História Let me in. - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Seraph of the End (Owari no Seraph)
Personagens Mikaela Hyakuya, Yuuichirou Hyakuya
Tags Adolescente, Boyxboy, Hyakuya Mikaela, Hyakuya Yuuichiro, Love, Mikayuu, Owari No Seraph, Romance, Seraph Of The End, Yaoi
Visualizações 32
Palavras 2.454
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey! ♡
Sim, depois de quase um mês eu consegui atualizar. Espero que eu ainda tenha leitores :').
Boa leitura!

Capítulo 6 - Capítulo 6 - Princesa Jujuba e Marceline.


Capítulo 6 - Princesa Jujuba e Marceline.

Assim que abri os olhos contra a minha vontade ouvi os murmúrios de reclamação sobre dor de cabeça vindos da parte de Kimizuki. Passei a mão sob a mesinha que ficava ao lado da minha cama, a procura de um remédio de dor para o mais alto, depois de ter o encontrado levantei da cama, e como estava no completo escuro bati o dedo mindinho do pé em uma cadeira.

— Ai! — reclamei dando pequenos pulos — Quem colocou essa praga aqui?

Enquanto resmungava pude ouvir a risada de Kimizuki soar logo vinda de um gemido de dor, decidi jogar o remédio em direção a ele seguindo apenas minha intuição já que eu não podia ver nada. Abri as cortinas permitindo que uma claridade imensa entrasse, incomodando os meus olhos e os de Kimizuki também.

— Pra quê isso a essa hora da manhã? — falou o de cabelos rosa enquanto mudava de posição em sua cama.

— Hora de levantar, princesa Jujuba! — falei em voz alta puxando a coberta de Kimizuki.

 — Vai pro inferno Marceline — respondeu Kimizuki tentando recuperar sua coberta.

— Mas não seria o Yoichi que deveria ser a Marceline? — perguntei rindo e desviando a coberta das mãos de Kimizuki.

Como estava sem óculos, Kimizuki não enxergava quase nada direito, tirei vantagem disso parar zoar o mais alto balançando a coberta na frente de seu rosto enquanto ria.

— Não, porque o Yoichi já é a Princes-- Espera por que eu tô discutindo sobre isso com você? — Kimizuki perguntou franzindo a testa.

Ri da reação do mais alto e larguei a coberta ao seu lado. Passei a mão pelo meu cabelo com o intuito de arrumá-los, mas acho que apenas o baguncei ainda mais. Revirei minha cama à procura do meu celular, assim que o encontrei debaixo do meu travesseiro pensei em mandar uma mensagem para Mikaela mas logo mudei de ideia, por receio de ser um incomodo para o loiro.

Enquanto andava até o banheiro um sorriso bobo surgia em meu rosto, as lembranças das mãos de Mika em meu cabelo e seus lábios nos meus passavam rápido pela minha mente, porém devagar o suficiente para me deixar reparar em cada toque.

Após tomar um banho, sai do banheiro já vestido e secando meus cabelos. Eu olhei para parede que tinha um calendário, marcando datas de trabalhos, provas e testes. Notei que o dia de hoje estava marcado, acabei lembrando de que tinha uma redação para fazer hoje.

Bufei em frustração, imaginando um caminhão passando por cima dos planos que eu havia feito mentalmente para ver Mika hoje. Peguei meu celular que estava na mesa perto da minha cama, e sorri de leve ao pressionar o dedo contra o contato de Mikaela.

Digitei um "oi" para o loiro e me sentei na cadeira para começar a minha redação, planejava termina-lá antes de meio dia para ter a tarde livre, mas eu sabia que isso não aconteceria. Olhei de relance para o meu celular algumas vezes, enquanto apertava o lápis contra a minha bochecha e me repreendi mentalmente por estar mais focado na reposta de Mika do que no minha redação.

Depois de alguns minutos ouvi meu celular vibrar, e quase no mesmo segundo o peguei para checar a mensagem que havia chegado.

Mika♡ : A gente pode se ver hoje?

Soltei um suspiro e respondi.

Yuu: Não, tenho redação pra fazer. Talvez eu termine ela de tarde.
Mika♡ : Que pena, eu queria te ver.

Senti meu coração bater contra o meu peito, e tentei ao máximo reprimir o sorriso que estava quase que rasgando o meu rosto após ler a mensagem de Mika.

Yuu: Eu também queria te ver.

Mika ♡ : Se não sair desse dormitório antes das cinco da tarde, eu vou te buscar.

Yuu: Tá com tanta saudade de mim assim?

Mika ♡ : Você não faz ideia.

Mais uma vez eu me peguei tentando reprimir um sorriso, mas falhei e deixei que eu praticamente desse pulinhos na cadeira. Antes que eu pudesse responder, Kimizuki entrou no quarto e arrancou o celular da minha mão de maneira bruta.

— Devolve! — exclamei tentando estapear as mãos de Kimizuki para recuperar meu celular.

— Trabalho em primeiro lugar, comida em segundo e namoro em terceiro — o rosado respondeu praticamente afundando a folha da redação no meu rosto.

Rosnei assim que vi o mais alto sair do quarto com o meu celular no bolso. Bufei pela segunda vez naquela manhã e tentei me concentrar na redação, mas minha mente só queria ficar em um lugar e esse lugar se chamava Mikaela.

(...)

Era quase meio dia e meus olhos navegavam pelas páginas que eu tinha aberto no computador, para ajudar na minha redação que eu estava quase finalizando. Kimizuki entrou no quarto me avisando de que era hora do almoço e jogou de volta o celular pra mim, havia algumas mensagens de Mika o que fez que um pontinho de felicidade crescesse em meu peito.


Mika ♡ : Qual tipo de flor você gosta, Yuu-chan?

Mika ♡ : Eu gosto de girassol, acho o amarelo dela muito bonito.

Mika ♡ : Foi esse tipo de flor que eu levei pro enterro da minha mãe.

Travei por alguns segundos relendo novamente a última mensagem, e notei que essa foi a primeira coisa que Mika contou sobre si. Mesmo sem tendo ideia do que responder, fiz o possível para não parecer insensível.


Yuu: Sinto muito pela sua mãe e, eu gosto de lírios.

Yuu: Me lembra o azul dos seus olhos.

Após ter enviado a mensagem fiquei me perguntando se eu não havia sido meloso demais, mas de qualquer forma eu já tinha enviado, então vai assim mesmo. Levantei da cadeira e me dirigi a cantina onde imaginei que Kimizuki estaria me esperando.


Sentei na mesa com uma bandeja de comida, onde estava Shinya e Kimizuki discutindo sobre alguma coisa.

— 'Tá mais que óbvio que ele tem alguma implicância comigo — Shinya respondeu e Kimizuki revirou os olhos.

— 'Tá mais que óbvio que ele quer te pegar isso sim — Kimizuki respondeu soltando uma risada.

— Quem quer pegar quem? — perguntei me sentindo perdido no assunto.

— Yuu-san sempre pegando as partes pervertidas do assunto — Shinoa pronunciou e eu dei a língua para mesma, que não tinha percebido que estava ali até então.

— O Guren-sensei quer pegar o Shinya, mas o nosso albino oxigenado claramente não vê isso — Kimizuki pronunciou se espreguiçando na cadeira.

Shinya quase cuspiu todo o suco que havia bebido em cima de seu prato, mas se conteve tossindo um pouco antes de balançar a cabeça negando a observação de Kimizuki.

— Você só pode estar drogado —  Shinya respondeu tossindo um pouco.

— Se eu tô drogado, você tá cego — Kimizuki rebateu e eu dei uma garfada na minha comida antes de falar.

— Na verdade, vocês dois estão drogados. Professores e alunos se relacionarem é estritamente proibido. — eu falei e voltei a comer.

Kimizuki revirou os olhos e imitou a minha voz repetindo o que eu disse e Shinoa riu.

— É exatamente por isso! Muito obrigado Yuu, você é a única mente coerente no meio desses demônios — Shinya disse e eu acenei com a cabeça em forma de agradecimento — É por causa disso que eu cheguei a conclusão de que, Guren pegou ranço da minha cara.

Kimizuki e Shinoa se olharam mas continuaram em silêncio, após mais alguns minutos Shinya olhou os dois esperando alguma reação e ambos deram praticamente um grito.

— Shinya não sei se você é inocente ou burro —  Shinoa disse colocando a mão no ombro do mais alto, e eu reprimi um riso.

Kimizuki recuperou o fôlego após sua crise de risos, e pegou sua bandeja levantando-se da mesa.

— Eu não falo mais é nada — o de óculos seguiu seu caminho saindo da cantina depois de ter se livrado da bandeja.

Depois de alguns minutos Shinoa se despediu, dizendo que tinha um trabalho em dupla para fazer com Mitsuba, mas pelo tom de voz da mais baixa eu pude notar de que elas iriam fazer tudo, menos o trabalho.

— Yuu... — Shinya chamou fazendo com que eu prestasse atenção nele — Você acha que, Shinoa e Kimizuki estão certos?

Pude sentir o olhar aflito de Shinya sobre mim, e vi o mais alto morder o lábio inferior. Antes de responder, analisei bem tudo o que ouvi sobre Guren em relação a Shinya até agora e dei de ombros.

— Eu não sei, mas caso estiverem — me levantei — é melhor você tomar cuidado.

Peguei minha bandeja agora vazia, e me despedi de Shinya bagunçando seus cabelos com a mão. Apesar de ser o mais velho de nós, Shinya não era experiente com relacionamentos amorosos, ainda mais com pessoas do mesmo sexo, e ele tinha razão, Shinoa e Kimizuki que eram os verdadeiros demônios.

Depois de ter saído da cantina, choraminguei ao lembrar de que teria que voltar a escrever a redação que eu estava pedindo aos deuses para que estivesse ficando boa. Passei a mão pelo meu bolso a procura de meu celular e assim que o encontrei, procurei ver se não havia nenhuma mensagem de Mika, e realmente não tinha.

Suspirei em descontentamento, e segui de volta para o meu quarto.

— E lá vamos nós — falei assim que coloquei a bunda na cadeira, me voltando para a redação.

— E lá vamos nós pra onde? — Kimizuki perguntou retirando o livro que estava lendo da frente de seu rosto, e eu tomei um susto porque não tinha percebido que ele estava ali.

— Jesus cristo! Mais respeito comigo que eu sou cardíaco — falei tentando regulamentar minha respiração.

Kimizuki soltou um riso soprado e se ajeitou em sua cama, sentando virado de frente para mim.

— Larga essa redação e conversa comigo — pediu Kimizuki e eu neguei com a cabeça, ainda com os olhos presos no que eu estava escrevendo.

— Ainda bem que eu já fiz a minha — suspirou Kimizuki pegando um travesseiro.

— Você tomou um porre e logo foi fazer uma redação, e agora pouco estava com um livro enfiado na cara. Você realmente é uma máquina — respondi.

— Eu sou incrível, muito obrigado — o rosado respondeu fazendo algumas reverências.

— A parte da máquina não foi um elogio — eu disse e olhei para o mais alto.

Kimizuki arremessou um travesseiro em minha direção e eu desviei rindo.

— Sobre o que quer conversar? — perguntei, eu não iria me concentrar na redação naquele momento de qualquer forma.

— Sobre você e Mikaela — Kimizuki disse cruzando as pernas e eu franzi a testa.

— O que quer saber? — perguntei abrindo um leve sorriso.

— Se gosta mesmo dele e se o terreno que você 'tá pisando é seguro.

— Eu acho que gosto dele sim, mas ele é um pouco misterioso — respondi pensando em Mikaela — é muito difícil conseguir arrancar alguma coisa dele sobre si mesmo.

— Ele sabe alguma coisa sobre você? — Kimizuki perguntou com uma sobrancelha arqueada.

— Não.

— Então vocês estão quites — meu amigo respondeu dando de ombros.

— Sim mas, é mais fácil saber alguma coisa de mim do que saber de alguma coisa sobre ele. Quando eu tentei saber de alguma coisa, ele disse que eu era doce demais pra saber de todas as coisas amargas que já aconteceram com ele — contei gesticulando com as mãos algumas vezes.

— Já tô vendo que ele é um livro de poesia trancado a sete chaves — Kimizuki respondeu e suspirou.

 — Você não faz ideia — falei coçando os olhos e passei a mão pelos cabelos.

Percebi que eu havia dito a mesma coisa que Mika disse na mensagem sobre estar com saudade de mim, acabei deixando escapar um sorriso.

— Mas é ele que faz você dar esses sorrisinhos bobos do nada — Kimizuki disse e se aproximou puxando uma das minhas bochechas — Talvez ele tenha medo de se abrir por já ter sido machucado demais quando fez isso, mas se ele te faz feliz, não desista tão facilmente assim.

Kimizuki me encorajou e eu dei um sorriso para o mais alto em forma de agradecimento.

— Além do que, você é o maior detetive que eu conheço — Kimizuki disse e eu ri lembrando das vez que eu o ajudei a descobrir mais sobre Yoichi quando nos conhecemos.

— Vai ver ele, ele deve estar no dormitório com Yoichi. De acordo com as mensagens, ele está com saudade de você —  o rosado comentou em tom de zoação e foi a minha vez de arremessar o travesseiro em sua direção.

— Você leu as mensagens, infeliz? — perguntei batendo em Kimizuki com o travesseiro.

— Só o básico do básico, logo vai tá cheio de sexting então essa foi a primeira e última vez —  Kimizuki disse rindo e logo me expulsou do quarto dizendo "vai, vai, vai".

Olhei meu celular e pensei em mandar uma mensagem para o meu loiro favorito, mas decidi que chegaria de surpresa. Andei pelos corredores do dormitório dos alunos do curso de artes, lembrando das vezes que eu tive que trazer Yoichi bêbado pra cá com Kimizuki.

Assim que cheguei na frente da porta do quarto que eu rezava pra ser de Yoichi, porque caso não fosse eu estaria pagando outro puta mico. Dei três batidas e esperei a porta ser aberta.

— Yuu-kun! — Yoichi pulou em meus braços e eu ri o abraçando de volta — Kimizuki me enviou uma mensagem dizendo que você viria atrás de Mika, ele está lá em cima.

Vi o de olhos verdes apontar para cima e procurei algo que me levasse até lá, logo achei uma escada.

— Acho bom não me trocar por ele — Yoichi disse cruzando os braços.

— Nunca — respondi sorrindo e subi as escadas até onde Deus sabe que me levaria.

Assim que cheguei ao andar de cima, vi três portas, uma delas estava aberta então apostei nessa. Antes de entrar totalmente, resolvi bater na porta mas minha ação foi interrompida assim que vi Mika com algumas partes do cabelo sujas de tinta azul presas. O loiro estava muito concentrado na pintura que estava fazendo, e eu tive que me encostar na porta para não deixar minhas pernas fraquejarem.

— Yuu-chan! — Mika notou minha presença e largou o pincel vindo em minha direção com um sorriso brilhante, estampado no rosto.

Foi aí que percebi que, eu sou fodidamente apaixonado por Mikaela.


Notas Finais


Quem é vivo sempre aparece, não é mesmo?
Eu gostaria de me desculpar pelo sumiço, eu sou mestre em fazer isso e não posso prometer de que não vai acontecer de novo, mas eu vou tentar atualizar a cada semana porque agora eu sou organizada então conseguirei.
Me perdoem por qualquer erro que tiver nesse capitulo e apareceram novos personagens YEEEEE, esse capítulo não foi tão focado em mikayuu assim e eu acho até legal, pra vocês não ficarem cansados de ler só "Mika, Yuu" e tal, espero que tenham gostado também.

Ficou um pouco maior que os outros mas é pra compensar o tempo que fiquei fora. Agora eu voltei e de férias HEUHUEEHUE

Obrigada por ter lido! ❤

Hiro, xx.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...