História Poesia das Cores - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias MasterChef Brasil
Personagens Ana Paula Padrão, Erick Jacquin, Henrique Fogaça, Paola Carosella
Tags Farosella, Fogasella, Henrique Fogaça, Masterchef Brasil, Paola Carosella
Visualizações 205
Palavras 1.490
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Níveo- Luz

Capítulo 15 - Níveo


Fanfic / Fanfiction Poesia das Cores - Capítulo 15 - Níveo

Estou com tanto medo... Henrique, o que está acontecendo? Eu...o barulho, o calor, eu tenho medo de olhar, medo de enxergar. Minha cozinha, o fogo. Eu não quero ver, não quero ver! Minha cabeça...Henrique? Eu não consigo ver nada, eu...estoy con miedo.

-Paola, por favor...por favor, não me deixa aqui sozinho! Por favor...

Henrique? Estás chorando? Por que? Meu peito dói, minha cabeça...Henrique! Henrique!

-Henrique...

-Paola? Ela falou meu nome! Ela me chamou, Doutora! E eu tô enxergando tudo branco.

-A paciente está semiconsciente. Isso é muito bom. Os sinais vitais estão normalizados. Provavelmente você está tendo sequelas do trauma dela, acredito que como ela está despertando a sua visão ficará afetada de alguma forma, primeiro a cegueira negra e agora a branca.

-Mas eu vou ficar assim pra sempre? Enxergando tudo branco?

-Como Paola não sofreu aparentemente nenhuma sequela física em relação a visão, acredito que você voltará a enxergar tudo assim que ela acordar.

 Os médicos tiveram que fazer massagem cardíaca em Paola. Doutora Íris explicaria depois para a família que o caso de Paola era atípico. Ela não estava apenas doente fisicamente, tinha também a questão da conexão com Henrique. Nona Mimi dizia que era espiritual. De certa forma, era mesmo. Era espiritual, metafisico, físico e psicológico.

-Ela sofreu um grande trauma e provavelmente se assustou muito, ela ainda está assustada, por isso eu aconselho a todos que tentem lhe transmitir paz e tranquilidade. Principalmente você Henrique. Tente passar paz para ela, segurança. Tenho certeza de que ela sentiu você e por isso começou a acordar.

-Então ela não está mais em coma, doutora? – perguntou Ana Paula.

-Ela ainda está em Coma, mas está saindo dele. Alguns pacientes demoram dias para conseguir acordar realmente, é natural. Vamos monitora-la e observar, mas posso lhes garantir que tivemos um grande avanço hoje, ela começou a despertar e o inchaço já não existe mais.

-Eu vou trazer ela de volta, Doutora Íris. – Disse Henrique, emocionando a todos.

E se eu abrir os olhos e ela estiver lá? Colocando fogo na minha cozinha...e se ela machucar o Henrique...eu...estou apavorada...os gritos, porque o Henrique está gritando? Cega...estoy cega...eu não quero ver. Não quero!

                                                                                                 ........

-Mia Bambina, per favore, svegliati...

Nona Mimi cantarolava uma canção para Paola, que mudou a feição, agora parecia mais calma e serena. A avó percebeu que a neta a ouvia e sussurrou algo em seu ouvido que Henrique não conseguiu ouvir, porém sentiu seu coração se aquecer de amor e ternura.

-Ela está te ouvindo, Mimi. Está feliz que a senhora está aqui.

Mimi apenas assentiu e sorriu para Henrique, que mesmo sem poder enxerga-la, podia sentir. Foram interrompidos pelo pai de Fogaça.

-Vocês têm visita. – Ele disse, arrancando um sorriso de Fogaça.

                                                                                                  ..........

-Você terá que se comportar, está bem? Nada de falar alto, ou chorar, nada disso. Pode dar um beijinho nela se quiser, mas sem exageros, senão eles tiram a gente de lá, está bem?

Granola ouvia atenta a tudo o que Henrique falava. Ao vê-lo depois de tantos dias, ela chorava e pulava animada. Ela sentia a angustia deles, era como se  soubesse que havia algo de errado. Os médicos autorizaram a entrada dela no quarto de Paola, já que não havia risco de infecção e a familiaridade poderia ajudá-la a acordar.

O pai de Henrique o ajudou a entrar no quarto e Granola ficou quietinha, surpreendendo aos dois. Ele pôde sentir o quanto a cachorra estava ansiosa, mas se continha, para não assustar Paola. Se aproximaram da cama e o pai de Henrique a colocou em pé na cadeira ao lado da cama.

-Vou deixá-los a sós, filho. Se precisar de algo é só tocar a campainha, está do seu lado direito, está bem?

Henrique assentiu e sentou-se na cama. Granola cheirou Paola, aproximou o focinho do rosto da dona e lhe lambeu o rosto. Chorava baixinho, e balançava o rabo. E ele sentiu uma paz que há dias não sentia.

-Ela está voltando pra nós, Granola.

 

Sinto algo gelado no meu rosto...é...oh! Granola está aqui! Minha Perrita! Tão graciosa e inteligente...mi amorcinho...minha segurança. Henrique está feliz...eu...já não sinto tanto medo...acho que...que posso abrir os olhos, posso enxergar novamente. O medo ainda está aqui, dentro de mim, acho que ele sempre me acompanhará, mas...mas agora acho que posso abrir os olhos...

 

Henrique sentiu uma forte dor de cabeça e tontura. Se segurou nos lençóis da cama e ao abrir os olhos viu uma imagem colorida, porém embaçada. Granola lambendo o rosto de Paola, que sorria, levemente, timidamente com os olhos fechados, mas sorria.

-Puta que pariu.

 

Os médicos examinaram Fogaça e constataram que ele não havia ficado com nenhuma sequela. Ele enxergava embaçado por conta de sua miopia, então sua irmã foi buscar os óculos dele que haviam ficado no restaurante.

-O fato de você voltar a enxergar é um excelente sinal.

-Mas ela ainda não acordou, Doutora.

-Ela está acordando, fique calmo. Como eu te disse, muitos pacientes demoram até mesmo dias para sair de um Coma. A batida na cabeça juntamente com o trauma emocional foi muito forte para ela. Sem contar que provavelmente ela sentiu sua angústia pelo link de vocês.

-E por que eu fiquei cego?

-Tenho algumas teorias que talvez consigamos provar depois que ela acordar, mas se eu fosse apostar diria que ela provavelmente se assustou e você puxou para si parte deste medo.

-Eu senti uma angústia muito forte, não foi nem medo da cegueira, sabe? Nem da branca eu tive medo, era mais um vazio, tá ligado?

-E agora, como se sente?

-Cansado, com muito sono, mas sem medo.

-Ela provavelmente está dormindo agora, deve ter saído do estado de Coma. O neurologista irá examina-la em breve.

Enquanto Fogaça estava sendo examinado seus pais haviam ido para seu apartamento e levado Granola, com a promessa de voltar com ela pela manhã. Jacquin estava com Paola no quarto, ele revezava com Ana Paula que havia levado Nona Mimi para sua casa, ela precisava dormir a noite e não era aconselhável que ela ficasse no hospital na madrugada e nem sozinha na casa de Paola.

-Princesse... tenho uma novidade para você, mas é segredo por enquanto, si? Eu vou ser papai...Rô está esperando dois bebês! Então trate de acordar para me dar um abraço, está bem? E também porque Fogaça não faz a barba há 10 dias, está mais feio do que antes e ontem ele comeu miojo.

Os monitores se alteraram levemente e Jacquin viu que Paola respirou fundo. Ele sabia que ela o ouvia, mas ainda assim não acordou.

-O que cê disse pra minha mina, hein?

-Nada de mais, ela gosta da minha voz, só isso.

-Ela ficou feliz, eu pude sentir. Vim correndo porque pensei que ela tivesse acordado.

-La Belle au bois dormant...

-Aff, vou ter que voltar com as aulas de francês, cê é loco!

-Volta mesmo, aproveita que você tem a Paola pra te ajudar!

Fogaça sorriu para o amigo. Se aproximou da cama de Paola e lhe acariciou os cabelos.

-Jacquin...ela vai acordar logo, né?

-Com certeza vai, deixa ela descansar um pouco, si? Ela só precisa de tempo. E falando como alguém que tem uma alma gêmea, você precisa descansar um pouco também. Durma, descanse. Quanto mais cansado você ficar, mais cansada ela fica também.

-Eu não quero deixa-la aqui sozinha...

-Você non precisa deixa-la sozinha, pode dormir aqui com ela, ué.

-Mas...e seu eu a machucar? A cama não é muito grande e...

-Henrique, você acha mesmo que pode machuca-la?

-Não, mas...

-Mas nada. Vai dormir. Eu vou embora agora e você trate de descansar. E pelo amor de Deus, amanhã faça a barba porque você tá parecendo um leão marinho velho.

-Ahhhh vai se fuder, francês!

-Eu também te amo.

-Jacquin...merci.

-De rien, mon ami.

 

-Você tá linda com esse vestido branco, onde cê comprou?

-Não me lembro...na verdade não me lembro como cheguei aqui...Henrique, o que estamos fazendo aqui?

-Eu vim te buscar, ué? Tá na hora de ir pra casa, lindinha.

-Mas estoy cansada...

-Deixa de ser preguiçosa, Belle au bois dormant!

-Desde quando você fala Francês?

-Jacquin me ensinou!

-Oh...Jacquin! Ele me contou algo, mas não me lembro agora...era algo tão bonito...e Nona Mimi também me disse...ah...segredos!

-Ah, mas cê vai me contar!

-Eu prometi guardar segredo!

-Mas eu sou sua Metade, cê tem que me contar, pô!

-Vou contar, quando eu lembrar...

-Eu estou com tantas saudades de você...

-Mas saudades por que? Eu estou aqui...

-Cê tem que ir pra casa comigo. Vamos pra casa?

Henrique abriu os olhos, já havia amanhecido. Ele estava deitado na cama com Paola, abraçado a ela. Quando olhou para seu rosto, seus olhos ficaram marejados. Lá estava ela, com os olhos abertos e um sorriso no rosto.

-Eu vou pra casa com você, mas me diz que é mentira que você comeu miojo!

Ele riu alto. Seu amor estava de volta. Eles estavam em casa. 


Notas Finais


Ufa! Tudo branco e níveo, paz e tranquilidade para nossos pombinhos! Finalmente Paolinha acordou, e Fogaça vai levar uma bronca por ter comido miojo hahahaha
A história ainda terá mais alguns capítulos, tem mais um aspecto da vida de almas gêmeas que vou explorar, então voem comigo, queridos leitores!
Beijos e tudo de Farosella pra vocês!
Vamos voltar com nossas cores e comidas!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...