História Perdeu o Trono (Kim Seokjin) - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Personagens Originais
Tags Bts, Romance, Traição
Visualizações 51
Palavras 2.076
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa tarde minhas amoras, bom, eis aqui o novo capitulo.

Boa leitura.

Capítulo 9 - The Wrong Son


Kim Namjoon

Depois do que aconteceu no restaurante com o “Marido” da Dra.Kim Paola ela se disponibilizou em me levar em casa já que eu não iria conseguir dirigir. No caminho eu não puxei nenhum assunto com ela, seu pensamento parecia estar longe então eu não queria ser um incomodo.

Em casa depois que ela fizera o curativo e começamos a conversar sobre o traidor, Paola pensa em vingança e eu confesso que gostaria muito de ser o instrumento de vingança dela, eu iria gostar muito de fazer com aquele canalha pagasse pela traição. Mas, ela nunca baixaria a esse nível como ela mesma me dissera, Paola tinha a cabeça no lugar. Eu me atrevi a acariciar seu rosto e aquela derme macia, hidratada e muito bem perfumada fez com que meu corpo se arrepiasse, eu não a conhecia por completo, sua personalidade despertava minha curiosidade sobre ela. Somos tirados daquele momento “intimo” com a voz de Minsoo.

 — O que estar acontecendo aqui? — Tiro a mão do rosto de Paola e me levanto.

— O que ela estar fazendo aqui Sr.Kim Namjoon? — Questiona ao ver Minsoo saindo do meu quarto e vestida com a minha camisa social.

— Calma que eu posso explicar. — Digo assustado ao notar que a Dra.Kim questionou com o tom furiosa. Eu sabia que MinSoo não deveria estar aqui.

– Quem é ela Nam? – Minsoo questiona cruzando os braços e encarando Paola desafiadoramente.

– Eu sou a advogada dele. – Paola se levanta e sem perder sua postura, responde.

– Advogada? E o que uma advogada faz a uma hora dessas na casa do seu cliente? – Minsoo diz ironicamente.

– E o que a pessoa no qual é responsável por ele estar respondendo processo estar fazendo aqui? E o pior, vestida com as roupas dele? Huh? – Paola já começara a se irritar.

Minsoo desvia o olhar fazendo deboche e se escora na parede; Paola olha para mim esperando uma explicação.

– Então Sr.Kim, vai me explicar?

– Ontem a noite, Minsoo me ligou chorando e pediu pra que eu a encontrasse no lugar onde sempre nos encontrávamos, chagando lá a encontrei chorando e notei que ela estava marcada e ela disse que o Pai dela tentou abusa-la novamente e ela fugiu, sem ter para onde ir, eu a trouxe para cá. – Explico.

– E até quando você pretendia mantê-la aqui? – Paola cruza os braços.

– Somente até hoje, mas como houve alguns imprevistos não teve como. – Digo me sentando novamente no sofá.

– Ela vai comigo para a minha casa, como não serei mais responsável pelo caso, não haverá nenhum problema ela ficar lá até que isso se resolva.

– O que?!  – Eu e Minsoo falamos em um uníssono.

– Isso mesmo que vocês ouviram! E você mocinha, o que estar fazendo com a roupa dele? Se eu fosse outra iria pensar coisas absurdas, vá se trocar e pegar suas coisas, vamos para minha casa agora. – Paola diz em tom de ordem.

– Eu na... – A garota tenta resistir a ordem.

– Se você não fizer isso, sinto muito, mas terei que entrega-la para a policia ou para o conselho de menores. Você decide, Ou minha casa ou a polícia, porque aqui você não vai ficar! – Dra.Kim falou com a autoridade de uma advogada em cima da garota.

– Aish! Eu mereço. – Min, entra no meu quarto batendo o pé e foi arrumar suas coisas.

–Você é louco Sr.Kim? – Pronto, agora era minha vez de levar esculacho pela burrice que cometi em trazer Minsoo para minha casa.

– Desculpa, eu não sabia o que fazer! – Tento me justificar.

– Que entregasse ela para a policia, eles já prenderiam o pai dela e breve você não responderia mais o processo. – me repreende.

– Mas, como assim você não será mais responsável pelo caso?  – Me ouso a perguntar tirando totalmente o foco do sermão que eu estava levando.

Dra.Kim Paola suspira e se senta no sofá. – Eu sai de casa e não pretendo voltar ao escritório de advocacia, não colocarei meus pés em nenhum lugar em que eu e Jin construímos juntos. Satisfeito com a minha resposta Sr.Kim? – Diz me encarando fixamente.

– Acho que sim. – Respondo.

– Tem como você nos levar? Deixei meu carro no restaurante.

– Sim, claro. Se quiser posso leva-las em casa e depois levo o seu carro. – Sugiro.

– Pode ser. Obrigada.

– Estou pronta. – Minsoo aparece, agora vestida com suas próprias roupas.

– Okay, vamos. – Paola chama a mesma e as duas caminham lado a lado até a porta e eu as acompanho.

Kim Namjoon levou as duas até a casa de Paola, a partir daquele dia ela seria a responsável por minsoo.

 

Paola

Paola agira por impulso, ela havia notado algo muito estranho em Minsoo, e ela sabia que deveria tirar aquela garota de perto de Namjoon o quanto antes, afinal, o mais prejudicado seria ele. Já chegando em casa, ela leva Minsoo para o quarto de hóspedes e fica na sala conversando com Namjoon.

– Eu peço que não conte a ninguém onde estou morando, não quero que o Jin apareça por aqui de repente. – Digo para o mais velho.

– Pode deixar, mas, ele como seu marido ou ex marido ele não sabe que você pode estará aqui? – Questiona.

– Não, ele não sabe da existência dessa casa, ela foi herança dada pelos meus avós. – Respondo.

– Compreendo, bom, agora tenho que ir, amanhã terei que estar cedo na clínica. – Namjoon se levanta.

– Clinica? Por causa do seu braço? – Olho para o mesmo descrente.

– Não, eu estou bem, tanto que já dirigi até aqui e vou dirigir de volta para casa, enfim, minha clínica. – Responde mostrando um sorriso que mostrava nitidamente suas covinhas.

– Hum, mais um médico. – Reviro os olhos.

– Mais um médico? – M e olha descrente.

– Sim, Jin é cardiologista, fisioterapeuta e está fazendo especialização em ginecologia. – Respondo.

– Ah sim, hahaha. – O mesmo rir e eu não entendo a reação dele.

– Por que estar rindo? O que é engraçado? – Pergunto um pouco alterada.

– Não sou o tipo de médico igual a ele. – Solto um riso nasal.

– AH não? Que tipo de médico é você? – Questiono cruzando os braços.

– Sou médico veterinário Dra.Kim. – Responde.

– Ah, ótimo. Pelo menos assim eu não terei náuseas quando eu olhar para você. – Digo caminhando lado a lado com ele até a porta.

– Nossa, isso já foi maldade. – O mesmo se apoia na porta me encurralando, engoli seco.

Olhei automaticamente para os lábios do mais alto, mordi meus lábios e abaixei a cabeça, Sr.Namjoon levanta meu rosto segurando em meu queixo e me olha fixamente, senti meu corpo todo esquentar, por um momento senti a necessidade de sentir os lábios dele colados nos meus.

– Te vejo amanhã, Dra.Kim. – Diz em um sussurro, que me fez arrepiar.

Namjoon abre a porta e sai, fico olhando para o mesmo que no meio do caminho volta em minha direção, e eu só pude escutar uma coisa.

– Ah! Quer saber, foda-se se você é casada. – Namjoon envolveu seus braços em volta da minha cintura e selou nossos lábios, iniciando um ósculo lento e que foi acelerando e ficando selvagem, um beijo com mordidas violentas Senti como se uma corrente elétrica percorresse por todo meu corpo. Escutei a porta atrás de nós dois se fechar, e ficarmos para o lado de fora da casa, na varanda. Nossos lábios ainda estavam colados, ele me suspende e automaticamente eu envolvo sua cintura com minhas pernas e o mais alto me encosta na parede, uma de suas mãos apertava minha cintura e a outra estava por trás da minha cabeça, meus braços estavam envolta de seu pescoço, ele segura meus braços para cima com uma de suas mãos me deixando totalmente vulnerável a ele. Sua outra mãos já passeavam pelas laterais da minha coxa, por cima do tecido da minha calça Jeans, suas mãos subiam pela lateral do meu corpo chegando por fim em minha cintura e começando a adentrar em minha blusa, ao sentir que estávamos quase transando ali, eu interrompi o beijo. O mesmo me olhou confuso. – O que foi?

– Desculpa, eu não posso. – Desço da cintura do mesmo, e ando em direção a porta.

– Desculpa? Pelo o que? Foi eu quem te beijou! – Ele diz um pouco confuso e eu percebi o medo em sua voz.

– Sr.Namjoon, eu só não posso, mesmo que eu ainda não more com o SeokJin, juridicamente eu ainda sou casada com ele e o que eu acabei de fazer é uma traição pela lei. Não quero perder minha razão e não quero me igualar a ele. – Digo com um nó na garganta.

– Eu entendo, bom, acho melhor eu ir. Mas, tenha certeza de uma coisa, você nunca será como ele. – Diz deixando um selar em minha testa e logo ele se afasta.

– Sr.Kim, pega a chave do meu carro. – Jogo a chave do meu carro para o mesmo que apara o objeto no ar.

– Trarei logo cedo, e não me chame mais de Sr.Kim, já que você não é mais minha advogada. Me chame apenas de Nam – Diz dando uma piscada.

– Okay, digo o mesmo. Pode me chamar apenas de Paola. – sorrio para o mesmo.

Nam entra no seu carro e logo da partida e some no caminho, fico ali por fora pensando no que acabara de acontecer. O que será que deu em mim a ponto de me sucumbir ao beijo dele e quase chegar ao ponto de transarmos aqui mesmo na varanda? Bom, ainda bem que não aconteceu nada mais além de um beijo. Balança a cabeça e entro na casa novamente e dou de cara com Minsoo sentada no sofá com uma cara nada boa, a mesma me fuzilava com os olhos. No mesmo momento fiquei séria e a fitei desafiadoramente, seja lá o que ela fosse falar, ela teria que ter ciência de que eu não sou uma mulher qualquer.

– Ram, não acredito que eu vi isso. – mesma fala debochadamente.

– Viu o que? – Questiono.

– A ex advogada do Nam quase fodendo com ele assim, tão facilmente. Tem vergonha não? D.O.U.T.O.R.A  P.A.O.L.A? – Disse pausadamente a ponto de me deixar irritada.

Encurralo a garota no sofá me inclinando em cima da mesma apoiando meus dois braços na costa do sofá em que ela estava escorada e a olho bem dentro dos olhos e sem quebrar o contato visual, digo friamente e o mais áspera que sou capaz de falar.

– Olha aqui garota, você só tem 17 anos, eu sou uma mulher de 23 anos, uma grande diferença de idade e de experiêcia, Namjoon tem 24, olha que coincidência, ele é só um ano mais velho que eu e mais, entre eu e você, acha mesmo que ele te escolheria? A garota que praticamente fodeu ele? Claro que não! Então, para com esse joguinho e comece a se por no seu lugar como uma menina! SIM, MENINA! Até que você complete os 18 anos te tratarei como uma adolescente que ainda brinca de boneca e nem pense em fugir daqui, por que vou fazer com que a policia te procure até no inferno se for preciso. Me entendeu? – A garota me olhava assustada.

Coloco as mãos na cintura e a mesma se vendo livre dos meus braços ela volta para o quarto que ela nunca deveria ter saído.

– Nossa, mereço uma adolescente me enchendo a paciência. – Resmungo para mim mesma me jogando no sofá.

Fecho os olhos e começa a passar em um flashback o que aconteceu comigo e Nam na varanda, sorrio de lado e coloco a mão nos meus lábios, ainda não acredito que eu beijara outro homem, senti um gosto diferente de beijo, de lábios, de pegada. Namjoon despertou em mim a vontade de tê-lo mais ainda, coisa que o Jin já não fazia a tempos. Nesse instante meu semblante muda, ao lembrar de Seokjin uma tristeza invadiu meu coração, eu não poderia jamais me sucumbir á um sentimento desse novamente, se apaixonar? Não, não quero saber disso. Não tão cedo assim, além do mais, preciso me divorciar do SeokJin juridicamente.

Me levanto e vou para o meu quarto, deito na cama e em um flashback, cenas de Jin me traindo com Jucy, a sua secretaria lhe fazendo um servicinho e as piscadas que ele dava para a minha secretária; passavam copiosamente em minha mente, aquilo estava me deixando perturbada. Eu tinha que pensar em algo para me vingar. Me levanto em um solavanco rápido ao ter uma brilhante idéia.

– Então você vai ser papai Jin? Se você diz que o filho de Jucy não é seu, então o de outra vai ser. Vou fazer você amar o filho errado. – Digo para mim mesma.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado.
Falem aqui nos comentários ❤️💕
\(^o^)/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...