História Paralyzed - MadaSaku (Hiatos) - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Itachi Uchiha, Izumi Uchiha, Kakashi Hatake, Madara Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Yamato
Tags Madasaku
Visualizações 234
Palavras 6.304
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Festa, Hentai, Lemon, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Com esse capítulo eu atingi minha meta
100 mil palavras ao total
Estive olhando o ranking ontem e minha madasaku está em 13° posição de comentários e eu estou super feliz com isso.
Obrigada de coração meninas e me desculpem os erros.

Capítulo 26 - Baile I


Fanfic / Fanfiction Paralyzed - MadaSaku (Hiatos) - Capítulo 26 - Baile I

 “- Quem então ? – Perguntou me encarando, os olhos arregalados talvez pela fúria de querer me socar e saber que iria apanhar.

Mas acima de tudo, essa informação parecia muito valiosa para ele.”

- De repente se importa? – Perguntei sorrindo de canto.

- Lógico que não, sabe muito bem que não ligo pra ela. – Arrumei meu sobretudo e Sasuke fechou os olhos rapidamente e afastou o rosto, talvez por pensar que eu iria bater nele de novo.

- Então por que o interesse na pergunta? – Perguntei passando a língua pelos lábios enquanto o encarava. Eu iria seduzi-lo até ele se revelar.

- Por que essa possessão toda? Ela e só uma menina normal. – Ele argumentou e notei que os olhos dele pararam nos meus lábios, está funcionando.

Sorri de canto e depois mordi meus lábios inferiores.

- Agora você está parecendo um gay. – Sasuke comentou e se afastou.

Um hetero detectado.

- De qualquer modo, espero que tenha entendido a lição de hoje. – Na verdade nem eu sei qual lição quis passar com isso.

- Privar de sexo e bater no seu sobrinho e uma lição desde quando? – Ele perguntou.

- Desde que pra pegar uma garota não precisa criticar a outra, e se bobear eu pego sua amiguinha Alice e depois talvez pegue a Sakura. – Comentei apenas para provoca-lo.

Claro que eu não dava a mínima importância para a Alice do pais das maravilhas, meu foco era apenas uma, mas eu precisava jogar verde para colher maduro, e me entristecia por dentro falar da Sakura desse jeito e não poder esfregar na cara dele o quanto me enfiei dentro dela.

- Tanto faz.- Resmungou e saiu do sofá indo até a porta. – Eu vou almoçar, não sei se volto hoje. – O mesmo respondeu e rapidamente saiu batendo a porta, ah se eu pudesse me teleportar com certeza eu me teleportaria para fora de casa e o ensinaria a fechar uma porta, mas posso fazer isso quando voltarmos.

- Quer saber, vou almoçar fora. – Decidi vestir uma roupa decente e ir atrás do Sasuke, eu odiaria almoçar e do nada aparecer uma mulher para sentar ao meu lado.

Talvez essa cara de moleque mimado dele espante as mulheres que costumo me relacionar.

Fugaku mimou demais esse moleque e isso foi um erro, nada de bom vem de moleques mimados.

XXX

Sakura

Final de aula chegou, guardei minhas coisas rapidamente e sai da sala no meio da multidão, eu não queria arriscar. Minato estava bravo durante a aula e eu sei que a culpa era minha, então decidi que não daria um pio se quer.

Mas tenho quase certeza de que irei vê-lo amanhã a noite, só não sei com quem ele vai, mas sei que vai.

- Que horas posso te buscar amanhã? - Nem notei quando o pecado em pessoa chegou ao meu lado.

- Acho que vou estar pronta as 8. – Respondi.

Por um instante pensei em convida-lo para dormir comigo hoje, mas depois das coisas que ele me disse mais cedo achei melhor dormir sozinha novamente e trancar a janela também, agora eram dois homens fora de controle, tudo bem que um era louco da cabeça e o outro cheio de tesão o tempo todo e eu gostava dos dois, mas preciso me controlar, não quero fazer coisas nas quais eu possa me arrepender.

- Estarei na sua casa as 7:30, talvez eu possa ver você se trocando. – Ele comentou e passou um braço pelo meu ombro.

- Meus avós não deixariam você ir no meu quarto. – Comentei passando meu braço em volta da cintura dele.

- Quem disse que eles precisam saber que estou no seu quarto? – Perguntou sorridente, dava para ver o esboço por baixo da máscara.

- Ah você não perde uma. – Resmunguei enquanto andávamos lentamente.

Fiquei com medo de algum colega estar andando atrás da gente e ser a Hanabi, tive essa leve impressão. Olhei para trás rapidamente e para minha surpresa era a Hanabi sim, junto com a Izumi.

- Não falei...- Ouvi ela resmungar para a Hanabi.

- Está falando de mim? – Perguntei apontando meu próprio dedo para o meu peito.

- Olha só, eu me pergunto se você está andando com o Kakashi por que o Madara se cansou de você. – Ela comentou fazendo uma cara irritante, mas sei que ela estava dizendo essas coisas para magoar a Izumi.

- Não diga besteiras, nem quero lembrar do papelão na delegacia ne? – Perguntei e ela fechou a cara rapidamente, eu sabia que isso iria atingi-la.

E sabia também que ela seria minha inimiga eterna por 3 motivos.

1° Meu pai.

2° Madara.

3° Itachi.

Claro que talvez o segundo motivo fosse o ápice de tudo.

- Está vendo Hana ela nem se quer negou. – Izumi comentou enquanto passava a mão nas costas da Hanabi.

- O que ela diz e mentira Hana, ela só está usando você para chegar a um propósito que ainda não sabemos. – Agora foi Kakashi que comentou.

- O-oque me garante?- Perguntou timida olhando para os nossos pés.

- O que garante isso é o simples fato de ela não ter ninguém, e por isso está usando você, te colocando contra nós. – Avisei e tentei ir pra cima da Izumi, mas o Kakashi me segurou.

- Não vale a pena. – Ele disse enquanto segurava em meus ombros.

- Segura sua cachorra, não vim aqui brigar. – Izumi disse sorrindo de canto, me deixando mais doida da vida.

- Você é patética. – Argumentei e dei as costas. – E Hana, se quiser ficar do lado dela tudo bem, você foi avisada, só não venha bancar a coitada quando ela der o bote. – Avisei e continuei minha caminhada para a minha casa.

- Acabou com ela. – Kakashi me alcançou novamente.

- Ah essas pessoas tem que tomar no cu para aprender. – Falei irritada, garota tola!

- Ei calma, já passou. – Kakashi novamente passou a mão pelo meu ombro, isso era aconchegante.

- Ta, desculpa. – Pedi e novamente passei meu braço pela cintura dele. – Você vai me levar pra casa? – Perguntei curiosa e desfazendo meus toques no corpo dele, eu não quero passar pela casa do Madara grudada com o Kakashi, ele vai pensar que estou querendo fazer ciúmes e eu não sou disso.

- Estava pensando em te chamar pra almoçar. – O mesmo comentou me encarando.

- E onde iríamos? - Perguntei curiosa, estou cansada de macarrão com frango.

- Hum, podemos ir ao Ichiraku, la e muito bom, a gente ia quando você era mais nova, claro que os garotos iam juntos mas...

- Quero! – Respondi sentindo meus olhos brilharem, e meu estômago roncar.

- Então vamos. – Ele disse sorridente.

- Vamos passar em casa, não quero ir com meu uniforme. – Comentei e ele assentiu.

Ele estava sendo muito bom pra mim, se eu não soubesse das intenções dele eu poderia jurar que ele estava apaixonado, mas se ele sente paixão deve ser pelo que eu tenho no meio das pernas.

XXX

Coloquei uma calça jeans colada e uma blusinha colada, deixava meus seios saltadinhos e nem preciso dizer que foi escolha do Hatake, mas fiz questão de colocar ele pra fora do quarto antes de tirar minhas roupas.

Já estávamos sentados no Ichiraku esperando nossos pedidos, ele havia aumentado o restaurante então não era mais apenas um balcão para todos, tinha algumas mesas espalhadas uma música celta acalmando o ambiente e o cheiro delicioso de comida pairando no ar.

- Sakura, não e por nada não...- Kakashi comentou enquanto eu levava o Hashi até a boca.

- Que foi? To com fome. – Falei e abocanhei o pedaço de legume, se ele está estranhando minha fome só lamento.

- Não, não e isso... O que faria se o Madara estivesse olhando pra cá com um olhar mortal, não olha agora. – Ele comentou me encarando.

Então esse “o que faria” se tornou “o que faremos?”.

E eu não acredito que ele está aqui? Ah mas como? Devo me importar? Não! Não tenho nada com ele e nem com o Kakashi, que se foda, tenho fome.

Mas o coraçãozinho acelerando foi impossível evitar.

- Ah... Tranquilo, ele fez questão de dizer que não temos nada. – Respondi passando a tranquilidade que nem eu tinha e continuei comendo.

- O Sasuke não para de olhar. – Comentou novamente, mas quem não para de olhar é ele.

- Ah ele e um idiota, você sabe. – Comentei e tomei um pouco do caldo maravilhoso do meu ramen.

- Ele está vindo. – Kakashi avisou novamente e me encarou.

Segurei na mão dele rapidamente, estava em cima da mesa.

- Não se preocupe com eles, agora come antes que esfrie. – Pedi e notei que ele sorriu por baixo da máscara.

Rapidamente notei uma sombra atrás de mim, mas não soltei da mão do Kakashi e acredito que ele tenha entendido o que eu quis passar.

- Kakashi-sensei. – Realmente era o Sasuke para acabar com o nosso almoço.

- Sasuke. – Kakashi pronunciou o nome dele também.

- Posso me sentar com vocês? - Eu considerei uma pergunta, mas ele estava afirmando que sentaria conosco.

- Não. – Falei enquanto o Uchiha mais novo não tirava os olhos de cima da mesa, era onde estava minha mão segurando a mão do Kakashi

- Por que não ? – Droga, maldita gentileza do Kakashi.

- Ah fala sério. – Revirei os olhos, dificilmente eu perco a fome mas hoje foi o dia.

- Relaxa Sakura. – Kakashi pediu e então tirei minha mão de cima da mão dele.

- Quer saber, perdi a fome. – Comentei e levantei pronta pra ir embora.

- Vê se cresce. – Sasuke comentou.

- Olha só garoto eu não sei onde você está querendo chegar com isso. – Espalmei a mesa novamente, olhar para essa cara de mesquinho dele me irrita.

- Calma Sakura. – Kakashi pediu enquanto levantava também.

- Ah eu já terminei, e bom almoço pra vocês. – Recoloquei a cadeira no lugar.

Eu poderia estar sendo muito infantil numa hora dessas, mas aposto que vocês também odiariam ter o almoço estragado desse jeito.

- Amanhã as sete. – Kakashi avisou.

- Sem atrasos. – Comentei e Sasuke nos olhou estranho.

- Estão ficando? – Perguntou direto na lata.

- É o baile de 20 anos da cafeteria. – Kakashi respondeu sonolento como sempre.

- Hm. – Sasuke resmungou, revirei os olhos e sai de perto.

Que garoto mais sem noção, dei uma olhada disfarçadamente para o lado e o motivo do meu coração acelerar todos os dias estava ali e estava me olhando, retribuiu a encarada com um risinho de canto, como eu queria ir ate ele e dizer “oi”, mas eu não tinha mais coragem.

XXX

Sábado a tarde, já estava escurecendo enquanto eu e minha avó olhávamos embasbacadas meu reflexo no espelho.

- Você está linda! – Ela também já estava pronta e iria para o baile mais cedo pois era praticamente a dona da festa.

- A pessoa que me deu isso tem muito bom gosto!- Comentei virando de costas.

- Tenho que concordar, mas preciso ir, espero que seu acompanhante cuide bem de você ou eu bato nele. – Ela comentou enquanto ria, foi até engraçado, mas queria que ela estivesse falando do Madara.

Minhas curvas estavam completamente lindas, o vestido marcava muito bem minha cintura e parecia me deixar com mais bunda, sem contar o decote maravilhoso na frente.

Minha avó colocou uma choker preta em meu pescoço que parecia destacar mais ainda minhas clavículas e meus ombros.

- Agora preciso ir. – Ela comentou e saiu me dando um beijo no rosto.

Prendi o cabelo em um coque com algumas mexas caídas na frente parecendo uma gueixa e sinceramente eu estava maravilhosa!

O salto preto não poderia faltar, então fiquei pelo menos cinco centímetros mais alta.

E claro não posso esquecer minha belíssima perna que ficou quase completamente despida, e eu estava amando isso!

- Toc toc. – Ouvi alguém falando na minha porta ao invés de bater.

Era o Kakashi, como será que ele está?

- Entra. – Avisei e a porta se abriu lentamente mostrando um homem maravilhoso e muito bem vestido na minha frente.

O mesmo usava um smoking preto, tudo preto, aquela cor o deixava muito destacado, enquanto a cabeleira prateada caia para apenas um lado ou seja pra cima do olho com a cicatriz, e claro ele estava com a inseparável máscara.

- Você está lindo. – Comentei olhando para ele embasbacada.

- Você está muito sexy, eu não esperava que fosse me surpreender, ah Deus estou saindo com a garota mais gata da cidade. – Como esperado ele me encheu de elogios enquanto ficava indeciso sobre olhar minha perna ou o decote, mesmo que eu tivesse seios pequenos, aquele vestido conseguiu me valorizar completamente.

- Obrigada Kakashi. – Comentei envergonhada me olhando no espelho.

- Isso merece uma lembrancinha. – Ele comentou e pegou meu celular que estava no criado mudo.

Ficou atrás de mim enquanto nos olhávamos no espelho. Passou um braço pela minha cintura enquanto segurava o celular com a outra mão.

E o flash se fez presente registrando o quando estávamos dignos de belos elogios.

- Vou passar um batom, qual cor? – Perguntei analisando meu estojo de maquiagem, pois ainda faltava esse detalhe.

- Vermelho para combinar com o vestido. – Kakashi comentou ainda se olhando no espelho.

E assim fiz, batom vermelho e uma base de leve, lápis de olho e rímel, seria só isso. Eu nunca gostei muito de maquiagem.

- Estou pronta! – Avisei e ele sorriu por baixo da máscara.

- Sinto vontade de te beijar. – Ele soltou no ar.

- Deveria ter falado antes de eu passar batom. – Comentei. – Não quero estragar. – Fiz carinha triste.

- Lamento, mas acho que vai estragar sim, talvez não comigo, você sabe que muitos homens vão tentar algo. – Ele comentou pegando em minha mão para descer as escadas.

- Ah. – Mas que eu quero nem vai tentar. – Veremos. – Comentei.

Assim que saímos da minha casa fiquei um pouco impressionada com o carro estacionado, uma BMW X6.

- Não imaginei que tinha carro. – Comentei admirando o belo veículo, era grande.

- E por que eu moro perto do trabalho, nunca iria me ver dirigindo se não viesse comigo. – O mesmo comentou abrindo a porta do carona pra mim. – E também eu jamais deixaria minha bela acompanhante ir andando até a festa. – Ele comentou enquanto depositava um beijo em minha mão.

- Ah meu Deus. – Na verdade eu queria dizer: MEU DEUS COMO ELE É FOFO!

Logo ele entrou e deu partida no carro, em pelo menos 20 minutos na estrada chegaríamos no evento.

XXX

Já tinha muita gente lá dentro, seguranças do lado de fora e muitos pares por todos os lados, e também chegava a ser cômico a quantia de maquiagem que as mulheres usavam.

Kakashi desceu do carro e veio abrir a porta pra mim, que essa noite nunca acabe!

- Obrigada. – Agradeci quando desci do carro e logo ele fechou a porta, travou e ligou o alarme.

- Mais uma vez, você está muito linda. – Ele comentou e deslizou o polegar pelo meu rosto.

- Obrigada Kakashi, você também está lindo. – O elogiei sentindo meu coração acelerar, algumas pessoas nos encaravam prestes a nos comer com os olhos e isso me deixou nervosa.

- Acima de tudo divirta-se, e não ligue para o que as pessoas digam, a não ser que seja elogio. E mais uma coisa, não precisa ficar comigo a festa toda, dance muito. – Credo ele já estava parecendo o meu pai.

- Ta bom. – Respondi e virei-me para frente pronta para entrar.

- Só mais uma coisa. – Ele avisou e pegou no meu braço com força me levando até ele, colou nossos corpos e segurou meu queixo com o polegar. – Quero ser o primeiro da noite. – Dito isso ele abaixou a máscara por alguns instantes e depositou um selinho em meus lábios, não deu tempo nem de borrar o batom, mas esquentou lá em baixo.

- Ei as pessoas podem ver. – Desencostei dele e afastei-me um pouco.

- Eu estava de olho, ninguém viu. – Comentou enquanto arrumava a máscara.

Logo ele estendeu o braço e então grudei nele como um verdadeiro par de uma festa de gala.

Entramos e senti muitos olhares sobre mim, alguns professores, uns colegas, mulheres me olhando dos pés até a cabeça e alguns homens olhando meus seios e minha perna, fiquei muito envergonhada.

- Relaxa. – Kakashi comentou. – Quem mandou ser tão linda. – Brincou novamente enquanto andávamos pelo meio da multidão indo até alguns conhecidos dele.

- Ah meu Deus. – Comentou uma morena que estava ao lado do diretor Asuma. – Eu amei o seu vestido. – Ela ficou olhando sem parar.

- Bom, obrigada! – Agradeci enquanto os outros me encaravam.

Na rodinha estava Asuma e a morena que descobri que se chamava Kurenai, Yamato sozinho, provavelmente a acompanhante dele tinha sumido.

- Quer uma bebida? – Kakashi perguntou me encarando.

Agora não estávamos mais de braços dados, pois o braço dele estava por cima do meu ombro como de costume.

- Eu Não bebo. – Comentei enquanto negava a bebida.

- Fica com a Kurenai, já volto. – Ele avisou enquanto se afastava junto do Asuma e Yamato.

- Você e o Kakashi? – Kurenai iniciou uma conversa, ela deve pensar que estou tendo algum caso com o Kakashi.

- Ahh Não, não mesmo. – Respondi negando completamente.

- Vocês tem muita Química, mas ele não presta mesmo. – Ela comentou sorrindo.

- Tenho que concordar. – Deixei o riso tomar conta de mim, deixando de lado toda aquela pressão dos vários olhares.

- Então você e a garota que brigou essa semana. – Ela comentou iniciando um assunto.

- É, eu não suporto aquela menina. – Lembrei do quanto aquela garota e oferecida.

- Nem me fale, só não peguei ela pelos cabelos por que o Asuma não deixou, acredita que ela estava mandando fotos nua pra ele? – Ela parecia furiosa ao lembrar do quanto aquela menina e insolente.

- E você acredita que ela tentou pegar o meu pai! – Comentei e foi nesse instante que percebi que faria uma otima amizade com a Kurenai somente pelo fato de ela odiar a Izumi.

- Voltamos. – Logo Kakashi já estava com uma mão em minha cintura novamente. – Quer dançar? – Perguntou sussurrando em meu ouvido.

- Quero! – Respondi e então ele pegou minha mão levando-me para o meio da pista.

As músicas estavam um pouco animadas e eu não levava o menos jeito para a dança. Pensei em subir nos pés dele mas eu estava de salto.

Devagar peguei o jeito da coisa, dançamos pelo menos três músicas rindo dos meus passos que eram um fracasso.

- Será que eu posso ter a honra? – Neji apareceu do lado do Kakashi colocando a mão sobre o ombro do mesmo.

- Cuida da minha garota. – Kakashi comentou e deu o lugar para um dos meninos mais gatos da festa.

- Mas e claro. – Neji comentou e segurou minha mão e minha cintura da mesma maneira que Kakashi me segurava anteriormente.

- As pessoas estão olhando. – Comentei corando.

- E claro que estão, sua beleza encanta a todos minha bela flor de cerejeira. – Peguei a referencia das flores de cerejeira, eram rosinhas.

- Ah Neji...- Era impossível não ficar vermelha com tantos elogios que eu estava recebendo.

E então aquelas músicas animadas começaram a dar espaço para um ritmo mais lento, Neji colocou as mãos em minha cintura e no momento em que eu levaria minhas mãos até o ombro dele senti meu corpo congelar.

O cavalheiro ao nosso lado repousou suavemente a mão no ombro do Neji enquanto me encarava no fundo dos olhos causando-me arrepios.

- Se me permite. – A voz rouca se fez presente e então Neji assentiu.

Eu ainda estava congelada com tudo o que estava acontecendo, realmente é o mesmo homem? Ele até foi educado.

Então Neji se afastou e rapidamente aquelas mãos grandes e quentes agarraram minha cintura puxando-me para perto.

Madara soltou-me um pouco somente para pegar minhas mãos e colocar nos ombros dele, e então desceu as mãos suavemente pelos meus braços até tocar minha cintura com delicadeza.

Inclinou o corpo até os lábios ficarem a altura do meu ouvido e sussurrou: - O vestido ficou lindo em você, tenho um ótimo gosto. – Fiquei completamente arrepiada.

- Você? - Eu queria ter conseguido encontrar palavras para dizer que seria impossível ele me dar um presente assim, mas elas haviam me abandonado junto com toda a magoa que eu sentia dele.

- Não esperava isso de mim? – Perguntou sussurrando em meu ouvido novamente.

- Eu não esperava nada disso vindo de você...- Comentei e encolhi o pescoço tentando afastar o rosto dele, pois o hálito quente meu causava arrepios insanos.

Madara

- E cadê sua acompanhante? – Itachi comentou quando se aproximou de mim.

- Está com amigas. – Respondi enquanto segurava um copo de suco.

- Você sabe que não foi permitido bebida alcoólica aqui. – Itachi tentou pegar o meu suco.

- Se continuar bancando o mais velho vou te fazer engolir esse copo. – Ameacei entre dentes, eu não deveria ter feito isso, era pra mim estar sob efeito do remédio.

- Ei relaxa. – Itachi levantou as mãos pra cima em sinal de rendição, eu estava realmente com a macaca.

E não era para menos, assim que cheguei nessa droga de festa senti vontade de soltar labaredas de chamas por tudo, mas principalmente naquele prateado, e eu não estou falando do Tobirama Senju e sim do Kakashi Hatake, eu deveria imaginar que esse cara seria uma pedra no meu sapato.

Me irritava o jeito em que ele tocava na Sakura, colava o corpo nela ou passava o braço pelo ombro, eu deveria estar la, fiquei furioso por ver o quanto ela estava feliz ao lado dele. E céus como eu queria ser ele, não somente por estar com ela e sim por ele ter superado a todos os problemas da vida.

Mas ainda assim minha dor era maior. Tomei mais um pouco do meu suco e sem perceber eu não tirava os olhos dela.

- Deveria chamar ela para dançar. – Itachi comentou, eu nem se quer havia notado que o mesmo ainda estava do meu lado.

- Até parece. – Respondi e terminei de virar o suco goela abaixo.

- Você não para de olhar para ela, e caramba olha como ela está linda. – Itachi tinha toda razão, mas não precisava praticamente jogar isso na minha cara.

- Ela não aceitaria. – Comentei.

E eu sabia disso por que ela deve me odiar do fundo do coração.

- Aposto que aceitaria. – Itachi comentou e então chegou o Sasuke ao nosso lado.

- Alguém viu o Naruto? – Perguntou olhando para os lados.

Ah nossa, ele está procurando um garoto ao invés de garantir a foda da noite.

- Olha lá! – Itachi apontou para um canto afastado do salão.

Avisei uma cabeleira prateada, ah era a causa do meu ódio ao lado do irmão Hashirama. Tobirama estava agarrado a uma ruiva que parecia ter uns 20 aninhos de idade, ah então ele adora uma novinha, não posso critica-lo quanto a isso.

E Hashirama estava ao lado de uma outra ruiva, mas essa eu sei quem é, Mito Uzumaki, e os cabelos da Mito eram bem mais lindos que o cabelo tingido da outra garota.

- Então ele veio. – Comentei e agora estávamos em três olhando para os Senju.

Ah hoje as coisas serão bem interessantes então, eu adoraria dar uns belos tapas nele novamente, e se o irmão vir junto apanha também. Seria desvantagem, mas eu usaria todo meu ódio pra cima deles.

- Disfarcem. – Itachi pediu e voltou a olhar para outro ponto no salão.

Eu voltei a observar a Sakura, agora ela estava dançando com um menino de cabelos longos.

- Vou indo nessa. – Sasuke comentou nos deixando sozinhos novamente.

- E já que você não vai dançar com ela, eu vou. – Itachi deu o primeiro passo quando segurei no ombro dele.

Eu não precisava dizer nada, acredito que ele entendeu minhas ameaças somente por olhar em meus olhos, eu não queria parecer o ciumento, mas eu estava ficando louco com tanto homem arrastando as asinhas pra cima da garota que já é minha.

- Nem queria dançar com ela mesmo. – Respondeu e seguiu rumo a outra direção.

Mas é claro que ele queria tirar uma casquinha dela, assim como todos aqui nesse salão.

Olhei novamente em direção ao pai dela e o mesmo estava muito ocupado engolindo a garota dele, andei em passos lentos enquanto a musica tomava um ritmo mais calmo, parei ao lado dos dois.

Coloquei suavemente minha mão no ombro do parceiro dela, rapidamente ele me encarou.

- Se me permite. - Falei calmamente e o garoto assentiu dando o lugar para mim.

Primeiramente Sakura me encarou apavorada, e eu entendo isso. Talvez ela tente sair correndo agora ou faça um escândalo envolvendo meu nome, mas o que ela fez me deixou surpreso, apenas ficou quietinha me olhando.

Primeira coisa que fiz foi me deliciar ao apertar a cintura dela trazendo-a mais pra mim, céus que corpo. Mas ela estava sem reação.

Com muita calma peguei nas geladas e suaves dela e subi até a altura do meu ombro onde as deixei, eu queria aproveitar cada partezinha do corpo dela. Suavemente acariciei os ombros e desci fazendo carinho pelos braços finos até segurar na cintura dela novamente.

A musica estava um pouco alta, inclinei-me para frente alcançando seu ouvido.

- O vestido ficou lindo em você, tenho um ótimo gosto. – Esse ótimo gosto seria para vestidos e para mulheres também.

- Você?... – Ela perguntou baixinho desacreditada da vida.

- Não esperava isso de mim? – Sussurrei no ouvido dela novamente, mas minha vontade era de deixar um belo chupão nessa pele branquinha.

- Eu não esperava nada disso vindo de você... – Ela comentou e encolheu o pescoço acabando com meu total prazer em sussurrar.

Mas notei que ela estava arrepiadinha, ah céus, vou acabar ficando de pau duro no meio da festa.

- Eu sei que tem motivos pra isso. – Comentei e apertei a cintura dela contra mim novamente.

- E-eu acho melhor você sair de perto, meu pai está aqui e... – Ela estava dizendo enquanto olhava para os lados.

- Sakura. – Soltei a cintura dela e levei minhas duas mãos até o rosto da mesma.

Eu jamais faria isso com mulher alguma em publico, mas ela parecia ser diferente.

Acariciei o rosto dela com meu polegar direito enquanto a olhava nos olhos.

- M-madara... – Ela gaguejou me encarando também, mas logo notei o rubor tomando conta do rosto dela.

- Quer ir para um lugar mais afastado? – Perguntei soltando o rosto dela e fechando meus olhos tentando reprimir meu desejo, eu não queria nos denunciar na frente de todos.

Pois já estávamos recebendo olhares demais, os mais velhos de mente fechada a julgariam muito pelo que eu estava prestes a fazer.

- N-não! Eu quero aproveitar a festa. – Ela comentou enquanto tirava as mãos do meu ombro.

- Você terá muitas festas pra ir, tem so 16 anos, tem muito o que aproveitar. – Comentei pegando nas mãos dela novamente e repousando em meu ombro.

- Eu não sei o que você pode fazer. – Ela comentou e desviou o olhar para o chão.

Eu sabia que a tinha machucado demais, e que aquilo não foi so coisa da minha cabeça, foi real e ela está com medo de mim agora, ah droga como eu pude ser tão ignorante esse tempo todo?

- Eu prometo que não vou nem tocar em você. – Avisei e então ela me encarou.

- Promete? – Perguntou um pouco mais confiante.

- Sim claro, prometo. – Quando ela desviou o olhar novamente foi impossível não revirar os olhos, eu precisava disso ou não seria eu.

- Onde vamos? – Perguntou me encarando.

- Onde você quiser, mas tenho algo em mente. – Comentei. – Mas teríamos que passar na minha casa. – Avisei e ela pareceu pensativa.

- Alguém pode ir com a gente? – Perguntou dificultando tudo, ela não quer ficar sozinha comigo de jeito nenhum, mas desse jeito eu não posso conversar direito com ela.

- Ah droga garota, eu prometi que não vou tocar em você. – Sussurrei um pouco impaciente. – Desculpa, desculpa... Ah só vamos ta legal? – Perguntei e ela começou a olhar para os lados.

- As pessoas vão estranhar ao me ver saindo com você, meu pai pode querer fazer um escândalo aqui. – Ela comentou baixinho tentando procurar ele.

- Eu vi ele com uma ruiva, acho que não está nem ligando para as coisas aqui, e deve estar bêbado também. – Tudo bem que a ultima parte é mentira, eu queria estar bêbado agora.

- É serio? – Perguntou ela com carinha de inocente, céus . Se eu tivesse visto essa carinha quando transamos aquela manhã eu não teria feito sexo com ela, ah droga, na verdade eu vi e mesmo assim transei com ela, e eu não fui nada gentil na primeira vez.

- Sim é serio. – Comentei acariciando a cintura dela.

Eu deveria aproveitar ao máximo agora já que tinha “prometido” não tocar nela.

- Então vamos. – Ah eu sabia que ela queria passar um tempo comigo, da mesma maneira que eu queria estar sozinho com ela.

- Ok, vai indo na frente, te encontro no estacionamento. – Avisei e a soltei.

Parecia mais uma daquelas vezes em que eu marcava encontro com alguma mulher casada, ou por sorte encontrava alguma gostosa em festas e mandava elas irem para o banheiro sozinha, so pra poder transar em paz.

Esperei alguns segundos e sai atrás dela, eu ainda não tinha perdido ela o meu campo de visão e isso tinha me facilitado um monte.

- Ei. – Senti alguém segurar meu ombro com força parando-me no meio do caminho.

- O que é? – Perguntei o encarando no mesmo instante. – Hatake. – Falei com certo desprezo, eu não gosto desse cara nem um pouco.

- Se fizer algo a ela novamente... – Ele ameaçou.

- Ah se eu fizer você aproveita a deia novamente para tentar foder ela, mas acredite gostosão vai se dar mal dessa vez. – Respondi antes mesmo de ele terminar de falar.

Empurrei a mão dele do meu peito e segui meu caminho.

Eu havia perdido meus olhos dela, onde ela está?

- Oi Madara. – Essa voz.

- Não me amola. – Comentei olhando para os lados.

- Ah qual é, eu so preciso que você entre comigo. – Avisou e pegou na minha mão tentando me puxar.

- IZUMI! – Gritei com ela. – ME SOLTA CARALHO. – Mandei perdendo totalmente a paciência.

- É O MINIMO QUE VOCÊ PODE FAZER POR MIM! – Ela gritou novamente. O pessoal do lado de fora já estava nos olhando.

- Você me da nojo, e nunca mais toque em mim. – Avisei e fiz com que ela soltasse meu braço.

Ela nem se quer respondeu, dei as costas e fui para o estacionamento atrás do meu verdadeiro foco. Hoje nada vai me desviar, absolutamente nada!

- Madara... – A ouvi me chamando baixinho.

Sakura estava escondida atrás de um jipe alto e por isso eu não consegui encontrar ela.

- Vem comigo. – Estendi minha mão até ela pegar.

Como eu não estava em área vip meu carro estava longe demais.

- Tire os saltos. – Avisei e ela me encarou.

-Assim vou sujar meus pés. – A mesma comentou.

Tudo o que eu mais queria era sair dali, fumar um cigarro e apreciar uma bela dose de uísque, mas se ela caminhar nessa lentidão vamos chegar em casa só amanhã.

Sem avisar a peguei no colo.

- Você disse que não tocaria em mim. – Ela comentou enquanto segurava meus ombros.

- E eu não estou, relaxa. – Avisei e finalmente chegamos em meu carro.

Abri a porta do carona e ela entrou, pelo que notei antes de colocar o cinto de segurança ela havia tirado os sapatos.

-Vamos passar na minha casa, vai ser rápido prometo. – Avisei.

Eu queria pegar uma manta e uma bebida, cigarro eu tinha no carro, e tinha uma arma também caso a gente passasse algum sufoco.

Dei partida e logo estávamos longe de toda aquela bagunça, claro que eu sempre adorei bagunça, mas hoje eu só queria aproveitar com ela.

Sakura estava encolhida no banco ao meu lado observando a paisagem escura pela janela, para a minha sorte a noite estava linda, o céu estava limpo e as estrelas radiantes.

- Você e o Kakashi estão ficando? – Perguntei direto, pois isso estava me incomodando, e quando estava saindo a maneira que ele me parou foi um tanto irritante.

- Não. – Ela respondeu sem ao menos me encarar. – Não sou qualquer uma. – Ela nem se quer me olhava nos olhos e eu estava entendendo isso, a maneira que ela falava comigo, pelo visto não seria fácil domar ela agora.

- Hm. Sobre isso, eu estava errado e você provou. – Comentei e continuei de olho na estrada.

Ela permaneceu em silencio e isso continuava me incomodando, eu queria ela brava e falando um monte de coisas pra mim.

Cheguei em casa e sai correndo sem nem ao menos fechar a porta do carro, entrei e peguei aquela manta que eu sempre deixava no sofá caso dormisse por ali, peguei uma bebida e voltei. Coloquei tudo no porta malas.

Sentei-me novamente em meu lugar enquanto a minha caroneira parecia entediada olhando para o nada, talvez se lembrasse de coisas ruins somente ao olhar para a porta da minha casa.

- Sakura. – A chamei calmamente.

Ela olhou pra mim, os olhos pareciam marejados, mas eu não queria falar disso agora.

- Você já dirigiu alguma vez? – Perguntei e então ela sorriu de canto.

Ah as coisas estão começando a melhorar.

- Não... - Respondeu e olhou para as próprias mãos.

- Quer aprender? – Perguntei colocando meu banco um pouco mais para trás.

- Sim! – Agora sim ela estava animada.

- Vem cá. – Bati na minha coxa e ela pareceu pensativa ao me encarar. – Eu prometi lembra, só quero fazer algo legal por você. – Comentei e então ela finalmente jogou as pernas no meu colo e foi se encaixando até encostar os pés nos pedais e ficar sentadinha no meu colo.

A coxa direita ficava completamente amostra e eu desejei mais que tudo para que a mesma estivesse sem calcinha.

Quando senti as costas dela escoradas em meu peito meu coração quis acelerar, mas me controlei, pois sabia que além de um coração acelerado eu ficaria de pau duro.

- E agora? – Ela perguntou segurando no volante.

- Gire a chave. – Comentei enquanto sentia o cheiro dos cabelos dela.

Ela girou a chave e o carro ligou.

Expliquei sobre os pedais, a marcha, sobre primeira, segunda, terceira, e a velocidade exata para trocar de marcha e sobre saber exatamente quando o motor pedia por uma marcha mais leve ou pesada.

Conclusão final ela não entendeu nada e aquilo estava me irritando.

- Quer saber, cuida do volante e eu cuido do resto. – Comentei e ela pareceu feliz mesmo assim.

Parece que a maior preocupação dela era apenas o volante e eu estava adorando isso.

Comecei a andar devagar enquanto ela guiava meia boca, coloquei a mão esquerda por cima da mão dela sobre o volante, posso jurar que senti um certo choque pelo contato simples.

Tentei ignorar isso, mas o volume entre as minhas calças se fazia muito presente, e ter ela sentada em cima de mim era castigo, e eu tinha proposto meu castigo.

Maldita promessa.

Repousei minha mão direita sobre a coxa amostra que estava me deixando louco.

- Você disse...

- Já tirei. – Comentei levantando a mão rapidamente.

Ah Deus preciso aguentar essa tortura.

Retomei o controle do carro mesmo com ela em meu colo e arriscando nossas vidas sem o cinto de segurança, certamente eu levaria algumas multas por isso, mas pouco me importava agora.

Eu estava contente por tê-la comigo novamente, mas sei que não é mais como antes, e nem eu me sinto confiante para toca-la mais intimamente.

- Está gostando? – Perguntei passando meu nariz pela nuca dela e sentindo todo aroma doce e suave que ela sempre teve.

- Sim... – Acredito que ela tenha se referido sobre estar “dirigindo”, mas segurar um volante enquanto eu guio não significa dirigir.

- Me perdoa. – Pedi baixinho estacionando o carro.

Eu queria fechar meus olhos enquanto ela emanava a melhor flagrância já sentida por mim.

- Eu não sei o que vem a seguir. – Ela comentou inclinando a cabeça para um lado deixando o pescoço livre para mim.

- Se você quiser, a seguir pode ter o melhor de mim. – Sussurrei baixinho.

- Você me disse isso na primeira vez. – Ela comentou e rebolou um pouco.

- Eu percebi o quão desmerecedor eu sou, prometo que vou fazer diferente. – Comentei e novamente coloquei minha mão sob a coxa dela, aos poucos fui descendo até me enfiar por baixo do vestido e sentir o tecido fino da calcinha.

- Madara... Não... – Ela sussurrou em forma de gemido.

Tentei ignorar, e continuar me deliciando com as sensações que ela me proporcionava.

- Você está gostando por que parar? – Perguntei e apertei os lábios maiores contra os menores.

- Você prometeu... – Maldição.

Mil vezes maldição! O que eu tinha na cabeça para prometer uma coisa dessas?

Tirei minha mão do lugarzinho mais gostoso que eu já estive.

-Tudo bem... Tudo bem... – Comentei respirando fundo.

- Posso continuar dirigindo? – Perguntou inocentemente enquanto virava o rosto para trás.

Eu queria beija-la, pouco me importava se desde a nossa primeira vez eu tinha quebrado as regras sobre beijos e abraços, eu só queria mais.

- Sim, pode. – Respirei fundo enquanto ela se ajeitava em meu colo, e novamente rebolava para me provocar ou verificar se eu realmente iria cumprir com minha palavra, estava sendo difícil, céus que maldição.

Mas eu não iria me conter, não iria me segurar em relação ao contato físico, ela seria minha novamente.


Notas Finais


Espero que tenham gostado ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...