História Please, I'm screaming for help! -Kim Taehyung.- - Capítulo 1


Escrita por:

Visualizações 42
Palavras 1.674
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, LGBT, Luta, Mistério, Poesias, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpe qualquer erro...boa leitura!


Aviso!

(Se você não gosta de fic dramática, triste, depressiva etc...por favor, não leia.)

(Aconselho a escutar uma música bem sad para entrar no clima hehe.)

Capítulo 1 - Forgive me brother.


Fanfic / Fanfiction Please, I'm screaming for help! -Kim Taehyung.- - Capítulo 1 - Forgive me brother.

Deslizava com a ponta de meu dedo no couro vermelho escuro da poltrona que estava sentada. Olhava pela janela o céu azul, pássaros voando e as folhas das árvores levemente se mexendo por conta do vento fraco que batia. Eu estava viajando em meu mundo....Pensando em algumas coisas.


 

Joy:Então S/n? - Desperto com a calma voz de senhorita Joy, minha psicóloga, levo meu olhar até ela que estava sentada um pouco ao meu lado direito.


 

S/n:Desculpe...O que disse? - Pergunto calmamente arrancando um sorriso da mesma que cruza as pernas.


 

Joy:No que tanto pensa querida? - Ela fala em um tom baixo e muito calmo enquanto colocava e tirava a tampa de sua caneta.


 

S/n:Nada de mais, estava apenas distraída... - Ela confima com a cabeça ainda olhando e sorri.


 

Joy:Tudo bem, faltam alguns minutos até nossa seção acabar, preciso que você me diga algo para eu tentar de alguma forma te ajudar... - Fico olhando ela pensando, eu realmente precisava de ajuda mas não conseguia de jeito nem um desabafar. Eu penso em algo para poder dizer sem deixar uma lágrima escorrer mas era impossível.


 

S/n:Eu..... - Tento falar de alguma forma meus sentimento mas não consigo, respiro fundo e mudo o olhar para o tapete claro enorme da sala. - Eu não sei.


 

Joy:Querida...Não tenha vergonha, apenas respire fundo e conte-me tudo que está sentindo. - Fico olhando os detalhes do tapete sem dizer uma palavra. - Tente S/n...


 

S/n:Vergonha não é a palavra certa. - Me encosto no sofá de couro e olho para a janela novamente. - É complicado eu tentar falar sobre meus sentimentos pois eu mesma não consigo mais os compreender. Senhorita, eu nunca irei conseguir desabafar com alguém...Esqueça, é perca de tempo eu seguir comparecendo.


 

Joy:Pode ter certeza que não é meu bem, estamos aqui para te ajudar...Se você ainda não se sente a vontade de desabafar tudo bem....Eu esperarei o tempo que for, eu realmente quero te ajudar. - Escutar aquelas palavras não me deixaram mais tranquila pois eu sei que ela diz isso para todos os seus clientes. Eu simplesmente confirmo com a cabeça e levanto de meu lugar, coloco minha mochila e me despeço de Joy. Saiu de sua sala e começo a caminhar pelo o corredor estreito e silencioso..Não consigo mais falar nada e não sentir vontade de chorar.

 

Entro no elevador e desço. Saiu pelas portas da clínica e vejo o carro preto de minha mãe estacionado no outro lado da rua. Vou em direção e entro sentando no banco passageiro, ela estava falando no celular certamente resolvendo negócios de trabalho. Ela liga o carro e começa a dirigir desligando o celular, olho a janela do carro as ruas...Respiro fundo e pego um dos meus fones de ouvido que estavam pendurados em meu pescoço, coloco ele e solto a música que eu estava escutando antes de entrar naquele lugar novamente.


 

S/m:Escute, vou deixar você uma quadra antes de casa pois tenho que sair. - Ela diz alto se olhando no retrovisor...Confirmo com a cabeça de leve olhando as pessoas que caminhavam pela calçada. - Entendeu S/n? - Me olha rápido e olha para a estrada novamente.


 

S/n:Sim. - Falo baixo. - E o pai? - Pergunto e a olho que respira fundo e revira os olhos.


 

S/m:Não sei, ele não ligou para você?


 

S/n:Não... - Olho a janela novamente e encosto minha cabeça no vidro do carro. - Ele nunca liga. - Falo como um sussurro.


 

S/m:Tente falar com ele... Ou espere ele ligar.


 

S/n:Ele não vai ligar. - Ela me olha parando o carro pois era sinal vermelho.


 

S/n:Isso não é verdade S/n... - Fico olhando a rua sem dizer nada. - Ele é uma pessoa ocupada.


 

S/n:Não lembro da última vez que ele me ligou...Ele não tem um tempo para mandar mensagem perguntando se estou bem? - Olho ela que vai para dizer algo porém é interrompida com o barulho de uma buzina avisando que o sinal abriu. Ela volta a dirigir e eu a olhar a rua. Passa um tempo até ela parar o carro na esquina, tiro o sinto de segurança e abro a porta do carro...pego minha mochila e a ponho.


 

S/m:Seu padrasto está em casa...Mais tarde estou ai.


 

S/n:Aonde você vai? - Olho ela fechando a porta do carro.


 

S/m:Sem perguntas. - Ela simplesmente fala isso e sai com o carro me deixando sozinha. Fico olhando o carro ir embora....sinto falta daquelas palavras mãe. "Se cuida minha filha, até daqui a pouco..Te amo."

 

Começo a caminhar até minha casa parando de olha o carro que já havia sumido de minha visão.

 

Quem sou eu...? Eu me pergunto isso também. Sou uma garota de 16 anos que não vê mais significando na vida...Eu me sinto completamente sozinha, sinto vontade de morrer a cada dia que passa...Tenho medo de minha mente. Os seres humanos, eles só te machucam..te julgam sem saber o que acontece com você, tratam seus sentimentos e você como lixo. Eu não sei por que continuo tentando viver nessa merda de lugar...Eu realmente não sei, só quero morrer mas tenho medo...Tenho medo de fazer minha mãe chorar por mais que ela não seja a melhor mãe do mundo...Por mais que ela tenha vergonha de mim e fale coisas horríveis eu a amo e não quero a fazer chorar. Não quero fazer meu pai sofrer por mais que ele esteja fazendo eu sofrer...Faz meses que ele não me liga nem para me dar um simples "Oi"...Faz tempo que não o vejo e sabe...Isso me machuca muito, eu sinto falta dele...Sinto muita falta...Sinto falta de muitas pessoas mas eu tenho certeza que eles não sentem o mesmo...Eu não quero fazer ninguém chorar por mais que me façam chorar, eu não sei até onde irei aguentar isso tudo...Só quero matar essa dor dentro de meu peito. É horrível você acordar pela manhã colocar seus pés no chão e não vê sentido em mais nada. Com esses pensamentos abro a porta de minha casa e entro tirando um de meus fones, fecho a porta e olho em volta...Não vejo ninguém e então vou caminhando até as escadas para ir para meu quarto.


 

Kai:S/n? - Escuto a voz de meu padastro e o olho parando de subir.


 

S/n:Sim...? - Olho ele que me olha parando na ponta da escada.


 

Kai:E sua mãe?


 

S/n:Foi resolver negócios do trabalho eu acho..


 

Kai:Aa....Tudo bem.. - Fica me olhando e sorri fraco, fico olhando ele e volto a subir as escadas. Subo e abro a porta de meu quarto.


 

Tiro a mochila e a largo sobre a cama, sento na ponta de minha cama e respiro fundo...estava um pouco cansada. Fico olhando para o chão e levanto um pouco o olhar até minha estante de livros, olho para o porta retrato de madeira que estava na terceira prateleira com a foto que quebrava meu coração mas não tinha coragem de tirar ela dali. Era uma foto que estava eu mais nova com 10 anos nas costas de meu irmão mais velho de 20 anos. Fico olhando ela e dou um sorriso fraco por lembrar daquele dia...foi o melhor dia da minha vida mas também o pior.


 

          -6 ANOS ATRÁS-


 

S/n:Mano! - Vou correndo em direção a Yuto que abre seus braços me olhando com um sorriso de maravilhoso...Corro ate ele e dou um abraço apertado pois fazia meses que não o via.


 

Yuto:Oi minha pequena. - Me abraça forte....Solto ele e o olho...ele sorria olhando em meus olhos. - E o pai? - Pega em minha mão e caminha comigo.


 

S/n:Está lá dentro de casa com a mãe....


 

Yuto:Ok...vamos ver quem chega primeiro! - Ele começa a correr e eu também atrás dele. Ele era sem dúvidas o melhor irmão do mundo.


 

Passamos a tarde toda juntos, conversamos, brincamos, desenhamos, comemos porcarias e tudo de mais...Era o dia mais divertido de todos pois fazia tempo que não fazia isso com ele...Foi em uma dessas brincadeiras que a foto foi tirada.


 

Yuto:Sabe...estou com uma vontade de tomar sorvete... - Me olha, olho ele e dou um sorriso pois eu amava sorvete. - O que acha pequena?


 

S/n:Quero! Vamos! - Levanto do sofá rápido...ele ri baixo e levanta do sofá também.


 

Yuto:Vamos lá então.. - Ele pega minha mão e sai comigo.


 

Começamos a caminhar pela calçada rindo e brincando um com o outro. Chegamos na sorveteria...pedimos dois sorvetes de vários sabores misturados. Saímos da sorveteria comendo...Yuto tentava roubar um pouco de meu sorvete mas eu não deixava.


 

Yuto:Apenas um pouquinho para seu irmão preferido! - Ele dizia comendo o seu sorvete. Reviro os olhos rindo e estendo o braço para ele pegar um pouco.


 

S/n:Só um pouco Yuto! - Ele confirma com a cabeça, pega com a colher dele um baita pedaço e come. - Yuto!!


 

Yuto:Desculpa.. - Ele ri comendo, dou um leve tapinha no braço dele. - Ei! - Ele olha seu braço e me olha.


 

S/n:Mereceu! - Começo a rir e dou uma corridinha me afastando dele.


 

Yuto:Agora você vai ver! - Ele começa a correr atrás de mim rindo. Começo a rir alto correndo dele.


 

Atravesso a rua ainda correndo dele. Escuto um grito e sinto meu corpo ser empurrado com tudo para frente fazendo eu cair de joelhos no chão e derrubar meu sorvete, escuto um barulho alto. Fico sem entender e levanto olhando meus joelhos que estavam sangrando por conta da queda. Olho para trás e procuro Yuto com os olhos....Olho para o carro cinza parado no meio da rua e olho um pouco para frente...Corro até Yuto que estava deitado sobre o chão.


 

S/n:MANO! - Me ajoelho perto dele e toco no braço do mesmo...ele estava completamente machucado. - Maninho....Ta tudo bem? - Começo a chorar por ele não responder e nem se mexer. - Maninho....Responda por favor!



 

            -ATUALMENTE-


 

Sinto uma lágrima escorrer ao lembrar daquele dia. Levanto da cama e pego o porta retrato da estante. Respiro fundo e começo a chorar baixo ao lembrar do último "Eu te amo" que ele disse para mim.


 

S/n:Me perdoa....

 

 


Notas Finais


Olá pessoas....Sim estou postando outra história mas eu não vou parar a outra...Essa história pode ser que eu poste com frequência mas pode ser que não (Claro que não irei demorar a postar capítulos aqui...Tenho que me resolver em questão a isso.) só queria avisar que se você não curte muito conteúdo triste não leiam os próximos capítulos pois sim a história pode ser bem sad. Acho que é isso msm....2Bjs tchau! ✨


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...