1. Spirit Fanfics >
  2. Park Jimin: Apocalipse Zumbi em Seul >
  3. Jimin ou Jungkook?

História Park Jimin: Apocalipse Zumbi em Seul - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura ^^

Capítulo 19 - Jimin ou Jungkook?


Fanfic / Fanfiction Park Jimin: Apocalipse Zumbi em Seul - Capítulo 19 - Jimin ou Jungkook?

Coréia do Sul, Seul - 3 dias presa em um passado paralelo (faltam exatamente 20 horas para o apocalipse zumbi)

 

Apesar das memórias ainda estarem vivas em meus pensamentos, parece que tudo não passou de um sonho. 

Dizem que o céu é um retrato do passado... a verdade é que as estrelas que enxergamos ao anoitecer implodiram há bilhões de anos atrás. Elas não existem mais.

No leito em que repousava, eu podia vislumbrar cada ponto brilhoso que iluminava meu quarto, nessa madrugada fria. Era como se eu pudesse revisitar o meu passado refletido no céu.  Seria essa a minha distância com o passado que deixei para trás? 

De acordo com os meus cálculos, faltavam exatamente 20 horas para o apocalipse zumbi acontecer em Seul (outra vez). Quer dizer, foi isso que aconteceu no passado paralelo em que estive até então. Lembro-me perfeitamente, como se fosse hoje, de desembarcar do avião, fazer o checking em um hotel e acordar de madrugada aos prantos com um devastador cenário pós-apocalíptico... mas foi em meio a esse caos que conheci Park Jimin, o cara que mudou minha vida para sempre.
Eu nunca havia me apaixonado por ninguém antes dele, como se de algum forma estivéssemos ligados por um fio invisível.

O fato é que já se passaram alguns dias desde que fui levada para a UTI. Pude ouvir algumas enfermeiras cochichando sobre o milagre de eu ter “ressuscitado” sem nenhuma sequela e o quão habilidoso e bonito o “Dr. Park” é... do que eu estou falando? Esse não é o momento para ficar com ciúmes... até parece que estou presa em meu próprio cérebro, conversando com meu alter ego sobre como fui parar em uma dimensão paralela. Acho que estou ficando louca. 

Foi então que ouvi um estranho barulho. “Será que os zumbis já estão invadindo o hospital?!”, pensei aflita, encolhendo minhas pernas por debaixo do cobertor. “Eu preciso descobrir o que está acontecendo”, pensei já me levantando da cama, avulsa do medo que senti há poucos segundos atrás.

O corredor do hospital estava escuro e o som do andador, onde havia meu soro anexado, rangia a cada passo que eu dava. Eu conseguia ouvir o som de alguém grunhindo. “E se realmente for um zumbi?”, pensei agonizada, enquanto passava pelas salas cirúrgicas vazias. “Bom, agora já é tarde demais e... JUNGKOOK?!”, gritei assustada, sentindo meu coração palpitar.

Jungkook estava apenas com um avental amarrado pelo corpo cheio de hematomas e feridas, enquanto tentava escapar da ala psiquiátrica. 

“Jungkook? Eu posso te ver atrás dessa porta de vidro...”, falei sorrindo. 

“Como você sabe meu nome?”, ele disse arqueando sua sobrancelha. 

Eu havia me esquecido... ainda não tivemos a oportunidade de nos conhecer nessa nova realidade paralela. Quem sabe agora não nos tornamos amigos? Afinal, ele sempre me odiou.

“Está escrito no seu avental”, rapidamente respondi, tentando amenizar essa estranha situação. “Por que está tentando fugir?”.

“Ah... você não entenderia, não é atoa que estou preso aqui”, ele apontou para a enorme placa no corredor intitulada ‘Pacientes Psiquiátricos’.

“Eu não ligo para isso, estou disposta a ouvir o que você tem a dizer”, confesso que esse Jungkook era muito diferente do outro Jungkook que conheci.

“Eu sei que você vai achar que eu sou louco, afinal, todos pensam isso, mas... vai acontecer um apocalipse zumbi em breve e ninguém mais estará seguro em lugar nenhum e é por isso que eu preciso dar o fora daqui”, ele disse encarando meus olhos. 

Eu simplesmente congelei. Ouvir aquelas palavras era como estar em um sonho. Não podia ser real. Quer dizer... eu não estava mais falando comigo mesma, havia mais alguém que também sabia o que estava por vir. 

“Como... como você sabe disso?”, perguntei aflita. 

“Então você acredita em mim?”, sussurrou Jungkook com os olhos brilhando.

“Sim, eu acredito”, respondi colocando minha mão sobre a sua, separadas pela porta de vidro. “Falta pouco tempo... 20 horas para ser exata”, disse por fim. 

“A gente precisa dar o fora daqui”, respondeu Jungkook, enquanto continuava tentando abrir a porta com um pequeno grampo cirúrgico. 

“Você faz muito barulho... eu podia te ouvir do outro lado do corredor”, disse repreendendo Jungkook. “Logo, vai aparecer uma enfermeira para ver o que está acontecendo”. 

“Troca de turno... ainda faltam dez minutos até a próxima enfermeira de plantão chegar”, ele respondeu sorrindo. 

“E para onde você vai?”, perguntei curiosa. 

“Para algum lugar longe do Dr. Park...”, meus ouvidos se silenciaram nesse exato instante. Eu ouvi bem? Jungkook estava querendo distância de Jimin? 

“Como assim? Você quer fugir dele?”, perguntei extremamente confusa. O Jungkook que conheci, jamais falaria algo desse tipo

“Ele é um monstro... tem me mantido dopado por remédios a maior parte do tempo, até que eu finalmente consegui enganar uma das enfermeiras e parei de tomar qualquer coisa que eles me dessem, mas sem que eles percebessem. Foi aí que recuperei minha sanidade mental”, ele disse suspirando ao relembrar de tudo que me contava. “Sabe por que eu fui internado aqui?”, ele disse se aproximando da porta de vidro, deixando ainda mais visível seus inúmeros hematomas causados por injeções de calibrosas agulhas.

Antes que eu pudesse perguntar o motivo pela qual Jimin havia internado Jungkook na ala psiquiátrica e mantido ele durante inúmeros dias sob efeito de medicações extremamente fortes, uma luz se acendeu, e o rosto de uma mulher apareceu diante dos meus olhos, causando um grande susto em mim. Deixei meu soro cair no chão para que ela não visse Jungkook acordado, afinal ele deveria estar sob o efeito desses medicamentos que não pudessem deixá-lo sequer de pé. Ele rapidamente entendeu o que eu havia feito e se escondeu sob as cobertas de sua minúscula cama, fingindo estar dormindo.

“O que você faz aqui?”, perguntou rudemente a enfermeira já sem paciência. 

“Eu... me perdi”, disse me levantando vagarosamente, junto ao soro. 

“Vamos... eu lhe acompanho”, ela respondeu agarrando meu braço com força e me deixando na frente do meu quarto. 

Não havia muitas escolhas a serem feitas nesse momento, eu precisava descansar, pois meu corpo ainda estava frágil devido às escoriações do acidente de avião que sofri.

 

Mas algo não saia da minha cabeça... se o Jungkook não era o mesmo que conheci... Park Jimin também não era? Quem era ele afinal? O monstro que Jungkook descreveu ou o cara que salvou a minha vida duas vezes

 

 

Coréia do Sul, Seul - 4 dias presa em um passado paralelo (faltam agora 10 horas para o apocalipse zumbi)

 

Acordei com o sol passando pela fresta da longa cortina que tampava a janela principal do quarto. Memórias da madrugada passada atingiram minha cabeça. Não foi um sonho. Jungkook estava preso na ala psiquiátrica desse mesmo hospital. Foi então que senti um papel preso em minha mão. 

 

Você precisa ir embora o mais rápido daqui!

                                               -JK

 

 

Então ele conseguiu fugir, um leve riso invadiu meu rosto. O problema é que eu não poderia simplesmente ir embora também. Eu precisava entender o que estava acontecendo... e principalmente descobrir quem era Park Jimin.

Leves batidas na porta interromperam meus devaneios. “Lembre-se do que a sombra sem rosto lhe disse! Ninguém vai acreditar em mim, não posso contar para mais ninguém além de Jungkook sobre o apocalipse zumbi”, pensei rapidamente, enquanto esfregava as mãos contra os olhos e me sentava sob a cama.

“Bom dia, S/N? Dormiu bem essa noite? Uma das enfermeiras me contou que você esteve passeando pelo hospital durante essa madrugada”, disse Jimin, invadindo meu campo visual.

“Eu... eu acho que estava sonâmbula”, respondi com o tom de voz baixo ainda impactada por ver ele na minha frente sem sequer poder pedir o que estava acontecendo.

Dr. Park Jimin (como é difícil chamá-lo assim) estava usando roupas de bloco cirúrgico e um jaleco por cima. Seus olhos eram cobertos por um delicado óculos arredondado que combinava perfeitamente com seu rosto. Espera no que eu estou pensando? Foco no apocalipse zumbi.

"Se quiser, eu posso prescrever um medicamento para você dormir", respondeu prontamente Jimin sorrindo.

Como o dono daquele sorriso angelical seria capaz de manter Jungkook sob cárcere? Ele faria o mesmo comigo se soubesse que também tenho conhecimento sobre o apocalipse zumbi? 

“Eu ainda sinto como se nos conhecêssemos de algum lugar”, Jimin estava se aproximando vagarosamente, percorrendo os olhos sobre mim. “Por que não consigo me lembrar de você?”, ele perguntou, mas dessa vez com um tom de voz triste. “Enfim... desculpe por isso", ele parou na minha frente, curvando-se sobre mim. "Trago ótimas notícias, hoje você finalmente vai ter alta, poderá deixar o hospital no final da tarde, após alguns exames”, ele sussurrou, colocando sua mão sobre minha cabeça. 

“Não sei nem como posso te agradecer por ter salvado minha vida duas... ter salvo minha vida”, respondi levemente corada.

Assim que Jimin saiu da sala, uma funcionária trouxe uma mesa móvel com o almoço do dia. Após ela deixar o quarto e fechar a porta, a mesa começa a tremer... e Jungkook saiu por debaixo dela. 

“Jungkook... você me deu um susto”, disse colocando a mão sobre o peito e sentindo meus batimentos cardíacos aumentando. 

“Eu sinto muito, mas precisava conversar com você... até porque ainda não sei o seu nome”, ele disse se levantando e indo em direção a porta do quarto para trancá-la.

“Eu encontrei o seu bilhete, fiquei feliz por ter conseguido fugir... aliás, meu nome é S/N”, disse por fim.

“S/N...”, Jungkook segurou minhas mãos. “Você precisa me ajudar a entrar na sala do Dr. Park, tenho que pegar um documento que talvez mude o percurso da humanidade”, ele disse seriamente.

“Está bem... terei alta hospitalar daqui algumas horas”, respondi prontamente.

“Obrigado por ser a única pessoa que acreditou em mim, eu voltei por você”, ele sussurrou por fim, dando um beijo em minha bochecha.

Eu realmente estava em uma realidade paralela. Jungkook JAMAIS seria capaz de um ato tão carinhoso quanto esse justamente comigo. Eu pagaria para ver o outro Jungkook assistindo o atual me tratando dessa forma tão amorosa.

As horas passaram rapidamente e Jungkook repassou um milhão de vezes o seu plano. Assim que o horário combinado chegou, troquei as vestimentas do hospital e procurei pelas minhas roupas que anteriormente usava e para minha surpresa... as roupas que estavam no armário, não eram as mesmas de quando vim para a Coréia do Sul de avião, e sim aquelas que usava no fatídico dia em que fomos atingidos pelo exército norte-coreano. Mais um motivo para eu acreditar que tudo isso não era uma invenção de minha cabeça. Amarrei o moletom de Jimin na cintura e pude sentir o seu doce aroma. Por mais que eu pudesse vê-lo nesta nova realidade alternativa, eu estava com saudades de poder tocá-lo e abraçá-lo.

Jungkook estava me esperando do lado de fora. Ele usava roupas pretas e um boné que escondia parcialmente seu rosto. 

“Vamos?”, disse Jungkook assim que abri a porta, segurando minha mão e, posteriormente, me puxando.

 

Faltam 5 horas para o apocalipse zumbi

 

O hospital era um grande quebra-cabeça. Eu facilmente me perderia por ele. Após alguns minutos, encontramos um consultório com uma placa intitulada 'Park Jimin' na porta. Jungkook rapidamente foi em direção à segunda gaveta da pequena escrivaninha, encontrando os documentos e papéis que estava procurando.

"Dr. Park estava se comunicando com o general da Coréia do Norte. Ambos falam sobre uma arma biológica que poderia destruir o mundo, está vendo?", disse Jungkook me alcançando os documentos.

 

Espera... Jimin era o responsável pelo apocalipse zumbi?! 

 

E foi nesse exato instante que o soar de um alarme disparou em todo o hospital, em um som ensurdecedor. 

 

“ATENÇÃO PARA O CÓDIGO VERMELHO. NÃO É UM TESTE. REPITO NÃO É UM TESTE”.

 

Olhei apavorada para Jungkook. “Mas ainda faltam cinco horas!”, disse atropelando as palavras.

“O que estão fazendo em meu consultório?”, uma súbita voz congelou meu corpo... era Park Jimin. “Jungkook? O que está fazendo aqui? Como conseguiu fugir?”, disse Jimin de um modo assustador. 


Notas Finais


Oiii, sentiram minha falta? Peço desculpas pelo sumiço, mas agora que estamos de quarentena estarei postando com mais frequência!!

Não esqueçam de comentar seus sentimentos e frustrações a respeito desse capítulo kkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...