História Pois é, A Vida Me Odeia - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Monsta X, NO.MERCY
Personagens Gun, Hyung Won, I'M, Joo Heon, Ki Hyun, Min Hyuk, Personagens Originais, Show Nu, Won Ho
Tags Changhyun, Changki, Changkyun, Comedia, Hyungwon, Hyunwoo, Jooheon, Kihyun, Kikyun, Minhyuk, Monstax, Shin Hoseok, Shownu, Wonho
Visualizações 381
Palavras 7.112
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Saga, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


A little jealousyyyyyyyyy, naega anin, dareun saram ppanhi
Chyeodaboneun nuuunbit
A little jealousyyyyyyyyy

Oe oe, bem vindos veteranos, novatos
Vou de confiar em que vcs lembram de tudo que aconteceu no cap passado, então vou passar o resumo pq realmente o cansaço tá brabo, e esse é o rap do Yudi que vai dar playstation 4

Então é isso aí, o cap é todo de vcs
Devorem com moderação~

Capítulo 14 - Title: Confissões...


Fanfic / Fanfiction Pois é, A Vida Me Odeia - Capítulo 14 - Title: Confissões...

02.11.16 quarta-feira 06:02am

Title:

Também não sei.

Humor:

Confuso, surpreso, estático, quem sou eu?

Notei que a resposta do humor está no título do cabeçalho: Confuso, surpreso, estático, quem sou eu? Também não sei, pois até então, Changkyun odiava Kihyun em escalas Everest. 8.848 metros para ser exato, a maior montanha do mundo perfeita para comparações desse tipo.

Eu sei, eu estou adiando o assunto principal. Me dá um troco. Isso está infernizando a minha cabeça desde que eu cheguei em casa da festa, que foi ontem. A coisa é séria, eu até sonhei com isso nas duas horas de sono que eu consegui ter.

Então...

Ficamos, a festa toda.

“Ficamos” em plural; especificamente em par. Você pode até ficar chocado, porque é, estou falando do Kihyun, aquele moleque que eu quero matar todo dia.

Nos beijamos debaixo daquela mesa, nas cabine do banheiro, escondidos no armário de limpeza da cantina, nas cabine do banheiro de novo. E todos esses lugares não só foram os locais em que nos... Pegamos, mas também os locais em que nos escondíamos da senhora Yubi. Se está curioso, ela não conseguiu nos pegar, ainda. Fomos bastante sagazes em despistar ela e o resto da equipe. Aquelas fugas todas contribuíram para deixar tudo aquilo mais, sei lá, excitante e menos: "meu Deus, eu estou mesmo beijando Kihyun!". Eu esqueci essas questões, Kihyun estava tão risonho, tão sorridente. Principalmente quando Yubi passava perto de nós e ele corria feito uma criança levada, me arrastando pela mão. Ele estava adorando aquilo, e não posso negar que eu também estava. É, foi engraçado. E divertido e... Muito bom. Sim, foi muito bom ver ele sorrindo e rindo daquele jeito comigo, foi muito bom sentir o calor dele perto de mim, foi muito bom ver ele ficar corado e foi muito bom beijar ele... É, foi muito bom beijar ele, ele beija muito bem e eu não sei nem o que eu to falando.

Sabe, quando eu via Kihyun com Hyunwoo, ele sempre era tão carinhoso e cuidadoso. Ao total, só vi os dois se beijando duas vezes, e todas elas foram lentas e gentis, entretanto, comigo foi totalmente diferente. Não sei se Kihyun achava que por me agredir tantas vezes eu havia me acostumado, mas o saco de vacilo me jogava na parede como se eu fosse uma lagartixa e me devorava com a boca. É tão bizarro a leitura quanto parece? Talvez ele ache que eu tenha gostado porque eu não reclamei em nenhum dos momentos e,, tá bom, eu tava gostando mesmo e daí. O que é orgulho para um homem que nunca conteve isso mesmo. Eu nunca senti tanta adrenalina misturado com outras emoções, aish Kihyun é um bastardo aquele filho da puta...

Sobre a festa, soube de muitas coisas que aconteceram, se eu fosse Gun, estaria pulando de alegria agora, vai ter matéria para o resto do mês. Apesar disso, não tenho nem 40% de certeza sobre a veracidade de cada uma delas. Em suma, Hyunwoo acabou com quase todo o Buffet do baile junto do Wonho, Hyungwon e alguns gordinhos que não tinham par. Minhyuk e Jooheon sumiram 80% da festa. Talvez os dois tenham tido uma overdose do tanto de açúcar que eles consomem sendo retardadamente melosos um com o outro. Só apareciam pra comer, dançar 1 minuto e sumir de novo. Teve uma galera que cagou pra proposta da festa e vieram vestidos de outras cores. O pivô mesmo, o clímax e que está sendo comentado até agora nas redes sociais, — eu abri meu facebook hoje — foi que trouxeram bebida alcoólica escondido. Umas pessoas do último ano ficaram bêbadas e dois segundos mais tarde apareceu um garoto só de cueca no meio da multidão. Para piorar tocava uma música eletrônica e eu podia jurar que ele estava tendo convulsão, porém aparentemente aquilo era uma dança. Ele saiu de lá arrastado pela orelha; a mãe dele estava visivelmente furiosa. Ainda bem que eu e Kihyun saímos da cabine do banheiro a tempo pra poder presenciar isso. Todo mundo está comentando que foi o pessoal do Eddie quem armou, eu não duvido.

Ah, vários casais se formaram e se assumiram. Outros impossíveis de alguém imaginar — como Yoona e Park. Yoona é simplesmente uma das modelos mais famosas do instagram em Seoul, e ela nem tem 18 anos ainda. Park desconhecido até então, do clube de jornalismo. A sorte chega para todos. — E outros que já estamos carecas de saber que já se pegavam. Nenhum que me causou um baque gigante. Agora, saber que Cho foi rejeitado pela amiga da Hyuna fez eu me arrepender amargamente de ter perdido isso. Cho ser rejeitado é uma daquelas coisas que só acontece uma vez na vida, é que nem perder um eclipse. Ainda não acredito que eu e Kihyun perdemos a oportunidade de rir da cara dele junto de todo mundo.

Mas eu sinceramente não estava prestando muita atenção ao que acontecia, e sinceramente nem queria. Eu só prestava atenção nele, mais do que já presto todo dia camufladamente. Sabe, sempre que eu olhava para o Kihyun e ele inesperadamente olhava de volta, sentia uns solavancos no estomago, essas coisas que todo mundo tem, acho, somente porque não queria ser pego. Ontem eu, bom, eu abusei das minhas olhadas. E não me preocupava quando ele questionava o porquê disso, eu só apenas beijava ele em resposta. Qualquer momento que eu tinha, eu o observava, capturando cada detalhe do rosto, da boca, como ele se portava quando eu o beijava, os suspiros, o sorriso dele me afeta de um modo que eu não me importo com nada. Eu viro um zumbi, ele me deixa doido.

Doido de um jeito bom.

Quer dizer, tem algo bom na doidera? Se não tinha, acabei de achar.

Que cômico não? Eu achei que eu odiava ele, todavia parece que eu estava me enganando esse tempo todo. Ou não? Será que eu to sentindo essas coisas porque no futuro pretendo fazer com que ele se apaixone lunaticamente por mim a ponto de fazer qualquer coisa que eu peça, tipo, se matar? É um plano legal.

Isso foi altamente psicopata.

Beleza, nem em um aplicativo que nem mesmo é vivo eu quero admitir que eu estou... Apaixonado por Kihyun. Eu continuo empurrando desculpas. Foi duro escrever isso por sinal. Pelo jeito é assim que as coisas funcionam. Começa odiando, vê que a pessoa não é tão má quanto pensava, acaba se apaixonando... LIM CHANGKYUN ESTÁ VIVENCIANDO UM FILME ADOLESCENTE AMERICANO. É legítimo. Estão todos os clichês reunidos... E eu achei que essas coisas não aconteciam na vida real.

Bem, e agora? Será que o fim vai acabar feliz como acaba neles? Pelo o que sei, Changkyun sempre odiou Kihyun desde que os olhos do mesmo tiveram o desprazer de enxergar a figura dele. O simples fato de Yoo Kihyun existir já me causava repulsa. Agora o simples fato dele sorrir me causa as porcarias das borboletas na barriga.

Eu ainda estou tentando matar elas com o ácido gastrointestinal.

Vida, se isso é um sonho essa é a hora de me acordar. Pode cutucar a minha mãe e fazer ela jogar um balde de gelo na minha cara, eu deixo. E você destino? Vai vir aqui me dizer que eu estou vivendo uma realidade alternativa, ou estilo Stranger Things e que esse na verdade é o mundo invertido que eu tenho que encontrar uma fenda para sair dele e voltar a meu mundo normal?

A real pergunta é: eu quero que tudo volte ao normal?

Não sei, a única coisa que quero agora é beijar o Kihyun.

DroGA

Então é assim que eu fico quando estou apaixonado.

Meu orgulho, ele está muito ferido.

Vidaa, destinoo, última chance!

Vou dormir, quem sabe quando eu acordar essa ansiedade morra.

 

6:05am

Não pode dormir porque você tem que ir pra aula seu burro.

Bem, nada mudou até agora, então tenho que me contentar com essa realidade.

Aaahh to tremendo, e eu nem saí de casa ainda!

Como vai ser quando eu chegar à escola? Vou estar apto a falar com ele depois do que aconteceu? Ou pior, ELE vai estar apto a falar comigo depois do que aconteceu? Qual é a do “apto”? Às vezes eu questiono as palavras do meu vocabulário.

E como vamos ficar? Ele é o quê meu? Meu ficante? Parceiro de beijo? Inimigos que gostam de se beijar? Inimigos não fazem isso. Não, não fazem não. Eu nunca considerei ele como meu inimigo mesmo. Inimigos tem uma certa competitividade entre si e estão sempre querendo ser melhor do que o outro, eu só queria que o Kihyun sumisse.

Mas agora eu não quero mais.

Quer dizer, eu quero, pra ele parar de me deixar assim.

Certo, eu não quero não. Na verdade eu quero ir ao médico, meu corpo está entrando em erupção, mas não aquela erupção que acontece nas partes baixas, é do tipo: SOCORRO, O VULCÃO EXPLODIU! O MAGMA FOI TÃO ABSURDO QUE ESTÁ ESCORRENDO UMA GRANDE QUANTIDADE DE LAVA CAPAZ DE QUEIMAR TODA A CIDADE! O CÉU ESTÁ COMPLETAMENTE ACINZENTADO, ALGUMAS PEDRAS ENORMES ESTÃO SENDO ARREMESSADAS!

Dá pra perceber que eu estou desesperado. Tenho que me acalmar, tenho consciência disso!

Um beijo do Kihyun cairia bem.

Isso... Isso, ISSO É OBSESSÃO. Eu não tenho culpa se o beijo daquele idiota é bom. O que eu seria se eu dissesse que gostaria que Kihyun trocasse de escola e ficasse longe de mim?

É, eu seria um mentiroso. É só o que estou fazendo aqui, mentindo sobre os meus sentimentos, assumindo que menti, e mentindo de novo.

 

 

Eu queria beijar o Kihyun.

 

6:06am

Carambolas que eu falei de beijo de novo. Quero apagar por medo de alguém ler o enxame de vergonha, mas também não quero pois são meus pensamentos e eu quero conservá-los e me chamar de trouxa no futuro.

 

6:25am

Será que Kihyun vai bancar o desentendido quando a gente se ver?

Meu coração tá apertado... É por causa que eu pensei nisso não é? Meu orgulho tá tão ferido, quer dizer, meu resquício de orgulho nunca foi grande, mas quando eu sinto que ele tá ferido é porque a cagada foi grande.

Kihyun é uma das cagadas grandes.

Com purpurina rosa e cheiro floral. E com espinhos.

 

6:32am

Olha os intervalos de notas. Eu estou escrevendo compulsivamente para cada minuto. É tipo:

6:21am – O que Kihyun está fazendo agora?

6:22am – Será que ele está pensando em mim?

6:23am – Se ele não estiver não to nem aí porque eu também não estou pensando nele.

Acho que de 10 palavras escritas neste aplicativo, 9 são sobre Kihyun e isso é tão... Estúpido. É assim que as pessoas agem quando estão apaixonadas? O garoto fica assim quando está apaixonado pela garota? Ou só eu que tenho problemas? Eu sei que meu caso é homossexual, eu só estou me perguntando se os cara héteros agem assim, fresco e obcecado que nem eu.

Olha eu sou uma criança, eu ainda tenho 5 anos de intelecto.

— Filho, Wonho e Hyungwon já chegaram! — Alguma coisa pra me distrair. E aqueles arrombado tão atrasados.

— Nêê!

Acabei de pensar em uma coisa... Hyungwon e Wonho se beijaram no baile também? Bem provável, eles não ficaram o tempo todo sentado comendo. Se bem que isso não é uma teoria distante. Eu acredito até que Hyungwon deve ter dormido a festa inteira.

— Soube que vocês acabaram com todos os salgadinhos da festa- Wow, quer fazer cosplay de Kihyun agora? — Hyungwon está com um tom de rosa claro no cabelo, que está todo bagunçado. Ele parece querer voltar pra cama por causa das bolsas cheias embaixo dos olhos. Mesmo assim o desgraçado parece um cara que acabou de sair de um anime.

— Não é mais o titulo dele. — fala ele, após bocejar e descansar a cabeça no ombro do Wonho. São quase 7 da manhã e eu já quero vomitar.

— Como assim? — Kihyun não estava loiro ontem? — Ele mudou a cor de novo? Hyungwon apenas confirma com a cabeça. — Uma hora ou outra ele fica careca.

— Iria ficar daora. — Pela primeira vez concordo com Hyungwon.

— Bem vindo de volta cabelo preto. — digo, em direção a Wonho. — Desde pequeno que não te vejo com essa cor. Velhos tempos.

— Eu estava com saudades, e eu fiquei lindo também. — reviro os olhos. Wonho nunca perde a oportunidade.

— Hyungwon mudou a cor, Kihyun, você... Não vão me dizer que Minhyuk, Jooheon e Hyunwoo hyung também?

— Jooheon e Minhyuk provavelmente, Hyunwoo hyung eu ainda não sei. — Hyungwon respondeu.

— Yah, o que é isso? Vocês estão se preparando para algum comeback?

— Comeback pós-baile.

— Vocês são idiotas. — Balanço a cabeça de um lado para o outro, abrindo a porta. — Tchau mãe!

— Tchau filho, tenha um bom dia na escola vocês!

— Obrigado! — os dois respondem irritantemente em uníssono. — Changkyun, você devia pintar o cabelo ao menos uma vez na vida. — Hyungwon quem tinha perguntado essa.

— Não queiram me incluir nessa de tentar todas as cores do arco-íris.

 

7:20am

Olha, depois de colocar o papo em dia com Jun, Han e Gun, me sinto mais leve. Apesar de ter ficado tenso minutos atrás por Hyungwon, Wonho e eles continuarem me perguntando onde eu havia me metido na festa. Pensei rápido em uma resposta e respondi que estava trabalhando. Contei toda a tralha dos ponches, da Yubi e eles sem querer substituíram as duvidas do meu sumiço pelas zoações. Eu nunca fiquei tão feliz por ser chamado de burro. Até Jooheon e Minhyuk entraram nessa.

Por falar neles, Minhyuk está com uma cor amarelo queimado, Jooheon está com quase a mesma cor.

Jooheon está mais bonito.

— Vocês viram Kihyun? — pergunto interrompendo os dois de continuarem se flertando na minha frente.

— Você diz aquele ali? — Jooheon indica com o queixo.

No meio segundo do intervalo do meu pescoço seguir a direção que ele está apontando, meu corpo foi gelando, chegando ao cume quando enxerguei Kihyun com uma cor vermelho alaranjado vivo nos fios do cabelo. Aquela cor representa o fogo, e o fogo representa o quão quente tá isso que está borbulhando no meu corpo agora.

— Bom dia. — ele me cumprimenta, com os olhos querendo atravessar a minha alma e um sorriso pequeno.

A única coisa que consigo fazer é acenar com a cabeça e afundar ela na mesa, obviamente eu tenho que esconder meu rosto nos meus braços também. Eu não quero que ele perceba que eu estou da cor do cabelo dele. Eu não tenho certeza, mas quando minha cara arde só indica uma coisa, ela está mudando de cor.

Percebo Jooheon e Minhyuk se juntarem a ele, eu estou ouvindo tudo da conversa, sim porque Minhyuk está colado na minha carteira e ele fala alto pra caralho.

— Vocês são dois burro! — Minhyuk adora me chamar de burro. Só hoje ele me chamou cinco vezes.

— E é porque eu ia dar uma na cara do Chang porque ele continuava falando besteira dos ponches, aí a vida ficou com pena que eu fosse nocautear ele e fez eu derrubar o ponche no chão, por isso-

— Quem que ia me nocautear? Você? Você não mata uma formiga, e ela é menor e mais fácil de matar que uma mosca e — não é difícil perceber quando eu caio em uma armadilha do Kihyun, o sorriso satisfatório dele entrega.

— Bem vindo a terra. O sono foi bom?

Reviro os olhos, voltando à posição inicial. Fisgar a isca uma vez já é o suficiente.

 

9:21am

O professor de história não demora muito para chegar. Graças a ele Jooheon e Minhyuk voltam para seus respectivos lugares, assim Minhyuk e Kihyun param de jogar indiretas pra eu participar da conversa,

— Chang. — Falando em uns do filho do diabo.

— Hm...

— Você... Eu fiz alguma coisa? Você tá com raiva de mim?

Aigoo porque ele faz essas perguntas sem sentido, porque ele tem que questionar qualquer movimento que eu faça, se eu não estiver olhando pra ele quer dizer que eu to com raiva dele? Precisa disso pra saber? Eu to sempre com raiva dele.

— Não. — sei que acabei de me contradizer, é falsa resposta, todo mundo faz isso.

— Eu vou juntar a minha cadeira na sua. — O que ele acha que acontecerá se uma vez na vida pedir a minha permissão? Um alien surge do nada pra cortar fora sua língua?

Ao menos ele avisou não é.

Os passos são conquistados devagar, e Kihyun é uma lesma quando se trata de mudanças de atitudes.

Quando estou virando para dizer um “não” bem curto e grosso, ele já encostou a carteira na minha. Eu apenas suspiro e baixo meus ombros, voltando a deitar na mesa. A luz é apagada segundos depois, me causando um susto, então percebo que é para os slides da aula. Vários e vários textos serão passados, e várias e várias camadas de sono se formarão. É o primeiro slide e eu já quero fechar os olhos, isso até sentir a mão de Kihyun alisar minha nuca e dedilhar o meu coro cabeludo. Eu afasto instintivamente, de olhos arregalados. Kihyun tira a mão, me encarando confuso. Ele sempre faz isso quando apagam as luzes para aulas de slide, certamente supôs que eu esteja acostumado. A paixão é uma merda ambulante, pois agora é diferente, é diferente porque meu coração está como aquelas mulheres sambando no carnaval, no caso meu coração é o chão em que elas estão pisando. Eu não quero ter um enfarto no meio da aula.

Olho para frente de novo, dessa vez ereto e tentando parecer focado no que está sendo passado no slide. Certo de que Kihyun tenha entendido o recado, tento relaxar um pouco. Um segundo se vai e ele passa o braço ao redor da minha nuca.

— Kihyun.

— Hm? — ele entrelaça os dedos no meu coro cabeludo de novo, fazendo aquelas massagens mágicas de voo doo que me faz querer dar uma de bela adormecida, e eu já estou sedendo. — Relaxa... — ele sussurra na minha orelha.

Eu acho que meu coração vai estourar e vai voar pedaço pra todo lado jorrando um sangue infinito, se é que um corpo contém tanto sangue.  Eu devo estar parecendo uma estatua sem reação — e qual estatua tem reação? — olhando pra frente tentando não derreter.

 

9:22am

Eu sou iludido.

Um baita de um iludido.

Eu acreditava que não passaria de um cafuné por isso deixei continuar aquilo, e aí vem Kihyun e começa a massagear o lóbulo da minha orelha, e alisar minha nuca, e arranhar de leve as minhas costas. Eu imediatamente reajo, começo a me contorcer e ainda solto uns gritinhos abafados, parando imediatamente por perceber o quão viado eu estava parecendo.

Ouço a risada de Kihyun. A gente sabe que foi realmente engraçado quando ele fecha os olhos, encolhe os ombros e joga a cabeça pra trás.

— Yah, por que você é tão fofo? — acabei pensando a mesma pergunta, só que Kihyun perguntou em voz alta. Isso me faz olhá-lo involuntariamente. — Você é muito bebê. Um bebê calado, desastrado, estranho e mal-humorado que parece tá bolado com tudo. — ele pontilha minha franja e joga pra trás. O que foi que ele disse? — Ei, — chama ele, chegando mais perto. — Deixa eu cuidar de você?

 

 

Eu acho que vou morrer

 

 

As luzes se acendem de repente junto de um clarão queimando bem dentro das minhas retinas. Me senti um vampiro sendo exposto ao sol, achei que viraria pó.

A sala “inteira” — aqueles que estavam dormindo; aqueles que estavam se alisando (não nos inclua) — emitiram um grunhido de dor. O choque pra mim e Kihyun foi tão forte que ficamos uns bons segundos de olhos fechados esperando eles se acostumarem com a luz novamente. 

— Isso é pra vocês pararem de dormir. — O professor diz. Eles sempre fazem isso, acendem a luz antes de terminar o que eles tão passando. Os olhos até brilham vendo nossas caras de descontentamento.

É fetiche, isso é fetiche deles. 

 

10:02am

— Kihyun eu quero prestar atenção na aula!

— Shiiii! — Alguém grita das carteiras da frente. Kihyun pede desculpa.

Eu devia ir para as cadeiras da frente, só nós dois além de Jooheon, Minhyuk e mais outros dois casais estão na ultima fileira da sala. Acho que os professores de história e geografia fizeram complô para dar aula de slide hoje, duas aulas seguidas. Kihyun está mais grudado em mim que o normal, disse que quer repor o tempo que não ficou do meu lado por estar terminando umas coisas do grêmio nesse intervalo do lanche.

Mas o intervalo do lanche só dura 20 minutos.

— Se você dormir eu dou uma mordida em você pra te acordar.

— Eh? — exclamo indignado. Ele ri.

— É sério.

— YA VOCÊ-

— Shiiiiiii! — dessa vez foi mais de uma pessoa.

— Desculpa, desculpa. — eu olho pro Kihyun com o olhar assassino.

— O quê? — às vezes eu tenho vontade de socar essa cara de sonso. Quis dizer, sempre.

— Para. To avisando. — uso um tom autoritário, ou tento. Ele vira a cara e bufa, descansando a cara na bochecha da mão.

Isso é desistência? Deve ser uma.

 

Com meia hora de aula, eu já estava na segunda etapa de sono. Dormia bem, eu dormia bem de verdade, aquilo estava bom. Bom demais para continuar, pois o objetivo do demônio é perturbar os sossegados. Quando ouvi os barulhos dos cliques pela primeira vez, eles faziam parte do meu sonho, era como se houvesse um bando de paparrazi tirando fotos minhas, e aí foram se intensificando... E ficando mais rápidos... E ME PERTURBANDO.

— O que meRDA? — Eu estava só com um olho aberto quando consegui enxergar Kihyun esbanjando um sorriso divertido por trás da luz FORTE do flash.

Assim que ele percebeu guardou o celular no bolso, fingindo que não tinha feito nada.

— Você estava tirando fotos minhas não é.

— Nê? Não.

— Kihyun quando você conseguiu mentir mal?

— É verdade!

— Me dá seu celular.

— O quê?

— Eu não quero você enviando fotos minhas no grupo e me zoando. — O grupo na qual me refiro é o grupo do kakao, que tem eu, os fiveD e mais alguns personagens da minha roda de amigos, incluindo Hyuna, Edawn, Gun e Lyun.

— Eu não vou enviar, fica frio.

— Então você assume que estava tirando fotos?

— Hm?

— Me dá essa droga logo — tento pegar o celular, iniciando outra caça. Pensando bem, acontece muito isso, ele sempre me provoca com esses tipos de coisas.

— Tudo bem aí meninos? Será que eu tenho que expulsar vocês dois da sala? — como eu odeio essas ameaças passivo-agressivas do professor.

— Desculpa, não vamos fazer de novo. — Kihyun usa um tom arrependido, isso não cola nem comigo, mas o professor resolve nos deixar em paz.

— Eu te odeio.

 

11:42am

Hangar dos deuses é ouvir essas palavras: “intervalo do almoço”. Eu posso ouvir meu estomago roncando de tanta fome.

— Vamos comer na cantina hoje? — Gunhee propõe para mim, Jun e Han. De repente ele parece estranhamente espirituoso com alguma coisa.

— Fechado.

Kihyun saiu no meio da aula das 11 para resolver algo que não me interessa. Isso fez com que meu imã Song Gunhee trouxesse Gun para substituir a carteira dele. E de alguma forma, Gun é ainda mais chato que Kihyun, porque ele fala um kilo e eu não entendo uma grama.

Eu não sei se é noia minha, mas Gun anda mais amável comigo. Eu to com medo. Ele pode ser aqueles assassinos sorrateiros que matam as vitimas em uma cena inesperada.

Ou ele só esteja querendo algo de mim. Seja o que for, devo ficar esperto.

— Você tá tão sumido. — Eu encolho as sobrancelhas quando ele diz isso subitamente.

— Sumido?

— Sim, está sempre andando com os fived, ops, SevenD porque você e Hoseok se tornaram um deles agora.

Faço uma cara de não estar entendendo. Jun e Han me acompanham.

— Eu fico com vocês todos os intervalos do almoço que é o mais longo.

— É verdade. — Han concorda. Ele também deve achar que Gun perdeu um miolo.

— Só fica com a gente porque os outros ficam na ala beta resolvendo as coisas, se eles estivessem livres ficaria com eles.

Mas o que ele quer dizer com isso?

— Yah yah — Han de repente fica sorridente. — Tá com ciúmes do Chang, Gun? — Ele e Jun riem, mas eu ainda continuo sem entender.

— Ciúmes seu anel.

— Colocando coisa aonde não existe. — Han continua botando lenha, só que Gun apenas faz uma careta e joga uma batatinha na cara dele.

Gunhee sempre agiu estranho, entretanto esses dias vem me assustando.

 

12:04pm

Eu devo ter cara de castiçal, devo mesmo.

Quando Minhyuk e Jooheon me roubaram de Gun, Jun e Han alegando que queriam resolver uma coisa extremamente importante caso de vida ou morte, eu realmente achei que fosse caso de vida ou morte, nãO CONVENCER WONHO A PEDIR HYUNGWON EM NAMORO.

— É sério Changkyun, ele tá chateado porque Hyungwon recebeu um beijo de uma menina na bochecha. — Minhyuk tentava pôr mais drama no caso.

— Eu avisei que Hyungwon não era flor que se cheire, o que vocês querem que eu faça?

— Yah — Jooheon me deu um tapa no ombro? — Hyungwon pode ter cara de enjoado, aparentar ser mesquinho e tudo, mas ele é um garoto puro e bobo. 

— Estamos falando do mesmo Hyungwon?

— Yah, faz isso pelo Hoseok. Ele tá chateado. — Minhyuk continua tentando. — Aquela menina foi só foi mais uma que se declarou pro Hyungwon. A gente sabe que Hoseok e Hyungwon se gostam. Você não é amigo dele? Não quer ver ele feliz?

— Se pra ver ele feliz tem que ter um Hyungwon do lado, prefiro ver triste.

— Mas o que o Hyungwon fez pra você?! — Jooheon parece indignado. De verdade.

— Ele existe...

Minhyuk rolou os olhos, mal esperou meus outros protestos e foi me arrastando de encontro ao Wonho. Eu realmente não to no clima pra consolar alguém.

— Hoseok hyung — Como Minhyuk consegue abrir um sorriso falso tão feliz do nada? — Chang quer falar uma coisa com você.

— Eu não quero nã- yah! — sou empurrado para o lado dele.

— O que foi... — Meu Deus, Wonho está um caco. Está amuado e os olhos inchados. Só pode ter chorado. 16 anos nos coro e continua um bebê chorão. E o que é esse beicinho.

— Soube que você está tendo um mal momento.

— É... Parece que sim. — ele cai como um morto em cima das minhas coxas. Olho para Minhyuk. Ele fica indicando com o queixo persistentemente para que eu continue com aquilo.

Reviro os olhos.

— Yah... Você... — suspiro. — Eu odeio dizer isso mas eu acho que você devia ir falar com o Hyungwon...

— E pedir ele em namoro. — Minhyuk complementa na mesma hora.

Wonho parece que leva um choque no cu, ele levanta das minhas pernas num piscar de olhos. Ficou até tonto.

— Nê?!

— Você vai ficar aí sempre que alguém beijar ele no rosto? Por que você não acaba logo isso? Eu hein. — Minhyuk é bom em apressar as coisas.

Wonho fica cabisbaixo, dando aqueles tiquiliques com a cabeça fazendo parecer ter 3 anos.

— Vocês acham que eu devia fazer isso?

— A pergunta que devia ser feita é por que você ainda está aqui?

Wonho faz mais um beicinho pensativo, e suspira.

 

12:10pm

Por que eu ainda estou com esses idiotas?

— Sua chance tá ali, vai com tudo. — Jooheon dá tapinhas nos ombros de Wonho mandando boas vibrações.

Estamos do lado de fora da biblioteca enquanto Wonho e os outros dois idiotas ficam espionando Hyungwon lá dentro. Wonho está MUITO relutante. Ele continua contorcendo os dedos.

— Hyungwon tá lendo um livro, eu vou atrapalhar, melhor ir embora.

— Deixa de drama e vai logo que caralho. — Minhyuk já está ficando irritado, e eu também.

Tão dramático.

Wonho suspira profundamente. — Ok.

Aleluia.

Quer dizer, inferno.

Eu não quero os dois juntos. Poorém, eu tenho que admitir que... Não gosto de ver o Wonho triste... Nem que seja por causa de uma múmia mongoloide, o Hyungwon. Por que tinha que ser ele? Eu prefiro Wonho solteiro, sabe porquê? Porque ela já tem me trocado pelo Hyungwon desde que eles se encontraram, e eu sei como Wonho é, ele é um mel, aqueles mel grudento. E é uma criança que acha que vai cuidar do parceiro só que no final ele que acaba requerendo o cuidado, e se essa coisa de namoro acontecer, eu vou ter que aguentar esses dois mais do que eu já aguento, plus que Wonho provavelmente não vai vir mais me perturbar em casa. Ah não ser para falar de Hyungwon, um assunto que eu não tenho interesse.

Acabei de reler isso e achei frio e infeliz. Eu deveria me importar mais com ele, já que ele é o meu, bom... É, melhor amigo. Mesmo que o próprio gato dele seja mais meu amigo que ele. Pois é, frequento a casa dele de vez em quando. O senhor Shin não mudou nada, continua o tio de sempre. A madrasta dele até que é legal, mas o Lámen (esse é o nome do gato) é o ser mais legal que tem naquela casa. Adicionando que ele gosta mais de mim do que o próprio dono, e Wonho me odeia por causa disso.

— Ei, Hoseok está atrás dele, a gente tem que ver isso de perto. — Minhyuk exclama animado.

Os 3 patetas aqui decidem entrar e se esconder no segundo corredor de livros. Por mais que eu odeie concordar com qualquer coisa que saia da boca do Minhyuk, eu também preciso ver de perto.

Vocês estão prontos crianças?

Wonho finalmente fala com Hyungwon.

Hyungwon recebe ele com um sorriso e até se levanta.

Os dois estão sem jeito.

Wonho começa a falar.

10 anos conversando sobre algo e Hyungwon ainda não morreu. Já já toca o fim do intervalo e nós continuamos aqui.

Ei, espera, acho que Wonho acabou de pedir porque Hyungwon petrificou no lugar.

Essa é a hora que Wonho leva um toco.

Não, espera... Hyungwon pergunta um alto: “sério?”

Wonho confirma.

Agora Hyungwon está olhando pro chão envergonhado. Não o vi respondendo nada mas Wonho está comemorando. É, acho que ele sucumbiu ao mal afinal.

— Aeeee! — Berra Minhyuk e dá com as costas da mão na minha cara sem querer, depois sai dando pulinhos saltitantes com Jooheon até eles. Retardados.

Bufo e sigo me arrastando atrás.

— Até que enfim, demorou três séculos! — Jooheon berra também.

— SILENCIO! — E essa foi à última coisa dita quando fomos expulsos pela bibliotecária.

 

13:00am

Bom, vamos lá. Eu ainda estou pirando na batatinha pelo o que acabou de acontecer, mas vamos começar, digo, finalizar o desfecho do caso Wonho e Hyungwon primeiro.

Eles estão oficialmente namorando.

Eu não posso afirmar que estou feliz, e odeio admitir que estou com um pouco de ciúmes porque meu amigo foi roubado de mim e nem parece que teve esforço. Se ele escolheu Hyungwon, o que eu posso fazer? Já passei dois meses tentando fazer com que ele desistisse e não deu certo. Além disso, ouvir Wonho defender Hyungwon e listar todas as qualidades do cara é um tédio. Ah... Adeus fins de semana assistindo series assustadores com Wonho e assustando ele... Adeus fins de semana vendo filmes tristes com Wonho chorando... Adeus ver vídeos engraçados com Wonho... Adeus jogar videogame com Wonho e ficar rindo porque ele perde tudo... Adeus finais de semana com o Wonho, e mal vindo fins de semana com Hyungwon, mensagens sobre Hyungwon, fotos gay no instagram, e mais coisas, más coisas...

Ah, senhora Yubi veio perguntar sobre os ponches. Eu neguei todas as acusações, e até me surpreendi com o meu nível de mentira. Acho que Kihyun está me infectando. Sobre ele, tenho certeza que nada aconteceu porque ele continua vivo aqui do meu lado, então nem preciso perguntar o que ele fez.

Ok, ao pirar na batatinha. Eu disse que Gun está estranho não disse? Ele perguntou, de supetão, se eu to namorando. Essa é a segunda vez que ele pergunta isso; a primeira vez foi dias depois dele ter falado comigo pela primeira vez. Não mencionei nada aqui porque pra mim era uma pergunta normal, até hoje, pois não foi só isso. Ele me perguntou na cara dura se sou gay. Eu respondi “não sei” após alguns momentos de processamento. E logo depois perguntou de novo se eu sinto outra coisa por Kihyun a não ser ódio. Como essas perguntas se ligam, o que ele quer? É claro que eu perguntei isso, e é claro que ele não me respondeu nenhuma delas. Especialmente a do: "por que você é tão misterioso?". A propósito, mistério deve não só ser a palavra preferida como também o estilo de vida. Até hoje não sei porque Gun quer se vingar do Kihyun, e como ele ainda consegue guardar rancor com tanto fervor dele.

Eu to cansado.

Estou seriamente considerando desistir disso tudo, eu só... Kihyun ele... Não é uma má pessoa. Pode parecer, mas não é. Eu tenho embasamento pra falar do assunto já que eu estudo com ele desde pequeno então venho acompanhando sua personalidade. Kihyun é arrogante, narcisista, fresco, ator, mentiroso, sonso, idiota, mongol, irritante, filho de uma mãe, contudo, também é fofo, carinhoso, engraçado, cuidadoso, responsável, talentoso e por incrível que pareça, tem um bom coração. Kihyun abriu as portas para que eu conhecesse ele melhor, mesmo que metade das coisas eu tenha descoberto por espionar ele. Mas isso só o torna melhor porque Kihyun não se gaba disso. E eu não estou defendendo ele por causa de paixão! É porque... É algo notável. É... Eu não acredito que vou falar isso mas, Kihyun é uma boa pessoa. E seja lá o que ele tenha feito com Gun, acho que não pode ter sido tão sério. Acho que Gun pode apenas seguir em frente e desistir também.

Eu estou resolvido, nessa semana mesmo vou sair dessa. Só preciso achar o dia certo.

 

4:00pm

Kihyun provavelmente adora me provocar, só que as provocações evoluíram para de vez em quando, para de vez em todas as aulas! Antes da professora formar grupos aleatórios e me separar dele, ele estava me cutucando e rindo porque eu mandava ele parar. Isso foi o de menos, ele simplesmente dormiu no meu peito a aula inteira, respirando no meu pescoço... Eu queria empurra-lo só que fiquei com pena, então deixei ele ali.

Eu devia ter previsto que as coisas evoluiriam, e não ficar com medo dele apenas esquecer tudo... O negocio é que, mesmo que ele aparentemente queira continuar com... Isso que estamos tendo, eu... Sei lá, ainda me sinto desconfortável. Não por estarmos juntos, mas sim por ele não querer, bom, tocar no assunto! Quer dizer, a gente se pegou pra caramba no baile, sem falar que... Nos pegamos de novo nesse ultimo intervalo no corredor do último andar. Eu não sabia que ele ia me beijar do nada tá legal! Enfim, entende aonde quero chegar? Será que eu devo apenas deixar rolar? Se for assim ele é meu ficante não é... Então até quando vamos deixar rolar? Até ele cansar de mim? Eu continuo pensando nisso, e só me faz ficar com uma sensação horrível.

Eu deveria tomar a iniciativa, e tocar no assunto só que, eu quero que seja ele. Acho que provaria que ele queira algo sério comigo... Sim, deve partir dele. Ele que me beijou primeiro, se ele me beijou primeiro foi porque ele quis me beijar e isso ele deixou claro no baile, e se ele admitiu deve ser porque ele tem algum sentimento guardado por mim aaAAAH

Minha cabeça vai explodir.

Eu não sei como essas coisas funcionam, eu nunca namorei pra saber.

 

5:03pm

Eu, Kihyun, Wonho e Hyungwon estamos esperando Minhyuk, Jooheon e Hyunwoo para nos despedirmos. Sobre Hyunwoo, ele ainda anda com a gente, só não fala mais comigo e com Kihyun. E não, ele não pintou o cabelo, na realidade acho que ele só pintou uma vez, e foi de marrom escuro.

Sabe, sobre essa situação... Acho que qualquer um se sentiria mal ao se colocar na minha posição, todavia eu estou mesmo é com um pouco de raiva. Quero dizer, ele ignora Kihyun o tempo todo, ele não pode superar? Kihyun tá comigo agora, mesmo que ninguém ainda saiba disso... Ah, eu sou tão babaca.

Não, Kihyun quem é o babaca, por que ainda estou com ele?

O amor é uma droga.

— Vocês demoraram hein? — Wonho diz quando avista os três vindo em nossa direção.

Caminhamos até o portão jogando conversa fora até nos despedirmos realmente na saída dele. Quase toda a escola já tinha ido embora, menos eu e Kihyun que me convenceu a ficar lá com ele até o pai dele terminar as coisas na diretoria e vir pegar o carro pra levar ele embora.

Estamos sentados em cima do batente em frente ao parque que tem na área gigante da entrada, e eu estou suando porque faz 5 minutos que estamos em silencio balançando os pés.

Decido dar uma olhada para ele para ver se me acalmo com o seu rosto, e aí quando ele me olha de volta e sorri eu fico pior.

Bosta, que merda hein! Grande ideia Changkyun!

Ouço ele rir e decido encará-lo de novo.

— Que foi? — pergunto, ele me olha e sorri de lábios fechados, se inclina para mais perto e põe uma mecha minha atrás da orelha.

— Você é lindo. — Acho que meu coração parou. — Vai parecer idiota mas eu sempre achei você bonito.

O que?

— O que?

— Eu sempre te achei bonito. — ele ri de novo.

— Mentiroso.

— É sério! Eu sempre te achei bonito, desde a primeira vez que te vi...

— E-espera, tá dizendo pra mim que me achou bonito desde que eu cheguei nessa escola?

— Sim, estou dizendo. — Eu não sei o que responder.  — Eu até pensei em falar com você, só que, você era tão... Misterioso. Eu não sei, acho que fiquei tímido. — Kihtun fycou timidodj? — Eu devia ter falado com você naquele dia... Talvez as coisas seriam diferentes.

— Diferentes? Como assim... Diferentes?

Kihyun suspirou, e pareceu um suspiro cansado de alguma coisa.

— Chang, eu tinha um crush em você entendeu. — Ham? O QYE — Você era bonito, misterioso e estranho, e eu não sei como isso te deixava muito fofo e com vontade de perturbar você durante todo o dia, eu vivia disfarçando meus olhares, que droga, eu pareço um stalker, aigoo, esqueça isso que eu acabei de falar-

— Não não não, como assim, você sempre gostou de mim?!

— Ah, esquece, esquece... — Ele fez menção de sair, mas eu segurei seu braço.

— Eu não vou deixar você fugir agora. — Ele me olhou por um tempo e voltou ao lugar, suspirando profundamente por alguns segundos, me deixando ainda mais impaciente.

— Tudo bem... Sim.

— Sim o quê?

— Sim, eu gosto de você desde aquele época Changkyun.

Ok.

Como...

Como eu sequer processo essa revelação? Não pode ser verdade.

— Você tá mentindo não é?

— Chang, eu acabei de dizer que gosto de você desde que pisou nessa porcaria de escola, você acha que eu mentiria sobre essas coisa? Ainda mais sendo você a pessoa, ah, o que é isso, eu nem sei como consegui botar pra fora, eu nem sei o que estou fazendo mais da minha vida, o que porra...

O mundo está de cabeça pra baixo, e eu não tenho mais dúvidas de que dormi e acordei em outra dimensão. Meu coração tá palpitando tão rápido, minhas axilas tão suando. Eu nem sabia que minhas coxas podiam chorar porque eu sinto a calça da minha farda molhada.

Kihyun sempre gostou de mim? Essa frase é tão irreal quanto eu estar apaixonado por ele... Pois é, eu estou apaixonado por ele! Isso não faz sentido... Agora tenho certeza que essa definitivamente é outra realidade, e bem, se for... Eu espero continuar vivendo nela.

Acabei de notar que Kihyun continuou falando todo esse tempo e eu não ouvi nada.

— Ei, tudo bem. — Lhe corto, porque ele está tão surtado quanto eu. — Tudo bem...

Kihyun dá uma respirada e depois mira os olhos no chão, coçando a parte de trás da cabeça.

Ele parece estar muito embaraçado. O que se passa? Eu ainda deveria ter duvidas, mas por que acho que ele está falando a verdade? Aish... Mas... E então...

— Por que você ficou com o Hyunwoo? Se você sempre gostou de mim...

Kihyun suspira, e tomba a cabeça para o lado olhando o nada.

— Porque, ele sempre esteve perto de mim, na minha roda de amigos e... Ele cuidava muito de mim. Além de que, foi ele quem pediu pra namorar comigo e tal...

— Sério?

— Sim, e só começamos a namorar no inicio desse ano.

— Ah... Mas e então? O que aconteceu com vocês dois? Tipo... — eu estou tão nervoso, eu sei que nem deveria estar pensando nisso, no entanto, continuo achando que eu sou o culpado...

— Ciúmes. — MERDA. — Ciúmes, ele tinha ciúmes de todo mundo, só que ele é diferente; ele só descontava em mim. Só descontava em mim, toda vez que alguma garota vinha se declarar, até quando eu abraçava alguns amigos ele me acusava, e com você não foi diferente... Chang, ele... Não tem ideia de como me deixava frustrado e sempre me fazia acreditar que eu era o culpado de tudo, por isso eu voltei com ele naquele dia, porque eu ainda me achava culpado e aí...

— E aí eu estraguei tudo de novo...

— Não! Você não estragou, você só abriu meus olhos. Eu briguei com ele naquele dia e encerrei de vez nosso lance. A parte engraçada é que, eu ainda pedi para sermos amigos. — Kihyun dá um riso triste. — E aí... Ele foi embora e nunca mais falou comigo. — Ele ri de novo, dessa vez sarcasticamente. — Sabe eu acho que nunca, nunca vi ele como um namorado. Eu via mais como um hyung que cuidava de mim, e eu nunca... Nunca senti...

Ele parou hesitante.

— Senti...? — repito, tentando o encorajar.

— Senti isso que eu sinto por você. — Eu to cor de rosa, nem preciso de um espelho. Na verdade acho que estou uma mistura das duas cores de cabelo dele, a passada e a de agora. — Changkyun, desde o dia em que começamos a nos falar, a andar juntos, eu ficava alegre. E eu pensava e penso em você todos os dias antes de ir para a aula, e ficava feliz quando via você naquela cadeira, com um olhar inocente pra lousa, ou entediado.  — ele ri. — Desculpa ter te tratado mal, eu só estava com raiva de mim porque estar gostando de você e... Desculpa.

Ok... Certo...

Certo.

Isso é demais.

— Você tá parecendo um camarão. —  É, eu devo estar parecendo um na certa.   E então...? — Ele pergunta, prendendo a minha atenção de novo.

— E-e então o quê?

— Changkyun... Me deixa... Continuar te perturbando?

 

 

 


Notas Finais


#DeixaKihyunContinuarTePerturbando

Galera, Chang voltou com o blog, vão lá
Blog (novo post) - https://justaloser0.blogspot.com.br/2018/05/o-broche-tenho-certeza-que-voces-ja_15.html

Talvez vc curta:

Fic Monsta x, ABO – Life Changes - https://spiritfanfics.com/historia/life-changes-6071977

Imagine ABO com o nosso Minhyuk do Monsta x, onde vc é a alfa e ele o ômega - https://spiritfanfics.com/historia/i-hate-you-lee-minhyuk-9881636

Até o próximo~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...