História Peculiaridades do paciente 143. - Park Jimin ft. Jung Hoseok - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jung Hoseok (J-Hope), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Jung Hoseok, Médico, Park Jimin, Peculiaridades
Visualizações 610
Palavras 1.252
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - Você gosta?


Fanfic / Fanfiction Peculiaridades do paciente 143. - Park Jimin ft. Jung Hoseok - Capítulo 7 - Você gosta?

DIA 4

—Ele me disse que gosta de você. — Jung comentou sorrindo, enquanto me esticava a prancheta com a nova medicação.

—Ele disse?! — Perguntei e o tom surpreso arrancou um pequeno riso do ruivo a minha frente.

—Disse. — Confirmou mais uma vez e eu sorri.

Saber que Park gostava de mim era um alivio e tanto, sem contar o quanto me deixava feliz.

—O que é isso? — Disse após ler um nome desconhecido de um dos medicamentos.

Jung parou ao meu lado e leu aonde eu apontava, ele se virou e mexeu no armário atrás de mim.

—São esses aqui. — Disse girando a tampa de um dos potinhos de medicamentos. —Dois depois das refeições. — Falava, enquanto me mostrava as cápsulas brancas e eu confirmei.

—Ok... — Murmurei, enquanto passava meus olhos pelo resto da escrita rapidamente. —Jung, sabe algo sobre a família dele? — Perguntei, assim percebi a alteração dos medicamentos para alguns mais caros.

—Eu... Não posso falar sobre isso, você sabe. — Respondeu com um sorriso fraco.

—Eu sei, é algo confidencial, desculpe... — Disse abaixando a prancheta.

—Posso falar com você mais tarde? — Ele disse, pegando a minha mão e colocando o potinho, que a pouco tinha retirado do armário de Park. —Para resolvermos algo sobre os plantões. — Disse ajeitando as golas do jaleco e eu confirmei, mesmo sem entender muito.

Jung apontou para o meu colo e eu olhei, conferindo se havia algo de errado com o jaleco e então seu dedo subiu passando pelo meu rosto, exatamente como fazia quando dividíamos o mesmo apartamento. Ele deu risada e com dois de seus dedos indicou que estava indo embora. Eu ria, enquanto o olhava se afastar. Aquele era o Jung Hoseok que eu conhecia. Ainda me impressionava em como ele se lembrava disso, e me impressionava ainda mais saber que eu tinha caído mais uma vez.

Parei de me distrair com coisas bobas e coloquei os remédios de Park nos bolsos, troquei a prancheta pelo caderno e os lápis, fechei o armário que carregava o seu nome e fui até o seu quarto. Bati algumas vezes na porta e Chan a abriu.

—Ela chegou, Park. — Falou, ainda me olhando e eu sorri.

Eles estavam me esperando?

—Ele já comeu. — Me avisou e deu espaço, para que eu pudesse entrar.

—Obrigada, Chan. — Agradeci, enquanto entrava no quarto.

—Qualquer coisa sabe aonde me achar. — Ele deu um sorriso sem mostrar os dentes e saiu, fechando a porta.

Assim que me virei para o quarto levei um susto por Park estar parado bem a minha frente. Eu bati com as costas contra a porta pelo susto e levei minha mão ao meu peito. Enquanto Park só continuava a me olhar, sem parecer entender muito o porquê eu estava mal respirando e grudada a parede. Ele desviou o seu olhar e logo suas mãos alcançaram o caderno e os tiraram da minha mão.

—Você parecia feliz. — Ele comentou tão baixo que eu quase o escutei, enquanto se virava.

—Eu estou feliz, você só me assustou. — Disse dando um passo para frente, desencostando da porta.

Como no outro dia ele se sentou no chão. Eu lhe estiquei os lápis e ele os espalhou rapidamente sobre o chão. Notei o copo de água em cima da mesa, fui até lá e o peguei.

—Park? — O chamei e ele me olhou. —Tem que tomar um dos remédios agora. — Me agachei para ficar do seu tamanho e lhe entreguei o copo.

Retirei o potinho do meu bolso e coloquei em sua mão dois comprimidos. Ele ficou os olhando por um tempo, até que aproximou a mão de seu rosto, primeiramente eu achei que ele ia os tomas, mas então ele apenas os cheirou.

—São novos? — Perguntou, enquanto me olhava de canto.

—São. — Confirmei e ele evitou durante alguns segundos antes que os colocasse na boca.

Seu rosto se contraiu e em seguida ele tomou quase metade da água do copo, por algum motivo aquilo não me parecia bom, Park tomava alguns dos remédios que eu lhe dava até sem água ou reclamar. Me esticou o copo ainda com a cara fechada. Ótimo, acho que agora ele estava de mau humor.

Me levantei e deixei o copo novamente em cima da mesa. Cruzei meus braços a altura do peito e passei ao o observar. Ele abriu o caderno e o folheou rapidamente, eu não conseguia ver muito dos seus desenhos por isso, ele parou de virar as páginas e me encarou como se me avisasse para parar de bisbilhotar suas coisas. Admitindo aquele olhar foi um pouco assustador, ele dobrou seus joelhos e apoiou o caderno em suas coxas, impossibilitando a minha visão, enquanto ainda me olhava.

Desviei meu olhar para a cadeira ao meu lado e a puxei um pouco mais para o canto, em seguida me sentei, olhando para todos os lugares possíveis daquele quarto, menos para ele. Algo me dizia que não seria algo bom ir contra a sua vontade agora. Depois de alguns minutos ouvi o barulho do grafite contra o papel e então o conferi rapidamente, ele tinha começado a desenhar. Por uma vez ou outra balbuciava algumas coisas que eu não entendia, e eu continuava o checando sem falar nada.

Uma hora... Duas horas, e ainda ele não falava comigo. No momento Park já tinha desistido de desenhar, eu não ouvia o ruído do grafite a algum tempo, apenas batuques ritmados de um dos lápis contra o caderno.

Com um suspiro alto ele se levantou de uma só vez e ficou parado por alguns segundos, olhando para baixo, sem nenhuma expressão, eu tinha certeza que sua pressão tinha abaixado, as repetidas vezes que ele passou a piscar segundos depois apenas me confirmaram o que eu já tinha certeza.

Eu me levantei rapidamente e segurei seus ombros quando ele se desequilibrou indo para trás. Seu rosto se virou na direção do meu e permaneceu assim por algum tempo, acho que sua visão estava voltando. Eu o soltei e ele se sentou na cama.

—Você gosta? — Ele perguntou, como se a queda de pressão não tivesse o afetado, e colocou o caderno ao seu lado me mostrando o desenho.

Park era realmente bom nisso, eu sorri vendo seu desenho, era uma rosa. Ele fez isso depois de ver o meu colar? Parecia que sim.

—Eu amo. — Respondi sorrindo e o olhei. —Você é talentoso. — O olhar se desviou do meu e voltou para o caderno.

Ele colocou novamente o caderno sobre as coxas, mas dessa vez arrancou a folha rapidamente e esticou na minha direção. Eu estava surpresa com tal ato, e ele apenas me encarava.

—Não precisava ter feito isso. — Disse olhando a folha na sua mão.

—Mas eu quis. — Ele disse esticando mais a folha para que eu a pegasse.

—Obrigada... — Disse, pegando o desenho e o vendo mais uma vez.

Ele se livrou das pantufas e colocou os pés sobre a cama.

—Está cansado? — Perguntei, deixando o desenho em cima da mesa e voltei ao o olhar.

—Minha cabeça doí. — Respondeu e um pequeno filme passou pela minha cabeça.

Isso com certeza era um dos efeitos da nova medicação, eu não podia ministrar nada contra isso, não podia interferir na sua medicação e correr o risco de piorar tudo.

—Quer comer algo? — Ele negou, enquanto ainda me olhava. —Que tipo de dor? — Perguntei e sua mão se fechou e abriu algumas vezes.

Deveria estar pulsando. Ele se deitou de barriga pra cima, olhando o teto e a mão esquerda foi para a sua testa.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...