História Pleasures All Mine This Time - Capítulo 20


Escrita por:

Visualizações 76
Palavras 11.816
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


"Porque tenho medo e estou preso ao meu jeito de ser" -Almost Easy

Oi gente, tudo bem? Então... Eu perdi completamente a noção do tempo que tinha passado para atualizar. Quem ler Second viu minhas explicação de ausência. Esse capítulo já está pronto há duas semanas, mas eu realmente não tinha noção que já se passaram 3 meses. Peço mil perdões por isso.

Bem, esse capítulo não está muito grande, mas o próximo que também já está sendo finalizado, será um pouco maior, e mais cheio de emoções, eu diria. É isso, espero que curtam e que me perdoem.


MÚSICAS NO CAPÍTULO (LINK NAS NOTAS FINAIS)

Billie Holiday - Body And Soul
Jason Mraz - Lucky feat. Colbie Caillat
Bruno Mars - 24K Magic
Mariah Carey - It's Like That
Norah Jones - Those Sweet Words

Capítulo 20 - Cause I'm afraid and stuck in my ways


–Logo nosso filhote vai estar deitadinho aqui. Não vejo a hora.

 

-Eu também Kris, eu também.

 

DIAS DEPOIS

 

-Eu marquei no fim da tarde mãe, por volta das 17h30min. A senhora pode ir? –Peguei a bandeja e fui para uma mesa no fundo do restaurante. -... Tudo bem, tudo bem, eu entendo. Mando uma foto, ok?.... Tudo bem mãe. Nós falamos depois... Também te amo. Bye!

 

No segundo seguinte estava passando pelo momento constrangedor de tentar sentar na mesa com a bandeja na mão.

 

-Acho melhor você colocar a bandeja na mesa antes de sentar. Se me permite. – O rapaz pegou a bandeja da minha mão e colocou na mesa.

 

-Eu vou permitir sim, obrigada. - Sentei. –Muito obrigada! Às vezes esqueço o tamanho dessa barriga.

 

-Minha esposa teve gêmeos, então, situações como essas já foram bem comuns para mim.

 

Não faço a menor ideia de quem ele seja, mas que é muito bonito isso é.

 

-A propósito, meu nome é Avan.

 

- Avan? Ok... Eu vou ter que perguntar a origem do seu nome.

 

-Tudo bem, é diferente mesmo. Eu sou filho de indianos, e meus pais resolveram abreviar o nome Avanish, e colocaram Avan.

 

-Que legal! Eu sou Kristen, filha de americanos, e como você pode notar, eu sou...

 

-Miscigenada. É assim que chamam, não é?

 

-Sim, é assim que chamam.

 

-Bom, não vou mais atrapalhar sua refeição. Bom apetite! E cuidado, o fio do fone de ouvido está preso na cadeira.  –Ele deu um sorriso, e saiu da mesa.

 

Foi engraçado, senti um pouco de vergonha, uma timidez com a gentileza dele. Bobo, eu sei. Isso não impediu de, segundos depois, lembrar que minha mãe não vai estar na minha prova de vestido de casamento. Quero dizer, se conseguiram ajustar o suficiente para que eu entre nele. Nem bem comecei a comer, e já tinha outra ligação.

 

-Kristen! Quem fala?

 

-Eu! Não tem meu número salvo?

 

-Estou atendendo pelo fone de ouvido Zachary.

 

-Ok! Algo errado?

 

-Não que eu saiba, você quem me ligou.

 

-Certo! Já vi que não é uma boa hora, eu ligo depois.

 

-Za...alô?! Ótimo, ele desligou na minha cara.

 

....

-Você demorou a voltar.

 

-Desculpa Brooks, mas estou comendo mais devagar e...

 

-Que seja! Miranda mandou te chamar.

 

Deixei minha bolsa na mesa e subi com o celular na mão, já tinha uma ideia do que ela queria, e estava rezando para que fosse isso.

 

-Oi, você pediu para eu subir?

 

-Claro, entre Kristen, sente-se.

 

Fechei a porta e sentei ao lado do Blake, que deu um sorriso largo. Então creio que o que imaginava é o motivo da conversa.

 

-Primeiro, conversei com a Catarina, sobre folga no seu casamento. É possível, você ganhou cinco dias de folga.

 

-Obrigada Miranda, muito obrigada!  A propósito, até sexta eu trago o convite individual para vocês. E o oficial da redação também.

 

- A segunda coisa é sua licença. Você precisa dizer quando quer tirar. Lembrando que são 12 semanas de licença maternidade remunerada. Pelo menos o Estado da Califórnia não deixa as lactantes em situação complicada, pelo menos isso.

 

 

-Bom, eu já vou casar no fim do terceiro trimestre, daí é a qualquer momento. Eu prefiro não estabelecer antes, pode ser?

 

-Esperta! Daí você continua trabalhando se ele passar um pouco mais do previsto.

 

-Exatamente!

 

-Se você aguenta, não vejo porque não concordar. E a terceira coisa... Blake!

 

-Vamos definir a pauta de entrevistas da semana?

 

-Já?

 

-Sim, não quer começar agora?

 

-Claro, claro que quero! Muito obrigada, aos doeis.

 

Levei o resto do meu tempo de trabalho decidindo com Blake quais seriam as minhas pautas de entrevistas e com quem. Fiquei com duas para essa semana, uma sobre o aumento no índice de desemprego no país e uma matéria sobre a liberdade de imprensa no país depois da posse do Trump. Nessa, vou ficar como auxiliar, pois a matéria é do Blake, que inclusive vai viajar para Washington para entrevistar um representante da ONG FreedomHouse. Que entre outros trabalhos, busca pela manutenção da liberdade de expressão e de impressa.

 

-Está fugindo?

 

-Não, só que tenho 30 minutos para chegar á loja onde vou alugar meu vestido de noiva. –Joguei minhas coisas no fundo do carro, batendo a porta. - Quer carona?

 

-Estou indo para aSunsetBoulevard.

 

-É caminho, te deixo lá.

 

Aproveitamos os quase 15 minutos que ele passou no carro ainda falando sobre o trabalho. Não posso negar que estou tão empolgada para começar.

 

-Boa sorte com o vestido, sei que vai ficar ótimo.

 

-Eu, nem tanto, mas agradeço a gentileza. Até amanhã!

 

Cheguei à loja só 5 minutos atrasada, achei que seria pior. Só a Karen estava na recepção, mas não só ela estava aqui.

 

-MÃE?! Mas...

 

-Fui buscar seu irmão mais cedo na pré-escola e vim, não podia faltar o momento de prova do seu vestido, já basta da outra vez.

 

Queria chorar! Aliás, o que não me faz querer chorar nos últimos dias?! Fomos para o segundo andar da loja e a vendedora foi buscar meu vestido. Logo, Michelle e Lany também chegaram, e Tina mandou uma mensagem pedindo desculpa, mas não viria. Não me surpreende, não imaginei que ela seria uma madrinha presente mesmo.

 

-MEU DEUS!

 

-Mãe, para, não começa, por favor.

 

-Ficou maravilhosa Kris. Sério! –Karen também tinha expressão de emocionada. –E essa barrigona?!Sintotanta falta da minha barriga.

 

Michelle tirou algumas fotos minhas com o vestido, pedi porque quero ter esse momento registrado. Sinto que não estou curtindo com tranquilidade os preparativos desse casamento. Não sei se é por que ando cansada, o último trimestre de gestação tem sido pesado, ou porque estamos fazendo tudo em um ritmo acelerado.

 

-Kris, o Zachary.

 

Peguei meu celular na mão da Michelle e fui para o provador atender.

 

-Oi!

 

-O que aconteceu mais cedo?

 

-Eu não sei, você sabe que estou impaciente.

 

-Mas aquilo foi desnecessário Kris, assim como desligarna sua cara. Peço desculpas por isso.

 

-Eu peço desculpa também. Já chegou em casa?

 

-Não, estou na porta da loja.

 

-Que loja? Você foi provar o fraque hoje?

 

-Não, estou na porta da loja do seu vestido, inclusive estou vendo a Michelle e a Karen bebendo champanhe.

 

-Aí meu pai! Não entra Zachary, por favor. –Saí do provador. –Não entre!

 

-Eu não vou entrar, estou te esperando no carro.

 

-Me ajuda a tirar isso, rápido.

 

-O que foi filha?

 

-O Zacky está aí na frente e dá para ver essa sala.

 

Eu não sou supersticiosa, mas realmente não quero que ele me veja com o vestido antes da cerimônia, vai estragar a surpresa. Coloquei minha roupa de antes e fui lá falar com ele. Que estava com um buquê de orquídeas na mão.

 

 

-Já que não teremos orquídeas no casamento.

 

 

-São lindas! –Peguei as flores, cheirando. –Obrigada!

 

-Tudo bem?

 

-Sim, meu dia de trabalho foi ótimo. E você?

 

-Perdemos um cliente grande hoje, prefiro não conversar sobre. Vai demorar muito? Vamos jantar?

 

-Só vamos acertar a próxima prova e estou livre. Mas eu vim de carro, como faremos.

 

 

-Vamos nele, Tomas leva o meu de volta.

 

 

-Ele pode levar mamãe até Costa Mesa? Ela veio com o Kenny, e coitado adormeceu no sofá.

 

 

-Claro, claro que pode.

 

 

-Obrigada! –Me aproximei dando um selinho nele. –Você está curtindo? Preparar nosso casamento?

 

 

-Sim, estou. Está tudo sendo acelerado, mas já estou acostumado com tudo de forma rápida. Por quê? Vocênão?

 

 

-Eu queria estar mais á vontade. Sinto-me um pouco tensa. Além disso, tem a ansiedade para o James nascer.

 

 

-Eu também estou ansioso. Agora, vai lá, finalize tudo, te espero no seu carro.

 

DOIS DIAS DEPOIS

 

-É um trabalho do cão desperdiçar a sexta de happyhour experimentando roupa.

 

-James, calma, vamos beber depois daqui.

 

-Acho bom Haner, acho bom.

 

Pelo menos os trajes do noivo e dos padrinhos são mais simples. Escolhi um terno simples, sem gravata, todos concordaram em usar o mesmo, só que o meu traje é branco, como combinado com a Kris.

 

 

-Está faltando padrinho, certo? O senhor pediu para separar seis trajes para padrinhos.

 

 

-Sim, meu irmão mora na Itália, mas a medida dele é a mesma da do Brian, até o tamanho. Bem e o outro, Arin Ilejay... Eunão sei. Brian, você que conhece o Arin. A medida de quem seria o traje dele?

 

 

-O Arin é bem magro. O do Jimmy talvez, mas com a altura do Matthew, um pouco mais baixo.

 

-Bom, vou reservar um grande e ele vem ajustar.

 

 

-Ótimo!

 

Como combinado, saímos da loja direto para um restaurante. Não muito sofisticado, pois a ideia era beber e muito. Acabou que saímos de lá e fomos para um bar na rua de trás.

 

 

-A conta hoje é sua Baker.

 

 

-Sem problemas Johnny.

 

 

 

-Por falar em você, o que vai querer nasua despedida?

 

 

-Sei lá Brian, vocês que têm que pensar em algo. Vai perder a graça se eu escolher.

 

 

-Alguma vedação?

 

-Nenhuma!

 

 

-Nenhuma por você, ou pela sua noiva?

 

 

-Nenhuma, Johnny!

 

 

-Então eu posso organizar essa festa. –Johnny fez uma cara quase psicótica enquanto sorria.

 

 

-Isso é trabalho do Brian.

 

 

-Não é só do Brian, Matthew, é nosso, de todos os padrinhos.

 

Como fiz todo mundo passar o fim de tarde e inicio da noite presos em uma loja de trajes para casamento, as 10 primeiras rodas de cerveja foi por minha conta. Não que esteja mesmo em condições de contar quantas rodas já se passou.

 

-Ah! Como eu sentia falta disso.

 

-Disso o que Johnny?

 

-Nós cinco sentados em uma mesa, bebendo, rindo tanto que chamamos a atenção do bar inteiro. E principalmente, daquilo.

 

Ele apontou para trás de mim, olhamos todos em direção a mesa logo a frente. Nela, seis mulheres riam olhando para nós, os idiotas, só pode. Eu, automaticamente virei para frente, bebendo o resto da cerveja em meu copo. Fiquei um pouco tenso? Acho que sim!

 

-Vocênão levantou esse copo como um convite, não é?

 

 

-O que tem Zachary? Eu não estou noivo meu amigo, pelo contrário, quero é distância de formalidades. E são todas lindas, eu posso dar um jeito.

 

 

-Ei! Eu estou do seu lado Jonathan.

 

 

Enquanto James e Johnny ficavam de brincadeira, olhei para Brian e depois para Matt, os dois sérios, como eu devo estar.

 

-Nervoso Zacky?

 

-Eu... Não Matthew. Por quê?

 

-Por que seu olho está arregalado e você está ruborizado.

 

 

-É o álcool.

 

 

-Eu também fiquei nervoso nas primeiras vezes em que saí só com vocês, logo depois de finalmente me acertar com a Karen. É receio do hábito.

 

 

-Que hábito?

 

 

-O de flertar Zachary. Ou especificamente no seu caso, transar com desconhecidas que encontrou em um bar. –Matthew é sempre direto.

 

 

-E nem lembrar o nome. –Brian completou.

 

 

-Ou pedir o número. –Matthew finalizou a ironia. –Mas confiamos em você. –Ele deu um sorriso forçado.

 

 

-Eu não estou entendendo qual é....

 

 

Antes que eu completasse a frase, senti alguém parando do meu lado.Ao olhar, duas das mulheres que vi na mesaestavam perto de mim.

 

 

-Oi, a mesa de vocês é animada. Estávamos comentando isso.

 

 

-E muito bem...

 

 

-Lindos, vocês todos são lindos.

 

 

Preciso dizer que Jimmy deu a ideia de juntar as duas mesas e foi isso que aconteceu? Estava me sentindo um imbecil, calado, acuado. Em outro tempo, eu teria ido até lá convidá-las, e estaria dominando essa conversa. Coisa que Johnny e Jimmy faziam com maestria. Matthew engatou uma conversa com a coreana, só a ouvir dizendo que tinha nascido em Seul. Do resto, eu não conseguia prestar atenção em muita coisa.

 

-Você é o tímido dos cinco?

 

 

-OI?- Olhei para o lado, quase cuspindo minha cerveja. –Não, não de... Não!

 

 

-E fica nervoso? Aw! É fofo!

 

 

-Não, não, setem uma coisa que não sou é fofo. Quero dizer... Eu.... –MERDA! –Acho melhor eu ir.

 

 

-Você é o noivo! Claro, agora deu para entender.

 

 

-Entender o que?

 

 

-Você está prestes a se casar, e achaque papear uma noite em um bar com desconhecidas é um passo para infidelidade.

 

 

-Não!

 

 

-Sim, é!

 

Sim, ela tem um pouco de razão. Mas alguém pode me culpar? A última vez que me deixei levar por um flerte, parei em um corredor beijando uma mulher e quase transando com ela.

 

 

-Não se preocupe. Eu tenho namorado, e não pretendo deixar de ter. Sou Elsa.

 

 

-Oh! Frozen?!

 

Foi engraçado! Falei sem pensar e ela começou gargalhar, me levando a rir também.

 

 

-Foi mal, falei sem pensar.

 

 

-Meus sobrinhos me chamam de tia do Frozen por causa disso, sem problemas.

 

 

-Eu sou Zachary!

...

 

-Eu posso chamar um táxi se quiser.

 

 

-Obrigada, mas já pedi um UBER, está chegando. Foi um prazer Zachary!

 

 

-O prazer foi meu, Elza.

 

 

Ela estendeu a mão, mas achei que um abraço seria uma melhor despedida. Foi tão agradável a conversa com ela, que não me sentir preocupado como antes.

 

 

-Viu? Vocêsaiu, se divertiu, sem precisar ser infiel.

 

 

-Pois é, é possível. –Sorri por ironia.

 

 

-É possível. Felicidades e muita saúde para o James, sem primeiro nome.

 

 

-Ah! Até nascer, ele terá um. E obrigado pela companhia Elza.

 

 

-Meu UBER. Obrigada a você também.-Ela abriu a porta. –E a propósito, eu não tenho namorado, foi uma mentirinha para te deixar à vontade, e funcionou.

 

 

-É, funcionou!

 

 

Ela deu um tchau e entrou no carro, me deixando com cara de tacho. Estava tão patético assim? Bem, foi uma experiência inusitada essa de ser testado, mas foi legal.

 

...

 

Kristen estava dormindo de barriga para cima e tomando uns 80% da nossa cama, sem condições de dormir com ela. Tomei um banho e fui para o último quarto do corredor, onde costumava dormir quando brigava com a Gena. Ou só quando estava a fim de dormir sozinho mesmo. Liguei a TV baixinha, estava sem sono e com preguiça de descer e pegar o livro que estou lendo.

 

 

-Oi!

 

 

-PORRA! Que susto Kristen! –Meu coração estava disparado.

 

 

-Desculpa, segui a luz. –Ela entrou, sentando ao pé da cama. -Você demorou. Tudo bem?

 

 

-Sim, só não pude escolher o traje do Arin, tentei dar as descrições e o atendente separou um para ele.

 

 

-O Arin chega dos dias antes do casamento, dá tempo de cuidar disso. E o que mais?

 

 

-O que tem mais?

 

 

-Vocênão levou tanto tempo vendo os trajes.

 

 

-Fomos beber um pouco, há tempos não saio com eles. Eu te mandei mensagem.

 

 

-Eu não vi. Peguei no sono nem era 19h00minh, muito cansada.

 

 

-Eu já te falei, já passou da hora de tirar essa licença Kristen. Em vez disso, você pega mais responsabilidade.

 

 

-Vou trabalhar até o limite Zachary, ainda consigo andar, dirigir, respirar, estou bem. Amanhã tenho que ir a Costa Mesa, ok?

 

 

-Quer que eu vá junto?

 

 

-Não precisa, tenho coisas do casamento para resolver com mamãe e a Karen, convites de pessoas do bairro, essas coisas. Não se preocupe, não vou ocupar seu sábado.

 

 

-Eu senti um pouco de ironia aí?

 

 

-Sim, tem um pouco de ironia. Você levou à noite com seus amigos em um bar. Eu mal consegui vestir uma camisola antes de cair no sono de tão cansada.

 

 

-Eu sinto muito que esteja se sentido assim.

 

 

-Mas sou eu que estou grávida.

 

-Sério Kris? Vamos começar uma discussão?

 

 

-Não! Vou descer, estou com fome.

 

 

-Eu faço...

 

 

-NÃO!

 

Ela levantou tão rápido da cama, com a cara emburrada que tinha surgido há um minuto. Imagino que deva ser um saco se sentir sempre cansada, sonolenta, mas, por mais que sinta por ela, eu não sinto de verdade, em mim, quero dizer, sentir na pele o que é. É somente empatia.

 

POV’S KRISTEN

 

-Eu sei que é injusto mãe, mas me deu raiva. Ele continua lindo, jovem, pode sair a hora que quer.

 

 

-Vocêtambém pode filha.

 

-Como, com essa barriga de terceiro trimestre? Acho que não. E hoje ainda tem um jantar beneficente, a Karen vai me emprestar um vestido, nada que tenho entra. Sério, estou acabada.

 

Passamos a manhã toda organizando os acentos dos meus convidados para o casamento, e separando os convites que mamãe vai entregar ao decorre da semana. Zachary pediu que os dele ficassem por conta da Karen e da Zina. Dividimos 20 mesas para cada com acentos marcados, e as outras 10 mesas livres. Até o momento fechamos com 150 convidados, com a chance de aumentar, segundo ele.

 

 

-Que tal?

 

 

-Ficou bom Kris.

 

 

-Karen, sério, obrigada, está me salvando.

 

 

-Eu sei, eu bem sei! Só não tenho mais o sapato que usei, era bem baixinho, e bem bonito.

 

 

-Eu tenho um, o docasamento do Matthew, é baixinho e bem confortável. Inclusive consegui encomendar um do mesmo modelo para o casamento, todo branco.

 

-Por falar em casamento, não falamos do seu chá, nem da sua despedida.

 

 

-Eu nãoquero despedida, não tem graça. E nem álcool vou poder beber.

 

 

-Mas as convidas vão. Bem, se você se recusa,me acerto só com a Michelle e a Lany.

 

-Ok, ok, talvez no fundo eu queira uma despedida.

 

-Isso aí!

 

Troquei de roupa e descemos. Na sala, mamãe, Kenny e Luna assistiam Moana, encantados, sem nem piscar. Karen tinha até dito que ia embora, mas como viu a concentração da filha, resolveu esperar o filme acabar. Fomos lá para fora esperar.

 

-Você se irritava quando Brian saía sem você, durante a gravidez?

 

 

-Demais, tanto que ele parou de ir. Daí eu caí na real que nãopodia cobrar dele um cárcere só porque, para mim, sair muitas vezes era motivo de estresse. Até para entrar no carro era um problema. Você já assistiu aquele filme Plano B?

 

 

-Que a Jennifer Lopez fica grávida por inseminação e depois conhece um cara maravilhoso?

-Isso, esse. A cena dela em um vestido tubinho branco, gravidona, tentando entrar no carro de costas, aconteceu comigo.

 

 

-Sério? –Comecei a rir enquanto ela contava. –Eu vi a minha mãe grávida por duas vezes, as lembranças da gravidez do Kenny são ainda mais frescas, mas viver essas dificuldades é outra coisa.

 

 

-Totalmente! Mas passa, vocês se moldam. Ele tem direito a vida própria e você também. Por tanto que isso não o torne um marido ou um pai ausente, é negociável.

 

 

-Ontem foi a sexta do Brian com os amigos, a próxima é a minha e a gente vai negociando. Em compensação, hoje ele só faltou chorar por que ela vinha para cá comigo.

 

 

-Ele é apaixonado por ela né?

 

 

-Louco, apaixonado, um babão.

 

 

-Um paizão!

 

-Sim ele é, mas eu sabia que seria assim, bem mais que eu. O Zachary vai surpreender também, eu sei.

 

 

-Às vezes eu fico com receios. Karen, você conhece o Zachary há décadas. Alguma vez você já o enxergou sendo pai?

 

 

-Não, sendo honesta, nunca, mas eu também nunca o vi tão apaixonado quanto agora.

 

 

-Mamãe, mamãe, quero praia. –Luna saiu correndo, se jogando na mãe. –Igual Mona.

 

 

-Ai meu Deus! –Karen colocou a filha no colo. –Vamos à praia lá em Huntington Beach, que tal? Perto da casado vô Brian.

 

 

-Eu quer!

 

Aproveitei a desculpa e seguir o caminho de volta a Los Anagelestambém. Chegando em cima da hora, Zachary já estava se arrumando, estava naquele cabelo dele, tão perfeito que chega irrita às vezes.

 

-Eu vou dirigindo, dispensei o Tomas o fim de semana todo.

 

-Finalmente, coitado.

 

 

-Kristen, ele é meu chofer.

 

 

-Mas você não precisa dele todo dia.

 

 

-Quem decide isso sou eu, não acha?

 

 

 

-Grosso! –Sussurrei, levantando da poltrona no meio do closet. –Eu preciso voltar cedo, por tanto, vou levar dinheiro para táxi.

 

 

-Eu não pretendo demorar.

 

 

Terminei de me maquiar e ainda tive que ir para sala esperar o metrossexual ficar pronto. Saímos atrasados, com ele reclamando a viagem toda por isso. Como se a culpa fosse minha.

 

-Esse vestido ficou ótimo em você.

 

 

-É da Karen.

 

 

-Eu sei!Eu fui comprar com ela.

 

 

 

Passamos pela porta e lá estava eu, insegura por como as pessoas estavam vestidas. E o primeiro teste? Gena Paulhus! Como pode ser tão linda e tão sexy sempre? Esse vestido rosa é lindo.

 

 

-Bem-vindos! –Ela abraçou Zachary. –Olá Kristen!

 

 

-Olá Gena!  A festa está linda.

 

 

-Obrigada!  Mas dessa vez, não fui só eu que a organizei. Temos mais três organizadoras de eventos no comitê esse ano. A mesa de vocês é a cinco, fiquem á vontade.

 

Fomos até lá, e junto conosco, mais oito pessoas já estavam sentadas, jantando e conversando animadamente. Zachary puxou a cadeira para mim, sentei, mas quando olhei para o lado, ele não prestava atenção em mim. Na verdade, conversa com uma moça ao seu lado, parecia perplexo, animado. Eu não conseguia entender nada do que dizia, por mais que tentasse.

 

 

-Quantos meses?

 

 

 

-Oi? –Olhei para o lado, era uma senhora. -8 e meio, quase nove na verdade.

 

 

-Fim do terceiro trimestre. É uma batalha.

 

 

-Sim, e acho que estou perdendo. –Finalmente consegui me ajeitar na cadeira de um jeito que minha barriga não batesse na mesa.

 

 

-Muito cansada?

 

 

-Sim, e sonolenta, e com fome, e estressada, e com calor.

 

-É bem desconfortável, a magia da gestação se foi.

 

 

-Mas estou ansiosa demais para vê-lo.

 

 

-Isso diminui o pesar do desconforto.

 

 

-Sim, e estou organizando um casamento também,então, acho que isso é um item a mais, a preocupação a ansiedade para isso também.

 

 

-Seu casamento?-Confirmei com a cabeça. –Quando?

 

 

-Pouco mais de duas semanas.

 

 

-Uau! É pouco tempo.

 

 

-Sim, pouquíssimo!

 

POV’S ZACHARY

 

-A mesa de vocês é a cinco, fiquem á vontade.

 

 

Após nos distanciarmos da Gena, achei nossa mesa, as pessoas já pareciam engajadas em suas conversa, mas responderam meu “boa noite”. Ajudei Kristen a sentar na cadeira, me esbarrando em alguém quando fui me sentar.

 

 

-Desculpa, eu...

 

 

-Senhor Baker, oi!

 

 

-Oi... Jane. Isso, Jane, certo?

 

 

-Sim, Jane! Nunca mais o senhor apareceu para usar nosso heliporto.

 

 

-Senhor está no céu, é só Zachary.

 

Engatei uma conversa com a Jane, explicando inclusive que comecei a ver tudo para a construção de um heliporto tanto na filial de Los Angeles, quanto na central em Huntington Beach. Em Sacramento ainda acho cedo, o prédio é pequeno, acho desnecessáriopor enquanto. Estava tão focado na conversa, que juro, esqueci a Kristen sentada do meu lado.

 

 

-E para receber a nossa homenagem a um dos maiores doadores e apoiadores da Universidade da Califórnia, chamamos Zachary James Baker, que receberá o prêmio pelo seu pai, o senhor James Baker. Zachary que também é nosso fiel doador. Senhor Baker, por favor!

 

 

-Vocênão me disse que seria homenageado.

 

 

-Por que eu não serei, e sim meu pai.

 

 

Levantei da mesa, já sentindo meu humor mudando pelo holofote, literalmente sobre mim. Já mencionei que odeio ser o centro das atenções? Foi assim que soubemos sempre que meu excesso de segurança não era originário de uma personalidade narcisista.

 

 

-Boa noite a todos! Sinto-me imensamente honrado e preocupado por vim aqui em nome do meu pai. –Algumas risadas simpáticas. –Um dos homens mais maravilhosos que conheço, com quem aprendi e aprendo tanto, nos negócios e na vida. Papai sempre foi e sempre será um apoiador de boas causas. E ajudar umas das maiores Universidades públicas do nosso estado é uma delas, assim como é muito importante para ele fazer uma doação semestral a Fundaçãodos heróis de Guerra do Estado da Califórnia, do qual ele é membro honorário. Papai está um pouco debilitado, e por recomendação médica, decidimos que era melhor que ele se preservasse um pouco. Afinal, ainda o quero aqui para ver o neto caçula, que logo estará chegando.

 

Nesse momento, olhei para minha mesa, encontrando o sorriso apaixonado daminha noiva, e logo em seguida, o simpático e simpático da Jane, o que me deixou ruborizado.

 

 

-Em nome dele, de toda a família Baker, agradeço pela homenagem. Parabéns as organizadoras da festa, está tudo maravilhoso. Divirtam-se, obrigado!

 

 

Saí do palco sob uma salva de palmas, segurando a placa de homenagem ao meu pai, voltando para minha mesa.

 

 

-Parabéns senhor Baker, para o seu pai.

 

-Obrigado Jane.

 

Para não ser grosseiro, virei minha atenção para Kris, que lia a placa na minha mão.

 

-Muito bonita, e linda dedicatória.

 

-Ele já recebeu vários por tantas outras doações.

 

 

-Sinal de que ele tem um bom coração, é caridoso. E merece a homenagem.

 

 

-Sim, com certeza ele merece. Vamos jantar?

 

 

POV’S KRISTEN

 

Levantei para ir ao banheiro, quando voltava para mesa, fui pega pela surpresa de ver quem conversava com Zachary um pouco afastado. Respirei fundo, indo até lá.

 

-Vejamos se não é a nossa estrela, ninguém conseguiu bater sua popularidade... Paris! –O sorriso dele me dava nojo.

 

 

-Corey! –Minha voz saiu quase como um murmuro.

 

 

-Vejo que a gravidez vingou.

 

 

Nikita olhou para minha barriga com tanto desdém que minha reação foi cobri-la com os dois braços. Zachary ficou na minha frente, não sei se foi porque ele se sentiu mal com o olhar dela também.

 

-Não queremos atrapalhar o casal. Com licença!-Corey bateu no ombro do Zachary e os dois saíram.

 

 

-Tudo bem?

 

 

-O que eles queriam? Falaram alguma coisa?

 

 

-Calma Kris, eles não queriam nada, a não ser fazer esse joguinho de nos causar desconforto. Vem, vamos para mesa!

 

 

Eu tentei relaxar e aproveitar, mas não estava dando. A mesa do Corey e da Nikita era do lado. Minha mente só perguntava o que eles fazem aqui e juntos. Zachary sussurrou que o Corey sempre esteve presente nesse tipo de evento, provavelmente trazer a Nikita seja por negócios, sei lá.

 

-Aceita mais suco senhora?

 

-Não, obrigada! Já tomei quatro copos, já deu para mim.

 

O papo do lado também já deu para mim. Tentei não me chatear com o fato do Zachary conversar animado com uma mulher que nem me apresentou, mas ficou difícil depois de, pela terceira vez, ele não me dá atenção e engatar outra conversa com ela. Até a Bette, que estava me dando atenção antes, saiu da mesa e foi dançar.

 

-Estou indo embora.-Levantei, e ele segurou meu braço.

 

 

-Ei, mas já? Nem temos tanto tempo aqui.

 

 

-Te falei que não iria demorar.

 

 

-Não pode esperar mais um pouco?

 

 

-Não! Com licença!

 

 

Peguei minha bolsa, indo em direção à saída, com ele vindo atrás de mim ou não. Claro que intimamente rezei para que ele viesse, mesmo ainda estando “puta” de raiva.

 

 

-Kristen, qual é?! Eu nunca curto esses jantares, mas hoje está agradável.

 

 

-Estou vendo, a conversa está satisfatória.

 

 

-Ela é minha vizinha, digo, a história que te contei do heliporto que pousei de emergência, foi da firma dela.

 

 

-Ela, que eu nem sei o nome, você nem se dignou a apresentar.

 

 

-Kristen, por favor, ciúmes agora?

 

 

-Não Zachary, é raiva. –Merda, eu vou chorar, esqueci-me de dizer a chorona como sintoma exacerbado. –Podia ser um poste, você me desprezou e ignorou na maior parte do tempo. Uma senhora simpática estava mais preocupada em fazer eu me sentir parte daquilo, muito mais do que meu próprio noivo.

 

 

-Ei!

 

 

-Não, me solta. Não vem com isso agora!

 

 

 

-Tambémnão precisa ser rude.

 

 

 

-E você foi mal-educado. –Fiz sinal para um táxi.-Não importa a hora que chegue, não vá para o quarto, a porta vai estar trancada.

 

 

 

-Ah! Eu nem no meu quarto vou poder dormir hoje? Ótimo!

 

 

 

-Verdade, é sua casa.

 

 

 

-Kris, eu não quis dizer isso.

 

 

-Eu me viro. –Abri a porta do táxi que tinha parado.

 

 

 

-Kristen, espera, não faz assim!

 

 

Entrei, batendo a porta com força. Claro que iria chorar e muito até chegar em casa. Foi tudo junto: A forma como ele me ignorou no jantar, quem encontramos no jantar e a sombra do meu passado que voltou com eles. O táxi parou na porta de casa depois de alguns minutos, e por sorte estava com as chaves do portão na bolsa. Entrei indo direto para casa na piscina, assustando o Liam, que foi quem abriu.

 

 

-Senhorita, tudo bem?

 

 

-Eu preciso de um quarto para dormir. 

 

 

-Certo, vou me vestir e preparar...

 

 

-Não, não é em casa, é aí. Posso?

 

-Cla...claro senhorita, é claro!

 

 

Liam me acomodou em um dos quartos do térreo, simples, nada que ainda não fosse mais luxuoso do que meu quarto na casa de mamãe.

 

 

-Precisa de algo mais senhorita?

 

 

-Não Liam, obrigada, e desculpa pelo susto.

 

 

 

-Sem problemas. Meu quarto é ao lado, se precisar de algo.

 

 

-Nada mais, está tudo bem. Boa noite!

 

 

-Boa noite senhorita!

 

...

-Olá, bom dia!- Parei na recepção. –Meu nome é Kristen Blair Jones, vim visitar o senhor James Baker.

 

Billie Holiday - BodyAnd Soul

 

O cara conferiu na lista de visita, me autorizando a entrar. No jardim, alguns moradores conversavam ou almoçavam com seus familiares, e foi justamente isso que vim fazer com o senhor James. Que deu um sorriso enorme quando me viu.

 

 

-Cada dia que nos encontramos, sua barriga está maior, parece que esse menino vai rasgar sua pele.

 

 

-Mas não é?! Tomo um susto às vezes como cresce rápido.-O abracei, sendo recebida com um bem aperto. –Que bom vê-lo bem senhor.

 

 

-Estou melhor, não tive febre essa noite, mas ainda tossi até ontem minha filha. Não sei se seria bom para você ficar perto de mim.

 

 

-Eu não me importo, e meu médico disse que tudo bem. Se está se sente melhor, fico aliviada, preciso do senhor 100% no dia do casamento.

 

 

 

-Claro, não vejo a hora. Meu meninão casando, finalmente. Por falar nele, cadê?

 

 

-Eu... Sair antes de ele acordar.  - Mentira! Eu nem sei se Zachary dormiu em casa. -Vamos almoçar? Quando liguei, pedi um cardápio especial, mas a sobremesa eu trouxe.

 

 

-Torta?

 

-De maçã. Gosta?

 

 

-Sim, eu amo.

 

 

-Que ótimo! Até fiz uma lista de músicas que sei que vai amar, para tornar mais agradável. –Peguei meu celular.

 

 

 

Foi um almoço agradável. Senhor Baker estava empolgado me contando historias do tempo da faculdade, da infância, das férias em Roma com os filhos pequenos. E eu estava de fato interessada em tudo que tinha para dizer, principalmente sobre a infância do Zachary, quando tudo não parecia tão ruim assim.

 

 

-O discurso foi rápido, mas bonito, o senhor tinha que ouvir.

 

 

 

-O médico achou melhor eu não me esforçar. Nessas festas você tem que andar, cumprimentar as pessoas. Meu quadril parou de doer tem só dois dias.

 

 

-Eu sei, é bom não arriscar mesmo, mas o senhor verá a placa, em breve, é muito bonita.

 

 

-Eu imagino! Por falar em bonita, a torta está maravilhosa querida, só não como mais porque não posso abusar do doce.

 

 

-Sem problemas, vou deixar na cozinha, assim o senhor divide com seus amigos. –Sentei, entregando uma xicara de café a ele. –O senhor gosta de morar aqui?

 

 

-Sim, é bonito, tranquilo, meus colegas são bem legais.

 

 

-Mas... Eu sinto um mas vindo aí.

 

 

-Não é a mesma coisa que a minha casa.

 

 

-Eu nunca soube por que o senhor veio para cá, sério.

 

 

-Eu tive um enfarto anos atrás.

 

 

-Eu sei! Minha avó paterna também, logo depois que papai morreu, mas ela foi para casa, sendo cuidada por uma enfermeira que é como da família. Os filhos, filhas e netos estão sempre por lá. É disso que o senhor precisa, do seu lar.

 

 

-Não quero ser um peso para ninguém Kristen, a vida dos meus filhos já está resolvida.

 

 

-Não, não é ser um peso. Os pais cuidam dos filhos, até o momento que os filhos precisam cuidar dos seus pais.

 

 

-Mas eles já fazem isso, o Zacky principalmente.

 

-Eu ainda acho que seria bom para o senhor sair daqui um pouco. Que tal ficar conosco por um tempo? A casa é grande, e se o senhor não se importar com choro de um recém-nascido às vezes.

 

 

-Eu só iria dar mais trabalho Kris.

 

 

-De jeito nenhum! –Segurei a mão dele. –Adoraria ter o vovô do meu filhote por perto, já que o meu pai não vai poder ter essa experiência. Pense nisso, ok?

 

 

-Sim, eu vou pensar com carinho.

 

 

-Ótimo! Agora, adorei almoçar aqui, mas eu preciso ir.

 

 

Ele teimou e se apoio no braço da cadeira para ficar de pé e me abraçar. O senhor James é maior que o filho, o que me deixa tão pequena.

 

 

-Obrigado por tudo que você tem feito pelo meu filho.

 

-Mas eu não faço nada além de ama-lo, o resto, é por ele.

 

 

-Ama-lo é a melhor coisa que você pode fazer minha querida, e acreditar que meu filho merece isso.

 

 

-Ele merece, eu, o senhor, todos merecemos muito amor. –Beijei o rosto dele, pegando minhas coisas. –Eu ligo amanhã, ok?

 

 

Saí de lá com um pesar. Mesmo feliz por ter passado horas com ele, conversado, rindo, saber mais sobre meu noivo, ainda acho que posso fazer mais. Ele é gentil e amoroso! Senti uma carência no abraçado de despedida, e até mesmo quando dizia que não queria ser um peso. Se um dia fizer minhamãe se quer pensar assim, acho que vou me culpar tanto.

 

 

POV’S ZACHARY

 

-E o que você fez?

 

 

-Voltei para festa, jantei, estava divertido. –Sentei na poltrona, descendo mais o acento. –Não tinha razão para vir embora.

 

-Tem certeza que não? Sua noiva não estava á vontade na festa.

 

 

-Foi uma cena de ciúmes, Karen. Foi bobo!

 

 

-Pelo que você contou, não vi nada de bobo. Zachary, já te falei, seja gentil com ela. Gravidez é difícil demais, são muitas mudanças.

 

 

-Vocênão pode me acusar de não ser compreensivo, desde o começo dessa gravidez.

 

 

-Mas você é rude e frio às vezes, como senta na mesa com ela do seu lado e a ignora desse jeito?

 

 

-Eu me empolguei demais com a conversa, só isso.

 

 

-Às vezes eu queria desistir de você, seria mais fácil.

 

 

-O carro está entrando, nos falamos depois.

Coloquei o celular no bolso, esperando Kristen entrar, ela não fez uma cara muito boa ao me ver.

 

-Liguei para você algumas vezes.

 

 

-Deixei o celular no modo avião, não queria me distrair com nada. –Primeira patada.

 

 

-Onde você foi?

 

Ela continuou calada, abaixada tirando os sapatos que usava.Levantei dapoltrona, indo mais para perto.

 

 

-Onde você foi?

 

 

-Almoçar com seu pai.

 

 

-Merda! Eu esqueci que era hoje.

 

 

-Pelo jeito, você esquece demais disso, onde ele está, quem ele é.

 

 

-De onde veio isso?

 

 

-Por que seu pai não veio para cá Zachary? Ou para casa da Zina?

 

 

-Ele não quis.

 

 

-Ele nunca iria pedir. Você tinha que fazer seu pai se sentir bem-vindo aqui, ser cuidado perto dos filhos.

 

 

-O que...

 

-Ele está doente Zachary, é um senhor que precisa de atenção,de afeto. Vocênão consegue notar isso? O quão carente seu pai é? Ele é tão doce e.... –Ela respirou fundo. –Esquece! É seu pai, o que puder fazer por ele, eu farei. Se fosse a minha mãe, mudaria meu mundo para cuidar dela. Daria tudo para ter o meu pai aqui, ansioso, esperando pelo meu filho.

 

 

-Nosso filho, ele não é só seu.

-Estou tão cansada. –O tom dela parecia de alguém exausto mesmo. –Cansada de tentar entender o que somos, se temos futuro. E eu só confirmo que eu te amo, mas não me sinto segura com você, com nós dois como um casal. E você não faz nada para me provar o contrário, é angustiante.

 

 

-E eu quero entender como nada pode ser simples com você.

 

 

-Isso é um relacionamento Zachary, uma vida a dois, a três muito em breve. O que você queria? Cada cabeça é um mundo, é uma história, convicções, desejos, custa para encaixar.

 

Eu também estou exausto de sempre dar dez passos para frente e voltar onze. De tudo parecer estar bem, de sentir que estamos nos entendendo, estamos em um bom momento e de repetente algo acontecer e vira tudo de cabeça para baixo. Como agora.

 

 

-Você vai passar o resto da nossa vida juntos fazendo isso?

 

 

-Isso o que?

 

 

-Eu quero chorar com você, de felicidade, de tristeza quando necessário, de emoção porque nosso filho fez algo especial. Eu não quero chorar por sua causa.Só me avise o que você quer ok?

 

Ela passou o resto do dia no quarto, e eu no escritório, sem conseguir me concentrar em um filme, ou um livro, nada. Eu faço o frio e objetivo, mas essa mulher me “desmonta” totalmente. Tudo que ela diz me influência como poucas pessoas têm o perfil e poder de fazer, me importo com o que ela pensa de mim. Isso é uma merda! Engoli meu orgulho depois de horas e resolvi subir, ouvindo um choro baixo ainda no corredor.  Ao chegar à porta, fiquei confuso.

 

 

-O que foi?

 

 

-Minhas pernas. Estou com câimbra e não consigo me mexer, dói demais. –O rosto já estava vermelho de tanto chorar.

 

 

-E por que não gritou? –Entrei, sentando na cama, colocando as pernas dela em meu colo.

 

 

-Eu tentei, mas não saiu muito alto.

 

 

Liguei para o obstetra, que disse queé normal câimbras na gravidez, principalmente no último trimestre. Os pés estavam muito inchados também. Fiz massagem nas pernas dela, como ele recomendou, descendo para buscar uma compressa de água quente, foi o que aliviou.

 

 

-Obrigada!

 

 

-Tem certeza que não quer mais?

 

 

-Tenho! Já passou, obrigada!

 

 

Kristen encostou-se à cabeceira enquanto estendia sua perna na cama. Por quase 30 minutos esquecemos a discussão de mais cedo, mas isso acabou.

 

 

-Eu quero você, nós, esse filho. Eu não sou fácil Kristen.

 

 

-Sempre soube disso, eu também não sou.

 

 

-Nem sempre sou claro sobre o que sinto e quero, mas não será assim para sempre, só me dê um tempo.

 

 

-Estou te dando, você precisa se esforçar mais, ok?

 

 

-Desculpapor ter te ignorado ontem, é tão raro encontrar alguém realmente divertido nessas festas, acabei me empolgando demais.

 

 

-Onde você dormiu?

 

 

-Em um hotel.

 

 

-Eu passei a noite imaginando se você tinha saído de lá com a oriental.

 

 

-Coreana.

 

 

-Com ela ou com a Gena.

 

 

-Você sempre pensa o pior de mim?

 

 

-Estava com raiva, ainda estou. Faz parte da gestação, os sentimentos serem mais intensos e duradouros.

 

 

-Então eu não posso dormir aqui?

 

 

-Não, me dê dois dias.

 

-Ok! –Levantei, beijando a testa dela. –Me desculpa, mais uma vez.

 

 

DIAS DEPOIS

 

-Algo errado filho?

 

 

-Não, nada papai. Por que estaria?

 

 

-É quarta-feira, horário de almoço, e você está aqui.

 

 

-Só quis compensar minha falta no domingo.

 

 

-Vocês tinham brigado não é?

 

 

-Feio, muito feio. E eu me esqueci do almoço, desculpa.

 

 

-Foi bom, amei passar um tempo sozinho com a sua noiva maravilhosa.

 

 

-Ela é não é maravilhosa?!

 

 

-Sim, um doce. Não a amargue filho, por favor.

 

 

-Pai, o que você acha... De mim?

 

-Você é... Eu te amo do fundo do meu coração, mas você é um casulo bem fechado, ou melhor, uma muralha de espinhos para cobrir uma bela rosa. Muita gente se machuca tentando alçá-la.

 

-Às vezes me cobro tanto isso, de não machuca-la, e por mais que tente,sempre a magoo de alguma forma.

 

 

-Eu sei que ela não é perfeita, ninguém é, mas ela parece se esforçar mais para dar certo. Seja tão dedicado quanto amável meu filho. É uma oportunidade única, viver um amor, estar apaixonado de verdade. E vocês vão ter um bebê juntos, é uma benção.

 

 

-Não vejo a hora! Falta pouco, daqui a poucos dias entramos no nono mês de gestação e daí, a contagem regressiva começa. Só tenho medo porque eu não sei nada, absolutamente nada sobre cuidar de um bebê.

 

 

-Na minha época isso não existia, aprendi com sua mãe, sua avó nos ajudou muito, mas hoje você com certeza vão encontrar ajuda.

 

 

Tireiatarde para ser o filho que meu pai merece, e foi ótimo. Acabei constatando que a Kris tem razão, o velhote está carente, ficou tão emotivo quando me abraçou na despedida.

 

...

 

-Senhor Baker, achei que não voltaria mais.

 

-E não voltei para trabalhar Kayla, vim te pedir um favor.

-Sim!

 

 

-Me inscreva em um curso para pais de primeira viagem, de preferência perto daqui. Veja se no hospital mais próximo daqui tem.

 

 

-Sim senhor! Ah! Senhorita Kristen ligou e disse que a senhora Haner ia busca-la no trabalho.

 

 

-Certo, vou na minha sala pegar algumas coisas e você não me viu aqui.

 

-Sim senhor!

 

-E não se esqueça do curso, é urgente.

 

 

POV’S KRISTEN

 

-E esse é o gráfico pronto. –Ele estendeu na mesa. –Fiz uma versão digitalizada que vai junto com seu texto. Que ficou bem escrito Kris.

 

-Obrigada Andrew. E você foi muito prestativo me ajudando com isso, eu não sei nada de gráfico ou de designer gráfico. Bom, vou lá em cima entregar o pen drive pessoalmente. Obrigada!

 

Saí da sala dele, pegando o elevador, indo à sala do Blake. Que estava rindo com uma mulher, nunca a vi aqui antes. Os dois ficaram sem jeito com minha chegada.

 

 

-Licença! –A moça saiu prontamente, sem jeito.

 

 

-Interrompo? –Fechei a porta, sorrindo.

 

 

-Não, ela não aceitou sair comigo ainda, mas acredito que isso vá mudar. –Ele deu um sorriso sugestivo.- Então, matéria pronta?

 

 

-Sim, pronta para ser revisada, chefe.

 

 

-Ótimo! Andrew me disse que ia fazer um gráfico estatístico para você.

 

 

-Sim, ele deve ter mandando a versão digital para você, acabou de me mostrar. Aqui! –Entreguei o pen drive.

 

-Pronto! Reviso esse fim de semana e segunda- feira teremos uma reunião, mas confio que estará ótimo. Alguém leu?

 

 

-O Andrew e meu noivo, mas o Zachary é suspeito. Ah! Seu convite digital recebeu?

 

 

-Sim, recebi.

 

 

-E você vai né?

 

 

-Vou Kris, casamento, domingo de manhã, mas eu vou. Não se preocupe!

 

 

-Ótimo! Bem, tenho que ir, já já minha dama de honra vem me buscar. Últimos ajustes da cerimônia.

 

Desci e Karen já estava na minha mesa, conversava com a Renata, as duas rindo quando me viram.

 

 

-Kris, onde fica o banheiro?

 

-À direita, no fim do corredor.

 

 

-Você pode me levar lá? –Ela falava com a Renata.

 

 

-Eu te levo.

 

 

-NÃO! Não precisa. Vocênão se importa de me levar, certo?

 

 

Renata olhava para Karen como se tivesse uma interrogação na testa.

 

 

-Eu...ok!

 

 

-Ótimo, obrigada!

 

 

As duas foram em direção ao banheiro e eu fui deixar uma pasta na mesa do Brooks, me preparando para ir embora com a Karen. Que logo estava de volta.

 

-Obrigada pela gentileza Renata.

 

 

-Por nada, foi um prazer. Até segunda Kris.

 

 

-Até Renata.

 

 

Passamos no escritório da cerimonialista, e de fato foram os últimos ajustes da cerimônia. Faltava fechar os detalhes da festa e do possível jantar no casamento, já que pode ser que se estenda até a noite nossa festa.

 

 

-Tenho a sugestão de uma organizadora.

 

 

 

-Sim, confio em você.

 

 

-Gena Paulhus, ela é ótima, além de muito competente, é bastante criativa, e confesso, já me senti intimidada por ela.

 

-MENTIRA! –Karen gritou arregalando os olhos. –Não, obrigada, pensa em outra.

 

 

-Por quê? Vocês já trabalharam com ela?

 

 

-Não, ela foi... Noiva do Zachary. –Respondi, bebendo meu chá.

 

 

-AH! Perdoe-me, eu não sabia, desculpa Kristen.

 

 

-Sem problemas! Por mim, pode ser a Gena.

 

 

-Você pode verificar com o Zachary, os dois conversarem sobre isso.

 

 

-Ele não vai se incomodar em ser a Gena, por que se importaria?

 

 

Saímos de lá satisfeitas. Estavatão cansada que não aceitei o convite para estender o passeio e jantarmos juntas. Karen me convidou para tomar café da manhã, isso eu não pude negar.

 

-Oi, já jantou? –Zachary estava deitado no sofá, ainda de terno.

 

 

-Não, estava te esperando. –Sentou, colocando o copo de uísque na mesinha. –Que cara é essa?

 

 

-Muito cansada! –Sentei, colocando as pernas em cima das dele. –Preciso de um banho e horas e horas de sono.

 

 

-Pensei que ia dizer horas e horas de sexo.

 

 

-Sorry baby, mas acho que não consigo hoje.

 

 

 

-Eu não ia propor isso, mas não iria me negar se você quisesse. –Me deu um selinho, dando um sorriso de piada. –Sobe, toma um banho, levo o jantar lá pra cima.

 

 

-Você é maravilhoso quando quer, sabia?

 

-Eu tento!

 

 

E foi isso, Zachary levou meu jantar na cama, ainda fez massagem nos meus pés depois. Às vezes ainda me surpreende o quanto ele pode ser duas pessoas tão diferentes nas ações. Não sei se ainda é a tentativa de compensar o corrido no jantar da Universidade, mas eu estou amando.

...

 

-Zacky? –Desci as escadas, chegando à sala. - Oi Liam, bom dia!

 

 

-Bom dia senhorita, o senhor Baker está no jardim.

 

 

Ao chegar lá fora, encontrei Zachary com os cabelos molhados, ainda com um pouco de cara de sono, segurando um balão vermelho com um nove desenhado.

 

 

-Feliz nove meses!

 

 

-FINALMENTE! –Corri, abraçando ele. – Nem acredito, chegamos a 36º semana.

 

-A contagem começa agora baby.-Ele abaixou, falando perto da barriga.-Estamos te esperando filho, vem logo.

 

 

-NÃO!Vem depois do casamento filhote, só uma semana, aguenta aí um pouco.

 

 

-Vamos comer?

 

 

-Não posso, tenho que ir, compromisso com a Karen.

 

 

-Verdade, tinha esquecido, te deixo lá.

....

 

-Eu adoro sua pontualidade! –Ela veio me receber na porta. - Pronta?

 

 

-Para o que? – Karen segurou minha mão, me guiando para entrar.

 

Minha surpresa foi entrar na sala principal da casa e ver a decoração de um chá de bebê. Na mesa, um bolo branco decorado com brinquedos em miniatura nas cores azul, amarelo e verde, alguns doces finos e fotos minhas grávida, fotos minhas com o Zacky. Lembrancinhas em formato de estrela, alguns objetos decorativos, tudo muito mimoso.

-O que achou?

 

 

-Ficou lindo! Karen... Nossa, muito obrigada! –Me aproximei da mesa. –Obrigada mesmo!

 

 

-Se fossemos deixar para fazer o chá de bebê depois, fiquei com receio de não dar tempo e esse menino nascer antes. Assim, eu e sua mãe decidimos fazer o chá antes de começar a programação do casamento. –Fui levada a sentar no sofá.

 

 

-SURPRESA!

 

Tomeium “puta” de um susto quando todo mundo saltou de trás do sofá a minha frente, de traz da cortina.

 

 

-Seu dia de Bachelorette, chá de lingerie, jogos, essas coisas, será na sexta que vem. –Michelle sentou ao meu lado, me abraçando. –Espero que goste da surpresa.

 

-Eu já amei essa Mich, tenho certeza que vou adorar a próxima também! Miranda, oi, você veio.

 

E não só ela do trabalho veio, Renata também. Agora entendi a aparição repentina da Karen semana passada e ontem na redação. Minhas primas mais próximas, minhas tias, minhas avós.Fiquei surpresa com a Caroline, minha única amiga de escola que ainda tenho contato. Zina e Gianna, duas tias do Zachary que conheci no casamento do Matthew, mas não lembro o nome. Val e Lea também vieram, além das meninas da época da copiadora na 7X, o que me deixou muito feliz.

 

 

-O guarda-roupa, a cômoda e uma mala já entupidas de roupa, e o menino nem nasceu ainda.

 

 

-Se depender do pai, é daí para pior.

 

 

-Pois é Zina, eu já falei, ele é muito exagerado. O menino já tem três pares de sapato social, e dois tênis, acredita?!

 

 

-E o primeiro nome?

 

 

-Ainda não conseguimos escolher Lea, acho que será só James mesmo.

 

 

Levantei para me servir de mais salada de frutos do mar e vi Zina vindo em minha direção, fingindo não ter notado.

 

 

-Eu não sabia se devia vir.

 

 

-Por que não Zina? Você é irmã do Zachary.

 

 

-Mas só suas amigas estão aqui, suas primas, enfim, fiquei sem jeito, mas sua mãe me ligou insistindo.

 

 

-Por que ela me conhece e sabe que você é bem-vinda aqui.

 

 

-A Cloe ficou chateada por não poder vir antes, mas para o casamento ela vem, com certeza.

 

 

-Que ótimo!

 

 

O James ganhou muita coisa, inclusive coisas que ele já tem. Miranda teve que sair mais cedo, pois tinha um evento beneficente que o jornal foi convidado.

 

 

-Só para confirmar, vocês mudaram o casamento para o domingo?

 

 

-Isso, dia 09 de Abril, as 10h00minh. No sábado é nosso jantar de ensaio, adoraria que você fosse também Miranda. Vou te enviar o convite digital. Obrigada por ter vindo!

 

 

-Foi um prazer Kris!

 

...

 

-Obrigada por vir Lany, a Karen precisou ir para um aniversário com a Luna.

 

 

-Tudo bem, sou madrinha também, não é? E você está linda.

 

 

-Obrigada! Estou um pouco nervosa.

 

 

-Por quê?

 

-Sei lá, animação.

 

-Pronta Kris?

 

-Sim, claro Sérgio.

 

-E o Zachary?

 

-No carro, fugindo do sol.

 

 

Estava embaixo da lona que o Sérgio montou com a equipe na praia para guarda seus equipamentos. Contratei um maquiador recomendado por ele que fez um ótimo trabalho, realmente estava me achando linda.

 

 

-Eu vou começar com as fotos do casal mesmo, ok? Depois a gente pensa nas fotos de gestante.  Achei maravilhosa a ideia de fazer o pré-casamento e o ensaio de gestante no mesmo dia.

 

-A situação é favorável. Vou ao carro buscar meu noivo.

 

Fui até o carro, abrindo a porta e dando um susto no Zachary.

-Uau! Você está linda!

 

 

-Obrigada! Vamos? A equipe já está pronta.

 

Jason Mraz - Lucky feat. ColbieCaillat

 

 

Resolvemos fazer as fotos na praia que separa Huntington Beach e Costa Mesa, as cidades onde os dois nasceram e foram criados. O domingo é de sol, mas não muito forte, e escolhemos fazer bem cedo, ainda não são nem 08h30minh. Fizemos as fotos do pré-casamento primeiro, não mais que 01h30minh com isso. Fomos para a tenda ver o resultado, ficando encantados como as fotos estavam lindas. Descansei um pouco, trocamos de roupa e depois de me hidratar muito, começamos a fazer as fotos do ensaio de gestante.

 

 

-Zachary, nãoprecisa, sério.

 

 

-O sol está forte Kris!

 

 

Enquanto fazia as minhas fotos sozinha, Zachary ia do lado com uma sobrinha e uma garrafa de água. Era o Sérgio parar de fotografar e ele colocava a sobrinha em cima de mim.

 

-As fotos estão lindas.

 

 

-Pena que você não quis tirar mais comigo.

 

 

-A estrela desse ensaio é você, as que fizemos juntos bastam. Você e essa barrigona são o foco. –Beijou minha testa. –Está se sentindo bem? Com muito calor?

 

 

-Estou feliz, com seu cuidado, com tudo isso, é só o que sinto.

 

 

Mas não foi só isso. 01h00minh depois estava passando mal de calor, ao ponto da pressão baixar e ter que ser deitada em varias toalhas que jogaram na areia. A cara de irritado do Zachary estava clara, tanto que ele foi um pouco rude com o Sérgio quando quis sugerir se continuaríamos quando minha pressão normalizou.

 

 

-Zachary, calma, ele só fez uma pergunta. –Todo mundo saiu da lona, nos deixando sozinhos. –Nós somos os clientes, ele...

 

 

-Não Kristen, ele vai ficar com as fotos que já tem, já usamos tudo que você trouxe do bebê, os sapatos, as roupas, tudo.

-Ok, ok, não vamos tirar mais fotos tá? Só tenta se acalmar, estou bem baby. –Alisei o rosto dele. –Me dá aquele sorriso lindo de volta,hum?!

 

 

-Boba!

 

 

Ele é tãoexagerado que me levou carregada para o carro, enquanto Tomas segurava uma sombrinha em cima de nós. Fomos para casa e pedi a Tomas para levar a Lany em Long Beach.  Depois de um banho gelado, almoçamos e fui para cama com o ar-condicionado programado em 17 graus para aliviar o calor.

 

 

-Melhor? - Zachary deitou do meu lado. –Que susto você me deu.

 

 

-Foi rápido, ficou tudo escuro por alguns segundos, mas não era nada demais, superprotetor.

 

 

 

-Esse é meu papel não é? –Ele estava sério, me encarando. –Proteger nosso filho, proteger você, mesmo sabendo que você pode fazer isso sozinha.

 

 

-É cuidar, eu também tenho o mesmo papel, cuidar de você, de mim, do nosso filhote. Que acabou de me dar um chute daqueles. Ai!

 

 

-Será que ele também está ansioso para sair? –Zachary encostou o rosto na barriga. -Fatal pouco filho, papai promete, ok?

 

 

-Ele deve adora sua voz, não é possível. Toda vez ele começar a se mexer quando você fala.

 

 

DIAS DEPOIS

SEXTA, 07 de Abril

 

Pense em uma semana que não passou por nada?! Segunda-feira, tivemosa consulta do pré-natal e felizes ouvimos o médico dizer que estava tudo bem e pronto para o James nascer. Minha barriga começou a descer, na ultra já dá para ver que ele está encaixando, tanto que quase não dá mais para ver o rostinho dele. O médico prevê pouco mais de uma semana, o que seria no meio da nossa lua de mel. Zachary já quer desistir de viajar por isso, eu acho melhor também. Na terça, fui conversar com a Gena, que pareceu bem tranquila em fazer parte da equipe de organizado do casamento. Na quarta fui provar meu vestido pela última vez, ficando emocionada quando o vi cabendo perfeitamente em cada centímetro do meu corpo.

 

Trabalhei só até ontem, hoje já conta nos dias que pedi de licença por causa do casamento. Fui acordada as 09h00minh com uma ligação da Karen dizendo que estava vindo me buscar, nem me deixou comer, só tomei um suco e a vitamina matinal.

-Onde estamos indo?

 

 

-Surpresa, quer estragar seu Bachelorette Day?

 

 

Serviço de SPA, massagem,unha, pele, cabelo, comida e muita risada com todas as minhas amigas e primas, minha mãe, e até minhas avós. Karen nãopoupou gastos, escolhendo um dos melhores Spae um dos mais caros de Costa Mesa.

 

 

-EU NÃO ACREDITO! –Eu só não pulei porque não tinha como. –Gente, obrigada, obrigada! –Abracei Karen, puxando a Lany também.

 

 

-A ideia foi da Lany, a gente só concordou. –Michelle se juntou ao abraço.

 

 

-Ok, mas guarde sua animação para noite senhorita. Agora vamos, vou te deixar em casa.

 

 

Karen me levou até em casa, ficando de passar as 18h00minh, passaríamos para pegar a Lanny e depois a Michelle. Levei quase 30 minutos com um sorriso enorme no rosto. Há meses comentei com a Lany que queria ir a um show do Bruno Mars, a tour já tinha passado por Los Angeles duas vezes e não pude ir em nenhuma das duas. Claro que não vai ser a mesma coisa que seria se não estivesse grávida, mas vou dar um jeito de me divertir do mesmo jeito, mesmo que de forma mais contida.

 

-Eu posso saber por que você está com essa cara boba? –Zachary deitou na cama, encostando-se à cabeceira. – E esse som alto desse jeito? O dia foi tão bom assim?

 

 

-Foi e eu ganhei um presente maravilhoso. –Peguei o ingresso na cômoda, dando a ele.

 

 

-Ei! Você vai me deixar aqui sozinho a noite toda?

 

 

-Sério Zachary? Sua despedida de solteiro é hoje engraçadinho, ou você acha que não sei disso?

 

 

-É, mas gostaria de ir também, eu gosto do Mars.

 

 

-Em outro momento vamos juntos,mas hoje é a minha despedida de solteira.

 

 

-Claro, claro senhorita!

 

-Até por que jájáo senhor vai cair no mundo que eu sei. Ou você pensa que eu acho que seus amigos vão te levar para tomar chá?

 

-Eu pedi que não fosse nada extravagante.

 

-Sei! Preciso de ajuda, o que eu visto?

 

...

Bruno Mars - 24K Magic

 

Eu cantei, dancei como podia, me divertir o máximo possível, todas nós na verdade. Há anos não me divertia tanto em um show, foi maravilhoso. O Bruno é maravilhoso! Karen foi cuidadosa em comprar ingresso para o camarote VIP, bem de frente para o palco. Além de termos ficado bem à vontade, era o mais seguro para mim e meu barrigão.

 

 

-A noite ainda não acabou. Cansada Kris?

 

 

-Pode crer, um pouco Mich, mas eu ainda aguento.

 

 

De lá, fomos para um bar badalado no fim da rua, não me lembro do nome. Já tinha uma mesa reservada em meu nome, com direito a um mini véude noiva e faixa de Bachelorette.

 

-Ok, vamos ter que fazer adaptações já que a Kris não pode beber álcool.

 

 

-Mas a Karen pode, ela é minha dama de honra, por tanto, vai beber por mim.

 

 

-Você vai voltar dirigindo então.

 

 

-Sem problemas!

 

 

As meninas me fizeram perguntas sobre o Zachary, Karen quem deve ter bolado, sem dúvida, eu até que sabia bastante coisa, da infância principalmente. Mas mesmo assim, Karen ainda teve que beber bastante no meu lugar.

 

-Eu não vou passar essa vergonha!

 

-Vem Kris, vem!

 

As mais bêbadas da noite, Michelle, Karen e Renata, subiram no pequeno palco do Pub para berrar no microfone, porque aquilo não é cantar. Foi engraçado, divertido, tanto que sentia dor na barriga de tanto rir. James estava agitado, e eu ficando com sono.

 

-A Zina achou melhor não vir com a gente. –Val chamou minha atenção. - A Michelle nem queria falar para ela, mas sua mãe insistiu.

 

 

-E minha mãe fez certo, ela é irmã do Zachary, e madrinha do casamento.

 

 

-Mas a despedida é para a noiva e as amigas.

 

 

-Quero evitar o máximo de distanciamento do Zacky com a família, até com a mãe, mas isso é trabalho para outro momento.

 

 

Nessa hora, Karen berrou no microfone que tinha uma noiva na “casa” e fui obrigada a subir no palco, pagando o mico de cantar com elas.

 

...

 

-Tá ok, vamos desligar um pouco esse som. –Ela berrava por cima da música antes de eu desligar. –Enjoada?

 

 

-Não, só bem bêbada.

 

-Estou vendo.

 

 

-A Michelle é legal né?

 

 

 

-É, é sim. -Olhei para ela rapidamente, voltando a olhar para estrada. –Por quê?

 

 

-Por que ela e o Brian já transaram, você sabia?

 

 

-Sim. Foi quando vocês se separam certo?

 

 

-Sim, eu estava na Universidade, eles tinham acabado de abrir a empresa. Nunca falei disso com ela, nem sei se ela sabe que eu sei.

 

 

-Acho que ela não. Senão, não estaria tão á vontade com você. Mas você tem....

 

 

-Ciúmes? Não, não tenho mais. Já confio o suficiente no Brian para me sentir ameaçada por algo antigo, que nem foi traição.

 

 

-Que bom!

 

 

Levei a Karen para casa do Zacky, digo, nossa casa. Sem condições de deixa-la dormir sozinha em casa. A Luna está na casa do pai do Brian, até liguei para saber dela, estava tudo bem.

 

 

-Onde a coloco?

 

 

-Na minha cama, mesmo, Zachary provavelmente só vai chegar amanhã.

 

 

Dick me ajudou, subindo com ela e ajeitando na cama. Com esse tamanho de barriga, eu mal me aguento quanto mais subir com ela. Karen ainda balbuciou algumas coisas, mas logo estava roncando, o que não iria me deixar dormir direito. Tomei um banho, me troquei e fui para o quarto de hospedes, para ver TV um pouco enquanto o sono não voltava. Estava passando “SeBeber Não Case”. Estava rindo no começo do filme, até lembrar-me da despedida do Zachary e como eu morreria de ódio se ela estiver sendo perto da que estou assistindo agora.

 

POV’S ZACHARY

 

-Gente, pelo amor dos céus, onde estamos indo? Já estou vendado há muito tempo.

 

 

-Há 40 minutos, calma Zachary.

 

 

Fomos até certo ponto no carro do Brian, rindo bebendo e do nada, fui imobilizado e vendado, ficando irritado por isso.

 

 

-Pronto, chegamos!

 

Fui tirado do carro, não sei por quem, acho que pelo Matt, por causa do perfume.

 

-Bem-vindo ao LipsOfHell meu amigo!

 

A venda foi tirada dos meus olhos e eu devia estar branco, mais branco do que já sou.

 

-COMO?

 

Eu conheço esse lugar, mas é claro que eu conheço. É clube! Eles deram outro nome?

 

 

-Como vocês vieram parar aqui?

 

 

-Calma, ainda estamos em Los Angeles Zachary. –Eles riam. –Lembra-se do Corey? Pois então, encontrei com ele semana passada e perguntou de você. Comentei que ia se casar e tal, daí ele indicou esse clube.

 

 

É idêntico ao clube de Long Beach, isso explica o porquê, mas não me deixa mais relaxado, até porque tem dedo do Corey envolvido. Tomas estava atrás do Jimmy, com a mesma cara de espanto que eu, mas seguimos andando.

 

 

-O que vai ser primeiro? Jogo, bebida ou a surpresa?

 

 

-Que surpresa? Johnny?

 

 

-Vamos para surpresa primeiro! –Jimmy me abraçou pelo pescoço. –Você vai curtir.

 

 

A supressa? Uma dança privada. Em uma sala estilo a que Kristen usava para se apresentar. Nem preciso dizer que isso me deixou desconfortável. Pelo menos foi rápida e no escuro, a dançarina nem deve ter notado minha cara de quem estava tenso demais para gostar da apresentação.

 

-Acho que vou precisar de mais álcool para continuar a noite.

 

 

-Eu pego! –Tomas saiu.

 

Fomos levados para uma mesa perto do bar, uma das atendentes me entregou uma faixa escrita “Bachelorette”, o que me tornava cliente especial da noite. Minhas bebidas eram dobradas, e vinham com mais rapidez. Motivo pelo qual fiquei bêbado duas vezes mais rápido.

 

 

-Senhor deseja seu outro presente agora? –Uma mulher sussurrava perto do meu ouvido.

 

 

Mariah Carey - It'sLikeThat

 

-Depende, você tem algo a ver com ele?

 

 

Ela pegou o copo daminha mão, colocando na mesa, me puxando para levantar. Na mesa, meus amigos idiotas gritavam que nem retardados, menos Matthew e sua cara de julgamento, sempre. Fui levado de volta às salas privadas, entrando com ela. Fui guiado até a cadeira.

 

 

-Aproveite! –Fui vendado de novo.

 

-Ótimo, no escuro de novo.

 

 

A música, o cheiro, tudo foi pensado para ser estimulante. Demorei um pouco para sentir a presença dela perto de mim depois que fui vendado, mas também já foi com as duas mãos passando em meu peitoral, sentia o peito dela roçando na minha coluna.

 

 

-Oi Zachary. Você está se divertindo? -Isso bem baixo no meu ouvido.

 

 

-Uhum! -Foi aúnica cosia que conseguir falar.

 

 

Ela ainda ficou um tempo somente passando a ponta dos dedos pela minha pele, me arrepiando completamente, e não vou mentir, me deixando ansioso para ver como ela era. Até que minha venda foi tirada, e puta que pariu, ela é linda.

 

 

Era uma LapDance, como imaginei, mas ela não sentava de fato no meu colo, nunca, o que era uma forma de provocação, e estava funcionando. Minhas mãos até seguraram na cintura dela algumas vezes, mas ela tirava, não me deixando controlar nada. Tentei não ficar com cara de idiota, mas acredito que não estava dando muito certo. Com uma mulher dessas rebolando desse jeito e tão perto de mim, meio difícil.

 

 

-Você precisa ser bonzinho comigo. -Ela finalmente sentou em meu colo, me dando um leve susto. -Não toque, ok?

 

 

Essa mulher acabou de completar meu nível total de excitação! Seu decote ficou bem perto do meu rosto, os cabelos longos me causando arrepiou nos braços e em todo lugar que tocava.Não tenho sangue de barata, estava completamente excitado, e não sei se muito em breve responderia por mim se isso não terminasse logo. Ela saiu do meu colo, indo para trás de mim, alisando meu peito novamente.

 

 

-Espero que sua futura esposa cuide bem de você.

 

 

Beijou meu rosto devagar, tirando as mãos do meu peitoral. Demorei uns segundos para me tocar que ela tinha ido embora, e tinha acabado.

 

 

-Puta que....pariu!

 

 

Voltei para mesa e lá estava os idiotas tirando sarro da minha cara, de quem foi provocado e ficou no 0x0. E o que fui fazer para tirar a tensão sexual que fiquei? Jogar!

 

 

-Eu só não consigo entender por que essa é a única maneira de fazer uma despedida. E se ele tivesse ido para o quarto com ela?

 

 

-Qual é Matthew?! Você pode não ser tão certinho pelo menos uma vez? É a despedida do Zacky. Zachary James Baker vai casar você entendeu? Sabe quando vamos ter uma noite dessas de novo?

 

 

-Ok, ok, vou ficar calado.

 

 

Os dois tinham saído para fumar e não me viram indo atrás, fazer o mesmo. Matthew com certeza deve estar falando da dança, das duas. Realmente ele nunca foi muito adepto desses tipode lugares, ia quando insistíamos muito. Voltei, e no caminho, encontrei o Tomas.

 

 

-Se divertindo Tomas?

 

 

-Sim senhor, digo, sim Zachary, mas...

 

 

-Que foi? - Ele me fez segui-lo até o salão, apontando para o balcão. -Desde que horas ela está aqui?

 

-Acho que desde que chegamos.

 

 

Era a Chicago, não mudou tanto no rosto, mas a achei mais encorpada, talvez tenha engordado.

 

 

-Ela não deve ter me visto.

 

 

-Todo mundo que trabalha aqui sabe o nome do noivo que está em despedida.

 

 

-Merda!

 

 

Não deu outra! Foi eu voltar para minha mesa e Chicago foi lá. Primeiro ela se tocou que tinha que falar comigo como se não nos conhecêssemos, segundo, inventou uma desculpa para me tirar da mesa.

 

 

-Vejam, o bom filho a casa torna!

 

-Eu não sabia que viria parar aqui, muito menos que o Corey abriu um clube em Los Angeles.

 

 

-É recente, duas ou três semanas no máximo, vim ajudar.

 

 

-Quem mais?

 

 

-Está preocupado?

 

 

-Quem mais? Sem ironias Sheila.

 

 

-A Lany, mas ela não está aqui essa noite.

 

 

-Eu sei, está na despedida da Kristen.

 

 

-UAU! Ela fez o trabalho bem feito. Barriga e depois diamante.

 

-Não seja desagradável Sheila, eu não quero ter que ser rude com você, respondendo no mesmo nível.

 

 

-Ok, ok! Esqueça o que disse.

 

 

-E você... Está bem?Seu filho?

 

 

 

-Sim, estamos. Corey é bem mais generoso que a Nikita, e o romance dos dois tem amolecido a fera dentro dela.

 

 

-Eu os encontrei juntos em um jantar beneficente, agora tudo faz sentido. Eu... Essa despedida já deu.

 

 

-Eu posso te dar uma despedida de verdade. - Ela me encurralou na parede. –Se você quiser.

 

 

-Obrigado, mas eu dispenso! –Educadamente a afastei, saindo de lá. –Agradeço pela despedida, mas acho melhor irmos.

 

-Certeza?

 

-SimJimmy, tenho!

 

...

 

Fui deixado em casa com o dia claro já. Nãoacreditei quando vi que já tinha gente do jantar de ensaio aqui, arrumando.

 

 

-Senhor, bom dia!

 

 

-07h00minh, e o que esse povo todo faz aqui Liam?

 

 

 

-A senhorita Kristen ficou medo de atrasar lá em Huntington Beach, já que tem que cobrir a grama toda com madeira, montar o palco, as cadeiras e tudo mais e...

 

 

Deixei Liam falando sozinho e entrei em casa, quase um zumbi, subindo as escadas.

 

 

-Ai merda!

 

Karen estava esparramada na minha cama, sem condições de dormir duas pessoas nela. Fui andando, entrando no último quarto do corredor. Nele, Kristen estava dormindo encolhida no canto. Tirei os sapatos, jogando em qualquer lugar, e deitei ao lado dela.

 

 

POV’S KRISTEN

 

Assustei-me com um peso caindo em meu braço, era um braço, o de Zachary. Ao virar para o lado, fui entorpecida por um forte cheiro de álcool que saía da sua boca aberta.

 

 

-Ai merda!

 

 

Esforcei-me e conseguir sair debaixo do braço dele, indo até a janela. Como pedi, a equipe de montagem chegou bem cedo para cuidar de tudo. No meu quarto, Karen acordava com uma cara terrível.

 

 

-Oi!

 

 

-Oi! Ocupei toda cama né? Desculpa!

 

-Tudo bem, eu dormir bem na outra cama. Zacky acabou de chegar.

 

 

 

-Então meu marido já deve estar em casa, largado também. Vou me trocar evolto as 10h00min. Pode ser?

 

 

 

-Não, volte as 13h00minh, durma mais um pouco, vou precisar de você bem á noite.

 

 

 

-Claro, claro!

 

 

Eu tinha que tomar um banho, e ir cuidar das coisas do jantar, chegada de bebidas, Buffet, essas coisas, mas eu também precisava dormir um pouco mais. Joguei-me na minha cama, no máximosó colocando o celular para despertar daqui a três horas.

...

 

-Isso, mais para o lado, aí! Obrigada Jason. –Virei para trás, olhando para mamãe. –Boa ideia convidar o professor Berry.

 

-É... -Ela olhou para mãos. –Filha!

 

 

-Sim? –Continuei arrumando as flores.

 

 

-Ele me convidou para jantar.

 

 

-O QUE?- Berrei, tapando minha própria boca. –Me conta isso mãe. –Cheguei mais perto dela.

 

 

-Eu disse não.

 

 

-Por quê?

 

 

-Por que ele é 20 anos mais novo?

 

 

-O que tem?

 

-Filha, ele foi seu professor, professor do Kai.

 

 

-E daí? Mãe, qual é? Ele é lindo.

 

 

 

-Jovem e cheio de planos. Eu fiz 50 anos, vou ser avó, tenho um filho com três anos e meio, o outro terminando o colegial. É demais para alguém tão jovem.

 

 

-Deixa de ser medrosa.

 

 

 

-Oi!-Michelle chegou com a Lany. -Trouxemos o resto das toalhas de mesa.

 

 

-Salva pelo trabalho, mas esse papo nãoacabou mamãe gatinha.

 

 

O resto do dia foi uma loucura na casa, mas pelo menos as 17h00minh em ponto estava tudo pronto e lindo.

 

-A Jaqueline chegou a Huntington Beach no mesmo horário que chegamos aqui, não se preocupe, estará tudo pronto até o fim da noite. Cerimônia e festa. Amanhã você só chegará lá para se casar.

 

 

-Muito obrigada Gena, de verdade, tudo está do jeito que imaginamos. Conhecer o gosto do Zachary ajuda.

 

 

 

-Sim! Agora é só você entrar, descansar e esperar até os convidados chegarem. –Gena fechou o notebook. –Vocês redecoram a casa?Digo, meu gosto era bem especifico.

 

-Quando cheguei, ele já tinha feito muitas mudanças, disse que seu jeito era mais simples, ele gosta de exageros.

 

-Eu bem sei, até hoje me lembro do susto da cabeça de cordeiro empalhado que ele trouxe para colocar na sala.

 

Ok! Além de a ex-noiva do meu noivo ter ajudado a organizar nosso jantar de casamento, estamos rindo no jardim da casa que ela ajudou a decorar.

 

-Zachary parece muito feliz e animado com o bebê.

 

 

 

-Todos nós estamos. Gena, eu posso... Ser indiscreta?

 

 

 

-Pode! Já passamos do patamar do constrangimento.

 

 

 

-Por que vocês terminaram o noivado?

 

 

 

-Varias coisas, uma sucessão de coisas, mas quer saber mesmo?

 

 

-Quero!

 

 

-As traições foram o ápice, as que eu tive certeza, as que desconfiei, as saídas durante a semana, o jogo. Ele ainda joga?

 

-Não, não mais.

 

 

 

-Pois ainda bem, sempre tive medo doZachary falir por causa disso. Ele diz ter controle, mas sabe como é tudo, que é demais...

 

 

-Uma hora dar errado.

 

 

-Exatamente! Bem, não vou te encher com isso, é o jantarde vocês. –Ela pegou a bolsa, ficando de pé.

 

 

-Você vem?

 

 

 

-Não Kristen! Já organizei, ficar no jantar de casamento do meu ex-noivo?

 

 

 

-É...seria demais. Obrigada pela ajuda!

 

 

Acompanhei Gena até o carro dela, agradecendo novamente pela ajuda. Michelle foi para casa se arrumar e Lany foi para casa da piscina, é onde ela ficará hospedada esse fim de semana. Assim como meu convidado especial, que chegou quando eu ia entrar no banho. Coloquei meu roupão e desci correndo até a sala, abraçando ele com força.

 

 

-Minha nossa! Que barriga linda e imensa, é um menino só? –Ele me abraçar forte. –Que saudade minha amiga!

 

 

 

-Arin, estou tão feliz, mas tão feliz que você chegou.

 

 

 

-Pronta para o jantar?

 

 

-Sim, e ansiosa também. Vem, vou tomar um banho e enquanto isso, você escolhe minha roupa no closet.

 

POV’S ZACKY

-Arin, bem-vindo! –Meu sorriso foi o mais educado possível.

 

 

-Obrigado Zachary, e parabéns pelo casamento, e obrigado pela oportunidade de ser padrinho.

 

-Fazemos tudo pela Kris, não é mesmo?

 

Os dois subiram e eu fui lá fora, indo até a Gena, que parecia estar de saída.

 

 

-Já vai?

 

 

-Boa noite belo adormecido! Kristen disse que você levou o dia dormindo.

 

 

-Sabe como é quando resolvo beber de verdade.

 

 

-A ressaca é forte.

 

 

-Exato! Tinha que me recuperar durante o dia, para agüentar o jantar. Você não vai ficar?

-Acho que é pedir demais não é? Não quero causar desconforto no jantar, já basta ter organizado tudo.

 

 

-Gena, se você fosse causar algum desconforto, você nem teria organizado, eu não aceitaria. Você me conhece, sabe que não sou de rodeios.

 

 

-Eu sei, eu sei! Você realmente quer que eu fique?

 

 

-Sim, como cliente, sim. Não quero que a Kris tenha que se preocupar com nada, com nenhuma emergência de última hora. É responsabilidade sua.

 

-Eu fico, sendo assim. E você, gostou do que viu até agora? –Sentamos em uma das mesas.

 

 

-Sim, você conhece meu gosto, acredito que isso tenha contado.

 

Ficamos conversando lá embaixo por alguns minutos, até os convidados do jantar começarem a chegar.

 


Notas Finais


Pelo menos não foi um saía justa a Gena organizando o jantar de ensaio não é? Muito madura as duas, mas é assim que tem que ser mesmo. rs

Já sabem que o próximo será o jantar e o grande dia do casamento. Yeee! haha Me comprometo a voltar o mais rápido possível. E assim, desculpem pela demora de novo. BJOOO E OBRIGADA!

MÚSICAS

Billie Holiday - Body And Soul
https://www.youtube.com/watch?v=SsT3F51bMQM
Jason Mraz - Lucky feat. Colbie Caillat
https://www.youtube.com/watch?v=LQCY2zL0Jr8
Bruno Mars - 24K Magic
https://www.youtube.com/watch?v=UqyT8IEBkvY
Mariah Carey - It's Like That
https://www.youtube.com/watch?v=uI2cwfluyNo
Norah Jones - Those Sweet Words
https://www.youtube.com/watch?v=UvoXWdVXtjc


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...