História Pertencida Pelo Chefão da Máfia (Park Jimin) - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin
Tags Bangtan Boys, Bts, Imagine, Imagine Bts, Máfia, Park Jimin, Romance
Visualizações 487
Palavras 1.445
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Hentai, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá gentee
Eu to na casa da minha amiga então eu consegui postar

Boa leitura amores ^^

Capítulo 23 - Penúltimo capitulo


Pelos últimos meses, ela tinha entrado e saído daquelas portas porque tinha um contrato que exigia isso. Agora ela estava prestes a entrar novamente naquela casa por livre e espontânea vontade. As portas estavam trancadas. Confusa, ela encarou a porta dupla. Claro que estava trancada. As pessoas trancam as portas. Até chefões da máfia trancavam as portas. Com um suspiro de frustração, ela tocou a campainha. "Eu costumava morar aqui e agora tenho que tocar a droga da campainha. Correção, eu costumava ser uma prisioneira aqui."

A porta abriu e Misha franziu a testa. "O que está fazendo aqui?"

"Onde ele está?" Ela disse enquanto passava por ele. "Onde diabos ele está?"

"Espere. Espere!" Misha correu atrás dela, mas ela entrou no escritório como uma tempestade. Ela viu Jimin sentado à mesa com três policiais ao seu redor.

"O que está acontecendo?" Ela sussurrou. "Eles estão te prendendo?"

"Quem é ela? O que ela está fazendo aqui?" Um oficial perguntou com a mão na arma.

Jimin se moveu rápido e se meteu na frente do homem. "Tudo bem. Tudo bem. Não atire." Virando-se, ele a encarou. "O que está fazendo aqui?"

"O que eu estou fazendo aqui? O que você acha que estou fazendo aqui? Esquece. Você pode responder essas perguntas depois, caso não esteja respondendo de dentro de uma cela de prisão." Ela deu um passo para o lado e encarou os policiais. "Não sei o que diabos vocês estão fazendo aqui, mas não vão prendê-lo. Sei que ele já fez coisas ruins, mas não acabei com ele ainda."

Os policiais trocaram olhares. "Não estamos aqui para prendê-lo. "Estamos aqui para finalizar o caso contra o Boris."

"O quê?" Ela virou a cabeça e encarou Jimin. "Você está trabalhando com a polícia?"

"Acho que temos tudo o que é necessário para fazer a prisão. Obrigado, Park." Os oficiais balançaram a cabeça e deixaram o cômodo.

Natalia virou para ele e cruzou os braços. "Você tem muitas coisas para me explicar," ela sibilou. "E não vou embora até saber de tudo."

Jimin balançou a cabeça. "Você não está mais ligada a mim, Natalia. Não lhe devo nada."

"O diabo que não deve. Você sabia que Boris iria tentar me comprar. Você pagou minha liberdade; Por quê?"

Ele a pegou pelos ombros e a virou para que ela ficasse em direção à porta. "Eu estava perto demais de conseguir a prisão de Boris e tomar o território dele. Não queria que ele pensasse que estava ganhando. Não foi nada além disso, Natalia. Nada mais. Vá para casa."

"Você está mentindo." Ela olhou por cima dos ombros. "Você está mentindo para mim e nem consegue me olhar nos olhos. Eu disse, Jimin. Não vou embora até conseguir todas as minhas respostas. E se isso significar que vou precisar ficar parada aqui a noite toda, então vou ficar aqui parada a noite toda. Passei meses aqui. Passei por muita coisa, e você me deve ao menos algumas respostas."

Suspirando, Jimin abaixou os braços e Natalia se virou. "Faça suas perguntas e seja rápida," ele murmurou. "Sou um homem ocupado."

"Ok." Natalia abaixou a cabeça e respirou fundo. Agora era o momento da verdade, e ela percebeu que estava aterrorizada.
Antes que ela pudesse se apegar à esperança, mas uma vez que ele lhe contou a verdade, não havia mais esperança. Não havia nada.

"Como você conseguiu a prisão de Boris?"

"Claudia e Misha conspiraram com Boris para matá-la, mas pegaram a Ana no seu lugar. Eu entreguei evidências que provam que Boris pagou para matar a Ana, junto com muitas outras pessoas. Ele vai preso e nunca mais voltará." Um sorriso iluminado cruzou o rosto dele. "Estou ansioso por isso."

"Sério? Isso é ótimo, Jimin. Ana. Ela precisava ser vingada." Tentando conseguir mais tempo, ela passou os dedos pelos grãos da madeira da mesa. A próxima pergunta que saiu de sua boca foi sem significado. "O que você está planejando fazer com o território de Boris?"

"Deixá-lo legítimo," ele disse suavemente.

Ela olhou para cima bruscamente. "O que você acabou de dizer?"

"Eu disse que vou torná-lo legítimo. Próxima pergunta?"

"Não. Sem próxima pergunta. Podemos pular isso. Você acabou de dizer que vai legitimar seu território e seguir em frente. Isso requer explicação. Eu preciso de uma explicação."

"Por quê?" Ele abriu os braços e ela pôde ver a fúria no rosto dele. "Por que você precisa de uma explicação sobre isso? Por que se importa?"

"Porque eu amo você," ela gritou de volta, igualmente irritada. "Eu amo você, e isso está me levando para cinquenta direções diferentes. Eu sei que você não está apaixonado por mim, não estou pedindo isso, mas preciso saber se a pessoa pela qual me apaixonei não é um monstro. Eu preciso saber se o homem pelo qual me apaixonei não está planejando contratar outra mulher para viver aqui ou bater em outro homem para fazê-lo pagar as dívidas. Preciso saber se o homem pelo qual me apaixonei não ficou completamente infetado por mim e pelo nosso tempo juntos." Seu peito pesou enquanto ela tentava respirar fundo, as mãos também tremiam. Nunca em sua vida ela ficara tão nervosa e tão assustada.

"Natalia."

Foi tudo o que ele disse. Uma palavra. Seu nome. Disse de forma tão suave que à principio Natalia não tinha certeza se ele realmente tinha dito alguma coisa. Mas a forma como ele a olhava dizia tudo. As feições dele suavizaram, e ela viu medo de verdade nos olhos dele.
Não estou dizendo isso para assustá-lo, Jimin. Só preciso saber o que você pensa ou como se sente, ou alguma grama de verdade que eu possa levar embora comigo. Só isso."

"Ok." Ele balançou a cabeça e se recostou sobre a mesa. "Ok. Eu sou um chefe da máfia. Tenho tanto sangue em minhas mãos, que elas nunca ficarão limpas. Fiz coisas que me deixaram acordado à noite. Fiz coisas que me deram pesadelos. E quando Grigori me nomeou seu sucessor, vi minha chance; Vi minha chance de garantir que nenhuma outra criança tivesse que passar pelo o que eu passei. Eu vi uma chance de garantir que meus homens não precisassem fazer coisas que os deixassem acordados à noite ou que lhes dessem pesadelos. Eu sabia que iria legitimar os negócios de Grigori. E iria procurar uma forma de garantir que Boris não seria um problema. Eu estive planejando e trabalhando nisso por muito tempo. Então, se você me ama, sim. Você se apaixonou por um monstro. Se apaixonou por alguém que contratou uma mulher para viver aqui e que espancou homens para fazê-los pagar dívidas. Você se apaixonou por alguém que quer mudar."

Natalia balançou a cabeça e respirou fundo. "Obrigada. Obrigada por ter respondido minhas perguntas." Foi bom. Foi bom ela ter respostas. Ele dissera tudo o que ela queria ouvir, e deixara de lado tudo o que ele sabia que a magoaria. Ele não a amava.

Quando ela se virou para ir embora, ele a pegou pelo braço. "Aonde você está indo? Pensei que queria respostas. Não terminei.

Ela lentamente virou a cabeça para olhá-lo. Ele sorriu. 'Natalia, eu não estou afetado por você. Estou completamente abalado. Eu nunca me apaixonei por alguém como aconteceu por você. Estou aterrorizado. Aterrorizado que você possa se machucar. Com medo de que algo aconteça e que você pague o preço. Você precisa entender que eu não espero sobreviver à essa jogada. Haverá pessoas que irão querer o território de Boris. Eles vão tentar me matar por isso. Se você ficar comigo, vai estar em perigo."

Lágrimas borbulharam de seus olhos. "Você me ama."

Ele sorriu e envolveu seu rosto com as mãos. "Eu amo você."

"Eu só preciso disso, Jimin. Não me importa se isso vai significar que só terei dois meses com você. Não me importo se terei que me comprometer por vinte anos. Eu amo você, e ficarei do seu lado."

Abaixando-se, ele a beijou suavemente. "Se você vai se comprometer por vinte anos, então é melhor que seja como minha esposa."

"O quê?" Afastando o rosto, ela o encarou. "O que você acabou de me dizer?"

"Você me escutou, Natalia. Eu amo você. E você já se comprometeu por vinte anos. Eu escutei, e não pode retirar o que disse." Ela soltou uma risada. "Case comigo, Natalia. Não consigo ver minha vida sem você. Você me faz ficar focado. Com os pés no chão. Você me dá esperança."

Agora.  Agora ela tinha absolutamente tudo o que queria escutar. "Sim. Sim, eu me caso com você!" Ele se inclinou para beijá-la, e todo o mundo girou à sua volta. Só os dois, e ela estava feliz.
 


 


Notas Finais


Comentem e faça sua autor Feliz ^^

Link da minha outra fic : https://spiritfanfics.com/historia/secretaria-do-bilionario-da-mafia-9489449


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...