História Pokémon Delta - A viagem em Monveur - Capítulo 2


Escrita por: e UsuiLilith

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Personagens Originais
Tags Delta-forms, Dialga, Eeveelutions, Giratina, Lunala, Lusamine, Monveur, Palkia, Pokémon, Primal Groudon, Primal Kyogre, Solgaleo, Team Delta, Ultra Beasts, Ultra Necrozma, Unova
Visualizações 4
Palavras 3.196
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


BOA NOITEEEEE (ou madrugada)

Sim, eu sei, eu demorei pra lançar esse capítulo. Tive outras coisas para fazer. Outras fics para escrever. Enfim, não tive muito tempo para me dedicar a pokémon delta. Por fim, conseguir escrever esse capítulo, que, como vocês vão ver, supera muito o primeiro em quantidade de palavras. Espero que supere na qualidade também.

Espero que gostem do capítulo!

Capítulo 2 - Capítulo 1.


Satoro acordou com a luz do sol batendo em seu rosto. Um mês se passou desde que chegara em Monveur, e a estadia na casa dos avôs têm sido satisfatória para ele e sua irmã. 


Olhou para a direita, encarando seu eevee adormecido. Por um momento se perguntou quando começaria sua jornada, e porque ela ainda não começara. Se virou para a esquerda, e viu sua irmã dormindo agarrada com seu Piplup. Ela parecia estar bem mais animada do que ele para sair do conforto da casa. Provavelmente deve estar contando os dias para a jornada começar, pensou Satoro, ela realmente quer ser uma ótima  treinadora. 


Pensou, então, sobre o que iria fazer. Queria ser um bom treinador, mas, por outro lado, sabia que muitos adolescentes de sua faixa etária também possuem o mesmo sonho, dificultando um pouco mais as suas ideias.


Ainda  tinha sua irmã... Satoro tem certeza de que ela não voltaria para casa sem ter, no mínimo, sete das oito insígnias dos ginásios de Monveur. Embora ela tivesse um sonho ambicioso, Satoro não tinha certeza de que deixaria ela ir fazer isso sem ele, porém, seu medo era o que Sakura iria querer fazer para provar que é uma das melhores treinadoras do mundo.


Entrar na frente de Pokémon selvagens? Satoro conhecia histórias de treinadores que tentaram fazer isso. Alguns morreram, outros ficaram aleijados. São várias as historias de jovem treinadores que pararam sua jornada por causa desse comum erro bobo.


Ter seus Pokémon roubados? Desde que a equipe rocket fora derrotada em Kanto e em Johto, os casos de roubos de Pokémon diminuiram bastante. Mas ainda era provável.


Equipe Rocket... O objetivo deles era tentar conquistar o mundo, pelo o que ficou sabendo. Equipe Magma e Aqua queriam acabar com o mundo como ele é conhecido atualmente. Equipe Galatic, equipe plasma, equipe flare, e a aether Fundation. Todas aquelas equipes tinham algum tipo de desejo maligno. Todas foram derrotadas por treinadores. Porém, ainda existem membros dessas equipes espalhados pelo mundo. E se alguém decidir criar outra equipe? Quantos inocentes saíram feridos, ou até mortos, disso? O que eles poderiam planejar?


Talvez fosse cedo demais para pensar nisso. Satoro normalmente acordava onze horas da manhã. Dormia muito tarde, sempre. Sua irmã normalmente acordava antes dele. Olhou para o relógio do outro lado da janela. Sete e meia da manhã. Então percebeu a dor de cabeça constante, e o ronco da barriga. "Eu sou um idiota". 


Provavelmente o fato de Satoro estar morrendo de fome tivesse interrompido seu sono. Isso que dá não jantar, e só comer alguns biscoitos.


Se mexeu com o maior cuidado possível para não acordar seu eevee. O cobriu com a coberta antes de levantar por completo. Fazia um certo frio no quarto, pois era verão, e o ar condicionado estava ligado. Não queria que seu pokémon ficasse com frio demais. 


Andou lentamente até a porta. A abriu com cuidado, mas, mesmo assim, não foi possível evitar um rangido alto e elevado. O barulho do braço de sua irmã movendo para o outro lado foi como um alívio. 


Se dirigiu até a cozinha. Ouviu algum som enquanto abria a geladeira. 


Piano. O som era de um piano. Tinha alguém tocando piano.


Foi até a sala do piano. Para sua surpresa, encontrou sua avó e o Manectric juntos. Os velhos dedos tocavam suavemente nas teclas do piano, fazendo uma bela melodia. O cachorro elétrico se divertia com a música. Grunhidos de alegria podiam ser ouvidos dele. 


Satoro ficou olhando a cena por alguns segundos, se perguntando porque sua avó estava acordada tão cedo. Então, ela parou.


—Posso saber o que você está fazendo acordado nesse horário? — sua voz soou num tom autoritário, graças ao fato de que Satoro deveria estar dormindo. 


—Acordei com fome...


—E estava prestes a assaltar a geladeira, estou correta? — o jovem foi interrompido por sua avó. Ele pode sentir suas bochechas esquentarem.


Uma risada foi ouvida. Contagiante, mas não alta. Provavelmente ela já imaginava que se tentasse rir muito alto acabaria acordando seu marido e sua neta.


—Não se preocupe. Também aconteceu comigo. Vamos até a cozinha. 


Ela se levantou, e o Manectric acompanhou seus passos. O trio se direcionou para a cozinha, silenciosamente. Nenhuma palavra foi trocada durante o percuso. 


Satoro abriu a geladeira. Viu o pedaço de bolo esperando para ser devorado, mas passou direto. Sabia que Sakura estava guardando aquele pedaço para ela. Se agachou, de forma em que a bunda ficava para cima, e sua cabeça poderia alcançar os locares mais baixos da geladeira. Pegou uma cesta de frutas. 


Uma grande fruta vermelha era o suficiente para Satoro. Virou a cesta para sua avó, que pegou uma pequena oran berry. O garoto franziu as sobrancelhas. 


—Eu não estou com tanta fome. Já comi algo antes.


O silêncio tomou conta pelos minutos seguintes. Depois de um tempo, Satoro decidiu que deveria ir dormir, mas antes, sentia a necessidade de perguntar algo para sua avó.


—Então... Você toca piano? — Era a coisa mais repentina e idiota que poderia ter perguntado. Tinha acabado de ver ela tocar uma melodia de maneira impecável. 


—Sim, desde sempre. — ela fez uma pausa,  seguida de um suspiro. — Sua mãe também tocava... Ela planejava ensinar para sua irmã... Como uma tradição de família.


Sua mãe. Satoro quase nunca gostava de pensar nos pais. 


Quando eram muito pequenos, os pais de Satoro e Sakura sofreram um acidente. Foi fatal para ambos. Na época, porém, seus avós estavam numa pesquisa pelo mundo, e como só pararam em casa recentemente, os gêmeos tiveram que crescer num orfanato. Mas ainda assim, o menino lembrava das poucas visitas que seus avós já tinham feito quando era pequeno. Os Pokémon deles eram fantásticos e belíssimos na época. Não que tivessem deixado de ser atualmente, mas naquela época, era um dos únicos vestígios de felicidade para os dois.


—No orfanato nós podíamos escolher atividades extras para fazermos. Sakura não queria tocar nenhum instrumento. Na verdade, eu quis. — a mais velha arregalou os olhos, surpresa. — Violino. Não sou tão bom assim.


—E ela quis aprender alguma das atividades extras? — Perguntou, curiosa.


— Sim. Ela fez natação, junto de mim. Além disso, ela também fez algum estilo de luta.


—Luta? Por que, ela achava que iria precisar lutar corpo a corpo contra algum pokémon? — perguntou, no meio de gargalhadas.


—Sei lá, eu nunca perguntei pra ela porquê. Enfim, tenho que ir dormir. 


—Claro, vá então. Você está com sono, provavelmente, já que está acostumado a acordar mais tarde.


Satoro terminou de comer, e se dirigiu ao quarto. Quando chegou lá, deitou na cama de forma que não incomodou o eevee, e dormiu.


Acordou, e não parecia ter passado nem um segundo desde que se deitara. Mãos o sacudiam.


—Acorda, dorminhoco! Vovô e vovó estão terminando as coisas para seguirmos nossas jornadas! — ouviu a voz animada de sua irmã.


—Me deixe dormir... Só mais dez minutos... Ou dez horas...


—Ah, vamos lá, irmão! Você só sabe dormir! O que você fez, afinal, para que durma tanto?


—Gunh! — resmungou Eevee, enquanto balançava a cabeça de Satoro. Os olhos dele cintilavam, alegremente.


—Eevee... Você já acordou? — perguntou o garoto, meio sonolento.


—Viu só? Até ele já acordou e você não! — ela falou, tentando parecer que estava com raiva, mas ao mesmo tempo deixou uma gargalhada passar. — Vamos lá! Você não acredita no que eles estão arrumando! — e então a garota assobiou e seu piplup veio correndo e soltou bolhas em cima de Satoro. Logo após isso, eles dois saíram correndo do quarto.


—Hunf... Você poderia ter me acordado... — resmungou, enquanto levantava. — Que foi? Que cara é essa, afinal? — Eevee estendeu uma pata para o pacote de biscoitos para pokémon em cima de uma prateleira. — Ah, vamos lá, Eevee! Como eu vou saber que você já não comeu um hoje? 


—Ga, nhum! — disse o pokémon, dando pulos na cama, irritado. — Grrrrr! Guh! 


—Por Arceus, não exagere também. Certo, fique aqui. — pegou um biscoito e jogou na direção do animal, que o pegou com um rápido pulo. Em segundos, o petisco não passava de migalhas em cima da cama. — Sabe, você sempre come rápido demais... 


Eles saíram do quarto, por fim, depois de Satoro trocar de roupa. Acharam o resto da família na sala. 


Sacos estavam espalhados por todos os lados. Comida, água, barracas, sacos de dormir, ração para pokémon, repelentes, guarda chuvas, tênis, mudas de roupa... De tudo um pouco. 


—Por Palkia! Pra quê tudo isso? — perguntou, ao ver a bagunça que estava a sala. 


—Oh, não se esqueça das roupas de frio... Tem uma parte da região que, no inverno, faz mais frio do que vocês jamais poderiam ver em Sinnoh. Onde estão os protetores solares, Sakura? — ouviu a avó ordenar, no meio daquilo tudo. — Satoro, venha cá. Pode pegar meu Mudsdale lá fora? Ele ajudará vocês a carregar as coisas. 


—Mas... 


—Sem mas! Onde está o kit de escalada? 


Satoro se viu sem chances. Suspirou, e foi pegar o pokémon. Encontrou ele junto do arcanine. Puxando-o pelas rédeas, levou-o para a porta de casa.


—Barracas, aqui. Pares de tênis especiais para cada tipo de terreno, aqui. Mapa... NÃO ME DIGA QUE VOCÊ ESQUECEU O MAPA! 


—Desculpa, estava distraída pegando as pokédex... 


—E esqueceu do mais importante? Vocês ficariam perdidos se não tivessem um mapa!


—Certo, não precisa ficar nervosa... — disse Sakura, saindo lentamente. — Depois sou eu que estou ansiosa...


—Vó! Você poderia me ouvir por um segundo? — gritou Satoro, tentando ser ouvido dessa vez.


—Ah, pegou o Mudsdale, ótimo. O que você quer falar, querido?


—Como vamos levar tudo isso? 


—Hunf. Eu estou separando isso agora mesmo. Se você tivesse acordado mais cedo...


—Provavelmente ia ter que ficar fazendo sanduíches! Sério, minha mão ainda está doendo por causa daquilo. — reclamou a garota, aparecendo com o mapa. — Você teve sorte, maninho, por ter ficado dormindo. Perdeu a melhor parte. — e então ela foi para o ouvido do irmão — você deveria ver ela reclamando que não achava os óculos de mergulho. Sério, pra que óculos de mergulho?


—Se você não sabe, existem muitas praias em Monveur que valem a pena visitar. Ah, sim, os pokémon aquático sempre fazem ótimas festas...


Parou de falar quando um garoto apareceu no muro da casa. Satoro o reconheceu como aquele que tinha ido para a casa de seus avôs no dia anterior. Como é que era o nome dele mesmo? Pensou. 


—Estão de saída? — perguntou, enquanto olhava para as bolsas. Um elekid subiu no muro, enquanto um charmander estava em seu colo. — eu poderia ajudar em alguma coisa?


—Não, Alan, não se preocupe. Está tudo sobre controle. — disse a avó. — você vai sair logo? 


—Bem... Agora que meus pais não precisavam mais se preocupar com seus pokémon... Eles acharam seguro eu ir numa jornada. — nesse momento, eevee passou correndo por eles, rápido demais. Ele estava fugindo de um Growlithe furioso, que ao passar, correu perto demais das pernas de Satoro, o fazendo se desequilibrar e cair no chão. — Esse Eevee é seu? — o ajudante perguntou-lhe, enquanto oferecia uma mão para ajudar-lo a levantar. Acenou com a cabeça em resposta. — Hum... Tome, deixe isso com ele. 


Entregou um pequeno cristal, preso num colar. Metade dele era azul, e a outra metade, rosa.


—Obrigada... Mas o que isso faz? — perguntou, com dúvidas.


—Você descobrirá durante sua jornada, espero eu. Hey, aquela é sua irmã? 


Sakura estava correndo atrás de Piplup, sujo de lama, que por sua vez, corria atrás de Eevee. 


—Oh, Arceus. O que eu fiz para merecer isso? Sakura! O que aconteceu? 


—Esse... Seu... Maldito... Ah! Te peguei! — disse, enquanto agarrou Piplup com as duas mãos. — enfim. Seu Eevee sujou meu piplup enquanto corria do Growlithe. Sério, ele arruma briga com tudo. Ah, para de reclamar, é só um banho! — o pinguim começou a se contorcer em seus braços.  — Qual é! Você é tipo água! Não pode ficar com medo de um banho...


Depois disso, ela saiu, indo para dentro de casa. Eevee voltou correndo, e pulou para Satoro, que, desavisado, acabou caindo. 


—Hum... Boa sorte na sua jornada. — falou Alan, antes de ir embora. 


—Ahn... De nada? — Satoro tentou agradecer, mas parou assim que viu o garoto indo embora. — Eevee, você precisa parar de fazer isso! — pegou-o com as duas mãos, enquanto o advertia. — Imagine você arrumar brigas com alguém maior que você durante a jornada! Nós iríamos nos meter em grandes encrencas, e seria sua culpa!


O pokémon soltou um pequeno grunhido de compreensão. Mas isso foi antes de ouvir um latido furioso do Growlithe de que estava fugindo antes, e voltar a correr. 


—Ah... Quando foi que isso começou? — se questionou, enquanto se levantava. 


O resto da manhã passou rapidamente. O almoço foi tranquilo, e, felizmente, Eevee e Piplup não tentaram se matar de novo. Este último estava limpo, com uma gravata em sua garganta. Ele comia tranquilamente sua ração, ao mesmo tempo em que Eevee parecia nunca ter visto comida na vida. Maldito esfomeado, pensou Satoro. 


—Bem, vamos lá. Está tudo pronto, mas têm certeza que irão embora cedo demais? Quero dizer,um mês é pouco tempo... — começou o avô, mas Sakura o parou.


—Vô, vó. Nós sabemos que vocês não podiam ficar conosco graças às diversas viagens perigosas que vocês faziam como pesquisadores. Mas nós sempre sonhamos em viajar, em conhecer o mundo, em ser grandes treinadores! Não podemos fazer isso dentro das paredes da casa de vocês, e vocês não podem nos acompanhar. E como só é possível começar a jornada com autorização dos responsáveis, nós tivemos que ver crianças com quem crescemos irem embora, se tornarem grandes treinadores... Nosso próprio primo, em Sinnoh! Campeão! Ele conseguiu vencer Cynthia, enquanto nós tínhamos que viver num orfanato! Foi difícil, e eu sei que vocês gostariam de passar mais tempo conosco. Acreditem, eu e Satoro também. 


—Então esperem até amanhã. Já está quase de noite, e vocês não irão viajar muito em horários noturnos. 


O resto do dia foi calmo, embora Satoro tivera que afastar Eevee dos pokémon de seus avôs para ele não começar mais uma briga. Durante a noite, conseguiu perceber os movimentos agitados da irmã na cama, nervosa para começar logo a jornada. Ela não era o tipo de pessoa que podia ficar trancada por muito tempo, fazendo as mesmas coisas, o tempo todo. Com toda certeza, ela e Eevee poderiam ter uma ótima "mecânica" de treinador e pokémon. Claro, se ele fosse dela. Piplup, por outro lado, era bem mais calmo. Era quase impossível para Satoro pensar nele lutando, mas imagine dizer isso para sua irmã? Ela explodiria. Já poderia sentir as palavras e os xingamentos, as afirmações de qualquer pokémon pode ser forte, independente de quem ele seja...


Por fim, pegou no sono. Acordou mais uma vez sendo balançado pela irmã. Esperava que ela não pegasse uma mania de fazer aquilo.


—Vamos, Satoro! Está na hora! Olhe, já são quase oito e meia! Nós devemos ir embora o mais cedo possível! Acorde, vamos! — ela praticamente berrava, enquanto suas mãos faziam o rápido movimento de ir e voltar ao balançar-lo.


—Oito e meia? Você costuma acordar às nove... Nos dias que acorda cedo... — Eevee então pulou para a sua cabeça, enquanto ele sentava. — Por que todos estão acordando antes de mim? — se questionou, enquanto acariciava o pokémon.


—Mas hoje é o dia, Satoro! Nós tínhamos combinado de acordar cedo! — ela falou, empolgada, enquanto o obrigava a se levantar. — Vamos, troque de roupa, eu já estou pronta! Te vejo lá em baixo!


Bufou, e foi para o banheiro. Tomou um banho, pois não sabia quanto tempo iria ficar sem tomar outro numa banheira, ou até mesmo num chuveiro. As rotas eram grandes, e dias podiam se passar em apenas uma delas. Os banhos eram feitos em lagos, ou rios, isso quando haviam estes. Obviamente, não tinha como ficar tão limpo quanto um banho na banheira da casa de seus avôs.


Trocou de roupa, e só então percebeu o cristal no meio delas. Reparou melhor no colar. Ele era feito de ouro puro, e verdadeiro. Pedras preciosas estão entre os furos da pequenina corrente que era o colar. O cristal, maior que tudo, pairava brilhante. Levantou ao Sol, e conseguiu ver a luz refletindo no banheiro. O tom de azul era sereno como o mar, e o tom de rosa, belo como o amanhecer. O que isso pode fazer? Pensou por uma última vez. Que relação isso teria com meu Eevee?


Por fim, desceu, com seu pokémon no ombro. Fez um rápido café da manhã, e se atentou às últimas dicas de seus avôs.


—E não se esqueçam de nos ligar sempre que for possível! Pelo menos, três vezes ao mês, e sempre que chegarem à uma cidade! — foram as últimas advertências, enquanto ajeitavam as mochilas, e as grandes bolsas que iriam com o Mudsdale. — Lembrem-se, se vocês desistirem, a casa estará aberta! Nós temos contatos pelo mundo todo, poderíamos arrumar alguma faculdade...


—Não se preocupem! Ouvi dizer que a recompensa por ser campeão de uma região é grande o suficiente para se viver a vida inteira sem nenhum problema! — Disse Sakura, otimista — Adeus! 


—Adeus! — responderam os avós, enquanto olhavam os netos irem em direção ao desconhecido.



                                    ...


Um laboratório fazia seus últimos testes do dia. Cientistas andavam por todos os lados, com tablets, anotando resultados. Um braço robótico era visto do outro lado de um vidro, que separava os humanos de jaleco branco da outra sala. Em uma mesa, um pequeno Eevee se contorcia de medo. 


O braço mecânico apanhou uma pedra que estava à sua disposição. Ela era vermelha, com tons de amarelo e laranja. Brilhava como o fogo verdadeiro, que parecia estar queimando dentro dela. Outro robô apareceu, agarrando a cauda de Eevee, que não pode fazer nada. 


A pedra de fogo o tocou. Imediatamente, ele começou a brilhar. Seu tamanho aumentou, seus pelos se tornaram mais altos, o fogo da evolução era sentido dentro da sala... Pelo menos até antes do outro braço robótico começar a sugar a energia dele, e levar para um cristal, que começou a brilhar. 


Os berros de dor de Eevee eram enormes. Os cientistas olhavam aquilo com olhos incrédulos. Uma evolução sendo parada era algo esquisito de se ver, e mais raro ainda, era o Pokémon, quando forçado, sobreviver. 


Por fim acabou. O cristal deixou de ter um brilho azulado e avermelhada, para se tornar transparente. Eevee caiu na mesa, esgotado. 


Dados em telas espalhadas pelo laboratório deixavam claro: ele ainda estava vivo. 


—Ótimo. — sussurrou a chefe dos cientistas, ao ver aquilo. — Então nosso experimento está dando certo... Se conseguirmos forjar um ultimate-crystal perfeito para um Eevee... E com a capacidade de evoluir para qualquer uma de suas evoluções... Isso seria o suficiente para que Arceus nos note. — então colocou seus olhos na direção do pobre pokémon,sem forças. — Finalmente algum sobreviveu. Embroa duvide que sobreviva novamente quando formos fazer isso de novo. — virou para alguns guardas por ali. — deixem-o na natureza. Se ele não morrer pelos ferimentos, alguém dará conta dele. — e pôs seu olhar no cristal, triunfante. — Giratina... Nos espere. Nós estamos vindo. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...