1. Spirit Fanfics >
  2. Pills >
  3. Posso te ver de novo?

História Pills - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


E vamos de fic de 3/3 não finalizada. Mas vou postar mesmo que se não for assim nunca posto nada e tamo em quarentena. Ou seja, tenho tempo pela 1x na minha vida. É isto

Capítulo 1 - Posso te ver de novo?


“Preciso de uma pílula”

Foi tudo que Nami disse quando arrastara Luffy e Zoro logo que recém haviam chegado na escola.

Luffy não entendera o que ela quis dizer com aquilo e por quê ela não podia tomar a pílula mais tarde, mas ele se deixou ser levado pela amiga. Zoro também, fazendo apenas uma careta com a menção daquilo. Ela não se deu o trabalho de explicar no caminho e tanto Zoro quanto Luffy não falaram nada. Ela estava com uma expressão estranha no rosto. O tipo de expressão que fazia os dois não dizerem nada. Até mesmo Luffy. Nami podia ser assustadora às vezes.

O sol estava no meio do céu e havia um vento leve os rondando conforme o caminho cercado por árvores se abria para eles. Eles caminhavam no meio do asfalto pois era raro circularem carros por aquele trajeto meio estreito e escuro. Ainda assim, era uma rua muito bonita. Ele e Zoro vinham por ali desde que tinham apenas oito anos.

Eles enfim fizeram seu trajeto até a pequena farmácia no final da esquina. Devia ter dado cerca de uns dez minutos da escola.

Uma vez que em frente do comércio, Nami, parou, passou a mão pelo rosto, respirou fundo e virou-se para eles, com o rosto sério.

“Olhem, eu os trouxe aqui porque preciso que vocês entrem ali e comprem uma pílula para mim. Não quero correr o risco de entrar lá e alguém me ver. Então, sem perguntas, sem enrolação, só façam logo, ok? Não quero perder a aula de geografia e não quero falar sobre isso.”

"Ok", oh, era só isso? Luffy não se importava e não sabia por quê era tão importante assim para ela não ser vista comprando um remédio, mas ele o faria se era isso que ela tanto queria. Ele faria qualquer coisa para fazê-la se sentir melhor. Ela parecia tão preocupada. Devia estar com algo muito feio no corpo.

Mas, aparentemente, Zoro não compartilhava o mesmo pensamento. Ele parecia irritado.

"Nos arrasta até aqui do nada para comprar isso para você, não fala nada e espera que vamos lá mesmo assim? Desculpe, por que não explica isso primeiro?"

“Porque eu não tenho muito tempo!", ela chorou, “Só vão logo, caramba!”

Zoro grunhiu em frustação e Nami pediu mais uma vez.

“Por favor, Zoro. Luffy. Eu estou pedindo por favor.”

Eles finalmente entraram no estabelecimento. A farmácia tinha tons de branco e azul leve. Parecia bem limpa e organizada.

Eles deveriam ser os primeiros clientes do dia. Ainda havia um cara estranho com tatuagens nos braços e brincos nas orelhas arrumando as prateleiras.

Ele apenas os deu uma olhada de relance, não muito interessado.

Zoro falou para Luffy que iria procurar uma cerveja e instruiu ele a pedir a pílula para o cara.

Luffy então, foi até onde ele estava. Ele era bem alto e sua pele era levemente escura. Seus cabelos negros eram curtos e ele parecia ser mais velho, algo perto da idade dos seus irmãos.

Luffy não sabia dizer o que, mas algo nele chamou sua atenção. Talvez fossem as tatuagens, ou sua pele, ou sua altura. Ou tudo mesmo. Era muito... excêntrico.

“Oi, eu preciso de uma pílula.”

O homem virou o rosto para ele brevemente apenas para mover os olhos para Nami depois, sentada no banco de fora com uma faceta nervosa enquanto aguardava por eles.

Ele esboçou um leve sorriso, provocante e voltou a encarar Luffy.

“O quê?”, Luffy perguntou.

E, de novo, ele sentiu isso. Algo. Ele não sabia o quê. Fazia o sentir estranho por dentro.

“É sua namorada ali?”

“Nami?” Luffy perguntou, com surpresa. Por que ele pensaria aquilo? “Não mesmo.”

“Entendo”, Law desfez o sorriso, brevemente. Voltando sua atenção para a estante de remédios. "Pobre garota. Ela parece realmente desesperada, mas você não parece muito preocupado.”

“O que quer dizer?” Luffy não entendeu seu tom de voz. Nem o que ele estava tentando insinuar com aquilo. Ele estava insinuando algo, não estava?

“Nada. Desculpe por me intrometer. Meu tio já me falou para parar com isso... De qualquer forma, vão ser 12 reais e cinquenta centavos. Vamos para o caixa”, ele informou, se movendo em direção ao balcão, mas Luffy havia agarrado em sua camiseta e o parado no meio de seu caminho.

Ele não entendia o que estava acontecendo, mas ele viu o julgamento nos olhos do funcionário e por alguma razão, ele não queria que esse cara pensasse mal dele.

“Eu digo, eu realmente não sei o que quer dizer. Para o quê é exatamente esse remédio?”

“Fez sexo com ela e não sabe nem isso?”, o homem ergueu uma sobrancelha. “Droga, os adolescentes hoje em dia…”

Luffy franziu o cenho. Por quê? Por que ele faria sexo com Nami?  Afinal, do que esse cara estava falando?

“Não fiz sexo com ela. Nem quero. Ela é minha amiga. Não entendo nada do que você diz.”

O homem ficou estático com a boca aberta por alguns segundos e depois ele piscou e esfregou o nariz, como se não estivesse acreditando naquilo.

Ele limpou a garganta antes de perguntar: “Você realmente não sabe o que é uma pílula?”

“Não”, Luffy respondeu simplesmente.

O homem molhou os lábios e ficou pensativo por alguns segundos.

“Eu realmente não deveria me intrometer. Vocês resolvam isso sozinhos.”

“Não! Por favor, eu quero saber agora.” Luffy insistiu, curioso e o funcionário apenas mordeu os lábios e estreitou os olhos.

O olhar de Nami durante todo o trajeto até ali. A maneira estranha que o homem o estava olhando. Luffy queria entender aquilo.

“Por favor…!”

“Ok, ok. Eu só vou te contar porque não quero deixar uma adolescente do…”

“Terceiro ano”, Luffy completou.

Law ergueu as sobrancelhas, em surpresa.

“Puta merda. Certo. Estou te contando porque acho um perigo para a sociedade você sair por aí sem saber o que é isto.”

“Só fale logo!”

“É chamado de pílula do dia seguinte justamente porque é um remédio que as mulheres tomam depois de terem relações sexuais, usualmente na noite passada, para se prevenirem de terem filhos.”

Luffy arregalou os olhos, confuso.

“Nami está grávida?!”

“Não, ela não está! Ela está tentando evitar isso. É por isso que ela está comprando este remédio, bem, fazendo você comprar para ela, mas avise ela que isso não responde bem ao corpo de todas as mulheres. Especialmente quando estão passando pela puberdade. Ela deveria fazer o cara com quem ela dormiu usar a merda de uma camisinha invés disso. É mais eficaz.”

Luffy abriu a boca e acenou com a cabeça lentamente, enfim compreendo a situação. Nami fez sexo com alguém. Ela estava com vergonha de falar sobre aquilo e fez Luffy e Zoro comprarem a pílula para ele sem dizer nada.

“Ah, eu finalmente entendo agora. Obrigado.”

O homem suspirou.

“Você não prestou atenção na aula de Educação Sexual, não, garoto?”

“Acho que devo ter matado aula nesse dia.”

"Isso explica muito. Bem, vamos logo com isso. Acho que sua amiga ali vai te matar se conversamos por mais um segundo. O tempo está passando para ela, afinal.”

Luffy espiou Nami de volta, aterrorizado quando viu o quão furiosa ela parecia enquanto os encarando, de braços cruzados e os dentes cerrados, como um gato sibilando em ameaça.

Ele engoliu em seco, agarrando na roupa do funcionário de novo.

“Vamos, vamos! Zoro, cadê você?!”

O homem soltou uma risada singela, caminhando acompanhado de Luffy a passos apressados até o balcão de compra. Ele entrou por trás e fez o registro rapidamente, entregando a Luffy a sacola, e o troco depois de recebido o dinheiro.

Luffy pegou os dois com pressa, passeando os olhos pela farmácia com crescente desespero. Não agora.

“Zoro? Porra! Eu não acredito que ele se perdeu aqui!”

“Perdeu…?”

Logo o cômodo fora invadido pela presença de um homem mais alto ainda que Law, de cabelos loiros e uma expressão apavorada no rosto. Ele vinha arrastando Zoro em seu encalce, que parecia muito irritado com todo o arranjo.

“Zoro, eu finalmente te encontrei! Vamos logo! Nami vai nos matar!”

“Ele não vai para lugar nenhum, se não a delegacia! Law, ligue para a polícia, agora! Eu peguei esse jovenzinho tentando se esgueirar pela porta dos fundos depois de roubar duas caixas de cerveja!”

“Eu já disse que não ia roubar, caramba! Eu pensei que ali fosse o caixa!”

O homem das tatuagens, que deveria estar fazendo a ligação, não se extasiou tanto quanto o mais velho. Na verdade, ele havia soltado uma gargalhada alta.

“Deus, o que está acontecendo aqui hoje logo de manhã? Qual o problema de vocês dois?”

“Me desculpe. Zoro realmente não queria roubar. Olha, nós temos dinheiro!”, Luffy disse, exibindo os trocados amassados de dentro dos bolsos. “Ele realmente se perde com facilidade. Minha amiga ali fora me disse uma vez que ele é metade retardado e é por isso que isso acontece.”

O funcionário só fez rir mais ainda e Luffy o olhou em confusão. O que era tão engraçado? Ele estava contando a verdade.

“Oh, meu deus. Me desculpe.” O homem loiro falou, parecendo genuinamente arrependido e preocupado. “Mas se ele tem algo, vocês amigos dele não deveriam deixar ele beber tanto assim. Especialmente ele sendo menor de idade.”

"Eu tenho dezoito, droga!” Zoro brigou, se livrando do aperto do homem loiro. “Podemos ir agora?!”

“Sim, vocês podem. Seu amigo já me pagou” o cara de tatuagens sorriu para eles, parecendo divertido.

Zoro bufou, se afastando do homem mais velho e enfim seguindo Luffy para a saída da loja, apenas para o menor correr para dentro dela mais uma vez por deus saiba lá porquê.

Luffy podia ouvir Nami o xingando atrás da porta de vidro, mas tudo que ele conseguia pensar era no funcionário da loja, em seus olhos negros, no seu sorriso e sua risada. E como ele esqueceu por um segundo de perguntar aquilo.

"Ei, você. Qual é seu nome?"

Ele ergueu os olhos com a volta de Luffy, ligeiramente interessado.

“Eu? Bem aqui” ele indicou o nome com seu dedo apontando para seu crachá em no lado direito de seu peito.

Trafalgar Law.

“Traffy.”

“É Trafalgar.” Ele corrigiu, mas Luffy não se deu o trabalho de pronunciar correto.

“Traffy, posso te ver de novo?”

Ele levantou os olhos, em diligente surpresa, esboçou um leve sorriso e depois voltou sua atenção para o caixa, enquanto mexendo com o dinheiro.

“Por que não?”

Luffy sorriu de volta para ele, antes de ser puxado pelo braço por Nami para fora da farmácia.

“Nami, você está grávida?”

“Eu estaria se você tivesse demorado mais um segundo, idiota!”


Notas Finais


Amanhã posto o próximo :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...