História Pedaços - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags 2jung, Hopekook, Hopev, Junghope, Menção!nammin, Menção!yoonjin, Seoktae, Taeseok, Vhope
Visualizações 654
Palavras 3.300
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


MINISTÉRIO DA SAÚDE ADVERTE: CUIDADO COM O CORAÇÃO.

Capítulo 5 - É assim que se prepara?


Fanfic / Fanfiction Pedaços - Capítulo 5 - É assim que se prepara?

Jeon JungKook chegou em seu apartamento naquele dia, depois de uma tarde e começo de noite agradável demais, sentindo uma sensação estranha que era evitada por si até o presente momento, desde que ele decidira que nunca mais passaria por aquilo. Ele achava que nunca passaria teria aquela sensação e não precisaria mais vivenciar o que estava sentindo. Era um sentimento que o inundava mesmo que ele o evitasse a todo custo e por mais que quisesse vasculhar sua mente em busca de algo que o preenchesse, que o trouxesse a melhor sensação de completude, ainda assim ele se sentia vazio.

Desde o dia que ligara um potão que o fazia esquecer o mundo e se focar em si mesmo ele começara a ter pequenas porções de coisas que o preenchia, que fazia com que ele não ligasse se seu apartamento estivesse sempre vazio, já que ele não levava clientes para lá, que não fazia com que ele ligasse para o fato de seus pais não estarem nem ai para ele, que o fizesse esquecer que não tinha amigos de verdade e que todos os que se aproximavam dele, naquela época era por conta do dinheiro de seus pais, pelos Jeon serem muito ricos.

Ele fechava os olhos e fazia de conta que seus dois irmãos eram bons e que ainda mantinham contato com eles. Fazia de conta que sua mãe não era uma mulher psicótica por compras e que seu pai era o maior cafajeste do mundo, que comprava a paz da sua casa com dinheiro. Queria apenas não saber que sua “família” era desestruturada e que os empregados eram os únicos que se importavam com ele. Que ainda o ligavam de vez enquanto e que se ofereciam para limpar seu apartamento, lavar suas roupas, fazer sua comida.

E por mais que fosse grato as seis pessoas que o criaram, já que aqueles sim eram sua família, JungKook não queria que eles soubessem do que ele trabalhava, o que fazia para viver e que não estava estudando muito como seus pais diziam aos “amigos” que tinham. Que seu filho havia saído de casa para estudar e se dedicar a carreira de ser um futuro médico. Que por isso que não encontravam o mais novo sempre que iam aos jantares em datas comemorativas. JungKook não queria que as únicas pessoas que se importavam com ele se envergonhassem com o que ele fazia, por mais que acreditasse que isso nunca iria acontecer.

Ele ter saído daquela casa fora uma escolha sua, assim como a de se prostituir e sentir corpos de pessoas que viviam indo em sua direção pela necessidade de se fazer prazer. Sentir que queriam estar com ele porque necessitavam dele. Porque ele era uma solução e não a causa do problema. JungKook se sentia tão vazio naquela época que se sentia mais necessitado de uma atenção que não tinha em casa, mesmo que aquela atenção que tinha era resultado dos programas que fazia. Eram pessoas casadas, solteiras, enroladas, mal resolvidas ou que não sabiam o que queriam, não importava, elas sempre iam atrás do puto mais gostoso que encontravam. Podia não ser tão digno assim, mas ainda assim ele se preenchia com a sensação de ser desejado, de que precisam tanto, mais tanto dele, que estão dispostos a pagar tudo que ele pedir. Ele achava que dai em diante estava tudo bem. E que o filhinho gay que sua “família” fazia de conta que não existia tinha o que eles não o davam, atenção. Mas não era somente disso que ele precisava. Ele sabia muito bem desse fato.

Por isso não esperava que fosse conseguir algo que faltava em um simples cliente. Jung HoSeok lhe dava atenção, carinho, lhe ouvia, sim ele lhe ouvia quando o mesmo insistia em falar sobre banalidades. Aquele ruivinho não somente prestava atenção em si, como também interagia enquanto lhe alimentava fisicamente e espiritualmente. HoSeok era diferente e era aquilo que ele precisava e por mais que não quisesse ele começava a nutrir uma sensação que não queria. Sem a presença de Jung HoSeok ele se sentia vazio. E tudo o que é vazio busca incessantemente algo que o preencha. E ele queria ele.


 

[…]


 

– TaeTae! – HoSeok não evitou correr, feito uma criança animada ao ver os pais de volta, em direção a TaeHyung, este que soltou suas malas e abriu os braços para acolher o namoradinho, que quase o derrubou quando lhe abraçou fortemente enquanto rodeava sua cintura com suas pernas. – Eu senti tanta, mais tanta falta sua. – o Kim apertou as coxas firmes do Jung para que ele não caísse e também tratou de se aproveitar e apalpar aquilo que era totalmente seu.

– Eu também senti sua falta HoSeok-ah. Muita mesmo. – o mais velho fez com que o namorado descesse de seu colo gentilmente, já que haviam pessoas ao redor olhando aquilo de uma forma nada compreensiva. E Taehyung tinha uma imagem a zelar, isso por causa de seus pais. – Quero que me conte o que andou fazendo esses dias sem mim. Mal me mandava mensagens e eu fiquei preocupado. – o Kim fingiu ciúmes, coisa que ele não sentia do mais novo. Isso porque acreditava que HoSeok era desesperado por ele e nunca seria capaz de o deixar por nada e por ninguém. Estava seguro, muito seguro de que teria o outro sempre que quisesse e pelo tempo que quisesse.

– Desculpe hyung, eu estava com o YoonGi e fiquei tão entretido que esquecia de mandar mensagem. Estávamos jogando videogame ou fazendo a lição de casa. – HoSeok se sentiu mal por mentir, mas era isso ou ter de contar o que estava aprendendo com aquele hyung. Querendo ou não seria uma traição e de qualquer forma, mesmo que ele fosse colocar todo o aprendido em prática com seu namorado, não seria uma boa coisa o trair daquela forma.

– Tudo bem, eu vou deixar passar dessa vez. Mas tem de me prometer que não vai mais fazer isso. – HoSeok sorriu singelo, estava tão feliz que seu namoradinho com fala de “galinha” sentisse tudo aquilo por ele. Era bom sentir que alguém tinha ciúmes de si. Mesmo que ele não soubesse que estava sendo apenas iludido. – Eu sinto sua falta e quero poder estar ao seu lado mesmo estando longe. – o peito do Jung se encheu de contentamento e ele pensou que seria uma boa hora para agradar o seu hyung, colocando em prática o que aprendeu. Então ele não evitou a puxar o namorado pelo pulso, que não entendeu nada de começo, mas quando se viu arrastado para o banheiro e trancado na cabine para cadeirantes, que era maior e mais espaçosa ele passou a desejar que seu namoradinho não fosse tão virgem assim.

– Hyung, deixa eu te agradar. – Taehyung sorriu, mesmo que soubesse que HoSeok não tinha experiência com absolutamente nada. – Deixa eu te chupar e te aliviar hyunguie. – o Kim teve medo de que ele fosse fazer um oral mal feito e que até mesmo o mordesse, mas mesmo assim deixou que o outro se abaixasse assim como as suas calças, revelando um membro mole ainda, mas que não se demorou naquele estado a medida que seu menino lhe olhava de baixo de uma forma tão pecaminosa.

– Vai fazer um bom trabalho para o seu hyung, hum? – HoSeok fez que sim e como um bom menino deu uma lambidinha na glande que ainda não estava completamente dura. Seria que HoSeok primeira vez que faria oral no namorado e não queria falhar com ele. O corpo de Taehyung era tão lindo, mas tão perfeito que ele se perguntava como alguém como ele estava com alguém igual a si. Mas não podia se manter com aqueles pensamentos e esquecer do que realmente tinha de fazer.

Salivou de desejo e não se demorou, abocanhou a glande do outro chupando somente ali. O Kim soltara um gemido longo e dengoso, ainda mais por sentir o outro arranhando de leve o interior de sua coxa. E se fosse somente ali, até tudo bem, mas não. O Jung fazia questão de, também, apertar suas nádegas, isso porque ele trouxera o corpo do outro mais para perto do seu, quase encaixando uma das pernas de seu hyung em seu ombro, isso para ter melhor acesso ao que quisesse. E seu foco era apertar e maltratar o outro. Chupar Taehyung era muito gostoso, ele tinha um gosto bom, que ao ver do mais novo era tentador. Tratou da glande com cuidado, sabia que ali era bem mais sensível. Porém não queria dar atenção somente à aquela parte e assim logo abocanhou o falo todinho. 

- Oh, Seokie que delicia...- o mais velho soltou enquanto apertava o tecido da barra da sua blusa com vontade. Os orais com seus muitos parceiros e parceira por ai eram uma delicia, mas o do Jung não ficavam atrás, nem de longe, o que estava o surpreendendo, parecia que o virjão não era tão inútil assim para si. O Kim se sentiu um tanto envergonhado por sentir seu baixo ventre revirar e lhe anunciar que o orgasmo estava perto. Além disso ele estava soando, estava quente. Sensações que ele já tinha provado, mas que eram gostosas demais quando feitas daquele jeito, sua respiração, por exemplo, estava mais do que descompassada e ele estava amando sentir aquilo. Sentia o Jung. Tinha se tocado não muito tempo antes, mas não entendia porque seu corpo estava tão maleável assim. Se sentiu um pouco bobo e não quis gozar tão rápido, mas parecia que o outro tinha algo naquela boquinha que o deixava mais do que perdido. 

Hoseok chupou com mais vontade, subindo e descendo seguindo seu ritmo. Os carinhos no corpo alheio estavam se intensificando, pois hora ele apertava as nádegas, ora as coxas, ora subia uma mão apenas para arranhar o abdome alheio. Estava aproveitando a visão de um TaeHyung de olhinhos fechados, boquinha aberta, gemendo todo dengoso enquanto o suor o deixava fodidamente pornográfico. O mais novo parou seu ato quando sentiu o gosto em sua boca mudar, sabia que TaeHyung estava próximo do seu orgasmo. Mas ainda assim, usou de saliva no falo alheio para deixar o mesmo bem lambuzado assim como chupava a glande com jeito, sentindo tudo mesmo e se preparando para o que viesse.

– Quer gozar na minha boquinha hyung? – HoSeok perguntou dengoso e TaeHyung não soube aonde estava aquele ser safado todo esse tempo.

 

[…]

 

JungKook estava na cama, o corpo suado por conta de um recente orgasmo e muito prazeroso, ele havia se tocado pensando no garoto doce de fios ruivos que tanto aprendera consigo. Jung HoSeok era incrível. E ele quis fazer dos momento em que estava ao lado dele únicos e por isso os guardava com todo apreço em sua mente. Não havia nada melhor do que se recordar dos gemidinhos dengosos e da forma como ele ficava completamente lindo com os fios grudados pelo suor, com aquela boquinha entreaberta e a respiração tão descompassada ao passo que seus olhinhos não pareciam enxergar mais do que o prazer que sentiam juntos. Ele sentia, sim ele sentia, muito mais muito prazer ao lado dele e não havia cliente melhor do que Jung HoSeok, não havia pessoa melhor do que ele e em sua mente nada era melhor do que estar ao lado daquele homem. E aquilo estava lhe deixando completamente louco e lhe tirando o foco de tudo.

J.Seok : Hyung, boa noite! Como está? Já está dormindo, se estiver me desculpa. Já comeu, olha que eu fiz uma sopa de arroz que está gostosinha, se pudesse levaria um pouco para você.

J.Seok :Estou mandando mensagem agora porque eu não conseguiria esperar até amanhã para te dizer que eu consegui colocar em prática uma das aulas que me deu. Eu consegui chupar meu namorado pela primeira vez na vida e o melhor, ele gozou na minha boca.


 

Ao receber aquela mensagem o Jeon até quis ficar feliz, seu cliente estava satisfeito, mas ele não conseguia se sentir assim. HoSeok estava ao lado de outro homem agora e o pior, estava lhe dando um prazer, um prazer que ele quem ensinara a dar. E isso o corroía por dentro.


 

You: Que bom que conseguiu. Fico feliz que meu cliente esteja satisfeito.


 

Sua boca amargou e ele não soube se realmente queria dizer aquilo, cliente. Ele era somente o seu cliente. Tsc… porque doía tanto? Porque ele se sentia assim, com aquela vontade de chorar, aquele sentimento que não lhe abandonava. Tudo parecia quebrado para si e ele quis parar com aquilo, parar com aquelas aulas e se afastar de vez da única pessoa por quem se apaixonou na vida.


 

J.Seok : Aishi, hyung… não diga assim, somos amigos também. Ou você esqueceu das nossas conversas e do quanto nos divertimos? Você não me considera um amigo, hyung?


 

JungKook parecia poder sentir o tom triste do mais novo e não queria deixá-lo assim. Mas por mais que fosse complicado, ele não poderia explicar para o Jung que queria ser seu namorado e não apenas um amigo. Mas não seria ele quem deixaria o outro com a sensação de que eles eram apenas estranhos. Apesar do pouco tempo em que estavam juntos, ele sentia que aquele rapaz era diferente e seu coração pedia por ele. Pedia e muito.


 

You: Claro que somos amigos. Somos tão amigos que eu vou te dar uma aulinha agora mesmo. Se você estiver sozinho é só realizar uma video chamada comigo agora que eu vou te ensinar uma coisinha interessante.


 

HoSeok não entendeu o que seu hyung queria ensinar assim, daquela forma. Mas sim, ele estava sozinho em seu quarto só de cueca boxer branca e uma blusa preta um tanto grande, já que era uma das que TaeHyung havia esquecido em sua casa. Então como quem não quer nada ele caminhou até ao lado da porta onde encontrou o interruptor para acender a luz do seu quarto, aproveitou para trancar a porta do mesmo, caso sua mãe ou irmã viessem fazer uma visitinha inesperada e pegou os fones de ouvido que estavam em cima do criado mudo. Colocou o celular em um pequeno suporte e iniciou a video chamada depois de plugar os fones nele.

HoSeok sentiu seu corpo inteiro dar sinais de vida assim que o seu hyung aceitou a chamada, isso porque a primeira coisa que ele vira fora um JungKook bem aperto para si, mostrando sua entrada que pulsava e seu pau que estava duro em sua direção, além da visão de um homem lindo daqueles completamente suado, apoiado nos cotovelos, o que fazia com que seu abdome bem definido ficasse a mostra, assim como as coxas bonitas e fartas, já que sua perna estava levemente flexionada permitindo que o mais novo ver todo aquele pedaço de mal caminho que era Jeon JungKook, principalmente aquele pênis e que pênis. Todo corpulento e com um tamanho considerável, as veias saltadas e a glande inchada e gotejante. Os sacos de cor um pouco mais escura, mas ainda assim lindos, esses que eram postos de lado para que a visão de sua entrada ficasse ainda mais visível.

– O hyung vai te ensinar como se preparar. – HoSeok sentiu o pau pulsar naquela cueca assim que a voz rouca e provocante do seu hyung soou pelos fones, ele tratou de aumentar o volume e se posicionar bem na cama.

– S-sim hyung. Me ensina. – disse com dificuldade. JungKook sorriu com o efeito que parecia causar naquele rapaz. Era isso mesmo que ele queria.

– E a primeira regra Seokie, olhe bem nos olhos do parceiro e ao gemer, gema o nome dele de forma arrastada e dengosa. Deixe que o seu lado mais sujo desperte e não se preocupe. Vai ser gostoso, muito, muito gostoso. HoSeok fez que sim, sem conseguir expressar mais do que gemer baixinho, o que deixava o mais velho cheio de tesão, seu menino era tão inocente…

JungKook começou com movimentos leves em seu pau, esse que estava sensível pelo recente orgasmo. Fazia isso apenas para poder ter a oportunidade de gemer baixinho, HoSeok estava com os olhos fixos em si e pela posição “ de índio” que ele estava podia ver que sua boxer branquinha estava começando a marcar uma certa ereção. Ótimo, era isso mesmo que ele queria.

– Ah, Seokie… – o Jung sentiu seu pau pulsar assim que o mais velho gemeu seu nome de forma arrastada e dengosinha a medida que levava três dedos seus a boca e com o olhar preso ao do Jung ele passou a chupar aqueles dedos, enquanto abandonava o pênis, já que estava sempre se mantendo inclinado para frente apoiado no cotovelo. O barulho erótico que ele produzia ao chupar aqueles dedos de forma tão libidinosa deixava o Jung inquieto e mais duro ainda do que estava.

JungKook tirou os dedos da boca fazendo um ploc com a boca, só para começar colocando um dos dedos na entrada pulsante, gemendo sempre dengoso e não tirando os seus olhos dos de HoSeok. Ruivinho esse que tinha seu nome chamado de forma bem arrastadinha. O moreno já era acostumado a se penetrar sempre, mas faria aquilo de forma lentinha para que seu “amigo” pudesse sentir o que ele estava sentindo, tesão, muito, muito tesão.

– Ah, Seokie mais amor… eu quero mais. – JungKook não estava sendo bonzinho e ouvia seu “cliente” gemer a medida que ele passara a colocar mais um dedo, com movimento de vai e vem, vai e vem ou girando os mesmos ao roçá-los na parece do seu ânus. Ele sabia bem como e de que forma ficaria bem preparado, mas o seu intuito não era aquele. Ou era… – Está vendo Seokie, como se coloca gostosinho? – o mais velho se aproximou ainda mais da tela do aparelho e permitiu que o Jung visse o quanto os dedos, nada finos, do mais velho fazia uma maravilha em sua entradinha. – Assim, vai...huum. Tão bom. Tão gostoso. Continua Seokie, amor… – o Jung não conseguia se concentrar em mais nada do que não fosse seu nome saindo assim tão dengoso daquela boca ao passo que aqueles dedos entravam e saiam com tanta vontade.

– Hyung… JungKook… – o moreno estava de olhos fechados, agora, enquanto gemia alto ao introduzir o terceiro dedo e tentar ir o mais fundo que podia para acertar sua próstata, o que ele sabia bem onde estava e como atingir. O que ele fez e como fez.

JungKook gemeu tão dengoso enquanto se fodia com os dedos que HoSeok não pode evitar em se tocar, colocando o pau para fora e se masturbando com muita vontade. E não apenas isso, ele gemia o nome do Jeon, o que o fez abrir os olhinhos e se deparar com um HoSeok não muito diferente de si. E isso fez com que ela aumentasse seus movimentos, a leva de palavras obscenas que saia de sua boquinha, cujos lábios eram constantemente mordidos, juntos com gemidos nada castos. O pau bonito do Jeon balançava juntamente com seus sacos, pelo fato dele não estar sendo nada gentil com seus movimentos. Sua próstata estava sendo surrada sem pudor e o suor que escorria deixava seu corpo mais brilhante e provocante, ainda mais quando escorria pelos gominhos. E que os vizinhos que se danassem, ele não seria nada discreto. E quanto mais HoSeok gemia seu nome mais ele se entregava à aquele momento. Contudo ele não seira bonzinho, não quando estava tão magoado por ter sabido que HoSeok havia chupado um pau que não era o seu.

– Se quiser me ver gozando Seok, tem de vir aqui e me fazer gozar pessoalmente. – e de forma maldosa ele retirou os dedos de sua entrada soltando murmúrios dengosos e deu uma piscadinha antes de encerrar a chamada de vídeo.

Parece que alguém ficou na mão – literalmente – não é mesmo? 


Notas Finais


Alguém inteiro depois dessa maldade do Jeon?
Hehehehehehehehehehehe


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...