História Philophobia - Capítulo 37


Escrita por:

Postado
Categorias Girls' Generation, Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Chenle, Doyoung, Haechan, Hyoyeon, Jaehyun, Jaemin, Jeno, Jisung, Johnny, Jungwoo, Kun, Lucas, Mark, Personagens Originais, RenJun, Taeyong, Ten, Yuta
Visualizações 179
Palavras 1.106
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), LGBT, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


voltei meu povo!!!!! 💚💦✌

Capítulo 37 - 037



depois de uma semana de recuperação no hospital, hoje era o dia da alta do chinês e ambos não podiam estar mais felizes. Yukhei estava sentado na cama de hospital acompanhado pelo coreano e ambos esperavam pelos pais do outro.


— Ainda bem que já me vou embora daqui... — falou olhando ao redor do cômodo — Porém, passei aqui dias muito felizes.

— Devo concordar. — pertou a mão do chinês — Você vai ter que recuperar nas matérias atrasadas...

— Eu sei disso. 

— Eu posso ajudar se quiser. — sorriu — Não me importarei se caso não queira.

— Eu quero. — encarou o coreano — Eu já lhe disse que você é o ser humano mais lindo e fofo neste mundo?

— Não, mas não precisa. — abraçou o chinês — Estava com saudades dos seus corpo...

— Os seus abraços são os melhores...


Jungwoo ia dar um selinho nos lábios deste, mas acabou sendo interrompido pelos pais do mesmo entrando. Levantaram-se e seguiram para fora do hospital. À saída acabaram encontrando a enfermeira Stephanie saindo do seu carro, Jungwoo a olhou e a mesma retribuiu. Havia algo na história entre as duas mais velhas que não batia certo.

Entrou no carro dos “sogros” e estes seguiram para o seu apartamento. Como não estava muita movimentação nas estradas àquela hora, foi rápido. Saíram do carro e foram recebidos pelos amigos do chinês e do coreano na frente do prédio segurando algumas coisas.


— Que bom que você ficou bem, Yuk. — Jaehyun o abraçou.

— Sim, a gente já não aguentava mais ouvir o Jungwoo a rezar todos os dias para que você melhorasse. — Doyoung riu. 

— Eu agora estou bem, porém um bocado cansado. — bocejou.

— Eu volto mais tarde, Yukhei. — o coreano ao seu lado despediu-se.

— Adeus, Wonnie. — acenou.


Jungwoo na companhia dos que estavam ali presentes, foi embora para sua casa que não era, realmente, longe dali. Retirou a chave do bolso traseiro das calças e abriu a porta do apartamento, se deparando com sua irmã de avental, chinelos de quarto, pijama e uma rabo de cavalo. O que ela cá está a fazer?


— Oh, olá Woo. — limpou as mãos aos avental e correu para abraçar o irmão — Eu posso explicar...

— O que estás aqui a fazer? — sorriu.

— Vamos nos sentar, comer algumas coisa enquanto falamos sim?

— Tudo bem. — caminhou até à sala e sentou-se no sofá — O que fizeste para o pequeno almoço?

— Panquecas, chocolate quente e aproveitar e fui comprar pão à padaria ali da esquina. — falava lá da cozinha.

— Espero que as panquecas tenham o molho de frutos vermelhos que eu tanto gosto.

— Peço perdão, mas, não tive tempo de comprar os frutos. — saiu da cozinha com um tabuleiro recheado de comida — Mas podes pôr-lhes chocolate.

— Tudo bem. — começou a comer — Mas explica-me, o que estás aqui a fazer?

— Eu...tive uma discussão muito feia com o teu cunhado por causa do filho dele e eu farta de lá estar, vim para aqui porque se fosse para casa dos pais, a mãe ia me encher de perguntas. 

— Ah e vais ficar quanto tempo?

— Ainda não sei. Se houver reconciliação, eu volto lá para casa, caso ele não venha atrás eu arranjo uma casa para aqui.

— E a tua filha?

— Está no quarto do Haechan, ainda a dormir.

— É de se ficar impressionado, o Haechan raramente deixa algum dormir lá. — riu.

— Assim até parece que sou má pessoa, hyung. — o mais novo entra na sala coçando os olhinhos — Bom dia noona.

— Bom dia meu bebê. — deu um beijo na testa do menor — Cereais?

— Sim, por favor. — sentou-se ao lado do mais velho — Hyung, eu tenho uma coisa para falar consigo...já falei com todos e só falta você.

— Pode dizer. 

— Eu vou voltar para Jeju. — ao dizer recebe o olhar chocado do mais velho.

— C-Como?

— Foi isso mesmo que ouviu, eu vou voltar para junto dos meus pais. — sorriu fraco — Meus estudos estão acabando e as férias vindo, então eu acho melhor dizer adeus a todos vocês.

— Eu até te entendo, mas vai deixar uma grande saudade aqui. Eu estou habituado a ouvir gritos logo pela manhã, habituado a tu entrares no meu quarto sem pedir e também aos teus abraços inesperados. — colocou a mão no ombro do mais novo — Mas eu desejo te uma boa viagem e que sejas muito feliz lá.

— Obrigada hyung. — agarrou a tigela dos cereais — Obrigada noona.

— E quando partes? — o mais velho quis saber.

— Na sexta à noite. Último dia de aulas.

— Sim, faz sentido.


[🍍]

Yukhei estava sentado no sofá olhando fixamente para a televisão e ao mesmo tempo ouvindo a conversa dos dois estrangeiros ao seu lado aka Yuta e Chittaphon. Pegou o comando e começou a mudar de canal, para tentar achar algo interessante para ver. Tentativa falhada. Suspirou e começou a olhar para os outros dois, na esperança de também compartilharem com ele todos os babados.


— O que foi? — o seu primo o encarou.

— Também quero saber dos babados. — fez uma carinha chorosa.

— Nada de importante, porém cenas um bocado chocantes. — Yuta o encarou também — Aquele tal de Taeyong está junto com o ex namorado do Doyoung.

— Vocês estão a brincar, não é? 

— Achas mesmo? — mostrou-lhe a publicação dos dois numa foto aos beijos.

— O Doyoung deve estar mal.

— Eu cá não acho, ele agora não para de falar da irmã do Woo. — o japonês riu — Ele deve ter uma queda por ela.

— Uma queda? Acho que é mais um penhasco. — Ten o acompanhou nas risadas.

— Vou ligar ao Woo.


Pegou o telemóvel que estava em cima da mesa e discou o número do coreano. Demorou um pouco, mas este atendeu.


— Woo, já soubeste?

Aquilo do Haechan? Sim, já!

— Não! O Doyoung está solteiro...

Mas ele não namora com o Jaehyun?

— O Jaehyun está com o Taeyong e pelo que estes dois fofoqueiros ao meu lado me disseram, ele tem uma queda pela tua irmã.

Ah isso eu já sei à muito tempo!

— Tu aceitava se eles se relacionassem?

Sim. Ele é como um irmão para mim.

— Voltando ao assunto, o que aconteceu com o Haechan?

Ele vai voltar para perto dos pais e vai partir na sexta à noite!

— Whoa, que surpresa. — abriu a boca — Você não vai vir aqui?

Quer que eu vá agora?

— Sim. Eu estou carente. — ao dizer isso ouve os risos dos outros ao seu lado.

Ainda não podes fazer esforços, Yuk...”

— Pois é. — fez uma cara tristonha.

Daqui a pouco estou ai.


Notas Finais


faltam 12 diasss (horário de portugal) para o meu aniversário e 13 dias para fazer 1 ano q utilizo o spirit.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...