História Plano B - Um plano de amor - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias La Casa de Papel
Tags La Casa De Papel, Nairobi, Professor, Raquel Murillo, Sérgio Marquina
Visualizações 226
Palavras 850
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá a todxs! Um novo personagem entra história, mais para frente darei maiores detalhes sobre como ele é.
Agradeço que estejam acompanhando e espero que gostem.
Boa leitura!!!

Capítulo 8 - Mães


Fanfic / Fanfiction Plano B - Um plano de amor - Capítulo 8 - Mães

Palawan

- Está pronta?

- Prontíssima! - Afirmou Nairóbi a Sérgio.

- Vamos, porque a viagem é um pouco longe. Raquel você não vem?

- Pensei que ia só vocês dois.

- Não, é importante que você esteja presente. - Disse Sérgio segurando nas mãos de Raquel. Nairóbi observava a cena com alegria e riso, pois nunca tinha visto o Professor assim.

Manila

Duas horas depois os três chegaram a um pequeno restaurante de frente para o mar. O dia não estava muito quente, pois ventava muito na cidade, quando o dia era assim normalmente chovia a noite. Eles entraram no restaurante e Sérgio indicou uma mesa que ficava nos fundos do restaurante, um local bem discreto por sinal.

- Olá Sérgio, que bom te ver!

- Digo o mesmo. Senhoritas esse é o Thomas, um amigo meu. - Disse Sérgio apresentando as pessoas. O rapaz cumprimentou a duas mulheres com um aperto de mão e pediu que elas se sentem.

- Thomas é advogado, ele é a pessoa que nos ajudará no nosso plano.

- O Sérgio não me deu muitos detalhes sobre os casos, mas acredito que o seu caso Raquel é o mais complicado.

- O meu caso? - Questionou Raquel arqueando as sobrancelhas.

- O caso da guarda da sua filha, o Sérgio me contou.

Raquel olha para Sérgio sem entender. - Você contou para ele?

- Sim, eu contei. Eu sou responsável por você perder a guarda da sua filha e vou consertar isso. - Afirmou Sérgio. Raquel ficou emocionada e o abraçou. Não esperava isso, mas uma vez Sérgio estava a surpreendendo.

- Como eu dizia, Raquel o seu caso é o mais delicado. Me parece que há muitos argumentos a favor do seu ex-marido. Vai ser difícil nos defender.

- Eu sei, já tentei rever a decisão duas vezes e perdi. - Disse Raquel.

- Penso que temos que ser estrategistas. Começamos o jogo perdendo e tecnicamente não temos muitas chances de mudar o placar. Por isso, ao invés de nos defender devemos atacar. - Afirmou Sérgio com sorriso que Nairóbi conhecia muito bem dos dias em Toledo.

- Não entendendo. O que quer dizer? - Perguntou Raquel.

- Ao invés de tentarmos atestar que as provas contra você são falsas, vamos apresentar provas contra o Alberto. - Disse Sérgio.

- Não sei, ele é muito bem visto socialmente. É o herói do assalto da Casa da Moeda. - Afirmou Raquel com descontentamento.

- Nesse caso, teremos que criar provas contra ele. - Disse Thomas olhando para Sérgio que acenou com a cabeça concordando. Raquel ficou intrigada, mas não falou nada.

- E o meu caso, o que pensa dele? - Questionou Nairóbi a Thomas.

- Seu caso é bem mais fácil. Precisamos apenas de um familiar para revogar a adoção.

Nairóbi riu das palavras do rapaz. - Um familiar? Não há familiar, sou filha única e meus pais já morreram. O rapaz a fitou sem graça.

- Por alguns milhões de dólares qualquer pessoa pode ser uma tia ou avó. - Afirmou Sérgio.

- Vai pagar alguém fingir ser parente da criança? - Questionou Raquel a Sérgio.

- Se for preciso sim.

Tempo depois Sérgio e Thomas foram para fora do restaurante enquanto Raquel e Nairóbi permaneceram na mesa.

- Você já falou para Raquel sobre o que estamos fazendo? - Perguntou Thomas a Sérgio.

- Não.

- Olha, ela parece uma boa pessoa, não deveria mentir para ela.

- Raquel nunca aceitaria. - Afirmou Sérgio arrumando os óculos.

- Por isso mesmo, quando ela souber vai te odiar. - Concluiu Thomas.

Na mesa, Raquel e Nairóbi conversam, porém observam os dois homens que estão do lado de fora do restaurante.

- O que achou?

- Um puta gato! - Disse Nairóbi sorrindo.

- Não falava disso, me refiro a proposta de recuperar o seu filho. - Disse Raquel enquanto tomava um gole de vinho.

- Ah, é isso. Me parece arriscado, mas eu confio no Professor.

- Eu sinto que tem alguma coisa que eles não disseram.

- Por que?

- Não sei, pressentimento. - Afirmou Raquel.

Depois do almoço Sérgio, Raquel e Nairóbi retornaram para Palawan, combinaram de encontrar com Thomas dentro de dois para dar prosseguimento a guarda das crianças. Durante o trajeto vieram todos calados.

- Essa viagem é cansativa, estou com dor de cabeça - Disse Raquel ao descer do carro.

- Um bom banho vai te ajudar. - Disse Sérgio.

- Foi um prazer passar o dia com vocês, mas eu já vou. - Disse Nairóbi.

- Como assim? Olha esse tempo, não vê que vai cair um temporal. - Afirmou Sérgio.

- Professor, eu não sou feita de açúcar.

- Ele tem razão, não parece seguro. - Concordou Raquel com Sérgio.

- Agradeço a preocupação, mas eu já incomodei bastante vocês dois.

- Você não incomoda. - Respondeu Sérgio.

- Obrigada Professor, mas sabe de uma coisa, eu não estou disposta a ficar ouvindo vocês dois transando. - Disse Nairóbi com um leve sorriso. Raquel e Sérgio ficaram constrangidos, porém deram risada quando se olharam.


Notas Finais


Curiosidade: Manila é a capital da Filipinas e Palawan uma das ilhas que pertencem ao país.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...