1. Spirit Fanfics >
  2. Play >
  3. Une

História Play - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Une


   Alguma coisa estava errada, eu soube disso no momento em que entrei pela porta. Com uma mão acendi a luz, jogando minha bolsa sobre o sofá com a outra. Depois do corredor mal iluminado, o brilho repentino era deslumbrante. Luzinhas passaram diante dos meus olhos. Quando elas limparam tudo o que vi foram os espaços... Espaços onde, esta manhã, as coisas tinham estado.

   Como o sofá.

   Minha bolsa caiu no chão e tudo veio caindo para fora, tampões, moedas soltas, canetas e maquiagem. Um bastão de desodorante rolou para o canto. O canto agora vazio desde que a TV e a estante tinham ido embora. Minha mesa retrô do brechó e cadeiras permaneceram, o mesmo com a minha estante de livros transbordando. Mas a maior parte da sala estava nua.

— Skye? — Nenhuma resposta. — Que diabos houve? — Uma pergunta estúpida, o que aconteceu aqui era óbvio. À minha frente, a porta da minha colega de quarto estava escancarada. Nada além de escuridão e poeira lá. Nenhum ponto de negar isso.

   Skye tinha caído fora.

   Meus ombros caíram quando o peso de dois meses de aluguel atrasados, alimentos e utilidades vieram esmagando para baixo sobre mim. Até a minha garganta apertou. Então, isso é o que se sentia ter uma amiga te fodendo. Eu mal podia respirar.

— Lydia, pode me emprestar o seu casaco de veludo? Eu prometo que vou... — Teresa, a minha vizinha do apartamento ao lado caminhou para dentro (bater nunca tinha sido seu estilo), então, como eu, ela parou. — Onde está o seu sofá?

Eu respirei fundo e soltei lentamente. Não ajudou em nada.

— Acho que Skye o levou.

— Skye foi embora? — Minha boca se abriu, mas realmente, o que havia de dizer? — Ela se foi e você não sabia que ela estava indo embora? — Teresa inclinou a cabeça, fazendo a massa de cabelos longos escuro, balançar para lá e para cá. Eu sempre invejei aquele cabelo. O meu era loiro morango e fino. Se passasse da altura dos ombros pendurava mole como se tivesse preso a minha cabeça em um balde de graxa. É por isso que eu não costumava deixá-lo crescer mais do que o comprimento da mandíbula.

Não que o cabelo fosse importante.

Pagar o aluguel era importante.

Ter o que comer era importante.

Estilos de cabelo? Nem tanto.

Meus olhos ardiam, traição atormenta como uma vadia. Skye e eu tínhamos sido amigas durante anos. Eu confiava nela. Nós tínhamos conversas fiadas sobre meninos e compartilhamos segredos, choramos nos ombros uma da outra. Isso simplesmente não fazia sentido.

Só que fazia.

Isso tão dolorosamente fazia.

—Não — Minha voz soava estranha. Engoli em seco, limpando a garganta. — Não, eu não sabia que ela estava indo embora.

— Estranho. Vocês duas sempre pareciam se dar muito bem.

— Sim.

— Por que ela saiu desse jeito?

— Ela me devia dinheiro — Admiti, ajoelhando-me para recolher o conteúdo da minha bolsa. Não para orar a Deus. Eu tinha desistido dele há muito tempo.

Teresa suspirou.

— Você está brincando. Essa puta!

— Querida, estamos atrasados — Minho, meu outro vizinho, encheu o caminho da porta, os olhos impacientes. Ele era um cara alto bem construído apesar de áspero. Normalmente, eu invejava Teresa pelo seu namorado.

— O que está acontecendo? — Ele perguntou, olhando ao redor. — Hey, Lydia.

— Hey, Minho.

— Onde estão as suas coisas?

Teresa jogou as mãos no ar.

— Skye levou as suas coisas!

— Não — Eu corrigi. — Skye levou suas coisas. Mas ela levou o meu dinheiro.

— Quanto dinheiro? — Minho perguntou, o desagrado baixando a voz.

— Bastante — Eu disse. — Estive cobrindo-a desde que ela perdeu o emprego.

— Droga — Minho murmurou.

— Sim — Sério, sim.

Peguei minha bolsa e abri. Sessenta e cinco dólares e uma moeda brilhante de vinte e cinco centavos solitária. Como eu tinha deixado isso chegar tão longe? Meu cheque de pagamento da livraria tinha ido embora e meu cartão de crédito estourou. Allison tinha precisado de ajuda ontem para pagar por seus livros e de jeito nenhum eu iria deixá-la sem. Ter minha irmã na faculdade vem em primeiro lugar.

Esta manhã eu disse a Skye que precisávamos conversar. Todo o dia eu me senti horrível sobre isso, meu estômago revirava. Porque a verdade é que, em suma, a minha palestra envolvia dizer-lhe que ela precisava pedir para seus pais, ou seu novo pomposo namorado idiota, um empréstimo para me pagar de volta. Eu não podia manter nós duas alojadas e alimentadas por mais tempo, enquanto ela procurava um novo emprego. Então, ela também precisava falar com um deles sobre um lugar para ficar. Sim, eu estava chutando-a para o meio-fio. A culpa pesava no meu estômago como uma pedra.

Realmente irônico.

Quais eram as chances dela sentir qualquer remorso por me ferrar? Pouco provável.

Terminei de recuperar o conteúdo da minha bolsa e fechei-a firmemente.

— Ah, sim, Teresa, o casaco está no meu armário. Pelo menos eu espero que esteja. Sirva-se.

O aluguel venceria em oito dias. Talvez eu pudesse fazer um milagre. Havia com certeza alguém lá fora com mais experiência, com dinheiro na poupança no banco, aos vinte e três anos. Pelo menos um deles deveria precisar de um lugar para ficar? Eu estaria saindo bem antes disso. Mas, não tinha algo que constantemente minha irmã ou eu precisávamos mais do que estabilidade financeira futura. Livros, roupas, uma noite na cidade, todos esses pequenos mimos que fizeram valer a pena viver. Nós já tínhamos sacrificado bastante. No entanto, lá estava eu, quebrada e de joelhos.

Acho que eu deveria ter priorizado melhor. Retrospectiva é uma merda.

O pior cenário possível, que eu provavelmente poderia ver ao longe, era dormir no chão do quarto do dormitório de Allison se fôssemos super dissimuladas. Deus sabe que a nossa mãe não tinha dinheiro. Pedir-lhe ajuda estava fora de questão. Se eu vendesse as pérolas da minha tia-avó, isso poderia ajudar na direção do depósito em outro apartamento, um menor que eu poderia pagar por conta própria.

Eu corrigiria isso de alguma forma. Claro, que faria. Corrigir merda era a minha especialidade.

E se eu alguma vez visse Skye novamente eu iria fodidamente matá-la.

— O que você vai fazer? — Minho perguntou, encostado no batente da porta.

Pus-me de pé, tirando a poeira dos joelhos de minhas calças pretas.

— Eu vou dar um jeito. —Minho me deu uma olhada e eu devolvi tão calmamente quanto podia. A próxima coisa que saísse da sua boca era melhor que não fosse pena. Meu dia tinha sido horrível o suficiente. Com grande determinação, dei-lhe um sorriso. — Então, onde vocês estão indo?

— Festa no Scott e Kira — Teresa respondeu de dentro do meu quarto. — Você deve vir com a gente.

Kira, irmã de Minho e ex-colega de quarto de Teresa, tinha se casado com Scott McCall, o deus do rock e principal guitarrista da banda Stage Dive, há alguns meses atrás. É uma longa história. Eu ainda estava tentando colocar minha cabeça em torno disso, francamente. Um minuto, ela tinha sido a boa moça coreana da porta ao lado que foi para a mesma faculdade com Allison e fazia um café divino no Ruby’s Café. No próximo, o nosso bloco de apartamentos havia sido cercado por paparazzi. Skye tinha dado entrevistas no degrau da frente. Eu escapulia pelos fundos.

Principalmente, a minha relação com Kira tinha envolvido dizer “oi” na escada, quando ela morava aqui, e com ela me dando um café enorme no Ruby’s Café, todas as manhãs no meu caminho para o trabalho. Nós sempre tínhamos sido amigáveis, mas eu não diria que éramos exatamente amigas. Dada a propensão de Teresa por emprestar as minhas roupas, eu a conhecia muito melhor.

— Ela deveria vir, certo, Minho?

Minho grunhiu sua afirmação. Isso ou o seu desinteresse. Com ele era meio difícil de dizer.

— Tudo bem. — Contrariei. Detritos cobriam as paredes, onde o sofá e o armário tinham estado; toda coleção de lixo que Skye tinha juntado e deixado para trás. — Eu tinha um novo livro para ler, mas provavelmente devo começar a me ocupar da limpeza. Acho que não tenho tirado o pó dos móveis por um tempo. Pelo menos não vou ter muito que mover quando chegar a hora.

— Venha com a gente.

— Teresa, eu não fui convidada.

— Nem nós somos na metade das vezes — Minho disse.

— Eles nos amam! Claro que nos querem lá — Teresa ressurgiu do meu quarto e deu ao seu namorado um olhar de desaprovação. Ela parecia melhor na jaqueta preta vintage do que eu jamais ficaria; um fato que escolhi não odiá-la secretamente por isso. Se isso não me ganhar pontos no céu, então nada faria. Talvez eu desse a ela como um presente de despedida antes de eu sair.

— Vamos, Lydia — Ela disse. — Kira não vai se importar.

— Pronta para ir? — Minho sacudia as chaves do carro, impaciente.

Se embebedar com estrelas do rock não parecia a reação adequada para o aprendizado que você logo estará na rua. Talvez um dia, quando eu estiver reluzente, animada no meu melhor, eu podia pavonear-me e dizer oi. Esse dia não era de hoje. Principalmente porque me sentia cansada, derrotada. Tendo em conta que eu estava me sentindo assim desde que fiz dezesseis anos, não era a mais forte das desculpas. Teresa não precisa saber disso, no entanto.

— Obrigada, pessoal — Eu disse. — Mas cheguei em casa só agora.

— Hum, querida, a sua casa é uma merda nesse momento — Teresa disse, encarando a poeira e a falta de decoração com um olhar arrebatador. — Além disso, é sexta-feira à noite. Quem fica em casa numa sexta à noite? Você vai vestindo o seu uniforme de trabalho ou vai saltar em um jeans? Eu sugiro os jeans.

— Teresa...

— Não.

— Mas...

— Não — Teresa agarrou meus ombros e me olhou nos olhos. — Você foi ferrada por uma amiga. Não tenho palavras para dizer como isso me deixa furiosa. Você vem com a gente. Esconda-se em um canto a noite toda, se quiser. Mas você não vai ficar aqui sentada sozinha nessa residência por causa da ladra puta. Você sabe que eu nunca gostei dela.

Estupidamente, eu sabia. Ou tinha certa desconfiança. Tanto faz.

— Eu não disse isso, Minho?

Minho deu de ombros e chacoalhou suas chaves um pouco mais.

— Vá. Prepare-se — Teresa me deu um empurrão na direção ao meu quarto.

Em minha atual situação, essa poderia ser minha única oportunidade de conhecer Scott McCall. Kira ainda aparecia aqui de vez em quando, mas eu nunca o tinha visto, apesar de ocasionalmente "aparecer" no andar, por via das dúvidas. Ele não era absolutamente o meu favorito dos quatro membros do Stage Dive. Essa honra estava reservada para o baterista, Stiles Stilinski. Alguns anos atrás, eu tinha uma queda forte por ele. Mas ainda assim... O Scott McCall. Para ter a oportunidade de conhecer, mesmo apenas um deles, eu tinha que ir. 

— Tudo bem, me dê dez minutos — Era o período de tempo mínimo em que eu poderia mentalmente, se não fisicamente, me preparar para enfrentar os ricos e famosos. Felizmente, o meu fator de cuidado agora estava perigosamente perto do nível de foda-se. Hoje à noite, provavelmente, seria o melhor momento para conhecer o Sr. McCall. Eu poderia realmente conseguir manter a calma e não ser um desperdício de espaço boquiaberta.

— Cinco minutos — Minho disse. — O jogo vai começar.

— Quer relaxar? — Teresa perguntou.

— Não — O homem fez um estalo e Teresa riu.

Eu não olhei para trás. Eu não queria saber. As paredes aqui eram muito finas, e repugnantemente os hábitos de acasalamento noturnos de Teresa e Minho não eram muito um segredo. Felizmente eu estava normalmente no trabalho durante o dia. Essas horas eram um mistério para mim, e não um que eu pensava.

Oh, tudo bem. Ocasionalmente pensava, porque eu não tinha conseguido qualquer coisa não-auto-induzida por um tempo. Além disso, aparentemente, eu tinha algumas tendências voyeurística reprimidas.

Eu estava realmente indo para uma noite assistindo casais se esfregando um contra o outro?

Eu poderia ligar para Jackson, porém ele disse que tinha um encontro hoje à noite. Claro, ele sempre tinha um encontro. Jackson era perfeito em todos os sentidos, além de suas tendências, rodado para resumir. Meu melhor amigo era um cara que gostava de espalhar seu amor por aí, para dizer o mínimo. Parecia estar relacionado diretamente com a maior parte da população feminina de Portland, com idade entre 18-48. Todas, exceto eu, basicamente.

O que era bom.

Não havia nada de errado em sermos apenas amigos. Embora algum dia eu realmente tivesse acreditado que nós faríamos um ótimo casal. Ele era tão fácil de estar ao redor. Com tudo o que tínhamos em comum, podemos ir longe. Nesse meio tempo, eu estava disposta a esperar, fazendo as minhas próprias coisas. Não que ultimamente estivesse fazendo alguma coisa ou algo, mas você entendeu o que eu quis dizer.

Jackson me ouviria choramingar sobre Skye. Ele provavelmente até mesmo cancelaria seu encontro, viria e me faria companhia enquanto eu me lamentava. Ele, no entanto, definitivamente, diria “Eu bem que avisei.” Quando descobriu que eu a estava cobrindo, ele não ficou feliz. Abertamente acusou-a de me usar. Acabou que ele tinha estado 110% certo a esse respeito.

O ferimento, no entanto, era muito cru para ser cutucado e empurrado. Então... Jackson não. Com toda a probabilidade, Allison me daria exatamente o mesmo chute na bunda que Jackson daria. Tampouco tinham sido um fã dos planos de economia de Skye. Decisão tomada. Eu iria para a festa e me embebedaria antes do meu mundo virar uma merda.

Excelente. Eu poderia fazer isso.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...