1. Spirit Fanfics >
  2. Patience >
  3. Capítulo Dois

História Patience - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


E as coisas vão esquentar... Desculpem qualquer erro eu revisei, mas nunca se sabe.

Capítulo 2 - Capítulo Dois


Fanfic / Fanfiction Patience - Capítulo 2 - Capítulo Dois

-Punição? - Ele acabou de ajoelhar na frente de um monte de gente e agora quer me castigar?
-Sei o que está pensando, porém o fato de eu gostar de você a ponto de engolir meu ego pra não te perder não significa que eu vá deixar sua mau criação passar. Eu estava testando sua resistência, admito que me empolguei no jogo e passei do ponto fazendo você quase desistir.

 

-Então você é do tipo daddy e baby girl? -Digo sarcástica o encarando quando paramos em frente ao seu carro.
- Não, sou mais do tipo que te mostra como é bom obedecer. -Em dúvida apenas entro no carro quando ele abre a porta.
- Eu moro aqui perto.
-Eu sei, mas não quero ter que caminhar até aqui amanhã pra buscar meu carro.
-Amanhã? -A presunção dele está de volta e quase me faz rir. -Espera, como sabe onde moro?
-Enquanto você se empenhava em me conquistar eu apenas te observei e colhi informações a seu respeito. Queria ter certeza que seria perfeita pra mim. -Estreitei os olhos, a conversa dele não fazia muito sentido. -Com quantas garotas me viu saindo desde que nos conhecemos? -Pensei um pouco, levando em conta que nós conhecemos no primeiro ano que cheguei e ele ja estava ali há um semestre e agora ambos somos veteranos, ele com mais um semestre e eu com dois pra concluir, nos conhecemos há mais ou menos três anos e não me lembro de ter visto ele saindo com alguém daqui, ouvi boatos sobre as namoradas dele, mas nunca vi.
-Os boatos contam? Pergunto tentando quebrar o clima pesado, no entanto o semáforo fecha e ele para me encarando.
-Os boatos sobre as dúzias de garotas que apenas visitaram meu quarto? -Ouvindo aquilo em voz alta não parece fazer sentido. -Os boatos dizem que a professora Lee dá pra qualquer aluno, mas S.Copus só ganhou um tapa na cara quando foi tentar beijar ela.
-Entendi. -O carro volta a se mover.
-Você chamou minha atenção desde o primeiro semestre, mas parecia tão inocente, sempre vestida desse jeito parecendo uma menininha. -Fecho a cara e ele para o carro em frente a minha casa. - Não é ruim, me faz ficar duro só de pensar nessa carinha de anjo toda suja da minha porra. -Engulo em seco deixando a chave cair antes de conseguir abrir a porta. Ele se aproxima juntando a chave completando o ato, sorri abrindo caminho pra eu entrar. -Gosta dessa ideia não é? -Entro e paro perto do sofá me virando pra encara-lo, depois de fechar a porta e colocar a chave na mesinha ele caminha lentamente até mim com a voz baixa e grave. -Eu queria chegar em você e te arruinar por uma noite, mas e se te assustasse? Ou pior e se viciasse em você sem um sentimento recíproco? Não podia arriscar até aquele bendito beijo, seu gosto me deixou duro na hora, eu queria rasgar aquele teu vestidinho de renda e te comer ali mesmo na frente de todos, mas não podia. Então Minghao me contou que ficou com você. -Deixo o ar escapar pelos lábios entre abertos. - Ele me disse como você era na cama, como ele adorou beijar e foder você, mas que você não era pra enrolar e ele não era pra namorar.
-Ele falou isso? -O corpo grande de Mingyu está muito perto e seu perfume me deixa inebriada enquanto sua postura e olhar profundo me prendem nessa aura de sedução.
- Ele disse que você podia ser perfeita pra mim.
-O que exatamente isso significa?
- Não sou do tipo que come alguém aleatória pra matar meu tesão, também não gosto da ideia de dormir com alguém por uma noite apenas, gosto da rotina, de estar com alguém e saber que ela está só comigo. Por isso. -Ele me faz sentar no sofá e se ajoelha a minha frente. -Há coisas que você precisa saber antes de eu tocar em você. -Seus dedos pousam sobre a mecha de cabelo que cai sobre meu rosto.
-Que coisas? -Digo presa em seu olhar.
-Se aceitar ser minha será só minha, não sou do tipo que demonstra ciúme em público, mas se me provocar na frente dos outros será punida na cama. Gosto de obediência e sou bom em dar recompensas. Gosto de coisas intensas e de explorar limites, posso te levar ao céu e ao inferno no mesmo dia e você vai pedir mais dos dois até não aguentar. -Engulo em seco vendo seu sorriso malicioso. -Gosta de brinquedos? -Balanço a cabeça confirmando. -Ótimo porque sou bom com eles. O que me diz?
-Posso ter uma amostra grátis? - Ele ri.
-Levando em conta quanto estou excitado e precisando te foder, sim podemos. -As mãos dele tocam as laterais do meu rosto me puxando pra um beijo. -Mas saiba que não vou pegar leve.
-Ótimo. -Me aproximo intensificando o beijo.
-Onde é seu quarto? -Levanto sendo acompanhada por ele, meus dedos descem por seu braço até encontrar a mão grande dele. Nos guio até meu quarto pacientemente. -Vá até a cama, mas não deite. -Obedeço, estou tão tentada a cumprir cada ordem dele apenas pra receber a minha recompensa. -Boa garota, está ciente que antes de te recompensar vou te punir pelo showzinho de hoje? -Fecho a cara fazendo um bico.
-Mas... -As feições de Mingyu estão tão sérias que acabo por desistir antes de começar a me defender.
-Precisa aprender a ser paciente meu anjo, por isso vou punir sua pressa. Agora tire a roupa bem devagar. -Ele sorri e cruza os braços me assistindo.
 Estou excitada, ansiosa, curiosa e com pouca paciência, mas ignoro isso apenas me concentrando em tirar cada peça desnecessária de roupa. Os olhos castanhos de Mingyu acompanham cada movimento que faço, atentos enquanto a língua passeia vez ou outra pelos lábios os umedecendo após os dentes terem feito o maravilhoso trabalho de prende-los por longos segundos. Termino ficando apenas de lingerie.
-Espere. -Ele diz antes que eu abra o sutiã. -Me deixe ficar mais confortável. -Lentamente Mingyu começa a tirar suas roupas, quando ele termina de desabotoar a camisa e seu abdômen fica a mostra sinto meu coração disparar. Não é como se ele fosse muito musculoso nem nada assim, mas seu corpo tem as proporções certas e a pele lisinha me deixa louca pra marcar território ali com quantos chupões eu conseguir. -Gosta do que vê? -Seu tom grave me faz arrepiar, concordo  acenando a cabeça rapidamente. -Então deite. -Obedeço automaticamente indo até a cabeceira. -Antes de qualquer coisa você vai receber seu castigo. -Engoli em seco olhando atenta cada movimento dele. Sem nenhuma delicadeza Mingyu pegou a camisa que, talvez de maneira premeditada havia jogado na cama, então caminhou lentamente indo até a cabeceira da cama. -Sua primeira lição sobre mim vai ser como não gosto de ser provocado em público, erga as mãos. -Ditou áspero e obedeci prontamente sentindo meus pulsos serem amarrados, forcei uma tentativa vã de me soltar apenas para ouvir Mingyu rindo alto.
-O que vai fazer? -Minhas palavras são ignoradas enquanto ergo a cabeça procurando por ele. Meu corpo reclama da posição já que estou com o pescoço torto encarando a figura incrível que é Mingyu em pé perto da cama apenas de boxer. Seu corpo é lindo e me deixa louca, vejo sua ereção bem evidente sendo encoberta pelas mãos grandes dele.
-Nossa primeira noite vai ser a pior e a melhor da sua vida. -Suspiro temendo o que quer que ele tenha em mente. -Primeiro preciso ficar mais a vontade e relaxado pra poder te castigar, então vou te dar o privilégio de assistir. -Sem mais palavras ele tira a última peça de roupa e a chuta pra longe me deixando molhada só de ver seu pênis tão duro sendo acariciado lentamente pelas mãos grandes, nada nele é pequeno, tudo do tamanho perfeito e harmonioso com o resto do corpo. -Está vendo como me deixou? Estou tão duro, sinto que posso gozar a qualquer momento e odeio ter que me apresar, gosto de curtir cada segundo de prazer. - Ele dá um passo curto a frente e suspiro desejosa. - Não sabe como odeio me tocar desse jeito. -As mãos dele são rápidas e grosseiras fazendo a pele dele ir e vir com um som deliciosamente erótico. Seu membro estão pulsando e o pré gozo é abundante. -Podia ser a sua boquinha linda aqui, você ia me engolir direitinho? Ia deixar eu meter até a sua garganta?
- Sim, sim. -Estou ofegante e tentando a todo custo me soltar.
-Se você fosse mais paciente meu amor, eu podia estar descontando esse tesão todo na sua bucetinha molhada, imagine como seria gostoso meu pau te fodendo forte e fundo?
-Por favor? Eu... por favor.
-Vai ser mais paciente meu anjo? - Ele está movendo a mão tão rápido que quase sinto o meu próprio orgasmo só de ver seu empenho.
- Sim, posso ser paciente, sim.... por favor.
- Não meu amor, você não está sendo paciente. Vou terminar aqui e já vou aí te dar o seu castigo. -Engasgo, assistir ele sem poder toca-lo já está sendo um enorme castigo. A cabeça dele tomba e seu sêmen jorra chegando até minhas pernas os gemidos graves dele fazem meu corpo estremecer, sinto uma necessidade desesperadora de tê-lo dentro de mim a ponto de minha lubrificação escorrer de tão abundante. Mais alguns longos minutos assistindo enquanto ele se toca prolongando o próprio prazer gemendo meu nome baixinho e grave. -Queria tanto ter tido meu primeiro orgasmo dentro de você, e agora olhe. -Ele aponta para si e depois para minhas pernas meladas. -Que desperdício.
-Me desculpe. – Não sei ao certo por que peço desculpas, mas ver como ele pode se manter longe e negar o que preciso me faz repensar minhas atitudes. Se quiser ter esse homem me fodendo terei que seguir suas regras.
-Vai ser uma boa garota? -Mingyu pergunta segurando meu rosto.
-Sim. A mais obediente.
-E vai ter paciência?
-Vou me esforçar muito pra isso. -Seria mentira dizer que ter paciência seja algo fácil pra mim, então achei melhor não mentir.
-Pelo menos você é sincera. Até vou diminuir seu castigo pra três ao invés de cinco. – Ele sorri e sela nossos lábios rapidamente, mas o que seriam três? Palmadas? Será que ele tem um chicote? -Vamos logo ao seu castigo pra eu poder te foder de uma vez. -Sorrindo Mingyu se afasta em direção às minhas pernas, as abre dobrando os joelhos e levando os pés até perto da bunda, seu sorriso aumenta. -Você fez uma poça com seu melzinho. Estava tão bom me ver batendo uma?
-Só seria melhor você estando dentro de mim. -Respondo sem pensar, mas minha resposta dessa vez parece agradar.
-Logo vou estar, mal posso esperar, você está tão molhada, imagine quando eu gozar aqui. -Mingyu diz colocando dois dedos em minha entrada e os penetrando sem aviso, meu corpo arrepia e deixo um gemido escapar. -Seus vizinhos são legais? -O encaro reunindo forças para responder já que seus dedos não param de se mover dentro de mim tocando lugares deliciosos.
-No geral. -Respondo num suspiro.
-Eles reclamam dos seus gemidos? -Os dedos dele giram me fazendo arquear os quadris. -Reclamam quando traz alguém?
- Não... eles... AHHH... eu... -Sinto um orgasmo delicioso se aproximando, a velocidade com que Mingyu move os dedos é impressionante, são só dois dos seus dedos longos e grossos, mas sempre que comprido meus músculos posso senti-los. Me perco nos pequenos espasmos que começam a me dominar e quando meu corpo está há um passo da realização Mingyu tira os dedos de mim me deixando um sentimento de vazio, comprimo meus músculos de modo desesperado, mas meu orgasmo se perdeu na ausência de seus dedos.
-Responda a pergunta. -Um tapa forte é desferido em meu clitóris e reverbera por todo corpo que responde com um gemido sôfrego.
-Eu nunca trago ninguém. -Digo baixo com vergonha.
- Não minta pra mim. -Um dos dedos dele volta a me penetrar enquanto o outro aperta meu clitóris no mesmo ritmo. -Você consegue segurar os gemidos?
-Eu não trago ninguém, nunca transo aqui. -Digo rebolando em seus dedos.
-Gosta de ir na casa deles? -Seus dedos aumentam a força, eles são agressivos como que me punindo por ter transado com outros caras.
-Nem sei quando foi a última vez. -Ele ri alto. -Não sou muito fácil de agradar.
-Quer que eu acredite que você estava na seca? Parecia muito controlada com o Seonghwa pra quem não tem sexo há tempos. Não minta pra mim.
- Não estou mentindo. Correr atrás de você foi frustrante, mas posso ser muito disciplinada. Quanto mais ele esperasse mais tesão Seonghwa teria pra descontar no fim da noite, não sou tão experiente, mas aprendi logo que mais tesão é igual a mais prazer. -Digo pausadamente aproveitando que os dedos dele apenas entravam e saíam de dentro de mim como que me acariciando.
-Você engana muito com essa carinha. -Mingyu faz movimentos ritmados apertando e penetrando de forma perfeita, meu orgasmo volta a se formar e começo a gemer baixinho. -Ia gemer assim pra ele? Era o que pretendia? Deixar ele louco com esse gemido manhoso? -A voz grave dele expressa seu desgosto com a ideia do que teria acontecido se Seonghwa estivesse em seu lugar. Meu corpo é percorrido por uma corrente de pequenos choques e os espasmos estão de volta sinto que falta pouco, mas foi só pensar em gozar que os dedos de Mingyu me abandonaram novamente fazendo meu corpo se mover por conta própria na tentativa de segura-los dentro de mim, solto um muxoxo emburrada. -Não respondeu. – Ele força minhas pernas para abri-las mais e sinto meus quadris reclamando do ato.
-Eu não tinha um plano, precisava descontar todo o tesão acumulado das semanas que tentei chamar sua atenção. Eu estava me sentindo tão frustrada que talvez ele só precisasse de alguns minutos pra me fazer gozar.
-Ia topar o ménage? -Suas mãos não permitem que eu feche nem um milímetro minhas pernas.
-Sou liberal, só não gosto de fogo e posso ficar sensível ao ver sangue.
-Registrado, mas sabe não gosto de dividir o que é meu.
-Você disse. -Respondo suspirando ao sentir o corpo dele se inclinando, sua boca está a caminho da minha intimidade e quase deixo uma gargalhada escapar.
-Ótimo estava prestando atenção. Porém a ideia de amarrar Seonghwa a uma cadeira ainda vestido e deixar que ele assista enquanto te fodo até não conseguir nem andar é bem tentadora, ele seria nossa plateia e só eu iria comer você.
-Como você é mau. -Sussurro ao sentir seus lábios próximos de minha entrada.
-Seria a melhor vingança por ele ousar tocar em você. Ele ficaria nos assistindo de pau duro sem ao menos poder tirar as calças. -Mingyu ri e sinto seu hálito em minha pele úmida. -Algo a se pensar.
-Quer mesmo ter plateia? – Não sei se consigo nunca pensei nisso.
-Claro. -Ele sela seus lábios em meu clitóris e o suga devagar me fazendo gemer. -Ele aprenderia muito e você ficaria tão molhada quanto agora, gosta da ideia não é? – Não quero responder porque no fundo nem sei o que responder. Mas a imagem de um Seonghwa excitado completamente vestido e amarrado me vem à mente e não posso negar que me agrada, mas eu com certeza não resistiria a sentar nele. Uma dor repentina me assusta quando Mingyu morde meu clitóris. -Pare de pensar nele. – Não respondo. -Se for uma boa menina podemos realizar tantas fantasias quantas você puder ter, mas vai ter que aceitar minhas condições e ser obediente.
- Isso é tentador. -Digo sorrindo.
- Não tem ideia de quanto pode ser prazeroso, mas logo terá. -Ele se cala e começa a me chupar com vontade, um segundo depois sei que não vou durar nada. Meus lençóis vão precisar de uma boa lavada amanhã e eu de algo pra dor. Mas quando estou gemendo alto a ponto de gozar de novo Mingyu para e quase choro.
-Por favor,  por favor, por favor. -Repito com a voz embargada. -Eu preciso... preciso.
-Calma meu amor seu castigo acabou. -Suspiro. Agora entendi o que o três queria dizer, então ele planejava me levar as portas de um orgasmo e me negar por cinco vezes?
-Você é mau. -Digo fazendo bico.
-Vai ver como seu castigo vai valer a pena. Vamos começar a ação de verdade. – Ele me puxa fazendo meu corpo virar e com uma habilidade impressionante me coloca de bunda empinada pra ele e cara para o colchão, meus pulsos reclamam da posição em que ficaram por estarem presos, mas não protesto afinal minha necessidade de gozar é maior do que qualquer dor no momento. Logo sinto Mingyu a minha entrada. -Honestamente não consigo mais esperar. – Ele se enfia em mim e começa a estocar fundo de maneira lenta o que me deixa louca.
-MINGYYYUU.... -Grito expressando o prazer que sinto. -Ahhhhh.
-Mais alto, vamos testar a paciência dos seus vizinhos. – Ele aumenta a força com que investe contra mim fazendo meu corpo avançar rumo a cabeceira da cama enquanto grito seu nome. Não demora pra eu começar a sentir os sinais de um orgasmo dos grandes e entro em pânico com a ideia de ele se afastar de novo acabaria chorando, no desespero tento usar minhas pernas para prendê-lo. -Calma meu anjo seu castigo acabou agora me solte pra eu te foder direitinho. -A voz dele está levemente melosa o que me convence na hora. -Boa menina, agora sua recompensa. -Sem aviso ele mete com força e rápido atingindo um ponto deliciosamente doloroso em mim. -Você é tão apertadinha, tão molhada e quentinha quase posso gozar aqui e agora. Vai goza pra mim, precisa gozar pra gente continuar. – Não estou prestando muita atenção ao que ele diz seu tom grave e as investidas perfeitas me arrastam para um orgasmo que faz cada pedaço do meu corpo se contorcer e cada músculo retesar por alguns segundos explodindo em prazer. Perco o controle de qualquer coisa e talvez até tenha apagado por alguns segundos, não sinto Mingyu gozando a próxima coisa que vejo são suas mãos grandes soltando o nó e libertando as minhas. Estou de barriga pra cima e meu corpo dói. -Agora pode me marcar, mas só nas costas. – Não tenho certeza do que isso significa mas assim que as mãos dele apertam meus seios seguidas de sua boca sugando cada um deles percebo que ele não acabou e temo não aguentar mais.
-Eu não... MINGYYYYUUU. -Grito ao sentir seus dentes mordendo com força meu mamilo direito, nem me recuperei e ele morde o esquerdo da mesma forma, mas sequer consigo gritar.
-Entenda minha boneca vai gozar mais uma vez, não é uma opção. Sua bocetinha vai escorrer e melar meu pau daí vou estocar mais e gozar bem fundo e gostoso em você. – Não respondo por ter perdido o ar assim que sinto o pau dele entrando em mim com força. Ele não diz nada apenas se inclina abraçando apertado meu corpo deixando seu peito espremer meus seios enquanto o quadril se move rápido me acertando fundo. Sua respiração fica ruidosa e não demora a virar gemidos Mingyu claramente quer nos fazer gozar o quanto antes, seu quadril recua um pouco mais e volta me estocando em outro lugar, um deliciosamente certo.
-Sim, sim.... -Sussurro gravando as unhas na lateral de seu corpo pra descontar um pouco.
-Tão apertada e quentinha, nunca mais quero sair daqui ela é perfeita para o meu pau. Vai delícia goza nele. -Suas palavras me fazem comprimir em busca de mais contato. – Isso aperta ele, está sentindo? Ele está pulsando todinho pra você. – Não tenho palavras apenas tanto segurar os gritos enquanto deixo gemidos escaparam está tão bom que não quero que acabe, mas a voz rouca de Mingyu falando como vai me deixar sem andar sempre que puder, como minha boceta vai ficar dolorida de tanto gozar me arrasta pra outro orgasmo, mas antes sinto ele gozando com força em mim e muito nem parece que acabou de sujar minhas pernas, meus pensamentos se vão quando gozo também.
O peso do corpo de Mingyu some alguns segundos depois de eu parar de gozar, ele me puxa pra perto abraçando meus ombros e sinto que não quero sair dali. Mesmo que eu realmente precise de alguma pomada amanhã vai ter válido a pena, na verdade eu já estou pensando em onde vou guardar o estoque de pomada. Antes de apagar por completo ouço Mingyu pigarrear e sorrio.
-Minha? – Ele pergunta sem me encarar, também estou cansada demais pra erguer a cabeça.
-Todinha sua. -Respondo envolvendo seu tronco em meus braços.
-Perfeito. Boa noite minha, só minha.
-Boa noite.


Notas Finais


Espero que tenham gostado... Obrigada por ler. Bjus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...