História Peça difícil de manipular - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias One Piece
Personagens Nami, Nico Robin, Roronoa Zoro, Sanji
Tags One Piece, Robinxnami, Rona, Ronami, Yaoi, Yuri, Zoroxsanji, Zosan
Visualizações 19
Palavras 1.446
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


ai galera, o primeiro cap desse mes de dezembro

Capítulo 19 - Frenesi


Era sábado.

Robin e Nami combinaram de sair com Vivi pela tarde. As três andavam numa avenida muito conhecida pelo seu centro de comércio.

– Olha só, Nami!! – Vivi dizia sorrindo para ruiva, enquanto pegava um vestido em frente da vitrine da loja.

Nami retornou o sorriso e estava espantada com a azulada se empolgar muito com aquelas roupas baratas, achou engraçado porque a amiga era muito rica. – Sim, é bonito.

– Vou comprar pra você!! – Vivi dizia muito feliz. – Olha esse aqui, Nami!! E esse!! Ah... Esse aqui também é lindo!!

Robin e Nami olhavam pra azulada com uma gota na têmpora. As duas também gostavam de fazer compras, mas Vivi superou suas expectativas.

– Ah!!! Por que nunca fiz compra aqui?! – Vivia exclamava alegre, enquanto abraçava algumas peças e girou. Estava parecendo muito o Sanji quando via uma bela garota.

– Vivi, se recomponha ou vamos te largar por aqui. – Mesmo sendo amiga da azulada, Robin continuava sendo dura e seca com a menor. Vivi gelou com o tom ameaçador dela. – Até porque não temos ninguém pra levar muitas sacolas. – Robin já segurava umas quatro, duas em cada mão, enquanto Nami segurava cinco e Vivi... segurava já oito.

– É verdade!! Era pra eu ter trazido o Igaram pra levar nossas compras!!

– Quê?! – Nami exclamou. – Você tem uma pessoa só pra fazer isso? Vivi você deve ser muito rica mesmo!! – Os olhos de Nami brilharam, mas logo recebeu uma cotovelada de Robin, que sentia um pouco de ciúmes... Notara que sua namorada era meio avarenta quando cobrava muito as dívidas com o Zoro, e até mesmo com Robin. Portanto, sentiu medo dela se interessar ainda mais pela azulada.

– Bem, vamos descansar um pouco numa cafeteria. Carregar esse tanto de sacola é desgastante. – Robin disse depois de pigarrear, enquanto Nami estava com um bico e alisava onde recebera a cotovelada, já Vivi estava com um sorriso receptivo.

– Sim, boa ideia!!!

xxx

  - Hum... o dia tá muito agradável hoje. – Disse a azulada enquanto tomava seu chá prazerosamente.

Robin achou que o dia estava igual a todos, mas não quis rebater. Ela tomava um café, sua bebida favorita. Nami respondeu Vivi com um sorriso e a mesma tomava um suco de laranja com uma fatia de um bolo bem gostoso.

– Vivi, Robin me disse que você deixou a escola também. Muito obrigada, mas acho que não é o certo...

Vivi então pousou a xícara na mesa e Nami notou que ela parecia imponente.

– Foi difícil convencer meu pai idiota pra me transferir em outra escola. – Vivi dizia tudo com o nariz empinado. – Então, não posso desistir! – Voltou a sorrir para Nami. – Até porque quero também sabotar essa escola de merda, e achei que o melhor seria me mudar pra sua concorrência. – Voltou a tomar seu chá.

– Seu pai também teria um treco se você pedisse pra voltar para Gol D. Roger e provavelmente ficaria sem seu quartão de crédito mesmo você dizendo que se sentia arrependida. – Robin finalmente falou algo desde que pararam naquela cafeteria.

Vivi cuspiu o chá que tomava, era bem verdade.

– Robin! – Nami repreendia a morena, que apenas sorriu enquanto voltou a bebericar seu café.

– Deixa, Nami!! – Vivi tocava no ombro da amiga muito sem graça. – Robin está certa, eu também não voltei por causa disso. – Esfregava a cabeça sem graça.

– Dizem que mais alunos saíram além de nós três e mais o Law. – Robin dessa vez falava num tom sério. – Parece que a grande maioria era fangirls ou amigos de Law. O pior de tudo era que Law tinha muito respeito e influência por todos os anos, então até mesmo no primeiro ano tem alunos pedindo transferência para a escola que Law se mudou. – Robin fez uma pausa para tomar seu café e percebeu que as outras duas a escutava com atenção. – Só não entendo, Nami, como seus pais até agora não fizeram nada a respeito da sua saída ou até mesmo Gol D. Roger não ter pedido a autorização de seus pais antes de expulsá-la.

Nami nesse momento congelou. Realmente havia um furo ali, que se envolvia muito bem com a mentira de fazer de conta que não é com ela. Vivi observava a amiga muito aflita, já que ela sabia tudo o que ocorrera na vida de Nami.

– Ora... vai continuar em silêncio? – Robin perguntou com desdém e levantou uma sobrancelha. – Francamente. – Observou o estado que a ruiva estava, seu olhar estava perdido, e ela também notou que Nami tremia. – Ora...

– Robin! Peça desculpas! – Vivi interveio enquanto levantava da cadeira para levar Nami até o banheiro.

Mas Robin permaneceu em silêncio, até ouvir alguém a chamando.

– ROBIN-CHAN~~~~~- Era seu amigo, Sanji. Ela abriu o olho e se levantou da mesa enquanto observava que o mesmo vinha correndo em sua direção.

– Sanji?! – Ela disse muito surpresa, e o mesmo a abraçou.

– Não sabia que ia te encontrar aqui nesse lugar ultra lotado. – Ele sorria gentilmente, enquanto segurava um pequeno embrulho que cabia em sua mão.

– Eu também... O que faz aqui?

– Ah... Marimo me mandou comprar anilina num armarinho daqui!! – Ele disse com uma veia na testa, achava Zoro um abusado e não lembrava a condição que o fez obedecê-lo. – E você?

– Eu to passeando com Nami e Vivi que est-

Nesse momento, as duas voltaram do banheiro e também ficaram surpresas quando viram o loiro. – Sanji?!

– Ah... vocês estão aqui também! – Ele sorria muito feliz.

– Por favor, senta com a gente também. – Robin puxava uma cadeira pra ele. E, bem, Sanji queria mesmo muito ficar, essa seria a primeira vez que estaria rodeado por garotas... e tão lindas por sinal.

Um filete de sangue saiu de suas narinas e seu embrulho caiu no chão. – Não... Continuem com o passeio só de garotas belas que nem Vênus. Adeus!!!~~~

O loiro se foi girando, enquanto as meninas pensavam que era melhor ele ir mesmo, mas estavam surpresas por Sanji ter resistido a esse harém que ele acreditava ser em seus pensamentos.

– Bem... vamos pagar a conta e voltar pra casa.

– Mas já, Robin?! – Vivi falava carente e Robin não deixou de pensar o quanto ela era enjoada.

Enquanto as duas discutiam, Nami pensava que as duas formavam uma boa dupla e por isso começou a dar risinhos. No entanto, algo tocou seu ombro. Ela se virou para ver o que ou quem era, e viu aquela pessoa...

Seus olhos amendoados abriram como nunca, a mão da pessoa deslizou até um de seus braços. Nami conseguiu entender... “Ele vai me puxar daqui...”

– Nami! – Disse a pessoa, e imediatamente Robin e Vivi pararam de brigar. – Você sumiu! Finalmente te achei!

A pessoa era um homem alto e que tinha um longo nariz, Robin notou que seu sorriso era estranho e também notou que Nami estava em choque.

– Solta ela!! – Ela pegou no outro braço de Nami e a puxou.

Vivi não entendeu de imediato, mas logo foi ajudar Robin. – Solta ela!!

– Ora, você fez amigas. – Disse e soltou o braço da ruiva. – Mas me diga, Nami... até quando irá durar?

Robin e Vivi puxaram Nami bem próximas delas enquanto também sentiam medo daquele cara. A ruiva estava sendo carregada pela azulada, que percebeu que ela havia desmaiado.

– Eu sou o pai dela. Ela tem pressão baixa, provavelmente deve ter andado muito. Deixem que eu a levo pro hospital. – Ele mentia descaradamente com aquele sorriso que lhe amedrontavam ainda mais. Robin pensou em fazer alguma coisa, ninguém havia reparado que Nami havia desmaiado, e, portanto, resolveu gritar. Mas...

– Ei meninas!!! – Sanji voltou. –  Vocês viram um embrulho por aí?

Porém, ele logo notou que as três não estavam em estados normais e também viu aquele cara suspeito. – Ei, o que você acha que está fazendo, seu pedaço de merda? - Encarou com um olhar bem fechado.

O homem alto sentiu a ameaça de Sanji e entendeu que não conseguiria convencê-lo que era o pai de Nami, já que vira que as meninas não acreditaram nem um pouco nessa mentira. Suspirou, Nami devia ter contado lorotas sobre seu respeito. E pensava também que aquele lugar era muito movimentado para agir, poderia acabar sendo preso, até mesmo se uma das meninas gritassem.

– Bem... Falem quando ela acordar, que estarei a aguardando. – Ele sorriu mais uma vez e se virou para o Sanji, que ainda o encarava com um olhar de poucos amigos. – Vejo que ela está rodeada de pessoas com boas intenções, não é mesmo, cavalheiro?

Sanji cuspiu, mostrando repulsividade. O homem apenas riu do ato e foi embora. Vivi que segurava a ruiva, não aguentou e se ajoelhou no chão, deixando Nami em seu colo. Foi nessa hora que as pessoas da cafeteria notaram que alguém passara mal e resolveram ajuda-los.


Notas Finais


um cap bem informativo
esse talvez vai ser o ultimo desse ano pq esse mes é bem agitado, capaz de eu ir pra algum lugar sem internet
então, já desejo boas festas pra vcs :)))


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...