História Please Don't Forget That I Love You! - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Bangtan Boys, Bts, Jeon Jungkook, Jikook, Jimin, Jimin!top, Jungkook, Jungkookbottom!, Lemon, Longfic, Park Jimin
Visualizações 215
Palavras 4.671
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oieeee gente, tudo bom????

Demorei um pouco neeh, maaas aqui está o cap, espero que vocês gostem!!

Até as notas finais.

Capítulo 13 - Flashback Three


Fanfic / Fanfiction Please Don't Forget That I Love You! - Capítulo 13 - Flashback Three

JUNGKOOK POV 

 

As aulas hoje passaram muito rápido, porém eu não voltaria para casa tão cedo, afinal meu castigo começava hoje. 

Ontem à noite quando cheguei em casa, eu fiz de tudo para ocultar o que tinha acontecido de minha omma, lógico que essa parte foi fácil, o problema era que eu estava com a consciência pesada. Hoje pela manhã eu precisava das uma desculpa afinal eu iria chegar mais tarde, disse à ela que eu iria chegar mais tarde em casa porque teria que ajudar um amigo que estava indo mal. Bem isso não foi uma mentira, porém também não foi verdade, de qualquer modo ela não ligou, ela apenas disse que queria saber o porquê de eu querer gastar meu tempo com isso, já meu appa mandou eu tomar cuidado. 

Eu já tinha recebido uma lista de obrigações atribuídas à mim no dia de hoje, ela era assustadora, nem tanto, mais para mim que nunca tinha feito nada na vida sem ser arrumar meu quarto, realmente era assustadora. 

O Tae me disse que a detenção dele só começaria semana que vem, fiquei super irritado, que mundo injusto. Ele estava todo felizinho porque eu iria passar uma hora a mais com Park Jimin, contudo eu corto as asas dele dizendo que hoje eu não iria nem pensar em vê-lo, afinal eu só tenho que aturar ele três vezes por semana. 

Quando finalmente o Tae resolveu ir para a casa eu pude começar a me preparar para a limpeza, fui até o vestiário e me troquei (sim eu tinha levado uma roupa velha para isso, eu não queria voltar todo sujo, nem podia).

Peguei em minha mochila a listinha e dou uma olhada básica para me decidir o que faria primeiro, já que haviam três atividades na de hoje que eram elas: 

1. Organizar e tirar pó dos livros da biblioteca. 

2. Limpar e jogar o lixo das salas do primeiro andar. 

3. Limpar o ginásio e vestiário masculino. 

“Puta que pariu! Que horas que eu vou chegar em casa hoje?” 

Resolvo começar pelas salas já que essa tomaria mais tempo, contudo era a mais simples já que não exigiria tanto cuidado como nos livros e nem tanto esforço como naquele ginásio imenso. Haviam um total de oito salas naquele andar sem contar com a diretoria, pedagogia, secretária entre outras salas desse tipo. Acredito eu que não é preciso limpar essas, já que em ambas contém documentos e coisas importantes que um simples aluno como eu não possa ver ou mexer. 

A escola estava praticamente deserta se não fosse por alguns funcionários como o zelador, a bibliotecária, e o sr Oh. Fui até a dispensa atrás do zelador que logo me entregou todo o material que eu iria precisar para o dia de hoje, agradeço e desço para dar início ao meu trabalho.

As turmas que haviam no primeiro andar eram os “problemáticos”, aqueles que precisavam de uma atenção reforçada ficando bem perto da diretoria.

Volta e meia o sr Oh passava para ver se eu estava fazendo o que me foi ordenado ou se estava enrolando, eu estava em uma situação desconfortável. Mal terminei a terceira sala e já estava exausto, fui para a quarta sala, aquilo estava uma zona, dava até para questionar se eram pessoas que estudavam ali. 

“Malditos pirralhos do primeiro ano, queria saber se eles iriam deixar essa zona se fossem eles mesmos que arrumassem!” 

Troquei o lixo e coloquei as carteiras amontoadas em um canto da sala e comecei a varrer para em seguida lavar. No meu ver isso tudo era desnecessário, afinal amanhã essa merda vai estar do mesmo jeito se não pior. 

Eu demorei quase uma hora para terminar todas as salas, não foi tão complicado e nem muito demorado, afinal era só o trocar o lixo e limpar a sala (ninguém me disse para organizar de novo e eu não vou perder meu tempo fazendo coisas que não me fora dito para fazer). Em seguida peguei meu carrinho com os produtos para a limpeza e fui em direção à biblioteca. Deixei o carrinho um pouco antes da porta, peguei alguns panos úmidos e outros secos e entrei na biblioteca. 

A primeira coisa que fiz foi organizar os livros devolvidos em seu devido lugar. 

“Caramba, eu sempre vim à essa biblioteca, mas ela nunca pareceu tão grande.” 

Não tinham muitos livros para guardar, afinal hoje em dia quase ninguém vêm a biblioteca. Então não demorou muito para que eu terminasse de organizá-los e logo começasse a tirar todo o pó que lá havia. 

O tempo passou rápido e embora a maior parte dele eu tenha xingado o senhor Oh por ter me obrigado a fazer tudo isso, e o que era pior: eu teria que enfrentar essas “atividades” duas vezes por semana. 

A biblioteca estava sendo fácil e prático e seria mil maravilhas se não fosse por um único detalhe: eu tenho renite, agora imagine o quão torturador é toda essa poeira caindo no meu nariz? Mais tudo bem, eu não tenho do que reclamar.

- Aaah...aaaat.... 

“A não, não começa Jeon!” 

- Aatchim!! 

“Tem como ser menos escandaloso por favor?”

- Aaah... aaah. .. 

“Vai lá Jeon, você consegue segurar, força Jeon!” 

Comecei a fazer de tudo para segurar meus espirros, afinal eu não conseguia não ser escandaloso espirrando. Tentei focar em meu trabalho que graças a Deus já estava acabando. 

“Isso Jeon, você conseg....” 

- AAATCHIIIMMMM... 

- Sabe, assim fica difícil concentrar em alguma coisa. 

- Me descul.. 

“Espera! Eu conheço essa voz ... Por diabos eu estou me desculpando com ele?” 

- ... Como se eu me importasse, você acha que eu espirre porque eu quero? 

- Não me referi a você ter espirrado e sim a ficar zanzando pela biblioteca reclamando e xingando as pessoas. Maaas já que você mencionou.. eu agradeceria se você espirrasse um pouco mais baixo, afinal estamos em uma biblioteca, não é? – Ele sorria sarcástico. 

“Eu pensei alto?” 

- E-eu não tenho culpa. – Digo constrangido. 

- Sabe ... – Ele se aproximava de mim. – ... eu fico imaginando, será que você é escandaloso desse jeito apenas espirrando? – Ele continuava se aproximando, eu me afastava conforme ele se aproximava mais logo meus recuos foram parados por conta da parede que se fez presente logo atrás de mim. 

“O-o q-que ele está fazendo?” 

- O-o que você está fazendo a-aqui mesmo? 

“Por que meu coração está batendo rápido? O que é isso que eu estou sentindo?” 

- Estudando, afinal você não é o único que está em punição, quer dizer estava. – Ele apoiou suas mãos na parede atrás se mim me prendendo.

“M-muito p-perto.” 

- B-bem, e-eu terminei a biblioteca.. eu t-tenho que terminar o resto se não eu não saio h-hoje. – Me desvio e saio correndo da biblioteca pego o carrinho e vou em direção ao ginásio o mais rápido o possível.

“Espera ... por que eu me expliquei para ele?” 

Cheguei no ginásio arfando devido a minha velocidade, sentei na escadaria para descansar um pouco e observei o longo trabalho que teria pela frente. Mas devo dizer que a minha atenção não se prendeu nem um mero segundo no ginásio. 

“Mas o que acabou de acontecer?”

Tudo o que tinha acontecido alguns segundos agora passava pela minha cabeça, ele realmente tinha chego muito perto, tão perto que pude sentir seu cheiro adocicado o que não combinava nada com ele, ou combinava? 

“Até o cheiro de Park Jimin me irrita.” 

Porém o que mais me intrigou em Park foi seu rosto machucado. Eu tenho certeza que ele não estava machucado, pelo menos até a última vez que eu o vi. 

“O que será que aconteceu com ele? Briga? Não eu não acho que tenha sido esse o caso, então o que foi?” 

Saio de meus pensamentos quando o sr Oh brota naquele ginásio dizendo que o horário dele já havia acabado por isso ele iria embora e que se eu desse uma de esperto e não terminasse o ginásio e o vestiário eu iria ter que me entender com ele. 

“Eu por acaso tenho cara de otário? Óbvio que eu iria terminar isso, mesmo que toda essa palhaçada fosse injusta comigo.” 

Levantei dando um longo suspuro e comecei a preparar as coisas para poder começar a limpar tudo aquilo. Eu coloquei alguns produtos líquidos dentro de um balde e precisava de água, parei por instante para pensar qual era o local mais próximo que eu poderia pegar água, ao pensar por alguns instantes deduzindo onde seria, eu não conhecia muito esse lado do colégio por isso peguei um balde vazio e fui em direção ao vestiário abri um dos chuveiros que lá havia deixando a água preencher o vazio do balde e quando ele estava cheio fechei o chuveiro e com uma certa dificuldade o levei novamente ao ginásio jogando todo o líquido que havia naquele balde no que tinha os produtos, contudo ainda não tinha o tanto de água que eu precisava por este motivo tive que refazer meu caminho para pegar mais água. Após tudo estar quase preparado novamente despejo a àgua recolhida no balde percebendo que ainda faltava um tanto. 

“Só me faltava essa!” 

Tento me preparar mentalmente para voltar ao vestiário, porém antes me permito relaxar por alguns instantes e acabo por escutar uma risada abafada, que ao mesmo tempo que me assustou me fez virar para ver à quem pertencia. 

Quando nossos olhos se cruzaram ele fez questão de rir mais alto. 

- Tá rindo do que? Por acaso tem algum palhaço por aqui e eu não estou vendo? 

- Nada não, é só que ... – Ele agora tentava parar a própria risada. - ... eu estou me perguntando se não seria mais fácil e rápido se você pegasse uma mangueira? Afinal tem uma torneira ali atrás do ginásio. 

“Tem?”

- ...

- Você sabia disso não é?

"Só pode estar de brincadeira!” 

Eu devo ter feito alguma cara engraçada já que o garoto em minha frente agora gargalhava mais alto. 

- Claro que eu sei! Só que...

- Que? – Ele agora arqueava sua sobrancelha direita. 

- Eu simplesmente preferi o vestiário. Por que? Algum problema? 

"Jura que essa foi a melhor desculpa que você arranjou?” 

- Nenhum não o trabalho é seu mesmo. – Ele deu os ombros. 

- Não era para você estar estudando? O que é que você esta fazendo aqui mesmo?

- Eu até estava mas ... Você tirou a minha concentração aí fica difícil, além do mais estava tedioso.

"Era só o que me faltava.” 

- Ah eu tirei? 

- Uuh-hum... você deve pegar as responsabilidades por isso.

"Ele sempre fazia esse bico irritante?” 

- Eu tenho mais o que fazer se você não percebeu. 

- O sr Oh foi embora, por que você não larga isso? Nós dois podemos fazer outras coisas divertidas ao invés disso, huh? – Ele levantou vindo em minha direção. 

“E-ei o-o que ele quer di.. espera por acaso seria....mais ele não é hetero?”

Eu me afastei automaticamente, mas ele logo laçou seus braços em meu pescoço 

- E-esp...o q-que voc-cê está fazendo? 

Eu estava novamente inquieto, tinha certeza de que estava vermelho e meu coração estava estranho de novo. O que é isso? Por quê isso acontece toda vez que eu estou perto de Park? 

“- Posso te contar um segredo? (...) Eu também não gostava do Hoseok (...) só o fato dele respirar me irritava, o observava para dizer tudo o que eu odiava nele, eu era sempre o primeiro a falar mal, até o dia que me peguei com ciúmes (...)”. 

Era irônica a minha capacidade de lembrar das palavras de Taehyung quase todas as vezes de que eu estava com Park. Contudo parando para pensar eu ... não de jeito nenhum, eu sou hetero, e eu com certeza odeio Park Jimin. 

- Vamos lá Jeon Jungkook não seja medroso, nós temos muitas coisas interessantes para fazer, não é? – Um sorriso se fez presente em seu rosto. 

“Eu...ele só pode estar brincando não é? Ele não iria ter coragem de... espera porque eu estou pensando nisso?” 

- E-eu não vou fazer nada “interessante”... – Faço aspas com meus dedos. – ... com você.

Ele me olha como se estivesse querendo confirmar alguma coisa e seu maldito sorriso irônico volta antes do garoto dar um breve suspiro. 

- E por que não? – O garoto agora arqueava a sobrancelha direita.

"Porque eu não sou gay, e se fosse... Se eu fosse eu nunca ficaria com você, nem mesmo se nós fossemos as últimas pessoas.” 

- Porque eu não que... eu não tenho que te dar satisfação! Por que você está fazendo isso?

- Isso o que? – Ele agora estava de frente para mim com suas mãos em meus ombros e seu rosto, do jeito que ele sempre fazia. 

“Para com isso, se não eu vou acabar me ...” 

- Isso – Tiro as mãos do garoto de meus ombros e me afasto. – Você fica pegando o meu espaço! 

- Ok não vou mais ultrapassar o seu espaço, mais guarda essas coisas e vamos logo. 

- Eu nem terminei aqui, quer dizer graças à você eu mal comecei. 

- Mais um motivo para você se apressar.

- E quem disse que eu vou ir com você? 

- Qual é Jeon eu vim até aqui, por favor vamos? Eu tô com fome. 

“Ein? Fome?” 

- A tal coisa “interessante” que você quer fazer é comer? 

- Lógico e o que mais seria? 

- ... – Se antes eu já estava vermelho, como é que eu estou agora? 

- Não vai me dizer que.... aaaah Jeon eu não acredito, você pensando em uma coisas dessas? E eu aqui pensando que você era um menino inocente, eu estava enganado? – Ele estava se aproximando novamente. 

- E-eu não pensei em nada... – Eu não consigo olhar para ele. 

- Ah não? Sabe Jeon... – Ele envolveu seus braços em minha cintura me puxando para mais perto. – ... se você quiser nós dois podemos fazer as coisas “interessantes” que você pensou... – Ele deu uma breve mordida em meu lóbulo esquerdo que me tirou um gemido arrastado em seguida sussurrava aquelas palavras em meu ouvido esquerdo. 

- Sai Jimin. – Empurro o mesmo que logo começa a dar risada. – Você não disse que não ia ultrapassar o meu espaço? 

- Era brincadeira, brincadeira. – Ele ria cada vez mais.

- Idiota. – Fecho a cara e tento voltar atenção para meus afazeres, afinal não tinha feito nada ainda. 

- Olha ... que menino responsável. 

- Cala a boquinha.

- Hmpf! Você não vai vir comigo? 

- Não, e mesmo que eu quisesse o senhor Oh deixou bem claro que era para deixar tudo limpo, e eu não sou doido para contrariá-lo. 

- Tch! Bem se você tem medo dele, fica aí então... – Ele dá os ombros e fica me encarando enquanto tento focar em jogar a água no piso do ginásio, mais é estranho e constrangedor, já que estou sendo observado.

- O que foi? 

- Nada não, se eu soubesse que você ficaria tão sexy limpando eu não teria deixado você me notar tão cedo. 

“Oi?” 

- ... 

- Ué por que parou? Você não ia limpar tudo isso? 

- Com você me olhando fica difícil! 

- Meu olhar te incomoda Jeon?

- Um pouco. 

- Interessante.

- Você vai ficar aqui por muito tempo? 

- Tá me expulsado? 

- Tô! 

- Que atrevido. 

- É aquela história, se não for ajudar, não atrapalhe! Agora sai. – Coloquei minhas mãos nos ombros do garoto e comecei o empurrar para fora. 

- E aquela história de invadir o espaço? 

- Você ousou a invadir o meu, estou apenas retribuindo. 

- Ok ok, já entendi ... tô saindo! - Ele se dirigia à saída. 

- Obrigado. 

Alguns minutos se passaram, eu iria começar pelo piso porém seria mais trabalhoso, por isso eu decidi começar pelas arquibancadas seria mais prático e até mesmo rápido. Logo que eu terminei me preparei para começar o piso, eu teria algumas idas e vindas para o vestiário por causa da água.

"Espera um pouco, eu poderia pegar a mangueira não é?” 

Me virei para ir para a saída, porém no mesmo instante sou atingido por alguns jatos de água que me encharcaram, a pessoa que me molhou agora ria alto.

- Filha da puta! 

- Poxaa... é assim que você trata um amigo que vem para ajudar e ainda te traz um lanche? – Ele segurava uma sacolinha com algumas coisas em sua canhota e com a desta uma mangueira. 

- Você não ia para casa? 

- E ficar sem ver o seu rostinho bonito ficar engraçado? Ah não né. 

- Meu rosto não é engra.....- Nem terminei a minha frase e ele mais uma vez espirra água na minha cara dando risada. 

- Ah mais eu acho que é sim. 

- Claro que n... – splaaaashh – Que parar?

- Não quero não! 

- Aff eu estou todo encharcado, você veio para encher o saco? 

- Eu vim ajudar. 

- Tá ajudando muito – Reviro meus olhos. 

- Faremos Ô seguinte, primeiro você sossega um pouco e nós comemos porque eu tô morrendo de fome aí depois disso eu prometo que te ajudo. 

- O-ok. 

Sentamos nas arquibancadas e começamos a comer, Park tinha trazido alguns sanduíches e suco de laranja. 

Comemos e conversamos bastante e pude deduzir que ele não era tão ruim quanto eu achei que fosse. Assim que terminamos começamos a limpeza naquele piso não demoramos tanto e teríamos demorado menos se Park não ficasse fazendo gracinhas como me derrubar no chão e jogar água em minha pessoa. 

Ao terminar o ginásio fomos até o vestiário, não foi tão demorado limpar pois nós estamos em dois, além do mais o vestiário era consideravelmente menor que o ginásio. 

Quando finalmente terminamos tudo, ambos estávamos mortos de cansaço, porém estava tudo limpo e isso servia de consolo. Sentamos em um dos bancos que lá havia e Park agora ria por sabe lá o que.

- Nossa Jeon, você está todo molhado. 

- Ah jura? Por que será não é? 

- Quem teve a audácia de fazer isso? – Ele perguntava todo sarcástico. 

- Quem será não é? Talvez tenha sido um tal de Park Jimin 

 - Eu não acredito, você está me culpando?

- Exatamente! – Balanço minha cabeça afirmando.

- Eu te deixei molhado Jeon? 

- Sim, é por isso que você vai ter que assumir a responsabilidade caso eu....

"Espera ... o-oi? Não vai me dizer que ele ... Filha da puta” 

- Você quer que eu assuma a responsabilidade? – Ele dizia rindo. – Ok então!

Ele se aproximou lentamente e quando já estava perto o suficiente encostou suas mãos em meu peito me empurrando lentamente para que eu me deitasse naquele banco. 

- O-o q-que vo.... 

- Shhh! Eu estou assumindo a responsabilidade. – Ele sussurrou enquanto apoiava suas pernas ao pequeno espaço que havia ao lado de minha cintura. Seu corpo agora estava sob meu, o garoto agora aproximava seu rosto ao meu que institivamente o virei. 

Park estava muito perto, eu podia sentir o calor que vinha de sua pele. 

“O que é que ele pretende fazer?”

 Park passou pelo meu pescoço desnudo deixado leves selares pelo caminho, sua destra alcançou a pele macia de minha bochecha esquerda virando meu rosto delicadamente me fazendo o encarar, por um breve momento fiquei preso no olhar do garoto, ele era lindo, mesmo estando machucado, logo meus olhos se fixaram na boca carnuda e rosada de Park. Ele encosta seus lábios aos meus, os entreabrindo e movendo lentamente.

"Isso é errado, eu odeio Park Jimin, mais por que o meu corpo está ficando estranho?" 

Tento me manter firme, eu não sou gay, eu não vou beijá-lo, eu tenho que resistir, porém ele é tão... ele é tão... 

"Eu não consigo" 

Senti os lábios do garoto pelo meu inferior e acabei cedendo aos movimentos dele o acompanhando nos movimentos leves. Não resisti e entreabri meus lábios, Park aproveitou para passar sua língua entre eles, logo me dando uma leve mordida no inferior. 

Aproveitamos essa pequena distância para recuperar o fôlego, em seguida ele começou a brincar com meus lábios e eu com os dele. 

Eu quero ele mais perto, eu preciso dele e para conseguir essa maior proximidade passo minha canhota na nuca de Park o puxando para mais perto, minha destra segurava seus cabelos e vez ou outra eu os puxava e quando meus dedos puxavam seus fios macios ele me entregava um gemido arrastado, em nenhum momento larguei dos lábios do garoto e sugava seu superior, a língua de Park brincava entre meus lábios, entendendo sua intenção entreabri a minha boca dando passagem para o garoto invadir minha cavidade bucal e assim que o mesmo o fez passei a brincar com sua língua. Aprofundei nosso beijo, nossas línguas brincavam e se moviam lentamente, vez ou outra dávamos atenção aos lábios que agora úmidos devido a saliva. 

Park fazia questão de conhecer toda a minha cavidade bucal, e para mim essa sensação era inexplicável. Park acariciava meu rosto com sua destra enquanto sua canhota passava pelo meu abdômen e minhas costas frias por baixo de minha camisa molhada. 

- Ji-min-aah - Meu gemido ficou abafado devido ao beijo e eu pude sentir um pequeno sorriso se formar no rosto do garoto. 

"Por favor Park para com isso!" 

Este momento estava sendo tão prazeroso, ter ele me acariciando no mesmo momento em que nossas línguas se conheciam e nossos lábios estavam em plena sintonia como se já estivessem esperando por aquele contato. Eu estava me sentindo bem e principalmente estava me sentindo culpado, por que eu tinha o julgado tanto? 

Eu não quero nunca mais desgrudar meus lábios com os do garoto, como Park consegue ser tão gostoso? Por que nossos músculos brincando um com o outro era algo tão delicioso? 

Mesmo não querendo me desfazer do beijo, meus pulmões já imploravam por ar o que nos levou a separar nossos lábios, apenas deixando vestígios de saliva escorrendo. 

Park agora sentava em meu colo, suas mãos acariciavam meu corpo delicadamente, quando suas mãos atingiram minhas costas ele me ergueu para perto de si logo tirando jogando longe minha camisa que no momento estava sendo incômoda. Lacei meus braços na cintura de Park e passei a correr meus dedos pelas costas do mesmo, o garoto agora tocava meu pescoço e deixava selares vezes delicados e outros extremamente ousados e demorados, eu sabia que isso iria me deixar marcado mais eu não estava me importando, já que tudo o que eu quero são os toques do garoto.

"Que sentimento é esse? Por que meu corpo anseia pelos toques de Park?" 

- Senhor Jeon já está ficando tarde pode ir para casa, qualquer coisa eu digo ao senhor Oh que fui eu que o liber... MEU DEUS!! – Uma voz feminina adentrou o vestiário junto da dona da voz em uma velocidade que mal deu tempo de me afastar de Park. 

- Senhora Lee? M-me desculpe, olha não é nada que você está pensando. – Tento me desculpar. 

- Aaah é sim, e você acabou de interromper. Você sabia que esse é um vestiário masculino? 

“Nós já estamos lascados e você ainda piora?” 

- PARK! – Digo sério, já estava com problemas de mais. 

Meudeus onde eu estava com a cabeça para deixar isso tudo acontecer? 

- Tsc tsc! O que é que eu vou fazer com vocês dois? 

- Além de empatar foda? AIIÊE – Ele reclama devido a dor do meu chute. 

- Bem dessa vez eu vou deixar passar e não contarei para o sr Oh, porém se eu pegar vocês dois mais uma vez ... isso aqui é um colégio e não um motel, estamos entendidos?

- Sim senhora. – Digo e Park apenas afirma com a cabeça 

- Agora se ajeitem e vão para a casa! 

- O-ok. 

Ela saiu do vestiário nos deixando lá sozinhos, e eu constrangido.

"Meudeus o que eu estava prestes a fazer?”

- Você tem alguma roupa extra? Se você ficar assim pode acabar ficando doente. – Eu tenho certeza que ele disse isso para quebrar o clima que tinha ficado, mais de qualquer forma ele parecia preocupado. 

- U-uhumm, essa aqui foi só uma quebra galho, não se preocupe. 

- Certo, eu te espero. 

Ele sentou no banco e ficou me encarando. 

- É-eh Park? 

- Hm? 

- Tem como você me esperar lá fora? 

- Oi? Mais nós quase .... 

- É constrangedor, por favor? 

- Aaaaiish!! Ok, só anda logo. 

- Obrigado Park! 

Coloquei a roupa que tinha trocado no final da aula e começo de minhas atividades extra, estava mais frio do que antes mais nada que não fosse suportável. 

Fui em direção ao ginásio e quando Park me viu ele ficou me encarando por alguns instantes. 

- O que foi Park? 

- Você não está com frio? 

“Um pouco” 

- Não tô não. 

- Tem certeza? Você sabe que lá fora está mais frio que aqui não é? 

- Tá tudo bem, vamos? 

- Tch! Como é problemático. – Ele veio até mim tirando seu próprio casaco e o colocando sobre mim. 

- Não p-pre.. 

- Xiuu, onde é que você mora? 

- Longe. 

- Longe onde? Eu te acompanho. 

- Park, sério não... 

Ele colocou seus braços sob meus ombros e me guiou até a saída, eu o disse onde morava e ele me acompanhou, antes de irmos nós guardamos as coisas do zelador no lugar e nos despedimos da senhora Lee.

Park agora me acompanhava até  em casa, eu realmente acho que não precisava daquilo tudo, porém ele insistiu, o que me deixou claramente irritado mas tentei não demonstrar. 

Ele estava alguns passos em minha frente prestando total atenção no caminho quase que sem iluminação. Eu queria perguntar sobre seu machucado, mas não sei se é certo. De qualquer modo eu resolvi encontrar essa coragem.  

- Park?

- Não se preocupe, eu não irei contar para ninguém.

- Não ... na verdade não é sobre isso que eu iria comentar.

- É sobre? 

- ...

Ele para e fica me olhando por um tempo, eu sabia que ele estava esperando a minha resposta.

- ... o seu rosto, ele não estava assim ontem.

- Ah isso, eu machuquei! Depois do colégio eu sai para jogar com uns amigos e ... bem como voce pode ver terminou comigo machucado. - Ele força um sorriso e prosseguindo o caminho.

"Sua voz está diferente, ele está mentindo?"

Eu queria perguntar, mais eu sei que não devo, por tal razão permaneço em silêncio. Não conversamos muito durante o resto do percurso até minha casa, porém o silêncio não era ruim, eu me sentia confortável perto dele, mesmo depois de tudo o que tinha acontecido o clima entre nós não tinha ficado pesado ou ruim, pelo contrário.

“Eu o julguei tão errado assim?” 

Após alguns minutos cheguei em casa e fui direto para meu quarto e parei para pensar em tudo o que tinha acontecido hoje, pensei também no que Taehyung havia me dito, ele estava certo? Não o que aconteceu hoje foi apenas momentâneo, eu com certeza odeio Park Jimin.

Resolvo tomar um banho para descansar e ao começar a tirar minha roupa percebo que ainda estou com a jaqueta de Park, ao contrario de minhas roupas que eu simplesmente joguei, a jaqueta de Park deixei em cima de minha cama e voltei ao banheiro tomar meu banho e após um banho relaxante visto meu pijama e vou me deitar. 

Pego a jaqueta de Park e sinto o cheiro do garoto que lá havia, me abraço com a jaqueta e fico deitado. 

Eu já tinha beijado antes, mais por que o beijo do Park mexeu tanto comigo? O teria acontecido se a bibliotecária não tivesse aparecido? Por que mesmo dizendo que eu o odeio eu deixei ele me beijar?

A presença de Park estava cada vez mais presente, sua pele, sua voz, seu cheiro, seus lábios ...

“Para com isso Park ou eu vou acabar ...

Me apaixonando.”  


Notas Finais


E então o que acharam?? Comentem se gostaram ou não..

Esperooo muito que tenham gostado, e me desculpem mesmo pela demora.

~ Beijookas Ullyses


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...