História Pinecest - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Gravity Falls
Personagens Bill Cipher, Dipper Pines, Gideon Gleeful, Mabel Pines, Pacifica Northwest, Personagens Originais, Stanford "Ford" Pines, Stanley "Stan" Pines, Wendy Corduroy
Tags Gravity Falls, Incesto, Romance
Visualizações 159
Palavras 1.710
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gnt desculpem o atraso mas está aí! Nossa continuação agora com nossa querida Sophy espero que gostem beijos

Capítulo 17 - Sophia Pines


Fanfic / Fanfiction Pinecest - Capítulo 17 - Sophia Pines


                Sophia P.O.V.

6:00 PM

Estava sentada na mesa de jantar com minha mãe meu pai, minha mãe estava com seus longos cabelos castanhos presos em uma trança, que ficava bem nela, ela ainda era muito jovem, apesar de estar com seus 33 anos, estava muito bem, ela ainda é uma linda modelo dedicada a família, e meu pai, com seu cabelo castanho, com aquele corte curto bem jovial, e aquela barba por fazer que ele gostava de deixar ali, aí aí eles são tão... parecidos, mas mesmo assim seus jeitos são tão diferentes um do outro, eu acho isso realmente incrível, parece que os opostos realmente se atraem, minha mãe chega com os gardanapos, e começamos a comer, éramos uma família típica americana, eu acho graça, as vezes estou assistindo filmes de colegiais com minha mãe, e é engraçado o quão parecidos somos com aquelas famílias, pelo menos éramos, até meus 14 anos, quando eu comecei a mudar
-Hmm.... Sophy, como vai na escola? - minha mãe parecia querer dar início à uma conversa -Suas notas no último semestre estavam estavam ótimas
-Ah... vai bem - digo ao engolir uma garfada da comida que já estava em minha boca -Nada demais - digo -Tudo que me passam naquela escola é tão fácil, como se eu já soubesse de tudo - digo e fico encarando um pouco minha comida, aquele assunto não era interessante pra mim, meus pais acham e querem que eu seja a filha perfeita ao que parece, mas eu só faço o básico, eles continuam a conversar e eu não paro de encarar minha comida, ouço a porta se abrir
-Cheguei! - ouço aquela voz, me levanto e corro ao encontro da pessoa que estava na porta
-Bill! - praticamente pulo em seus braços e o abraço com força, o mesmo retribui
-Oi pequena! - ele me aperta -Como foi o dia?
-Bom! Senti sua falta - digo o abraçando
-Calma baixinha, já tô aqui - sinto o mesmo acariciar meus cabelos e depositar um beijo no alto de minha cabeça 
-Vem! O jantar tá na mesa - digo o puxando
-É... eu não tô com fome! Sério! - o olho estranho
-Você nunca está com fome Bill
-Isso é verdade! - ele sorri -Tá só um pouco então!
Sorrio e o puxo para mesa

{...}

Subo para meu quarto, pego minha toalha, vou para o banheiro, me olho no espelho, fecho a porta, tiro minha roupa e ligo a banheira, adentro a mesma e tento relaxar um pouco

-Sophia... - ouço alguém me chamar
-Hmm... sim?
-Esta no banho? - era Bill -Me desculpa é que... sua mãe pediu para eu ver se você estava bem!
-É... eu já vou sair só um instante - me apreço, saio da banheira, coloco meu roupão, esvazio a banheira e abro a porta
-Desculpa....
-Não tem problema! - sorrio 
-Mabel as vezes pode ser muito... 
-Intrometida? - digo ironicamente
-Curiosa - ele sorri
-Estamos falando igual Christian e Anastasia em 50 tons de cinza - ele me encara um pouco e mas logo não consegue conter a risada
-Você é uma garota... totalmente.... demais! - ele diz rindo, saio do banheiro com meu rolpao me cobrindo e vou em direção ao meu quarto
-Vai ficar por quanto tempo? - pergunto
-Como assim? - ele arqueia uma sobrancelha
-Você nunca fica por muito tempo! - digo indo até o closet e troco de roupa por um pijama de algodão bem macio
-Esta me mandando ir embora? - ele sorri sarcástico, estava tentando parecer triste ou magoado, mas não consegue 
-Não, eu nunca diria isso! - digo com os olhos baixos
-Ei... chuvinha de prata o que houve? - sinto o maior colocar seu indicador em meu queixo e levantar minha cabeça levemente
-N-nada.... - olho aqueles olhos amarelados dele, que me prendem naquele seu encantador rosto - Hmm.... Bill.... - ele aperta os olhos suspirando
-Você é igualzinha a sua mãe - ele diz ainda segurando meu queixo, seu olhar me prende naquilo, não consigo me mexer aquilo é quase embriagador, só aquele olhar
-Bill.... - sussurro, e finalmente sinto seus lábios nos meus, toda aquela paixão, tudo sendo posto em uma única ação, me aproximo dele, terminando o espaço entre nós, minhas mãos sobem para seu cabelo os acariciando, ouço o maior fechar a porta com algum tipo de magia, continuo a beija-lo intensamente, ele me pega no colo e vamos até a cama, ele me deita, desce suas mãos até minha cintura e a preciona contra seu corpo, me fazendo sentir sua ereção, ele tira minha blusa me fazendo ficar nua da cintura pra cima, ele para e me olha um pouco
-O.... o que estamos fazendo?.... - ele me olha confuso
-Eu.... eu não.... - ele se levanta, sai de cima de mim, fica em pé na frente da cama, passa a mão sobre os cabelos que ele tinha no meio da cabeça pois os lados estavam raspados, como se tentasse pensar em algo
-Bill.... é.... - digo cobrindo meus seios
-Meu Deus.... me desculpa! - ele estava nervoso
-Não.... Não tem problema.... - digo sorrindo meio sem jeito
-Nossa... esta frio! - ele vai até o armário e pega um cobertor -Não quero que pegue um resfriado! - ele diz ao me cobrir, querendo especificamente cobrir meus seios
-Ei.... deite comigo - peço
-Não posso... Se.... Se Dipper me vir em seu quarto ele me mata! - ele diz parecendo com um tom de preocupação
-Não.... Por favor.... só até eu dormir! - faço carinha de cachorro pidão, ele suspira e se deita ao meu lado, ele acaricia meu rosto e me olha nos olhos
-Seus olhos mudam de cor, é maravilhoso! Minha arte é mesmo surpreendente! - olho para ele estranho ele respira fundo -Quando você nasceu... É.... algo muito ruim aconteceu, algo muito ruim... que mudou nossas vidas para sempre.... então eu fiz um feitiço para... proteger vocês, a pedido dos seus pais! - ele diz e fico confusa
-Vocês? - pergunto
-Você.... perdão... você! - ele concerta rapidamente
-Me conte histórias dos seus mundos! - peço como uma criancinha
-Ok...

{...}

6:30 AM

Meu despertador toca, me forçando a levantar da cama, vou até o banheiro tomo uma ducha rápida, visto um vestido preto, meias 7/8 da mesma cor e minha bota de cano curto, pego minhas lentes castanhas e as coloco, opto por deixar meu cabelo solto, ouço alguém bater na porta
-Pode entrar! - digo me olhando no espelho
-Sophy.... - Bill entra no quarto e me encara -Uau, você... tá espetacular!
-O que tá dizendo? - ajeito meu vestido -Bateu a cabeça foi?
-Não é que.... você mudou tanto, costumava ser uma princesinha que adorava rosa - ele ri,reviro os olhos -Quando eu saia, você costumava me pedir bonecas
-Ah Bill.... Não vai chorar vai? - ele sorri
-Não é que... você mudou muito! 
Sorrio e término de colocar minha gravata azul, percebo que ele está me encarando
-O que fez com seus olhos? 
-Lentes de contato... 
-Não estão incomodando você na escola estão? - ele ajeita uma mecha de cabelo para atrás da minha orelha
-Não... Não é que... eu prefiro assim! - sorrio
-Tá, desce sua mãe fez o café - ele sai sorrindo do quarto
-Ok....
Termino de me arrumar pego minha bolsa e desço, os olhares parecem ser voltados à mim, sento em meu lugar e começo a tomar meu café da manhã
-Sophy... então... Como tá a escola? - meu pai diz tentando quebrar o silêncio 
-Bem... quer dizer, nada de diferente acontece lá! - digo após de engolir um pouco do suco de laranja
-Então.... - minha mãe tenta mas a interrompo 
-Eu... tenho que ir, se não vou me atrasar! E com certeza vocês não querem esse tipo de filha imperfeita! - digo e levanto, pego minha bolsa e me direciono até a porta
-Sophia! - meu pai levanta parecendo irritado, cerrando os punhos em cima da mesa
-Tô saindo! - digo passado pela porta, e quando a fecho já do lado de fora me apoio nela, meu deus.... eu não acredito que fiz isso! Pela primeira vez, tive coragem de dizer o que eu penso, respiro fundo e sigo meu caminho
-Ei! Shopy! 
-Vá embora Bill - digo andando 
-O que aconteceu lá dentro? Você não é assim! - ele diz
-Não importa! Eles querem uma filha perfeita, uma filha por quem eles possam se orgulhar, essa não sou eu! - digo acendendo um cigarro
-Mas que merda! - ele dá um tapa em minha mão -Qual o seu problema? Isso vai te matar! 
-E qual o problema? - digo -Vai pra casa Bill, volte e continue apaixonado pela minha mãe sabendo que ela é casada com um cara que tá na cara que você odeia! Eu preciso ir para o lugar onde eu também preciso ser perfeita! - digo faço uma reverência e continuo andando -Obrigada pela atenção! 
-Sophia!
coloco meus fones pra evitar ouvi-lo as vezes ele é ridículo!

{...}

Chego na escola já atrasada, passo por dois nerds,entro na sala e sento em meu lugar perto da janela, fico olhando para o nada esperando o tempo passar, e pensando em uma solução para eössa minha vida
-Turma... - A professora começa a falar, "parece que temos um novo aluno" e bla bla bla... ela parece estar furiosa pelo pobre coitado estar de óculos escuros, patético! 
Por que ele não tira logo os óculos e acaba com isso?
A professora continua insistindo e pronto... finalmente ele tira seus óculos e meu deus.... aqueles olhos, são iguais aos meus! Aquele cabelo castanho, parece meu pai um pouco... ele se senta e percebo que ele está na fileira ao lado da minha, ele parece irritado ou... envergonhado, consigo forçar para cutuca-lo ele me olha meio surpreso
-Ei... 
-O que foi? - pergunta
-Olhos legais! - sorro e me viro, não acredito,  uma pessoa com os mesmos olhos que eu, disfarço um sorriso e volto ao garoto
-Meu nome é Sophia, Pode me chamar de Sophy - sorrio e começo a prestar atenção na aula

{...}

Depois de algumas aulas chatas o sinal bate, todos saem, aquele garoto sai e vou atrás dele

-Ei! - digo e ele me olha
-O-o que? - ele pergunta 
-Vem comigo! - digo o puxando pelo braço,  o levo até um corredor que estava escuro e não tinha ninguém passando
-O... o que você....você...
-Shiiiiu - digo colocando um dedo na boca dele - Você usa alguma lente?
-O que? Não! 
-Tem certeza? Não pode ser real!
-Hmm... tenho! Por que? 
-Bom.... eu... Não iria mostrar isso pra ninguém mas... 
Respiro fundo e tiro uma das minhas lentes, ele fica boquiaberto


Notas Finais


Então gente foi isso, é então? Qual será a reação do Peter? Isso descobriremos no próximo capítulo beijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...