História Perceia Jackson A Filha de Kronos - O Inicio - Capítulo 17


Escrita por: ~ e ~Cristal-Rock

Visualizações 45
Palavras 1.551
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Luta, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 17 - A Filha de Jápeto


Fanfic / Fanfiction Perceia Jackson A Filha de Kronos - O Inicio - Capítulo 17 - A Filha de Jápeto

 

Celty se esgueirava entre os prédios e casas naquela noite seca e arrida, o frio fazia a jovem de cabelos brancas e olhos acinzentados querer se envolver em cobertas quentes, mais ela não podia, tinha que terminar seu trabalho antes disso.

Ela avistou seu alvo entrando em um motel com sua amante, era impressionante como sua esposa estava dando ate o triplo do dinheiro para ela arrancar sua intimidade e suas cabeças para mostrar-lhe seu trabalho.

Pensando bem naquele momento a mulher iria pagar-lhe mais de mil dólares pra sua matança.

Ah e como ela gostava da matança que iria fazer, muitas vezes seus chefes temporários pediam para não fazer uma carnificina, mas lá estava a esposa traída com cede de vingança pelo marido estava lhe pagando para mostrar sua arte.

Sorrindo sadicamente ela pulou do prédio em que estava para o terraço do motel. Ela amarou o uma corda ao cano de agua que estava soldado, Celty enrolou a corda do pulso e se jogou do prédio, ela balançou ate a janela do quarto de seu alvo e quando viu ele sobre a mulher ela sorriu malvadamente e com um chute ela quebrou a janela e entrou deixando ambos dos adultos assustados.

Ela sorriu docemente escondendo suas intenções assassinas em sua linda face de criança e se aproximou do seu alvo que havia se afastado da mulher. Ele não se aproximou e nem se afastou quando Celty.

Quando estava a pouquíssimos metros do homem ela deixou sua sede tomar conta e seus olhos uma vez cinzas se tornaram vermelhos como o sangue, seu sorriso doce se tornou maldoso. E sem nenhum haviso ela pulou e com suas delicadas mãos torceu o pescoço do homem que nem pode gritar antes de morrer.

Sorrindo Celty tinha a cabeça de seu alvo nas mãos, ela ainda estava com seus olhos vermelhos e seu sorriso maldoso, ela olhou para a mulher que tremia e chorava sem fazer um único som pelo medo e o choque.

Sorrindo mais amplamente de maldade ela se aproximou da mulher que chorou, a delicada mão de Celty que estavam sujas de sangue entrou em contado com a face chorosa da mulher. Sua mão desceu de seu rosto ate o pescoço e logo para o meio de seus peitos.

Quando Celty ia arrancar o coração da mulher ela sentiu uma presença que afez recuara, ela olhou para a porta e lá estava uma garota e um garoto não muito mais velhas que ela. Celty ficou intrigada a pensa deles fazia sua pele formigar e seu corpo se retrair, era como se eles se conhecessem ou se seu próprio corpo se impulsionava para não ataca-los.

Aquilo a incomodou.

Sem pensar nas consequências que viriam Celty se virou e pulou em cima mulher arrancando seu coração e logo se virando e correndo para a janela, ela mordeu a corda que usara para entrar e dando impulso ela se lançou para o outro prédio, ela correu mancada de sangue, com seu corpo inteiro com a sensação de formigamento, carregando o cabeça e o coração de sus alvos e com duas pessoas vendo sus face.

Ele tentou esquecer isso enquanto corria pelos prédios indo para a mansão da mulher que a contratou.

Quando Celty pulou um grande murou, ela já estava na propriedade de Gonzales, os cães de Marcia estavam correndo para ela mais ela ao olhar com seus olhos vermelhos todos eles voltaram a correr com entre os rabos entre as pernas.

Sem nem se preocupar ela foi ate a sala de jantar e jogou o coração e a cabeça de seus alvos no meio da mesa enquanto Marcia comia seu file. Com um grande sorriso ela olhou para Celty.

– Você cumpriu sua parte – ela disse estralando os dedos um de seus mordomos entregou o cheque Celty.

Ela ascende e se virou com o cheque em suas mãos ela se virou e correu para os portões da propriedade de apos salda-lo ela correu para a parte mais pobre da cidade. Ela correu ate uma pequena casa desmoronando aos pedaços que apenas era segurada com pequenos blocos, sorrindo ela entrou abrindo cuidadosamente a porta, ela entrou para ver Ash sentada da cama som a cabeça encosta na mesa que estava arrumada com dois pratos e comida que Celty desconfiara que estivesse fria agora. Ash ainda estava vendada com faixas brancas, suas escamas e orelhas pontudas verde estavam baixos e seus cabelos de serpente também estavam dormindo, ela podia ouvir os roscos sibilosos de algumas das serpentes.

Sorrindo ela se aproximou de Ash e acariciou as pontas de suas orelhas afazendo acordar.

– Que bom que você voltou Cel – ela disse sorrindo, mostrando seus dentes afiados.

– Ash eu já disse que você não tem que me esperar para comer.

– Sim mais eu gosto de comer com você.

– Sim eu sei. Eu ganhei muito mais nesse trabalho do que nos outros, já temos mais que suficiente para nos mudar pra onde quisermos.

– Isso e perfeito, e aonde vamos?

– Não sei. Pra onde você que ir?

– Eu quero ir pra Nova York. Seus sonhos são relacionados com lá.

– Sim, mas meus sonhos não são bons. Você mesma sabe que meus sonhos são apenas sangue e morte, não estou a fim de arriscar.

– Mas e a menina de olhos dourados que você sonha você mesma disse que ela talvez ser nossa salvação?

– Sim disse, mas e em um talvez. Se não for podemos morrer, você pode morrer. Ash, você e a única família que eu tenho. Não irei ariscar perder você.

Suspirando Ash a abraçou e riu levemente.

– Você não vai me perder. Se eu olhar pra alguém ele apenas se transforma em pedra, sabe disso, sei me defender.

Celty a abraçou de volta enterrando seu rosto na curva do seu pescoço enquanto as serpentes que eram o cabelo de Ash a lambiam enquanto chiavam.

Depois dessa conversa as duas se sentaram a mesa e comeram, claro que Ash ainda errava um pouco sua boca enquanto comiam, e acabava se sujando. Depois que Celty a ajudou a se limpar ambas dormiram abraçadas.

Celty sonhou com olhos dourados, mas de alguma forma antes que ela pudesse saber quem era a pessoa no meio da escuridão ela acabou acordando com areia caindo em seu rosto e gritos que maios pareciam rugidos.

Sem pensar duas vezes ela se levantou pegando a caixinha com suas economias e dando nas mãos de Ash que ainda estava levemente dormida e a carregou correndo para a janela saltando-a sem pensar duas vezes apenas para se encontrar com cães de olhos vermelhos e que mais pareciam leões.

Engolindo em seco ela olhou ao redor e viu uma saída à trás dos cães, e aquela era a única saída, respirando profundamente seus olhos cinza se tornaram carmesins e ela correu em direção ao cão que parecia ser o líder, ela a chutou com força bem no focinho quebrando seus dentes, ela fez uma cambalhota no ar e caiu em pé atrás no cão que agora choramingava e correu para pelo beco em direção a rua onde se misturou em meio a multidão de mercadores que arrumavam suas barracas.

Ela correu e saltou uma lona de tenda que usou como trampolim quando viu os homens a esticando, ela aterrissou no teto de uma casa e correu ainda mais.

Ela não olhou para trás para ver se era seguida ou não, ela estava mais preocupada em manter Ash salva.

Ela parou em um beco escuro e sem saída onde pensou que não iriam encontra-las depois de correr pelos prédios, entre as casa, e ficar fazendo acrobacias no ar ela tinha quase certeza que ela os tinha despistado.

Mais então ela foi lançada como uma boneca em uma parede, a pancada foi tão forte que se ela fosse como os outros humanos ela poderia ter morrido. Rosnando para o cão que a lançou e quase machucou Ash que esta intacta por sorte de Celty ter conseguido receber todo o impacto.

Colocando chão cuidado Ash no chão, Celity correu para o cão de olhos vermelhos e pulando em sua cara ela usou seu pé para perfurar seu olho, o fazendo emitir um som desagradável que logo foi calado com um chute forte em sua cabeça, o cão logo se tornou poeira.

Quando ela ia se virar para pegar Ash ela viu uma manada de cães, ela sabia que não podia lutar com todos eles e ela também sabia que Ash não podia usar suas abilidades perto de tantas pessoas. Elas iam morrer. Então em um piscar de olhos os cães foram cobertos por chamas.

Celty olhou para onde ela podia ver um garota de olhos dourados e uma de cabelos vermelhos como chamas.

Ela viu um garoto e uma garota a do dia anterior ao lado delas, isso a intrigou.

...

Após Celty notar que a jovem de olhos ourados era a mesma menina que estava sempre sem seus sonhos que de uma semana atrás ela decidiu aceitar se unir a eles, e ela gostou de Sally fazer um óculos magico para Ahs poder ver sem transformar as pessoas em pedra.

Ela gostou de saber porque era tão sádica, gostou de saber mais sobre seu pai, o titã Japeto.

E mal podia esperar para pegar Luka o filho de Hyperion no egito.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, lamento a demora


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...