História Paralelismo - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Park Jimin (Jimin)
Tags Jikook, Namjin, Romance, Twoshot, Yoontaeseok Implícito
Visualizações 27
Palavras 3.432
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, Slash, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Cinco


i.

A primeira vez, Jeongguk lembra, marcou o começo de muitas coisas.

Conhecera Namjoon no colégio, afinal era difícil não ouvir falar do aluno com as melhores notas dentre todas as turmas. Sua admiração por ele surgiu quando ouviu sua música pela primeira vez e, ah, como achara incrível a capacidade que Namjoon tinha de traduzir tanto em algumas poucas palavras. Era realmente fascinante.

Ficaram amigos, Jeongguk constantemente pedia conselhos e sempre voltava para casa com ótimas reflexões. Era quase como ter um outro irmão mais velho, e até que fazia sentido pois a irmã mais nova de Namjoon tinha sua idade.

Através dele foi conhecendo os outros integrantes do futuro melhor grupo de amigos que poderia imaginar. Conheceu Seokjin, Yoongi e Hoseok através de Namjoon, e assim também foi com Taehyung e Jimin.

Namjoon tinha um carinho muito grande por todos eles e sempre dizia que gostava que estivessem sempre juntos, mas Seokjin...

Seokjin era especial para ele.

Namjoon sempre olhava para Seokjin como se ele tivesse desenhado cada estrela e cada nuvem no céu, cada cor do amanhecer e do pôr-do-sol. Ele sempre sorria mais quando Seokjin estava por perto, sempre se sentava ao lado dele e procurava por ele primeiro. Jeongguk sabia que havia muito mais do que amizade entre eles.

Portanto, não se surpreendeu quando avistou os dois caminhando de mãos dadas até a escola, parecendo muito felizes sorrindo um para o outro. Estava feliz por eles, obviamente, mas teve um pouco de medo de que se afastassem do grupo (o que percebeu, futuramente, que não aconteceria).

Do outro lado da rua, viu que Jimin observava a mesma coisa, com uma expressão que Jeongguk não compreendia. Talvez tivesse se enganado, mas nunca tinha visto Jimin com aquele tipo de linguagem corporal, e ficara um pouco confuso por isso. Quando o contato visual foi finalmente estabelecido, Jimin acenou para ele animadamente, sorrindo, e correu até o mais novo para que caminhassem juntos enquanto conversavam.

Nenhum dos dois tocou no assunto por muito, muito tempo.


ii.

A segunda vez não foi por culpa de alguém específico.

Era o dia do aniversário de Seokjin e último mês de seu segundo ano de faculdade. Era uma comemoração enorme em um salão refinado e bonito, a família do mais velho estava reunida e feliz, e o grupo de amigos que ele formara também.

Estava conversando com Jimin e Hoseok durante a festa, discutindo o próximo ensaio do grupo de dança do qual faziam parte, quando alguém educamente interrompeu a conversa para cumprimentar Hoseok. O mais velho pediu licença quando o desconhecido pediu que o acompanhasse, deixando-o sozinho com Jimin.

Mal soube o que fazer a partir dali. Jimin aparentemente não sabia, mas Jeongguk o achava incrível e nunca funcionava bem quando estava perto dele. A diferença é que antes conseguia disfarçar, e agora era uma grande constante de glitches. (Demoraria algum tempo — muito tempo, honestamente — para entender, pois achava que era pura admiração que sentira pelo mais velho após vê-lo dançar, mas na verdade tinha uma queda por ele e só era muito jovem para compreender.)

Jimin continuara a conversa alegremente, claro, sempre muito atento às respostas de Jeongguk, que mal conseguia olhar para ele diretamente por muito tempo. Se já era tímido normalmente, perto de Jimin era ainda pior, e nessa época sequer sabia o motivo.

Jimin comentava sobre uma coreografia mais antiga que ainda não tinham certeza se iriam apresentar ou não, que talvez não houvesse espaço na programação do espetáculo de fim de ano. Jeongguk respondeu que teria que procurar o figurino na bagunça de seu quarto, se fosse o caso de precisar, e seu cérebro quase deu curto quando Jimin deu uma risada tão, mas tão adorável...

Estava tão ocupado pensando nisso que se surpreendeu quando viu que Jimin nem prestava mais atenção na conversa, que tinha o olhar fixo em algo distante. Curioso, Jeongguk procurou olhar na mesma direção, e então sentiu as bochechas esquentarem.

Namjoon e Seokjin compartilhavam um abraço íntimo, doce e romântico, que desafiava as percepções de demonstração pública de afeto. Era como se o resto do mundo simplesmente não existisse para eles (ou melhor, Jeongguk pensa, como eles fossem o universo um do outro). O mais velho descansava o rosto na curva do pescoço do mais novo, com a mais pura serenidade se manifestando em suas feições, enquanto recebia carícias delicadas nos cabelos e no dorso de uma das mãos.

O relacionamento deles nunca fora exatamente um segredo, pois nunca haviam tentado esconder, apenas não haviam se apresentado formalmente como casal até o momento. Não que alguém estivesse surpreso com isso, era apenas uma questão de tempo.

Jimin estava em uma espécie de transe, aparentemente, pois não tirou os olhos da cena bonita a alguns metros de distância por um bom tempo e, quando o fez, pareceu espantado. Assim que olhou novamente para Jeongguk, tinha a face rubra e os olhos levemente arregalados.

Jimin pediu licença, e retirou-se às pressas.

Jeongguk estava mais confuso do que nunca.


iii.

A terceira vez foi um acidente que poderia ter sido evitado.

Uma reunião comum de sexta-feira na casa de Taehyung depois da aula, quando Jeongguk estava no primeiro ano do ensino médio, com direito a filmes, lanches e boa companhia, era a perfeita fuga da rotina estressante. Taehyung não cozinhava tão bem, mas a mãe dele com certeza tinha algum dom para isso, lembrava Jeongguk com saudade dos doces dela. Naquela tarde, ela havia saído antes do final do filme e deixado a geladeira desprotegida. Um descuido absoluto, com certeza.

Seokjin, obviamente, foi à cozinha com a missão de roubar mais doces para ele mesmo. Não importava que ele era uma pessoa boa, ele sempre iria comer mais do que todo mundo sem sentir qualquer peso na consciência. Jeongguk viu que ele estava no celular enquanto caminhava até lá, o que também explicava a demora dele.

Todos estavam tão distraídos com as cenas eletrizantes de ação que não perceberam a ausência de Namjoon. Jeongguk só notou porque estivera sentado ao lado dele. 

Depois de algum tempo Yoongi disse que as bebidas haviam acabado e pediu a alguém para pegar mais; Jeongguk se ofereceu para ir, para ver se descobria aonde Namjoon fora.

"Eu ajudo", disse Jimin com um sorriso tímido no rosto. Jeongguk esperou que ele se levantasse para que fossem juntos.

Jimin estivera grudado em Jeongguk desde o fim da última aula do dia, e ele voltava mesmo que Jeongguk o afastasse. Nunca admitiria isso na época, mas ele gostava de quando Jimin ficava perto dele, e se o afastava era apenas por ser adolescente e bobo; gostava da dinâmica de push-and-pull que o relacionamento deles havia adquirido (sem contar que agora o que acontece é exatamente o contrário, Jeongguk reflete, pois Jimin é quem tem que dar fim ao grude incessante e por vezes até um pouco inconveniente).

Ao olhar na direção do movimento no corredor durante o caminho até a cozinha, concluiu que nada poderia tê-lo preparado para o que encontraram: Os dois mais velhos estavam próximos à porta, como se já estivessem voltando para a sala, trocando um pequeno e casto beijo. Parecia perfeito até que se separaram, assustados, com a exclamação nada discreta e aparentemente involuntária, entrecortada, genuinamente surpresa de Jimin.

Jimin, envergonhado, pediu desculpas imediatamente. Namjoon e Seokjin sorriram, disseram que não havia problema algum, e perguntaram se queriam alguma coisa da cozinha. Jeongguk mal se lembrava das bebidas e Jimin provavelmente passava por algo do tipo.

Rapidamente pegaram o que queriam e voltaram para a sala, para que os sete assistissem ao resto do filme juntos. Jimin permaneceu olhando distraído para a paisagem do outro lado da janela, e Jeongguk passou o fim de semana tentando se concentrar em qualquer coisa que não fosse o olhar triste dele quando se despediram.


iv.

A quarta vez foi algo possivelmente premeditado.

Faltavam poucos minutos para o fim do ano e a festa grandiosa juntava o aniversário de Taehyung com Ano Novo. Estavam os sete reunidos em um cantinho do salão em que havia assentos confortáveis e iluminação agradável, e o volume da música estava perfeito. Conversavam felizes e animados à espera da queima de fogos e do champanhe, relembrando as melhores partes do ano que estava prestes a terminar. Jimin levantou para pegar mais um pedaço de bolo e Jeongguk não pensou duas vezes antes de segui-lo.

Poucos meses antes, o relacionamento deles começava a tomar uma forma um tanto diferente, distante e incerto desde que Jimin passou a evitar o mais novo. Ele explicara que era um problema pessoal, que Jeongguk não havia feito nada de errado e que não precisava se preocupar, mas havia sido tão estranho que Jeongguk ficava constantemente mais preocupado. Não gostava de ver Jimin desse jeito, tão quieto e distante, quando estavam sozinhos.

A verdade era que sentia falta dele, e talvez ambos tivessem algumas coisas para contar um ao outro.

Iriam com calma, em um ritmo que os permitisse respirar e analisar melhor a questão antes de tirar conclusões, o que estava dando muito certo para ambos os lados. Estavam se falando normalmente e passando mais tempo juntos — as noites em claro conversando, ouvindo músicas, desenhando e jogando eram realmente importantes para os dois. Jeongguk gostava tanto, mas tanto da companhia dele, e agora começava a entender o porquê.

"Ei", chamou, chegando até a janela da qual Jimin observava o céu estrelado, "Me deixou sozinho com aqueles doidos".

"Você aprendeu tudo o que sabe com a gente, Jeonggukie, não nos menospreze", Jimin respondeu, sarcástico.

Jeongguk riu e se aproximou, copiando a postura do mais velho.

"Alguma confissão antes de o ano acabar? Algum arrependimento?", Jimin perguntou de repente, após um silêncio que chegou perto de se tornar algo pesado e talvez desagradável.

Jeongguk pensou por alguns segundos, respirou fundo, e respondeu: "Ainda não."

Jimin não disse mais nada, apenas suspirou e assentiu discretamente com um gesto de cabeça.

Alguém anunciou em alto e bom som que faltavam vinte segundos para a meia-noite. Jimin segurou a mão de Jeongguk quando começou a correr de volta para onde o resto do grupo estava. Jeongguk não se deu o trabalho de responder a Taehyung por que haviam demorado tanto; o calor da mãozinha pequena de Jimin era mais importante que isso.

Tinham vários relógios com o horário certo e celulares com cronômetro preparado, portanto a contagem regressiva foi uníssona. Faltando cinco segundos, Jeongguk olhou profundamente nos olhos de Jimin e não conseguiu parar a onda de calma euforia que se espalhou em sua alma.

Era como se finalmente visse, pela primeira vez, alguém com a beleza mais preciosa do mundo, incomparável, inigualável, e era algo que ninguém mais poderia ter a sorte, o prazer, o destino de compreender...


Como se Jimin tivesse... desenhado cada estrela e nuvem no céu... E as cores do amanhecer e do pôr-do-sol...


Oh.


Aos gritos de comemoração de todos os convidados e o som alto dos fogos de artifício, o grupo unia-se em um grande abraço repleto de felicidade e amor, com seus desejos de presentes belos uns para os outros durante o ano que se iniciava, que fosse ainda melhor que o que acabava de passar.

Separaram-se Yoongi, Hoseok e Taehyung primeiro, parcialmente desfazendo a pequena reunião deles.

Jimin e Jeongguk olharam-se, talvez um pouco incertos quanto ao próximo passo, mas verdadeiramente felizes. O sorriso de Jimin pareceu mais intenso quando ele indicou algo ao lado, para que Jeongguk também olhasse.

Eram Namjoon e Seokjin, que não perderam a oportunidade de se beijarem calorosa e intensamente à meia-noite, realmente não se importando muito com o resto da festa por estarem juntos de tal forma.

Jimin encurtou o espaço, segurou a mão de Jeongguk outra vez, olhou profundamente em seus olhos. Os dois respiraram fundo, cientes da grande mudança que estava prestes a começar, e então Jimin fez com que o ano do mais novo se fosse sem qualquer arrependimento. 

Absolutamente perfeito.


v.


A quinta vez foi o que causou tudo isso.


Começou quando passavam o verão na casa de praia do pai de Seokjin, todos os sete, um pouco de álcool e muita conversa sendo jogada fora até a madrugada. Eles riam e contavam piadas e histórias engraçadas uns para os outros, felizes de estarem passando um tempo juntos depois de ficarem afastados por tanto tempo com trabalho e faculdade.

Mas Jeongguk sente mais do que vê o olhar de Jimin sobre seu corpo por um bom tempo, sente algo estranho na atmosfera, mas ninguém mais parece ter notado. E de repente Jimin levanta, dá boa noite para todos, e diz que vai dormir. Jeongguk sabe, apenas sabe, que ele precisa ir junto e não questiona.

Jeongguk ainda demora um pouco antes de se levantar, pois havia encontrado uma posição confortável onde estivera sentado por horas com Jimin em seu colo. Quando finalmente se levantou, anunciando que também iria dormir, os outros decidiram fazer o mesmo. Após alguns minutos conseguiram cessar a conversa animada e cada um foi para sua devida suite. 

Por terem chegado exaustos da longa viagem, haviam deixado a bagagem na entrada da sala e partido direto para procurar lanches. Tinham se espalhado na sala com a ideia de descansarem por alguns minutos antes de escolherem quartos, mas Taehyung e Yoongi decidiram dormir no colo de Hoseok e fazer tudo isso depois. Acordaram em meio a uma conversa pouco antes do jantar, e assim se foi um dia inteiro.

Jeongguk não viu, porém, qualquer sinal de que Jimin pudesse ter estado no quarto em que disse que estaria: a cama vazia e arrumada, ventilador desligado, nem o cheiro do perfume do mais velho podia ser sentido. Estranho, pensou. Tinha certeza de que Jimin tivera alguma ideia perigosa que precisaria do auxílio do namorado.

A não ser...

Andou rapidamente em direção ao corredor, procurando alguma luz acesa ou qualquer indício da presença de Jimin nos outros quartos. Viu que o quarto maior, ocupado por Hoseok, Yoongi e Taehyung, estava trancado e parecia estar completamente escuro. Rapidamente considerou a possibilidade de Jimin ter saído da casa, mas antes que pudesse checar por si mesmo ouviu o barulho de uma porta fechando. Menos mal.

Deu algumas batidas na porta mas não obteve resposta imediatamente. Precisou esperar até que Jimin acendesse a luz e fosse abrir, e foi recebido com um sorriso que escondia (mas não muito bem) todas as segundas intenções implícitas na linguagem corporal de seu namorado desde o começo. Nem teve tempo de perguntar o que significava tudo isso, pois Jimin agilmente segurou sua mão e o puxou para dentro do quarto enquanto apagava a luz novamente.

"Jimin-ah...", ele começou, com um tom de voz que dispensava a necessidade de Jimin ver suas feições. Estava desconfiado.

Sentiu o mais velho acariciar seu corpo vagarosamente com as pontas dos dedos enquanto iniciava um beijo lento, andando de forma a aproximar os dois do guardarroupa e, portanto, da cama. Jeongguk de repente sentiu mãozinhas pequenas arranhando com delicadeza os músculos bem definidos de seu abdômen por baixo da camisa, levantando a peça de roupa conforme as carícias subiam até que Jimin pudesse tirá-la completamente.

"Deixa o hyung cuidar de você", Jimin sussurrou próximo ao ouvido do mais novo, os lábios encostados à pele dele.

Céus, era tentador. Jeongguk já abraçava o menor pela cintura e aproximava o rosto do pescoço dele, pronto para despi-lo e descartar quaisquer preocupações. Queria se perder no cheiro delicioso daquele perfume, na maciez de sua pele dourada e na doçura de seus gemidos de prazer. Cobriu o pescoço de Jimin com carícias feitas pelos lábios e pela língua e o mais velho permitiu-se relaxar por completo naquele abraço gostoso cheio de carinho e desejo, suspirando e gemendo baixo, consumido pelo prazer e pelo amor que os dois compatilhavam.

Jeongguk estava prestes a mordê-lo, com a intenção de marcar Jimin como sendo apenas seu e de mais ninguém, para que o mundo todo visse...

Quando ouviu passos de alguém que se aproximava deles pelo corredor.

O primeiro instinto de Jeongguk foi abraçar o namorado com mais força, protegendo-o do que pudesse ser. Quando ouviram as vozes, entreolharam-se um pouco assustados, parecendo pensar a mesma coisa: não teriam como sair.

Jimin havia planejado algo que ficaria apenas entre eles, que ele não queria que ninguém visse. Por mais que houvesse a ideia de que alguém pudesse encontrá-los, no momento não passava de uma fantasia e não era para de fato acontecer. Só a sugestão de que alguém pudesse encontrá-los de verdade já era preocupante, por mais que as únicas pessoas na casa fossem os amigos mais íntimos que o casal poderia ter.


"Ok, isso vai soar ridículo, mas..", Jimin se pronunciou, não fazendo ideia de como dizer algo tão cortador de clima, mas alguma coisa precisava ser feita e ele não via outra solução.


Respirando fundo, olhou nos olhos do maior e disse: "Vamos ter que nos esconder".

"Onde?"

"No armário."

"O quê?!"


Antes que Jimin pudesse explicar ou que Jeongguk pudesse dizer qualquer outra coisa, os passos pareceram mais altos e mais rápidos. Jimin apenas abriu a porta do guardarroupa, entrou e puxou Jeongguk para que ele fizesse o mesmo. Fechou a porta tentando fazer o mínimo de barulho possível e suspirou aliviado.


"Hyung, no que você estava pensando?! Pra quê isso?!", Jeongguk perguntou, com indignação, em um sussurro gritado.

"Eu não queria que ninguém nos visse desse jeito!", respondeu o outro, falando da mesma forma e como se fosse a coisa mais óbvia do mundo.

"Mas do que é que você está se escondendo?"


Jimin quase respondeu à pergunta, ainda mais com as mãos de Jeongguk já procurando lugar em sua cintura novamente, mas foi interrompido pela porta sendo aberta e (finalmente) alguém adentrando o recinto. Não entendera de início como havia demorado tanto tempo para que finalmente fossem interrompidos de fato, porém logo entendeu todas as razões.

Quem havia acabado de passar pela porta e fechá-la com força eram Namjoon e Seokjin, distraídos de mais um com o outro para notar qualquer coisa fora do comum. Estavam juntos exatamente da mesma forma que Jeongguk e Jimin estiveram, e não notariam qualquer coisa além das sensações prazerosas obtidas através de beijos e carícias. Jeongguk levou a mão ao rosto, desapontado porém não necessariamente surpreso, afinal já era a quinta vez que isso acontecia e desta vez veriam tudo até o final — as frestas das portas do armário eram o suficiente para que vissem.

Os dois mais velhos já estavam deitados, mas ainda vestidos. Enquanto Jeongguk fazia forças para não olhar, sua curiosidade o puxava para o outro lado. Quase cedeu, mesmo com os sons sendo bastante esclarecedores nesse aspecto, porém resolveu olhar para Jimin no último segundo. Esperava que ele também estivesse escondendo o rosto e esperando que tudo acabasse, mas aparentemente não era bem assim.


Era exatamente o contrário.


Jimin tinha o olhar fixo no casal que sussurrava declarações de amor em meio ao carinho e aos beijos, e tinha a mesma expressão de todas as vezes que presenciavam algo similar: um completo fascínio, atenção fixa, imóvel e concentrada, e agora Jeongguk compreendia absolutamente tudo.


Jimin era um voyeur, mas não se tratava de um caso qualquer porque era especificamente direcionado ao relacionamento de Namjoon e Seokjin, e a única coisa que Jeongguk conseguia tirar disso era a preocupação com o tamanho do problema que arrumara para ele mesmo. 

Que fique bem claro que Jeongguk não aprova a ideia de kink-shaming, mas no momento estava tentando processar a informação nova, sem muito sucesso.

Suspirou, não querendo dizer algo embaraçoso sobre a compreensão tardia de que seu namorado tinha esse fetiche em voyeurismo sexual e também não-sexual, mas aparentemente não adiantara de nada porque Jimin escolhera o pior momento possivel para tropeçar e cair.


"Sério, hyung? Sério?", Jeongguk pensava.


O mundo inteiro pareceu que parou assim que a porta do armário se abriu. Jimin tinha as duas mãos sobre a boca, a face totalmente vermelha como se tivesse escolhido a maquiagem no tom errado, e, wow, aquilo eram lágrimas de constrangimento nos olhos dele? Tinham mesmo um problema em mãos.

Seokjin normalmente teria feito um escândalo, afinal se assustava com qualquer coisa e era naturalmente barulhento na companhia das pessoas mais próximas. Namjoon também, até certo ponto, porém o que reinara por quase um minuto inteiro era o silêncio originado do mais puro choque. Jeongguk tinha o rosto escondido em uma das mãos outra vez, e apenas balançava a cabeça em negação, incrédulo.

Eventualmente, Namjoon se pronunciou. Pediu que os dois saíssem e garantiu que não estavam irritados e nem nada do tipo, com o que Seokjin imediatamente concordou, e disse que queria apenas que explicassem o que estava acontecendo.

Jimin secou o suor e as lágrimas com as mãos, saiu lentamente, com um pezinho depois do outro no chão do quarto. Automaticamente Jeongguk segurou a mão dele, e em seguida saiu também. Os dois se sentaram sobre a cama, em frente ao outro casal, que os aguardava sem pressa.

Seria uma longa, longa, longa noite.


Notas Finais


Tenshi melhor pessoa, brigada pela ajuda ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...