1. Spirit Fanfics >
  2. Perdição >
  3. Capitulo 42

História Perdição - Capítulo 42


Escrita por:


Notas do Autor


Boa noite! ❤ ❤ ❤ Capítulo cheio de emoção e surpresas! Espero que gostem... boa leitura!

Capítulo 42 - Capitulo 42


Fanfic / Fanfiction Perdição - Capítulo 42 - Capitulo 42

CAPÍTULO QUARENTA E DOIS

 

Pov Piper

 

O tempo passou, e desde a festa do ano novo tinha se passado exatamente quinze dias, faltava somente cinco dias para o casamento de Nicky e Lorna, e parecia até que seria eu que iria me casar, estava muito ansiosa. Tinha pegado uns dias de folga, assim como Alex e iriamos todos para o rancho onde aconteceria o casamento, e passaríamos uns dias lá, aproveitar o lugar, além da festa e lá seria o ensaio do casamento também. As noivas estavam ansiosíssimas. 

Estava arrumando minhas malas, enquanto Alex finalizava uns assuntos importantes sobre a empresa pelo celular, ela andava de um lado para o outro no quarto. Eu ficava até nervosa de vê-la fazendo isso.

— Depois de horas e mais hora, tudo resolvido. — disse Alex deixando o celular sobre o criado-mudo ao lado da cama, suspirando aliviada. 

Sorri fechando minha mala. — Então agora é folga?

— Folga! — sorriu vindo até a mim, e enlaçando minha cintura com suas mãos. — Folga e festa. — beijou a curva de meu pescoço, causando cócegas. 

Assenti com um enorme sorriso nos lábios. — As meninas não param de me mandar mensagem... Estão uma pilha de nervos e estão dormindo cada vez menos.

Alex deu de ombros. — É bom que aproveitam fazendo outras coisas. — Soltou uma risadinha, deixando-me vermelha.

— Nossa, você é tão cara de pau. — ri.

Alex foi arrumar suas coisas também. Logo partiríamos, iriamos todos juntos. Seria o carro de Nicky, o da Alex e um Uber, para que coubesse todas as pessoas. Os outros parentes de Nicky iriam um dia antes do casamento e iriam diretamente para o rancho. 

Graças a Deus nesses quinze dias não houve nenhum contato nosso com Kate, a prima vulgar de Nicky, mas eu estava sabendo que Lorna estava sem paciência com ela, que continuava sendo uma oferecida para o lado de Nicky, mesmo que a mesma estivesse a ignorando, o bom era que Lorna não estava mais brigando com Nicole por causa disso, estava saindo por cima, no final das contas.

Colocamos nossas malas no porta-malas e fomos a caminho da casa das meninas, onde pegaríamos alguns parentes de Nicky. Estava torcendo para que Kate não viesse no nosso carro.

//

 

Estávamos a caminho do rancho, quase chegando. Kate estava no Uber, não veio em nosso carro e nem do de Nicky.  Logo estávamos estacionando em frente a enorme casa. As malas foram tiradas do carro e fomos logo adentrando para nos ajeitar nos quartos. A casa estava impecável, tudo limpo e em seu devido lugar.

Seriam dias inesquecíveis. Assim eu esperava.

 

//

 

Faltavam somente um dia para o casamento, ele seria amanhã. Durante todo esse tempo aqui no rancho Kate fez questão de ficar onde Alex estava, mas eu sempre estava junto, então ela acabou não fazendo nada. Eu não lhe daria brechas.

Me espreguicei na enorme cama, o quarto principal tinha ficado com as meninas, afinal, era o casamento delas, porém o quarto que estávamos era grande e confortável também.

— Bom dia. — escutei sua voz rouca soar.

Abri meus olhos enquanto sentia um delicioso aroma de café. — Hmmm... Que cheiro bom. — a vi diante da cama com uma bandeja em mãos.

— Oi... Fiz um café especial para você e na cama. A cozinha está uma bagunça... aliás, a casa está uma bagunça, flores, roupas e coisas de casamento espalhado por toda a casa. — riu sentando-se na cama com a bandeja em mãos.

— Casamento é assim... um  caos total... — me sentei na cama e peguei um bacon frito e comento. Estava uma delícia, claro.  — Muito bom. — pegou o copo de suco. Alex também comia junto comigo. — Amanhã é o grande dia e hoje é o ensaio... Lorna deve estar arrancando os cabelos.

Ela riu. — Sim, mas o ensaio é a noite, apesar do casamento ser de dia... Que confuso. — ajeitou os óculos.

Dei de ombros. — Nada faz sentindo... — ri. —Amanhã vai ser uma correria total, temos que pegar nossos vestidos na cidade.

— Nem me fale. 

— O que vamos fazer hoje? Esses dias aqui estão sendo tão bons e relaxantes aqui. — sorri com serenidade.

— Estão mesmo. — concordou Alex. — O que acha de andarmos a cavalo e Nicky quer jogar futebol americano. — riu.

— Ela quer mesmo é quebrar um membro e ir engessada para o altar e deixar Lor maluca!

Rimos.

— Mais ou menos isso mesmo.

Finalizamos nosso café da manhã, e então colocamos uma roupa própria para cavalgarmos. O sol estava até forte, mas o frio estava extremo. Alex pegou dois cavalos e cavalgamos lado a lado, de forma calma, sem pressa, somente apreciando as paisagens do local que era mesmo lindo.

Nosso passeio durou a manhã toda, no estabulo descemos dos nossos respectivos cavalos e Alex os guardou em seguida. Vi um tambor amarrados no teto por quatro extremidades de corda e acessórios de montaria,

— O que é isso?

Ela me encarou e sorriu. — Acessório de treinamento para cavalo. — riu se aproximando. — Não usei esse método com você, mas seria o certo.

— Hm... — analisei e me coloquei sobre o objeto maluco. Alex arqueou as sobrancelhas e sorriu de canto, sem desgrudar os olhos de mim. — O que foi? — contive um sorriso.

Alex ajeitou os óculos. — Nada... só observando.

Dei de ombros. — Como seria o treinamento?

Ela começou a balançar as cordas, fazendo ritmos de cavalgadas. — Mais ou menos assim.

Assenti.

Eu conhecia Alex, tinha algo nela, na maneira que ela me encarava. Seus olhos estavam resplandecendo desejo. Desejo por mim. Em me ver ali, naquela situação.

Ergui uma de minhas sobrancelhas sustentando o olhar. Alex me encarava de uma maneira hipnotizadora. 

— Hm, — mordeu o lábio inferior parando os movimentos e se aproximando de mim. — Sabe, — ficou diante de mim. — você está me deixando louca cavalgando nesse negocio, sabia? — foi em busca de meus lábios de uma forma dura e cheia de desejo.

Seus lábios acariciavam os meus de forma rápida e cheia de volúpia.  Suas mãos adentraram minha blusa, tocando meus seios com vontade, beliscando meus mamilos, deixando-os duros. Enquanto sua boca investia na minha com vontade. Alex me tirou dali, antes que eu me estatelasse no chão, estávamos dentro do estabulo, ninguém nos veria, ela me pressionou contra a parede beijando meu pescoço e enfiando a mão dentro de minha calça sem hesitar, seus movimentos eram firmes e com um objetivo: lhe dar prazer.

As caricias estavam esquentando, mas infelizmente  escutamos vozes se aproximando.

— Ninguém merece... — resmungou Alex contrariada se afastando. — Séra que não iremos ter o prazer de fazermos amor aqui? Nunca dá certo! — bufou.

Maneei minha cabeça rindo. — Tudo no seu tempo. Vamos? — a puxei para fora do estabulo e vi uns tios de Nicky andando pelas redondezas.

 

//

 

Depois do almoço deram inicio ao jogo de futebol americano. Lorna fez questão de não jogar, assim como eu – esses esportes não era para mim, eu era uma zero à esquerda -, já Lorna não queria era se machucar de alguma maneira, pois amanhã era o seu casamento e tudo tinha que sair perfeito e claro que ela tentou fazer com que Nicky não jogasse, mas não adiantou de muita coisa.

Todos os primos de Nicky estavam jogando, inclusive ela, Kate. Rolei os olhos e mantive o olhar no jogo. Ela sempre se oferecendo para Alex. Ela não perdia tempo.

— Essa “fulaninha” é demais, não? — resmungou Lorna ao meu lado. — Afinal, quem ela que quer? Alex ou Nicky?

Deu de ombros. — Acho que ela quer é as duas, Lor.

— Cara de pau de uma figa! Imagina ela na minha casa, Piper? Fiquei a ponto de explodir! — bufou.

— Imagino.

O jogo rolava, e como era um esporte “violento” as pessoas rolavam no chão e faziam de tudo, somente para pegar a bola. Eu não conseguia entender isso e esse jogo. Jamais.

Teve um momento em que Kate levou um baita tombo e eu vi seu tornozelo ser torcido.

— Jesus. — coloquei a mão na boca segurando o riso.

— Bem feito! — Lorna não disfarçou a felicidade, mas para o meu azar, quem a ajudou foi Alex.

Comprimi os olhos vendo a cena. Kate apoiada em Alex que a trazia para fora do jogo e Nicky do lado perguntando se estava tudo bem. O azar era de Lorna também, parecia. O rosto de Kate estava vermelho, ela parecia sentir muita dor.

 

— Ela está bem? — Lorna questionou.

— Isso é o que iremos ver agora. — respondeu Alex indo para dentro da casa, ela nem olhar na minha cara.

Trinquei os dentes, então eu e Lorna seguimos as três. Alex colocou Kate no sofá da sala de estar, e Nicky foi até a cozinha pegar uns gelos.

— Dói aqui? — Alex apalpava o seu tornozelo.

— Demais! — ela gemia de dor se contorcendo.

— Calma, Kate, vai dar tudo certo. — Nicky voltou com o gelo e mãos e colocou no pé da prima.  — Está doendo muito?

— Demais, Nicks! — as lágrimas escorriam por seu rosto.

Nicole a abraçou e senti Lorna mais tensa ao meu lado.

— Calma. 

Alex deu mais algumas apalpadas no local. — Teremos que leva-la para o Hospital. — disse séria.

— É tão sério assim? — Nicky a encarou.

— Pelo sim ou pelo não... — murmurou Alex.

— Certo, Vause, eu faço questão de ir com você. — disse Nicky decidida. — Vou pegar o seus documentos, Kate. — saiu apressada escadas a cima,

Fiquei ali observando Alex e Kate, minha namorada, MINHA NAMORADA toda atenciosa com aquela... mulherzinha, ela simplesmente nem olhava para mim.

Fechei minhas mãos em punhos, não acreditando que isso estava mesmo acontecendo. Esse era o nosso inferno. Meu e de Lorna.

Nicky não demorou a voltar com uma bolsa em mãos. Alex então ajudou Kate a ficar de pé, mas assim que ela colocou o pé no chão, gemeu de dor.

— Não está conseguindo firmar o pé?

A mesma negou.

— Tudo bem, não force, então. — minha raiva aumentou quando Alex a pegou no colo.

Fechei meus olhos com força, enquanto ela passava por mim. Sem falar nada subi as escadas e me enfiei no quarto em que estávamos, quando dei por mim minhas lágrimas escorriam por meu rosto.

 

//

 

Despertei com minha cabeça explodindo de dor de tanto que eu chorei, chorei tanto que nem percebi quando eu acabei adormecendo. E acordei com carinhos em meus cabelos, meus olhos se abriram e vi Alex sentada na cama ao meu lado.

— Por que seu rosto está tão inchado assim?

Não a encarei, somente neguei e nada disse.

— Piper, fale comigo, amor.

— O que quer que eu diga? — sentei-me na cama. — Que eu chorei porque minha namorada me ignorou enquanto cuidava da mulher que está afim dela? — sustentei seu olhar sem temer.

Alex suspirou tirando seus óculos e colocando sobre o topo de sua cabeça. — Anjo... Eu torceu o pé, quase quebrou. Teve sorte. Eu e Nicky somente fizemos o que deveria ser feito. 

— Havia outras pessoas aqui. — retruquei,

— Sim, mas o casamento é da Nicky e o rancho é meu.

Suspirei.

— Lorna já brigou com a Nicky, mas estão de bem novamente. Vai mesmo ficar brigada comigo? — tocou meu queixo.

— Seja menos gentil com aquela “moça”. — falei fazendo careta.

Ela riu, — Como quiser, baby. — beijou o topo de minha cabeça. — O ensaio vai começar logo, vamos nos arrumar?

Assenti.

 

//

 

Coloquei um vestido básico, Alex se manteve com uma roupa menos formal, com uma calça justa preta e uma blusa simples branca com uma jaqueta sobre ela, já que fazia frio e em seus pés um coturno e gorro. O ensaio já havia tido inicio, seria uma cerimonia linda, havia até champanhe para tomarmos mesmo não se tratando do casamento em si.

Kate estava com o tornozelo mal, tão mal que ela estava andando com dificuldades. Depois do ensaio da cerimonia em si veio uma festa de solteira, não seria nada para maiores de dezoito, seria uma festa bem comportada que eu e Alex havíamos preparado para as meninas.

A música rolava e as pessoas bebiam, haviam até umas que estavam mais para lá do que para cá. Fui me servir de mais comida, e somente bastou isso para que Kate se aproximasse de Alex, ela tocava em seu braço sorria bobamente, era mesmo uma cara de pau e Alex estava claramente desconfortável com a situação, dava sorrisos amarelos.

— Sério Alex, eu gostaria de agradecer por ter feito o que fez por mim. — escutei ela dizer assim que me aproximei.

— Não tem nada que agradecer. Eu não poderia fingir que nada aconteceu... eu só quis ser gentil. Nada mais.

— Acontece, Katherine, que minha namorada é muito educada e gentil, ela não te deixaria com um pé machucado ela sendo a anfitriã. — falei com um sorriso nada sincero em meu rosto.

Ela me encarou com uma cara nada boa. — Entendo. Não percebi que estava próxima, Piper. Está nos vigiando ou algo assim?

— Eu não preciso vigiar a Alex, eu confio nela. 

— Ah que bom, então você desse saber que ela me agarrou ontem? E está flertando comigo descaradamente sem medo de ser pega por você?

Alex riu de maneira incrédula.

E eu encarei Kate sem tirar o sorriso do meu rosto. — Sério isso? Poupe-me de suas loucuras!

Eu via ela ranger os dentes de raiva. — Não sei como uma pessoa como você está com alguém como a Alex, sinceramente. Veja só, ela é uma empresária de prestigio, rica, bonita e você? Uma completa sem sal!

Meu rosto esquentou e fervi de raiva, então virei um tapa em seu rosto, mas não um simples tapa, foi o senhor tapa em toda a maçã de seu rosto, ficando a marca dos cinco dedos em seu rosto. Ela me encarou incrédula e Alex segurou o riso.

— Olha, você mereceu, srta. Spencer.

— Você é maluca, garota? — disse entre os dentes fula da vida colocando a mão sobre o hematoma.

— Ninguém fala assim comigo, queridinha. — sorri irônica. 

— Vamos, meu amor. Deixe ela. — Alex passou suas mãos pela minha cintura e saímos de perto dela, deixando-a com o rosto vermelho pelo tapa e pela raiva também.

Devido a musica ninguém ao menos percebeu o pequeno desentendimento, a festa rolava normalmente.

— Sabe, estou muito orgulhosa de você? — comentou Alex um tempo depois.

Sorri encarando-a. — Ah, é?

— Sim. — sorriu. — Confiou em mim em todo o momento. — tocou meu queixo. — Você é meu amor.

Sorri. — Eu sei. 

Nos beijamos a seguir.

Sentia-me cada vez mais invencível ao lado de Alex. Eu confiava tanto nela e ela em mim. Ninguém iria nos separar. Ninguém.

 

Piper Off

 

A festa rolava sem maiores acontecimentos depois do tapa que Piper deu em Kate. Todos estavam felizes e bebendo. Lorna estava conversando com sua sogra, quando a mesma se afastou dela e ninguém menos que Kate se aproximou em seguida.

— Oi, noiva. — sorriu irônica bebendo champanhe.

— Oi. — respondeu Lorna de desagrado. 

— Deve estar muito feliz com o casamento, não é?

— Claro! Quem não estaria?

— Verdade. — bebeu o champanhe. — Mas vocês duas pensam em ter filhos? Deve ser difícil pensar nisso depois que o seu filho morreu, não é mesmo? Nossa, deve ter sido uma perca terrível. O que aconteceu?

Lorna ficou tensa.

— Não fale do meu filho, não é digna! — pediu entre os dentes.

— Mas eu não falei nada demais, querida. — defende-se.

— Não importa! — a essa altura os olhos estavam cheios de lágrimas e a garganta apertada, queria chorar, mas não o faria em frente à essazinha, Saiu de perto dela sem olhar para trás, passando entre as pessoas diretamente para o banheiro, onde se apoiou na pia e respirou fundo, deixando as lágrimas rolaram pelo rosto.

Nicky estranhou quando não viu mais sua noiva. Olhou ao redor entre as multidão e nada dela. 

Onde ela estaria?

Viu então ela sair do banheiro, e sua cara não era nada boa, então passou pelas pessoas com um pouco de dificuldades, até que por fim chegou até ela.

— Ei, o que foi? Esteve chorando? — franziu o cenho.

Lorna sacudiu a cabeça. — Está tudo bem.

— Não minta para mim. Sabe que odeio quando faz isso. — pediu séria a encarando.

— Foi sua prima. — suspirou.

— O que ela fez?

— Falou do Pietro.

Nicole comprimiu os olhos e saiu de perto dela sem dizer nada, viu a prima com uns parentes e então se aproximou puxando-a pelo braço para mais longe deles.

— Me Deus! Calma, o que foi? — estranhou que Nicky fizesse isso, ela nunca tinha o feito antes.

— Não ouse chegar perto da minha noiva, está entendendo? — foi firme. — Até agora estava até engraçado toda essa situação, mas a  partir do momento em que você meche com a minha noiva, isso muda totalmente de figura, Kate. — apertou seu braço. — Nem ao menos olhe para ela e pare com essa merda de dar em cima de todo mundo, estamos entendidas, porra?

Kate engoliu em seco. — Estamos.

— Ótimo! — saiu sem olhar para trás a fim de aproveitar a festa.

Depois dessa séria conversa entre as duas, Kate não ousou mais chegar perto de nenhuma das meninas, somente ficou na sua aproveitando a festa.

 

//

 

O grande dia tinha chegado. A casa estava uma bagunça e pessoas andando para lá e para cá. Alex e Piper acordaram cedo, tomaram café da manhã e foram buscar seus vestidos. O casamento seria no fim da tarde.

Alex estacionou seu carro e Piper foi logo descendo do mesmo com os dois vestidos em mãos. Iria ver como estava os ânimos de Lorna. As noivas haviam dormido em quartos separados e não havia se visto hoje ainda. Ela deixou os vestidos em seu quarto e bateu noa porta do quarto em que Lorna havia dormido.

— Pode entrar.

E assim Chapman fez.

— Tudo bem aí? 

Lorna suspirou. — Só nervosa. Parece que é a primeira vez que irei me casar. — riu.

— Não é, mas desta vez pode ter certeza que é um “Feliz para sempre”.

— Não tenho nenhuma duvida disso.

— Está preparada para começar a preparação? — indagou entusiasmada. — Vou trazer o seu almoço e depois disso a mãe da Nicky e as tias dela vão entrar por essa porta e aí sim a realidade vai bater a sua porta.

— Estou muito nervosa, porém pronta. Pronta para ser feliz. — sorriu de modo irradiante.

Piper a abraçou. — Tenho certeza que sim. — sorriu contente.

 

//

 

Alex assim que desceu do carro viu Nicky perto da cerca vendo alguns cavalos pastarem, estava bastante distraída.

— E aí, Nichols? Pensando na morte da bezerra? — brincou se colocando ao seu lado.

A mesma juntou as mãos em frente à boca para esquentar. Estava frio demais. — Só nervosa. Hoje eu me caso com a mulher que eu amo. Acho que é normal ficar assim. — deu de ombros.

— Certamente. — olhou para o horizonte diante de si. — Mas se acalma. Vai correr tudo bem.

— Às vezes eu penso se sou a pessoa certa para ela. — deu de ombros.

— E por que não seria? — indagou incrédula. — Você a salvou de um marido abusivo, deu amor a ela, mostrou o que é ser amada, salvou ela da depressão, salvou ela de se matar. O que mais é preciso para que você se convença disso?

Nicole deu um risinho. — É verdade, né?

— Com certeza é! 

— É que no dia do casamento a gente fica meio assim mesmo. — encolheu os ombros.

— Para com isso e vamos cavalgar para que você distraia um pouco essa cabeça, vai. — tocou seu ombro e saiu rumo ao estabulo. Nicky foi atrás. Era uma boa distração.

 

//

 

O dia passou em maiores acontecimentos. Era somente Lorna se arrumando em um quarto com Piper, a mãe e as tias de Nicky e Nicky se arrumando em outro com Alex e Red. Ambas estavam nervosas, afinal o grande momento estava chegando finalmente. Lorna já trajava um enorme vestido branco e de renda com uma calda majestosa, uma maquiagem leve, seus lábios um batom vermelho, um penteado elegante e um pequeno véu. Sapatos mais confortáveis, ou não aguentaria por muito tempo e um buque de rosas em mãos. Sim, ela estava pronta.

Já Nicky estava já pronta e andava de um lado para o outro em puro estado de nervoso. Ela estava com um terninho, o cabelo com seu peteado tradicional. Estava nervosa.

— Dá pra parar? — pediu Alex impaciente, já estava traja com um vestido elegante de cor azul escuro, quase negro.

Nicky a fitou. — E se ela desistir?

Rolou os olhos. — Ela não vai. Vamos para o altar já? Está na sua hora, os convidados já estão lá a espera, vamos?

A ruiva suspirou. — Está com as alianças, né?

— Sim, senhorita. Respira, ok?

— Sei que casamentos deixam as noivas malucas, mas não tem porque disso, minha querida. — disse Red abraçando Nicky, estava emocionada com seu casamento.

Nicky sorriu assentindo.

E foram para o local que aconteceria o casamento, na grama em uma linda paisagem. Os convidados estavam já sentados somente a espera das noivas, assim como o cerimonialista que faria o casamento. Bennet foi cumprimentar as meninas, mas Nicole não estava se distraindo, estava nervosa e não tinha nada que lhe tirava esse nervoso.

No quarto Lorna estava se olhando no espelho, não estava certa se estava do jeito que desejava.

— Tem certeza que estou bem? — questionou a Piper e a sua sogra.

— Está lindissa, querida. — Marka sorriu encantada.

— E o buque combinou?

— Zero defeitos, Lor. — Piper sorriu.

 

 

//

 

Nicky não tirava os olhos de onde viria Lorna montada em um cavalo branco, estava a ponto de roer as unhas.

— Por que será que ela não chega, hein? — encarou Red, Alex e sua mãe Marka que agora estava ao seu lado. — Será que ela caiu do cavalo? — preocupou-se.

Marka riu. — Nicole, pare com isso, querida. Sem pensamentos negativos.

A mesma suspirou.

Então viu sua noiva surgir linda em um vestido branco sobre um cavalo branco que o pai trazia com os arreios em mão.  Todos os convidados encararam a noiva. Estava linda. O cavalo parou e o pai de Nicky ajudou sua nora a descer sem maiores problemas, ele a levaria ao altar.

Foi uma cerimonia simples com um sermão não muito. Não demorou muito para que fosse dito o “sim” e fosse trocadas a alianças para finalizarem com o beijo.

Elas estavam oficialmente casadas.

— Essas alianças são lindas. — comentou Lorna fascinada encarando a sua no seu dedo. Seu sonho era se casar, e agora estava extremamente feliz, pois sabia que desta vez tinha feito uma escolha boa. Perfeita,

Nicky sorriu boba e beijou a aliança da esposa. — Nossa, dá para acreditar? Estamos oficialmente casadas.

— Sim. — sorriu emocionada e uma lágrima escorreu. — Desculpe. — lamentou.

— Está emocionada?

— Sim e eu queria que meu Pietro estivesse aqui conosco compartilhando esse momento lindo e emocionante. — suspirou.

— Não fique assim, baby. Ele está feliz seja onde ele estiver. — acariciou seu rosto. — Estamos só começando nossa jornada de formar uma família, ok? — sorriu de canto e a beijou.

 

//

A festa transcorreu normal. Tiraram fotos com os convidados e sozinhas, com as madrinhas e os pais de Nicky. Comeram, beberam e partiram o bolo. Fizeram o brinde, e teve também a valsa abrindo assim a pista de dança. Fora uma festa animada, descontraída e todos estavam felizes pelas duas que mereciam essa felicidade.

Às três da manhã a festa chegou ao fim e todos foram para seus respectivos quartos dormirem. Alex, Piper e as próprias noivas foram as ultimas a saírem da festa.

— Aproveitem amanhã esses dias na Tailândia, hein? — disse Piper animada.

— Ah, pode ter certeza que iremos sim. — Lorna sorriu aplicando um beijo no rosto da esposa.

Nicky sorriu de volta. — Vão ser dias especiais ao lado dessa mulher especial aqui.

Conversaram um pouco mais e adentraram a casa para descansarem. Estavam cansadas demais. Piper e Alex se foram, e então as recém casadas subiram as escadas e quando chegaram no corredor, Nicky simplesmente tomou Lorna – de vestido e tudo – nos braços.

— O que é isso? — riu assustada.

— Somos recém-casadas, não é tradição na Itália? — disse abrindo a porta e entrando o quarto delas. 

Lorna assentiu.

As duas riam sem parar.

Nicky então a colocou no chão e tirou o terninho e os sapatos. Seus pés estavam doloridos.  Lorna somente tirou seus sapatos e encarou a esposa com um sorriso nos lábios.

Nicole se aproximou dela e a beijou de modo doce e lento.  Deslizando as alças do vestido por seus ombros. Se posicionou atrás dela abrindo o zíper do corpete, ele então caiu sobre os pés de Morello, a ruiva aplicou beijos nos ombros nus dela e pescoço.

Ficaram uma de frente a outra novamente e se beijaram mais uma vez. Lorna ajudou a esposa a se livrar da parte de cima de sua roupa, e quando se deu conta estava sendo empurrada para que se deitasse na cama logo em seguida, sem desfazer o contato de seus lábios.

As mãos de Nichols passava por todo o corpo já nu de Lorna, passeando nas pontas de seus dedos, assim como sua boca que espalhava beijos por toda a pele.

Mantendo os dedos entrelaçados, Nicole ergueu-se ficando a altura de Lorna e sorriu, com suas testas juntas. As duas sorriram cumplices.

— Eu te amo. — murmurou Nichols.

Lorna sorriu, seus olhos brilhavam intensamente. Jamais havia imaginado que um dia conheceria o amor com tanta intensidade e veracidade como estava o conhecendo com Nicky.

— Eu te amo mais. — respondeu por fim juntando os lábios em um só.

Um beijo carinhoso, cheio de amor e calmaria. As línguas se exploravam de uma lentidão sem igual, enquanto os corpos se movimentavam em um atrito prazeroso dos sexos unidos. Ofegantes e suadas, não se cansaria tão rapidamente.

 

//

 

TAILANDIA 

 

Estavam no quinto dia de lua de mel, amanhã de manhã já estariam no aeroporto indo de volta para Nova York. Tinham ficado todos esses dias em uma casa de praia da Tailândia, era o Hotel diferenciado deles, diretamente interligado com a praia, mas com direito a piscina, hidromassagem, sauna e muito mais. A casa era estilo rustica, linda. Tudo naquele lugar era extremamente lindo. A areia branca que chegava a irritar os olhos, o céu azul e as águas cristalinas e calmas.

Já tinham ido à cidade andando em uma feira tradicional comprado lembranças para o pessoal e experimentado comidas de lá. E hoje ficariam somente ali na praia, aproveitando o lugar.

Lorna estava deitada em uma cadeira espreguiçadeira na areia de frente as ondas do mar com biquíni, óculos escuros e chapéu se protegendo do sol, enquanto lia um livro, já Nicky mergulhava usando os óculos vendo os peixes no fundo do mar.

Nicky então surgiu e tirou os óculos de mergulho. As duas estavam parecendo pimentões, o sol desse país castigava e o calor era sufocante, mesmo a noite.

— Que água boa, amor! Não vai entrar? — foi até Lorna e a beijou nos lábios.

Lorna sorriu. — Imagino, mas sinceramente? Não vou entrar agora. Tudo que eu quero é comer um peixe frito, caranguejos. — passou a língua nos lábios, estava com água na boca.

— Está com fome? — riu.

— Morrendo! — fechou o livro.

— Vamos então trocar de roupa e irmos ao restaurante comer alguma coisa. 

Lorna assentiu e se colocou de pé. Saíram então lado a lado de mãos dadas entre beijos e abraços. Estavam felizes e apaixonadas. Isso era nítido a qualquer pessoa ali.

Resolveram ainda tomar um banho, pois estavam com os corpos cheios de sal e areia, e entre um banho ali, beijos ali, caricias aqui e alguns orgasmos, finalizaram o banho e foram ao restaurante.

Almoçaram em um clima romântico, a comida dali era maravilhosa e leve, tudo que o lugar pedia. Tomaram um bom vinho branco e finalizaram com uma sobremesa leve.

Andaram um pouco na cidade, mas não demoraram muito, logo estavam novamente naquele imensidão azul, era um verdadeiro paraíso. Nadaram juntas entre beijos e caricias.

— Esse lugar é um paraíso. Adorei o presente da Alex.

— Também adorei. Vamos incentivar elas a virem nos quatro um dia, que tal? — sugeriu animada.

Lorna assentiu e se beijaram mais uma vez.

 

Pov Piper

Nicky e  Lorna estavam aproveitando a lua de mel, e pelas fotos que elas estavam mandando estavam aproveitando super bem mesmo. Amanhã elas estariam de volta. Sem a presença de Nicky aqui, a ONG estava uma correria só, parecia que era só um voluntario se ausentar por uns dias que as coisas pegavam fogo. 

Um dos meus alunos tinha ficado órfão. Ele não tinha pai e a mãe havia acabado de falecer de câncer. Avós? Tios? Ele não tinha nenhum.  Não sabíamos o que fazer. Ele  estava passando esses dias comigo e com Alex, mas logo a justiça o pegaria e o jogaria no orfanato. Um triste destino para uma criança de apenas três aninhos. Seu nome era Kevin Marshell, e nesse momento eu estava velando seu sono. Ele estava dormindo na minha cama, pois era muito pequeno e chorava om pesadelos à noite, com saudade da mãe. Ele era tão fofo, seus cabelos eram cor cobre, lembravam bastante de Nicky e os olhos negros, pareciam o de Lorna, a meiguice que haviam neles. Passou até pela minha cabeça que elas poderiam de repente adotá-lo, mas eu não iria dizer nada a elas. Sabia que poderá ser demais para Lorna depois de tudo que ela havia passado. Quase a perdemos.

Ele ressonava baixinho e dormia tranquilamente. Alex saiu do banheiro com seu pijama e tirou os óculos.

— Dormindo? 

Assenti enquanto acariciava seus cabelos. — Sim. — sorri.

Ela então se juntou a nós na cama. — O que vamos fazer com ele, Pipes? Não podemos deixar que ele vá para um orfanato. Ninguém merece isso. — seus olhos estavam preocupados. 

Suspirei. — Se não tiver outro jeito, vai ser isso, Alex.

— Olha, as meninas acabaram de se casar... de repente-

A interrompi. — Também pensei isso, mas não sei não, Alex.

— Elas chegam amanhã... vou contatar meu advogado para que a justiça nos dê mais tempo com ele. Eu conheço a Lorna, aquela mulher nasceu para ser mãe.

Assenti. — É verdade, por isso o baque da perda foi tão grande. — sorri fraco.

— Vai dar tudo certo e seremos tias desse moleque. Você vai ver. — beijou minha testa.

Ri. — Espero.

Não demoramos para apagar a luz e dormimos assim como Kevin estava fazendo.


Notas Finais


Eita, será que Nichorello vai se interessar pleo Kevin? Aí vcs me perguntam, mas Suelen, porque Vauseman nao adota? Vi a oportunidade perfeita de ser nichorello, devido o acontecido com Pietro ❤ Até o próximo capítulo... e o que terá nele? Nichorello de volta a NYC com a surpresa da criança, momentos lindos Vauseman e uma bomba, porque eu amo treta ❤ Até!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...