História Park Jimin! (JiKook) - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Boyxboy, Jikook, Kookmin
Visualizações 138
Palavras 6.552
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


pequenos avisinhos again: 

1- o cap tem 6k de palavras a. eu prometo que os capítulos pequenos vão voltar, ok? mas é que eu me animei a.

2- eu não sei se está realmente bom, mas eu espero que esteja a.

3- era pra ser att dupla, por isso, vai ter uma divisória no meio do cap. >NÃO É UMA QUEBRA DE TEMPO<. se você quiser parar de ler naquela divisória, você pode e voltar para ler o resto quando quiser

E OBRIGADA PELO 1K AAA ♡♡♡

Capítulo 7 - I


Fanfic / Fanfiction Park Jimin! (JiKook) - Capítulo 7 - I

Jungkook ainda cantava, um pouco mais baixo do que antes, mas cantava. Ele sentia que algo faltava, mesmo sentindo que tudo estava bem e completo em certas partes. Mesmo que tudo estivesse calmo, bem lá no fundo, algo faltava sim e ele sentia isso.

Abriu a janela, que estava ao seu lado agora. Tentou fazer o mínimo barulho, para que não incomodasse Jimin.

Assim que sentiu a brisa fraca, junto à também fraca iluminação da rua que bateu levemente contra o seu rosto, ele sorriu. O vento era fresco e calmo.

Sentou-se na cadeira novamente, pegando o violão e começando a cantar baixinho Dark Star, do Jaymes Young.

Olhando para o céu, ele se sentiu melhor. As estrelas estavam extremamente brilhantes e destacadas no céu escuro. A lua estava cheia, e o brilho dela tinha o maior destaque entre aquela imensidão escura. Era belo.

Jungkook sentiu o seu corpo relaxar, fechando os olhos enquanto a sua doce voz ainda cantava a doce melodia.

Estava tudo muito calmo e o Jeon poderia muito bem ficar a noite inteira ali, porque ele não iria se importar em sentir toda aquela brisa contra o seu rosto e virar a noite vendo a lua brilhante no céu. Ele não se importaria de sentir aquela imensa paz por uma noite ou até mesmo uma vida inteira. Ele não se importaria de ficar horas ali, mesmo que a sua voz fosse falhar a qualquer momento. Ele não se importaria, nem mesmo se os seus dedos começassem a doer, quase implorando para ele parar de mexê-los sobre as cordas do violão. Ele não se importaria de lembrar e cantar várias vezes a mesma música contagiante que viria a qualquer instante. Ele não se importaria, porque era bom. Porque era calmo e ele se sentia bem assim.

Mas ele não podia ficar ali por horas e horas, e tinha consciência disso. Decidiu parar de cantar Dark Star, apenas para trocar por Hold On, Chord Overstreet. Era uma música que tinha acabado de chegar em sua playlist, mas era uma das que mais o tocava por dentro.

The joy and the chaos

The demons we're made of

I'd be so lost if you left me alone


You locked your self in the bathroom

Lying on the floor when I break through

I pull you in to feel you heartbeat

Can you hear me screaming please don't leave me?


Hold on I still want you

Come back, I still need you

Let me take you hand I'll make it right

I swear to love you all my life


Hold on I still need you.


Jungkook respirava fundo, porque o seu coração ameaçava acelerar mais a cada momento. Porque os seus olhos tornaram-se um tanto opacos, enquanto ele se lembrava da tradução da música.


Tudo era novo demais, exatamente tudo.


Respirou fundo novamente, parando de tocar o violão. Se era para passar um bom tempo acordado, que não fosse lembrando de coisas ruins.


Jungkook não queria se remoer por causa de águas passadas. Tudo bem, não faria mal se ele pensasse um pouco sobre o caso, mas nada disso nunca parecia ser legal o suficiente para o garoto simplesmente se jogar de cabeça e ir nadando como se a correnteza não o atrapalhasse.


Jeon se levantou calmo, sem se importar se faria algum baixo barulho ou não. Ele apenas não queria ficar pensativo naquele momento.


Guardou o seu violão, apagando a luz e saindo do quarto em seguida, deixando a janela ainda aberta, com a fraca iluminação da rua refletindo sobre o cômodo um pouco escuro.


Andou até o andar de baixo, sem se importar em acender luzes. Era a sua casa, poxa. Ele sabia muito bem onde ficava e onde deixava de ficar cada móvel de lá.


Acendeu apenas a luz da cozinha, iluminando o local de forma fraca, mas o suficiente para ele enxergar qualquer coisa ali.


Repousou as mãos na bancada atrás de si, pensando no que fazer para comer. O seu olhar via tudo atentamente, até parar sobre a caixa de cereais.


Rapidamente, a barriga de Jeon roncou. Ele sabia que não havia comido tão bem assim, digo, ele não repetiu o prato umas duas vezes, então estava com fome e sentia um tanto de orgulho sobre isso. Sim, ele sabia que se comesse demais e não praticasse algum tipo de exercício, ele acabaria por ganhar uma pancinha, mas nada muito incômodo para o rapaz que pouco ligava para aquilo.


Colocou o tanto de cereal que queria em um pote, adicionando o leite logo em seguida. Não era de seu costume comer aquele tipo de coisa quente, então fez o que sempre fazia. Pegou uma colher, logo mergulhando no pote e levando a boca em seguida.


Um "hm" prolongado saiu de seus lábios, enquanto os seus olhos estavam fechados, como se fosse a coisa mais gostosa que ele já tivera provado na vida.


Apagou a luz da cozinha, subindo para o seu quarto em seguida. Fechou a porta e ligou o computador, afim de se distrair com algo na internet. Se ficasse em seu celular, provavelmente daria uma merda maravilhosa, por isso optou pelo computador.


Enquanto ligava, Jungkook continuou comendo, pensando em algumas coisas que seriam necessárias fazer para a próxima semana.


Trabalhos. 

Trabalhos.

Diálogos. 

Trabalhos.


"Eu vou jogar. Que se fodam os trabalhos" - Jeon acabou pensando, quando o computador já havia ligado e clicou em seu jogo favorito esperando o mesmo carregar.


Enquanto mastigava o cereal, viu a tela inicial de Overwatch aparecer. Jungkook suspirou, quase largando o pote e abraçando o monitor. Ligou o controle, sentindo a vibração natural do mesmo.


Soltou o pote sobre a mesinha, iniciando o jogo.


O seu microfone estava ligado, apenas esperando qualquer coisa acontecer.


- Mas que porra. Essas desgraças são burras por acaso? - Se perguntou, falando um pouco alto demais.


Continuou jogando, enquanto vários insultos ainda saiam de sua boca. O seu tom de voz estava elevado; alto.


Atrás de si, Jimin se remexia na cama, acordando aos pouquinhos, enquanto escutava um pouco distante os xingamentos de Jungkook.

Jeon se mexeu em sua cadeira, provocando um barulho alto. Parecia mais como um baque, e Jimin acordou com isso.

Jimin bocejou, sonolento demais mas já percebendo que os xingamentos não faziam parte do seu sonho e a movimentação era real. Se irritou, olhando para as costas largas de Jungkook, enquanto o mesmo se mexia inquieto.


Bufou, alto o suficiente para Jungkook escutar. Jeon gelou um pouco por dentro, por ter levado um pequeno susto. Olhou para o lado mais escuro do visor, que mostrava a figura de Jimin. Viu que o rapaz estava acordado e o olhando com uma imensa cara de tédio.


- O que está fazendo? - Perguntou, com a voz um pouco rouca por ter acabado de despertar.


- Jogando. - Respondeu simples, voltando o olhar para o jogo.


- Não sabe falar mais baixo, não?


- Não sabe fazer alguém gemer baixo também não?


- Está me dando o "troco", maninho? - Jimin sorriu, fazendo aspas com os dedos.


- Não. - Deu de ombros.


- Então pode falar mais baixo? - Jimin suspirou, virando para o lado da parede.


Jeon sorriu, negando com a cabeça. Claro que não dava! Ele estava jogando.


- Não. - Disse alto.


Jimin se sentiu irritado por um momento. Um formigamento parecia se formar aos poucos em seu corpo, o mostrando a própria revolta. Tratou de suspirar, enquanto a sua mão esquerda estava fechada e as suas unhas, não tão curtas, se aprofundavam naquela carne, tentando esquecer a raiva.


- Só espere um pouco, por favor... Eu já... Estou acabando, se acalme. - Jeon pede, como se estivesse no próprio corpo de Jimin, sentindo o que ele sentia no momento.


Jungkook percebeu que Jimin era explosivo demais; se irritava por qualquer besteira, quando ele pediu à Jimin para que mandasse a garota embora. A feição que o garoto havia criado em seu rosto não era legal, ele parecia irritado com aquilo. Além de frustrado e levemente chateado.


Park apenas deu de ombros, como se não fosse um incômodo de verdade para o mesmo.


Jeon continuou inquieto, xingando até o que não deveria xingar. Mas, assim que foi morto pela segunda vez, o rapaz apenas desligou o monitor, afastando a cadeira e largando o controle sobre a mesinha. A sua mão esquerda foi parar em seu queixo, enquanto o seu lábio inferior estava curvado e os olhos estavam mostrando um misto de emoções; raiva e frustração.


- O que? - Jimin virou para Jungkook novamente, se assustando ao ver os olhos do garoto marejados. - Jeon? Por que tá chorando? - Se levantou, ficando de frente para o irmão e se ajoelhando ali, o olhando nos olhos.


- Eu não estou triste nem nada, apenas com um pouco de raiva. - Sorriu.


Os seus olhos se fecharam levemente, o deixando extremamente fofo.


- Um pouco de raiva e quase chorando? - Ergueu a sobrancelha direita, estreitando os olhos azuis.


- É que... Porra, eu perdi duas vezes. DUAS VEZES. - Gritando, o rapaz afasta um pouco mais a cadeira, saindo de perto de Jimin, podendo se levantar e bater na madeira da cama.


- Se acalma, Jungkook. É apenas um jogo!


- "É apenas um jogo!" - Imitou a voz de Jimin. - Eu sei que é, mas eu odeio perder. - Explica com pouquíssimas palavras mas suficientes para Jimin entender direitinho como era.


Desde pequeno, Jimin sempre odiou perder nos jogos, mesmo sabendo o quão ruim era. O seu pequeno corpo sempre reagia de modo ruim, gritando com a pessoa que jogava com ele, batendo em algo ou até mesmo gritando e mais nada. Sempre saía com os dedos machucados ou arrependido por ter se comportado de forma ruim, mas tinha a plena noção de que nem sempre ele podia colocar a culpa apenas em si, por isso também treinava assim que podia, assim como sempre tentava controlar a impulsividade e permanecer quieto no canto.


Muitas vezes, Jimin apenas se isola quando a raiva bate mais forte em sua fraca porta. Porque ele não suporta falar com alguém quando está bravo, mas também não gosta de tratar ninguém mal, então apenas se senta em um canto qualquer, às vezes coloca os fones de ouvido; escutando uma música calma, ou apenas fica olhando para a paisagem até se acalmar novamente e poder falar com alguém. Ele entendia como Jungkook se sentia ao perder, mas acabou por achar que o jeito que Jeon tivera se comportado foi explosivo demais; foi colocado muita raiva desnecessária.


Park caminhou até o irmão, e tocou em seu ombro, lhe dizendo: - Olha, eu também odeio perder, mas ficar se desgastando com isso; acabando com a tua voz e garganta; acabando com a pele de seus dedos; machucando qualquer coisa que ver pela frente, não vai te levar à lugar algum. Por que não tenta se acalmar primeiro, huh? Tome um ar, ponha uma música pra tocar, se sente quieto e fique quieto. Tome uma água, Nescau, Toddy, ou seja lá o que você toma. Apenas procure se acalmar, porque isso só vai te desgastar mesmo.


Jeon o olhou, o mostrando que estava mais calmo assim que um sorriso fraco brotou em seus lábios, enquanto ele concordava com a cabeça. Jimin estava certo e Jeon sabia disso, por isso, tratou de se acalmar para não retirar a mão de Jimin com brutalidade de seu ombro. Ele não queria o machucar e nem deveria mostrar esse lado agora.


Respirou fundo, sentindo todos os sentidos e o misto de sentimentos de raiva, acalmar aos poucos. Tocando a mão de Jimin, que estava em seu braço agora, ele a deslizou e a retirou de lá, dizendo: - Obrigado, eu vou usar as técnicas na próxima vez. - Mostrou um sorriso, olhando no fundo dos olhos azuis de Jimin, que apenas estava perdido na escuridão dos olhos de Jeon.


- Use mesmo, vai te deixar melhor. - Sorriu, se afastando em seguida. - Aliás, que horas são? - Caminhou até a cama, se sentando ali, no colchão macio.


- São uma da manhã. - Verificou.


- Ah... Por que ainda está acordado?


- Eu não costumo dormir cedo. - Deu de ombros, enquanto estralava os dedos. - E me desculpa, eu não sabia que ia te acordar. Me desculpa também por isso...


- Tudo bem. - Sorriu.


Jeon sorriu também, porque o sorriso de Jimin era fofo e contagiante.


- Eu acho que... Vou voltar a jogar. - Jungkook diz, já ligando o monitor novamente.


- Então fale mais baixo, por favor.


- Não dá. É tipo, impossível fazer isso enquanto joga.


Jimin bufou; ele só queria dormir, porra. Os seus pequenos olhos ainda pesavam mas estavam mais atentos para as coisas.


- Então desligue. - Se atreveu, sorrindo de lado enquanto Jungkook virava para ele, com os olhos levemente arregalados e uma feição incrédula.


- Não, tá doido? Eu também estou sem sono para apenas desligar o meu jogo e fazer sei lá o quê.


"Mas que garoto chato do caralho, viu" - Jimin pensou.


- Desliga, Jungkook. Você vai ficar falando alto e eu tô morrendo de soninho... - Jimin manhou, se jogando de lado na cama, ainda olhando para Jeon. - Por favorzinho...


Jungkook o olhou, com a maior cara de tédio. Ele não queria desligar mas já havia percebido que era extremamente difícil negar algo para o irmão mais velho. Ele parecia uma criança manhosa mesmo, que queria tudo no tempo dela, do jeitinho dela, e ela faz de tudo para ser assim.


Suspirou, desligando o computador e controle.


Jimin sorriu, ele tinha conseguido. Uma paz surgiu em seu pequeno corpo, fazendo o seu sorriso aumentar ainda mais, mostrando o seu lindo eye-smile, que ele se orgulhava em ter.


Jeon apenas suspirou alto, ele queria jogar mas sabia que ia ser difícil daquele jeito, pois ele não queria atrapalhar de jeito algum o sono de Jimin ou qualquer outra coisa. Mas ainda assim, estava sem um pingo de sono e sentia que se apenas deitasse na cama, vários pensamentos iriam invadir a sua mente e trazer a insônia de brinde.


- De nada. - Foi apenas o que o rapaz de cabelo extremamente escuro disse, enquanto se sentava em sua cadeira novamente e batucava os dedos na madeira fria da mesa.


Tinha se desanimado de forma sobremodo, aquilo raramente acontecia com ele. A sua mão direita foi de encontro com os próprios fios de cabelo e os dedos passaram pelos fios macios e grandes. Ele precisava passar num cabelereiro para cortar um pouco, e sabia disso.


- O que houve? - O sorriso de Jimin sumiu, assim que percebeu que Jeon havia se desanimado com aquilo. Se culpou um pouco, talvez aquilo fizesse bem para o garoto e ele tinha apenas focado no seu sono. - Me desculpa, pode ligar de novo. Vai se distrair, me desculpa. - Se levantou novamente, ficando de frente para Jeon e se ajoelhando ali novamente.


Jungkook apenas olhou pra baixo, sacudindo a cabeça.


Droga! Ele não tinha ficado mal por causa daquilo, era impossível ficar triste por causa disso, acredite. Eram apenas pensamentos mas como ele ia explicar para Jimin sobre aquilo? Era difícil e ele não queria ser fraco.


- Não é isso. - Disse, curvando os lábios, deixando o seu queixo um pouco engiado.


- Então o que é? - Jimin perguntou. Os seus olhos estavam estreitos, os lábios vermelhinhos e quentinhos estavam curvadinhos num bico fofo. As sobrancelhas estavam um pouco juntinhas, enquanto as mãozinhas estavam em seu colo.


Jungkook suspirou. Porra, por que Jimin tinha que agir daquele jeito tão fofo? Era um inferno ter que mentir sobre como se sentia e ter um garoto mais fofo do que deveria ser na sua frente, perguntando o que era; o que estava te atingindo, fazia o fogo do inferno aumentar mil vezes mais e arder mais ainda. O seu coração estava acelerado e as bochechas coradas, assim como ele jurava que o nariz estava vermelho.


Droga! Não chore. Não se mostre fraco. Isso já aconteceu há um tempo, Jeon.


- São apenas... Pensamentos, sabe? - Sorriu, mostrando os dentinhos avantajados e a sua covinha que não era tão difícil de se aparecer, que ficava em sua bochecha esquerda.


Jimin ergueu as sobrancelhas: - Pensamentos? Lembranças?


Jeon assentiu para Jimin, que tinha jogado a cabeça para o lado direito, enquanto os olhinhos se mergulhavam nos de Jungkook.


Para Jimin, os olhos de Jeon eram lindos como ele nunca havia visto olhos serem antes. Eram totalmente negros, brilhantes, profundos. Chamavam bastante atenção para eles, principalmente o formato redondo deles, que era lindo também.


- São lembranças muito ruins? - A voz de Jimin era mansa; calma. A pergunta era delicada e Park entendia.


Jungkook assentiu novamente, ele não queria falar nada. Caso fosse perguntado o que era, ele podia apenas balançar a cabeça negativamente e tinha certeza que Jimin iria entender que era chato de ser comentado.


- Quando aconteceu?


- Há uns meses. - A voz saiu baixa e um tanto sôfrega. Não era legal falar algo sobre, inferno!


- Foi importante, não é? - Agora, as mãos de Jimin pararam nas coxas grossas de Jungkook. Não era algo para ser maliciado, até porque, o assunto era sério para Park apenas querer uma mão boba por aí.


- Não teve muita importância. - Sacudiu as mãos.


- Mas te machucou? - Novamente, Jimin jogou a cabeça para o lado direito.


Jungkook apenas assentiu, ele jurava que não contaria nada. Ah, tão fraco.


- Então foi importante, Jeon. A partir do momento em que qualquer coisa, até a inútil morte de uma formiga, te afeta e abala, é importante sim. O que não importa é se o que aconteceu tenha sido algo fútil ou não.


- Eu não acho que tenha sido importante. - Olhou para baixo, focando em qualquer lugar que não fosse os olhos de Jimin.


Dentro do seu corpo, haviam sentimentos misturados de tristeza, raiva, carinho. Era bom saber que Jimin, mesmo que não soubesse que porra tinha acontecido, tentava dizer boas palavras.


- Quando é com a gente, não achamos importante. É como se as dores de outras pessoas, doessem mais do que as nossas, mas não é assim. Todas as dores são da mesma intensidade, sabia? Apenas as pessoas que lidam de formas diferentes, portanto, assim como todas são importantes, as suas também são. - Tocou no peito esquerdo de Jungkook.


Não o conhecia. Não sabia como ele era ou como ele reagia a cada coisa, mas parecia vulnerável naquele momento.


- Eu jurei que não iria comentar isso com alguém, muito menos com você. - Confessou, enquanto o seu dedo indicador fazia pequenos círculos em sua coxa esquerda. - Mas... Você parece ser uma pessoa boa para conversar sobre isso e... Me desculpa por parecer tão fraco.


Jimin franziu o cenho.


"Fraco"?


- Você não é fraco, idiota. - Deu um pequeno tapa na coxa de Jungkook. O mesmo apenas fez uma feição de dor, porque mesmo que a mão de Park fosse pequena, ela era pesada. - Ninguém é fraco, Jeon. Ninguém.


- Sim, eu sou fraco, Jimin. Eu não sei lidar com isso, não como várias pessoas conseguem. Eu apenas falo dos meus problemas e-


- Cala boca. - Jimin manda, enquanto a sua feição estava séria. Jungkook não era fraco, ninguém é fraco nessa merda. - Você não é fraco. Não importa se os seus problemas sempre saem da sua boca, dizendo o quão merda eles são para qualquer pessoa. Não importa se você não consegue lidar com tudo isso como as pessoas. Cada um, Jungkook, cada um lida de um jeito. Você tem o seu próprio jeito e isso nunca vai te tornar fraco. Você é forte, Jeon! Assim como todo mundo é. Você sorri e deixa tudo bem ao seu redor, você brinca e vive como se nada estivesse te atingindo. E mesmo que você fosse um viciado em antidepressivos ou se tivesse algum problema psicológico mais sério, você ainda seria forte porque você ainda está aqui. Estar no mundo, é a mesma coisa de morar no próprio inferno, e você continua aqui. Isso te torna forte. Porque, eu não te conheço, mas eu tenho certeza de que vários problemas rondam você. Mas você não desistiu, e ainda está aqui. Está tudo bem caso você desista, ninguém é de ferro para aguentar tudo, mas também não se ache fraco. Está tudo bem se você cair e não conseguir se levantar. Está tudo bem se algo não sair como você queria. Está tudo bem caso você se culpe. Está tudo bem, Jeon, isso não te torna fraco. Não diga que é.


Os olhos de Jungkook se fecharam a cada palavrinha dita, e permaneceram fechados por cerca de cinco minutos depois. Jimin apenas o olhava, sem entender o que havia acontecido com o irmão, mas entendia que deveria doer e talvez ele estivesse tentando colocar um curativo mas colocava pressão demais.


Jeon respirou fundo.


"Idiota, não era para falar nada!" - Jungkook pensava.


- Obrigado, eu acho. - Coçou a nuca, ainda com os olhos fechados.


Jimin abriu um sorriso, porque achava Jungkook fofo. Aliás, Jeon conseguiu arrancar sorrisos de Jimin em apenas uma noite, e achava isso estranho.


- Não me agradeça.


- Eu agradeço sim, porque eu precisava escutar isso... - Finalmente abriu os olhos, dando de cara com o grande sorriso de Jimin.


- Ah... - Tirou o sorriso do rosto. - Está com sono?


Jeon negou, retirando as mãos do Jimin de suas coxas. Afastou-se e levantou-se, acabando por se espreguiçar em seguida.


- Vamos, eu vou te contar uma historinha infantil. - Sorriu novamente, mas dessa vez o seu sorriso era menor.


Jungkook o olhou por seis segundos, antes de começar a rir desesperadamente.


Jimin achava mesmo que aquilo ia funcionar?


- Para de rir! - Exclamou, formando um bico nos lábios, cruzando os braços e batendo o pé no chão. Uma verdadeira criança.


- Desculpa mas... - Riu mais alto, colocando a mão na barriga, a sentindo doer. - É algo muito idiota, Jimin.


Jimin franziu o cenho, ainda com um bico nos lábios e feição emburrada: - O caralho, tá? Eu durmo com essas historinhas.


Foi a vez de Jungkook franzir o cenho. O rapaz apenas parou de rir, olhando atentamente para Jimin.


Ele estava falando sério? Dormia com as histórias infantis?


- Espera, é sério? - Perguntou. Agora, o seu tom estava mais sério, sem qualquer resquício de brincadeira.


- Sim. - Confirmou.


- Ah... - Coçou a nuca novamente, enquanto soltava uma pequena lufada de ar.


- Vamos, eu vou ler pra você. - Apontou para a cama de cima.


Não estava brincando nem nada, ele realmente queria ler para Jungkook, porque era algo que o relaxava sempre que ia dormir, ou melhor, sempre que tentava dormir.


__ pequena divisória. amo vocês a♡__


Jeon o olhou mais uma vez, antes de juntar as sobrancelhas; franzindo o cenho, e subir para a sua cama.


Obviamente achou a ideia muito boba mesmo, mas o que podia fazer quando nada poderia ser negado à aquele ser?


Jungkook pegou o seu cobertor, macio e quentinho, deitou-se, arrumou os travesseiro embaixo de si e esperou Jimin. O mesmo subiu a curta escada, com um pouco de dificuldade, já que ele trazia um travesseiro e o seu cobertor consigo. Era uma cena fofa, mas Jeon deu de ombros, apenas esperando o menor se acomodar ali.


O rapaz de fios cinzas sorriu, depois de arrumar o travesseiro confortavelmente na parede, e cobrir as perninhas curtas.


- Vamos lá... - Respirou fundo, mexendo um pouco no seu celular.


Jeon suspendeu apenas uma sobrancelha, enquanto olhava para Jimin.


- O que vai contar? - Perguntou com a voz mansa.


- Não sei... - Distraído, Jimin respondeu.


- O que está vendo?


- Papai enviou uma mensagem.


- Ah, e o que ele disse?


- Ele apenas me agradeceu e me disse algo que você não iria gostar de saber, então relaxa. - Sorriu, mostrando o tanto de malícia suficiente para fazer Jungkook entender do que se tratava. O mesmo apenas fez uma cruz, estilo de rezas para "Pai, Filho e Espírito Santo".


- O que vai contar? - Repetiu a pergunta, fazendo a atenção de Jimin ir para si. O mesmo bloqueou a tela do celular, jogando-o na cama.


- Não acho que ela seja tão infantil. - Sorriu, fechando os olhinhos.


Jeon o achou tão fofinho naquele momento, e talvez ele tenha sido fofo desde que tenha chegado ali, mas era tão amor que era impossível não quase derreter quando ele sorria e instantaneamente os seus olhinhos se fechavam ou não comentar a fofura imensa que havia naquele único ser.


- Pode começar. - Disse, cobrindo os ombros, parecendo um pacotinho.


Jimin pigarreou, antes de começar: - Era uma vez, um rapaz chamado Park Henry...


- Park Henry? - Interrompeu.


- Sim. Cala a boca e me deixa continuar.


- Ok, senhor. - Sorriu.


- Ele vivia num reino muito distante, mas isso não quer dizer que aquele reino não era frequentado por alguém. Haviam reis, rainhas, plebeus, príncipes, princesas, e tudo quanto é tipo de cidadão por lá. Mas, príncipe Park se sentia solitário por lá, mesmo com vários cidadãos ao seu lado, ele nunca se sentia completo. Era uma vida normal, para um cara de um e setenta e três de altura, cabelos cinzas e olhos totalmente azuis...


- Está se descrevendo? - Jeon interrompeu, mais uma vez, fazendo Jimin bufar e olhar bem no fundo de seus olhos.


Jungkook sentiu medo por alguns segundos, sentindo aquele olhar queimar a sua alma também.


- Pode continuar. - Sorriu sem jeito.


- Era normal ele ser galanteador, e também era super normal tentar alguma coisa com qualquer tipo de moça e até mesmo com qualquer tipo de moço. E era legal para ele. Conversar, e interagir com todo mundo, mas ele nunca se sentia completo. Ele ainda não era rei e nem ligava muito pra isso. Ele sempre achou que a responsabilidade de ser um rei era muito chata e preferiria ser um príncipe para sempre. Muitas vezes, ele podia sair para bailes ou qualquer outro tipo de evento, e ninguém se importaria. Às vezes, nem ele mesmo se importava. O seu pai pouco fazia questão dele, pois era muito ocupado com o reino. A sua mãe às vezes não parecia tão presente mas ela era uma ótima rainha, e ele sabia também que ela era uma ótima pessoa. E tudo bem! Tudo bem que nem sempre ela desse todo o amor e apoio do mundo pra ele! Ela estava lá quando ele precisava, então meio que ele se sentia bem sabendo daquilo.


Jeon se espreguiçou, assim que percebeu ter um pouco da história do próprio Park Jimin ali.


- Com tantas festanças, com várias moças e moços, ele sempre procurava uma coisa em cada um com quem se relacionava. Ele sempre procurava o amor. Porque o amor, segundo ele, sempre fora a coisa mais maravilhosa que já existiu! E mesmo que ele nunca tivera experimentado o verdadeiro amor, sendo de pai, mãe ou até mesmo os seus irmãos que nem chegavam a conversar com ele, o príncipe sabia que era um sentimento muito bom e o mesmo queria amar alguém. Muito tempo depois, o príncipe acabou tendo dezessete anos e uma ordem fora dada pelo pai! Ele deveria encontrar uma esposa para viver ao seu lado no trono. Park não queria! Ele não queria sentar naquele trono e ser rei naquele reino! Ele se sentia insuficiente.


- Ele era insuficiente? - Perguntou, mais atento à história.


- Talvez. - Sorriu.


Jeon deu um sorriso de lado, ficando quieto novamente.


- Ele se sentia fraco pra isso. Mas, toda vez que tentava rebater as palavras de seu pai, Park sabia que apenas a ira de seu pai aumentava e mais nada passava de negócios. Então, ele acabou abaixando os ombros, pelo menos uma vez, acabando por deixar tudo isso de lado. Na mesma noite, o príncipe de cabelos cinzas saiu, totalmente irado com o pai, porque ele não tinha direito! Ele não podia impor aquilo! O príncipe estava irritado e, toda vez que ficava irritado, passava os seus dedos pelos fios totalmente cinzas. Os seus olhos azuis procuravam, eles sempre procuravam algo além do puro interesse que as pessoas tinham em sua grande fortuna. Mas ele sabia que: Park Henry era o único que podia sentar-se no trono.


- Por que? Ele não tem irmãos?


- Sim, mas foi a escolha de seus pais, além de ser o mais amado pelo reino.


- Ah... Continue.


- Era o único que fora escolhido. Mas, mesmo assim, ele sempre tentou. Claro, ele ficava frustrado porque nada, nunca, parecia dar certo. Porque nada e nenhuma busca parecia ser legal. Ele apenas parecia ser pisoteado cada vez mais e as pessoas apenas mostravam o mais puro interesse. Ele estava farto daquilo! - Arregalou os olhos, enquanto gesticulava para cima e para baixo com as mãos. - Por causa disso, ele apenas pegou o seu cavalo e saiu de lá. Claro, ele iria voltar, talvez naquela noite, talvez dois dias depois ou até mesmo na manhã do dia seguinte, ele não sabia. Tal príncipe também não tinha rumo, apenas estava cavalgando em florestas escuras e estradas totalmente desertas. Era algo um pouco complicado, perturbador e sombrio. Ele sentia um tantinho de medo, e ele nunca vai mentir sobre isso!


- Medo? - Perguntou, parecendo uma doce criança totalmente curiosa sobre a história.


Jimin apenas assentiu, sorrindo em seguida.


- Claro, todos nós sentimos medo e o príncipe não era um covarde que iria negar isso, então sim, ele sentia medo e é algo normal pra todo mundo. O príncipe suspirou assim que chegou em um local muito distante, era um vilarejo, onde as pessoas eram muito humildes, gentis. Estavam tocando um tipo de sanfona alegremente, deixando todo mundo ver e escutar aquele pequeno espetáculo. Muitas pessoas não sabiam quem ele era, porque ele foi para tão longe que ninguém poderia ter notícias suas. Ninguém iria descobrir e ele tinha a plena noção disso...


- Jimin...


- Hm? - Olhou para o Jeon, que agora tinha os braços cruzados e um bico pequeno em seus lábios.


- Nada não... - Sorriu, mostrando os dentinhos avantajados.


Jimin suspirou, acenando com a cabeça, pensando mais um pouco antes de continuar: - Ele sabia que ninguém ia ter relação alguma com ele por puro interesse em sua fortuna. Andou calmamente pelo vilarejo, achando as casas tão bonitinhas e arrumadinhas, muitas delas eram cheias de flores, com cores vibrantes e energia positiva. Amarelo era uma das mais usadas, e amarelo lhe trazia alegria. Diferente das cores do reino em que vivia, que eram intercaladas entre preto, branco e cinza. Amarelo lhe trazia uma sensação de paz; era bom e calmo. Ele se sentiu tão bem ali... - Se deitou no pé da cama, olhando para o teto dali. - Ele se sentiu acolhido pela primeira vez na vida... - Suspirou. - Depois de tanto andar, Henry havia ficado cansado mas ele não sabia onde ficar. Talvez ficasse numa daquelas pequenas pousadas onde havia encontrado grande conforto ou apenas pediria ajuda para alguém desconhecido. Uma garota parou atrás dele, tocou em seu ombro e a sua doce voz saiu de sua boca, lhe perguntando se estava perdido. Ele disse que não estava, apenas estava com frio e não sabia onde ficar, a moça sorriu gentil, lhe estendendo a mão, que foi apertada por Park Henry.


- Quer deitar aqui? - Jungkook perguntou, apontando para o seu lado. Estava vazio, porque Jeon estava totalmente escorado na parede, escutando a história.


Jimin sorriu, se arrastando até lá. Murmurou um obrigado, continuando em seguida.


- Aos olhos dele, ela parecia tão boa e bonita. Ela lhe trouxe energias boas; positivas, lhe deixou alegre. Ela lhe disse o seu nome e ele apenas apresentou-se como "Henry". O jovem não queria expor o seu sobrenome. Park pensava que talvez ela soubesse dele, e se ele revelasse seria um caos, mas o mesmo não sabia que a garota era de uma família pobre mas fora criada com muito amor; carinho, e tinha um coração bom, transbordando a mais pura inocência; os seus sentimentos eram puros. A moça levou Henry para a sua casa, lhe oferecendo o pequeno quartinho de hóspedes que ali tinha. Park agradeceu e recebeu de bom grado a pequena ação da menina. Depois de um tempo, ele teve que voltar para a casa e dizer para a linda moça que logo voltaria para vê-la novamente, porque ela havia sido uma ótima companhia. Henry voltou para casa e, pela primeira vez, chorou por alguém.


- Por que ele chorou? - Juntou as sobrancelhas, enquanto olhava a boca de Jimin se mexendo.


O mesmo apenas levantou a mão esquerda, mostrando a palma, indicando que era para ele esperar.


- Ele chorou de saudade e quando percebeu aquilo, o seu peito pulou de alegria, e aí ele se perguntou se estava sentindo saudades dela por que o mesmo sentiu o amor. Então, ele teve que voltar lá, e ia todas as vezes que podia, mas nunca contava a ela sobre o seu pequeno segredo. Até que um dia ele se cansou e disse que queria contar algo para ela! Henry contou e a mesma, com certeza, ficou surpresa, porque ela estava boquiaberta, os olhos estavam levemente arregalados e as sobrancelhas suspendidas. Ele achou que iria perder o amor da sua vida naquele momento...


- AH NÃO. SE ELES NÃO FICAREM JUNTOS, EU VOU TE PROCESSAR! - Jeon exclamou, apontando para Jimin enquanto a sua expressão estava um tanto incrédula. Park soltou uma risadinha, voltando a contar.


- Então começou a chorar, implorando para ela não o deixar. A moça apenas sorriu doce, dizendo: "(...) - Henry, por que eu te deixaria sendo que você se tornou o amor da minha vida?"


Jimin sorriu novamente, indicando que havia terminado de contar a sua pequena historinha.


Jeon aplaudiu, enquanto a sua boca estava um pouco curvada para baixo, mostrando a sua covinha na bochecha esquerda.


- Obrigado, obrigado. - Tentou se curvar, ainda sorrindo.


- Ok... E o que aconteceu depois?


- Bom... Na verdade, aí já vai da criatividade do ouvinte ou leitor.


- Ah...


- E o que você imagina que aconteceu? - Perguntou totalmente interessado em saber, apoiando o queixo na mão e olhando diretamente nos olhos de Jeon.


- Eu acho que... - Também apoiou a mão no queixo, olhando nos olhos de Jimin também. - Talvez eles tenham enfrentado bastante coisa, sabe? O rei não a aceitou apenas por ser uma garota humilde, e eles foram contra o pai dele. Deve ter sido difícil mesmo mas eles lutaram para a felicidade.


- E no final? Eles conseguiram?


- Sim.


- Por que?


- Porque eles estavam juntos, dando força um para o outro. - Sorriu. - Mas eu trocaria a garota por um rapaz.


- Eu também. - Sorriu também, fazendo as íris azuis sumirem, dando espaço para o eye-smile.


- A história ficou bonita, Jimin.


- Ah... - Coçou a nuca, quebrando o contato visual que ainda tinham. - Eu acabei de inventar.


- Ficou bonita do mesmo jeito. - Sorriu de lado, sem mostrar os dentes mas destacando a covinha e a pequena pintinha que tinha embaixo do lábio inferior.


- Obrigado, novamente. - Riu de leve, tampando um pouco a boca.


Jungkook apenas ficou o olhando. O rapaz tinha costume de fazer isso; olhar por longo tempo qualquer pessoa. E não importava se a pessoa iria morrer de vergonha ou não, ele sempre olhava.


Nessa, Jeon acabou encontrando várias coisas que chamariam a atenção de qualquer um. Desde os fracos brilhinhos em seus olhos até o seu dente um pouquinho torto, que o deixava extremamente fofo. As pequenas covinhas que ele tinha um pouquinho afastada da boca, mas que não chegavam a ser exatamente em suas bochechae, e o lábio inferior cheinho e vermelhinho.


Suspirou, relaxando. A sua cabeça estava em cima do braço direito, que estava esticado. A sua mão esquerda estava em frente ao seu peitoral, enquanto os seus olhos ainda encaravam Jimin.


- Bom... - Lambeu os lábios, murmurando baixinho: - Você... Se lembra do seu primeiro beijo, Jimin? - Sorriu, olhando para os lábios do mais velho, sem segundas intenções, apenas fora uma ação para indicar ao que ele se referia.


Jimin saiu da posição que estava, ficando do mesmo jeito que Jungkook estava: - Sim, eu me lembro.


- E como foi?


- Ruim. Muito ruim. Credo. Ruim ao extremo. - Abanou as pequenas mãos, como se estivesse empurrando algo para o lado.


Jeon riu do jeito que o menor havia se expressado.


- Hm, conte-me mais...


- Ah... Foi babado, sabe? O garoto não sabia beijar também, eu muito menos e foi isso.


- O seu primeiro beijo foi com um garoto? - Arregalou um pouco os olhos, mostrando que havia ficado surpreso com a pequena confissão.


- Sim. Eu sempre fui mais puxado para os garotos. Tipo, eu sempre preferi pau do que boceta, entendeu?


- Entendi. - Assentiu, escutando a gargalhada de Jimin.


- Me desculpa. - Sorriu mais uma vez, e já tinha sim parado de contar quantas vezes tivera sorrido e gargalhado naquele dia, noite ou se quiser, madrugada.


Jeon negou, sentindo um sentimento bom se alastrar em seu peito. Era legal saber que Jimin o entendia de certo modo, e era legal saber que não iria sofrer nenhum tipo de ofensa vinda do irmão.


Bocejou, fechando os olhinhos. Ele estava cansado, fazia um tempinho que não dormia. O rapaz de cabelos negros tinha problemas com o sono, assim como o irmão, e nunca era legal. Normalmente, ele tinha pesadelos envolvendo pessoas que haviam o machucado e que tinha um certo medo de revê-los algum dia qualquer.


Sentiu as mãos pequenas e macias de Jimin passearem sobre os seus fios negros, enquanto sentia o sono vir de forma bruta. Os seus olhos pesavam cada vez mais, e ele não queria lutar. Apenas relaxou, sentindo o carinho em sua cabeleira até finalmente adormecer.


Park apenas olhou o rosto adormecido do irmão; ele era lindo. Era legal e até mesmo atrevido, mas o pequeno tinha gostado daquilo.


Uma lufada de ar saiu de sua boca, um bocejo veio em seguida, enquanto ele se levantava e descia da cama quentinha e macia.


Andou até o interruptor, diminuindo um pouco a iluminação. Ele odiava dormir no escuro, por isso algo sempre deveria estar ligado ou com, no mínimo, uma fraca iluminação.


Subiu novamente na cama de Jungkook, e não saberia se ele iria gostar da ideia de que Jimin estava ali, dormindo ao seu lado, mas mesmo assim o fez. Deitou-se ao lado do moreno, voltando a mão em seus fios macios, fechando os olhos e esperando o sono.


Havia tido um dia bom, era realmente legal ter conhecido Jungkook, e não se arrepender disso. Achou o garoto uma graça e prometeu a si mesmo que iria descobrir mais sobre ele, e cuidar do mesmo.


Talvez fosse um novo começo, uma nova fase, uma nova vida.



Notas Finais


a alegria e o caos
os demônios de que somos feitos
eu estaria tão perdido se você me deixasse sozinho

você se trancou no banheiro
caída no chão quando eu entrei
eu te peguei para sentir seus batimentos cardíacos
você pode me ouvir gritando: por favor, não me deixe?

espere eu ainda te quero



eu esqueci de fazer uma pergunta pra vocês.................... se importariam se eu trouxesse um "livrinho" pessoal aqui? neles há textos um tanto... depressivos? mas eh isto.

e, vocês se importariam caso eu fizesse perguntas em todos os finais de cada capítulo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...