História Perigosos e Máfiosos. - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Arrow, Tropa de Elite
Personagens Amanda Waller, Donna Smoak, Felicity Smoak, Helena Bertinelli, John Diggle, Laurel Lance, Malcolm Merlyn, Moira Queen, Oliver Queen (Arqueiro Verde), Personagens Originais, Quentin Lance, Raymond "Ray" Palmer (Átomo), Roy Harper (Arsenal), Sara Lance (Canário Branco), Slade Wilson, Thea Queen, Tommy Merlyn
Visualizações 68
Palavras 2.619
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá amores! ❤❤

Voltei,tudo bom? 😊😊

Espero que esse capítulo não tenha ficado confuso,se algo ficou digam-me terei o imenso prazer em esclarece-los! ❤😎

Espero de ❤ que vocês gostem!
Desculpem meus erros e boa leitura! ❤😊😍

Capítulo 7 - Cap 6- Conspiração


Fanfic / Fanfiction Perigosos e Máfiosos. - Capítulo 7 - Cap 6- Conspiração

"O que leva um menino à vida do crime

Falta de opção, uma grande ilusão

Plantando na boca pra virar patrão

O que leva um menino à vida do crime

Falta de opção, uma grande ilusão

Plantando na boca pra virar patrão


Ai que saudade daquele menino

Correndo, sorrindo com os olhos cheio de felicidade

Não é como antes, hoje em seus olhos só vejo maldade

Mas que cabeça fraca, foi indo de embalo nessa vida loca

Como eu queria voltar no tempo, vendo suas fotos

Daquele menino eu sinto saudades..."


  

"Desde a periferia, até o asfalto

Essa história é contada por todo favelado

Dois corações unidos num sentimento

Novinha e guerreiro em um só fundamento

Mesmo no sofrimeto e na vida loka

Por ela, ele queria até sair da boca

Infelizmente foram vítimas de intrigas

Recalque de invejosos destruiram suas vidas

Felicidade alheia incomodou um trilhão

Mexeu com a mente do guerreiro

Usando a conspiração

Não é em qualquer um que se deve acreditar

Ele acreditou e hoje chora demais

Seu grande amor não volta mais

Ele percebeu fatalmente atrasado

Que a semente do mal pode estar do seu lado

Fez chorar a mãe, os irmãos e o pai

Porque ela não volta mais !

Seu grande amor não volta mais!"



Felicity Smoak:

Minha mão latejava,assim como a minha cabeça.Não devia ter batido tanto na  Perigosa,mas se tinha algo que me deixa bolada é fala coisa que não é verdade do meu menino.


Meu filho.


-Tu ficou louca?!-Minha mãe fazia a casa tremer pelos berro dela.-Vocês poderiam estar mortas agora!

-Calma mãe,a gente...-Bufei quando minha mãe interrompeu minha cunhada.

-Calma?!-Donna me deu um tapa na nuca.-Calma vai ser a minha mão estalando na cara das duas!

-Porra!-Exasperei.-Para de bate em nós!-A encarei.-Tamo bem,somos dos de preto e...

-E não estavam com os uniformes!-Ela bateu com o pé no chão.-E tu como me deixa elas irem assim?!-Até o Roy entrou pro pau.

-Foi mal,mas tua filha.-68 aponto pra mim.-Foi tira as cara com a Laureal!


Levei outro tapa e rosnei.

 

-Que história é essa!-Donna cuspiu em mim e como eu queria pode bota a porcaria do meu pé no chão,só pra sai correndo dessa merda.-Felicity!

-Ela tava dando droga pra ele ta legal?-Escorei meus braços nas perna.-O que tu queria que eu fizesse?!

-Não se arriscasse!-Ela me rebateu,parecendo óbvia.


Até parece.


-É o meu filho!-Cuspi as palavra na sala.

-E tu é a minha filha!-Minha mãe se ajoelhou a minha frente.-E eu prometi a tua mãe!-Thea na mesma posição que a minha,abraçada pelo meu amigo,encarou minha mãe pronta pra chora.-Que iria te defende com a minha vida e quando tu nasceu.-Aí ela se volto a mim.-Prometi a Deus que ninguém tocaria em ti!

-To ligada.-Suspirei.-Mas é o que sou,vivemos na faixa de gaza mãe.Willian é a única coisa.-Rosnei.-A única que me resto do Oliver e eu não vo perde ele.-As malditas lágrimas escorreram pelo meu rosto.

-Feli...-Thea secou o rosto.

-E eu não vou deixa,não vo mãe,deixa o Baiano toca nele ou seja quem for.-Frizei.-Nem tirar a moral dele,meu filho não ta metido com eles.

-Tem certeza?-Encarei o dono da voz e Thea deu uma cotovelada em Harper.

-Eu tenho!-Cuspi.-Eu confio no meu filho,ele não se meteria nessas bocada!-O encarei.-É.o meu Will,nosso Will!Conhecemos ele! 

-Hoje...-Minha mãe se ergueu,parecendo,atordoada.-Eu quase perdi as duas.-Abaixamos a cabeça.-Essa família já foi destruída,desimada,suficiente.-Segurei o rosto,tentando,não chorar.


Eles eram tudo que eu tinha e por alguma razão.


Tinha o sentimento de tá os perdendo.


-Eu não vou perder vocês,nenhum de vocês!-Minha mãe berrava junto com as lágrima,Thea escorou a cabeça em 68 e eu encarei o frizo do chão.


Policial tinha família.


Tinha medo de morrer.

 

Mas o mundo é cruel e temos que ser cruel com o mundo.


-Vocês são tudo,tudo,que eu tenho.-A encarei.-Eu sei que,sei,que é o trabalho de vocês enfiar a cara,engatilha a arma.Mas subi o morro de peito aberto,sujeitos,a toma uma bala no crânio isso eu não admito!-E ela bateu na mesa,nos fazendo saltar.-Você levo um tiro!

-Foi de raspão.-Bufei.-Mas tudo bem mãe,posso vê meu filho agora?-Me ergui,mesmo com dor.

-Prometo mamãe,não vamo se arrisca mais assim.-Thea foi em direção a essa e a deu um abraço apertado.  

-Acho bom,porque eu mesma mato vocês.


Rimos.


Roy sorriu para a cena e conssenti,mas minha coroa correu até mim.Como se o mundo fosse acaba essa me envolveu,apertando-me,contra si.


Como se não quisesse me liberar.


-Eu amo você.-Suas palavra tinham mais à  dizer,muito,mais do que pareciam significa.

-Eu amo muito mais você,Rainha!-Fechei meus olhos e imagens de nós duas quando eu era moleca,invadiram,minha mente.Beijei teu rosto,molhado,e sua testa passando a mão pelos seus cabelos.- Minha Rainha.-Sorri e me voltei a escada.


Tinha que resolve essa situação,antes,que mais alguém saísse machucado.  

 

Oliver Queen:          

O nervosismo era nítido na face da filha de Baiano,o medo e teus olhos escuros me deixavam nervoso.


Helena não era assim.


-Fala logo e larga!-Rosnei,segurando em teu pulso.Não queria que,essa,se machuca-se.

-Você não vai acredita,por isso presciso te mostra.-Franzi o cenho.-Oliver,juro!Tu não vai se arrepende,vem comigo!

-Helena tamo no meio...

-Vem comigo,vem comigo!-Bartinelli começou a tremer,algo,que me deixo apavorado.


Que porra era essa!


-Oliver,tu prescisa ver isso.-Bufei,mas tua convicção me deixava bolado.

-Certo,mas rápido.-Disparo pelos becos,enquanto,que servia de escudo pra ela.


Nada ia tocar nela.


Em uma mão peguei a arma,firme,entre os dedo pronto pra aperta o gatilho e com a outra entrelaçei a minha mão a dela,juntos,seguimos pelos becos.


No meio do fogo cruzado.


-Esquerda.-Deixei que a morena me guiasse,a puxei pra sombra de um muro de casa quando o barulho do helicóptero sobrevoou nós.

 

Tinhamo que aperta o passo.


-Vem.-Helena tomou as escada e eu a companhei.-Só respira tá?

-Mano,o que tá rolando?-A puxei pelo braço de forma bruta,mas ela tava até me tirando que eu ia descer o morro.-Tu sabe que eu...

-Foda-se!-O berro dela ecoou morro acima.-Oliver,foda-se.-Para logo depois rosna.-As coisas mudaram,tudo,mudo.

-Se alguém me vê?-Ignorei teu showzinho.-Furiosa...

-Felicity tá viva!-Helena arfava,tua voz ecoava na minha mente e ela tava é...


Completamente louca.


-Que?!-A olhei sério,não era pra toca no assunto,ninguém tocava na porra do assunto.

-F-e-l-i-c-i-t-y -t-a -v-i-v-a!-Ela soletro,como se fosse pra mim acredita.Essa veio até mim e levo as mãos ao meu rosto.-Juro pra ti,ela tá viva e lá embaixo.


Levei a arma a fuça dela,pegando-a pelos cabelo.

 -Oliver!

-Tu chero quanto de pó?!-A fiz fica contra a parede de uma casa.-Tá de palhaçada comigo Helena?!-Cuspi encima dessa.

-Não to,mano!-A soltei,mesmo com o cano no peito dela.-Oliver é verdade.

-Não,tu viu errado!-Segurei a porra das lágrima.-Ela...-Bufei balançando a arma.-Ela tá morta,merda!-Soquei a parede ao lado dela.

 

Helena havia conseguido me deixa desequilibrado.

 

-Não vi!Eu tive com ela,com a tua irmã,Sara,Donna.-Helena me encaro,algo,que ela nunca foi de faze.-Eu sei que é difícil,mas é...


Um terceira voz me chamo a atenção.


-Verdade.-Nos voltamo a...


Perigosa.


-Sua vadia,filha da puta!-Segurei Helena pela camisa.-Tu sabia,não sabia?    

-É verdade,Felcity Megan Smoak tá respirando.-Tua atenção era em mim.-Um sorriso lunático aberto por ela.


E a minha cabeça girava.


-Laureal...-Rosnei.

-O que?!-Ela riu.-Supresa!-Nyssa caiu na risada com ela.-A diabo loiro tá viva,ela nunca teve morta e tu foi um babaca de ter acreditado em nós.

-O corpo...-Helena bufava ao meu lado.

-Pura tática,papai mando queima o corpo de alguém parecida e tu caiu no conto do vigário Playboy!-Tua arma balanço. 

-Cala a boca!-Conti uma Helena tão revoltada quando eu.


E a semente da traição pode tá do teu lado.


Dormindo lado a lado.  

    

Virei o cano da arma na fuça dela.

-Que bonitinho ele ainda pensa nela.-Deixei que Perigosa se levantasse.-Tu acha que ela pensa em ti?-suas palavras foram cuspida em mim.-Ela tá pouco se fudendo,sabia que ela tava no baile né?


A peguei pela garganta.


-Oliver,não!-Helena puxou meu braço,mas a força maior aqui era eu.

-Tu acha...que ela...foi fiel?-Laureal me cravou as unha.-O chefe dela...

-Oliver,solta ela não vale a pena!


Valia sim.


-O chefe dela...que agradece...quando ela gemia...o nome dele na corporação.-Tirei teus pé do chão.

-Cala a boca!-Bati sua cabeça contra a parede.

-Oliver!Larga el...


Nos atiramo no chão,quando,os capanga de Sabiá abrigaram fogo.


Levei meu corpo por cima do de Helena e disparamo pelo beco,as bala,a recochitear para todos lados.

-Levanta,vamo!-A puxei e largamo,não tinha tanta bala assim.

-Oliver!-Laureal clamou por ajuda,mas apenas apontei a arma pra ela.


Em sinal claro de que havia largado ela de mão.


Que a morte a carregasse daqui.


Decemos aquelas escadas correndo,agora,os homem do BOPE haviam se juntado a raia e na tinha por onde os cara fugir.Os morado se trancaram nas casa,o comércio fecho as porta e quando Baiano atiro pra cima eu sabia.


Isso não era conflito só,era guerra.


    

O patrão confirmou

Que hoje à noite vai ser tensa, neurótica e arisca

Vai um paiol de arma e traz logo a artilharia

Quem é fica ai

Quem não é mete o pé se manda

Que a noite vai ser foda...


Repiramo aliviado a chegar no pé do morro,onde,as coisa tavam mais quietas.Helena me guio pelo meio das casa e paramo do outro lado da casa dela,delas.


As Smoak's.


-E-eu sei que...-Me voltei a Helena,Essa,que chorava.-Que é surreal,mas ela tá lá...Todos eles tão lá dentro.


Voltei a encara a casa.


-Oliver,eles mentiram pra nós,pra ti!-Um soluço a preencheu.-Ta na hora de coloca um ponto final nessa merda.

-Tu acha,acha...-Bufei.-Que ela de esqueceu de mim?

-Porque tu acha isso?-O vento fez seus cabelo sacudir.-Você acho que ela tava morta,o que não nos faz pensa que ela ache o mesmo de você?

-Como assim?


Helena deu de ombros.


-Pensa,se eles te enganaram.Podem ter enganado ela também,fingindo,tua morte.-Ponderei tuas palavra.-Não faz sentido?

-E-eu...-Ela não deixo termina.

-Faz,eu sei que faz!-Essa sorriu.-Valeu,falou!

-Tu é muito convencida,sabia?-Ri junto dela,o nervosismo me fazia treme.

-Aí sabia sim,sou uma rainha regular meu amor.-Dando-me um rápido beijo na bochecha.-Vai lá,tu é dela e não da Laureal.-Helena me deu um tapa no ombro se saiu.-Tu tem vinte minuto!


Conssenti e atravessei a rua.


Parei ao portão,por ser tarde achei mesmo que ia tá geral dormindo.Então,não tinha problema entra pelo portão da frente.Contornei a casa e parei aos fundo.


Encarei o chão.


Helena não ia menti pra mim,Laureal até podia,mas ela não.Arranquei o boné,havia jurado que nunca mais ia mete o pé aqui,que não ia coloca eles em perigo.


Mas o destino tava de palhaçada com a minha cara.

 

E se Helena tivesse mesmo certa?


Se Felicity tivesse mesmo viva,o que isso mudaria?


Tudo ou nada?


Eu era o Fantasma e isso não ia muda.Optei,por testa levando a mão a maçaneta,escancarei,a porta dos fundo.A casa tava as escura e eu fui,sutil,em caminha.Levei a arma a cintura,olhando a minha volta.

 

Tudo tava no mesmo lugar.


Como se o tempo não tivesse passado,cada quadro,vaso e coisa tavam no mesmo lugar.Do mesmo jeito.Subi as escada e vi um enorme corredor,esse,eu não me lembrava.


Não tinha terminado a obra quando Baiano me levo.


Segui por ele e me deparei com quatro porta ao longo desse.Mas foi a luz da última que me chamo a atenção,tinha gente acordada.

Espirei pela fresta,já que essa tava entre-aberta e meu mundo caiu.

 

Quando vi elas.


Helena tava certa.


Me escorei na porta,ao ver minha caçula,essa estava de pé com os braços cruzados em frente ao peito,com uma ropa preta e a testa franzida.


Parecia aborrecida.


Mas continuava com a mesma carinha de criança.


" -Mano!-Thea grito se atirando encima de mim.-Você volto! 

-Daí caçula,eu sempre volto poxa.-A peguei no colo,vendo tuas cozinha pelo seu largo sorriso.-Quem tá fazendo aniversário amanhã?

-Eu!-Ela pulo e minha mãe sorriu atrás dela.-10 aninhos,já to adulta!


Gargalhamos.

 

-Tá,não confia nisso aí.-A abraçei.-Tu sempre vai ser minha caçula.

-E você sempre meu irmão,grandão!-Ela suspiro e sem se aguenta,nossos pais nos abraçaram também.


Meus pilares."

 

Eu não conseguia acredita que ela tava ali,tão perto e tão longe ao mesmo tempo.Poucas coisas haviam mudado nela,agora de cabelos mais curtos,olheiras fundas indicavam-me que ela não havia dormido um bom tempo.


Mas ela continuava sendo minha Felicity.


Felicidade.

 

Serei o pulso ao sacar que,realmente,havia sido enganado.Baiano havia me arrancado tudo,absolutamente,tudo e agora elas tavam ali.


Aqui.


" De todos os sons que eu havia ouvido,o mais significativo pra mim sempre seria suas risadas.Sorri ao ver minha esposa e meu filho no tapete da sala,enquanto,que brincavam com os bonequinhos do nosso bebê.

-Bom,bom,bom...-Licity fazia cócegas no nosso menino enquanto que a risada dele se propagava pelas parede da casa.-Amor,olha!


Felicity segurou um Willian já de pezinho.


-Bebê do pai.-Deixei que ele viesse até mim e nos erguendo,beijei sua bochecha.-Ligeirinho ele,em?

-Primeiros passinhos.-A envolvi,puxando-a para mim,enquanto que Licity segurava uma das mãozinhas do nosso bebê.-Esse menino vai incomodar.

-Jogador de futebol será?-A olhei de cima.

-Se depender do pai sim.-Não me contive e a beijei,de todas as moças da favela Megan era diferente.Ela queria ser mais do que as outras daqui,determinação podia ser teu segundo nome.-Eu amo vocês.

-Nós amamos você.-Ela sorriu de novo e ecorou a cabeça ao meu peito,apenas,ficamos abraçados por um longo tempo.


Enquanto que agradecia pela família que tinha constuido."      

     

Não tava conseguindo sacar o que tava pegando,mas era algo sério porque minha mulher estava realmente aborrecida,além de parecer desesperada.

-Relaxa,ele...-Thea se abaixo a sua frente,mas ela negou.

-Ele não tá em casa,Thea como o Willian não tá em casa?-Ela rosno e caiu aos pranto.

-E-ele...-Minha irmã bufou.-Não sei.


Se meu moleque não tava em casa,aonde tava?


Queria até fica pra ouvi o resto da conversa,mas passos na escada me fizeram acorda e ver que tinha que cair fora.


Por mais que tivesse todos os motivos para ficar.


Sai de forma rápida dali,não era a toa que me chamavam de Fantasma.Chegando a rua,permiti que o choro viesse e nas sombras Helena me sustento,deixei que meu peso caisse sobre seus ombros,e juntos choramos.


Baiano ia me pagar caro por isso.


Tanto ele quanto a própria Perigosa.


Felicity Smoak:  

A porcaria da bala tava cantando em todos os lados do Rio de Janeiro e ninguém sabia me dizer aonde tava meu filho.

-Era pra você saber,tu é mãe dele!-Sara levou o dedo a minha cara,cuspindo encima de mim.

-Eu deixei ele sobre os teus cuidado.-Não queria berrar com ela.-Sara,eu só perguntei.Porque tu tinha levado ele pra escola e pro futebol.


Thea a encaro.


-Porque eu tenho que te dá satisfação?-Sua prepotência tava me irritando.-Tu nem cuida dele.

-Ela cuida sim!-Thea se meteu no meio.-Tu sabe aonde ele tá,fala logo!

-Não sei!-Ela volto a grita.-Cassete,eu mandei ele vim do futebol pra casa.


Tá pra onde meu piá tinha ido então.


-E ninguém foi atrás dele?-Tive que rir.-Quando sacaram que ele não tinha voltado pra casa?

-Aonde tu tava?!-Ela agia feito mãe dele,mãe que ela não era.

-Tentando saber o que ele tava fazendo,porque tu só olha as coisa boa dele.-Rosnei.-Tu não queria ser mãe dele,então porque não prova que consegue?


Ela sempre passa a mão por cima.

 

-Do que que tu tá falando?-Sara mordeu o lábio,nervosa.

-Eu escutei,tu quer tirar ele de mim.-Fui pra cima dela.

-Sou mais mãe dele do que tu!-E então ela coloco as garra de fora.-Fui eu sempre que cuidei dele!

-Tinhamos um acordo.-A fuzilei.-Você não tá cumprindo com ele.

-Ele quer ser meu,o que tu quer que eu faça?-Agora ela ia bancar uma de inocente.-Tu nunca teve lá.

-Porque eu estava trabalhando!-Bati nos peito.-Mas ele é meu filho também!

-Não!-Sara balanço a cabeça de forma negativa.-Ele é meu filho,só meu filho!


Agora ela havia se apossado dele?


-Ele sempre foi nosso!-Exclamei.

-Fala logo,aonde ele tá!-Thea a empurrou nos peito.-Tu sequestro o meu sobrinho Sara?

-Não,porra!-Ela passo as mãos no cabelo.-Eu não sei,realmente,não sei.


O rádio foi acionado.


-Capitã,01!Câmbio.

-Fiquem apostas,o BOPE vai entrar em campo.

-Capitão,por favor meu filho desapareceu.-Prescisava da ajuda do Jhon.

-Vamos atrás dele,mas o morro prescisa de vocês.

-Obrigada,Câmbio.-O nervosismo de chega no quarto e não ver ele,nem foi comparado a isso.


Ninguém sabia dele.


-Merda.-Me sentei na cama,Sara havia largado sa volta e Thea se ajoelhou a minha frente.  

-Relaxa,ele...-Thea tento me conforta,mas eu sabia que no fundo a culpa era minha.


E a última coisa que eu e o meu filho tinhamos feito foi brigar.


-Ele não tá em casa,Thea como o Willian não tá em casa?-Rosnei,caindo em prantos.-Ele sempre foi um bom menino cunhada.-Ela me envolveu.

-E-ele...Thea bufou.-Não sei.

-Eu quero o meu filho,comigo e dentro de casa.-Segurei suas mãos quando ela passa    pelo meu  rosto.-Eu quero o meu filho seguro.

-Ele vai ficar,vamos acha-lo.-Roy sentou ao meu lado e pegou em minha mão.

-Nem que seja a última coisa que a gente faça.-Minha atenção foi a porta e o batalhão tava dentro de casa,mas foi Sr.Diggle que se volto a mim.

 

Me levantado,corri para seu abraço.


-Promete?-O olhei,confiava nesse homem com a minha vida.

-Prometo,mas agora eu quero a minha capitã.-E me entrego uma arma.


Conssentimos e sobre o vai com Deus de minha mãe,entramos no carro forte.


Agora era guerra e na guerra dos dois lados morrem.   

 

   

 

 

 

     


   


Notas Finais


Espero que não tenha decepcionado e que tenha conseguido tocar cada um de vocês ❤

Gostaria de muito de saber o que estão achando e o que esperam daqui em diante! 🙏🙏

Por favor,fantasminhas apareçam 😞🙏🙏


Próximo capitulo,o encontro! 😱😱😎

BJÃO! ❤❤😍😚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...