1. Spirit Fanfics >
  2. Paris In The Rain (Lee Taeyong - NCT) >
  3. Único; Entre as linhas do destino

História Paris In The Rain (Lee Taeyong - NCT) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


postei e sai correndo kkkkk

Mais uma da nossa colectânea NCT e dessa vez eu resolvi fazer algo mais fofo, bem mais fofo na realidade já que isso daqui vai pra uma pessoa totalmente especial.

Aconselho ouvir Paris In The Rain ― Lauv

~ Seu comentário e favorito é bem-vindo ♡

Capítulo 1 - Único; Entre as linhas do destino


Fanfic / Fanfiction Paris In The Rain (Lee Taeyong - NCT) - Capítulo 1 - Único; Entre as linhas do destino

Paris In The Rain 

Parte O2 - Coletânea NCT 

Por cxidzy


No dia quatorze de maio de 2019 enquanto andava entre as ruas e ruelas de Paris Taeyong se deparou com um cabelo tão negro quanto a noite e a pele tão branca quanto a luz da lua. França sempre foi um ponto turístico muito conhecido no mundo todo, Paris era muito conhecida por ser a cidade do amor. Lee Taeyong, o jovem escritor coreano procurava inspiração para seu novo romance e o que seria melhor do que estar na cidade do amor para isso? 

Contudo, a viagem que duraria apenas algumas semanas passou a virar uma viagem longa. A cidade da luz era extremamente magnífica com sua rusticidade. As construções eram belas e completamentes bem feitas, um pouco diferente de Seul que sempre tinha o ritmo agitado de metrópole. Entretanto ele tinha achado um motivo específico para continuar lá; Ela. 

Hospedado no Gran Palace francês o Lee teve a honra de conhecer a Brasileira aspirante à astrológica que foi a principal culpada de suas idas e vindas para a pequena cafeteria. Laís era o nome dela, a Brasileira com dupla nacionalidade sendo asiática em parte. Aquela mulher na casa dos vinte anos foi o estopim para que ele se sentisse recheado de borboletas no estômago e o frio inquietante no fundo do seu interior. 

Dia após dia o moreno tentava incessantemente chamar atenção da morena baixinha com seus 1,59 de altura, ela tinha fios negros curtos que iam até seus ombros, era magra e tinha os olhos castanhos mais lindos que o Lee já pôde julgar ter visto em sua vida, e bom, eles se conheceram num dia chuvoso em Paris. O pontinho azul no meio de tanta gente com roupas com cores escuras foi o auge da sua visão. A chuva fina caia vagarosamente na enorme praça em frente a enorme torre que era o principal ponto turístico da cidade. Não demorou muito para que os dois começarem uma relação amigável entre eles, o romancista tinha um jeito que ao ver da jovem mulher era fascinante. Ela ao passar do tempo passou a amar tão intensamente ele quanto ele a amava e após um ano Taeyong voltou para Coréia com o único objetivo de acertar todos os trâmites possíveis e mudar -se o mais rápido possível para a cidade francesa. Ele tinha uma boa estabilidade financeira além de que, para sua sorte a principal filial da editora que o patrocinava ficava na cidade. 

Durante o tempo foi passando o moreno ficava ainda mais encantado por ela, pela forma incrível que ela era e mesmo que ela não achasse isso todos ao seu redor tinham uma opinião diferente, mesmo que ela se achasse insuficiente ela era o oposto, era alegre, companheira, fiel e acima de tudo ela fazia o seus dias mais coloridos, tão coloridos quanto os girassóis amarelos que ela tanto amava. Ele gostava do cabelo curto, do sotaque ocidental e do modo que ela reagia aos seus toques, gostava do seu sorriso e da forma que ela a ajudava com seus romances e durante um desses encontros ele jurou ter encontrado o amor que um dia ele tanto narrou e desejou sentir. Ele sentia todo o sentimento calmo como a maré e agitado quanto às ondas. 


Bom, no fim ele a amava de todos os modos. 


Lee Taeyong 


O vento frio soprava os cabelos da morena ao meu lado e eu sorria bobo ao ver a cena, mesmo que eu tivesse que abaixar meu pescoço para ver o pequeno pontinho azul do meu lado. Ela sorria terna vendo toda a vista de Paris afundada em neve, tão branca quanto sua pele. A torre Eiffel era muito muito alta e eu sorria baixinho sentindo suas mãos abraçarem meu braço com força. Desde que ela tinha me arrastado do nosso apartamento com a desculpa que tínhamos que colocar nosso cadeado na enorme ponte para que nosso amor durasse para sempre, ela estava emburrada. A barriga crescente denunciava sua gravidez de pouco mais de três meses e meio ficava ainda mais aparente naquele contudo azul e seu cachecol de girassóis dava à ela um ar infantil. Nós dois tínhamos nos casado à pouco mais de um ano em uma festa no seu país natal, Brasil. A cerimônia foi linda e aconteceu na praia, lembro de nunca me sentir tão livre tendo os pés descalços e vestindo uma bermuda branca, enquanto minha noiva ― agora esposa ― vestia um vestido branco em bordados que ia até seus joelhos, aquele foi o segundo melhor dia da minha vida, o primeiro foi quando eu descobri que seria pai.

 ― Você é um chato. ― Ouvi o bufar pesado sair de seus lábios. 

 ― Lala, desde quando eu sou chato? ― Olhei para ela arqueando uma sobrancelha. 

 ― Você não queria vir. ― Virou a cara e eu soltou um riso anasalado. 

 ― Hey. 

 ― O que é? ― Vi ela se virar para mim. 

 ― Eu te amo. ― Vi a morena sorrir abertamente enquanto tirava seu cachecol e colocava em mim.

E sim, eu amava aquela mulher mais que tudo desde o bendito dia em que a vi na cafeteria que ficava bem de frente ao hotel que eu estava hospedado, naquele dia, ao som de cigarettes after sex no pequeno local eu me permiti sorrir bobo pela primeira vez, eu lembro do livro sobre astrologia que ela lia tão concentradamente que nem viu eu me sentando na sua frente, e só foi notar uns cinco minutos depois quando meu celular tocou. Eu amei o jeito meio torto que ela olhou para mim naquele dia me achando um idiota pelo fato de só ter praticamente nós dois lá e eu ir me sentar unicamente com ela. Eu amava o cheiro do cabelo, o jeito que ela escrevia é falava calmamente e o modo de que ela se expressava, bom, no fim eu a amava.

Amava tudo nela e eu digo com todas as palavras de que, se eu precisasse viver cem vidas por ela eu viveria, assim como eu morreria por ela e agora pelo nosso menino que crescia em seu ventre, porque lá no fundo eles eram as maiores preciosidades que eu poderia ter tido. 

E seria assim até o fim dos meus dias, ela por mim e eu por ela.


Notas Finais


postei e sai correndo kkkk

Lembrando que a do Jaemin já foi postada:
Primeira da coletânea
> https://www.spiritfanfiction.com/historia/nothings-gonna-hurt-you-baby-na-jaemin--nct-19326880

Imagine com Qian Kun (WayV)
https://www.spiritfanfiction.com/historia/unilateral-imagine-qian-kun--wayv-19456849


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...