História Pokémon Rangers - Interativa - Capítulo 3


Escrita por:

Visualizações 52
Palavras 2.197
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção Adolescente, Mistério, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Mutilação, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Introdução - Novas e futuras responsabilidades


Fanfic / Fanfiction Pokémon Rangers - Interativa - Capítulo 3 - Introdução - Novas e futuras responsabilidades

Suaves raios de luz passavam timidamente pelas persianas azuladas, trazendo uma iluminação branda para a sala estéril, o piso de mármore branco e as paredes de concreto exalavam limpeza, com o cheiro  doce de flores de lavanda e produtos médicos pairando entre as diversas camas e macas espalhadas pelo ambiente, todas ordenadas simetricamente e dispostas com as cabeceiras voltadas para parede, tendo apenas finas cortinas de um azul marinho profundo criando alguma divisão entre as mesmas e os incontáveis equipamentos médicos e armários colocados por ali, todos bem abastecidos e prontos para uso.

O principal par de portas do cômodo fora subitamente aberto, deixando passar por entre os batentes uma estranha criatura oval, com seus membros curtos se movendo de maneira surpreendentemente rápida, o par de curtos cachos rosados nas laterais de sua cabeça moviam-se ao ritmo de seus paços rebolados, assim como a suave plumagem branca que adornava a parte inferior do seu corpo, atuando quase como uma estranha calça, bem na frente de sua barriga fofinha vinha uma bolça de pele, carregando um ovo assustadoramente grande, que, mesmo com toda agitação de sua cuidadora, não mexia-se um centímetro sequer de seu lugar, assim como a expressão sempre doce e alegre da amorosa Blissey que o carregava.

Logo atrás vinham duas figuras masculinas distintas, o primeiro portava-se de maneira enganosamente desleixada, com a postura curvada e longo jaleco amaçado e repleto de desgaste parecendo ter visto dias melhores, mas, seus passos eram firmes e decididamente colocados, mesmo que houvessem diversas faixas espalhadas pelo corpo do homem, principalmente um conjunto  amarrado em volta de seu olho direito e grande parte de sua bochecha, deixando sua visão por conta de apenas um olho chocolate ligeiramente puxado e adornado com gigantes olheiras, condizendo com o restante da sua aparência desleixada, com calças e camisa larga que escondiam qualquer indicio de seu físico, além de rebeldes madeixas castanhas que caiam indisciplinadas em seu rosto, montando uma longa franja que passava entre suas sobrancelhas e quase atingiam a ponta do nariz fino, encobrindo um pouco da expressão exasperada de seu rosto.

O outro era visivelmente mais jovem, com uma altura diminuta e corpo magro, movia-se a passos saltitantes, quase como se houvessem molas em seus pês, os mesmos que ele insistentemente mantinha descalços, fazendo com que seus dígitos quase se perdessem no chão devido a brancura de toda sua pele delicada, algo que estendia-se até para seus pelos, o que destacava seus grandes olhos rubros, que pareciam arder numa constante e perigosa selvageria, completando sua expressão brincalhona e o sorriso malicioso que ardia em seus lábios, condizendo horrivelmente com seu traje formado por uma escura peça única preta, repleta de bolsos e visivelmente planejada para uso militar, destacando também a grossa coleira de metal que estava firmemente presa em seu pescoço, com mecanismos de travas avançados e um pequeno conjunto de luzes que piscavam constantemente em verde.

No ninho de fios brancos e ondulados da cabeça do jovem havia uma pequena bola de pelos escuros, que mentia seus membros quadrupedes e focinho longo encobertos por sua felpuda cauda negra, expondo apenas um tufo de pelos que juntavam-se no formato peculiar de uma flama, com as pontas destacando-se graças a seu tom rico de azul.

“Eu juro garoto, você ainda vai ser o motivo da minha morte.” O homem mais velho falou, dirigindo-se junto a Blissey até um dos muitos armários da sala, agarrando uma bandeja e um conjunto variado de frascos, deixando com que o pokémon alegria os segura-se enquanto se voltava para seu problemático paciente.

Um grunhido animalesco saiu dos lábios do mais jovem, que sentou-se indisciplinadamente contra a maca mais próxima, cruzando seus braços firmemente contra o peito e olhando fixamente para o médico, seu sorrisinho cresceu. “Não foi minha culpa.”

“A culpa foi sua sim! Principalmente quando sua brincadeira inofensiva, atiçou um dos Charizards mais temperamentais da base!” O homem de madeixas castanhas respondeu, apontando acusadoramente para o albino antes de fechar momentaneamente seu único olho exposto, levando a mão contra o rosto e erguendo nervosamente sua franja, soltando um suspiro profundo. “Tudo bem, eu nem queria férias mesmo. Agora vou ser responsável pelo menino selvagem residente... Eba." Ele ergueu as duas mãos energeticamente no ar, como se comemorando uma vitória, mantando sua expressão desanimada e voz seca.

O rapaz olhou interrogativamente para o de jaleco, franzindo as sobrancelhas em confusão. “Eu pensei que você não queria mais me ver na sua frente depois daquela corrida com o Arcanine idiota.”

“Não foi isso... quer saber, esqueça Shiro. Eu nem sei por que ainda me dou o trabalho.” O outro suspirou dramaticamente mais uma vez, voltando sua atenção para sua parceira. “Serenity querida, por favor deixe os anestésicos na cama e use um Heal Bell moderado nos dois, ok? Não sabemos o quanto de energia o corpo do encrenqueiro vai aguentar sem efeitos danosos.”

“Claro Aiden!” O Tipo normal respondeu feliz, mesmo que o único que realmente entende-se suas palavras concretas fosse o de cabelos brancos, não era difícil compreender a grande e amorosa bolota rosa, que depositou a bandeja que ainda carregava nos pês da cama hospitalar, deixando suas patas gordinhas e rechonchudas livres para tocar gentilmente uma das pernas de Shiro, fazendo com que uma tênue aura roxa se espalha-se pelo corpo do menino, que relaxou suavemente o corpo já ao sentir os efeitos do movimento.

O único olho exibido do médico se estreitou, observando enquanto sua mais nova responsabilidade tentava a todo custo não demonstrar o quão doloridas estavam as queimaduras escondidas por baixo de suas roupas, mesmo que essas não fossem graves, se não o garoto teimoso já teria desmaiado com febre a muito tempo.

Não era de se admirar que estavam empurrando Shiro para ele, o albino já havia causado muita dor de cabeça para a maioria dos membros da divisão de socorro, assim como amedrontado todo o esquadrão de pesquisa, Aiden ainda estava se recuperando de sua última estadia no hospital, tendo voltado para seu plantão apenas nos últimos dois dias, e pelo pouco que o homem havia conseguido analisar dos arquivos incrivelmente incompletos de menino, Aiden era provavelmente um dos únicos capazes de lidar com ele, seja com sua ainda improvada periculosidade ou sua incrível capacidade autodestrutiva.

Olhe como seus superiores erem engraçados, jogando os prováveis dois humanos mais problemáticos da base juntos. Nada poderia dar de errado com um garoto selvagem e um médico desastrado presos juntos numa mesma sala repleta de equipamentos perigosos e produtos químicos fortes.

...

Eles provavelmente iriam se matar e destruir aquela enfermaria no processo em menos de quatro horas... esperançosamente... se nenhum imprevisto ocorresse.

E se fosse mais cedo, pelo menos estariam adiantando um pouco sua morte.

Sim, Aiden deu uma pequena sacudida de cabeça, ele poderia lidar com essa situação, assim como lidava com todos os obstáculos que a vida continuava a jogar em seu caminho, mesmo que no fundo nada ultrapassasse a cortina de breu que o cercava, ele ao menos poderia impedir Shiro de causar mais estragos e prejuízos para os Rangers da base.

Um súbito som alto chamou a atenção do acastanhado, que rapidamente voltou seu olho único para a maca anteriormente ocupada pelo homem mais jovem, apenas para encontrar a mesma vazia e sem lenções, no chão abaixo dela havia um amontoado de tecido brando mexendo-se furiosamente, um uma Blissey aturdida tentando inutilmente prestar socorro.

Mais um suspiro cansado saiu do médico, que caminhou preguiçosamente até a confusão.

Correção, eles se matariam em meia hora.

[...]

“Vamos lá. Geodude, eu quero que você tente usar o maior Sandstorm que puder e depois posicione-se num local aleatório dentro da tempestade.” Disse um rapaz robusto, enquanto suas emaranhadas madeixas pretas voavam suavemente na brisa fresca, mas não perdendo seu estranho formato despontado. Ele então virou-se, encarando a figura azulada em forma de torpedo que flutuava sob um dos pequenos lagos rasos feitos sexclusivamente para criaturas aquáticas com ela se acomodarem nas proximidades do pátio de treino acimentaçç. “Eu quero que tente localizar o Geodude dentro da tempestade e usar Bite. Você tem apenas uma chance por salto, Sharpedo. Depois disso o Geodude pode se mover mais uma vez.”

O rapaz então afastou-se a passadas calmas, ficando de pé a alguns bons metros de ambos seus pokémons, os conhecendo o suficiente para saber quais seriam suas áreas de destruição. Os escuros olhos ônix ganharam um brilho conhecedor, com um pequeno sorriso surgindo em sua boca.

“Começem.”

O ser de pedra não esperou mais, estreitando os cumes rochosos que formavam suas sobrancelhas em concentração, ele esticou seus estranhos braços humanoides que ficavam ao lado de sua cabeça, e utilizando essa como seu próprio eixo, o pokémon tipo pedra e solo começou uma incrível giratória, tornando-se nada menos do que um borrão acinzentado em poucos segundos. Uma corrente de vento começou a se formar, indo de um minúsculo redemoinho para um pequeno furacão de um pouco mais de cinco metros de altura, com Geodude bem em seu olho, liberando uma quantidade mínima de sua energia de pedra, dando para ao vendaval uma tonalidade amarronzada, que começou a ganhar forma de minúsculas rochas, criando uma espeça camada de detritos, o pokémon pedregoso agora estava indetectável aos olhos alheios.

O pokémon aquático grunhiu, com o som grave se sobressaindo sobre o chiado da ventania, as ameaçadores íris rubis viraram-se momentaneamente para seu treinador, ganhando um forte aceno de cabeça do jovem. Então, subitamente, o tubarão sombrio atacou, seu corpo azul escuro ganhando uma velocidade surpreendente fora da água, com a ajuda da aerodinâmica de suas quatro barbatanas, o tipo aquático literalmente cortou a ventania, fazendo uma momentânea fenda de ar limpo antes que o mesmo espaço fosse mais uma ver coberto de detritos. Sharpedo caiu em outra pequena piscina de água, com seus dentes afiados perdendo rapidamente um brilho profundamente arroxado.

Assim as coisas se seguiram, com o tipo aquático sempre tomando alguns segundos entre cada salto para dar chance para o adversário se mover, tentando localizar o tipo rocha por seus sentidos muito menos apurados fora da água, enquanto Geodude precisava manter sua concentração constante na pequena tempestade de areia e movimentar-se para se esquivar dos dentes mortais de seu colega de equipe.

“Que treinamento interessante.” Uma voz masculina soou, enquanto seu dono surgia em um dos cantos do pequeno pátio, a pele branca ardendo no sol da tarde, enquanto tufos de azul escuro surgiam pontiagudos do topo de sua cabeça, caindo em pequenas ramificações até tornarem-se grandes pontas que ficavam nas laterais de seu rosto e orelhas, formando uma pequena franja espinhosa, grandes olhos azuis ardiam de curiosidade ao observar a ação dos dois monstrinhos. “Você não tem medo do seu Geodude ser ferido? Afinal ele leva dano duplo para aquáticos.”

O outro jovem não respondeu, apenas arrastou os olhos escuros pelo corpo do recém chegado, que congelou no lugar, sendo alvo daqueles olhos que pareciam julgar cada pedacinho de seu corpo, fitando dês das pontas de suas botas até o final de seu traje de treinamento escuro, um rubor leve surgiu sob o nariz fino, enquanto os lábios tremeram em confusão, aqueles olhos pareciam as coisas mais frias que o azulado já tinha visto.

Então como o momento veio, ele se foi.

Com o sorriso nunca saindo de seus lábios, o moreno maior fechou os olhos e deixou as sobrancelhas caírem de maneira amigável, virando seu corpo novamente para seus pokémons.

“Eu confio no meu time, Sharpedo pode ser agressiva, mas ela sabe que o objetivo desse trino é a velocidade e o aprimoramento dos seus sentidos. Ela nunca usaria a brutalidade contra um companheiro.” Respondeu depois de alguns segundos, abrindo novamente os olhos, que pareciam exalar inocência, mas, possuíam uma pequena ponta fria que os tornavam simplesmente assustadores.

O menor engoliu a bile da garganta, não sabendo exatamente o que fazer, o cara na sua frente era certamente assustador, e se outros recrutas também fossem desse jeito!? Ok... Ele apenas tinha que se acalmar, talvez o cara não fosse tão ruim! Como seus pais sempre diziam...? “Não julgue um livro pela capa”, podia ser um ditado clichê, mas era certamente valioso para o rapaz, que sempre guardava tudo que seus cuidadores tinham a dizer no coração.

Tudo bem... não havia mal em tentar não é?

“Entendi... isso é interessante!” Disse apreçado, levando a destra até sua nunca e aumentando inda mais seu rubor. “Be-bem! Meu nome é Gary Hastwoods. E qu-qua-qual o seu?”

O mais alto pareceu considerar por um momento, ajeitando sua grande franja, ele olhou mais uma vez para o outro jovem. “Meu nome é Markel Th-“

“Todos os novos recrutas! Dirijam-se para o pátio central agora!” Uma voz grave soou do prédio de tijolos não muito longe dos dois, ecoando pela grande área acimentada.

“É, parece que o tempo livre acabou.” Marrkel disse, voltando-se para seus pokémons. “Ei! Vocês ouviram, acabou o treino pessoal!”

Gary girou o corpo esguio, fitando o caminho de pedras por onde havia vindo, notando o quão grande e sem fim agora ele parecia.

Estava na hora de conhecer os outros recrutas.


Notas Finais


PRIMEIRAMENTE: o desenho de capa foi feito por mim. Por favor não o utilizem minha permissão e blah blah blah.

Enfim.... o que acharam queridos leitores? E não, esse capitulo não significa que as vagas fecharam, os personagens que introduz aqui são os já "100% aprovados" por assim dizer. E ainda tem mais alguns semi aprovados que são: Ayelet Aderlaine, Aka Majo e Daniel Green isso nos da um total de 6 por enquanto, isso não quer dizer que seus personagens não tem chance, mas, dependendo da situação das outras fichas que ainda vão ser entregues, eles podem ou não ser aprovados.

Não esqueçam de avaliar o capitulo, e por favor me avisam caso vejam algum erro de português.

Alguma duvida deixem nos comentários sobre as fichas.

bjs <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...