História Perigosa obsessão... - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias 1408
Tags Ciúmes obsessão romance
Visualizações 13
Palavras 1.023
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Festa, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 14 - Capítulos 14


Gabriel Emerson.......

No mesmo dia que pedi pro meu investigado pessoal procurar informações sobre Letícia, não demorou nem uma hora ele já tinha mandado. Maicon me manda toda a biografia da menina pelo meu e-mail. Abro-o:

Nome: Letícia Mitchall.

Idade: 18 anos.

Nascimento: 28/ 05/ 1999.

Status civil: solteira.

Vestimenta: Roupas-p calçados- 35.

Roupas inferiores: - 34.

Pai: Mateus Mitchall Santos.

Mãe: Bruna Mitchall Santos.

Faculdade cursando: Administração 

Melhores Amigos: kate Mendes, Adriana Silva, Pedro Mendes.

Último Parceiro: Sem informações acerca do tema.

Pais origem: Brasil. 

Paro de ler após as primeiras informações. Elas já bastam. São tudo o que eu preciso. " Sem informações acerca do tema". Interessante. Será que nunca houve um namorado? Ou a menina namorou escondido dos pais e conhecidos? Letícia tem cara que não faz esses tipos de coisa, mas ninguém e santo né. Só de pensar já fico abeirade explodir. Não pode ser isso. 

Letícia........

Agora estou dentro do carro de Emerson que está bem concentrado na estrada. Ainda estou pensando no nervosismo dele por causa de uma saia que nem e tão curta. Ele questionava irritado seus olhos me olhavam em chama, percebi que ele estava se esforçando para não perder o controle. No primeiro dia que conhece Emerson. Ele foi completo príncipe, agora. Não sei o que dizer. O que mas cutuca minha cabeça e.....

Qual a relação dele e de meu pai?

Como eu sou curiosa eu resolve pergunta: 

-- Qual e a sua relação com meu pai? -- perguntei sem olha-lo, escutei ele suspirar.

-- Promete para seu pai que não ia contar nada. Ele mesmo lhe fala. -- ele disse quase num sussurro, mas isso não respondeu minha pergunta entao resolvi deixar de lado isso. Tenho certeza que não mim interessa.

Uns 20 minutos chegamos em frente a minha casa avistei logo o carro de Bruno. E hoje que brigo novamente com essa doente. Quando o carro parou abri a porta mas sinto uma mão forte segurar meu cotovelo.

-- Podemos ser amigos? -- O que???? Sério isso!? Depois de brigar, gritar comigo por causa de uma saia ele vem com esse papo, vamos ver no que vai dá.

-- A-a- amigos? -- merda porque gaguejo?

-- Sim! Falei grego? -- cavalo -- bora nos conhecer melhor.

-- Não vejo problemas nisso. Sim. Podemos ser amigos. -- dei meu melhor  sorriso sincero e sai do carro. 

Abri o portão de casa. Olhei pra trás o carro não se encontrava mas lá. Entrei só pensando no que ele perguntou " podemos ser amigos?". Estou feliz? Não sei. Mas algo em mim grita acho que é meu estômago pedindo comidaa. 

Passo pelo jardim admirando as flores. Reparo que a tarde está mas linda que nunca.

Entro dentro de casa não vejo ninguém, escuto barulho que alguma coisa quebrando.

Vem de lá de cima -- pensei

A primeira coisa que vi que corta. Peguei e subi as escadas devagar quase me cagando toda. Escuto vozes parece meu pai gritando. Com quem ele conversa?

O barulho veio do seu escritório? Provavelmente. Exitei em bater na porta antes de encostar na porta escuto a voz de Bruno dizer:

-- O senhor não vai ter outra opção, a mão ser da a ele o que quer. -- tem irritação na sua voz e em cada palavra que diz.

-- Eu não posso fazer isso. Eu e a mãe dela vamos sofrer muito. E também vou ter que corta laços com ela. -- diz magoado.

-- Como sempre né papai -- diz num tom de deboche -- Só se preocupa com os outros. Já parou para pensar em você mesmo? Alguma vez! -- diz arrastando a cadeira. parece que o animal se levantou.

Saio correndo e entro no meu quarto respirando pela boca. Eles estão falando do que? E de quem? Pareceu muito que era de mim. Mas o  que falariam de mim?

(......)

Já é dia. o sol bate na minha face fazendo-me acorda. Que horas são agora? Pego meu celular e vejo que já são 6:30. Aí merda! Desnorteada, vou ate o banheiro e ligo o chuveiro. Depois de ficar totalmente nua entro debaixo dos jatos quentes. Enquanto a água cai sobre mim, começo a pensar na conversa de meu pai e de Bruno. Ainda estou em dúvida se eles estavam falando de mim.

Depois de terminar o banho, decido vestir um vestido azul ele é um pouco a cima do joelho e fresco muito confortável. Perfeito calço uma percata preta, vou a frente  do espelho e penteio meu cabelo castanhos curtos deixo solto mesmo, pego meus matérias o necessário que uso e desço para o café da manhã.

Desço para a cozinha vejo a família perfeita " Bruna, Bruno, mateus" " Mãe, meio irmão, Pai". Assim que  notam minha presença minha mãe sorri na minha direção retribuo o sorriso, Me aproximo receosa e digo: 

-- Bom dia! -- olho e percebo que ninguém ligou pro meu "bom dia". Com raiva pego uma maçã que está logo no meio da mesa e saio de perto. Mas escuto meu nome ecoando pela cozinha meu pai me chama -- Oi pai -- disse seca.

-- Sente. Tome café com nosco. -- diz me encarando.

Sorrio

E sério!? -- penso

-- Papai. Me desculpa. Mas preciso ir. -- dei as costas mas escuto meu nome novamente só que mas Alto.

Os olhos arregalados de minha mãe e o sorriso cínico de Bruno. Aí tem.

-- Se sente aqui! agora e tome seu café. -- diz tentado não explodir.

Sem mas luta sento ao lado de mãe  e como a maçã, não tenho fome. Só estou aqui pra olhar para cara de cada um que se encontra na mesa. Um silêncio mortal até meu pai quebra-lo:

-- Assim que você sair da faculdade. Direto para casa. Entendeu?

O olhei incrédula por ele está agindo assim.

-- Tenho trabalho a fazer. -- digo pegando outra maçã.

-- Pós bem. Termine esse tal "trabalho" em casa. Preciso conversar com você seriamente. -- diz sem olhar-me

Escuto uma risadinha vindo do seu lado. Tinha que ser, Bruno.

Respirei fundo e saio pisando duro.

O motorista já me espera de porta aberta. Dou bom dia e entro.









Notas Finais


😊


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...