redor e, além do grupo do passado, que o seguira, não encontrou o que ou quem procurava.

― Cara, que bagunça... – o Sakata mais jovem disse enquanto enfiava o dedo mindinho no ouvido para tirar a cera. – O que aconteceu aqui? Um assalto?

― Não, Yorozuya. – o Vice-Comandante do Shinsengumi, mesmo sem entender nada do que estava acontecendo, respondeu com seus conhecimentos policiais. – É um cenário de invasão e alguém tentou defender este lugar.

― O Ginmaru-san? – Shinpachi perguntou.

― Quem é Ginmaru?

― Longa história, Mayora. – o Gintoki do passado respondeu.

― Afinal de contas, o que aconteceu aqui? Onde exatamente estamos? Ou melhor... “Quando” estamos?

― Podemos responder a essas perguntas se me seguirem até Yoshiwara. – uma voz feminina disse. – Aqui, por enquanto, não está seguro.

― Eu imaginava. – o Yorozuya mais velho concordou enquanto pegava um smartphone caído no chão e olhava para a recém-chegada. – Faz tempo que você tá aí, Tsukuyo?

A loira sorriu.

― Cheguei aqui bem na hora em que vocês vieram do passado. Vamos!

Apesar de a Cortesã da Morte ter chamado todos a saírem, ninguém pôde avançar. A entrada estava obstruída por Amantos diversos, com uniformes militares na cor amarela, o que indicava que a discrição não era algo desejável para quem integrasse tal grupo.

O líder do grupo era um alien com cara de sapo e deu um passo à frente enquanto desembainhava a espada:

― Bem que dizem que os humanos sempre voltam para casa... Não é? Já conseguimos expulsar os outros três chamados “Reis Divinos” deste distrito, só falta você... Shiroyasha!

Com o ataque iminente, Tsukuyo preparou as kunais a serem lançadas, enquanto os dois Gintokis sacavam suas espadas de madeira e Kagura apontava seu guarda-chuva, pronto para atirar. Sem muita alternativa, Hijikata viu-se obrigado a também se preparar, sacando sua katana, enquanto Shinpachi era o único desarmado...

... Ou pensava que estava, pois encontrou, em meio àquela bagunça, outra katana.

― A katana do Ginmaru-san... – murmurou com várias interrogações brotando em sua mente.

Entretanto, precisavam deter aquele ataque que não se fez esperar. O líder com cara de sapo se lançou ao ataque com seu grupo, mas acabou se detendo quando pareceu reconhecer o Vice-Comandante do Shinsengumi... Que agora não entendia mais nada.

― Você não deveria estar aqui.

― Por quê?

― Você sabe muito bem.

O moreno mordeu o cigarro de raiva. Não bastava estar perdido naquele lugar, época, ou algo parecido, estava se envolvendo sem saber em algo que parecia perigoso, a julgar pelo tom de voz do cara de sapo, que chamou seus comandados para irem embora, com um aviso:

― Depois do Distrito Kabuki, será o Shinsengumi.

Um silêncio absoluto dominou a todos após a partida daqueles seres de farda amarela. Enquanto os pertencentes àquela época absorviam a ameaça contida naquelas palavras, os demais não entendiam do que exatamente ela se tratava. E, quebrando o silêncio, Hijikata esbravejou:

― MAS O QUE ESTÁ ACONTECENDO AQUI, AFINAL?!

― EU É QUE PERGUNTO! – rebateu o Gintoki da mesma linha temporal. – O QUE VOCÊ VEIO FAZER AQUI, SEU PASSAGEIRO CLANDESTINO?

― VOCÊS ME ATROPELARAM E ME ARRASTARAM PRA CÁ!

A discussão acabou não se prolongando, pois, os dois homens foram atingidos por kunais na testa – cortesia de Tsukuyo:

― Se continuarem fazendo esse escândalo todo, eles voltam pra nos matar.

― Isso se você não me matar antes... – Gintoki tentava conter o sangue jorrando da testa após retirar a kunai. – Não basta eu ter que conviver com isso na minha linha temporal, e no futuro vou mesmo ter que aturar isso?

― Era o único jeito. Vocês dois nunca mudam.

― Eu não acredito que ainda vou tomar kunai na minha testa, mesmo depois de tantos anos...!

 

*

 

Durante todo o trajeto até Yoshiwara, Shinpachi pacientemente explicou a Hijikata tudo o que acontecera na primeira vez em que viajaram no tempo, contando quem era Ginmaru e como ele fora até o passado pedir por ajuda. Ao final, mencionou a dura batalha contra Kasler e a volta para casa.

Ao chegarem até a casa de Hinowa, encontraram-na junto com um homem, que após os cumprimentos, indagou:

― Tsukuyo-nee, alguma pista do Ginmaru?

Tsukuyo encarou o rapaz de olhos verde-oliva, cabelos castanhos curtos, bom porte físico e altura mediana. Respondeu:

― Parece que o levaram, Seita-kun. O telefone e a katana dele ficaram no meio da bagunça. Já fiz contato com o Shinsengumi, eles vão investigar mais a fundo.

― Tomara que o encontrem.

― Ei, ei – o Gintoki vindo do passado atalhou. – Será que alguém pode explicar pra gente o que aconteceu depois que voltamos pra casa?

― Seita-kun – o Gintoki mais velho disse. – Dois chás bem doces pra nós! Eu preciso repor meus açúcares!

Hinowa foi preparando os chás para todos, enquanto Seita os entregava. Hijikata, ao receber o seu, não perdeu tempo e sacou de seu casaco um frasco de maionese, com a qual cobriu o chá da xícara e o bebeu, sob os olhares de nojo dos albinos ao seu lado.

― E então? – o Yorozuya perguntou à sua contraparte mais velha. – O que exatamente tá acontecendo por aqui?

― Lembra que antes eu mencionei sobre os darkenianos?

― Os inimigos mortais dos enjilianos? Eles usariam o Terminal pra um desvio intergaláctico pra explodir os darkenianos, se não me engano...

― Isso. Depois que vocês voltaram ao passado, eles apareceram, isso já faz uns dois meses, mais ou menos. Acharam interessante dominar nosso mundo, começando por Edo. E eles acham que pra conseguir dominar Edo, têm que começar pelos lugares que resistiram aos Amanto.

― Então é por isso que Kabuki tá daquele jeito?

― Sim, eles estão atacando Kabuki e tentando expulsar os Quatro Reis Divinos.

O Gintoki mais jovem entendeu do que se tratava. Os Quatro Reis Divinos do Distrito Kabuki eram os responsáveis pelo delicado equilíbrio daquele distrito. Os antigos Reis Divinos eram a Princesa Kada, Doromizu Jirouchou, Saigou Tokumori e Otose. Depois da verdadeira batalha entre os quatro setores por eles representados, os sucessores assumiram seus respectivos lugares foram Kurogoma Katsuo, Azumi, Shimura Tae e Sakata Gintoki (que se tornou sucessor de Otose por livre e espontânea pressão).

Perguntou:

― Expulsaram quantos?

― Quase três. A irmã-gorila do quatro-olhos ainda tem como aliado o Shinsengumi.

― Claro, claro... Por isso a ameaça também ao Shinsengumi.

― E por que o Shinsengumi se meteria numa coisa dessas? – Hijikata questionou. – Agora entendo a ameaça. Provavelmente devo ter mudado pouco nesta época e me confundiram com a minha contraparte.

― Continua o mesmo chato de galocha de sempre e comendo a mesma comida de cachorro de sempre.

O Vice-Comandante do Shinsengumi apenas se limitou a soltar um “tsc!” para se segurar e não partir para cima do “mestre-da-irritação” de sua linha temporal. Não estava disposto a correr o risco de ter outra kunai enfiada na cabeça.

Shinpachi olhou para Kagura e perguntou para o Gintoki mais velho:

― Gin-san, agora entendi que aqueles darkenianos querem derrubar o Distrito Kabuki, mas... Onde a Kagura-chan entra nessa história?

― Será que não é pela minha força? – a Yato questionou toda confiante, mostrando seu muque enquanto Sadaharu latia em aprovação.

― Não. – respondeu o Gintoki que fora questionado. – Ela vai ser importante pra ajudar a impedir que liberem um novo projeto dos darkenianos.

― E que projeto é esse? – o Sakata mais jovem indagou.

― O “Projeto K1”. – disse o Shinpachi daquela linha temporal, acabando de chegar junto com mais duas pessoas.


Notas Finais


CONTINUA...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...