História Passar do Tempo - HHr - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Ronald Weasley
Tags Drama, Harmione, Harry Potter, Hermione Granger, Romance
Visualizações 41
Palavras 1.138
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oie, olha só quem voltou kkk
Gente, eu estive muito mal em questão de criatividade e não sabia o que escrever mas aos poucos saiu esse capítulo e já me desculpem por ele ser pequeno, prometo no próximo ser longo.

espero que gostem ❤️

Capítulo 5 - Desconfiança


22 horas. 
 

Hermione olhou a residência em sua frente e a analisou. Era realmente uma casa muito bonita, seu gosto refinado e clássico a fez escolher uma moradia vitoriana relativamente média para o casal. 

Deveria ser feliz com a vida que tinha, não deveria? Mas nem tudo era como deveria ser. 

Suspirou observando a paisagem, sabia que logo teria que enfrentar seus demônios e teria que ser logo, seu modo de tentar refrear as coisas estava passando dos limites e teria que encarar de cara. 

Pela porta de entrada ela adentrou, pendurando seu casaco e bolsa no armário. 

- Até que enfim, Hermione, achei que não viria para casa tão cedo. 

- Desculpe, perdi a noção do tempo.

- Como todos os dias, não é mesmo? 

- Já me desculpei, Rony. 

- Que seja, vamos jantar, estava a sua espera. 

Dito isso, Rony caminhou até a cozinha e Hermione se viu obrigada a segui-lo. 

Não que todos os dias chegasse tarde em casa, mas também não era popular em chegar relativamente cedo. Para Hermione, quanto mais tarde chegasse melhor, assim não teria que discutir mais uma vez. 

Assim que chegou à mesa de jantar, se sentou em frente ao marido, em poucos instantes a refeição já estava sendo degustada. 

Hermione não estava com fome mais brincava com a comida do que tudo, ato que era visivelmente ignorado por Rony já que estava comendo mais rápido do que uma pessoa normal. Ela observou e respirou fundo tentando libertar tudo de ruim que havia em seu peito, deseja ficar livre de tudo que lhe afligia. 

- Terei que voltar a Londres – disse Hermione de uma vez por todas quebrando o silêncio. 

- Como? – indagou Rony a encarando. 

- Isso mesmo, é apenas uma missão a serviço do Ministro, não se preocupe posso ir sozinha.
 

- Você não irá sozinha – se adiantou Rony.

O silêncio se sobressaiu outra vez. Os dois se encaravam tentando decifrar todos os códigos ali entre eles. 

- Preciso ir sozinha. 

- Por que? 

- Você não entenderia. 

Dito isso, balançou a cabeça negativamente. Para Rony, tudo era muito simples, ele não era bem vindo na vida de sua esposa. 

- Você sempre me expulsa da sua vida - suspirou cansado - Droga Hermione, é Londres, são meus pais, minha família... Céus, Harry, quanto tempo que eu não o vejo? Talvez 5 anos ou mais. Eu vou ao seu lado, sou seu marido, então me deixe agir como tal – disse Rony, finalmente, como forma de que iria explodir a qualquer momento. 

- Desculpe, Rony, mas eu realmente preciso ir sozinha – disse sentindo uma necessidade enorme de explicar seus temores – Não espero que entenda, mas volto logo e não se preocupe. 

- É o Harry, não é? 

Ela riu, mas de modo sarcástico e irônico. 

- Como assim é o Harry, Rony? – disse Hermione de modo que soou estranho até mesmo para ela mesma. 

- Você me subestima. Posso ser ingênuo, posso ter sido bem idiota na adolescência e bobo, mas depois de anos vemos o que não víamos no passado, Hermione. Há anos eu penso nisso, a maneira como você quis se afastar de tudo e todos, o modo como se “descobriu” apaixonada por mim e como me afasta de sua vida desde que nos mudamos para cá – suspirou, estava cansado e extremamente exausto, para ele, estava na hora de jogar limpo – Joga as cartas na mesa, Hermione, é mais justo comigo, com você e até com o próprio Harry. Preferia que você tivesse negado meu amor do que ficado ao meu lado dessa maneira. 

Hermione não pôde deixar de esconder a surpresa em seu rosto. Abriu a boca para falar, mas a voz não saia, não podia falar. Afinal falaria o que? Rony estava a sua frente pedindo honestidade e ela não poderia falar nada, não tinha o que falar. 

- Rony... – começou ela – Não é isso. Não é o Harry. 

- Repito a dizer, você me subestima – disse Rony se levantando e a encarando – Me diga quando iremos a Londres para arrumar as malas, irei com você e fim de papo. 

- Em uma semana – Hermione se deu por vencida. 

- Ótimo – ele disse e se retirou, deixando uma Hermione em choque e querendo mais que nunca que aquele dia acabasse o mais rápido possível. 

Hermione observou o ruivo se retirar e subir para o segundo andar, escutou seus passos e o bater da porta. Colocou a cabeça entre as mãos e respirou fundo, não que achasse que Rony fosse burro ou coisa do tipo, mas não achava que a essa altura do campeonato ele teria desconfiado de algo. 

Se xingou mentalmente por ter deixado tudo tão as claras, lógico que algum dia ele desconfiaria. A maneira como ela correu de Londres, como cortou relações com Harry e se apaixonou por Rony do dia para noite era realmente desconfiável. 

Mesmo cansada, caminhou até o estoque de bebida que havia no canto da sala e preparou um copo com whisky seco. 
Não que tinha adquirido a mania de beber, mas em ocasiões difíceis como aquela, seu subconsciente pedia algo mais forte. 
Em goles leves, Hermione caminhava pela residência até a sala de estar e se sentou ao sofá. 

“Que dia”, pensou ela, realmente não estava preparada para tudo aquilo quando se levantou naquela manhã. Nada do que estava acontecendo estava em seus planos e isso poderia ser o que mais a atormentava.

 As lembranças estavam mais vivas do que antigamente, tudo passava em sua frente como um turbilhão de pensamentos e não sabia como faria para aquilo parar. 

Com um aceno de varinha, todas as luzes da casa foram diminuídas. Uma caixa mediana preta veio em direção a mulher. 
Hermione poderia não deixar parecer, mas todo o seu passado ainda estava guardado junto a si e a prova disso estava em sua frente. Ao longo dos anos, havia guardado consigo um meio de não se esquecer do que tinha vivido. 

Levantando o braço, pegou a caixa e a colocou no seu colo. Respirando fundo e tentando não delirar, abriu com certo receio. Quanto tempo não abria aquilo? Quanto tempo não observava aquelas foto? Isso ela não poderia dizer já que não fazia ideia.

Eram inúmeras fotografias guardadas, fotos essas que foram tiradas em um momento de sua vida que havia sido muito feliz. 

Pegou a primeira foto ali em sua frente e a analisou, Harry a abraçava e dava chão para a câmera enquanto Hermione escondia seu rosto. Segunda foto, Hermione lia um livro na biblioteca e Harry escondido a fotografava sem seu conhecimento. Terceira, quarta, quinta foto... Eram lembranças que não poderiam ser apagadas nem com o tempo e nem com o vento. 

“Como será que ele está?” se perguntou ela, a curiosidade estava matando-a e não sabia se poderia considerar isso bom ou ruim. 

 


Notas Finais


Olha... não tá fácil 😂
A Hermione é um choque pra mim, ela é tão racional que chega a ser meio doida kkk

Estão gostando? Comentem pra mim como vocês acham que vai ser o reencontro deles, eu to achando q vai ser logo logo.
Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...