História Playground-Imagine Jeon Jungkook-BTS - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Agust D / Suga
Visualizações 229
Palavras 1.607
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Voltei! Os próximos só na Quinta a noite, será o período que geralmente irei postar daqui pra frente!
Como já devo ter mencionado, minha semana de provas começou, então se eu ficar sem postar por favor entendam :3
Espero que gostem e fiquem com o capítulo!

Capítulo 13 - Capítulo 13- O piquenique; Kookie, eu te achei?!


Fanfic / Fanfiction Playground-Imagine Jeon Jungkook-BTS - Capítulo 13 - Capítulo 13- O piquenique; Kookie, eu te achei?!

Capítulo 13-

Ai, que dia entediante, parece que as horas não passam nunca!

Era um dia quente , mas bem calor mesmo. Havia uma brisa suave agradável e eu estava derretendo dentro de casa. Eu queria me encontrar com os garotos ou sair, mas eles não me procuraram, então deixei quieto. Decidi ir pro centro tomar um sorvete.

Fui assim ( foto do capítulo ) , mas logo quando ia sair de casa, a campainha tocou. Seria um milagre?

Abri a porta lentamente e dei de cara com o Tae parado, sorrindo. Ele usava uma camiseta básica branca, uma calça jeans, um boné preto e um tênis creme.

-Ah, oi, Tae!- falei meio receosa, ele não falava comigo há muito tempo – Tudo bem?

-Oi, tudo ótimo! – disse sorrindo grande, ele estava bem agitado – E com você?

-Eu to muito bem, obrigada. – disse- V-Você quer entrar...? – abri um pouco mais a porta

-Não, é só que eu queria saber se está ocupada, agora.- ele falou curtamente

- ( balancei a cabeça negativamente sorrindo ) Eu estava indo na realidade pro centro, tomar um sorvete pra matar o tempo. Quer ir junto? 

Capítulo 13-

Ai, que dia entediante, parece que as horas não passam nunca!

Era um dia quente , mas bem calor mesmo. Havia uma brisa suave agradável e eu estava derretendo dentro de casa. Eu queria me encontrar com os garotos ou sair, mas eles não me procuraram, então deixei quieto. Decidi ir pro centro tomar um sorvete.

Fui assim ( foto do capítulo ) , mas logo quando ia sair de casa, a campainha tocou. Seria um milagre?

Abri a porta lentamente e dei de cara com o Tae parado, sorrindo. Ele usava uma camiseta básica branca, uma calça jeans, um boné preto e um tênis creme.

-Ah, oi, Tae!- falei meio receosa, ele não falava comigo há muito tempo – Tudo bem?

-Oi, tudo ótimo! – disse sorrindo grande, ele estava bem agitado – E com você?

-Eu to muito bem, obrigada. – disse- V-Você quer entrar...? – abri um pouco mais a porta

-Não, é só que eu queria saber se está ocupada, agora.- ele falou curtamente

- ( balancei a cabeça negativamente sorrindo ) Eu estava indo na realidade pro centro, tomar um sorvete pra matar o tempo. Quer ir junto? 

-Ah, eu vim aqui pra te convidar pra fazer um piquenique... – falou desanimado – Mas  vou sim junto, se quiser ir pro centro.

-Ah não, eu acho piqueniques muito amorzinhos – ele sorriu vitorioso- Podemos fazer um, sim. Mas aonde?

-Eu pensei em ser lá em casa, no quintal, queria te conhecer melhor, sei lá... – ele disse tremendo – Mas pra não desperdiçar esse dia lindo, pode ser num parque, também.

-Por mim tanto faz, mas pra conversar seria melhor num lugar mais reservado, mesmo. Os meninos vão estar?- perguntei me fingindo de desinteressada, mas queria saber se o Hobi iria...

-Não, se importa de ser só nós dois? Queria me desculpar por estar me portando meio mal com você, não sei o que deu em mim, mas quero que continuemos amigos, como somos. Queria retomar contato. – ele pareceu nervoso quando terminou

-Ah, claro, percebi que andou meio distante , mas vamos sim colocar o papo em dia! O lanche deve estar delicioso, estou faminta! – disse, tranquei a casa e fomos

Quando chegamos a casa parecia estar vazia, ele estendeu a toalha, e arrumou tudo num ritmo bem acelerado, me fazendo rir um pouco. O dia estava muito, mas muito brilhante.

-Prontinho! –ele falou meio cansado – Terminei.

-Está lindo! Mas porque teve tanta pressa,assim? – disse me sentando

-Não queria te deixar esperando. Já me desculpei com você, não é? – falou contando algo nos dedos, ele estava meio estranho

-Taehyung, você está meio esquisito, tem algo te deixando desconfortável? – perguntei

-Ah não imagina, é só que eu sou muito atrapalhado. – sorriu – Te incomoda?

-Claro que não, bobinho, é sua personalidade, fica engraçadinho. – ri – É muito preocupado com o que os outros pensam, não?-abocanhei um sanduíche de geléia

-Na verdade, sou um pouco. – riu – Não sei o porque, ninguém nunca me julgou.Você é a primeira garota com quem tenho uma relação digamos que mais próxima – fez aspinhas com os dedos – Por isso me esforço.

-Nunca namorou? – falei lambendo os dedos

-Já, mas – comeu uma batatinha – Foi no colegial, ainda. Nada muito elaborado. – sorriu- E você, já?- disse curioso

-Bem, já...- falei constrangida – Com um garoto chamado Xiumin, logo quando cheguei aqui na Coréia.

-Você não morava aqui, antes?

-Não, sou brasileira. – sorri- Saí de lá porque queria expandir meus horizontes. Mas meus pais foram contra, desaprovaram desde quando eu só comentava que gostava daqui, eles sempre foram muito apegados a mim. – encarei o sanduíche, meio triste – Mas mesmo assim a mudança foi muito boa e renovadora pra mim.

-Ah, que legal, você é bem corajosa , então! – disse sorrindo, parecia me admirar – Queria enfrentar as coisas assim e me jogar de cabeça como você faz.

-Não fiz uma grande coisa. – rebati indiferente, pegando uma batatinha , também

-T- Talvez eu não deva perguntar isso, até porque já são águas passadas,mas posso saber, se não for incômodo, o porque de ter terminado com o tal de “Xiumin”?

-Bem. – falei- Eu não guardo rancor, essas coisas do passado não me afetam muito, pode saber sim. – sorri leve – Nós rompemos porque como vocês, ele também tinha um grupo de amigos, que vivia grudado, sempre viajando, não dava muito bola pra mim e além disso o flagrei nos beijos com uma tal de “Tzuyu”. Ela não sabia que ele me namorava. Deu tanto rolo... – ri

-Nossa, eu sinto muito, que covarde! – falou indignado , até mais que eu – Esse aí não merece nem um centímetro seu, acredite. – abocanhou um queijo

-Obrigada!- disse , corando – Mas eu fiquei feliz, em parte , por saber disso. Talvez eu tivesse até agora com um cara super idiota que  seria capaz de fazer uma coisa dessas não só comigo, mas com qualquer outra garota. – comi um morango

-Concordo. – assentiu – Tudo é pra ser. Mudando de assunto, com quantos anos veio pra cá?

-Logo quando completei 18!

-Que apressada! – ri – Você é realmente mais do que eu pensava. É muito corajosa e forte.

-Forte..?

-É. Eu sou muito sentimental, sabe? Do time do coração. Não conseguiria passar por isso e mais uma mudança de país pra outro sem minha trupe. – ri da forma que ele se referia aos seus pais – Tem irmãos?

-Não. Quer dizer, tenho você , Josh, não é? – riu

-É mesmo.

-Mas e você, tem? – perguntei me deitando, ele deitou do meu lado, virei pra ele

-Tenho. Dois irmãos mais novos. Amo crianças. – ele disse fazendo aegyeo , me fazendo apertar suas bochechas –

-Eu também curto bastante, são tipo...

-Mini seres!- exclamamos ao mesmo tempo rindo. Nós combinávamos.

- Mas e aí, qual sua relação com o parquinho...? – TaeTae falou e eu logo mudei de expressão

-Ah, isso... – disse entristecida – Bem, é uma longa e trágica, pelo menos pra mim, história.

-Pode me contar, caso se sinta a vontade. Gosto de histórias. Mesmo que sejam tristes,você pode ficar todo o brigadeiro, depois.- sorrimos

-Ok, mas depois não diga que não avisei que possa te desanimar, ta bom? – ele assentiu –Tudo começou quando tínhamos 4 anos. Eu já morei aqui antes de completar os 18, mas fiquei só por 8 anos, por isso manjo de coreano. – ri – Caso contrário, não estaria aqui. Bem, continuando, eu fiz um melhor amigo, eu não lembro o nome dele. Nossas mães se deram bem em questão de minutos e assim fomos ficando cada vez mais próximos, participando do cotidiano um do outro, quase todos os dias sem exceção. Nós nos entendíamos e nos amávamos. Apelidamos nossa amizade de “Dupla de Caramelo” – V fez um aigooo, sorrindo - , fazíamos riscos em formato de castelo no braço pra lembrar, comemorávamos sempre com Kinder’s Ovos e éramos shippados até pelos professores, que nos adoravam por não conversarmos e sermos afastados dos outros colegas, tínhamos nosso próprio mundo. Éramos especiais, diferentes, sabe? Mas na época, eu era muito imatura. Conforme eu fui sabendo dessas coisas de namorar, eu fiquei envergonhada da forma de como nos relacionávamos, digo, tomávamos banho juntos, e essas coisas meio estranhas. – ele corou – Eu fui pedindo pra nos afastarmos, porque já maliciavam muito o fato de nosso ponto de encontro no recreio ( ele era 5 meses mais velho que eu, mas mais infantil , eu era mais adiantada ) Ser o tobogã do parquinho. Ele dormia na minha casa: Cortei. Ele tomava banho comigo: Cortei na hora! Nós até compartilhávamos segredos, isso, eu também impus que parássemos. Fui querendo novas amizades, entrei pro grupinho de patricinhas que o zoavam pra ter amigas meninas e dei o maior e mais triste e fdp fora do mundo nele. Ele chorou, e eu também. Nós tínhamos toda uma história, e por ganância eu destruí tudo. Depois dessa,eu nunca me perdoei nem tive ele de volta. Ele tinha me dispensado pra sempre. Eu tentei milhares de vezes perdão, mas ele já estava em outra, magoado, e descobriu que era melhor ficar com garotos de sua idade. Eu faria de tudo pra nunca ter feito isso.

-...- ele ficou em silêncio, processando tudo impactado – Wow. Que pesado... –ele pensou mais – Eu nem sei o que dizer, to sem palavras, foi mal... – riu nervoso

-Não precisa dizer nada, já sou grata por me ouvir. – sorri –Hoje, procuro por ele... As vezes acho que hoje em dia só namoraria ele, o procuro sempre. Por acaso, você não... Seria ele? – brinquei, ele arregalou o olho, parecia estar pensando, mas olhando pra mim

-Sim... eu acho que sim.

Paralisei incrédula.

 


Notas Finais


E aí?O que acham? :D
Até Quinta!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...