História Partners - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Mano, desculpa KKKKK era pra mim ter postado ontem a noite, porém eu não tinha terminado de escrever e eu ainda tinha que editar pra ficar bonitinho, desculpa mesmo :)

Espero que gostem do capítulo

Boa leitura seres mágicos 💫🍂

Capítulo 3 - Parte 3


26 de Novembro


     Um dia particularmente corrido no departamento de polícia. Tina e Newt estavam cuidando da maioria dos casos, em menos de quatro horas, ele apreenderam um carro roubado com uma longa perseguição, um caso de mal trato animal – uma coisa que feriu o coração de Newt , um roubo em uma loja de conveniência a mão armada, uma tentativa de homicídio e um homem com um porte ilegal de armas e ambos cuidavam dos casos com orgulho por estarem trabalhando juntos.

     — Será que teremos algum descanso hoje? Nós atendemos a cinco chamados hoje — Tina choraminga se debruçando na mesa.

     — Eu te prometo que assim que sairmos daqui eu levo você para minha casa e nós assistiremos um filme juntos — Newt responde se jogando no sofá da sala de descanso do departamento.

     — Como você consegue ser tão romântico? — Ele dá de ombros.

     — Newt? Tina? — Uma das policiais, Jane, aparece.

     — Deixe-me adivinhar, mais um caso? — Tina pergunta com uma voz cansada.

     — Sim — ela comenta soltando uma risada anasalada.

     A ligação veio do extremo norte de Chelsea, de uma mulher desesperada ligou pedindo ajuda da polícia. Newt e Tina agradeceram e logo saíram direto para pegarem a viatura.

     — O que será que houve dessa vez? — Tina pergunta colocando o cinto e logo ligando a ignição.

     — A mulher não deu muitos detalhes, então será uma surpresa quando descobrirmos — Newt comenta sorrindo e colocando o cinto.

     — Espero que não seja algo tão catastrófico — Tina começa a dirigir para fora do estacionamento — eu nunca mais falo que gosto de ação!

     — O que podemos fazer se somos a dupla de ouro — zomba ele dando de ombros e cruza os braços em seguida.

     — Eu só queria descansar desse dia corrido — ela diz soltando um longo suspiro —, pelo menos eu tenho uma motivação a mais do que eu amar meu trabalho

     — Ah é? Posso saber qual é essa sua motivação? — Newt pergunta passando a mão pelos cabelos enquanto Tina acelerava o carro para chegar mais rápido ao destino.

     — Você.

     — Digo o mesmo

     Não demorou muito para chegarem a casa da mulher que os havia acionado. Eles estacionaram o carro em frente a típica casa londrina, eles saíram do carro e bateram na porta, não demorou muito para uma mulher alta e loura atender.

     — Uhnm... Boa tarde, tivemos uma ligação para virmos urgente aqui — Tina diz. — Foi você quem ligou?

     — Não, na verdade foi minha amiga, ela... está em um estado deplorável — diz a mulher com um semblante triste.

     — O que aconteceu? — Newt perguntou.

     — Entrem, ela está na sala — a mulher responde dando espaço para eles entrarem.

     Assim que eles entram, a loura fecha a porta e os guia até um cômodo onde havia uma mulher de cabelos castanhos longo e sentada no sofá encolhida e trêmula e com uma forte marca vermelha no rosto, fazendo Tina identificar logo o que havia acontecido.

     — Essa é a Mary, ela ligou para o departamento há alguns minutos — A loura disse.

     — Oi eu sou a oficial Tina e esse é o meu parceiro, Newt. O que aconteceu? — Tina perguntou calmamente.

     — Eu vou deixá-los conversando — a loura disse saindo do cômodo.

     — E-eu... eu tinha um n-namorado... — ela começou trêmula —, e-eu sabia que ele tinha um ciúmes doentio... mas... h-hoje ele... ele havia me visto conversando com um... um homem que havia pedido apenas uma informação e... quando eu estava na porta de casa... ele apareceu... me dando um tapa no rosto e me empurrou...

     Tina fez uma expressão vaga enquanto ela contava tudo, relembrando de Achilles Tolliver, já que a história que estava ouvindo era praticamente a mesma que havia acontecido com ela há dois anos atrás.

     — Depois que ele te agrediu, o que ele fez? — Newt perguntou com sua voz calma.

     — Fugiu... e-eu não vi para onde ele foi... eu não tive reação... — Mary disse.

     Enquanto ela e Newt conversavam, Tina começou a pensar, por que eles haviam mandado ela, justamente ela para aquele caso, eles sabiam que Tina sentia-se mal ao relembrar do que aconteceu com ela, sabiam que ela aceitava qualquer caso barra pesada, menos agressão causada por algum namorado. Talvez eles achassem que já que ela começou a namorar, teria superado o acontecido, mas como diz o ditado "quem bate esquece, mas quem apanha não", Tina nunca esqueceria o que lhe aconteceu, enquanto estava entre seus pensamentos, Newt a tirou de seus pensamentos tocando em seu ombro.

     — Tina? Você está bem? — Ele perguntou.

     — Estou... e-eu estou... — ela respondeu suspira.

     — Vamos fazer um boletim de ocorrência. Qual o nome do seu dele? — Newt perguntou se virando para Mary.

     — Jason. Jason Olliver — ela respondeu.

     Newt teve que tirar fotos dos hematomas em Mary e fizeram o boletim rapidamente, Tina estava participando de tudo, mas ainda estava com o pensamento vago, relembrando que já sentira na pele o que a mulher sentiu.

     Quando se despediram das mulheres, Newt havia garantido que o culpado pagaria por tudo que fizera e enquanto estavam indo para o carro, Tina disse em um tom baixo:

     — Pode dirigir... eu vou de passageira hoje...

     Então Newt a olhou equivocado, em onze meses de parceria a única vez que Newt dirigiu com Tina foi quando eles tiveram seu primeiro beijo.

     Eles entraram no carro em silêncio e Tina apoiou a cabeça na janela olhando para o nada.

     — Eu te conheço bem o bastante para dizer que você não está bem — ele diz colocando o cinto. — O que houve, meu amor? Desde que Mary contou o que aconteceu com ela você ficou distante

     — Eu- — ela limpa a garganta —, estou bem...

     — Tina, você sabe que pode me contar qualquer coisa não é? — Newt diz firme —, o que aconteceu meu amor?

     — Eu só... — como ela contaria a ele? Em seis meses de namoro ela nunca havia mencionado o fato da agressão que sofrera. — Eu só não entendo por que me mandaram aqui! Eles sabiam que eu não atendo casos de agressões assim! Só por que eu- nós estamos namorando não significa que eu não sinta ao ver essas coisas

     — Como assim? — Newt torna a perguntar —, nós fazemos perseguições perigosas, somos expostos a pessoas armadas todo dia, por quê isso te afetou? Por que você não atende esses casos? E o que nosso namoro tem a ver? Tina...

     — Nós... — ela limpa a garganta —, nós podemos ir tomar um café? Então eu te conto tudo...

     — Claro — ele murmura ligando o carro.

     Não demorou muito para que eles chegassem até sua cafeteria preferida, onde eles pegaram uma mesa isolada do estabelecimento e fizeram seus pedidos e assim que os receberam, Tina começa com uma voz embargada:

     — Eu nunca te contei, por que eu... eu achei desnecessário. Eu havia esquecido, até hoje...

     — Do que você está falando meu amor?

     — Você me perguntou o por quê eu não atendia esses casos e o motivo disso ter me afetado — ele começa —, é só que eu senti na pele o que a Mary estava sentindo.

     — Como assim? — Newt pergunta entendendo o que ela queria dizer.

     — Eu... um ex namorado meu já me bateu Newt, o departamento todo sabe dessa história... — ela diz com uma voz baixa.

     — Você quer me contar isso? — Ele pergunta calmamente.

     — Eu acho que eu devo te contar isso... — Tina murmura. — Há uns dois anos atrás eu... eu namorava um homem chamado Achilles Tolliver — ela diz sentindo o estômago embrulhar —, nós namoramos por um ano e... um dia eu fui capacitada para seguir um dos maiores suspeitos de tráfico ilegal de armas até um bar... onde eu tive que começar a flertar com ele... e o Achilles havia me seguido por quê ele supunha que eu o traía... resumindo, quando eu saí do bar... ele me seguiu e me deu um tapa no rosto, me acusando se tê-lo traído e me chamando de todos os piores nomes que você imaginar — ela diz apoiando uma mão na mesa e lágrimas começaram a juntar nos olhos dela —, eu fiz um boletim de ocorrência e graças às câmeras de segurança dos arredores, viram toda a cena e bom... agora ele está atrás da grades. Sabem que eu não atendia esses casos. Por mais que agora namoramos, isso será uma coisa que sempre irá me afetar...

     — Eu não sabia — ele murmurou segurando a mão dela.

     — Eu fiz de tudo para que você não soubesse — ela diz. — Isso foi um dos motivos dos quais eu não me relacionei com ninguém... até eu conhecer você... me desculpa, eu não deveria ter escondido isso de você.

     — Tina, eu jamais faria isso com você, eu jamais teria coragem de fazer isso com você — ele segura a mão dela —, eu nunca chamarei você de qualquer nome que não seja "meu amor", "minha vida" ou derivados isso, eu sempre te tratarei como uma rainha, que é isso que você é

     — Eu sei... e eu te agradeço tanto por você ser assim — ela responde. — Eu amo você, Newt

     — Eu te amo, amor da minha vida — ele responde.

__________


     O expediente dos dois já havia chego ao fim, quando eles partiram juntos para a casa de Newt.

     Assim que chegaram, prepararam a pipoca e se sentaram no sofá procurando algum filme romântico para verem, até que decidiram assistir "Como Eu Era Antes de Você", ambos estavam lado a lado e Tina havia deitado a cabeça no ombro de Newt sonolenta e ele passou um braço por ela, a puxando para mais perto, quando ela finalmente fechou os olhos, parando de prestar atenção no filme para apenas aproveitar a presença do homem que a fazia se sentir a mulher mais especial do mundo, quando acabou pegando no sono.

     Quando o filme havia acabado, Newt percebeu que a respiração dela estava tão leve quanto uma mera pena, supondo que ela havia pego no sono, sorrindo ao vê-la tão calma.

     — Você não sabe o quão sortudo eu me sinto por ter você — ele sussurra no ouvido dela.

     — Você é perfeito, Newt — ela geme se acomodando ao lado dele com os olhos fechados.

     Ele deposita um beijo no topo da cabeça dela e começa a afagar o braço dela, e quando menos percebe, já havia pego no sono.

     De manhã, havia um Newt e uma Tina deitados no sofá, Newt estava deitado com uma mão pra fora do sofá e sua cabeça apoiada numa almofada, enquanto Tina estava deitada no peito dele com passando um dos braços pelo seu tórax.

     Tina acordou primeiro, ela demorou um pouco para abrir os olhos e quando fez, tentou se lembrar de onde estava. Ao levantar a cabeça e dar uma olhada no local, ela havia se lembrado que estava na casa de Newt, ela havia dormido na casa dele.

     Ela voltou a se deitar no peito dele e ficou fazendo círculos com a ponta dos dedos na camiseta dele.

     Logo ela sentiu o braço dele passar por volta dela e apertá-la em um confortável abraço.

     — Acho que posso facilmente me acostumar com isso — Newt murmura com uma voz grogue de sono.

     — Bom dia — Tina murmurou em seguida olhando para cima, para ver ele.

     — Bom dia, meu amor — ele respondeu depositando um beijo na têmpora dela fazendo-a soltar uma risadinha.

     — Eu poderia ficar assim o dia todo — ela murmura.

     — Eu também — ele admite passando os dedos pelos cabelos dela —, mas acho que a senhorita Picquery não ficaria nada feliz em ficar sem sua dupla de ouro

06 de Dezembro


     Completara sete meses desde que Newt Scamander começou a namorar sua parceira Tina Goldstein, os meses mais felizes da vida dos dois.

     Tina estava no departamento corrigindo alguns relatórios de prisões que havia feito, ela estava sozinha já que Newt entraria mais tarde naquele dia.

     Enquanto ela corrigia e copiava relatórios, alguém bateu na porta, a assustando levemente e fazendo-a levantar a cabeça.

     — Tá aberta, entra — Tina disse massageando a têmpora.

     — Goldstein? — Um homem a chamou colocando a cabeça pela fresta da porta.

     — Quem... Graves?! — Tina pergunta assustada e em seguida exibindo um sorrindo —, você voltou!

     — Voltei chatinha — Percival Graves brinca.

     Graves era um homem de aparentemente cinquenta anos, um dos policiais mais experientes do departamento que estava fora durante alguns anos, trabalhando para o departamento de polícia francês. Fora com ele que Tina aprendeu tudo que sabe hoje.

     — O que te deu em voltar? — Tina pergunta se levantando da cadeira.

     — Uhnm, digamos que Paris seja legal, mas Londres ainda é minha casa — ele brinca. — Está ocupada?

     — Não. Não- eu estava apenas corrigindo alguns relatórios, por quê?

     — Chegou algo para você

     — Para mim?

     — Bom, se nesse tempo que eu estive fora o departamento tenha contratado uma outra Porpentina Goldstein que namore um tal de Newt Scamander, é, não é pra você — ele zomba.

     — Ainda não perdeu o senso de humor, não é? — Tina colocou uma mão na cintura —, o que o Newt tem a ver?

     — Eu nunca vou perder meu senso de humor — ele retruca.— Creio que ele te mandou isso — Graves respondeu entrando na sala com um lindo buquê de rosas brancas e uma caixinha em forma de coração.

     Tina arregala os olhos ao ver o que Graves segurava e não se contenta a sorrir.

     — Tome — ele disse entregando a ela que segurou como se fosse a coisa mais importante da sua vida – e talvez fosse.

     — Obrigada — ela murmura sorrindo para os presentes.

     — Tudo bem. Você sabe que eu te considero como minha filha certo? — Ele pergunta cruzando os braços.

     — Aparentemente você é a única figura paterna que eu tenho — ela murmura triste.

     Os pais dela morreram quando ela tinha dezoito anos por conta de pneumonia.

     — Então? Quem é esse tal de Newt Scamander? — Ele pergunta arqueando a sobrancelha.

     — Meu namorado

     — Há quanto tempo vocês namoram? Hoje é uma data especial? Por isso ele te mandou presentes? — Ele diz com um ar enciumado.

     — Hoje nós completamos sete meses de namoro, papai — ela brinca — por isso ele deve ter me mandado tudo isso.

     — Ele é bom para você?

     — Ele é... sem dúvidas perfeito para mim — Ela responde suspirando apaixonada.

     — Ele deve ser bom mesmo para te deixar toda boba assim — ele sorri.

     — É...

     — Me diga que ele não é igual aquele seu ex namorado, caso contrário... — ele fala em um tom ameaçador.

     — Ele não é igual ele, o Newt é romântico, fofo, e me trata como a pessoa mais especial do mundo — Ela admite.

     — Que fofo — ele murmura sarcástico —, tudo bem. Onde ele trabalha? Como vocês se conheceram?

     — Ele trabalha aqui. Ele é meu parceiro, quer a conta bancária dele também? — Ela zomba colocando tudo em cima da mesa.

     — Eu só quero te proteger, querida. Como eu disse, você é como uma filha para mim — ele resmunga. — Então? Quando ele entrou aqui?

     — Eu sei que sou três meses mais velha que ele aqui. Não nos falávamos antes do início do ano — Tina dá de ombros.

     — Posso ao menos conhecê-lo?

     — Pode... você me representa um pai, de verdade — ela diz indo ao encontro dele e o abraça —, obrigada...

     — De nada, Tina — ele se emociona.

     — Por favor, vê se não some por anos de novo

     — Prometo — ele sorri.

     — Cheguei meu amor — disse Newt entrando na sala dela.

     — Newt! — Tina exclama se afastando rapidamente de Graves.

     — Desculpe se eu atrapalhei algo — Newt murmura com o ciúmes estampado no seu rosto, e quando estava quase saindo, Tina o puxou.

     — Newt, você não atrapalhou nada — ela responde beijando-o.

     — Então esse é seu namorado? — Percival perguntou.

     — Sim — Tina responde orgulhosa —, Newt, esse é o Percival Graves. Graves esse é meu namorado, Newt — ela respondeu.

     — Muito prazer — o mais velho estendeu a mão.

     — O prazer é meu — Newt pergunta sem entender muito, mas aperta a mão do outro.

     — Newt, foi com ele que eu aprendi tudo o que eu sei atualmente — Tina murmura fazendo Graves ficar emocionado —, e... Eu o considero como um pai...

     — Fico feliz em conhecer a figura paterna da minha namorada — Newt responde sentindo um alívio.

     — E eu em conhecer o namorado dela — Graves respondeu. — Como eu considero Tina minha filha e sei de tudo o que ela passou, quais suas intenções com ela?

     — Graves! — Tina o repreendeu corando.

     — São as melhores que você possa imaginar, eu sei o que ela sofreu e jamais seria capaz de fazer alguma coisa contra ela. Eu a amo muito — Newt respondeu.

     — Bom, muito bom. Eu acho que fiz bem meu papel de pai — Graves provoca uma risada em todos —, bom, tenho que ir resolver umas coisas, sabe onde me encontrar — ele disse para Tina —, eu estou de olho em você — ele disse para Newt que fez continência e em seguida ele saiu.

     — Senti saudades dele — ela comentou ao vê-lo fechar a porta. — E achei muito fofo você com ciúmes

     — Eu- o que? Eu não-

     — Sim, estava nítido — ela responde beijando-o.

     — Gostou do presente? — ele pergunta, — tentei ser romântico.

     — Mais do que já é? — Ela zomba — e adorei, como tudo.

     — Feliz sete meses meu amor

12 de Dezembro


     — Obrigado por vir aqui comigo — Newt agradece.

     — Não é nada — Theseus responde —, aliás, não é todo dia que meu irmãozinho vai comprar um anel de noivado, não é mesmo?

     — Ela é especial — Newt responde correndo o olhar por diversos anéis no balcão. — Eu a amo, de verdade... mas eu não sei se deveria

     — Ártemis, me responda com sinceridade — Theseus começa cruzando os braços —, você a ama?

     — Que pergunta idiota! Claro que sim — Newt responde.

     — Então qual a dúvida irmãozinho?

     — Se ela vai aceitar. Nós estamos namorando apenas sete meses, e se ela negar por que eu estou fazendo isso rápido de mais? — Newt pergunta.

     — E se ela aceitar? — O mais velho rebate. — Posso te dar uma idéia?

     — Fala

     — Compra o anel, mas não peça agora, se é essa sua preocupação — Theseus responde —, deixe com você e quando você achar que deve entregar, você entrega

     — Obrigado por essa ideia — Newt para fitando um anel com um diamante na ponta —, o que acha deste? — Newt pergunta apontando para o anel.

     — Uhnm? — Theseus murmura se aproximando —, é simples e é bonito

     — Você acabou de resumir minha namorada — Newt sorri.

06 de Maio


     Finalmente Tina e Newt completaram o primeiro ano de namoro deles.

     E Newt pensou em unir datas, além de aniversário de namoro, o dia em que ele iria pedi-lá em casamento.

     Após seis meses guardando a caixinha com o anel que ele havia comprado junto com o irmão em dezembro, ele criou coragem para pedi-lá em matrimônio e isso seria uma surpresa a todos, já que ele resolveu guardar esse segredo até de noite, onde a encontraria em um dos restaurantes mais privilegiados da cidade.

     Eles marcaram de se encontrar às sete, o que dava tempo deles saírem do trabalho, se arrumarem e irem para lá.

     Assim que Newt terminou de se arrumar, e sentou à beira da cama segurando a caixinha em suas mãos, pensando se seria o certo a se fazer, quer dizer, era mas... e se ela não aceitasse?

     Quando o relógio apitou seis e meia, ele guardou a caixinha no bolso e foi pegar um táxi.

     Cinco minutos depois, quando Newt havia chego no restaurante, ele pegou a mesa que havia reservado e foi se sentar.

     Ele sabia que estava particularmente cedo, mas se ficasse em casa iria chegar a loucura se ficasse imaginando Tina lhe dizendo um "não".

     Quando o relógio apitou sete horas, Newt ficou nervoso, não era o primeiro encontro deles mas seria um decisivo, ele estava olhando para a mesa quando alguém tocou em seu ombro.

     — Você estava aqui faz tempo? — Newt se virou e era Tina.

     Ele ficou boquiaberto ao vê-la no vestido azul que ela estava usando, para ser sincero os dois estavam demasiados elegantes, mas nenhum entendia o real motivo.

     — O que houve? — Tina perguntou preocupada.

     — Você... — ele começa balançando a cabeça e se levantando depositando um beijo em seus lábios — ... está incrível

     — Obrigada cavalheiro — Tina brincou dando um beijo nos lábios dele.

     Ele a guiou até sua frente e puxou a cadeira para que ela pudesse se sentar e a mesma agradeceu o gentil ato e em seguida ele se sentou em seu lugar.

     — Você está linda — ele murmura.

     — Você está perfeito — ela retruca. — Então? O que vai pedir?

     — Spaghetti e almôndegas e você?

     — O mesmo que você — ela sorri.

     Então Newt chama um garçom que os atende gentilmente. Para a bebida, eles pedem vinho para comemorar a ocasião.

     E quando os pratos chegam, eles comem calmamente, apreciando o tempo e a conversa, e em seguida a música romântica que começou a tocar.

     Ao acabarem de comer, eles permanecem sentados e conversando.

     — Uau! Já faz um ano que namoramos — Tina torna a comentar fazendo Newt achar graça.

     — O tempo mais perfeito com a pessoa perfeita — ele comenta.

     — Newt — ela o repreende.

     — Faz um ano desde que você salvou minha vida... um ano que você me intitulou um louco por te amar

     — Você ainda lembra disso? — Ela brinca.

     — É claro que eu me lembro — ele sussurra. — Tina...

     — Sim?

     — Obrigado... obrigado por me fazer feliz, obrigado por você estar sempre do meu lado... me fazer o homem mais feliz todos os dias e sempre acordar com o pensamento "hoje eu verei o amor da minha vida", todos os dias — ele solta uma risada por estar admitindo isso pela primeira vez em voz alta.

     — Newt... — Tina murmura corando. — Você não precisa agradecer, sou eu quem precisa... Você me fez voltar a acreditar no amor... Você faz eu me sentir segura, mesmo quando não estou...

     — Eu farei de tudo para te deixar segura, Tina... Você merece apenas o melhor... sempre — ele coloca a mão no bolso, tirando – quase – imperceptivelmente a caixinha com o anel do bolso —, talvez eu possa não ser sempre o melhor namorado, mas eu me esforço sempre

     — Você é sim, quantas vezes eu terei de dizer isso? — Tina brinca.

     — Eu amo você de mais, meu amor e... eu tento sempre expressa-lo mas nunca consigo da forma que eu quero... — Newt indaga segurando a caixinha firmemente —, e... Eu vou estar sempre do seu lado, Tina. Seja como seu parceiro, seu melhor amigo, seu namorado ou... — Tina arregala os olhos ao ver onde ele queria chegar enquanto Newt se levanta e se ajoelha frente à ela, ao fazer isso, toda a atenção do restaurante. — ...ou seu marido... — ele completa soltando o ar dos seus pulmões vendo Tina cobrindo a boca com as mãos. — Tina... meu amor... amor da minha vida, você aceita se casar com esse homem louco? — ele força um sorriso.

     — Sim — Tina ofega —, sim! Sim! Óbvio que sim!

     Quando Tina diz o tão esperado sim, todos no restaurante os aplaudem, então ambos rapidamente se levantam e se abraçam fortemente, com lágrimas nos olhos, Tina enterrou sua cabeça no ombro de Newt e ele enterrou igualmente o rosto na curva do pescoço dela, depositando beijos lá e a abraçando mais, eventualmente tendo que se separarem.

     — Eu posso? — ele pergunta tirando o anel da caixinha e segurando a mão dela e ela assentiu.

     Delicadamente ele escorregou o anel pelo dedo dela e depositou um beijo em cima da jóia.

     — Eu te amo — ela se joga nos braços dele.

     — Eu amo você imensamente — ele responde beijando-a.

     Após toda a emoção, eles pagam e saem do restaurante e vão para o parque preferido deles onde eles andam abraçados.

     — Obrigada, por me fazer a mulher mais feliz do mundo — ela responde enroscando os dedos na blusa dele.

     — Sou eu que tenho que agradecer meu amor — ele a beija.

     Enquanto caminhavam em silêncio, Newt foi se lembrando de dezembro, quando comprou o anel com Theseus e com a lembrança, ele soltou uma risada.

     — O que? — Tina perguntou.

     — Nada... só me lembrei de quando eu fui comprar o anel

     — O que aconteceu? — Ela pergunta curiosa.

     — Eu ia te pedir em casamento em dezembro, mas fiquei com receio de que você não aceitasse — ele responde. — Então meu irmão me disse para comprar e guardar até o dia que eu achasse adequado, aparentemente, hoje — ele solta uma risada anasalada.

     — Espera, você estava guardando esse anel há quase seis meses? — ele assente —, por quê você ficou com receio?

     — Nós estávamos namorando há apenas sete meses na época e eu pensei que você não fosse aceitar — Newt murmurou.

     — De qualquer forma, eu aceitaria. Mas fico feliz que você tenha me pedido hoje — ela diz —, hoje será uma data mais importante ainda. Além de ser nosso aniversário de namoro, o dia em que noivamos — ela beija a bochecha dele.

     — Você me deixa louco senhorita Goldstein

     — É um total prazer senhor Scamander


Notas Finais


Uma rápida linha do tempo de toda a história:

2015 - Tina começou a namorar com o Achilles e Graves começou a treiná-la
2016 - Tina entrou para o departamento, prendeu Achilles, três meses depois Graves foi para Paris e Newt entrou no departamento
2018- Todo os acontecimentos da fanfic

eu acho, EU ACHO, que os acontecimentos são mais ou menos isso k ;-;

enfim, a fic ta no finalzinho :)
depois vem o epílogo e tal

espero que tenham gostado,

até 💫♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...