1. Spirit Fanfics >
  2. Phoenix Rising >
  3. Sem dó e sem piedade.

História Phoenix Rising - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura e desculpe qualquer erro ortográfico! ❤️

Capítulo 15 - Sem dó e sem piedade.


A luta de Iida e Todoroki acabou, assim o garoto bicolor acabou indo para a final. Eu estava no túnel, onde tudo está prestes a começar novamente, só que pior. Eu estava tranquila, mas não confiante. Entrei na arena pela terceira vez e vi que todos estavam vibrando, mais do que as outras batalhas. As pessoas parecem ver dois colossos se enfrentando. Subi as escadas e vi que Bakugo estava com o olhar de psicopatinha. É, parece que ele quer me matar mesmo.

— ESTAMOS QUASE CHEGANDO NAS FINAIS GALERA! TEMOS DOIS ALUNOS QUE TAMBÉM SÃO DA CLASSE 1-A E QUE PROVARAM SER BASTANTE PERIGOSOS! DE UM LADO A GAROTA BARRA PESADA, DO CURSO DE HERÓIS, KOMORI ARISA! DO OUTRO LADO, esse cara tá igualzinho um psicopata, TAMBÉM DO CURSO DE HERÓIS, BAKUGO KATSUKI!

Estava alongando minhas pernas, enquanto anunciava os nossos nomes. Sinto que usar apenas a minha flexibilidade, não vai adiantar de nada. Eu não quero usar 100% do meu poder, já que com ele, eu posso destruir o estádio e o próprio Bakugo e não é isso o que todo mundo quer.

— Quero que use todo o seu poder, Elfa desgraçada. — cara, ele tá pedindo pra morrer? Respirei fundo, para tentar encontrar uma resposta razoável.

— Eu não recebo ordens de ninguém, o poder é meu e eu faço o que eu bem entender. — Bakugo mudou sua cara de confiante para incrédulo, já que não imaginava que eu agiria do mesmo jeito que ele age com todo mundo.

— VOCÊS ESTÃO PRONTOS?

— Você vai se arrepender. — sussurrou o garoto explosivo.

— START!

Bakugo e eu avançamos diretamente e demos um soco um na cara do outro. É bem aquelas cenas de anime, quando dois amigos que são rivais se enfrentam aí dá esses tipos de soco, que se torna um pouco clichê. Mas a diferença é que Bakugo e eu somos apenas rivais e não amigos — porque eu acho que para ele é desse jeito mesmo — 

Com o impacto, fomos jogados para trás, mas sem sair da arena, obviamente. Parece que isso foi um bom começo, já que eu conheci um pouco da força do garoto explosivo, que quase quebrou o meu maxilar, mas está tudo bem, mesmo ele querendo me matar.

Bakugo avança em minha direção de novo e assim, começamos uma luta de corpo a corpo, igual a batalha que eu tive com a Mina. Porém, há uma coisa diferente nisso, Bakugo e eu acertavamos alguns socos e chutes, o que tornava mais difícil, já que a luta não podia ficar assim até alguém cair. Com tudo isso acontecendo, eu me afastei um pouco, concentrando a mancha preta em minha mão direita, para tentar dar um soco mais efetivo no garoto explosivo, porém já esperado, ele conseguiu desviar. Ele aproveitou o embalo e lançou uma explosão em minhas costas, fazendo com que eu seja jogada, mas por sorte eu não sai da arena, pois havia concentrado a minha individualidade nos pés, mas eu estava de cabeça baixa e respirando pesadamente. Eu ainda agradeço por ter sapatos que tenha essa resistência a fogo, porém como eu usei essa técnica várias e várias vezes, os sapatos podem não aguentar mais o impacto.

Quando eu menos esperava, o garoto explosivo já estava na minha frente, preparando a explosão que seria um ataque final. Porém eu agarrei o seu braço e joguei o seu corpo no chão. Após isso, lancei uma rajada de fogo sombria, lançando para o outro lado da arena. Eu esqueci que eu estava a ponto de ultrapassar a linha fora da arena. Corri um pouco para frente, para evitar isso, mas Bakugo já estava de pé vindo para cima de mim de novo. Por impulso, lancei os dois fogos em direção a ele, porém ele desviou. Esse desgraçado tem uma técnica boa com a sua individualidade. O garoto explosivo já estava perto de mim e lá vamos nos de novo com trocas de chutes e socos. Agora, Bakugo estava acertando mais socos e chutes em mim, mas parecia que eram mais fortes do que antes, mesmo com a defesa com a mancha preta e as brasas que manifestava em meu corpo, que isso meio que amenizava a dor dos golpes.

— USE O SEU PODER, ELFA. — disse ele enquanto ele continuava os golpes. — OU EU SOU FRACO DEMAIS PARA O SEU PODER? OU VOCÊ É FRACA?

— Não me subestime seu imbecil. — demos outro soco na cara do outro, porém uma coisa acerta a barriga do Bakugo. 

Sim, era eu dando um soco de esquerda com as brasas em meu punho, acertando a barriga do garoto explosivo. Pensa em um garoto que saiu rolando no chão, ralando quase toda a cara, era ele. Bem, ele parou me olhou bem no fundo dos meus olhos. O olhar dele demonstrava claramente a raiva por mim, ao mesmo tempo transmitia uma certa intimidação e foi a primeira vez que eu temia o olhar dele. Explosões saiam da palma da sua mão, prontas para serem direcionadas a mim.

Com a distração ao olhar intimidador dele, eu não vi que ele havia avançado em mim rapidamente, lançando uma explosão em mim. Fui jogada para longe e parei usando minha individualidade nos meus pés, para eu não sair da arena e eu quase estava ultrapassando a linha de limite. 

A individualidade nos meus pés estavam presentes, então eu saltei para chegar mais rápido ao centro da arena, antes que ele venha em minha direção e acabe de me empurrar para a arena. Novamente, ambos deram um soco um na cara do outro e começamos uma luta de individualidades. Era um lançando explosões e a outra estava lançando rajadas de ambos os fogos. Partimos para a luta corpo a corpo novamente. Os socos e os chutes, ficavam mais fortes e de vez em quando, nós trocamos algumas lutas com individualidades também. Alguns golpes do garoto explosivo, me deixavam um pouco exaustiva e machucada, assim como os meus deixavam o garoto na mesma situação. Eu achava que eu não iria encostar um dedo neste garoto, mas meus pensamentos estavam errados.

Eu estava exausta, porém Bakugo não estava nem perto disso. Nos afastamos e a luta ficava mais intensa quando um golpe era dado. O garoto explosivo deu um sorrisinho diabólico, mesmo suspirando pesado e suado. Ele estava querendo me intimidar dessa vez, mas ninguém cai na mesma armadilha duas vezes. Minha mão estava coçando para dar um soco nessa cara de sacana desse garoto, é bonito, mas sacana.

Bakugo estava vindo em minha direção novamente para me dar um soco. Ele saltou para me dar esse soco, mas eu o paro segurando o braço dele. Pego impulso e giro o corpo dele, lançando-o para o outro lado da arena em seguida. Peguei impulso e saltei em direção a ele, enquanto o corpo dele é lançado. Concentrei a mancha preta em minha mão direita e estava preparando um uppercut. Bakugo foi mais ágil e lançou uma explosão no chão da arena, o impulsionando para cima de mim. E quando eu menos esperava ele estava lá em cima, olhando com uma cara séria e com uma explosão em mãos, que parecia ser muito forte. E tudo pareceu em câmera lenta. Eu não podia desviar, já que eu estava sem nada para impulsionar até o chão, então Bakugo lançou a explosão em mim e eu automaticamente cai no chão, sentindo a dor insuportável em minhas costas. Não dava para enxergar nada, graças a explosão, mas eu senti que eu estava imobilizada pelo garoto. Ele estava em cima de mim, suspirando pesadamente. A fumaça impedia que todo mundo visse essa cena, que praticamente era estranho. Eu tentava me soltar, mas ele impedia. O garoto é muito forte e meus pulsos já estão ficando roxos.

— Eu ainda não acabei com você. — ele sussurrou com sua voz rouca, enquanto ele levantava o seu braço esquerdo para lançar um último ataque.

Eu não estava livre. Quando eu estava com o braço livre, ele colocou seu pé, em cima do meu pulso. Conti o meu gemido de dor, porém a minha cara demonstrava mais dor, pois os meus pulsos estavam realmente doendo. Pequenas lágrimas de raiva, saíram sem permissão.

— Suas últimas palavras, antes da vitória ser minha. — a palma da sua mão estava completamente coçando para ir em minha direção, já que as explosões não paravam. Eu me recusava a dizer alguma coisa, então eu continuei calada e com os olhos fechados, evitando de olhar para o garoto. — Tudo bem, se é assim, então... morra. — alguma coisa veio em meu corpo automaticamente, enquanto Bakugo direcionava a explosão final, porém algo aconteceu.

                             -✿-

— Ashido Mina

Uma ventania forte tomou conta do estádio. Ninguém conseguia enxergar absolutamente nada do que estava acontecendo. 

— Q-que forte! — diz Midoriya, um pouco assustado.

— Eles vão acabar destruindo o estádio, se continuarem assim! — Sero diz.

— PARA COM ISSO, SERO! — exclama Mineta.

Realmente, todo mundo estava assustado com essa luta, que ia se intensificando cada vez mais.

Quando a ventania ficou um pouco mais fraca, vi que o corpo de Bakugo estava do outro lado. Presumi que ele estava tentando imobilizar a Arisa, para que ela desistisse, mas ele não desconfiava muito que a garota de cabelos ondulados era bastante barra pesada. A fumaça parou, juntamente com a ventania e vi o que me deixou um pouco de boca aberta. Arisa estava com os olhos totalmente brancos e coberta com aquelas coisas que faziam parte de sua individualidade. Além disso, o seu uniforme havia desaparecido totalmente, graças a explosão de Bakugo, deixando-o só com um topper preto, a calça do uniforme e o tênis. 

— UMA REVIRAVOLTA IMPRESSIONANTE! A KOMORI ESTÁ REALMENTE PRETENDENDO GANHAR ESSA LUTA! — President Mic, falava um pouco trêmulo, já que a garota estava carregando uma cara tenebrosa em seu rosto.

Bakugo parecia estar um pouco assustado, mas ao mesmo tempo empolgado, já que a garota demonstrou o que realmente podia fazer. 

— P-p-por que ela está com os olhos brancos? — pergunta Mineta, assustado.

— Ela realmente não tem duas individualidades? — Kaminari está tão confuso quanto o resto da turma.

Eu já sabia o porquê dela fazer isso. Ela não queria mostrar 100% do seu poder para ninguém. De acordo com a elfa, ela iria machucar os outros, mas eu não sabia como.  Acho que subestimar muito o seu adversário é um erro bastante cometido. E realmente, essa garota é uma caixa de surpresa, mesmo ela estando exausta da luta intensa, ela não desiste, mesmo com as pressões que o Bakugo coloca na garota. Agora há só de esperar o que vai ser essa batalha.

                             -✿-

— Komori Arisa

Minhas costas estavam ardendo, assim como a febre estava se manifestando, mas era bem pouco. Parecia que eu iria invocar as fênix aqui mesmo, mas eu tenho que controlar o mais depressa possível e já sabia que meus olhos estavam completamente brancos, ou seja, posso perder o controle a qualquer momento. Não posso ficar desesperada. Vi o meu adversário a frente e seu olhar estava bastante sério.

— Então, este é o seu verdadeiro poder? — não cara, isso é apenas um terço dele, pois eu ainda não tenho um controle correto dele. — Agora, mostre que você é uma garota barra pesada, elfa. — o tom sacana deste cara, me irrita. 

Bakugo avança com suas explosões e estava com uma pronta para soltar em mim, mas em um momento, eu desvio rapidamente e paro atrás dele. Dou um soco nas costas dele e não deu tempo dele reagir. Foi jogado para o outro lado da arena que quase sai da mesma. Bakugo tentava a oportunidade para tentar me atacar com suas explosões, mas não adiantava. Meu corpo parecia ter uma coisa que eu não conseguia decifrar muito. Eu praticamente desviava de todos os ataques do garoto explosivo. Ele estava começando a ficar muito irritado. Lancei uma rajada de ambos os fogos e ele desviou, mas uma pequenas faíscas foi em seu rosto e em seu braço esquerdo. Avancei diretamente nele e dei um soco em seu rosto com o meu punho esquerdo concentrado com as brasas, mas ele também foi astuto e deu um soco, só que foi em minha barriga. Isso me afastou do garoto.

Ele avançou de novo para mais uma luta corpo a corpo, que parece que essa é a mais intensa de todas. O que eu percebi é que o President Mic não estava narrando muito por conta da luta estar muito tensa. Agora a força dos chutes, socos e das individualidades aumentaram. Ambos estavam suando e exaustos por conta da batalha longa e mesmo com as minhas costas ardendo e a febre se manifestando, eu tentava controlar isso e batalhar tranquilamente, tentando esquecer este problema.

Bakugo se afastou e eu entendi o que ele iria fazer. Ele estava preparando o seu último ataque. A explosão na palma da sua mão estava se intensificando. Acho que está na hora de revidar o ataque também. Concentrei o máximo que eu pude na minha mão, deixando ela com a mancha preta e com faíscas do fogo saíndo. Bakugo saltou em minha direção com as explosões na palma da sua mãos e eu saltei junto e assim fizemos um choque de poderes absurdo, fazendo com que explodisse tudo e que ninguém enxergasse nada. O impacto foi bastante grande e eu não estava conseguindo mais manter de pé.

                              -✿-

— Midoriya Izuku

Foi exatamente a segunda ventania forte. Ninguém conseguia enxergar absolutamente nada, graças a fumaça presente na arena, já que a explosão que causou com o choque de poderes do Kacchan e da Komori. A ventania estava parando e a fumaça estava sumindo. Vi que Kacchan estava de pé na arena, mas do outro lado, eu vejo o corpo da Komori dentro da arena, porém ela não estava em pé como o Kacchan. Midnight foi ver se a garota estava realmente apta a continuar a luta, mas...

— Komori Arisa está fora de combate. Bakugo Katsuki avança para a rodada decisiva! — o povo começou a vibrar muito mais do que o normal.

Kacchan estava com a cara de assustado, porém ele tratou de tirar essa cara. Ele ainda sentia dificuldades de ficar 100% em pé. A arena estava quase destruída, graças a essa luta intensa.

— Que luta tensa... — a Jirou fala assustada. 

— Assustador. — diz Mineta.

— Essa garota é barra pesada mesmo. Nem o President Mic conseguiu narrar tudo. — diz Sero.

— D-Deku-kun... — a Uraraka me cutuca. — S-será que a Arisa-chan vai ficar bem? — perguntou um pouco trêmula, vendo que a Komori estava sendo levada para enfermaria.

— Vai sim, Uraraka-san. Não se preocupe. 

— E-eu espero...

— E ASSIM TEMOS O NOSSOS DOIS FINALISTAS! — President Mic falava um pouco trêmulo. — MAS ANTES, VAMOS DAR UM INTERVALO DE QUINZE MINUTOS PARA CONSERTAR A ARENA!


Bakugo Katsuki x Todoroki Shoto


Isso, assim da tempo de ver como a Komori está. Ela foi extremamente incrível nessa batalha. É legal não temer o Kacchan durante a luta. Eu sinto que eu irei aprender bastante com ela também. Uraraka me chamou para ir ver a Komori e também, Ashido, Kirishima, Kaminari, Sero, Jiro, Momo, Asui e Toru foram junto com a gente. Enquanto nós íamos para a enfermaria, fiquei anotando algumas coisas sobre a individualidade da Komori. Estava preocupado com o Iida, já que ele teve que sair para ver o seu irmão que foi atacado por um vilão. Eu espero que o Ingenium e o Iida estejam bem.

                               -✿-

— Komori Arisa

Acordo um pouco tonta e vejo que eu estou em uma cama de enfermaria e eu estava com a blusa de uniforme de educação física, que estranho. Sento na cama e vejo a Recovery Girl do meu lado. Parece que não foi dessa vez hein, Arisa? Tudo bem, o que importa foi a força que eu mostrei para todo mundo e sinceramente, a luta que eu tive contra o garoto explosivo, foi incrível. Bom que eu conheci um pouco mais do meu rival. Vi que meus braços e minhas mãos estavam enfaixados e um curativo estava em cima do meu nariz.

— Então você acordou, jovem. — a Recovery Girl diz. — Seus ferimentos foram graves, mas eu consegui curar a tempo, sem o auxílio da cirurgia. E parabéns pela luta, você foi incrível. — sorri. — A carranca passou aqui também enquanto você dormia e falou a mesma coisa. — o Bakugo falando que eu fui incrível? É sonho.

— Obrigada, Recovery Girl... mas...— a porta foi aberta e direcionamos a ela.

Era Midoriya, Uraraka, Ashido, Sero, Kaminari, Kirishima, Jiro, Toru, Tsuyu e Momo. Todo mundo me olhando preocupado, enquanto eu balançava as pernas, enquanto eu estava sentada na maca. Eu estava um pouquinho tonta, mas nada impedia de eu ficar sentada. Todo mundo veio em minha direção. Ashido me abraçou e eu fiquei surpresa com o seu ato.

— Você está bem? — pergunta o Midoriya.

— Não se machucou muito? — pergunta a Jiro.

Perguntas e mais perguntas, sempre assentia que sim. Não parava de sorrir, já que eu tenho amigos que realmente se preocupam com o bem dos outros. Enquanto a Mina se afastava do abraço, ela olhou nos meus olhos e sorriu.

— Garota barra pesada. Eu avisei a vocês que ela vai dar trabalho. — diz ela, apontando para mim, tirando um outro sorriso meu.

— Ela provou mais do que o suficiente nesse festival. — diz a Momo.

— Ficando em terceiro lugar ou não, você provou bastante sua capacidade, Ari-chan. — como assim, ficando em terceiro lugar?

— Como assim, Tsu-chan? — pergunto confusa.

— Ah, o Iida teve que ir embora... pois ele teve que resolver alguns problemas. — diz a Uraraka porém ela sussurrou algo como "depois eu te conto".

— Assim, você ficou em terceiro lugar, Komori. — eu fiquei um pouco surpresa mas eu aceitei.

— Mas, eu queria dizer que esse terceiro lugar não vai só para mim. Também para o Iida. — todo mundo ficou confuso. — Iida se esforçou bastante para chegar onde chegou. Então eu também quero que ele mereça esse terceiro lugar junto comigo, mesmo ele não estando aqui, mas... eu quero que ele veja o quanto ele foi forte para estar quase nas finais. Então o terceiro lugar vai pra ele também. Não importa se não existe terceiro lugar, eu reconheci a capacidade do Iida no festival.

— É como uma dedicação. — diz Kaminari e eu assinto que sim.

— Você realmente não existe, Ari-chan. — Mina me abraça novamente e todo mundo presente na enfermaria sorri.

— Ah, gente... eu só estou fazendo o que é certo... mas, por que vocês não estão assistindo a batalha final?

— Deram quinze minutos, pois vocês dois fizeram um estrago na arena. — diz o Kirishima e eu coço a cabeça envergonhada.

— Bem, Jovem Komori — Recovery Girl interrompeu a conversa. — Você está liberada, se quiser ir com os seus amigos, pode ir.

— Tá certo. — levanto da maca e coloco os meus sapatos. — Obrigada novamente, Recovery Girl.

— Não precisa agradecer, Jovem. — sorrio para ela, enquanto eu saio da enfermaria junto com a turma, indo em direção a arquibancada para ver a última luta.

— Komori-san, depois pode me falar um pouco sobre a sua individualidade? — pergunta o Midoriya com o caderno em mãos. 

— Claro que sim. — digo sorrindo e o garoto estava com um brilho em seus olhos.

A luta que eu tive com o Bakugo foi incrível, porém eu havia ficado em terceiro lugar, de acordo com a Tsuyu. Não sei o porquê. Eu iria enfrentar o Iida para justamente ter o posto de terceiro lugar, me pergunto o que aconteceu com ele. Mas, Iida não se preocupe, você também será reconhecido pelo seu esforço. Agora o que resta saber é quem será o verdadeiro vencedor desse festival.







Notas Finais


Eu já disse que eu sou péssima em escrever cenas de luta?

Até a próxima! ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...