História Pirates - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jungkook, Rap Monster, Suga
Tags Bts, Piratas
Visualizações 7
Palavras 1.000
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, LGBT, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa Leitura s2

Capítulo 6 - Seis


-Então? -Pergunto, tentando dispersar o silêncio que tomou aquele lugar depois que eu terminei de contar o que me lembrava.
  -Eu quero... -Ele da uma pausa enquanto encara meus olhos. -Te beijar.
  -O que?
  -Não, te beijar não. -Jeon fala rapidamente, como se tentasse apagar o que havia respondido. -Te abraçar, eu quero te abraçar.
  Depois de consertar o que havia respondido, ele me puxa para um abraço.
  -Está melhor? -Dou algumas batidinhas nas costas dele.
  -Estou meio desnorteado. -Confessa ele desfazendo o abraço, mas segurando meus ombros. -Mas, você disse que o navio estava afundando...você planeja encontrar os escombros?
  -Depois que esse acidente aconteceu, não foram achados corpos nem nada que remetesse ao navio. -Tiro suas mãos do meu ombro e as seguro -E fora que quando eu acordei na praia, havia uma carta ao meu lado.
  -Uma carta?
  Percebi pelo seu olhar que ele está confuso e tudo bem, eu o entendo, eu também fico confusa quando tento me lembrar o pouco mais sobre esse dia.
  -Sim, uma carta e essa carta estava com a assinatura do meu pai e ela não estava molhada. -Olho para as minhas mãos e observo a linda diferença entre as minhas mãos e as dele. -Na carta tem um enigma.
  -Um enigma? -Ouso uma certa animação na voz dele. -Que enigma?
  -Sim, um enigma. -Volto meu olhar para o olhos curiosos do Jeon. -Um enigma que pelo que desvendei me leva até a Ilha das Perolas.
  Vi seu olhar ir dos meus olhos até o mar e depois voltar para o meu rosto.
  -Você está com sorte. -Falou com um sorriso travesso. -Minha próxima parada depois daqui é a Ilha das Perolas.
  -Então isso quer dizer que você vai me ajudar a achar o navio?
  -Sim, eu irei. Estava sem nada para fazer mesmo. -Ele responde enquanto se espreguiça.
  -Idiota. -Me levanto e o ajudo a se levantar. -Então, quando partimos?
  -Prefiro que me chamem de capitão. -Ele pega suas botas e eu pego as minhas e começamos a caminhar em direção a embarcação. -Se tudo der certo, hoje à noite.
  -Okay. -Paramos em frente ao navio. -Então, ao por do Sol ou quando a Lua estiver há vista de todos?
  Ele pareceu refletir.
  -Quando a Lua estiver há vista de todos, me parece bom.
  -Okay, capitão. Nos veremos novamente quando a Lua estiver há vista de todos. -Curvei e me virei pronta para ir embora, mas... -Aproposito, qual o nome dos outros dois?
  -O mais alto se chama Namjoon e o mais baixo Yoongi.
  -Pelo menos agora sei o nome de todo mundo. -Falo, fazendo ele confirmar com a cabeça. -Bom, vou indo.
  -Até logo. -Ele se despede.
  -Até.

...
  -VOCÊ VAI ME ABANDONAR NESSE INFERNO?
  Minha irmã grita comigo após eu contar a minha fuga.
  -Fala baixo. -Censuro-a. -Se alguém falar para a mãe, eu tô fudida.
  -Você realmente não vai contar pra mamãe? -Ela pergunta para logo em seguida comer um pouco do sanduiche que havíamos comprado.
  -Eu não posso. -Olho pros dois lados do parque observo a senhora que estava alimentando pombos do outro lado da praça e pras crianças que brincavam no meio da praça. -Irei deixar uma carta.

...
  -Mãe, cadê minhas blusas e minhas calças?
  Pergunto ao mesmo tempo em que olhos minhas gavetas, que estão fazias...o que ela aprontou de novo? Deixo minha bolsa na cama e vou até o primeiro andar.
  -Suas roupas velhas? -Ela levanta os olhos do livro que lia. -Joguei no lixo.
  -Você fez o que? -Pergunto indignada, não é possível que ela tenha feito isso.
   -Joguei tudo no lixo. -Ela coloca o livro no braço do sofá e me encara. -Coloquei vestidos. Estão pendurados dentro do guarda-roupa.
  -Eu não vou usar vestidos!
  Meus deuses, e agora? Eu vou ter que ir com a roupa do corpo e torcer para que os meninos tenham algum baú que contenha roupas ou tecidos.
  -Você tem que parar de se vestir como uma pirata. -Ela se levanta. -Você tem que começar a se vestir como uma mulher.
  -Você não deve ditar como devo me vestir. -Subo as escadas pro meu quarto. -Eu não sou mais uma criança e também não sou quem você quer que eu seja!
  -Você está demitida da taberna! -Ela fala quando entro no quarto.
  -O que isso tem haver com o que estamos discutindo?
  -Eu vi você conversando com aqueles vagabundos. -Micha esta na porta do quarto.
  Minha irmã não estará em casa hoje, ela vai dormir na amiga.
  -São piratas! E daí se eu estava conversando com eles? -Dou uma olhada no céu pela janela, já está de noite.
  -Você não deveria sair conversando com qualquer um quando já está comprometida com o...
  -EU NÃO VOU ME CASAR COM ELE! -Grito, esse assunto já tinha dado o que tinha que dar, ela me olha furiosamente.
  -Você ficará aqui, pensando no que acabou de falar. -Ela fecha a porta e ouso o barulho de tranca.
  Vou até a porta e tento abri-la...não abre, ela me trancou.
  -ABRE ESSA PORTA. -Começo a tentar abrir a porta e bater na mesma.
  -Aprenda que para cada atitude uma consequência.
  E então ouvi seus passos se afastando.
  -Droga. -Resmungo.
  Vou até o criado mudo e pego um papel e tinta e escrevo uma carta de despedida. Abro a janela e olho o céu, vendo que a luz já se encontra no alto, droga. Tomara que ela tenha acabado de chegar no alto, se não...não, não quero pensar no se.
  Me penduro na janela e desço pela canaleta, okay, nenhum barulho. Ouso a porta da frente ser aberta, me escondo na moita. Depois de alguns minutos a porta volta a ser fechada. Me levanto meio hesitante e corro, corro sem nem ao menos olhar para trás.

...
  Chego no porto e me curvo, me apoiando nos meus próprios joelhos, tomando folego.
  -Estava prestes a levantar ancora. -Ouso uma voz familiar.
  Volto a minha posição normal e vejo Jungkook oferecendo a mão para mim, aceito-a.


Notas Finais


Desculpem a demora :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...