História Perfectly Wrong - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Francisco "Isco" Suárez, Halston Sage, Marco Asensio, Zoey Deutch
Personagens Francisco Román Alarcón Suárez, Marco Asensio, Personagens Originais
Tags Amor, Futebol!, Real Madrid
Visualizações 363
Palavras 2.221
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Esporte, Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiii, volteeei... Obrigada gente, serio hahahahha

Espero que gostem do capitulo novo e tem um recadinho lá em baixo!

<3

Capítulo 4 - Consequences


Fanfic / Fanfiction Perfectly Wrong - Capítulo 4 - Consequences

18 de Agosto de 2017/ Madrid, Espanha

Meu vestido branco decotado se destacava em uma parte de luz negra da boate que Alessia tinha fechado para comemorar seu aniversario. Ela queria comemorar os 21 anos em grande estilo e nada melhor que uma festa para isso, de acordo com ela. Eu ficaria feliz com uma viagem para alguma praia. Mas não sou eu, é ela. Hoje a noite é toda dela. E festa é uma coisa que prevalece em seu dicionário próprio.

Alessia transbordava felicidade e eu estava tentando ficar no mesmo nível, mas minha cabeça não saia de um jogador, de novo. Ela nunca tinha saído. Ouvir sua voz duas semanas depois de um total blackout foi como um turbilhão de sentimentos me envolvendo. O espanhol vibrou em meus ouvidos de uma forma quase poética. Eu tinha conseguido me livrar de situações que ele poderia estar presente por mais tempo que achei que conseguiria, mas a física nunca esteve em meu favor. A lei da atração entrou em ação rápido de mais.

Minha cabeça estava uma loucura, milhões de pensamentos, incertezas. Eu só queria ficar sozinha para conseguir a colocar novamente no lugar, mas eu não podia me isolar na semana mais importante da vida da minha melhor amiga. As soluções para meu problema não iam cair do céu e eu tinha que encara-las. Encarar também o problema.

A rodinha que estava, onde só tinha eu de mulher, pareceu me sufocar ao ver um cabelo em um perfeito topete chegar mais perto. Eu ainda não tinha o visto na festa e preferia ter ficado sem ver. O ar sumiu por completo quando vi Marina com ele, de mão dadas da mesma forma que ele fazia comigo quando queria me iludir.

Obvio que isso ia acontecer, consequência da minha decisão. Ação e reação. Merda!

- Lisa? Ta tudo bem?- Vázquez perguntou baixinho, ao ver pra onde estava olhando.

Todos ali sabiam o que acontecia entre mim e Asensio, não escondíamos de ninguém. Não fazíamos nada errado para esconder. Mas todos já falaram que ia dar errado alguma hora, estavam certos. Ótimo, tenho que começar a ouvir as pessoas de verdade de agora em diante.

- Tá- sorri amarelo- Vou ali tomar alguma coisa- apontei para o bar a uns passos de nós e Lucas assentiu.

Andei mais rápido que o normal para uma desastrada de salto e pedi uma tequila sunsire. Eu não vim com a intenção de beber, mas eu não vou ter outra alternativa para aguentar a noite se não for com uma bebida na mão, e algo me afirma que o bar será meu melhor amigo hoje. Alguém chamado Marco Asensio me afirma isso.

Eu não sei direito há quanto tempo estou sentada brincando com o canudo de um copo quase vazio, minha cabeça não parava de rodar e relembrar todos os momentos que vivi com Asensio. Eu tentava não pensar nisso, tentava controlar, mas é quase impossível. Amar Marco me fazia ser livre, mas isso me trouxe consequências que eu não esperava. Eu não posso amar sozinha, mas posso me machucar sozinha.

- Não acredito que está aqui sentada com uma festa rolando- um sotaque francês tirou minha concentração do copo e fez olhar para o lado confusa.

- Lucas?- sorriu- Tá fazendo o que aqui?- ri junto com ele. Eu esperava qualquer pessoa, menos ele. Juro

- Meu irmão me arrastou- deu de ombros. Theo Hernandéz, logico.

Theo joga no Real e Lucas no Atlético de Madrid. Uma coisa bem engraçada para dois irmãos que moram na mesma casa. É serio, é muito engraçado. 

- Mas então, ainda não me respondeu...- sentou ao meu lado me fazendo sorrir- Por tá aqui e não curtindo a festa?

Eu o conheci por seu irmão, sempre conversamos pouco até uns meses atrás. Ele tinha me chamado por direct mas eu não dei muita moral, não até um dia antes da festa na casa do Asensio. Na minha tarde enrolando para não fazer nada, eu resolvi conversar com ele e me surpreendi por ter gostado. Eu não conseguia me imaginar com outro, em outro beijo e ate mesmo em outra cama. Parecia que cada átomo do meu corpo pertencia a Marco. Eu pertencia a uma pessoa que não sabe valorizar.

- O banco tá mais confortável que ficar em pé em cima de um salto- rimos juntos

- É só isso?- me virei para ele mordendo o lábio inferior, mais uma de minhas manias. Sua expressão desconfiada me fez balançar a cabeça em negação

- Problemas da vida também incluem- dei de ombros esperando que suas perguntas parassem por aqui. Eu não ia explicar as complicações da minha cabeça para um quase estranho para mim, ele vai me achar doida. Todos meus amigos acham, imagina ele.

- Esse problema tem nome?- Marco Asensio. Respondi apenas na minha cabeça, o nome não saia dela mesmo.

- Lisa Muñoz- ri ao falar meu nome e ele acompanhou

- Sem mais perguntas, juro- levantou as mãos em forma de rendição- Posso me juntar a você?

- Você disse sem mais perguntas- o repreendi e sua risada me contagiou

- Agora eu parei mesmo, juro- beijou seus dedos cruzados como meu priminho de cinco anos faz quando eu prometo um presente se ele comer todos os legumes do prato. Eu sou obrigada a fazer isso. Ri mais com o ato e o ouvi pedindo uma cerveja- Se você quiser uma ajuda para esses problemas da vida, estou aqui...

Seu olhar e sorriso malicioso me pegaram de surpresa, mas eu logo me acostumei. Talvez seja o álcool fazendo efeito, eu bebi a tequila mais rápido que meu corpo esperava. Lucas se aproximava mais conforme a conversa rolava e eu sei onde isso vai chegar, eu só não sei se estou consciente o suficiente para me livrar da merda que vai acontecer depois.  

Desviei o olhar rapidamente por cima do ombro do francês e vi Marco com cara de quem esta prestes a matar alguém e segurando o copo forte. Vi também Marina ao seu lado, deslocada no meio dos meus amigos. Cerrei os olhos e voltei para Lucas sorrindo. Eu não vou ficar chorando por uma pessoa que tem outra ao seu lado, não agora.

- Quer dançar?- a pergunta que fiz me pegou de surpresa e o pegou também.

O álcool em meu corpo já não me deixava raciocinar direito, mas já que estou aqui, nada melhor que provocar.

Eu não sabia em qual copo estava, muito menos a musica que dançava. Eu não sabia em qual proximidade estava de Lucas, mas entendi quando senti seus lábios nos meus.

Fiquei sem reação durante segundos, mas cedi, surpreendendo o francês que esperava que fosse recusar. Eu também esperava essa atitude. Só que eu não me impedir de viver, Marco nunca se impediu de fazer isso e Marina aqui, no mesmo ambiente, é a prova viva disso.

O beijo parou por falta de ar e senti olhares perto de nós, e principalmente senti o mais pesado deles. Os malditos olhos castanhos escuros me penetravam com toda a raiva existente dentro dele. Meu corpo estremeceu em arrependimento.

Pedi desculpas para Lucas em minha frente e sai em direção ao corredor dos banheiros, eu preciso de um ar que não seja compartilhado com Marco.

- Lisa!- fechei os olhos parando com a mão na porta

Puxei todo o ar dos meus pulmões voltando a respirar e empurrei a porta, entrando primeiro deixando a brecha para ele entrar.

- Que porra foi aquela?- encostei na pia e o olhei, cruzando os braços

- Um beijo?- tentei normalizar minha voz e soar o mais natural possível. Minhas mãos escondidas tremiam e meu coração estava disparado, mas eu tentava manter a pose de indiferente.

- Por que disso?- arqueei a sobrancelha

- Eu não te devo satisfação Marco!

Eu sei, ele sabe, a recuada para trás encostando o corpo na parede demonstrava isso.

- Por que ele?- sua voz saiu baixa, fazendo meu coração saltar pela boca

- Por que Marina?

- São coisas diferentes Lisa

- Vocês estão namorando?

Falei no impulso, minha garganta se fechou e meus olhos lagrimejaram. Sentia meu queixo tremer e meu olho arder segurando as lágrimas, elas não podiam cair. Meu corpo se estremeceu novamente com seu olhar, mas agora era um confuso misturado com diversos sentimentos diferentes.

- Que?  Não?- balançou a cabeça negando- Eu não namoro e nem vou namorar com ela

- Cuidado pra não iludir- desviei o olhar para algum ponto, ainda tentando segurar as lagrimas.

- Você não me respondeu- mordi o lábio e voltei a olhá-lo

- Eu não te devo satisfação Marco, nunca te devi e não vai ser agora que eu vou fazer isso. O que a gente tinha acabou e...- balancei a cabeça respirando fundo- Você não tem mais nada a ver com minha vida- soltei junto com o ar, senti meu coração sair junto, com todos seus cacos cortando minha alma. Eu queria chorar, queria gritar, queria abraçar Marco e falar que eu não estou pensando direito e acabar em sua cama.

- Lisa, não faz isso. Por favor, não faz isso. Eu preciso de você- neguei- Lisa...

Fechei os olhos ao sentir suas mãos em minha nuca e seus dedos tocaram minhas bochechas. Todos meus músculos se contraíram e eu perdi a noção de tempo. Não senti mais nada além de nos dois, das nossas respirações juntas, dos nossos corpos colados. Eu não sabia que eu poderia sentir tanto por uma pessoa como por ele, eu não sabia o efeito que ele teria em mim há três anos. Queria poder ter visto as coisas e não ter feito nada. Queria poder não o amar tanto, não pertencer tanto a ele. Queria ter sido só mais uma e nada mais, não ter estendido uma coisa sem pé nem cabeça.

- Eu não posso amar sozinha Marco, e eu já fiz muito isso!- encontrei os olhos castanhos, senti minhas pernas falharem, o chão parecia ter desaparecido e o ar eu já não sentia há tempos- Eu te amo, mas eu me amo mais. Eu preciso disso!

Eu não conseguia decifrar o olhar de Marco sobre mim, eu não queria entender o que ele pensava. Eu fui uma idiota de ter me apaixonado por ele e todas as atitudes me provaram isso. Eu não mando no meu coração, mas eu mando em mim. Eu não vou me submeter a essa situação por que eu amo ele, eu não posso fazer isso comigo mesma.

- Por favor...- minha voz saiu embargada e Asensio entendeu o recado, tomara que para sempre.

Virei-me de costas evitando olhar nos dois pelo espelho, ficando de olhos fechados ate ouvir a porta ser batida. Minhas lagrimas caiam disparadas pelo meu rosto. Quem eu to querendo enganar?

Eu passei todas essas noites me segurando para não ligar para ele, não mandar uma misera mensagem. Esforçava-me para lembrar de todas as vezes que fui deixada de lado, que fui feita de idiota, mas meu corpo sentia uma falta absurda dele. Eu sentia uma falta incontrolável dele. É insuportável ficar sem Marco.

Limpei meu rosto agradecendo pelo rímel ser a prova de agua e treinei o sorriso forçado para sair natural. Eu tomei a decisão e tenho que sofrer as consequências, eu tenho que me colocar no meu lugar de mulher e parar de aceitar migalhas de uma pessoa que sequer me ama.

Sai do banheiro indo direto para o bar, encontrando o francês sozinho, sentado em um dos bancos ocupado com sua garrafa de cerveja. Não olhei um pouco mais no fundo, nas mesas, eu sabia que ele estaria lá. Que eles estariam lá. Eu não tenho estômago para ver Marco com uma loira pendurada em seu pescoço.

- Ta tudo bem?- Lucas me olhou preocupado. Sorri e assenti

- Eu só bebi demais e precisava de um ar- balancei a cabeça- Uma água por favor- pedi pro barman

Peguei a garrafa e olhei para Lucas que parecia querer falar alguma coisa, logico que era sobre o que eu não queria falar. O beijo e eu ter saído praticamente correndo. Eu não queria ter que explicar por que cheguei a esse ponto da minha vida e muito menos por ter me sentido arrependida.

- Olha, sobre o bei...- minha expressão atenta mudou para uma aliviada quando ouvi a voz da minha melhor amiga no microfone.

Era hora do parabéns e eu comecei a gostar dessa parte de uma forma maravilhosa. Alessia me chamou para ir com ela até o bolo e eu fui, sendo seguida por Lucas, que rapidamente se juntou com seu irmão. Os dois estavam ao lado de Luca e Kovacic. Respirei aliviada de ele não estar perto do meu maior problema, mas senti o peso do olhar dele durante todo o parabéns.

A festa seguiu como de costume, me forcei a ficar animada, a fugir da conversa que eu não queria com Hernández, também fugi de Isco e seus olhares confusos. Fugi principalmente de procurar Marco com o olhar.

É isso, acabou. Não vai ter mais nada, the end.

Preciso forçar meu coração a esquecer e seguir em frente. Preciso colar meus machucados e engolir todas as decepções.

Essa foi com certeza a escolha mais difícil e dolorida de toda minha vida!


Notas Finais


Gente, seguinte, como vocês puderam perceber ou não, a história anda um pouco rápida. Eu faço isso para não ficar enrolando e também por que ela vai ter de 15 a 20 capítulos, eu já estou com o final praticamente definido.

E era só isso mesmo hahahaahah. Espero que tenham gostado do capitulo novo (;


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...