1. Spirit Fanfics >
  2. Pavão Escarlate - Saint Seiya >
  3. Capítulo XXVIII - Você me Paga!

História Pavão Escarlate - Saint Seiya - Capítulo 30


Escrita por:


Notas do Autor


Me perdoem pelo capítulo mais longo que o normal ;-;

Boa Leitura🖤

Capítulo 30 - Capítulo XXVIII - Você me Paga!


Fanfic / Fanfiction Pavão Escarlate - Saint Seiya - Capítulo 30 - Capítulo XXVIII - Você me Paga!

Durante a noite Stella chorou e gritou quatro vezes, em todas eu acordei e a abracei mais forte e em resposta ela apertava minha camiseta, creio que em nenhum momento dessa noite ela ficou sem ter um único pesadelo ou tormento durante o sono.

Na manhã seguinte eu acordei primeiro como na maioria das vezes, olhei para Stella que pela primeira vez parecia dormir mais tranquila, não queria levantar da cama e nem sair de perto dela, mas a insistência em Afrodite batendo na porta me fez ir até lá.

- Me da um bom motivo pra não te levar na base da agulhada até a casa de Peixes - falei sem paciência alguma tendo um sorriso sínico como resposta.

- Bom dia Milo, como você está? Passou bem essa noite? - o olhei sério.

- Olha eu tava bem até você começa a bater na minha porta - sorriu.

- Stella está ai? - me olhou de canto com um sorrisinho, eu sabia muito bem ao que ele estava se referindo.

- Está, mas não fizemos nada se é isso que quer saber - sorri.

- Bom tem haver com ela o motivo pelo qual eu vim - estranhei - fui levar a mais bela rosa de meu jardim para Athena, e ela me pediu para vim lhe trazer um recado - olhou para a rosa branca que estava em sua mão - ela mesma disse que hoje você está dispensado de suas tarefas e que deve ficar com a Stella - ficou pensativo - acho que deve ser por conta de alguns dríades terem sido vistos nas proximidades do Santuário - concordei - se quer um conselho não sai dessa casa de Escorpião.

- Pode deixa, acho que ela também não vai querer sair - me olhou.

- Imagino ela chegou ontem a noite junto da Shaina, dois dias caçando os dríades deve ser bem cansativo - concordei - bom eu já vou indo, vou deixar você voltar pro lado dela - me estendeu a rosa - entrega pra ela.

- Pode deixar e ela amou o buquê - sorriu.

- Claro que amou, foi feito por mim - revirei os olhos - mas devo admitir que você tem um bom gosto pra flores - sorri - não sabia que você era tão romântico assim.

- O amor muda as pessoas.

- Devo concordar, Stella deu uma boa mudada em você em - sorri.

- Realmente, e eu ainda tenho esperança que o Máscara da Morte te mude - ele fechou a cara com um pequeno bico.

- Tenha um bom dia Milo - se virou começando a descer as escadas.

- Não se esqueça que a casa de Câncer é a quarta - ele me mostrou o dedo após a pequena risada que dei, fechei a porta e voltei calmamente para o quarto e quando entrei Stella estava acordada, senti um peso ao ver que não estava ao seu lado quando acordou - me desculpa por não...

- Tá tudo bem - me olhou com um fraco sorriso - escutei e senti a presença de Afrodite na porta, e eu também acordei quando você levantou - me sentei ao seu lado encostando na cabeceira.

- De qualquer forma me desculpa - beijei com cuidado sua testa e lhe estendi a flor - ele mandou te entregar.

- Atrapalha meu sono e depois vem com presente? Vou matar aquela lambari - ri de seu comentário - mas o que ele queria tão cedo? - colocou a rosa ao seu lado e levou a mão até às mechas de meu cabelo que estavam na frente começando a mexer nelas.

- Veio trazer uma ordem de Athena - me olhou preocupada - ela disse que eu estou dispensado de minhas tarefas e devo ficar o dia todo com você - um pequeno sorriso apareceu em seu lábio - eu ia sugerir de irmos para minha casa, mas sou obrigado a concordar com o peixinho que é melhor ficarmos aqui - concordou ainda mexendo em meu cabelo, a olhei bem vendo que um pequeno cansaço ainda estava presente - porque não dorme de novo?

- Não quero passar o meu dia dormindo - sorri.

- Stella são seis horas da manhã, dormir um pouco mais não vai fazer mal.

- Eu me recuso - cruzou os braços fazendo um bico.

- Deixa de manha, tá na sua carinha que você ainda tá com sono - negou - olha eu prometo que vou ficar do seu lado durante todo o tempo que você dormir - pensou.

- Mas você vai perder tempo se fizer isso - com calma coloquei a mão em seu rosto, pensei que ela fosse recuar mas não fez.

- Eu iria perder tempo se não ficasse com você, e eu também não tenho mais nada pra fazer já que fui dispensado dos meus serviços - acariciei seu rosto vendo o pequeno sorriso aparecer.

- Você ganhou, eu vou voltar a dormir - mordeu o lábio olhando para o lado - posso te pedir uma coisa? - concordei vendo suas bochechas ficarem levemente vermelhas e um pequeno sorriso aparecer - me dá um beijo? - sorri passando rapidamente a língua pelos lábios.

- Te dou quantos quiser - segurei com calma seu rosto e encostei nossas bocas em um beijo calmo, coloquei minha outra mão em seu rosto também, queria percorrer cada canto de seu corpo com ela, mas sei que ela ainda se sente mal com o toque em algumas áreas de seu corpo, nos separamos pela falta de ar, mas antes de me afastar por completo lhe dei dois selinhos e um pequeno beijinho na ponta do nariz - eu te amo.

- Eu também te amo Milo - me abraçou deixando a cabeça na curvatura de meu pescoço - se importa se eu dormir aqui?

- Não - sorri - mas antes deixa eu me arrumar - se afastou com um pequeno sorriso e não demorei para arrumar os travesseiros em minha costa, levantei um pouco a coberta e novamente ela me abraçou, a cobri com cuidado deixando uma de minhas mãos em sua costa - durma bem meu anjo - deixei um beijo em sua cabeça e com a mão livre comecei um carinho ali, um tempo depois ela acabou dormindo.

Tentei dormir um pouco mas estava sem sono, fiquei a olhando enquanto mexia em seus cabelos, ela dormia tranquilamente o que me deixou bem feliz, me lembrei que Stella não tem roupas aqui nessa casa, então resolvi pedir a Hyoga que estava passando.

- "Hyoga" - o chamei pelo cosmo assim que entrou em Escorpião.

- "Milo, aconteceu algo com a Stella?" - parecia preocupado.

- "Ela está bem, quero pedir um favor".

- "Tem haver sobre ela ficar o dia todo com você? Afrodite passou nós informar isso a pedido de Athena".

- "Sim tem haver com isso, você ou Camus podem trazer algumas roupas para ela? Pois eu duvido muito que ela vá sair dessa casa hoje".

- "Está bem Milo, quando ela acordar me avise que vamos vir vê-la".

- "Obrigado Hyoga" - sorri - "tem passagem livre por Escorpião" - ele se despediu e continuou seu caminho.

Enquanto dormia Stella deslizou a mão que estava em meu peito para meu abdômen, sorri a segurando com calma e olhei suas unhas, quando ela me mostrou o corpo eu pude notar alguns arranhões na sua cintura e colo, se mexeu novamente virando de barriga pra cima, a arrumei com cuidado voltando a segurar uma de suas mãos sendo a direita que estava enfaixada, olhei bem para a faixa e uma parte dela estava começando a ficar suja de sangue e a olhei preocupado, por algum motivo ela não estava se curando de um simples ferimento como aquele, se mexeu novamente ficando de costa e com cuidado a tirei de peito a deitando no travesseiro.

Me levantei novamente com todo o cuidado e a olhei verificando se ela ainda dormia, caminhei até a janela do quarto a abrindo deixando a brisa fresca entrar, fui para a sala onde peguei a máscara e blusa que ela usava ontem e as levei até o quarto deixando na escrivaninha, voltei para a cama retirando minha camiseta a deixando na cadeira e me deitei, automaticamente Stella se virou para mim e a trouxe mais para perto com cuidado, um tempinho depois ela acordou e me olhou com aquela carinha de sono.

- Bom dia pequena - ela deu um pequeno sorriso - dormiu bem? - concordou.

- Que horas são? - perguntou enquanto coçava o olho de uma forma bem fofinha, olhei para o relógio que estava atrás dela no criado.

- Oito em ponto - a olhei - vou pegar algo pra você comer e avisar Hyoga e Camus que você acordou.

- Porque vai avisar eles?

- Enquanto você dormia Hyoga passou por aqui, pedi pra ele trazer algumas roupas suas - assentiu - vai querer algo pro café?

- Eu tô sem fome - a olhei preocupado.

- Stella você tem que comer algo - suspirou.

- Creio que não vou conseguir comer - olhou para a mecha de meu cabelo que estava em sua mão.

- Tudo bem - dei um pequeno sorriso - me acompanha até a cozinha pelo menos? - concordou com um pequeno sorriso e me levantei - vem - a peguei com cuidado no colo e fomos pra cozinha, a deixei no banco do balcão.

- Você as vezes me trata como se eu fosse um bebê - ela fez um bico assim que a olhei.

- Olha as vezes você parece realmente um bebê, principalmente quando faz essa carinha - sorri - mas você ta mais pra uma criança - me sentei ao lado dela com uma tigela de morango e uvas, junto de uma maçã.

- Vai a merda - dei um beijo em sua bochecha e comecei a comer enquanto ela me olhava.

- Vem - ela deu um pequeno sorriso e se sentou em minha coxa se encostando no meu peito - quer um morango? - negou e no mesmo instante meu celular que até então eu havia esquecido que estava em meu bolso tocou - quer apostar quanto é o Máscara da Morte - peguei o aparelho vendo que realmente era o caranguejo, recusei a chamada e o desbloqueie, ela segurou meu pulsou e o virou olhando o wallpaper de tela principal.

- Quando você tirou? - me olhou com um pequeno sorriso.

- Não fui eu - entrei na galeria - foi o Hyoga - mostrei melhor a foto, ela estava sentada no galho de uma árvore, usava a armadura e estava sem a máscara, uma das mãos estava no troco da árvore e a outra no galho, os cabelos estavam espalhados balançando conforme o vento, naquele dia ela estava esperando Marin e Shaina para mais uma das patrulhas - falando nele tenho que avisar que você já acordou - ela soltou meu pulso e na frente dela mesmo entrei nas mensagens e avisei Hyoga que já podia descer, ela pegou meu celular e começou a mexer em algo enquanto eu comia - tá fazendo o que?

- Vendo as fotos - comecei a comer a maçã e não demorou para Camus e Hyoga chegarem na casa de Escorpião.

- Eles chegaram - bloqueou o celular deixando em cima do balcão - você quer ver eles?

- Posso tomar um banho primeiro? - concordei.

- Vou deixar as suas coisas na cama e ficarei com os dois na sala - com calma fomos para o quarto onde peguei minha camiseta - não precisa ter pressa - concordou e antes que eu saísse ela segurou meu pulso, a olhei por um tempo e o pequeno biquinho que apareceu em seus lábios me disse o que ela queria, me aproximei e com calma lhe dei um selinho - eu te amo.

- Eu também te amo - sorrimos e sai do quarto.

- Pra que essa demora? - Hyoga falou assim que abri a porta, sorri para ele deixando os dois entrarem.

- Eu tava acompanhando Stella até o quarto, ela foi tomar banho e depois que vem ver vocês - eles se sentaram e Hyoga me entregou a mochila - já volto - fui para o quarto e abri a porta deixando a mochila sobre a cama, escutei o barulho do chuveiro e voltei para a sala me sentando em uma das poltronas.

- Como ela está e como passou a noite? - Camus perguntou claramente preocupado.

- Ela ainda está desanimada, e teve alguns problemas pra dormir - Hyoga me olhou.

- Ela comeu algo hoje Milo?

- Eu ia perguntar o mesmo a vocês, ela comeu algo ontem antes de vir? - negaram.

- Ela se recusa a comer e também anda desanimada - Camus completou.

- Hoje ela sorriu um pouco - falei não muito animado.

- Temos que fazer ela comer algo, ela está fraca e garanto que sem forças para se curar daquele ferimento, mas creio que nem se nós três pedimos juntos ela come - Hyoga comentou, fiquei pensativo e dei um sorriso quando uma ideia me apareceu.

- Eu acho que sei quem pode resolver esse problema - me olharam - trata-se... - olhamos para a entrada do corredor onde Stella apareceu, Camus se levantou e foi ao seu encontro a abraçando.

- Oi querida - um pequeno sorriso apareceu no rosto de Stella.

- Oi papai - o abraçou mais forte.

--------

Camus e Hyoga passaram um bom tempo da manhã com Stella e Milo, quando estava perto do almoço os dois se despediram, o casal voltou junto para o quarto onde arrumaram a cama e enquanto Milo tomava um banho, ela sentou na poltrona perto da janela e começou a ler o livro que Hyoga havia trazido.

Milo saiu do banheiro sem camiseta secando o cabelo com a toalha, ele a olhou vendo que estava entretida e pegou seu celular entrando no closet, fechou a porta com cuidado e depois de se vestir mandou mensagem para uma pessoa, depois de alguns minutos de conversa procurou no meio de suas coisas seu MacBook que pouco usava, achou o objeto dentro da capa preta e voltou para o quarto, sentou no centro da cama pegando o aparelho de cor dourada e o ligou, mexeu um pouco e olhou para Stella.

- Stella - o olhou - vem aqui - ela estranhou mas fechou o livro colocando o marcador e se levantou, ele fez o mesmo - senta ali - indicou o lugar que estava, meio relutante ela sentou e congelou quando olhou para a tela do computador.

- Oii Ste, como você tá? - Gustavo falou sorrindo ironicamente do outro lado da vídeo chamada, ela estreitou rapidamente os olhos na direção de Milo que piscou.

- Oii Guh, eu tô até que bem e você? - Milo cruzou os braços a olhando com um sorriso.

- Eu estou bem, só chateado porque uma certa pessoa não come nada desde ontem - ela olhou brava para Milo entendendo agora o motivo daquela ligação - não adianta brigar com ele, porque se fizer isso eu que vou brigar com você.

- Pera você tá defendendo ele? - apontou para Milo indignada - você tem que ficar do meu lado não do dele.

- Olha você sabe que se for preciso até numa chacina eu fico a seu favor, mas nesse caso eu tô com ele - sorriu.

- Seu traíra, nem Judas foi tão traidor assim - ela cruzou os braços o olhando brava.

- Aaaa para de drama vai - mostrou a língua ao primo.

- Quem mostra a língua pede beijo - Milo sussurrou em grego tirando um pequeno sorriso de Stella que estava prestes a mostrar o dedo do meio pra ele.

- Olha eu não sei o que ele falou mas pode baixando essa mão - ela parou ao ouvir Gustavo - não foi essa educação que eu te dei.

- Pera a mais velha aqui sou eu - Gustavo segurou a risada.

- Você é mais velha só alguns meses, mas quem tem mais maturidade sou eu - abriu a boca indignada enquanto Milo segurava a risada.

- Se você rir tá solteiro - olhou para o azulado voltando a focar no primo - eu tenho maturidade e responsabilidade também.

- Então se tem isso porque tá fazendo birra pra comer? - olhou para o lado.

- Eu...eu só não tô com fome - Gustavo arqueou uma sobrancelha.

- Stella se deixar você come a dispensa inteira, mas mesmo não estando com fome, come pelo menos algumas coisas, nem que seja uma fruta - olhou para o primo que a olhava com uma carinha de dó.

- Não faz essa cara - olhou para Milo que estava igual a Gustavo - paro, dois já é sacanagem comigo - evitou olhar para os dois e colocou a mão no rosto grunhindo de raiva por ceder - eu odeio vocês.

- A gente também te ama - os dois falaram juntos.

- Vai querer o que pequena? - olhou para o namorado que sorria.

- Pode ser morango e maçã - ele sorriu.

- Já trago - se inclinou um pouco deixando um beijo na testa dela e saiu do quarto.

- Olhando assim nem parece que se deixasse vocês se matavam no passado - riram - como estão as coisas entre vocês?

- Confesso que eu achei que ele fosse ter raiva ou nojo de mim - deu um fraco sorriso - mas ele não teve e respeitou meu tempo, me mandou um belo buquê com um cartão, depois te mando foto - concordou.

- Vai contar pro resto da família quando?

- Quando der um mês e a gente não tiver se matado, mas quase não temos brigas, a não ser por coisas bobinhas que termina sempre em risada - sorriu

- É tão bom ver que você finalmente deu uma chance pra um homem entrar na sua vida.

- Eu tive que lutar muito pra conseguir essa façanha viu - Milo respondeu, entrando no quarto com uma tigela de frutas picadas que entregou a Stella deixando um beijo em sua testa e se afastou indo até a escrivaninha.

- Stella o que você fez na mão? - olhou para o curativo antes de responder.

- Eu soquei o espelho do meu banheiro - Gustavo passou a mão no rosto nervoso.

- Você só fez isso né? - concordou e Milo que estava agora na poltrona lendo alguns documentos estranhou a pergunta - me promete que não vai mais fazer isso ou aquelas coisas de novo.

- Aquilo lá é passado, e o espelho foi porque eu não tava conseguindo me olhar - comeu um morango.

- Por tudo que é mais sagrado nesse mundo seja sincera nessa resposta - respirou fundo - você por acaso após esse acontecimento pensou em morrer? - ela olhou para o lado dando a resposta que Gustavo temia, o silêncio fez Milo entender qual era a resposta também - não faça nenhuma loucura.

- Não farei - sorriu.

- Ótimo, até porque eu tenho esperança de entrar contigo numa igreja - os dois ficaram em silêncio por um minuto mas logo riram.

- Se ainda tem esperança que eu vou casar? - Milo a olhou - pode desfazendo essa cara aí e tirando a ideia da cabeça - Gustavo riu mais ainda ao ver a reação de Stella - fiquem feliz por eu ter começado a namorar, que vindo de minha pessoa já é um grande avanço.

- A Stella, minha meta de vida é ver você de branco entrando numa igreja - a cara de Stella deu mais gás ao garoto para rir.

- Primeiro que seu eu casar não vai ser na igreja e sim num campo aberto, segundo minha roupa seria em um tom vermelho e terceiro - Gustavo parou de rir - NEM A PAU QUE EU ENTRO NUM VESTIDO DAQUELE ESTILO DE NOVO - ele gargalhou ao ver a cara de brava de Stella - seu aniversário foi a única festa que fiz esse esforço.

- O minha flor - estreitou os olhos - se tem que casa pra mim morrer em paz, é um dos meus desejos de vida, morrer depois do casamento de minha prima.

- Então eu nunca vou casar porque assim você vai viver mais - sorriram.

- Stella você sabe que uma hora todos morrem, vai chegar o meu dia e o seu também.

- Eu sei, eu só te peço pra ir depois de mim - o olhou - não vá antes, eu sei muito bem que esse tranco eu não vou aguentar, você sabe das loucuras que eu sou capaz - olhou para a prima calmamente.

- Eu te prometo que vou ficar contigo até sua morte, vou ver o Yoshi cortar seu cabelo, ver você sendo feliz cada vez mais com o Milo, ter o prazer de entrar com você no dia de seu casamento e aí soltar um Finalmente quando você e Milo saírem juntos do altar - riram - e se duvidar ainda vou estragar seus filhos - os dois gargalharam novamente.

- A não Gustavo se foi longe de mais, filhos? - ela não conseguia parar de rir - ta vendo porque eu não queria falar pra você do relacionamento? Se duvidar se já tá preparando até nossas covas pro dia do nosso enterro.

- Olha - sorriu - só vou ter que providenciar a do Milo - ela parou de rir olhando para o primo - até hoje eu não entendo porque você ainda tem aquilo lá.

- Um dia eu vou precisar, não precisei naquela época, mas quem sabe futuramente.

- Você não tomar jeito em.

- Eu nunca andei nos trilhos Gustavo - ela olhou para a tigela vendo que já havia comido todas as frutas.

- Pra quem não tava com fome, comeu até que bem em - ele cutucou.

- Vai tomar no seu...

- Olha a boca - os dois a interromperam.

- Eu odeio vocês - cruzou os braços fazendo um bico enquanto eles riam, Milo se levantou indo até ela.

- Quer mais? - ela negou recebendo um beijo na bochecha.

- Olha que fofos, nem parece que um deles é o capeta na terra - ela olhou para Gustavo junto de Milo que piscou para o primo recebendo uma de volta - vai senta aí Milo, quero ver vocês dois juntinhos já que uma certa pessoa nunca me manda foto de vocês.

- Não se preocupa, eu mando pra você depois - se sentou ao lado de Stella que se encostou nele.

- Agora que eu me toquei - ela olhou para os dois - como um tem o contato do outro?

- Eu explico - Gustavo se arrumou - quando vocês vieram aqui eu já saquei que vocês iam ter algo futuramente e eu estava certo, o que me lembra que eu ganhei a aposta com o Marcos - ela estranhou - apostamos se vocês iam namorar ou não - o olhou seria - não julga porque você também apostou no namoro do Paulo.

- Óbvio que apostei, eu fui a cupido - riram.

- Mas enfim, eu entreguei meu telefone e email para Milo, dizendo que se ele precisasse de algo podia entrar em contato comigo - ela olhou surpresa para o primo - antes que pense que ele me usou pra te dar algo está errada, ele nunca me perguntou nada ou pediu ajuda, essa foi a primeira vez.

- Obrigado pelo ajuda Gustavo, Camus também agradece.

- Que isso - sorriram - eu que agradeço por me ligar.

- Bom vou deixar vocês dois conversando e ir fazer algumas coisas - olhou preocupada para Milo que sorriu - vão ser aqui em casa mesmo, se precisar de algo é só chamar - ela concordou - até mais Gustavo.

- Falou burguês - Milo riu, deu rápido selinho em Stella e saiu do quarto com a tigela - antes que pergunte o porquê desse apelido eu digo, você já viu o carro, casa e moto dele?

- Como você já viu elas? - sorriu.

- Ele manda fotos suas, como não estou mais perto pra tirar várias fotos e vídeos seus, tenho que pedir pra outra pessoa fazer o trabalho - ela sorriu - assim como você tira algumas fotos distraídas dele, ele tira suas também, nunca pensei que ia ver você tendo um relacionamento.

- Nem eu me via tendo um, confesso que ainda acho que é um sonho ou alguma brincadeira.

- Te digo que não é, ele realmente te ama, da pra ver como ele cuida e te olha, nesses poucos minutos aqui já deu pra ver o amor no olhar de vocês.

- Você tem razão, eu amo o Milo e com toda a certeza ele é dono de metade do meu coração - sorriu - a outra metade sempre foi e sempre será sua e se você se for antes de mim, eu vou ficar arrasada.

- É como eu disse, só saio dessa terra depois de você - sorriram.

Os dois conversaram durante um bom tempo, Milo ficava mais feliz toda vez que escutava as altas risadas que ela dava, entendia bem o carinho que um tinha pelo o outro, no resto daquele dia ele não saiu do lado dela e com a ligação de mais cedo ela chegou a comer um pouco mais no decorrer do dia, a noite eles foram para Aquário onde jantaram com Camus e Hyoga.

Os dias foram passando e três dias depois da ligação com a ajuda de Milo, Camus e Hyoga ela conseguiu contar para os dourados e Shiryu o que havia acontecido, ela ainda evitava um pouco dos toques deles que entendiam perfeitamente, não teve um deles que não ficou com raiva e jurou internamente que faria Cleiton pagar por aquilo, as marcas já estavam quase sumindo, mas ela ainda usava collants de gola alta, havia voltado para os treinos com a ajuda de Marin e Shaina, as duas passaram a treinar com ela já que ainda não tinha muita confiança para uma luta com algum homem.

Infelizmente as noites não mudaram, ainda tinha os pesadelos e sempre dormia acompanhada de Hyoga ou Camus, sempre que dormia com Milo parecia que estava mais tranquila, com exceção de uma única noite.

Estava subindo as doze casas chegando em Escorpião, olhou para o canto da casa vendo Milo encostado na pilastra com um sorriso e foi ao seu encontro, ele desencostou e de mãos dadas subiram para a parte de cima, quando entraram Milo a prensou contra a porta retirando a máscara jogando no sofá, a atitude a havia assutado um pouco, mas não deu importância pois logo os dois começaram a se beijar, a pegou no colo a fazendo entrelaçar as pernas em sua cintura e foi para o quarto, se deitaram com Milo ficando por cima enquanto as bocas ainda estavam juntas, segurou os pulsos de Stella acima de sua cabeça começando a deixar beijos por seu pescoço, colocou as mãos na barra da camisa justa que ela usava e começou a subir deixando pequenos beijos na pele que estava sendo exposta, quando se mexeu um pouco notou que suas mãos estavam amarradas, olhou assustada para cima vendo que haviam cordas que estavam a machucando, um desespero tomou conta de si quando olhou para Milo que a olhava com um sorriso assustador, ele terminou de levantar sua camisa junto de seu top deixando seus seios amostra.

- Milo você tá me assustando - falou se referindo as atitudes e o sorriso que ele dava.

- Minha cara - sorriu de canto - eu não sou o Milo - como daquela vez a imagem de Milo sumiu dando lugar a de Cleiton - e como ele não está aqui, eu vou aproveitar e brincar um pouco com você - começou a chorar de medo, queria gritar mas sua voz não saia e o desespero aumentou quando Cleiton começou a toca-la novamente.

- Para por favor - pedia em meio aos choros - por favor...

- Para! - sentou assustada na cama com as mãos na cabeça chorando, Milo acordou com o movimento de Stella e se sentou também.

- Stella o que foi? - quando foi toca-la ela segurou seu pulso o assustando.

- Não me toca por favor - levantou assustada se afastando dele - fica longe de mim.

- Stella calma - se levantou tentando se aproximar - calma, foi só um pesadelo - ela negou o olhando com medo - Stella eu não vou te fazer mal algum - levantou com calma a mão esquerda onde os olhos de Stella pousaram sobre a pulseira - tá vendo - indicou o acessório se lembrando de que a sua "cópia" não usava uma naquele dia - eu estou com o seu presente e pra que não duvide eu sei que você me deu no dia do meu aniversário, você me chamou pra um canto onde me mandou fechar os olhos e a colocou no meu pulso, me dizendo que se eu a perdesse ou tirasse, você iria entender que eu não queria mais nada contigo - olhou nos olhos dele vendo que eram os olhos azuis que tanto amava e confiava, sua respiração ainda estava alterada - e no seu aniversário eu te dei esse cordão que você está segurando, te levei pra cachoeira onde o coloquei em você, dizendo que a suas palavras sobre a pulseira significavam o mesmo - ele deu um pequeno sorriso estendendo a mão, o olhou nos olhos uma última vez segurando a mão dele sendo puxada com calma para um abraço, apertou fortemente o tecido da camiseta de Milo chorando.

- Me desculpa.

- Shiiii, já passou - beijou o topo da cabeça de Stella e olhou para a janela, não importa o quanto demorasse, Cleiton iria pagar pelo o que fez.

~~~~~~

- Atë - Phonos chamou a irmã assim que entrou no local onde estavam escondidos, a mulher o olhou - vai continuar com isso até quando? Estamos ficando sem tempo.

- Se refere a Amazona? - perguntou calmamente.

- Sim, porque não a pegamos de uma vez? - Phonos já estava ficando impaciente com aquela história.

- Tenha calma meu irmão, meu plano já está quase completo - pegou uma taça de vinho - só preciso checar mais uma coisinha - bebeu um pouco do líquido - Stella está um pouco abalada, mas pelo o que sinto quando ela ver Cleiton com toda a certeza irá perder a cabeça, complementamos isso com o nosso plano final - fez surgir um trono de raízes onde sentou - depois é só começarmos de vez nossos ataques e jogarmos a bomba.

- Que é onde eu entro - Emoni apareceu com seu urso nos braços.

- Exatamente, depois só precisamos atacar e pegá-la - Atë olhou para o irmão - e é onde você entra irmão.

- Será um prazer pegar ela, mas se alguém executar bem o plano - olhou para a criança que sorriu - ela vira comigo por pura vontade, e será um prazer ver a cara do Escorpião quando isso acontecer.

- Depois só precisamos que ela nos traga a maçã dourada para acharmos o corpo de nossa mãe - Atë completou.

- Até lá, podemos usar o corpo de Stella - as duas olharam curiosas para Phonos - não será a mesma coisa e ela não terá todo o poder, mas pensem - sorriu maldosamente - queremos acima de tudo vingança do maldito Escorpião, qual será a reação dele ao ver o doce amor sendo possuída por uma Deusa que ele terá de matar? - os três se olharam começando a rir maldosamente.

~~~~~~

Stella já estavam melhor e conseguia agora treinar com os cavaleiros de ouro, eles ainda tinham todo o cuidado aonde tocavam e a atacavam, mas nada os impedia de pegar leve, um pedido que ela mesmo havia feito a eles.

- Prometo que voltamos rápido - Milo se despedia de Stella que ficaria na casa de Libra enquanto ele, Camus, Afrodite, Máscara da Morte, Aiolia e Saga saiam para cuidar de um ataque perto dali.

- Tenham cuidado - ela deu um pequeno sorriso para os dourados que saiam da casa de Áries, olhou eles se afastaram e subiu para Libra junto de Dohko e Aldebaran.

.....

- Ora ora vejam o que eu achei - Afrodite sorriu ao ver suas rosas cercando Cleiton.

- Quer dizer que aqueles dríades não estavam sozinhos? - Aiolia estralou os dedos da mão.

-  Vamos ter mais diversão do que eu pensei - Máscara da Morte sorriu.

- Se contenham rapazes - Saga sorriu - por mais que todos nós queremos bater nele, tem duas pessoas que tem o privilégio de ser as primeiras - eles olharam para Camus e Milo que se aproximavam com uma cara nada boa.

- Milo - Camus olhou o companheiro.

- Faça as honras - concordou com um aceno e olhou o garoto, Cleiton estavam assustado, não havia enfrentado nenhum Cavaleiro de Athena em todo esse tempo, sabia do poder deles mas não esperava que fossem forte daquele jeito.

- Sabe rapaz - Camus levantou a mão direita - todos aqui te odiamos pelo mesmo motivo, e lamento dizer que você teve uma má sorte de nós encontrar - cristais de gelo começaram a aparecer na mão de Camus e nas pernas de Cleiton o congelando, o dourado fechou os olhos respirando fundo - isso é pelo o que fez a minha filha - ele abriu os olhos fechando o punho - PÓ DE DIAMANTE! - a rajada fria foi lançada na direção de Cleiton que com o impacto caiu no chão, os cinco olharam para Milo, que acenou com a cabeça mandando atacar.

- Vai se arrepender por encostar na minha irmã - Aiolia deu um passo a frente - CÁPSULA DO PODER! - a esfera de energia foi na direção do rapaz que havia se levantado, ao ser atingido ele foi lançado na direção de uma árvore.

- Fez a minha garotinha que sempre esbanjou um sorriso alegre chorar e parar de rir - Máscara da Morte o olhou - vou lhe fazer o mesmo - apontou seu dedo para o garoto falando calmamente - Ondas do Inferno! - almas começaram a sair dos corpos dos dríades que estavam mortos e cercaram o rapaz começando a atormenta-lo, ele colocou a mão na cabeça gritando pedindo para pararem, o dourado abaixou o dedo dando espaço para Afrodite.

- Olha eu vou ser bem sincero - olhou a Rosa em sua mão mostrando desinteresse no garoto - minha vontade de fazer um jardim em seu corpo está grande - sorriu - por hora me contento com o que posso fazer - cheirou calmamente a rosa - Rosas Piranhas! - como se fossem milhares de adagas as rosas passaram por Cleiton cortando todo o seu corpo e armadura, caiu de joelhos olhando com raiva para os dourados.

- OUTRA DIMENSÃO! - olhou assustado para o lado recebendo o golpe de Saga, foi jogado em uma dimensão alternativa onde seu corpo começou a vagar sem rumo, seus ferimentos dos ataques começaram a doer mais conforme a pressão que aquele lugar estava fazendo, quando Saga o trouxe de volta seu corpo caiu pesadamente no chão.

- Se-seus malditos - falou com dificuldade enquanto se colocava de joelhos.

- O único maldito aqui é você - Máscara da Morte retrucou.

- Até onde eu sei... cavaleiros não podem usar seus poderemos para fins pessoais - limpou o canto da boca que estava sujo de sangue.

- Mas quem disse que estamos fazendo isso como um fim pessoal? - Afrodite sorriu girando a rosa nos dedos - estamos lutando contra um subordinado de um dríade que quer destruir nossa Deusa.

- E talvez estejamos deixando algumas marcas em você como você fez em Stella - Aiolia o olhou.

- Acha mesmo que está vivo porque tem força pra aguentar nossos ataques? - o canceriano sorriu diante a expressão de dúvida e medo no rosto de Cleiton - você teria morrido com o Pó de Diamante do Camus.

- Mas como boas pessoas que somos - Afrodite sorriu - não usamos nem um por cento do nosso verdadeiro poder para te atacar.

- Forte o bastante para te machucar e marcar, mas fraco para te matar - Aiolia completou.

- Camus, Milo - Saga os chamou - quando ele encostou na Stella ele não apenas manchou a honra dela, mas sim a de todos nós - os olhares raivosos estavam sobre Cleiton - mas de nós doze quem teve a honra mais machada foram vocês dois, que são pai e o amor dela, por tanto - olhou para os dois - o golpe final é de vocês - deu espaço para eles.

- Milo - Camus o olhou - eu sou o pai dela, mas nessa situação - olhou para Cleiton - você sofreu mais do que eu - Milo se aproximou a passos calmos puxando um pouco a braçadeira esquerda, arrumou a pulseira para ficar amostra e colocou novamente a braçadeira no lugar, parou na frente de Cleiton levantando o punho.

- Vê isso? - indicou a pulseira e Cleiton a olhou com raiva - essa é a pulseira que Stella me deu, foi por causa dela que você não conseguiu continuar com aquela farsa e também foi o que me ajudou a acalmar Stella nas vezes que ela tinha medo de mim e pensava que era você - os olhos de Milo ficaram vermelhos - eu sempre a uso por debaixo de braçadeira para não perde, mas hoje eu vou abrir uma exceção - o corpo de Cleiton estava paralisado com o golpe de Milo, o dourado deu um soco no rosto do garoto o jogando no chão, o pegou pelo pescoço o levantando - eu não vou te matar, porque é a Stella que terá esse prazer - deu um sorriso - mas nada me impede de deixar você todo machucado - lançou o rapaz contra uma árvore lhe dando um soco no estômago.

O dourado não teve piedade na hora de espancar Cleiton, a raiva chegava a se tornar ódio ao se lembrar de cada lágrima que Stella derramou por causa dele e todo o sofrimento que ela passou, os outros dourados não estavam se importando, Afrodite olhava admirado para a rosa em sua mão, Máscara da Morte olhava para as unhas desinteressado, Aiolia admirava um ninho de passarinho com filhotes em uma árvore, Saga e Camus estavam de braços cruzados olhando as nuvens no céu.

Para finalizar seu trabalho Milo deu uma joelhada entre as pernas de Cleiton que não estava protegida com armadura, o garoto caiu de joelhos na frente de Milo grunhindo de dor, chutou o rosto de Cleiton o mandando para perto dos companheiros novamente que fizeram um círculo junto dele em volta do corpo.

- Espero que se lembre, que se ousar mexer com a Stella de novo ou com o primo dela - Milo olhou nos olhos do garoto que viu os olhos azuis ficarem vermelho novamente, seu corpo paralisou e um medo cresceu em seu peito - eu te caço até no inferno! - por conta dos vários ferimentos e fraturas ele acabou desmaiando, deram as costas o deixando para trás e começaram a rumar para o santuário, um alívio estava no peito de cada um deles principalmente no de Milo, queriam chegar logo as doze casas e contar o ocorrido.

.....

Alguns dias depois Dohko, Aiolia, Máscara da Morte, Afrodite e Milo estavam reunidos na casa Aquário conversando sobre a missão que teriam, Shion havia ordenado que eles fossem e atacassem de vez as dríades e o local que elas estavam, o problema era que a missão seria no Brasil e não queriam ir para longe de Stella, ainda mais escondidos.

- Eu ainda acho que devemos contar a ela - Afrodite tomou um pouco do chá.

- Se contarmos vamos estar indo contra as ordens do Grande Mestre, mas se não contarmos vamos terminar cheios de penas quando voltarmos - Aiolia falou enquanto olhava a taça de vinho.

- Eu acho que devíamos falar, ela tem assunto com os dríades - Máscara da Morte levou a taça até os lábios - eles mataram os pais dela e tem o assunto com o garoto - bebeu um pouco do vinho.

- Que ela continue pensando assim - Camus falou enquanto olhava para a xícara azul claro em sua frente, Afrodite colocou a sua sobre o pires o encarando.

- Pera, você ainda não contou aquilo pra ela? - a negação de Camus fez Afrodite ficar mais bravo - mas que droga Camus, vai esperar até quando pra contar? O dia que ela perder a cabeça e vier pronta pra tirar satisfação contigo?

- No momento certo eu vou contar tudo pra ela Afrodite! - retrucou olhando nos olhos do pisciano.

- Espero que esse momento não demore mais do que já está - pegou a xícara novamente tomando outro gole.

- Bom Shion disse que podemos levar outros cavaleiros, alguém tem alguma sugestão? - Dohko perguntou quebrando o silêncio que havia ficado.

- Eu tenho uma sugestão - Milo se pronunciou pela primeira vez desde que começaram a conversa - eu quero que Saga vá e Shaka fique - Afrodite, Aiolia e Máscara da Morte o olharam surpresos.

- Você tem noção do que acabou de dizer? Ta pedindo pro bipolar ir e pro loiro, que antigamente era seu rival ficar? Não devia ser o contrário não? - Máscara da Morte perguntou indignado.

- Saga tem uma certa proteção com Stella que nenhum de nós sabe o motivo, Shaka tem a mesma proteção com ela também - Aiolia comentou.

- Se for pra escolher um deles pra ficar e ir, eu digo para Saga ir pois as habilidades dele em campo são bem úteis, e ele assim como eu tem uma certa dívida com as dríades - se referiu a guerra passada - já Shaka pode ficar e impedir Stella - o olharam - digamos que por acaso ela descubra onde estamos, não que isso irá acontecer mas vocês sabem como ela é, parada esperando a gente voltar é algo que ela não vai fazer.

- Tem razão - Dohko concordou - por esse motivo é bom levarmos o Mu, não duvido nada que ela não o ameace para levá-la até nós.

- Minha sugestão é Shura - Máscara da Morte comentou - vamos ter raízes pra todo o lado e alguém precisa corta-las - os cinco olharam para o canceriano - que foi? Pelo o que vocês disseram da última vez a Stella foi pega por raízes, se isso acontecer comigo eu quero pelo menos ter uma faca afiada pra me soltar.

- Você e deselegante - Afrodite falou pegando um dos biscoitos.

- E você gosta de mim por isso - piscou para o pisciano.

- Camus está tudo bem? - Dohko perguntou ao notar que o amigo estava quieto.

- Estou, só estava pensando em algo - olhou para Milo - posso te fazer uma pergunta um pouco pessoal?

- Pode, você sabe que pode me perguntar o que quiser - ele sorriu bebendo um pouco do vinho.

- Já teve relação sexual com a Stella? - a pergunta não pegou só Milo, mas sim a todos de surpresa, Dohko cuspiu de volta o chá na xícara enquanto Aiolia e Máscara da Morte engoliram com tudo o vinho que estavam em suas taças, já Afrodite com um pouco de sacrifício engoliu o pedaço de biscoito que estava em sua boca e Milo acabou engasgando com o vinho que bebia, Camus olhou calmamente para todos naquela mesa focando em Milo enquanto esperava a resposta.

- Pra - Milo falou após se recuperar - pra que essa pergunta? - olhou ainda surpreso para Camus, esperava qualquer pergunta menos essa.

- Me da a resposta que eu te falo o motivo - Milo respirou fundo e olhou rapidamente para os companheiros que o olhavam desejando sorte, pois Dohko soube aquela vez que ele deixou escapar, já os outros três souberam por Stella, respirou fundo e olhou para Camus.

- A resposta é sim Camus - com exceção de Dohko os outros três estavam tensos com a situação, podiam jurar que a qualquer momento Camus ia congelar Milo, o aquariano respirou aliviado e tomou um pouco do chá.

- Fico mais aliviado em saber que a primeira experiência de Stella em relação a essas coisas não foi com aquele maldito - todos respiraram aliviados e relaxaram nas cadeiras, Camus parou de beber o chá se lembrando de algo - Milo a quanto tempo faz que vocês estão namorando mesmo?

- Semana que vem já faz um mês - Camus estreitou os olhos na direção de Milo.

- E você já? - se pudesse Camus já teria matado o amigo pelo olhar.

- Milo - Afrodite o chamou claramente nervoso - corre! - com a fala do amigo o escorpiano levantou rapidamente da cadeira e correu para a sala Camus foi logo atrás seguido dos demais, os quatro pararam na entrada da sala vendo Camus na frente deles e Milo perto da porta tendo Stella em sua frente que havia acabado de chegar.

- Aconteceu alguma coisa? - ela perguntou olhando para os dois dourados, Camus sorriu.

- Não aconteceu nada meu anjo, pode ficar tranquila - ela estranhou e olhou para os amigos na entrada da copa - o Milo já estava indo - falou com um sorriso forçado enquanto encarava o dourado.

- Sim eu já estava - ela se virou para Milo - tchau meu amor até mais tarde - deixou um rápido beijo no topo da cabeça de Stella já que ela estava com a máscara e saiu as pressas da casa.

- Tchau - ela falou estranhando a atitude dele e se virou para os demais.

- Venha querida - Afrodite se aproximou - vá trocar de máscara e vamos tomar um chá - ela concordou e foi para seu quarto, trocou a máscara e se junto a eles.

.....

Estava uma noite quente e os dois estavam juntos na casa de Escorpião, Milo usava apenas uma bermuda enquanto Stella estava com um shorts curto e um top esportivo, já estava com a confiança para ficar daquele jeito perto de Milo novamente, não tinha sinal de mais nenhuma marca, os dois estava indo para o quarto de mãos dadas após o lanche noturno que haviam feito, estavam quase chegando quando Stella parou.

- O que foi? - Milo perguntou calmamente.

- Milo eu quero que você seja sincero - o olhou - você está com medo de me tocar? - ficou um pouco surpreso com a pergunta - você tem medo que eu recuse os seus toques?

- Stella - se aproximou - não vou mentir eu tenho um certo receio, minha vontade toda vez que te beijo é percorrer minhas mãos por todo o teu corpo, mas eu fico com medo de trazer má sensações a você.

- Milo - tocou o rosto dele - eu confesso que no começo eu tinha esse medo, mas me dói saber que a última vez que fui tocada não foi por você e dói mais ainda ver que você quer me tocar mas se contém - segurou com calma o rosto dela.

- Stella - sorriu - eu não esperei você decidir que estava pronta naquela ocasião? - confirmou - então eu não me importo de esperar o tempo que for para te tocar sem você ter medo de mim - segurou com calma os pulsos dele - quando você dizer que está pronta, eu vou estar - arrumou uma mecha do cabelo dela atrás da orelha - mas me diga, o que você quer agora?

- Eu quero você - ele sorriu e com calma selou os lábios a trazendo para perto, passou os braços pelo pescoço que Milo que pela primeira vez desde o ocorrido a segurou pela cintura, se separaram quando a falta de ar se fez presente.

- Queria tanto ter uma noite igual aquela novamente, mas por hora eu apenas quero você perto de mim sem nenhum problema - sorriram e Milo a pegou no colo, com rapidez as pernas de Stella se entrelaçaram em volta de sua cintura, entrou no quarto e a deitou com todo o cuidado na cama ficando por cima - se não se sentir confortável é só falar.

- Eu confio em você Milo, sei que não vai me fazer mal algum - eles sorriram voltando a se beijar.

Milo percorreu com as mãos todo o corpo de Stella, ainda estava com medo de que qualquer movimento ou toque fosse assusta-la, desceu os beijos para o pescoço onde teve todo o cuidado para não deixar nenhuma marca, Stella embramou os dedos no cabelo de Milo enquanto alguns gemidos escapavam pelos seus lábios, ele parou próximo ao decote do top e voltou a beija-la apertando um pouco sua cintura, subiu com a mão até a nuca de Stella onde puxou um pouco dos cabelos a fazendo gemer durante o beijo, se separaram com dois selinhos.

- Eu te amo Milo - arrumou a franja do dourado vendo um sorriso no rosto dele.

- Eu te amo Stella - beijou a testa dela com carinho - vamos dormir - concordou e se arrumaram na cama, como sempre Stella estava nos braços de Milo.

- Amor - os dois já estavam de olhos fechados - você vai estar aqui quando eu acordar amanhã não vai?

- Vou sim, pode dormir tranquila - Stella sorriu se entregando ao sono, Milo sentiu o peso em seu peito e a abraçou mais.

Por volta das onze da noite ele levantou com todo o cuidado e foi ao banheiro, tomou um rápido banho e vestiu sua roupa e logo depois a armadura, olhou para Stella que dormia tranquila na cama e se aproximou com o elmo e capa em uma das mãos, acariciou a bochecha dela deixando um beijo na testa.

- Me desculpa, pela primeira vez vou quebrar a promessa - sentiu o peso em seu peito aumentar - mas são ordens do Grande Mestre e infelizmente eu não posso recusar, me perdoe por isso - saiu do quarto colocando o elmo e logo depois da casa encontrando Camus, Afrodite e Shura em seu salão, com ajuda de Camus colocou a capa, eles desceram encontrando os demais e quando estavam fora das doze casas Mu os teletransportou para o Brasil - vamos acabar logo com isso - eles concordaram e começaram a caçar os dríades.

--------

Acordei no meio da noite sentindo um vazio em meu peito, procurei por Milo na cama mas estranhei quando não senti nada do lado direito, me sentei assustada notando que estava sozinha, olhei em volta atrás dele.

- Milo? - o chamei na esperança que ele responde-se - Milo cadê você? - levantei e quando olhei para a urna da armadura ela estava aberta, entrei no closet indo para a parte das roupas que ele usava com a armadura e não encontrei algumas delas, voltei para o quarto podendo notar que os únicos cosmos nas doze casas era o meu, Aiolos, Shaka, Aldebaran e Kiki na casa de Áries - alguma coisa aconteceu - olhei o relógio vendo que era uma da manhã e me troquei colocando uma roupa confortável e a máscara, passei na cozinha e peguei duas barras de chocolate, desci as doze casas tendo todo o cuidado quando passei em Virgem e Touro para não acordar seus donos, por incrível que pareça se você derrubar uma agulha no salão principal eles escutam, cheguei na casa de Áries e pra minha sorte Kiki estava lá, quando ele me viu tentou subir para a parte de cima, graças a minha agilidade fui mais rápida e o impedi - paradinho aí - ele engoliu - cadê os dourados?

- Eu não posso te contar - colocou a mão na boca.

- Aaa então você sabe de algo? - olhou para o lado - vamos Kiki desembucha - negou - está bem - peguei uma das barras de chocolate e a abri comendo um pedaço.

- É de chocolate ao leite? - confirmei - é o meu preferido - ele olhava para o doce.

- Eu podia te dar, mas você não me conta onde os dourados estão - o olhei - prometo que digo ao Mu que você não teve culpa - respirou fundo.

- Eles foram para o Brasil enfrentar os dríades no território deles agora me dá esse chocolate - sorri pegando a outra barra.

- Te dou as duas se me levar até lá, não precisa ser exatamente pro lugar onde eles estão, só precisa me deixar próxima deles - ele confirmou e saímos das doze casas, vesti minha armadura e em um piscar de olhos já estávamos no Brasil, ao longe sentimos os cosmos dos dourados - obrigada Kiki - beijei a bochecha dele entregando as barras - volte para o santuário e lembre-se, eu te torturei para fazer isso - ele piscou e novamente sumiu.

Comecei a correr na direção onde eles estavam, no caminho pude ver alguns corpos dos dríades pelo caminho fora a imensa trilha de rosas que Afrodite deixou, parei um pouco longe vendo a luta acontecer, nenhum deles havia notado minha presença o que me favoreceu e muito para saltar de encontro a um grupo que iria atacar Camus, Dohko e Saga pelas costas, os ataquei fazendo os vários corpos caírem no chão fazendo assim os homens notarem minha presença.

- O que você tá fazendo aqui? - Camus perguntou se aproximando, ambos estávamos de costas um pro outro.

- Eu vim atrás de nove cavaleiros que sumiram e matar em uma pessoa que mentiu para mim - olhei para Milo que entendeu o recado.

- Você não devia estar aqui - me abaixei rapidamente dando uma rasteira em um deles e atacando mais dois com as penas.

- Lamento decepciona-lo papai, mas agora eu já estou aqui e não vou embora sem vocês - escutei um barulho atrás de mim e quando me virei Milo havia derrubado um dos dríades.

- Stella - olhei para Afrodite que se aproximou ficando ao meu lado - pronta - sorrimos e num salto ele lançou suas rosas vermelhas junto das minhas penas, quando pousamos ele ficou em minha frente enquanto Milo e Aiolia do meu lado, puxei de volta as penas as fazendo desviar de todos os dourados, quando terminei respirei fundo sentindo o cansaço, eles se afastaram com exceção de Milo.

- Depois vamos ter uma conversa - sussurrei para ele e começamos a andar junto dos outros, escutei um choro baixo e parei - ouviram isso?

- Isso o que? - Mu me olhou e pedi silêncio a todos, novamente ouvi aquele choro que parecia familiar, olhei na direção dele e corri parando na entrada de uma pequena gruta.

- Stella - eles me chamaram, Saga e Shura se colocaram ao meu lado olhando assustados para aquele lugar, foi ali que havíamos nos encontrado no passado, novamente ouvi o choro só que dessa vez eu não fui a única.

- Parece ser de criança - Mu comentou.

- Eu vou entrar - eles não questionaram e com calma eu entrei, no fundo uma garotinha estava encolhida com medo, quando vi bem meu coração doeu - Marcy? - ela me olhou assustada - Marcy o que faz aqui? - quando fui me aproximar ela se assustou - Marcy sou eu - retirei a máscara - a Ste.

- Stella - ela correu em minha direção e me ajoelhei a acolhendo em meus braços, ela chorava como nunca havia chorado na vida e estava tremendo - eu pensei que você fosse um deles.

- Deles quem meu amor? - perguntei nervosa por vê-la naquele estado, com calma coloquei minha máscara novamente e a peguei no colo saindo da caverna.

- Dos homens com armaduras negras - travei na entrada na caverna e eu não fui a única a se assustar com aquilo.

- Marcy pode contar direito o que aconteceu? - ela confirmou e me virei de costa para os dourados a colocando no chão, retirei novamente a máscara a olhando nos olhos, com calma limpei seu rosto.

- Gustavo me levou para brincar na casa da Laura aqui perto, estávamos voltando embora quando um grupo de homens com armaduras apareceu - ela falou fando pequenas pausas para limpar os olhinhos - Gustavo com o Malhado me trouxe até aqui, ele mandou eu ficar aqui até ele voltar, mas já faz um tempo que ele não aparace - meu coração estava acelerado assim como minha respiração.

- Marcy pra que lado ele foi? - indicou com a mão - os homens estavam atrás dele? - confirmou.

- Stella você fica com ela e nós... - interrompi Aiolia.

- Não, eu vou com vocês e não adianta dizer o contrário - deixei um beijo na testa de Marcy e me levantei colocando a máscara.

- Eu fico com a Marcy - Dohko se aproximou com cuidado de nós duas, se ajoelho na frente de Marcy e tirou seu elmo de tigre o entregando a Marcy que ficou entretida - se importa de ficar comigo até a Stella voltar? - ela negou e com todo o cuidado Dohko a pegou no colo, acariciei com todo o cuidado a bochecha dela e olhei para os outros.

- Vamos - eles concordaram e seguimos na direção.

A cada passo meu peito doía mais, queria chegar logo e ver Gustavo bem, escutei ao longe o relincho de Malhado e acelerei mais ainda o passo, Milo estava bem ao meu lado mantendo a mesma velocidade, estávamos na frente pois éramos os mais rápidos ali, mas isso não foi o suficiente para evitar que aquela cena acontecesse, o som do tiro da Colt ecoou pelo lugar e a cena de Gustavo tomando um tiro bem no coração não irá sair tão cedo da minha mente.


Notas Finais


Aí gente não sei o que dizer, só preparem os lenços para o próximo capítulo 🤧

Tirando essa cena final vamos falar das coisas boas, CLEITON TOMOU UM PAU DOS DOURADOS E EU TO FELIZ😂😂😂🙃🙃🙃

Milo quase que morre nesse café da tarde na casa de Aquário, Stella não sabe mas salvou a pela do namorado hsushsush.

Tentarei trazer o próximo capítulo a tempo e não irei demorar como tenho feito ehhehehe.

Bjs até a próxima 🖤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...