1. Spirit Fanfics >
  2. Pars a me - SasuSaku e ItaSaku >
  3. Três

História Pars a me - SasuSaku e ItaSaku - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Voltei com o penúltimo capítulo (eeee)

Boa leitura 🥰

*não revisada, desculpem os erros!!

Capítulo 3 - Três


                                                 By.: Jasminery 


Já era quase a hora do almoço, quando Sasuke estacionou o carro em frente a casa dos pais. Pegou seu celular no porta luvas vendo se tinha alfuma ligação perdida, mas nada achou. Quando voltou seu olhar para cima, pode ver atravez do retrovisor, seu irmão fazer o mesmo que fizera a minutos atrás, mas o estranho foi ver seu irmão sair do carro vesti do as mesmas roupas que vestirá no dia anterior. Franziu o cenho com a ideia que passará por sua mente.

- Sasuke, bom dia! - chamou Itachi dando duas batidas na janela do carro ao lado do motorista. - O que faz aqui?

- Eu esqueci minha carteira ontem. - falou saindo do carro - passou a noite fora? - perguntou o obviu.

- Sim! - foi sucinto em sua resposta.

- Com Sakura? - insistiu por mais detalhes.

- Porque a pergunta?

- Curiosidade?

- Apenas curiosidade? - arqueou uma sobrancelha.

- Porque seria outra coisa além de curiosidade?

- Não sei... - deu de ombros - Mas sim, estávamos juntos.

- Itachi... - parou em frente a porta que dava acesso ao interior da casa e olhou para o irmão.

- O que foi? Vai falar que ela não é pra mim novamente?

- Não é isso, só não quero que a machuque e...

- Será que sou eu mesmo que irei machuca-la Sasuke? - o interrompeu.

- Oque? - perguntou confuso.

- Relaxa irmão. - Itachi suspirou, tentando amansar a voz - Somos apenas amigos.

- Amigos?

- Sim! - abriu a porta e enteou, sendo seguido pelo mais novo. - Você não é amigo dela também?

- Sim, mas nós...

- Não transam? - riu sarcástico, interrompendo o irmão mais uma vez - acho que Sakura gosta de ter amizades coloridas com os Uchihas.

- Itachi... - o repreendeu.

- Relaxa irmãozinho, eu sou um bom pau amigo. - piscou e subiu as escadas que levavam ao segundo andar de dois em dois. Sasuke ainda pode escutar seu irmão dar bom dia a mãe e falar que iria tomar banho.

Sasuke também se pronunciou, esperando a mãe descer enquanto este caminhava para a cozinha pegar um copo d'água. Assim que Mikoto apareceu em seu Como o de visão, ele lhe dera um beijo no alto da cabeça lhe desejando bom dia.

- Bom dia meu amor. Sua carteira está na mesinha da sala.

- Obrigado mãe. Cadê papai?

- Foi caminhar um pouco, daqui a pouco está aí. - Sasuke acenou. - Aconteceu algo filho? Brigou com Ino. - perguntou ao reparar a cara fechada de Sasuke.

- Oh, não não. Está tudo bem mãe.

- Então porque essa cara angustiada?

- Não é nada...

- Sasuke, eu te conheço. - suspirou.

- Mãe, - começou a falar, dado por vencido - a senhora já teve a sensação de ter algo muito bom em mãos, mas sentir que estar perdendo?

- Oras... porque você perderia algo bom filho? É só agarra-lo com todas as forças.

- Mas se você não tiver forças para agarra-lo?

- Isso significará que não vale tanto pra você como imagina.

- Aí é que tá... eu sinto que vale tanto quanto minha vida, mas não sinto que tenho forças para agarra-lo.

- Sasuke... do que você está falando filho?

- Deixa pra lá mamãe. Eu já vou indo, combinei de almoçar com Ino.

- Ok meu amor... eu te levo até a porta.

Caminharam juntos até a porta da frente e assim que mais um beijo foi depositado no alto da cabeça de Mikoto, Sasuke se virou para seguir seu caminho.

- Sasuke. - chamou Mikoto. - as vezes certas coisas doem ao ir embora, mas devemos deixá-las partirem, para coisas melhores poderem vir. Agora vá com Deus meu filho, sua esposa o espera. - Sasuke então acenou e entrou no carro. Colocou as mãos no volante e pensou por um tempo no que sua mãe lhe dissera.

- Pena que eu não consigo deixá-la ir mãe. - sussurrou apenas para si.



                                     •••



Dias haviam se passado desde o aniversário de Mikoto, dias esses em que Sakura havia sentido Sasuke um pouco distante de si. Ela estava louca para conversar com ele, mas a correria do trabalho daquela semana não estava dando espaço para tal ato.

Porém, naquele dia, ele estava atolado de trabalho e por isso, ficaria até tarde na empresa.

Ela já sabia o que ele estaria fazendo, então sem pensar muito entrou em sua sala sem bater, colocou as duas sacolas em cima de sua mesa e caminhou até a pequena varanda que tinha ali. E mais uma vez aquela cena lhe era repetida. Ele estava encostado no murinho, com a camisa preta de botos aberta até a metade, as mangas enroladas até os cotovelos deixando a mostra suas inúmeras taruagens e em uma das mãos, um cigarro.

- toc toc, posso entrar. - disse com a voz suave.

- Sakura? O que faz aqui a essa hora?

- Oras, vim trazer algo pra você comer. Também vim prestar os meus serviços e tentar te ajudar com toda a papelada. - sorriu, se aproximando dele.

- Não precisa.

- Eu não te perguntei nada. - pegou o cigarro da mão dele e levou até a própria boca.



(...)



Apoiaram a comida na mesinha de centro, santando-se no chão, em cima do tapete felpudo em frente ao grande sofá da sala de Sasuke. Comeram tranquilamente enquanto conversavam coisas banais, mas mesmo assim, Sakura via que algo ainda incomodava o Uchiha.

- Bom, vamos trabalhar agora.

- Não precisa me ajudar pequena, é sério. - insistiu.

- Mas eu quero.

- Você deve ter algo melhor a fazer... - deixou a frase morrer.

- Tipo...?

- Meu irmão. - deu de ombros. Sakura então o olhou desconfiada.

- Te incomoda o fato de eu ser amiga de Itachi?

- Não - olhou bem sério para a rosada. - me incomoda o fato de você transar com ele. - Sakura abriu a boca por um instante, tamanha a surpresa que tivera com tal sinceridade vinda de Sasuke.

- Uau... - levou um tempo para assimilar e quando isso aconteceu deu de ombros, levando na esportiva - o que eu posso fazer, se os Uchihas tem... são! Sãoirresistíveis? -  Sasuke rolou os olhos.

- Só não se iluda, nunca vi Itachi namorar. Ele tem 32 anos e ainda não sossegou. - Sakura riu.

- Não vejo problema nenhum até então. Eu só quero sexo bom Sasuke, idade não importa, pelo contrário, mas experiência, mais prazer. - mordeu a língua e piscou - E sete anos nem é muita coisa. - deu de ombros.

- Eu te dou prazer!

- Sim... mas é um homem amarrado.

- Mas você sabe que é só me pedir...

- Você sabe que não é assim Sasuke, isso é errado.

- Mas somos eu e você, não é errado. - levou a mão até o pescoço da mesma, acariciando sua nuca, aproximando seu rosto para sussurra em seu ouvido - Eu ainda sou o melhor sexo da sua vida. - desceu beijos por seu pescoço. 

Sakura já estava entorpecida de prazer. Era incrível como só o toque do Uchiha a fazia molhar a calcinha daquele jeito.

- Melhor sexo, é?!

- Uhum!

- Terei que averiguar isso de novo.

- Não seja por isso. - virou o rosto dela, a beijando com volúpia.

- Porque eu nunca consigo dizer não a você Sasuke? - disse entre um beijo e outro.

- Porque tem uma parte sua que pertence apenas a mim Sakura... - respondeu e voltou a beija-la.

- E você Sasuke? Uma parte sua pertence a mim?

- Para todo o sempre... 

E assim, se amaram mais uma vez naquela sala.



                                   •••



O telefone jogado entre os lençóis em cima da cama começa a tocar desesperadamente, enquanto Sakura tenta acha-lo, porém assim que o pega, o som emitido pelo aparelho cessa.

Sakura olha na tela e vê que a ligação perdida era de Itachi, o retorna sentando na cama apenas de toalha o esperando atender.

- Oi tutti-frutti.

- Oi Ita, desculpa não atender antes. Perdi o telefone no meio da coberta. - riu.

- Acordando agora? Que errado coisa rosa.

- Claro que não. Apenas estava com preguiça de sai da cama. Mas já levantei, acabei de sair do banho.

- Hm... Eu gosto de banhos, principalmente quando os tomo com você.

- Idiota. - riram.

- Vai fazer algo hoje?

- Sim, vou ao shopping, tenho que comprar um vestido para a festa da empresa.

- Hmmm...

- Quer ir comigo? Assim você me ajuda a comprar um adequado.

- Virei seu amigo gay agora?

- Não, mas ainda é meu pau amigo, ou seja, não serve apenas pra transar. - Itachi gargalhou.

- Okay, passo na sua casa daqui a meia hora.

- Te aguardo.



(...)



A campainha toca, mas Sakura se quer escuta. Estava mais focada em brigar com Sasori pelo último pedaço de torta que sua avó fez, porém o som não ficou desapercebido por Chiyo.

- Pois não. - pergunta ao abrir a porta e dar de cara com Itachi.

- Err... a Sakura está? - pergunta sem graça. Ele não esperava que outra pessoa além da rosada abrisse a porta.

- E quem quer saber? - perguntou desdenhando.

- Itachi, me chamo Itachi senhora. É um prazer. - a cumprimentou.

- Hm... um belo nome, tão belo quando você rapaz. - sorri simpática. Ela sabia exatamente quem era aquele rapaz - ou achava.

- Obrigado.

- Então você é o namorado da minha neta? - Itachi quase se engasgou com a pergunta.

- Namorado?

- Ah... vocês jovens. Na minha época tomávamos compromisso antes mesmo de nos beijar, hoje vocês vivem passando a noite juntos e chamam isso de que mesmo? - pensou - ficar né?!

- Senhora... - chamou sem graça coçando a nuca.

- Acha que sou boba rapaz? Minha neta é um espírito livre, nunca consegui dete-la de fazer nada. Nem com o pobre do meu coração fraco, essa garota nem se quer tenta esconder que vai passar a noite fora. - suspira.

- Baa-chan! - Sakura chama antes que Itachi pudesse responder. 

Depois que percebeu que sua avó não estava mais vendo a cena protagonizada pelos netos, foi atrás e a viu conversando com Itachi - assim você deixa o Itachi com vergonha. - passou pela avó, ficando a frente do moreno.

- Ora... vocês ficam com vergonha com apenas uma conversa, mas pra fazer saliência não?

- Dona Chiyo!  - exclamou e então a mais velha começa a rir.

- Vamos, entrem... vamos comer algo descente antes de vocês saírem.

- Não precisa se preocupar senhora Chiyo.

- Não me preocupo rapaz, mas faço questão. Vamos.

- É melhor entrarmos um pouco, Itachi. - sussurrou no ouvido do moreno - Baa-chan pode assustar as vezes. 

- Eu já tô todo cágado Sakura. - riram.

- Uchiha!

- Sasori, como vai? - se cumprimentaram.

- Bem... Então vocês...? - apontou do Uchiha para a prima r voltou para ele.

- Vamos ao shopping. - Sakura respondeu, iguinorando a verdadeira pergunta do primo. - Itachi vai me ajudar a achar um vestido para a festa da empresa.

- Virou o amigo gay da minha prima agora Uchiha?

- Tipo isso. - riram juntos.

- Então, você trabalha em que rapaz? - perguntou Chiyo.

- Baa-chan...

- Sou vice-presidente... - respondeu cortando Sakura.

- Ele é meu chefe baa-chan. - cortou o moreno tambem, e Chiyo arregalou os olhos.

- OQUE? - gritou espantada. - Você está transando com o seu chefe Sakura? Aonde foi para o seu juízo menina...?

- Baa-chan!

- Baa-chan, baa-chan, baa-chan... só sabe falar isso?

- Vamos Ita - pegou a mão de Itachi e saiu arrastando o moreno para fora de casa. - Não me esperem... - gritou ao chegar na porta de casa.

- Juízo! - gritou a mais velha que pois-se a rir da neta.

- A senhora é ruim, Baa-chan! - disse Sasori.

- Ela mereceu. Essa garota só me dar dor de cabeça. - o ruivo riu.

- E como sabe que ela e o Uchiha então juntos? Eles podem apenas ser amigos.

- Não não, sua baa-chan já viveu muito. O jeito que ele ficou quando eu abri a porta e não Sakura, ele estava nervoso, como se estivesse conhecendo os sogros, além do mais, eu já escutei ela falar com ele no telefone várias vezes, então quando ele me disse o nome, eu ao liguei os fatos.

- Tá, mas se mesmo assim eles serem só amigos?

- Aí a vergonha dela só vai ser maior. - riu - Não me importo, só queria a deixar sem graça. Essa menina só me apronta, quase todo o final de semana dorme fora e nenhum telefonema se quer... - balançou a cabeça negativamente. - pelo menos esse rapaz parece ser alguém decente.

- Não se preocupe baa-chan, Sakura pode ser meio doida, mas não é a tia Mebuki.

- Que Kami te ouça meu filho!



Ao entrarem no carro Sakura respirou fundo antes de começar a falar.

- Me desculpe pela Baa-chan.

- Está tudo bem Sakura - riu - agora eu sei quem você puxou. - riu mais uma vez e Sakura o acompanhou.

- Ela só vez isso por vingança.

- Porque?

- Porque eu praticamente durmo contigo todo o final de semana.

- Tsc... então acho que temos que mudar um pouco as coisas...

- Como assim? - perguntou confusa.

- Ao invés de sairmos, agora venho dormir aqui com você. - Sakura gargalhou.

- Vai se fuder Itachi.

- Só mais tarde. - riu é piscou para ela - Mas agora falando sério, Sasori mora aqui também?

- Sim.

- Eu não sabia... Você nunca me contou muito sobre sua família, principalmente de seus pais.

- Não tem muito o que dizer...

- Discordo. Normalmente quando se dizem isso é justamente porque se tem muito a dizer.

- Não, é verdade. Não se tem muito a dizer sobre minha família. - suspirou.

- Tudo bem se não quiser falar.

- Não é isso. - suspirou - Bom... resumidamente, sempre fomos do interior. Baa-chan teve duas filhas, tia Megumi e Mebuki, minha mãe. Mas minha mãe sempre foi problemática e aos 17 anos, dois anos depois que meu avô morreu, ela fugiu de casa. Um ano depois minha tia casou com o Tio Terumi e mais dois anos depois tiveram Sasori. Quando minha mãe completou 21 anos ela voltou pra casa, na época ela já estava grávida de mim, 2 meses apenas. Ela não disse pra ninguém quem era meu pai e eu duvido muito que ela saiba quem é. Baa-chan achou que ela iria finalmente sossegar, mas foi só eu nascer e o resguardo acabar que ela quis ir embora de novo, mas ela não quis me levar, então me deixou com Baa-chan. Quando eu tinha 14 anos e Sasori 16, o tio Terumi recebeu uma proposta de emprego e então eles se mudaram do interior. Mas eu e Sasori sempre quisemos estufar em Tokyo. Então quando Sasori passou, ele mudou para cá. Eu também passei, você sabe. Mas a saúde de Baa-chan piorou então eu desisti. Mas quando tudo voltou a piorar, conversei com meus tios e Sasori e decidimos trazer-la para Tokyo nem que fosse a força. - riu com a lembrança - Então Sasori que morava em um apartamento bem pequeno procurou uma casa e então nos mudamos para cá. Baa-chan agora está bem, e não quer que os netos parem a vida completamente por causa dela. Mas mesmo assim, eu e Sasori revezamos para cuidar da nossa velha. É isso. - deu de ombros.

- E seus tios e sua mãe?

- Meus tios nos visitam sempre que dá. Já minha mãe, é um caso perdido Ita. - suspirou triste.

- Eu sinto muito.

- Não sinta, é sério. Eu... eu não sinto a nescessidade de ter ela por perto já faz muito tempo. 

- Melhor assim.

- Sim!

- Sua avó tem medo que você seja igual sua mãe?

- Bastante. - riu. - Mas eu não sou Ita. Eu sou meio louca, mas não sou Mebuki.

- Eu sei... e ela também. Não se preocupe. - Sakura sorriu e acenou...



(...)



- Então, o que quer fazer primeiro? - perguntou Itachi assim que entraram no shopping.

- Hmm... comer?

- E o que você quer comer?

- McDonalds. - Itachi a olhou meio confuso. Era hora do almoço e ela estava pedindo fast food? - O que? Você já deveria entender que não sou de dieta. - então ele riu.

- Sim, e eu amo isso em você...

Depois de comerem, começaram a caminhar sem pressa pelo shopping, olhando cada loja de roupa feminina, porém em todas Sakura saia frustrada.

Itachi reparou que o problema que Sakura enfrentava não era por ela ser indecisa. Isso ficou bem claro quando ela entrava nas lojas e apenas olhava os vestidos. As vendedoras até insistiam para que ela experimentadas as peças de roupa, mas foram poucas as que ela aceitou. Três vestidos para ser mais exato. 

Mas o problema ali, era que Sakura realmente não tinha achado algo que ela realmente gostasse. A rosada tinha um estilo próprio, despojado e era até difícil traze-lo para algo mais... formal. Por mais que ela conseguisse fazer com maestria no seu dia a dia.  

Mas ela queria algo especial para a ocasião.

Itachi sentia a frustração vindo dela, e mesmo falando que ele não estava entediado ou chateado por estarem vendo roupas femininas quase o dia todo, a preocupação era algo visível na face feminina.

Foi então que Itachi olhou para um lado, e viu, em uma pequena loja, a qual não parecia ser de marca, a vendedora ajeitando um vestido preto num manequim. Segurou Sakura pela mão e a levou até lá.

- Encontrei o vestido ideal para ti.

E assim que Sakura bateu o olho na peça, o moreno pode contemplar um sorriso radiante surgir na face feminina.

- Experimente Sakura.

- Haaaaaai!

E ele não pode negar. Assim que aquela mulher saiu do provador, vestindo o bendito vestido, que ali estava a mulher mais linda do mundo em sua concepção. Ela rodopiou para ele vê-la melhor e entao perguntou:

- O que achou?

- Perfeito! - e mais uma vez ela sorriu.

- Então é esse.

O vestido era simples, porém a cara de Sakura. Totalmente preto, de gola careca bem fechada. Era colado até a parte da cintura e sua saia - curta - era rodada. As mangas eram boca de cino, bem compridas e para finalizar, uma corda dourada traçada e amarrada em sua cintura, davam um ar de uma vestimenta medieval a peça.



(...)



Já era noite quando saíram do shopping, Itachi a levou para comer algo - desa vez decente - e depois estacionou em frente a casa dos pais.

- O que estamos fazendo aqui Ita?

- Ora, você vai ficar comigo hoje.

- Mas aqui, na casa dos seus pais? Claro que não.

- E porque não? Meus pais viajaram ontem, não tem ninguém em casa, e além do mais a casa também é minha. Eu ajudo nas despesas, run! - fez bico.

- Tem certeza? - mordeu o lábio indecisa.

- Tenho sim! E sinta-se lisonjeada, nunca trouxe uma mulher aqui.

- Nossa... - falou em tom de deboche - que honra. - riu.

- Engraçadinha. - disse saindo do carro.

Ele pegou a mão dela e a guiou até seu quarto. Abriu a porta e deu passagem para que ela entrasse primeiro, e logo em seguida passou suas mãos pela cintura da mesma, a abraçando por trás e enfiando seu rosto na curvatura do pescoço feminino, depositou um beijo ali.

- Então, quando vai me devolver meu livro.

- Passei um pouco da metade agora. O livro é enorme e mal tenho tido tempo para ler.

- Hm... - continuou com os beijos, agora também dando leves mordidas.

- Ita... - chamou manhosa.

Ele subiu as mão, apertando seu seio esquerdo, a ouvindo gemer baixinho. Sakura jogou a cabeça para trás, ficando apoiada no ombro do moreno enquanto sua mão direita adentra a os cabelos negros e compridos dele.

As mãos grandes voltaram para a cintura de Sakura, a puxando de encontro a si, a fazendo empinar o bumbum e sentir a ereção já proeminente do mais velho. 

Então ele segurou na barra da camisa dela e puxou para cima junto com o sutiã. A virou logo em seguida, tomando a boca dela para si com fervor. Ela não perdeu tempo, puxando a camisa dele também para cima, até ter o tronco nu a sua frente, completamente exposto para suas mãos explorarem. 

Mas ela não se demorou ali, descendo mais em busca do cós da calça afim de abrir o botão e zíper e arrancar a peça do corpo dele.

Sakura foi empurrada com certa brusquidão excitante, caindo sobre o colchão fofo de Itachi. Enquanto o mesmo, agora completamente nu, arrancava com pressa, sua calça jeans, tirando a calcinha e tênis, tudo junto.

Eles não estavam afim de preliminares naquele momento. Estavam sedentos um pelo outro.

Assim que Itachi arrancou o resto da roupa de Sakura, ela enlaçou sua mão direita na nuca dele e o puxou para si, colando novamente seus lábios e automaticamente seus corpos. Ele massageava o membro, enquanto se posicionava melhor em cima do corpo pequeno e de uma vez só a penetrou. 

Escutou ela soltar um gemido abafado pelo beijo, o que o escitou mais ainda, o fazendo penetra-la cada vez mais forte, cada vez mais rápido...



(...)



Quando o dia amanheceu, eles ainda se encontravam nus em cima da cama. Itachi foi o primeiro a despertar, mesmo o quarto estando bem escuro devido ao blecaute da cortina, seu relógio biológico era completamente certeiro.

Mas ao contrário do que normalmente faz, ele não levantou. Ficou apenas ali, admirando a mulher que estava ao seu lado e tentando por sua mente em ordem.

Já havia alguns meses que estava saindo com Sakura, e tinha noção que ela também ficava com seu irmão de vez em quando. Mas não conseguia se importar tanto, por mais que lá no fundo, sentisse sim, ciúmes da rosada.

Eram sentimentos estranhos.

Queria cumprir com o trato que fez com seu pai, de se aproximar de Sakura como amigo, fazer com que Sasuke sentisse ciúmes e assim, o fazer pensar se forá certo casar com Ino. Sabia que o irmão gostava da rosada, que tinha ciúmes quando os via juntos, mas não conseguia entender o porquê do irmão não fazer nada para mudar tal situação.

Porém, uma parte de si agradecia por tal coisa. Talvez por isso mesmo ele não se importasse tanto que Sakura ficasse com o irmão também, pois ele sabia que Sasuke não tinha coragem para mudar nada, sinal que não gostava de Sakura como seu pai achava e assim, Itachi tinha a oportunidade de estar mais ao lado da rosada.

Ah... Era tão complicado.

Itachi tinha total consciência que algo havia mudado dentro de si esses últimos meses. 

Ele antes tinha vontade de ficar com Sakura, pois ela era linda e gostosa. Admirava ela por ser alguém inteligente, gentiu, alegre e boa funcionária. 

Mas de uns tempos para cá, precisamente desde que começou a ficar com ela, não sentia mais a nescessidade de ficar com outras mulheres. 

Achava sempre um jeito de incluir a rosada em seu dia a dia, sentia falta dela e ciúmes quando a via conversando com qualquer cara dentro da empresa. Passou até a viajar menos, coisa que não passou despercebido por sua mãe.

Céus... e agora ele estava ali, contemplando aquele corpo nu, coberto apenas por tatuagens espalhadas por todo o seu corpo, mesmo que ainda houvesse um grande espaço de pele "limpa" para se contemplar.

Isso o fez lembrar que Sakura era a primeira mulher a deitar naquela cama consigo. Itachi sempre respeitou os pais e achava que levar uma garota para sua casa apenas para transar, seria um grande desrespeito, principalmente a sua mãe que sempre lhe ensinou a respeitar as mulheres e os mais velhos. Mas com Sakura era diferente, ele realmente não se importava de estar ali com ela.

E em um ato não pensado, levantou a mão e ajeitou uma mecha rosa atrás da orelha, a fazendo abrir os olhos lentamente e sorrir para si. Itachi devolveu o sorriso, depositando um selinho nos lábios rosados e carnudos da Haruno.

- Desculpe te acordar. - sussurrou.

- Está tudo bem, não tem problema. Vem cá. - chamou o mais velho para mais perto de si, ageitando-se na cama e abrindo os braços para recebe-lo, sem se importar com a sua nudez. Itachi abrir um sorriso, depositando sua cabeça em cima da barriga da mais nova, enquanto essa o fazia um cafuné.

Ele amava quando Sakura lhe fazia tal carinho. Era algo tão íntimo, tão... só deles.

Itachi fechou os olhos, aproveitando mais do carinho em seus cabelos emaranhados pela noite de sexo, sentindo o cheiro próprio do corpo de Sakura, misturado ao cheiro - agora leve - de suor invadir suas narinas. Sua mão esquerda foi para a cintura dela a apertando levante e depois a acariciando com o dedão. Ao abrir os olhos novamente, viu a perna direita de Sakura dobrafa e então fitou a tatuagem que nunca prestou tanta atenção.

Viu que era uma escrita, então  sua curiosidade falou mais alto, o fazendo perguntou:

- Essa frase...? - levou a mão até o desenho e o acariciou levante com as pontas dos dedos.

- "I will walk together, the future not promised yeah It keeps walking together, to the future in which you are." - disse lentamente - é a frase de uma música que eu amo. "Eu andarei junto, ao futuro ainda não prometido, yeah Continuaremos andando juntos, para o futuro onde você está", não é algo lindo? Não sei... essa frase sempre mexeu comigo, então tatuei.

- Eu gostei. - Sakura sorriu. - me mostra a música depois?

- Mostro sim.

- Todas as suas tatuagens tem significados?

- Todas!

Itachi então levantou a cabeça e olhando para âncora tatuada no meio dos seios de Sakura, depositou um beijo casto em cima da mesma. 

- E essa?

- Me lembra todos os dias de ser pé no chão, me lembra o meu lugar, pra jamais me tornar a minha mãe.

Então ele pegou o pulso direito de Sakura e beijou em cima do desenho da palavra em inglês "faith".

- Essa?

- Pra me lembrar que mesmo que alguém te decepcione, não podemos perder a fé nas pessoas.

E mais uma vez ele olhou outra tatuagem, dessa vez no ombro da garota, beijando o desenho que continha uma pequena constelação.

- Essa?

- Que eu posso ter um mundo somente meu.

- Doi? - perguntou olha do nos olhos dela.

- Sim, mas não é ruim no final.

- Hm...

- Você não gosta?

- Gosto, bastante. - sorriu.

- E porque não tem uma?

- Sei lá... acho que medo, - riu olhando para baixo com vergonha - mas não conte a ninguém. - sussurrou.

- Não vou contar, se for comigo fazer uma.

- O que?

- Isso mesmo! Escolhe um desenho, você vai fazer uma tatuagem.

- Não Sakura - riu nervoso.

- Não confia em mim?

- Mas que tudo. - ela lhe deu um beijo calmo, puxando um pouco para si o lábio inferior dele.

- Então pronto, eu estarei lá, com você, por você. - voltaram a se beijar e se amaram mais uma vez.



                                    •••



Uma semana se passou, e mais uma vez o final de semana chegou, mas uma vez Sakura se encontrava em frente a porta da casa dos Uchihas.

A diferença?

Dessa vez os patriarcas estavam em casa!

Apertou a campainha e não demorou muito para Mikoto abrir a porta, sustentando um sorriso radiante na face.

- Sakura, querida, como vai? - a abraçou.

- Dona Mikoto, vou bem e a senhora?

- Ora Sakura, já disse, apenas Mikoto e nada de senhora. Sou velha, mas ninguém precisa saber. - riram.

- Desculpe don... - se interrompeu. - Mikoto!!

- Assim está bem melhor, agora entre. Veio ver Itachi?

- Sim, nós vamos sair.

- Ele comentou... ele está acabando de se arrumar no quarto, se quiser, pode subir para chama-lo.

- Ahn... eu acho que posso esperar...

- Para de palhaçada querida, pode ir lá.

- O-ok então. 

Subiu as escadas e caminhou até chegar a porta do quarto ja conhecido por si. Deu suas batodas na madeira escura, mas não obteve enhuma resposta. Aproximou o ouvido e da Madeira e pode escutar "Cassis" tocando ao fundo. riu, com a lembraca de quando mostrou a musica que tem uma parte tatuada em si para o moreno. Realmente ele gostará da canção. Bateu de novo e quando mais uma vez nao teve resposta, apenas virou a macaneta e entrou no quarto, agradecendo por itachi nao a ter trancado.

Como imaginou o quarto estava vazio, porém a porta do banheiro estava fechada. A rosada então se jogou na cama, esperando o moreno sair do banheiro e quando ele saiu...

- Sakura! - exclamou surpreso.

- Meu Deus chefinho, devo te visitar mais vezes - piscou e Itachi riu.

Ele estava apenas com a toalha enrolada na cintura, pequenas gotas de água ainda escorriam por sua pele. O moreno então caminhou lentamente até a cama, tirando a toalha e a jogando em algum canto do quarto para em seguida subir por cima de Sakura.

Está riu, sem descascar a olhada que deu para o membro do moreno, em seguida o abraçou com as penas, dando passagem com a lingua para o beijo do luxurioso do rapaz.

Ele já estava excitado, suas mãos percorrendo o corpo de baixo do seu, sua boca explorando o pescoço dela... 

- Ita... seus pais estão em casa.

- É só agente não fazer muito barulho. - Sakura riu.

- Não idiota. Nós também temos hora.

- Ah não, vai...

- Você quer é fugir.

- Quem disse?

- Eu.

- Eu nunca fujo.

- Então vamos logo! - suspirou saindo de cima dela.

- Ok, ok.

Enquanto Itachi se arrumava, a rosada apenas o olhava, gravando em sua mente cada gesto, cada parte de seu corpo ainda exposto.

- Itachi, porque você sempre usa o mesmo penteado?

- Como assim?

- Você é muito certinho.

- Sou?

- É sim! Você é lindo, gostoso e super divertido. Mas as vezes é meio sem graça.

- Essa machucou. - fez cara de ofendido.

- Bobo. - riu saindo da cama em direção a ele.

- Então o que você quer que eu faça? - colocou a mão na cintura a esperando chegar.

- Faça um coque no cabelo.

- Isso não é coisa de garota? - perguntou duvidoso.

- Claro que não, vem deixa eu te arrumar.

Itachi concordou, permitindo que ela arrumasse seu cabelo, logo depois se olhou no espelho e gostou.

- Agora vamos escolher uma camiseta gola V, você tem? - sem pedir licença, abriu o armário do mais velho e se pôs a procurar. - não vou encontrar nada confrangedor aqui, né?! - olhou para ele.

- Talvez... - disse se jogando na cama.

- Achei! - jogou a camisa para Itachi que logo a colocou.

- Por que essa camisa em específico? Quase não uso gola V.

- Eu sei... mas deveria usar mais. Assim seu colar fica mais a mostra.

- Você gosta dele?

- Sim! É seu charme junto com o cabelo. - piscou para o mais velho que riu. - vem, vamos logo.

- Ok Ok, cara senhorita Haruno.

- Vai a merda Itachi. - riu.



(...)



Mais uma vez a campainha da cada dos Uchihas toca, mas dessa vez, é o Uchiha mais novo que está na espera de alguém atendê-lo.

- Oi meu filho, que surpresa boa. Cadê Ino?

- Olá mamãe. Vim tomar um café com vocês. Cadê papai e Itachi? - disse ao entrar na casa dos pais.

- Seu pai acabou de subir para tomar um banho filho e Itachi já deve estar chegando. Saiu com Sakura logo cedo.

- Com Sakura? - arqueou uma sobrancelha.

- Sim! Ah meu filho, estou tão feliz por seu irmão.

- Porque?

- Acho que ele gosta realmente dessa menina. Ele comentou outro dia até em se mudar. Sabe o que quer dizer isso?

- Não.

- Ora Sasuke, - continuou agora já dentro da sozinha com o filho - não seja tapado. Você sabe que seu irmão nunca teve um canto para levar as garotas que sempre ficou. E agora ele passa praticamente todos os finais de semana fora de casa. Ele deve querer um lugar só para eles, quem sabe  até a pedir em namoro.

- Sakura não vai namorar o Itachi mãe. - falou sério.

- Porque não?

- Porque... porque Itachi nao faz o tipo dela.

- Discordo completamente. Itachi está diferente, mais leve, mais solto. Hoje até saiu com um penteado diferente, falou que iria fazer uma tatuagem, acredita? Logo ele que sempre morreu de medo de agulha - riu. - o jeito que ele a olha. Ah filho, eu gosto dessa menina, quero que ela e seu irmão deem certo.

- Mas mãe... - foi interrompido com a voz do irmão mais velho.

- Mãe, cheguei.

- Estou na cozinha amor... seu irmão está aqui. - Itachi então caminhou até eles.

- Fala irmãozinho.

- Oi Itachi.

- Ihh... que cara é essa? A loura não tá dando jeito?

- Itachi!

- Foi só brincadeira mãe.

- Cresce Itachi. - bufou Sasuke.

- Ihhh não brinco mais.

- Bom, vou avisar ao pai de vocês que os dois estão em casa. Licença.

- Toda! - falaram juntos.

- Então... - começou Sasuke. - mamãe disse que você saiu com a Sakura.

- Sim!

- O que você está planejando Itachi?

- Como assim? - arqueou uma sobrancelha.

- Sei la... - deu de ombros - mamãe disse que está pensando em comprar um apartamento, você mudou o cabelo e até fez uma tatuagem... por acaso vai pedi-la em namoro?

- Algum problema caso eu peça? - crucou os braços se encostando na pia.

- Todos! Vocês não combinam. - caminhou.para perto do irmão.

- Não combinamos ou você não quer perder uma boa foda?

- Do que está falando?

- Exatamente o que você ouviu irmãozinho. Você sabe muito bem que se a Sakura assumir um compromisso comigo, ela vai terminar essa putaria que tem com você.

- Olha como você fala.

- Eu falo do jeito que eu quiser.  - sua voz cada vez mais alta - E você sabe que é verdade. Não julgo a Sakura, ela é solteira e lá no fundo, eu sei que ela só se submete a isso por realmente gostar de você, mas você Sasuke, - suspirou - é muito tapado pra ver. Você Sasuke - apontou o irmão- é um idiota que trai a esposa sem nem pensar duas vezes, ilude sua amante, mas no final é apenas um merda. Um cuzão que apenas ama uma, mas não tem forças pra mudar o destino.

- Cala a boca Itachi. - vociferou.

- Não calo, e ainda digo mais... você vai machucar a Sakura, isso é obviu, e sabe com quem ela vai buscar alento? - se calou por um tempo - Comigo! E eu vou estar aqui, por aquela mulher, porque eu sim, sou homem suficiente para estar ao lado dela.

- Você não sabe o que diz.

- Não? Então vamos ver.

- A Sakura não é brinquedo Itachi.

- Realmente, não é. Então tá na hora de crescer irmão, largar seu brinquedinho. Mas fique tranquilo, que o adulto aqui vai limpar a sua bagunça depois, catar a sua merda, e sabe qual vai ser minha recompensa? - sorriu sarcastigo e falou baixo - acordar todos os dias nu ao lado dela!

- Idiota!

Não aguentando mais escutar as palavras tão ácidas do irmão, Sasuke desfere um soco no rosto do mais velho. Itachi cambaleia para tras, mas não cai por causa da pia atras de si. Com as mãos no rosto, volta a olhar o irmão mais furioso ainda, com os olhos levemente arregalados e logo depois tomado por mais raiva, desfere um soco igual no mais novo. Os irmãos começam a trocar socos no chão da cozinha e nem percebem quando sua mãe chega e presencia a cena, gritando por Fugaku.

O patriarca se envolve na luta, puxando Sasuke de cima do irmão mais velho, este que está com um filete de sangue escorrendo pela boca enquanto Sasuke tem sangue escorrendo pelo nariz.

- Estao loucos os dois? Que porra é essa? Meus únicos filhos emaranhados feito uns animais?

- Desculpe pai. - disse Itachi.

- Cala a boca Itachi. - gritou Sasuke.

- Vocês estão muito exaltados. Cuide de Sasuke Mikoto, depois o mande pra casa dele e você Itachi, vá se cuidar em seu quarto e depois conversamos.

Sem falar mais nada e nem olhar no rosto do mais novo, Itachi saiu da cozinha para tomar um banho gelado. Após se cuidar e se acalmar, foi procurar pelo pai, o achando em seu escritório.

Fugaku fumava um cigarro, escorado na janela quando Itachi entrou no pequeno cômodo.

- Pai?

- Sim... - apagou o cigarro.

- Me perdoe.

- Não é a mim que você tem que pedir perdão e sim a seu irmão, e ele a você.

- Não pai... o senhor não entendeu.

- Como?

- Peço perdão ao senhor, pois não posso mais lhe ajudar. Não posso mais estar perto de Sakura com a intenção de abrir os olhos de Sasuke. Não posso mais fechar os meus próprios olhos pai.

- Do que está falando Itachi? - perguntou se virando para o filho.

- Que eu a amo! - uma fina lágrima desceu de seu olho esquerdo - Eu a amo como nunca se quer imaginei amar alguém. Eu a amo ao ponto de não me importar dela transar com o meu irmão. Eu apenas quero estar ao lado dela. Eu a amo ao ponto de não querer mais saber de seu pedido ou de Sasuke e apenas pensar nela.

- Então você...?

- Então eu vou lutar por ela pai. Eu quero a Sakura pra mim, não como uma ficante, mas como alguém pra dividir a vida.

Em nenhum momento enquanto falava, Itachi desviou os olhos dos olhos do pai. Em nenhum momento Itachi piscou, gaguejou ou se quer pensou. As palavras dele para o pai eram verdadeiras, eram cheias de dor e amor.

Fugaku suspirou, desviando o olhar do seu primogênito para algum lugar do escritório e após pensar por algum tempo, voltou-se para o seu primogênito.

- Então... boa sorte meu filho!

- Obrigado meu pai.



•••



Mais uma semana se passou, mais um sabado chegou e com ele, o grande dia da festa em comemoração aos dez anos da empresa. 

Naquela semana, Sakura junto a Sasuke e Itachi se dedicaram muito para que tudo saísse de acordo com o planejado. 

Os irmãos, apenas se falavam quando nescessario e rm um acordo mudo, resolveram não contar sobre a pewuena troca de socos para a rosada.

Itachi forá buscá-la como combinado, já que ela seria seu par nesta noite. Os dois chegaram mais cedo do que os convidados, para se certificar de que tudo estava em perfeito estado.

Quando os convidados começaram a chegar, Sakura pediu licença a Itachi, pois havia um documento importante para pegar no escritorio. Procurou em sua mesa mas não o achou, então resolveu procurar na sala de Sasuke e por último, procuraria na de Itachi. Torcia para achar o tal documento, já que tinha que ter entregue a Fugaku no dia anterior, mas simplesmente o documento não dirá junto com os outros que ela enviou.

- Pequena. - Sakura deu um pulo com o susto ao ouvir Sasuke lhe chamar pelo apelido.

- Sasuke, que susto! - colocou a mão no peito e ele riu.

- O que faz aqui?

- Vim pegar um documento, uma pasta amarela. Esqueci de manda-la ontem por Itachi a seu pai, porém não acho. 

- Não se preocupe, eu o entreguei hoje mais cedo.

- Jura?

- Sim, você não a esqueceu. Eu é que a levei quinta para casa e não te avisei.

- Oras, seu idiota. Eu estava pensando que tinha cometido um erro seríssimo. - Sasuke riu mais uma vez, se aproximando da rosada.

- Você nunca comete erros. - introduziu a mão direita por sob seus cabelos, segurando o rosto feminino.

- Bobo! - bateu de leve no ombro dele.

- Você está tão linda... - falou baixinho.

- Obrigada! Você também está. - sorriu.

- Hm... - aproximou seu rosto, lhe dando um selinho.

- Sasuke!

- O que? - outro selinho.

- Alguém pode aparecer. - sua voz já começando a ficar embargada polo calor do corpo de Sasuke que a cada instante grudava mais em si.

- Quem?

- Sua esposa está lá embaixo, seus pais e... - parou de falar.

- Itachi?

- É, ele também.

- Esquece ele. - começou a descer beijos pelo pescoço leitoso dela. - Vamos Sakura, estou com saudades e louco pra te fuder. É só uma rapidinha! - com a mão esquerda apertou seu seio.

- Uchiha... ãhm.

- Eu sei que você também quer. - sussurrou, mordendo o lóbulo de sua orelha.

- Quero, quero muito.

Sasuke então a levantou, fazendo com que Sakura abraçasse sua cintura com as pernas. Ele caminhou até colar as costas dela na parede mais próxima, a prensando.

Passou a dar beijos, lambida e mordidas no pescoço alvo, arrancando mais gemidos da mesma. Desceu a mão até sua coxa, a introduzindo por dentro da saia do vestido até a barra da calcinha, a colocando para o lado, passando a acariciar a intimidade já encharcada de Sakura.

Esta por sua vez, emaranhou seus dedos nos cabelos da nuca de Sasuke, sem parar de beija-lo fervorosamente, o puxando mais para si.

Por um pequeno momento, Sasuke afasta sua mão da intimidade de Sakura, apenas para abrir o botão e zíper de sua própria calça, colocando seu membro para fora, massacrou um pouco e depois o introduziu de uma vez em Sakura.

Um gemido comprido saiu da boca da mais nova, a respiração dela e do moreno totalmente descompensadas. As costas de Sakura batiam na parede conforme Sasuke a estocava, mas ela não ligava. Ela queria Sasuke, totalmente dentro dela, de uma maneira forte, dura e rápida.

- Sasuke...

- Geme pra mim Sakura! - e não segurando mais ela gemeu - isso, isso... tão gostosa.

- Ãhm... Sasuke.

- Fala pequena, o que você quer?

- Você!

- É...?

- Sim Sasuke, dentro de mim. Isso, vai Sasuke! Pura que pariu.

--Delícia.

Não passou muito tempo, até Sasuke se derramar dentro de Sakura. Ele a beijou delicadamente e amorosamente, sem sai e de dentro de si, sua mão direita passou pelo rosto da mais nova colocando uma mecha cor de rosa para trás da orelha da mesma.

Com suas respirações ainda ofegantes, Sakura olhou para Sasuke, mirando os lindos olhos negros que tanto a inebriavam e lhe tiravam a razão. De olhos fechados grudaram suas testas.

- Fica comigo Sasuke.

- O que?

- Fica comigo, de verdade.

- Sakura... - abriu os olhos - eu não tô...

- Larga a Ino, Sasuke e fica comigo. Agente se gosta, agente se completa. - acariciou seu rosto - Larga ela, se separa da Ino e fica comigo!

- Sakura, do que você está falando? Eu... Eu não posso! - Saiu de dentro dela e a poa no chão, se afastando.

- Não pode ou não quer?

- Sakura...

- Eu pensei que... - suspirou - nós nos damos tão bem!

- Sim, sim! - voltou para perto dela, segurando seu rosto com as duas mãos - Nós nos damos bem, e estamos bem assim, não?

- Não, claro que não. Eu quero você Sasuke, - segurou as mãos dele - estar contigo a todo tempo e a todo lugar... mas você esta preso a Ino e não podemos continuar isso assim.

- Mas eu não posso me separar da Ino Sakura.

- Porque?

- Porque... eu não posso. Não agora! Nós acabamos de nos casar.

- Exatamente. Vocês ainda não tem nada que os prendam, estão apenas começando.

- Sakura, eu não posso. Não agora...

- Não agora... - repetiu sussurrando.

- Me entenda pequena...

- É claro que eu te entendo Sasuke. - riu amarelo, retirando as mãos dele de sua face - me desculpe, eu que falei merda. Eu já bebi algumas taças de vinho hoje, e...

- Sakura.

- Está tudo bem Sasuke - se aproximou, selando seus labios nos dele, sm um beijo calmo. - agora eu preciso ir, daqui a pouco vão dar falta da gente.

Sakura então se afastou de Sasuke, caminhando para fora da sala do mesmo, tentando conter a raiva, dor e angústia, presos como um bolo em sua garganta. Ao sair, encontrou Itachi, a poucos passos do elevador, suas pernas tremeram com qualquer possibilidade dele ter visto tudo o que acontecerá dentro da sala de Sasuke.

- Saky, demorou.

- Desculpa ita, eu só...

- O que houve? Você está bem? - perguntou se aproximando dela, segurando o rosto pálido.

- Nada, só... me tira daqui, por favor.

- Ok, vem comigo.

Ao entrarem no elevador, Itachi puxou o corpo pequeno a sua frente e lhe abraçou, fazendo com que Sakura escondesse o rosto na curvatura de seu pescoço.

Antes da porta cinza fechar, o mais velho pode ver Sasuke sair de sua sala e lançar um olhar irritadiço para o casal e naquele momento Itachi soube exatamente o que aconteceu denreo daquela sala. Seus braços apertaram mais o corpo feminino, um beijo foi depositado no alto da cabeça e uma simples frase aqueceu o peito de Sakura.

- Não se preocupe, vai ficar tudo bem!



(...)



- Aí estão vocês! - falou Itachi ao se aproximar dos pais, com os braços em volta da cintura de Sakura.

- Olá querido! - falou Mikoto - Sakura querida, como você está linda!

- Obrigada Mikoto! - agradeceu sem graça pelo elogio, dando um abraço logo em seguida na matriarca. - Fugaku! - também o comprimentou.

- Como vai Sakura? Realmente está linda!

- Obrigada.

- Estão gostando da festa? - perguntou Itachi.

- Sim meu filho. Você, Sasuke e Sakura fizeram um excelente trabalho.

- Obrigado pai.

- Amor, acho que esse é o momento perfeito pro presente da Sakura.

- Sim querida!

- O que? Presente?

- Sim! - respondeu o mais velho.

- Mas...

- Eu analisei o seu currículo Sakura, mandei para o RH e também mechi uns pauzinhos... então, você começa a trabalhar em outro setor, aqui mesmo na empresa, a partir do mês que vem! No começo você vai trabalhar em conjunto a psicóloga que já temos, Shizune, mas logo logo ficará no lugar dela e quem sabe futuramente não consiga abrir um consultório.

Sakura olhava para Fugaku com os olhos levemente arregalados, sua boca aberta, não saia som algum e seu corpo nem se quer se mexia. Poderia seu sangue continuar a correr por seu corpo?  

Foi despertada de seu torpor por duas grandes mãos envolvendo sua cintura, e uma risada baixa porém gostosa, soltada ao pé do seu ouvido. Sabia muito bem de quem se tratava. Um beijo foi deixado em seu pescoço seguido de poucas palavras:

- Parabéns tutti-frutti.

- Itachi, você sabia? - indagou, o olhando por cima do ombro.

- Uhum! - riu mais uma vez e um sorriso largo também se apossou do rosto da mais nova que olhou para os patriarcas da família Uchiha e agradeceu com uma reverência, ainda tendo Itachi preso ao seu corpo. 

Ela realmente não se importava com tal proximidade do Uchiha na frente dos pais do mesmo. Ela tinha Itachi como um amigo tão próximo, tão íntimo. Mikoto sustentava um sorriso radiante pela cena a sua frente e na face de Fugaku, também podia se ver um sorriso singelo direcionado ao casal.

- Obrigada Fugaku, Mikoto. E... eu tô tão feliz, não sei nem o que falar...!

- Ora, não precisa. Itachi, solte a garota para que ela possa nos dar um abraço. - falou Mikoto tirando uma risada do marido e do filho mais velho.

- Não solto! - apertou mais Sakura com os braços, a grudando mais em seu corpo, apoiando o queijo no ombro da mesma.

- Itachi, me solta. - pediu rindo.

- Só um pouquinho. - deu um beijo na boxexa dela e a soltou...

- Oras. - Sakura resmungou indo de encontro ao casal mais velho.

Sasuke e Ino ao verem os quatro juntos se aproximaram. 

Vendo a cena de seu irmão abraçando Sakura por trás, sentiu vontade de ir até ele e lhe desferir mais um soco na cara, mas Ino estava ali, seus pais estavam ali, sem contar todos os funcionários e acionistas. Respirou fundo, fechando a mão em punho e continuou a caminhar. Chegou no momento em que a rosada abraçava os pais.

- O que está acontecendo? - perguntou Ino. - Também queremos comemorar. - Sakura então desviou o olhar para Ino.

- Sasuke, Ino! - os comprimentou.

- Seu pai conseguiu uma vaga para Sakura em outro setor. Ela vai trabalhar com Shizune daqui a um mês.

- Como? Porque? - perguntou Sasuke surpreso.

- Oras Sasuke, é a área dela. Nada mais justo. Já tem oito meses que ela atura vocês. - todos riram, menos o Uchiha mais novo.

- Mas...

- Deveria parabeniza-la irmãozinho. - falou Itachi, interrompendo Sasuke enquanto passava mais uma vez suas mãos pela cintura feminina a trazendo de encontro ao seu corpo.

- Verdade amor. - falou Ino olhando Sasuke e depois Sakura. - Parabéns coisa rosa. Vejo que além do Uchiha conseguiu um cargo melhor também. Você não perde tempo, heim. - piscou.

- Ino! - repreendeu Sasuke.

- O que?

Fugaku pigarreou. - Se nos derem licença, precisamos falar com algumas pessoas. Vamos Mikoto?

- Sim querido! Licença meninos.

- Vamos também Sakura - Itachi pronunciou com o rosto apoiado no ombro de Sakura, sem nenhum momento desviar o olhar do irmão. Seus olhos ardiam em raiva do mais novo. Um beijo lento foi deixado no pescoço de Sakura - Nós ainda vamos comemorar essa sua nova fase mais tarde - falou baixo, mas não tão baixo a ponto de Sasuke não ouvir, podendo vislumbrar a expressão de ódio do irmão. Itachi sorriu triunfante para o irmão, e logo em.seguida o deu as costas junto a Sakura.



(...)



- Está entregue. - disse ao estacionar de frente a casa de Sakura.

- Dorme comigo.

- O que?

- Por favor, dorme comigo Ita.

- Mas e Sasori? E Chiyo?

- Eles não vão ligar, porque é você. Eu não quero dormir sozinha hoje. - Itachi suspirou.

- Ok, eu durmo com você. - disse, deixando um carinho nos cabelos rosados.

- Obrigada. 

A cama de Sakura era pequena, mas isso foi um mero detalhe para o Uchiha. Após cada um tomar um banho, Sakura deitou na pequena cama com Itachi, se aconchegando ao corpo masculino. 

Naquela noite eles não fizeram mais nada além de dormir, enquanto Itachi acariciava os cabelos soltos de Sakura e está deixava cair finas lágrimas por sua face.




Notas Finais


É isso pessoal.
Que capítulo enooooooooorme, não?
🤗🤗
Tivemos Sasusaku, Itasaku, briga de irmãos, declarações e muitas revelações.
Alguém palpite sobre com quem a nossa casa Sakura vai ficar?
Me contém!!!
Não se esqueçam, próximo capítulo é o ULTIMO.
Estou super ansiosa. Prometo grandes emoções 🥰🥰🥰🥰


Ahhh... a música da tatuagem da Sakura é Casais do the GazettE.
Uma tattoo que eu sou louca pra fazer desde os meus 15 anos, mas antes eu era menor de idade, fiquei maior mas engravidei, depois fiquei sem money e agora sou lactente de novo 😅😅 mas eu vou fazer, se Deus quiser!!!!
Link da música.
https://youtu.be/37dGDZ0hlB4

Escutem e me digam o que acharam!!

Beijos, beijos e até a próxima ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...