História Perfectly Perfect - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, Emma Swan, Lilith "Lily" Page, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Regina Mills (Rainha Malvada), Tinker Bell, Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Aluna, Emma Swan, Escola, Hot, Lesbicas, Professora, Regina Mills, Swan Queen, Swanqueen
Visualizações 647
Palavras 4.921
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Escolar, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey Minhas crianças lindas! Como vocês estão? E como foi o Enem? Espero que bem!
Aqui vai a primeira parte do último flash da nossa professora favorita! Pois é meus amores... Estamos indo para a reta final mesmo!
O capítulo teve mais de 9.000 palavras e eu decidi dividi-lo! Primeiro porque eu não leria um capítulo desse tamanho kkkkk segundo para matar vocês de ansiedade! Porém, volto quarta! Ashaushaushaushausau
As músicas são: Stone Cold - Demi Lovato (Link nas notas finais) e To Be Human - Sia.
Espero que gostem da penúltimo capítulo com flashes da Gina. Para quem não gostou, só não ler ok? Sem hostilidade nos comentários! Please!
Aaaah, e obrigada pelos quase 600 favoritos! Vocês são demais! Los amo <3
Vamos à leitura!

Capítulo 35 - Perfectly Perfect to Be Love! (Parte 1)


Fanfic / Fanfiction Perfectly Perfect - Capítulo 35 - Perfectly Perfect to Be Love! (Parte 1)

 

Antes que eu pudesse dormir Granny me ligou. Aquela senhora era tão maravilhosa que ficou com medo de eu não ter alguém para passar o Natal e me convidou para fazer parte da ceia que ela estava organizando. A vontade que eu tinha era de abraçar e não soltar mais, porém eu ofereceria uma ceia aos meus amigos também, não poderia cancelar e, depois do ocorrido de mais cedo, eu queria ficar perto de Swan o mínimo possível.

E pela fofurisse de Granny eu decidi comprar um presente de Natal para elas. Eu poderia levar apenas um para Vovó, porém seria muito feio da minha parte. Exatamente por esse motivo, naquela tarde, eu saí para comparar um livro para Swan e um aparelho de jantar chinês para Granny.

Ao fim do dia eu estava exaurida e só queria minha cama, porém ainda tinha que corrigir umas provas da UCL e, enquanto o fazia, Killian me mandou duas imagens que partiram meu coração. A primeira era de Swan dormindo na cama dele, aparentemente nua. Parecia um anjo, porém era só uma demônia loira. A segunda imagem era dela sorrindo para ele, após acordar. E ela parecia feliz. Muito feliz.

Ele escreveu algo abaixo:

“Eu nem acredito que finalmente encontrei alguém que me ama de verdade e que eu estou conseguindo fazer essa pessoa feliz!”

Eu não soube o que responder. Larguei o celular com os olhos cheios de lágrimas e aproveitei que meu macbook estava ligado para por uma música, porém eu nem liguei muito para a canção que selecionei na aba de sugeridos. (Stone Cold – Demi Lovato).

 

“Stone cold, stone cold

You see me standing but I'm dying on the floor

Stone cold, stone cold

Maybe if I don't cry, I won't feel anymore”

(Fria como pedra, fria como pedra

Você me vê de pé, mas eu estou morrendo no chão

Fria como pedra, fria como pedra

Talvez se eu não chorar, eu não sentirei mais)

 

Naquele momento senti minhas lágrimas descendo e eu fechei os olhos, lembrando-me do beijo dos dois.

 

“Stone cold, baby

God knows I try to feel happy for you

Know that I am

Even if I can't understand

I'll take the pain, give me the truth

Me and my heart, we'll make it through

If happy is her, I'm happy for you”

(Fria como pedra, querido

Deus sabe que eu tento me sentir feliz por você

Saiba que eu sou

Mesmo que eu não consiga entender

Eu aguentarei a dor, me dê a verdade

Eu e meu coração, nós vamos conseguir superar

Se a felicidade é ela, eu estou feliz por você)

 

Solucei. Se a felicidade de Emma Swan era Killian Jones, como eu poderia ficar triste por ela? Não dizem que o verdadeiro amor é aquele que você consegue até deixar a pessoa ir embora? Eu não tinha direito de não ficar feliz por ela! Mas tinha o direito de ficar triste por mim!

 

“Stone cold, stone cold

You're dancing with her

While I'm staring at my phone

Stone cold, stone cold

I was your amber but now she's your shade of gold”

(Fria como pedra, fria como pedra

Você está dançando com ela

Enquanto eu estou encarando meu celular

Fria como pedra, fria como pedra

Eu era sua brasa, mas agora ela é seu tom de ouro)

 

Ele era o escolhido do coração dela. Enquanto eu lhe dei algo em Paris, para ela momentâneo, Killian era o responsável por dar-lhe o que ela precisava para sempre! Eu não lutaria contra isso. Eu não deveria lutar, na verdade. Com que cara é que eu lutaria por uma pessoa que já tinha feito sua escolha? As vezes ela só tinha permitido aquela... coisa em Paris por curiosidade de beijar uma mulher. Ou ela só queria me domar mesmo, para ver se eu parava de pegar em seu pé! Eu tinha um milhão de possibilidades, e todas me mostravam que Emma Swan estava fora do meu alcance. Era como dar murros em ponta de faca. Eu só me desgastaria. O melhor era eu sair do instituto para não cair em tentação, porque eu não seria imparcial na minha avaliação. Inclusive eu nem sabia se conseguiria ficar próxima a Emma depois do episódio do laboratório.

 

“Don't wanna be stone cold, stone

I wish I could mean this but here's my goodbye”

(Não quero ser fria como pedra, como uma pedra

Gostaria de realmente sentir isto, mas aqui está meu adeus)

 

Eu gritei junto da cantora, externando a dor.

 

“I'm happy for you

Know that I am

Even if I can't understand

If happy is her, if happy is her, I'm happy for you”

(Eu estou feliz por você

Saiba que eu sou

Mesmo que eu não consiga entender

Se a felicidade é ela, se a felicidade é ela, eu estou feliz por você)

 

 

–Seja Feliz... Swan! – Sussurrei antes de apertar o fino casaco que usava e encostar a cabeça no encosto da cadeira a fim de chorar tudo o que eu tinha para chorar.

 

***

 

–Cheguei!! – Gus falou no outro dia assim que eu liberei sua entrada.

Saí correndo para a entrada a fim de abraçar meu melhor amigo fortemente.

–Nem acredito que você finalmente chegou! – comentei enchendo o rosto dele de beijos.

Pinóquio soltou uma risada e me rodou eu seus fortes braços.

–Minha irmãzinha está mais leve... – Observou.

Talvez por eu não estava conseguindo comer desde a cena daquele nojento beijo. Mas agora meu apetite estava se recuperando.

–Estou melhorando, já. – Falei a verdade.

–Acho bom mocinha. Agora, vamos comer porque eu sinto o cheiro magnífico da sua lasanha daqui!

Soltei uma gargalhada e, após levar ele para o quarto de hóspedes, fomos para a cozinha. É claro que a pauta da conversa foi Emma Swan.

–Você é louca, Queen! Já parou para pensar que alguém poderia ter ido atrás de vocês? – Falou preocupado.

–No momento não! Eu só queria fazê-la perceber o que havia entre nós. O que há, na verdade. Porém, ela quer ser heterossexual até que a morte a leve, não sou eu quem vai tentar mudar isso.

Gus entendeu minha frase e sorriu da minha indignação.

–Você tem razão. Porque Emma Swan é no mínimo bissexual.

Assenti e refleti sobre, soltando minha conclusão logo em seguida:

–As vezes ela não deve sair do armário por minha causa. As vezes outra pessoa é destinada a fazer Swan enxergar quem realmente é.

–Ou as vezes ela só está confusa com tudo isso. Há inúmeras possibilidades Queen. Você sabe!

Revirei os olhos. August tinha total razão.

Naquela noite ele dormiu comigo e, até a véspera de natal batemos muita perna por Londres a fim de comprar presentes de natal para nossos amigos. No dia vinte e quatro eu bati na porta e Swan com a cara e coragem. Foi Granny quem abriu a porta para mim, falando animada:

–Minha menina! Que bom que você apareceu!

Fui puxada para um abraço tão aconchegante que quase não saí dele.

–Que saudades Granny! – Falei baixinho, olhando nos olhos da senhora que parecia nutrir algo muito bom e sincero por mim, totalmente diferente da neta.

–Emma, Gina está aqui! – Gritou, deixando meu apelido sair com extrema naturalidade.

Vovó me conduziu ao sofá enquanto falava algo sobre a correria dos preparativos para o natal.

–Boa tarde professora! – Ouvi Swan e olhei-a de fato dentro de uma roupa casual. Ela parecia feliz de me ver ali. Pelo menos era o que seu sorriso me dizia.

–Boa tarde Swan! – Falei educadamente. – Eu preciso ser breve porque minha irmã precisa de minha ajuda na organização da ceia. Vim apenas desejar-lhes um feliz natal e trazer-lhes uma lembrancinha.

–Você sabe que não precisava trazer nada para nós né? Apenas a sua presença aqui já me alegra absurdamente. – Granny disse totalmente derretida pela minha atitude.

Sorri com a fofura que era aquela senhora e lhe dei uma travessa contendo torta de maçã.

–Eu estava devendo uma torta de maça a senhora, aqui está. Não tão gostosa quanto a sua, mas acho que dá para o gasto. – Falei encolhendo um pouco os ombros, sem jeito. Assim que ela pegou eu prossegui:

–E o real presente da senhora é esse. – Coloquei uma caixa de madeira na frente da senhora. – Espero que goste.

O amor que Granny tinha por porcelana chinesa me encantou, porque eu também tinha, e a reação dela ao ver o que se tratava foi deliciosa!

–É maravilhoso, Regina! – Vovó disse indo me abraçando.

Quando nos desvencilhamos eu não pude mais fugir de Emma e falei:

–Não me esqueci de você, Miss Swan!

Peguei uma sacola e entreguei a ela. Ao ver o livro ‘A Biblioteca de Nag Hammadi’ dentro Emma abriu um sorriso que pareceu iluminar tudo ao nosso redor.

–Ah meu Deus! Eu não acredito! – A felicidade dela foi tanto que Swan quase gritou essa fala enquanto se jogava nos meus braços.

Tive de retribuir o abraço, afinal Granny estava ali contemplando aquela cena.

–Esse é um dos melhores presentes que já ganhei na vida. Obrigada! – Confessou animada.

–Ainda bem que gostou. Fico tão feliz. Agora... – Olhei para vovó. – Eu preciso ir! Zelena me aguarda. Ainda tenho de fazer outra torta desta.

Granny tentou convencer-me de ficar mais um pouco ao menos, porém eu realmente não queria ficar no mesmo ambiente que minha aluna e, de quebra, tinha uma ceia para terminar. Foi Swan quem me conduziu até a porta e, para não criar-lhe falsas expectativas, e também para fazê-la se sentir culpa, proferi sussurrado:

–Não pense que você está perdoada, porque não está. Ainda quero distância. Feliz Natal, Swan!

Entrei em meu carro e acelerei para casa. Não me dei ao trabalho de ver a reação de Emma ao ouvir aquelas palavras, contudo ela precisava de um choque de realidade.

Ao chegar a minha casa Zelena, Gus e Tinker pegaram no meu pé dizendo que eu era muito trouxa por ter dado um livro que sabia que Swan ia gostar. Eu não tinha obrigação nem de dar-lhe um presente. Entretanto, segundo eles, a Regina Trouxeane Mills tinha de pensar no que Emma Sem Coração Swan queria.

E você deve estar se perguntando se eu contei tudo a elas. Não! Nenhuma das duas sonhava com tudo o que estava acontecendo! Eu havia dito que tinha decidido que Emma não era o que eu queria e que havia dito a ela que fosse feliz. Elas acreditaram. Ao menos Tinker sim. Zel já era outra história. Mas minha Sis era tão maravilhosa que não me pressionava para contar-lhe algo.

Durante a noite nós recebemos quase toda a turma dos contos, inclusive Kristin que, ao me ver, abriu um sorriso tão lindo que me fez sentir não só a pessoa mais linda do mundo, como a mais querida e admirada. Em dado momento eu fui buscar a sobremesa e ela se ofereceu para me ajudar. Todo mundo sabia bem o que ela queria, e, para ser bem sincera, um pouco de amor não me faria mal.

–Queen, você está magnífica dentro desse vestido vermelho. Ele valoriza muito as suas pernas.

Eu sorri ficando levemente corada. Os olhos claros dela se chocaram com os meus e eu notei o desejo ali.

–Conheço bem esse olhar... – Falei enquanto me virava para alcançar as pequenas taças de sobremesa que mamãe havia me dado.

Assim que pousei-as na bancada Kristin me encurralou, colocando seu corpo no meu, descansando seu queixo no meu ombro.

–Então você sabe bem o que eu quero...

Fechei os olhos sentindo aquele calor gostoso começar a se apoderar de mim. Mal sabia bem como me esquentar...

–Eu acho que deveríamos voltar para a copa. – Tentei soar um pouco mais controlada, porém minha voz saiu mole.

Eu fui lentamente virada para frente, ficando cara a cara com aquela loira tão intensa e que sempre me levava ao paraíso com aquela língua. O sorriso travesso estava ali, brincando nos lábios fartos que eu gostava de morder. E quando eles se grudaram aos meus eu não pude deixar de retribuir. Porém, quando nossas línguas começaram a brincar uma com a outra, Emma Swan invadiu minha mente e eu encerrei o beijo de forma delicada, colocando as mãos nos ombros bem definidos dela, sussurrando:

–Calma Kris... Eu não sei se estou pronta para isso e não quero te ilu

–Hey! – Ela me interrompeu colocando as pontas dos dedos em meus lábios. Não era segredo para ninguém que Kristin me amava e que seria capaz de qualquer por mim, contudo eu não era capaz de retribuir aquele sentimento. – Você sabe que se eu nunca cobrei algum sentimento de você não vai ser agora que eu vou fazer. Você sabe, não sabe? – Eu assenti e ela depositou um selinho casto em meus lábios. – Eu não quero sexo com você, apesar que se você quisesse me algemar novamente eu não reclamaria! – brincou e acabei rindo – Eu só quero poder ficar do seu lado. Poder te tocar, te beijar... Eu sinto a sua falta. Sinto falta da nossa amizade com benefícios. Sinto falta de tudo o que eu fazia com você, desde estudar até fazer amor. E agora eu só quero mesmo poder ficar aqui com você até o aniversário do Killian e curtir esses momentos, sem sexo, a não ser que você queira, claro!

Segurei em seu rosto e, bem confusa, sussurrei:

–Me dá um tempinho para pensar? Por favor!

Ela beijou minha testa e falou, sincera:

–Todo o tempo que você quiser minha rainha.

Ela se desvencilhou de mim e levou a bandeja cheia de taças enquanto eu levava a sobremesa e os talheres. Eu me coloquei a pensar se realmente deveria aceitar o pedido de Kris. Eu não gostava dela daquela maneira, porém a mulher que eu queria deveria estar a essa hora nos braços do seu namorado. Eu não tinha nada com Emma então...

Foi exatamente por isso que, de madrugada, quando todos começaram a ir embora e quem dormiria ali começou a se organizar eu falei:

–Maleficent, você não vem?

Ela abriu um sorriso tão lindo que meu coração até se aqueceu.

–Hoje tem DragonQueen meus povos! – Zelena brincou fazendo Gus e Tinker soltarem gargalhadas.

Desejamos boa noite para todo mundo e logo fomos para meu quarto. Troquei de roupa assim como ela e nos deitamos. A loira a minha frente me puxou para alguns beijos que eu retribuí a altura. Em determinado ponto ela disse:

–Melhor nós diminuirmos a intensidade desses beijos porque eu estou no limite.

Soltei uma gargalhada da carinha dela e abracei-a a fim de dormirmos.

–Ok Miss Limites, vamos dormir.

E eu estava tão cansada que logo peguei no sono. Acordei às nove da manhã, louca para ficar um pouco mais na cama, que estava vazia. Kristin já tinha levantado. Eu peguei meu celular e vi algumas das fotos que tiramos na noite anterior, postando uma nas minhas redes sociais, marcando todos os presentes. Assim que bloqueei a tela voltei a dormir. Acordei meio dia com Kristin enchendo-me de beijinhos estalados, como sempre fazia.

–Acorda preguicinha. – Falou próximo ao meu ouvido, fazendo meus pelos se eriçarem.

–Só mais dez minutos. – Pedi.

–Se você não descer em dez minutos será a Zel quem virá te chamar e você já sabe como sua irmã acorda as pessoas... – se referiu ao barulho extremo de Zel.

Abri os olhos, lentamente, com uma preguiça...

–Ok. Vou tomar banho e já desço.

Ela riu e me deu um selinho, saindo do quarto em seguida. Respirei profundamente. Onde eu estava enfiando meu caminhãozinho? Eu estaria iludindo Kris ainda mais! Mas eu estava tão carente...

 

***

 

Até o dia dois de janeiro Kristin ficou em minha casa, porém teve de voltar para sua cidade já que precisaram dela no trabalho e ela ganharia muito bem. Assim que deixamos ela na estação de trem – após ela me prometer que viriam para o aniversário de Jones – eu e Gus resolvemos ir assistir a um filme.

No dia três ele foi com Tinker para uma cidade mais distante de Londres, fazer o que eu não entendi, mas minha best quase o obrigou a ir. O que foi bom porque no dia seguinte eu acordei fanhosa.

–Ótimo! Gripada no quarto dia do ano! – Resmunguei assim que tive uma sessão de espirros.

No outro dia Zel foi passar o dia comigo. Fiquei a maior parte do dia dormindo. Quando ela se despediu de mim eu quase pedi para ela não ir. Mas minha Sis tinha de resolver coisas importantes. Nos dois dias que se seguiram eu tive febres constantes. No oitavo dia do ano eu só consegui levantar para tomar um banho quente que durou dois minutos devido à falta de força nas pernas! Vesti apenas uma calcinha qualquer e voltei para a cama. Eu logo dormi pesadamente e tive um sonho que Emma tinha me dado um banho tão gelado que meu corpo doeu. Lembro-me que no momento em que a água caiu em minhas costas eu me agarrei a ela, como se minha vida dependesse daquilo. Depois ela me entregou uma muda de roupas e me trouxe remédios e uma sopa. Sempre muito amável e preocupada comigo. Após a sopa eu acabei dormindo. Ao acordar eu me sentia bem melhor. Estava com o corpo levemente dolorido e a cabeça pesava um pouco ainda. Porém, eu fiquei totalmente assustada e na defensiva quando Swan cruzou minha porta com uma bandeja nas mãos. A surpresa foi tanta que eu soltei um:

–Swan? Você invadiu a minha casa?

Confuso. Não foi porque eu quis, e ela pareceu ficar triste e magoada com a frase e o tom de voz que apliquei sem querer:

–Boa tarde Mills! – Falou depositando a bandeja ao meu lado na cama. – Não, não invadi sua casa. Sonhei com você e hoje pela manhã decidi vir trocar umas palavras contigo. Eu tinha visto que você estava doente na foto de Zelena e fiquei preocupada por você não atender a porta. Lembrei-me da sua senha referente ao portão e o destravei. Quando cheguei você estava ardendo em febre e foi difícil contê-la, mas percebo que você, após a sopa e o sono, está ótima, não é mesmo?

Ela não me olhou, usando como desculpa os comprimidos que estavam na bandeja. Entregou-me de maneira meio rude, não soube encontrar uma palavra que se encaixasse. O silêncio se fez presente enquanto eu tomava os comprimidos. O que nos salvou foi seu celular que começou a vibrar.

–Alô? – Atendeu. Eu comecei a tentar comer e logo parei quando ouvi:

–Oi Zelena! Ela está melhor! Fique tranquila. – fez uma pausa – Claro. Vou passar para ela.

Emma estendeu o telefone para mim e, quando fui pegar, meu corpo doeu. Não pude evitar uma careta.

–Oi Sis! – Atendi.

–Como você está minha princesa? Como você faz uma coisa dessas comigo, Regina Mills? – Perguntou extremamente preocupada.

– Estou melhor.

–Quer que eu peguei o primeiro trem para ir cuidar de você? Eu posso ir até correndo se for mais rápido!

Tive de sorrir um pouco antes de responder:

– Não precisa vir desesperada. Se você não tiver terminado o que foi resolver aí termine. Posso passar mais uma noite sozinha!

–Vou pegar o último documento daqui vinte minutos. Em quatro horas no máximo eu estou aí!

Meu coração se aqueceu. Zelena era a minha pessoa! E era a melhor pessoa!

– Ok! Te vejo daqui a quatro horas. Se cuida! – Falei antes de entregar o celular para Emma, que ainda falou algo mais com minha Sis.

Pelas próximas horas eu fiquei sozinha e aquilo me mostrou como Emma não queria ficar perto de mim. E doeu! Doeu muito! Porém eu não correria atrás. Ela quem tinha pisado na bola ao me esconder o namoro com o Killian. Mas eu não queria mais pensar naquilo, então peguei meu livro de cabeceira e fui lê-lo. Era bilingue. Grego e Alemão. Pouco antes de Zelena chegar Emma voltou ao quarto e me assustou ao falar:

–Licença. – A olhei. – Eu já vou. Zelena deve chegar daqui a trinta minutos e eu deixei vovó sozinha o dia todo. Espero que fique totalmente bem. Dentro de duas horas tome outra dose dos remédios.

Ela virou as costas e começou a ir embora. Meu coração acelerou e eu simplesmente soltei:

–Emma!

Ela parou de caminhar e naquele momento eu formulei uma frase que não fosse ‘não vai. Eu preciso de você aqui comigo’. Quando ela se virou e agradeci, sincera:

–Obrigada! Só Deus sabe o que poderia ter acontecido comigo se você não estivesse aqui! E me desculpe pela pergunta assim que voltei a mim. Eu não queria ser grossa. Contudo eu não esperava ver você aqui.

–Tudo bem. Fique tranquila. E de nada.

Por mais seca que ela tenha tentado ser, notei que ela realmente tinha me desculpado e abri um sorrisinho. Ela simplesmente se foi, me deixando ali até Zelena chegar e ser a melhor enfermeira do universo.

 

***

 

A semana seguinte foi cheia de preparativos para o tal aniversário de Killian na boate, como fazíamos todo ano. Zelena iria com Ruby e seria a primeira vez que minha cunhada participaria de algo com nossos amigos todos juntos. Ela estava ansiosa. Ruby era um amor, engraçada e cuidava muito bem de Zel. Minha irmã, por mais responsável que fosse nem sempre batia bem da cabeça e minha querida cunhada estava conseguindo frear o furacão Zelena Mills.

–Eu acho que você vai deixar Emma Swan no chão com essa roupa. – Ruby disse. – Nunca vi a garota, mas já quero ver ela arrasada, de cara no chão por perder uma Mills dessa.

Gus gargalhou e eu acabei fazendo o mesmo ao ver a cara de Ruby. Eu tinha colocado a roupa só para eles verem.

–Você acha mesmo? – Perguntei.

–Olha o tamanho da sua raba nesse short, Regina Mills. Me respeita. – Zelena falou espalmando a mão no lado direito da minha bunda.

Eu ri da fala dela e fui para meu quarto tirar aqueles sapatos e a roupa. Estava ansiosa. Não via a hora de descer até o chão com Emma atenta a cada gesto mesmo. Assim que ela voltou para sala Zelena e Gus já tinham ido para a cozinha e Ruby procurava algo para assistir na Netflix.

–Gina, tomei a liberdade de abrir sua conta. Tem algum filme para me indicar?

Joguei-me ao seu lado e respondi:

–Tem um na minha lista, é brasileiro. Chama flores raras. Se quiser colocar...

Ela tratou de ir encontrar. Daí eu, sincera, falei:

–Obrigada Rubs!

Ela me olhou, totalmente confusa.

–Pelo elogio? Você é linda mulher. A segunda mais linda do mundo, porque a primeira é minha bruxinha. – falou de modo natural.

–Estou te agradecendo por fazer tão bem a Sis. Ela está tão feliz por completo, graças a você. E tem me dado menos dor de cabeça também.

Minha cunhada soltou uma gargalhada.

–Minha família diria a mesma coisa. Mas fique tranquila, que enquanto Zelena estiver comigo eu vou trabalhar duro para fazer dela e mulher mais feliz e amada do universo. E... Eu acredito que essa festa vai ser uma divisora de águas entre você e Emma Swan. – Minha sobrancelha se arqueou em dúvida – Você acha mesmo que ela não te quer? Depois de tudo o que você nos contou eu duvido horrores que se você não provoca-la ela não largue aquele ridículo.

Não era só Zelena que não suportava Killian. Na verdade era mais fácil dizer quem dos meus amigos engoliam Jones.

–Eu acho que não Rubs. Ela está feliz com ele.

A morena a minha frente revirou os olhos.

–Pelo amor de Deus né Regina. Você fingiu muito bem que não ligava para ela. Você é o melhor exemplo de que dá para fingir qualquer sentimento. Então, me faça um favor, – ela pousou a mão na minha, afagando – provoque aquela garota de todas as formas possíveis.

Abri um sorriso quase demoníaco.

–Assim que eu gosto, aquariana. Mostra quem está no poder! – me incentivou.

Eu olhei para a TV e resmunguei:

–No Momento é a Netflix que saiu do ar e não quer nos deixar assistir nosso filme.

Ela caiu na gargalhada.

–Não é ruim. É bom que eu te mostro a nova música chiclete da sua irmã.

–Aposto que é Sia.

–Acertou mizeravi. – Rubs brincou.

Ela conectou o celular no meu aparelho de som e procurou pela música. Assim que encontrou gritou:

–Amor, essa é para você!

Eu ri. Já conseguia imaginar Zelena berrando a música cozinha. (To Be Human – Sia.)

Um barulho que eu não soube dizer o que era soou pela minha casa e, automaticamente Zel gritou da cozinha:

–Amor, Sia, Eu venero vocês!

Nós rimos e um grito de Sia nos silenciou.

 

“Under rich, relentless skies

I've been setting highs

I felt you walk right through me

You're the thing that I invoke

My all persistent goal

Sent to make me queazy”

(Sob o implacável céu rico

Estou nas alturas

Senti você passar por mim

Você é algo que eu invoco

Meu objetivo persistente

Me enviou para fazer eu me sentir enjoada)

 

Fechei os olhos absorvendo cada palavra.

 

“And oh, it's hard now

With time, it works out”

(É difícil agora

Com o tempo, vai dar tudo certo)

 

Eu tinha de encucar isso não só na mente, mas no meu coração de que, na hora certa, as coisas melhorariam...

 

“To be human is to love

Even when it gets too much

I'm not ready to give up

To be human is to love

Even when it gets too much

I'm not ready to give up”

(Ser humano é amar

Mesmo quando for demais

Não estou pronta para desistir

Ser humano é amar

Mesmo quando for demais

Não estou pronta para desistir)

 

Meu coração acelerou. Eu realmente não estava pronta para desistir de Emma Swan. Eu deveria? Sim! Porém sempre tinha algo que me fazia voltar a ela, ou tê-la por perto. E aquilo me irritava ao extremo. Eu deveria deixar aquela garota de lado. Deveria tocar minha vida.

 

“All the tigers have been out

I don't care, I hear them howl

I let them tear right through me

Can you help me not to care?

Every breath becomes a prayer

Take this pain from me”

(Todos os tigres estão soltos

Não ligo, ouço-os rugir

Eu os deixo cansados

Você pode me ajudar a não me importar?

Cada respiração se torna uma oração

Tire essa dor de mim)

 

Ao ouvir as duas últimas frases eu pude sentir a dor e o teor religioso em mim, na minha respiração.

 

“And oh, it's hard now

With time, it works out”

(É difícil agora

Com o tempo, vai dar tudo certo)

 

Senti meus olhos inundando mesmo eles estando fechados. Eu tinha sérias dúvidas se as coisas realmente ficariam bem.

 

“To be human is to love

Even when it gets too much

I'm not ready to give up

To be human is to love

Even when it gets too much

I'm not ready to give up”

(Ser humano é amar

Mesmo quando for demais

Não estou pronta para desistir

Ser humano é amar

Mesmo quando for demais

Não estou pronta para desistir)

 

De repente respirar se tornou difícil devido a dor e eu abri os olhos, dando de cara com quem eu menos esperava ver naquela noite. O meu anjo particular estava ali, os olhos cheios de lágrimas, as mãos trêmulas, a ponta do nariz totalmente vermelha e o rosto banhado. Ela balançou a cabeça negativamente para mim, como forma de represália. Olhei para Ruby de rabo de olho. Ela estava de olhos fechados sussurrando a música. Ou seja, éramos só eu e aquele ser místico ali. Voltei meu olhar para ela que ao menos piscava. Como eu explicaria minha desistência àquele anjo? Eu tinha prometido! Porém Swan não me ajudou.

 

“Just 'cause I predicted this

Doesn't make it any easier to live with

And what's the point of knowin' it

If you can't change it? You can't change, can't change it

Just 'cause I predicted this

Doesn't make it any easier to live with

And what's the point of knowin' it

If you can't change it? You can't change, can't change it”

(Só porque eu previ isso

Não fica mais fácil de conviver com isso

E daí que eu sabia

Se você não pode mudar? Você não pode mudar, não pode

Só porque eu previ isso

Não fica mais fácil de conviver com isso

E daí que eu sabia

Se você não pode mudar? Você não pode mudar, não pode)

 

Olhei para ela com as lágrimas derramando devido à verdade que aquela estrofe havia trago. E ela veio até mim, segurou minha mão, e moveu os lábios junto de Sia:

 

“To be human is to love

Even when it gets too much

I'm not ready to give up

To be human is to love

Even when it gets too much

I'm not ready to give up”

(Ser humano é amar

Mesmo quando for demais

Não estou pronta para desistir

Ser humano é amar

Mesmo quando for demais

Não estou pronta para desistir)

 

Eu não entendia como sentia aquele toque, todavia ouvi-la suplicar:

–Prometa-me que se ela vier atrás de você, vai perdoa-la.

Me deixou totalmente sem reação. Eu não sabia se conseguiria fazer aquilo.

–Por favor. – Insistiu enquanto mais lágrimas caiam.

Puxei o ar com força para meus pulmões e, encarando aqueles olhos tão verdes, prometi:

–Prometo. Mas será minha última tentativa.

O sorriso que tomou os lábios dela aqueceu meu coração e, antes de me deixar de repente, sussurrou:

–Obrigada!

E lá fiquei eu, com mais uma promessa para cumprir...

 

 

 

 

CONTINUA......


Notas Finais


FALEM COMIGO, PLEASE!!!!
Eitha Xovana! Kristin na área! AShaushaushaushau no próximo capítulo vamos bem descobrir se teve algo mais ou não!
D. Mary sendo, literalmente, um anjo! Joga na cara da Regina mesmo que ela prometeu, Mary!
Então, o que acharam dessa parte 1? Sei que foi um pouco rápido, mas é que eu queria encerrar essa fase logo, porque né?
Link Stone Cold: https://www.youtube.com/watch?v=PGv902wVRhY
Link To Be Human: https://www.youtube.com/watch?v=T84LqClui9A


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...