1. Spirit Fanfics >
  2. Pergunte ao Destino - Maloma >
  3. O término era necessário

História Pergunte ao Destino - Maloma - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, tudo bem? Essa é uma minha nova história. Espero que gostem. Bora lá então...

Capítulo 1 - O término era necessário


Narração da Paloma:

O táxi parecia meu refúgio naquela rua agitada. Meu plano era de ir a pé até o apartamento de Ramon, meu namorado, mas alguns fãs dele acabaram me reconhecendo. Ter um youtuber famoso como namorado não é a pior coisa, o ruim é ser criticada pelos fãs dele, alguns dizem que sou uma interesseira e que eu estou com ele por causa de dinheiro. Mas de verdade eu o amo muito, porém, eu também me amo e necessito de pelo menos um pouco de privacidade.

Por isso tomei uma decisão. Uma decisão que vai me deixar machucada, mas também é necessária. Preciso de tempo para fazer minha vida voltar aos eixos e ainda mais de privacidade.

- Para onde vamos senhorita? - o taxista pergunta me olhando pelo retrovisor do carro.

- Para o último condomínio no final da avenida! - respondo sem lhe dirigir meu olhar.

Ainda não sei o que dizer para Ramon estou com medo dele reagir mal, espero que entenda as circunstâncias do meu ato. Se não fosse pela popularidade dele até poderíamos ter algo a mais do que namoro. E também quero que ele sabia que sempre o amei e talvez isso nunca mude.

Pego meu celular de dentro da bolsa, abro o aplicativo do Instagram e vejo minha mais novas notificações que não são poucas na minha mais recente postagem.

"Pode até ter cara de santa, mas de santa não tem nada!"

"Quero ver quando Ramon descobrir que essa daí é uma interesseira!"

Ramon me ensinou a ignorar esses comentários mas ainda não consigo é decepcionante ver o ódio que as pessoas tem de mim. Meu namorado já cansou de pedir para que parem mas nada mudou. Diversas discussões entre nós dois foram por causa disso.

O carro para na frente do condomínio que considero como minha segunda casa. Guardo meu celular na bolsa e pago o valor da corrida para o taxista. Depois de um minuto já estou dentro do condomínio caminhando em direção ao elevador.

Hoje não é dia de vim visitá-lo então ele não deve estar esperando a minha chegada. Minha cabeça gira ao perceber que é a última vez que vou estar aqui, penso nos diversos momentos que passamos nesse elevador: os beijos roubados dele, das fotos que tirávamos depois da academia, até de algumas brigas que começavam aqui e terminavam no quarto.

O elevador parou no último andar e fez um barulhinho que já estava acostumada a ouvir ao abrir as portas. Como eu tinha as chaves não precisei tocar a campainha. Ao entrar no apartamento pude ver como estava organizado, acho que era hoje o dia da faxineira vim. Joguei minha bolsa no sofá e arranquei meu sobretudo. Me dirigi a cozinha em passos duvidosos, Ramon não é muito de cozinhar então é bem estranho ver a luz da cozinha ligada ainda mais quando a cozinheira já foi embora a mais de duas horas.

E lá estava ele soltando diversas gargalhadas enquanto olhava fixamente para o notebook não pude evitar de rir de seu momento divertido. Meu namorado levantou o olhar do notebook e me encarou com um sorriso de ponta a ponta.

- Estava pensando em você agorinha! - ele diz fazendo um gesto para que eu me aproximasse mais. Ao me paralisar ao seu lado ele me puxou para sentar em seu colo.

Seus dedos passaram pelos meus cabelos recém escovados então outro sorriso apareceu em seus lábios, logo após pude sentir eles tocarem os meus, também pude sentir um leve gosto de chocolate amargo. Me afastei do beijo antes que ele se aprofundasse mais. Meus olhos pararam nos deles, então ele suspirou frustado. Ramon desde sempre soube quando precisávamos conversar e essa era a hora.

Levantei de seu colo e me direcionei até a sala, me sentei no sofá perto de minha bolsa. Ramon veio logo atrás mas ao invés de se sentar preferiu ficar em pé.

- Alguém fã te ameaçou de morte de novo? - ele perguntou cruzando seus musculosos braços, então pude perceber que ele estava muito belo nessa noite. Seus cabelos estavam levemente molhados quase não dava para perceber o castanho claro que eles são quando estão secos e bem penteados.

- Não. Não é isso, é mais delicado! - digo enquanto meço minhas palavras para não dizer nada inconveniente.

- Então o que aconteceu? - ele pergunta preocupado sentando na ponta do sofá.

- Estou cansada de tudo isso Ramon! - digo com garganta seca, meus olhos ardem e lágrimas ameaçam cair.

- Amor, não estou te entendendo?!

- Eu não aguento tudo isso Ramon! Você não sabe como eu sofro com os comentários sem noção das suas fãs. Não tenho mais privacidade nem pra ir a um parque!

Meu namorado abre a boca para dizer algo mas falha ele está sem palavras depois de me escutar.

- Eu preciso de um tempo, Ramon! Preciso colocar minha vida no lugar ter um pouco mais de sossego! Precisamos terminar! - minhas últimas palavras saiem junto com diversas lágrimas.

Ramon está assustado, surpreso e aprovado. Ele se levanta imediatamente do sofá e se abaixa na minha frente sentando no tapete, suas mãos pousaram sobre meus joelhos mesmo com tudo isso ele me acariciava, aquilo era como um vai ficar tudo bem, vamos resolver isso! Mas de fato não dava para resolver sem que a palavra término intervesse!

O término era necessário!

- Paloma, meu amor! Por favor te peço que não faça isso não sei mais viver sem você! Não me deixe morrer lentamente! - suas palavras me machucaram assim como eu estava o machucando com tudo aquilo. Vi que seus olhos estavam vermelhos e lágrimas escorriam de suas expressões.

Não só vi seus olhos vi também seu coração ele estava se quebrando lentamente. Ele me amava como ainda me ama e sempre me amará! E não tenho dúvida nenhuma que essa é a pior coisa mesmo que ele queira me esquecer nunca poderá enganar a si mesmo!

- Paloma eu te amo tanto! Sempre desejei você como minha fofura companheira, minha futura esposa! Você é a mulher da minha vida! - ele se levantou do tapete não queira que eu o visse chorando - Eu até tinha comprado isso te dar na próxima viagem! - ele puxou uma caixinha vermelha de dentro de uma gaveta. Ao ver o anel brilhando intensamente comecei a chorar mais ainda.

Ele ia me pedir em casamento!

Ah, como posso reagir a isso? Eu o amo tanto mais tanto que não posso explicar mas, uma parte de mim grita mais alto ela pede para que minha vida volte ao normal, ela pede que a antiga Paloma volte.

- Você sabe que te amo muito e... Eu nuca vou esquecer o bem que você me faz! Mas eu preciso de tempo eu não nasci com uma vida corrida como a sua, não estou acostumada no mundo dos holofotes! Já você é tão carismático tem todo o jeito para essas coisas e acredito que será muito feliz!

- Nisso você está errada! Depois de hoje assim que você sair pela aquela porta eu nunca mais serei feliz! Mas você pode mudar isso Paloma, você não precisa fazer isso! Estou disposto a fazer tudo por você até deixar meu canal de lado se for preciso!

Eu nuca me perdoaria se ele fizesse isso, nunca! Ele não pode deixar tudo o que ele conquistou por minha causa!

- Não, você não precisa fazer nada. É só me dar um tempo, para mim por minha vida no lugar!

- De quanto tempo você precisa? - ele perguntou como se tivesse alguma esperança em meio toda essa tristeza.

- Não sei! Mas, não precisa me esperar. Não pare com sua vida por minha causa!

Ele veio até mim e me ergueu do sofá, seus longos braços me abraçaram. Talvez esse seria nosso último toque.

- Vou te esperar até a morte chegar para mim! - ele sussurrou em meu ouvido fazendo com que minha pele levemente se arrepiasse.

Mas nós dois sabíamos que não teria volta quando eu saísse por aquela porta tudo estaria acabado. Nossos momentos aqui passariam apenas como velhas lembranças guardadas a sete chaves em nossos corações partidos.

- Preciso ir! - afirmo me desvencilhando de seu abraço ele apenas assentiu. Suas mãos tocaram as minhas e senti o leve peso da caixinha.

- É para você não se esquecer de que eu sempre te esperarei! - ao pronunciar suas doces palavras ele me dá um leve beijo em minha bochecha.

- Obrigada por tudo!

Pego meu sobretudo e o visto em meus braços, Ramon me olha como se estivesse me memorizando para nunca me esquecer. Ponho minha bolsa entre meu braço e dou uma última olhada no apartamento. É agora posso dizer que odeio despedidas!

Ramon me leva pela mão até a porta, quando chega minha hora de ir solto sua mão lentamente como se estivesse me machucando por me afastar de seu toque.

- Te amarei sempre - lhe mostro um pequeno sorriso e me viro para ir até o elevador. A porta de seu apartamento fecha bruscamente logo depois o escuto gritar de tristeza então o estrondo de algo se quebrando me faz chorar alto.

O que eu acabei de fazer?

Luto contra meu corpo de voltar lá para dentro e o abraçar e o encher de beijos, dizer para ele que nunca mais vou desistir de nós! Mas meus saltos seguem o caminho até o elevador.


Notas Finais


E aí gostaram???? Continua????? Maloma ainda vai rolar ao decorrer dos próximos capítulos, esperem com paciência porque está imperdível!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...