História Parallel universe - Jikook - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys, Bts, Jikook, Kookmin
Visualizações 93
Palavras 1.858
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá olá Mochis!!

Demorei? Demorei! Mas perdoa a tia aqui (Me senti velha agora ksjsksk)

Boa leitura!

Capítulo 20 - Capítulo 20



Parar de encara-lo era algo que eu não conseguia naquele momento. O jeito que falo parece que é a primeira vez que o toco. Mas a sensação ruim sempre passa quando olho para ele. Por que me sinto assim?

Jm: Jungkook...? – o encarei.

Jk: Sim? – ele estava de olhos fechados com nossas testas coladas, sem a menor chance de se afastar.

Jm: Você está bem?

Ele abriu os olhos me encarando com tristeza em seu olhar, era nítido ver isso, mas não parecia que era algo que ele gostaria de falar.

Jk: Isso não importa, Jimin. Eu estou aqui por você.

Jm: Importa sim. É claro que importa. – Eu segurei seu rosto com minha pequena mão em sua bochecha. O que fez ele fechar os olhos novamente deitando sua cabeça sobre minha mão a procura de mais carinho ali.

Jk: Jimin. Eu preciso conversar com você.

Eu o encarei vendo que ele travava seu maxilar pelo nervosismo que sentia no momento.

MinHa: Eu acho que preciso ser atualizada de muita coisa.

Meus olhos cresceram ao ouvir aquela voz. Minha cabeça de imediato se levantou olhando a pessoa parada na porta.

Jm: Mãe? Mãe! – Eu me levantei do colo de Jungkook. O que não havia reparado que estava até agora. Corri para seus braços abertos a minha espera. – O que você está fazendo aqui? Você não ia voltar só daqui uma semana?

MinHa: Oras Jimin. Eu recebo uma ligação falando que meu filho foi internado e ao descobrir o porque, você achou mesmo que eu ficaria de férias?

Jm: Não é nada demais mãe.

MinHa: Não é nada demais? Jimin você está a princípio de um câncer!

Uma dor no meu peito veio de imediato ao ouvir aquilo. Ver minha mãe assim não era algo que me agradava nem um pouco. Ela respirou fundo com seus olhos fechados. Que se abriram de imediato no momento em que puxou o ar as suas narinas.

MinHa: Esse cheiro... Que cheiro é esse?

Jm: O quê?

Mas ela não respondeu, imediatamente seus olhos foram a direção de Jungkook em pé perto a cama. Que nos olhava com confusão em seu rosto.

MinHa: Quem... É você?

Jk: Eu me chamo Jeon Jungkook. Sou amigo do seu filho. – ele respondeu com uma calma em sua voz que me impressionou.

Ela se soltou de meus braços, caminhando lentamente em direção a Jungkook, que tentava ao máximo não mostrar seu nervosismo com aquela aproximação repentina.

MinHa: Você... Isso não é possível.

Jm: Mãe? O que houve?

MinHa: Você é um deles não é? Como você está aqui?

Jk: Eu... me desculpe, mas do que está falando?

MinHa: Como você veio para esse mundo?

Os olhos de Jungkook cresceram na mesma hora, o que não foi nada diferente de mim.

Jk: O quê quer dizer?

MinHa: Você me acompanhe, por favor. Jimin deve estar cansado vamos buscar algo para comer. – ela disse mudando totalmente a entonação em sua voz.

Jm: Mãe, o que está fazendo? – perguntei a encarando sem entender o que estava acontecendo ali.

MinHa: Você precisa descansar um pouco filho, só vamos pegar algo para comer não se preocupe.

Jm: Mas...

Jk: Tudo bem. Ela está certa, você precisa descansar.

Sem esperar uma resposta, ela saiu andando em direção ao lado de fora do quarto. Jungkook me encarou no mesmo momento em que eu o encarei. A confusão em nossos olhos era clara.

Ao perceber que não estava sendo seguida, MinHa voltou colocando a cabeça para dentro do quarto.

MinHa: Você não vem? – perguntou com um sorriso curto em seu rosto.

Jungkook me encarou novamente se aproximando e deixando um selar em minha testa. Logo saindo em direção a porta, seguindo minha mãe.

Jm: O quê raios tá’ acontecendo aqui?


Jungkook on:


Aquilo foi bastante estranho, ela sabe? Como... Como ela sabe que eu vim de outro mundo?

Ela caminhava firmemente na frente, sem em nenhum momento se virar para conferir se a seguia ou não. Ao chegar no refeitório, ao invés de ir na área de lanches, ela caminhou até uma mesa que estava no fundo daquele cômodo. Uma mesa isolada de todos e tudo. Ela se sentou me encarando na espera de eu fazer o mesmo que ela. O que eu fiz na mesma hora.

MinHa: Quem é você? – perguntou séria.

Jk: Eu sou Jeon Jungkook.

MinHa: Seu verdadeiro nome.

Jk: Mas, esse é meu verdadeiro nome.

Ela arqueou uma das sobrancelhas, me encarando profundamente. Era como se estivesse tentando ler minha alma.

MinHa: Você é um deles, não é?

Jk: Eu não sei do que está falando.

MinHa: Garoto... Eu sou velha, mas não sou idiota. Você é um ABO, não é?

Meus olhos cresceram um pouco naquele momento. Então ela realmente sabia?

Jk: Eu... Você... Como você sabe?

MinHa: O seu cheiro. Eu reconheci ele.

Jk: Você sabe do meu mundo?

Ela deu um curto sorriso levando seu olhar a mesa.

MinHa: Como você conseguiu vir até aqui? E por que está com meu filho?

Jk: Eu... Olha, é uma longa história.

MinHa: Eu espero ouvir toda a história. – Eu dei um aceno com a cabeça. – Você é o que? Beta tenho certeza que não é.

Jk: Eu sou um Alfa Lúpus.

MinHa: Você é um Lúpus?! – perguntou surpresa.

Jk: Sim. Um Lúpus legítimo.

MinHa: Faz tanto tempo que não vejo um.

Jk: Você... Já esteve em meu mundo?

MinHa: Eu morei durante 2 meses lá.

Meus olhos cresceram novamente. Então ela realmente sabe de tudo?

Durante alguns segundos ficamos os dois em silêncio. Presos em seus próprio pensamentos.

MinHa: Foi pelo espelho, não é?

Jk: O quê?

MinHa: Foi pelo espelho que vocês se conheceram. Estou errada?

Jk: Não. Não, você está certa. Você também recebeu ele? – perguntei um tanto inseguro se iria receber a resposta.

Mas ao contrário do que pensava ela balançou sua cabeça em concordância.

Antes que eu dissesse algo, uma forte tossi veio me impossibilitando de conseguir respirar. MinHa continuou sentada em sua cadeira me encarando duvidosa.

Ao finalmente conseguir ter ar de volta. Aos poucos fui me recompondo e voltando a encarar a mulher em minha frente.

MinHa: Você está morrendo.

Meus olhos novamente cresceram de imediato. Eu a encarei sem saber o que dizer. Ela descobriu isso apenas com uma tosse?

MinHa: Pelo visto sou a primeira a perceber isso.

Jk: Como...?

MinHa: Eu sei... Porque eu passei por isso, Jungkook.

Jk: Passou por isso?

MinHa: Você precisa ir embora.

Jk: Eu irei. Não posso ficar muito tempo. Darei um jeito de voltar depois. – disse em meio aos meus pensamentos.

MinHa: Não Jungkook. – Eu a encarei sem entender. – Você precisar ir embora. Agora. E não voltar mais.

Jk: O quê disse?

MinHa: Você precisa deixar Jimin.

Jk: Eu não vou fazer isso! – gritei vendo a mesma me encarar com a sobrancelha direita erguida.

MinHa: Você precisa fazer isso. Você tem que se ajudar e ajudar Jimin.

Jk: Eu não irei abandona-lo!

MinHa: Você está machucando ele.

Jk: Eu já disse. Não posso e não irei deixá-lo!

MinHa: Por quê?

Jk: Porque eu gosto dele, caramba. – bati forte minha mão sobre a mesa chamando a atenção das pessoas ao redor.

MinHa: Você já ouviu falar de “Akai Ito”?

Eu a encarei sem entender o assunto repentino.

Jk: Ãn. É uma lenda, não?

MinHa: é uma lenda de origem chinesa e, de acordo com este mito, os deuses amarram uma corda vermelha invisível, no momento do nascimento, nos tornozelos dos homens e mulheres que estão predestinados a ser alma gêmea.

Eu ouvia tudo o que ela dizia calado. Tentando entender aonde exatamente ela estava tentando chegar falando sobre essa antiga lenda.

MinHa: Acredita-se, que quanto mais longo for o fio, mais longe e tristes as pessoas destinadas estão e vice versa… Quanto mais curto for o fio, mais perto e mais felizes as pessoas destinadas estão.

Jk: Me desculpe, mas aonde quer chegar com isso?

MinHa: Você não entendeu ainda, Jungkook? Você e Jimin são totalmente o contrário dessa lenda.

Jk: O quê está querendo dizer?

MinHa: Na lenda, quanto mais perto as pessoa destinadas estão, mais felizes e saudáveis elas vão ser. Vocês podem ser destinados. Mas o caso de vocês é totalmente ao contrário da lenda.

Jk: Eu... Eu não estou entendendo.

MinHa: Vocês estão destinados a serem a morte um do outro, Jungkook! Você está aos poucos matando Jimin do mesmo modo que ele também está fazendo com você.

Minha testa se franziu na hora. Era um absurdo tudo o que ela estava dizendo.

Jk: Olha... Você está dizendo besteiras.

MinHa: Pare para pensar Jungkook. No momento em que se conheceram tudo piorou. Estou errada?

Por um momento comecei a pensar de tudo que aconteceu desde aquele fia até o momento de hoje. Ela não está errada...

Jk: Eu sempre fui destinado a morrer. Não diga bobagens que Jimin é a causa disso.

MinHa: Não Jungkook. Você sabe do que estou falando e sabe que está fazendo mal a ele também. Você está o matando aos poucos.

Eu a encarei sem reação. Eu não queria acreditar naquilo. Não queria acreditar que eu era a causa de Jimin está assim.

MinHa segurou minha mão que forçava a mesa abaixo dela pela raiva que me consumia aos poucos. Eu a encarei e pude ver que ela tentava ao máximo passar confiança para mim.

MinHa: Você precisa deixá-lo Jungkook...

Jk: E-eu... Eu não posso...

MinHa: Você pode. E sabe que deve. Pelo bem dele... E seu.

Eu não podia fazer isso com Jimin. Não podia deixar ele ficar assim por minha causa. Eu... Eu tenho que fazer isso.

Jk: E-eu... O que eu direi para ele?

MinHa: Deixe que eu cuido disso, ok? Apenas vá em paz.

Eu a encarei sem reação. Se ela sabe de tudo sobre meu mundo, ela também sabe do que está falando. Eu tenho que fazer isso.

Jk: O quê... Você dirá a ele?

MinHa: Eu já disse. Não se preocupe, eu vou conversar com ele e explicar tudo.

Eu concordei com a cabeça devagar, ainda tentando raciocinar que aquilo seria o melhor para nós dois.

MinHa: Quando você melhorar, faça uma visita a ele. Mas não tão cedo.

Sem esperar uma resposta, ela se levantou caminhando em direção a saída. Eu continuei alguns segundos parado no lugar, criando coragem para fazer Aquilo.

E então eu me levantei. E sai daquele hospital em direção a casa do Park. Eu vou ajudá-lo. Vou ajudá-lo indo embora.


[...]


Jimin on:


Eles estão demorando demais. Minha mãe estava tão estranha. O que ela quis dizer com cheiro? Como assim ela reconheceu Jungkook pelo cheiro? Ela nunca citou isso nas suas histórias.

No mesmo momento, a porta se abriu e eu pude ver minha mãe entrando e fechando a porta em seguida. Eu me levantei da cama já a encarando esperando uma explicação. Quando reparei que ela estava sozinha.

Jm: Mãe... Aonde está Jungkook?

Ela me encarou respirando fundo.

MinHa: Ele foi embora.

Jm: Mas, para nossa casa?

MinHa: Não Jimin. Ele foi embora, de vez. Ele te abandonou aqui é voltou para o mundo dele. E ele nunca mais voltará.

Jm: O-o que...?



Continuo?


Notas Finais


Gente fiquei no triste escrevendo esse cap kkkkkk(cada k é uma lágrima)

Não seja um leitor fantasma!

BORA SOCIALIZAR COMENTA NESSA BAGAÇA ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...